Page 2

Mensagem

As mulheres vão à luta

C

onta o pensador grego Agostinho de Hipona que ao fundar Atenas o rei Cécrope I indagou ao oráculo de Delfos o significado de uma oliveira e uma fonte d’água brotadas logo após a fundação da mais famosa cidade grega. O oráculo respondeu que os cidadãos deveriam escolher o nome da cidade entre os deuses representados pela oliveira (Atena) e a fonte (Netuno). Os homens votaram em Netuno e as mulheres, em Atena. Atena venceu por um voto. Irado, Netuno varreu a cidade com fortes ondas e só se aquietou quando as mulheres atenienses foram punidas com três castigos: perderam o direito de votar, de dar nome aos filhos e de

Katherine Sheppard serem chamadas de atenienses. Como se vê, a luta pela emancipação da mulher como cidadã plena com direito a participação política é tão antiga quanto as lendas do tempo de um rei cujo corpo era metade homem, metade serpente. O primeiro país a reconhecer o direito da mulher à participação política e permitir o voto feminino foi a Nova Zelândia, em 1893, graças a um movimento conduzido por Katherine Sheppard. O exemplo frutificou. Na Inglaterra, a educadora Millicent Fawcett criou, em 1897, aos 50 anos de idade, a União Nacional pelo Sufrágio Feminino, que lideraria a luta pelo direito da mulher ao voto.

O direito de voto feminino só viria em 1918, com o Representation of the People Act, que o estabeleceu em todo o Reino Unido. Portugal podia tê-lo feito antes. Em 1911, a médica Carolina Beatriz Ângelo conseguiu chegar à urna quando invocou a lei que permitia o voto aos chefes de família alfabetizados maiores de 21 anos. Mas a seguir a lei foi modificada para cassar-lhe o direito. No Brasil, em 1928, a advogada mineira Mietta Santiago impetrou um mandato de segurança, alegando que a proibição do voto feminino contrariava a Constituição de 1891. Conquistou o direito de votar e de ser votada. Não se elegeu deputada, mas ganhou um poema do então jovem Carlos Drummond de Andrade. O direito ao voto chegou, afinal, com o Decreto 21.076, de 24/02/1932, que instituiu o Código Eleitoral Brasileiro, o qual permitia o voto a todos os cidadãos maiores de 21 anos, sem distinguir sexo. Para tão longa luta, nunca será demais exaltar as mulheres brasileiras pelo acesso à participação política. No dia 8 de março, a Câmara Municipal homenageou mulheres de variadas profissões e sintetizou seu reconhecimento nas figuras das vereadoras Edir Sales, Juliana Cardoso, Marta Costa, Noemi Nonato e Sandra Tadeu. Elas são, aqui, o símbolo do direito da mulher à participação política.

Cardápio Paulistano

P.2_

Jornal da Câmara Municipal de São Paulo MARÇO/2012

Custódio

Expediente: Vereadores: Abou Anni (PV), Adilson Amadeu (PTB), Adolfo Quintas (PSDB), Agnaldo Timóteo (PR), Alfredinho (PT), Aníbal de Freitas (PSDB), Antonio Carlos Rodrigues (PR), Antonio Goulart (PSD), Arselino Tatto (PT), Atílio Francisco (PRB), Attila Russomanno (PP), Aurélio Miguel (PR), Aurélio Nomura (PSDB), Carlos Apolinário (DEM), Carlos Neder (PT), Celso Jatene (PTB), Chico Macena (PT), Claudinho (PSDB), Claudio Fonseca (PPS), Cláudio Prado (PDT), Dalton Silvano (PV), David Soares (PSD), Domingos Dissei (PSD), Donato (PT), Edir Sales (PSD), Eliseu Gabriel (PSB), Floriano Pesaro (PSDB), Francisco Chagas (PT), Gilberto Natalini (PV), Gilson Barreto (PSDB), Ítalo Cardoso (PT), Jamil Murad (PCdoB), José Américo (PT), José Ferreira Zelão (PT), José Police Neto (PSD), José Rolim (PSDB), Juliana Cardoso (PT), Juscelino (PSB), Marco Aurélio Cunha (PSD), Marta Costa (PSD), Milton Ferreira (PSD), Milton Leite (DEM), Netinho de Paula (PCdoB), Noemi Nonato (PSB), Paulo Frange (PTB), Quito Formiga (PR), Ricardo Teixeira (PV), Roberto Tripoli (PV), Sandra Tadeu (DEM), Senival Moura (PT), Souza Santos (PSD), Tião Farias (PSDB), Toninho Paiva (PR), Ushitaro Kamia (PSD), Wadih Mutran (PP) participaram desta edição: Editora: Fábia Renata (Assessora de Imprensa Institucional), Textos: Carlos Marchi (Diretor de Comunicação Externa), Fábia Renata, Danilo Moreira e Karoline Carilli (Estagiários) FOTOS: Ângelo Dantas, Fábio Jr. Lazzari, Gute Garbelotto, Marcelo Ximenez, RenattodSousa e Ricardo Moreno. Produção e Distribuição: Contexto Propaganda Viva projeto gráfico E Diagramação: TDZ TIRAGEM: 300 mil exemplares IMPRESSãO: OESP Gráfica S.A.

Jornal Câmara Aberta - Março 2012  

Jornal Câmara Aberta - Março 2012

Advertisement