Issuu on Google+

Pág. 10

Pág. 8

Espaços verdes: protocolo com a LIALA Gestão intermunicipal do abastecimento de água

N.º 107 | Ano 10 | Distribuição gratuita

informação | par ticipação | cidadania • Edição da Câmara Municipal de Sesimbra • Março 2008

Saneamento avança no Castelo 2.ª fase do Zambujal tem início no 2.º trimestre de 2008 Pág. 11


sumário ATENDIMENTO PÚBLICO pelo executivo da Câmara

Augusto Pólvora (CDU) Presidente Planeamento Estratégico, Planeamento Urbanístico, Projecto Municipal da Lagoa de Albufeira, Águas, Saneamento, Salubridade e Ambiente, Jurídico e Contencioso, e Médico-Veterinário Terças-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete da Presidência ­­- Sesimbra) Quintas-feiras das 14.30 às 17.30h (Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde) Felícia Costa (CDU) Vereadora Cultura, Educação, Juventude, Habitação, Acção Social, Turismo, Informação e Relações Públicas Terças-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde) Quintas-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete da Vice-Presidente - DECL) José Polido (CDU) Vereador Administração e Finanças, Actividades Económicas e Desporto Terças-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete do Vereador - Sesimbra) Quartas-feiras das 14.30 às 17h (Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde)

grande plano • Cabo Espichel • Apoio ao Neca • Atletas distinguidos • Tiny Fish • Cercizimbra

04

no terreno • Quinta do Conde • Rotunda do Cabedal • Saneamento na Cotovia • Bairro da Almoinha • Conduta de Argéis

05

ambiente 10 • Câmara e LIALA assinam protocolo infra-estruturas 11 • Início da segunda fase de saneamento no Zambujal

em destaque 06 • Forte do Cavalo tem novas fardas • Dia da Protecção Civil • Sesimbra no Circuito Mundial de Bodyboard • Nova Estação de Tratamento de Água município 07 | 08 | 09 • Segunda etapa da requalificação do Núcleo Urbano Antigo já começou • Cadastro de água • Abastecimento de água no Parral • Municípios defendem parceria • As casas da educação • Visita à Assembleia da República

• Novo Centro da Cercizimbra na Quinta do Conde • Novos equipamentos desportivos no parque escolar • Moção contra as novas políticas educativas do Governo

centrais 12 | 13 • Perguntas e respostas sobre a Mata de Sesimbra

actividades económicas 19 • Projecto Prove: uma prova de sucesso

saúde 14 • Sexualidade na pessoa idosa • Serviço de Urgência Básico • Núcleo de Diabéticos do Concelho de Sesimbra

desporto 20 | 21 • Agita as tuas férias • A pedalar pelo património • Jovens de Sesimbra vencem torneio • Sesimbrense em destaque

acção social • Autarquia uniformiza rendas • Plano de Desenvolvimento Social

pessoas • Ângela Batista

aconteceu • Temporada de Música • Conversas na Capela • Dia Internacional da Mulher • Espectáculos no Cineteatro

15

16 | 17

educação 18 • Câmara propõe Pólo de Formação Profissional

21

tome nota •Sessão de esclarecimento • Almoço dos pioneiros • Prémio Espichel • Sesimbra à Mesa • O Pedido...do Urso • Jorge Palma • Famous Surf Shop • Parto na Água utilidades

22 | 23

23

Amadeu Penim (PS) Vereador Saúde Sextas-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete do Vereador - Sesimbra) Alberto Gameiro (PS) Vereador Obras Municipais e Logística Terças-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete do Vereador - Sesimbra) Quintas-feiras das 14 às 17h (Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde) Maria Guilhermina Ruivo (PS) Vereadora Recursos Humanos e Bibliotecas Municipais Terças-feiras das 9.30 às 12.30h (Gabinete da Vereadora - Sesimbra) 1.as e 3.as sextas-feiras de cada mês das 9.30 às 12.30h (Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde) Carlos Filipe de Oliveira (PSD) Vereador Protecção Civil, Modernização Administrativa e Informática Sextas-feiras das 14 às 17.30h (Gabinete do Vereador - Sesimbra ou Gabinete de Atendimento da Quinta do Conde)* * Conforme as marcações

www.cm-sesimbra.pt

Mata de Sesimbra Apesar de já ter sido apro­

vado por todas as entidades, o Plano de Pormenor da Zona Sul da Mata de Sesimbra continua a ser alvo de críticas mal fundamentadas. A Câmara Municipal res­ ponde, de uma forma simples, às perguntas que têm surgido com mais frequência.

15

Uniformização de rendas

A Câmara Municipal decidiu apli­ car o Regime de Renda Apoiada a todo o Parque Habitacional do Município, rectificando situações de injustiça que se verificam

12.13

F I C H A T É C N I CA Edição e Propriedade Câmara Municipal de Sesimbra | DIRECTOR Augusto Pólvora (Presidente da Câmara Municipal) cOORDENAÇÃO, REDACÇÃO, PAGINAÇÃO, FOTOGRAFIA, REVISÃO E SECRETARIADO Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal Avenida da Liberdade, n.º 7 – 2970-635 Sesimbra • Telefone: 21 228 85 90 • Fax: 21 228 86 87 • E-mail: girp@cm-sesimbra.pt | DESIGN GRÁFICO Rui Dias (projecto e direcção) e Bruno Campos (infografia e ilustração) | CAPA GIRP/CMS (concepção e fotografia) | COLABORARAM NESTA EDIÇÃO Carlos Sargedas e Francisco Rasteiro (fotografia) | PRÉ-IMPRESSÃO E IMPRESSÃo Belgráfica, Ld.ª | DISTRIBUIÇÃO CTT (via postal), GIRP/CMS (equipamentos públicos municipais), ARS – Serviços Publicitários, Ld.ª (comércio, colectividades, hotelaria e juntas de freguesia) TIRAGEM 10 000 exemplares | dEPÓSITO lEGAL N.º 134399/99 | ISSN 16466632 | DISTRIBUIÇÃO GRATUITA | Notas: O conteúdo integral ou parcial (textos e imagens) desta revista não pode ser reproduzido sem autorização expressa da Câmara Municipal. Os eventos divulgados em antecipação podem ser alterados por motivos imprevistos.


EDITORIAL

Plano de Pormenor da Mata de Sesimbra

10

Câmara e LIALA assinam protocolo A Câmara Municipal e a Liga dos Amigos

da Lagoa de Albufeira celebraram um protocolo que vai permitir proceder à manutenção de vários espaços verdes naquela zona.

11 Gestão intermunicipal da água

Sesimbra faz parte de uma associação de oito municí­ pios da Península de Setúbal que se propõe estudar a forma integrada de gerir os recursos hídricos reservatório elevado (torre de pressão)

conduta elevatória

captação, Pré-tratamento e elevação

central elevatória

Saneamento no Castelo

A segunda fase do saneamento no Zambujal vai começar em breve. Entretanto, estão no ter­ reno as obras da primeira fase de construção da rede em Al­ farim e vai ser adjudicada a se­ gunda fase desta empreitada.

conduta distribuidora

reservatório tratamento

conduta Adutora conduta distribuidora

8

Aquífero

informaç ão | par ticipaç ão | cid a d a n i a

Se desejar receber a revista Se­­­­­­­simbra Município e/ou a agenda de acontecimentos Sesimbr'Acontece por correio, sem custos, solicite-o indicando-nos o seu nome e morada atra­ vés do e-mail girp@cm-sesimbra.pt ou do telefone 21 228 85 90 .

Nas últimas sema­ nas, depois da aprova­ ção do Plano de Por­ menor da Zona Sul da Mata de Sesimbra pe­ la Assembleia Munici­ pal, têm proliferado na comunicação social lo­ cal os mais diversos ar­ tigos de opinião sobre o Augusto Pólvora mesmo. O direito a ter Presidente da Câmara opinião é legítimo e não se contesta. O que já não é legítimo e deve ser contestado é a falta de rigor e de­sinformação, quando não a mentira ostensiva, que prolifera nalguns des­ses artigos. É legítimo discordar da carga cons­ trutiva prevista no Plano, mas não é legítimo afirmar que o mesmo viola o PDM neste aspecto ou não cumpre os pareceres das entidades que so­ bre o mesmo se pronunciaram. É legítimo discordar do modelo turístico proposto, mas não é legíti­ mo dizer que estamos perante um projecto imobiliário e não turístico. É legítimo achar que era preferí­vel deixar tudo como está, com uma mata não sustentável, com um pi­ nhal doente e a expansão descon­ trolada dos areeiros, mas não é legítimo afirmar que uma ocupação exclusivamente turística de ape­ nas 10 por cento da mata, associa­ da a um Plano de Gestão Ambien­ tal e a um Plano de Acessibilidades com financiamento garantido, põe em causa o desenvolvimento sus­ tentável do concelho. Há uma diferença substancial en­ tre ter opinião e faltar à verdade. Ao disponibilizar no seu sítio da Internet todos os documentos mais significativos sobre o Plano de Por­ menor da Mata de Sesimbra e seus antecedentes, a Câmara Munici­ pal pretende contribuir para estrei­ tar o limite entre a desinformação e a dema­gogia, entre quem estando de boa fé tem uma opinião crítica e quem insiste na mentira.

Sesimbra Município | Março 2008




Foto: Rui João Rodrigues

grande plano

Cabo Espichel

Começou a recuperação

Apoio ao NECA

Alargar as actividades do Nú­ cleo de Espeleologia da Costa Azul é o objectivo do reforço de 5 mil euros aprovado pela autarquia, ao abrigo de um protocolo. Este apoio financeiro corresponde a um aumento de 170 por cento das actividades a realizar em 2008. O protocolo tem o valor total de 22 mil e 800 euros.

 Sesimbra Município | Março 2008

Depois de décadas de chuva, vento e vandalismo, o Santuário do Cabo Espichel está finalmente a receber as primeiras intervenções. Uma merecida recompensa para aquele que é considera­ do um dos espaços patrimoniais mais importantes do concelho e da região. Todos os anos, o monumento é visitado por milhares de turistas, que procuram ver de perto a grandiosidade do complexo. Nesta fase, a Câmara Municipal vai arranjar o terreiro, as janelas, caiar os edifícios e criar um parque de estacionamento, infra-estruturas de telecomunicações e águas.

Atletas distinguidos

Quatro atletas do Surf Clube de Sesimbra vão ser distinguidos pela Câmara Municipal pelos resultados obtidos na modali­ dade de skimboard. Filipa Pinto, Diogo Conceição, Simão Pinto e José Campos, campeões na­ cionais nos respectivos escalões, vão receber as medalhas de mérito no dia 4 de Maio, feriado municipal.

Protocolo com a Tiny Fish Cercizimbra A Câmara Municipal vai celebrar um protocolo de cooperação com a Tiny Fish Eventos, uma das mais dinâmicas associações juvenis do concelho. O acordo prevê um subsídio de 5 mil e 500 euros, verba que vai ser utilizada para a dinamização de projectos e actividades direc­ cionadas para público mais jovem.

Para compensar os encargos que a Cercizimbra tem com o transporte escolar de cinco alunos com necessidades edu­ cativas especiais, frequentado­ res da Escola Básica do Castelo e da Escola Básica Navegador Rodrigues Soromenho, a Câmara Municipal atribuiu um subsídio no valor de € 1.265,40 à associação.


no terreno Rotunda do Cabedal

Quinta do Conde

A Câmara Municipal de Ses­ imbra procedeu ao arranjo da Rotunda do Pi­nhal do Cabedal, na estrada que liga Aiana ao Pinhal de Cima, junto ao Parque de Campismo. As obras incluíram a colocação de cobertura vegetal, sistema de rega e iluminação pública, que garante mais se­gurança para os automobilistas.

Terminou no início de Março a primeira fase da pavimentação da Rua Sebastião da Gama, no Conde 1. Durante os trabalhos foi reabilitada a rede de águas e a rede de pluviais. Prestes a terminar está a pavimentação da zona poente da Boa Água 3, que abrange as Ruas das Hortênsias, Camélias, Crisântemos, Begónias e Magnólias. A2

EN 10

ER 377

EN 378

Saneamento

Cabedal

Na Charneca da Cotovia, a Câmara Municipal está a fazer o prolon­ gamento da rede de saneamento na Rua Rio do Vale. A obra vai ligar algumas habitações que ainda não se encontravam servidas pela rede pública. Entretanto, os trabalhos de extensão de rede na Fonte de Sesimbra, no Cabeço do Marmelo e na Venda Nova, estão concluídos.

Almoinha

ER 377

EN 379

Charneca da Cotovia

Sesimbra

Cabo Espichel

Bairro da Almoinha

Está concluída a reparação e rea­ bilitação dos edifícios municipais na Almoínha. A intervenção con­ sistiu na substituição de pavimen­ tos das casas, arranjos de cozinhas, coberturas, impermeabilização, pintura e outros melhoramentos nos nove prédios, onde habitam 59 famílias. A autarquia está agora a proceder à reabilitação dos espaços exteriores.

Conduta em Argéis

A Câmara Municipal está a reali­ zar obras de beneficiação da con­ duta de Argéis, com o objectivo de melhorar o abastecimento na zona nascente da vila. Os traba­ lhos consistem na substituição de válvulas e ventosas ao longo da conduta, que foi construída na década de 70. Os trabalhos devem ficar concluídos no final de Março.

Sesimbra Município | Março 2008




d

destaques ­

Parque de Campismo

Forte do Cavalo tem novas fardas

Os funcionários do Parque de Campismo do Forte do Cavalo receberam no início de Março novo vestuário e equipamento de protecção individual. A aquisição destas fardas teve em conta as necessidades exigidas pelos diferentes postos de traba­lho e pretendeu acompanhar a renovação de imagem do Parque, que começou em 2006, com a criação do novo logótipo. O verde, re­presentativo da serra, e o azul, representativo do mar, são as cores dominantes dos no­vos equipamentos. Está prevista para breve a aquisição de alguns materiais mais específicos como coletes de sinalização e macacos impermeáveis.

Dia da Protecção Civil

Um grupo de alunos da Escola Básica de Sesimbra participou num exercício que envolveu o Serviço Municipal de Protecção Civil, os Bombeiros Voluntários de Sesimbra, a Guarda Nacional Republicana e o Centro de Saúde. As crianças aprenderam a reportar, via rádio, aos serviços de emergência, um incêndio na escola e a evacuar um ferido. A iniciativa decorreu no âmbito do Dia Internacional da Protecção Civil, que se assinalou a 1 de Março.

Câmara instala nova estação de tratamento de água nas Fontainhas

A Câmara Municipal vai adquirir uma nova estação de tratamento de água para instalar no Centro Distribuidor das Fontaínhas. Este equipamento permite fazer a verificação e o controlo do processo de tratamento da água distribuída nas Fontainhas, Casal do Sapo e Courelas da Brava, desde o furo, passando pelos depósitos, condutas e distribuição final através dos ramais, o que garante uma melhor qualidade da água. Pode ainda receber sinais para uma análise contínua em tempo real, que possibilita ultrapassar situações imprevistas por avaria ou danos isolados, devido a agentes exteriores.

 Sesimbra Município | Março 2008

Desporto

Sesimbra no circuito mundial de bodyboard

A imagem da Câmara Municipal de Sesimbra está a correr o mundo, através do bodyboarder Gastão Entrudo, atleta do Surf Clube de Sesimbra, que está a parti­cipar no Circuito Mundial e Europeu da modalidade. Em 2007, o atleta concluiu o torneio na 18.ª posição.


município

Cadastro da água

A segunda etapa da requalificação do Núcleo Antigo da Vila abrange a Rua da Fortaleza

Núcleo Urbano Antigo da Vila de Sesimbra

Segunda etapa já começou

E

stá praticamente concluída a primeira etapa das obras de requalificação do Núcleo Urbano Antigo de Sesimbra. A Rua Jorge Nunes, entre o Largo do Município e Bombal­des já está pavimentada e aberta à circulação. No Largo de Bombaldes, as áreas de esplanada estão em funcionamento e proce­de-­ -se agora a trabalhos de instala­ ção de iluminação e bancos. No acesso entre o Largo e a Aveni­da da Liberda­de foi instalada uma estrutura em betão que vai receber um posto de transformação de electri­cidade. Esta cons­tru­ ção, prevista no pro­­­­­­jecto arquitectónico, está a ser enquadra­da na envolvente atra­vés da utilização de pedra seme­lhante à uti­­ lizada no Largo e da criação de floreiras. A esca­da existente nes­ ta zona passou para junto da entrada do Merca­do. Rua da Fortaleza A segunda etapa, entre a Rua da Fortaleza e o Largo de Bombaldes, teve início em Fevereiro. Durante a intervenção vai proceder-se à substituição da rede de esgotos e de águas pluviais, que já têm mais de um século, e da rede de distribuição de água,

Rua fechada ao trânsito No sentido poente-nascente o trânsito só circula até ao Largo da Marinha Alternativa para quem se desloca da Rua Cândido dos Reis para a zona nascente da Vila

Está concluída a actualização do cadastro do sistema de abastecimento de água da zona ocidental do concelho, que abrange as freguesias do Castelo e Santiago. O cadastro regista os traçados das condutas e redes de águas municipais e constitui um indispensável instrumento de gestão da rede. Facilita a tomada de decisões relativas a intervenções de grande ou pequena dimensão, com reflexos positivos ao nível da gestão dos recursos e serve também de apoio à tomada de decisões noutros domínios da intervenção municipal, principalmente, na área do urbanismo.

Biblioteca Cineteatro

Jardim

poente - nascente

Corte de trânsito A Rua da Fortaleza vai estar encerrada ao trânsito até final de Abril devido às obras de requalificação do Núcleo Urbano Antigo da Vila de Sesimbra. Os automobilistas que se dirijam à Av. 25 de Abril (Nova Marginal) devem fazê-lo através do Largo do Município e da Rua Jorge Nunes (Largo de Bombaldes). Quem circula na Rua Cândido dos Reis e quer dirigir-se para nascente deve virar à esquerda, na Rua Rainha Dona Leonor, para garantir um melhor abastecimento público. Após estes trabalhos será então feito o arranjo da Rua da Fortaleza com a colocação de pavimento em granito, nova iluminação e delimitação de passeios e faixa de rodagem. A obra implicou al-

antes da Capela do Espírito Santo dos Mareantes. Na Avenida dos Náufragos, o trânsito no sentido nascente-poente vai circular normalmente, mas no sentido poente-nascente só pode circular até ao Largo da Marinha. Os veículos pro­ ve­nientes do Porto de Abrigo que se diri­jam para a zona nascente da vila devem optar pela Rua 4 de Maio. A Câmara Municipal pede desculpa pelos incómodos causados. terações à circulação do trânsito na vila, para as quais foram criadas alternativas (ver caixa). No decurso dos trabalhos foram encontrados vestígios arqueo­ lógicos, devidamente acompa­ nhados pelos técnicos da autarquia

Abastecimento de água no Parral

O aglomerado do Parral, situado no limite entre os concelhos de Sesimbra e Setúbal, vai ter água canalizada em 2008. O concurso para a adjudicação da obra vai ser lançado em breve, e a conduta principal será ligada à aldeia da Portela, no concelho de Setúbal, uma vez que é a rede de água mais próxima. A empreitada incluirá a instalação da conduta principal com 1300 metros e da rede de distribuição, com cerca de 650 metros. Esta empreitada resulta de um acordo estabele­cido entre as duas Câmaras Municipais.

Sesimbra Município | Março 2008




município Sistema Intermunicipal de Abastecimento de Água da Península

Municípios defendem parceria Oito municípios da Península associaram-se para estudar a gestão da água para abastecimento público. Visto que as reservas subterrâneas não se limitam às fronteiras dos concelhos, o modelo intermunicipal apresenta-se como o mais indicado. Sesimbra integra esta associação, uma decisão aprovada em Assembleia Municipal

N

«Um modelo com estas ca­rac­­­terísticas pode contribuir pa­­­­ra uma gestão equilibrada do aquífero e evitar duplicação de investimentos»

os últimos anos, o de­ bate sobre a gestão dos recursos hídricos de ca­ da região tem estado na ordem do dia. Os períodos de seca ex­ trema que se registaram em Portugal alertaram para o facto de a água não ser um bem ines­ gotável e de que é necessário proteger, preservar e fomentar a sua utilização eficiente. No Distrito de Setúbal, onde se situam alguns dos municípi­ os pioneiros na distribuição de água para abastecimento pú­ blico, este debate está a ser fei­ to há alguns anos. A região fica situada sobre uma importante reserva de água, que se desen­ volve ao longo da margem es­ querda do rio Tejo e se estende desde Abrantes, a Norte, até Grândola, a Sul, e abrange 26 concelhos. Não há, portanto, um aquífero independente por concelho, mas sim um grande

aquífero que se estende para além das fronteiras de cada município, o que sugere mode­ los de gestão integrados. Recentemente, oito dos nove municípios da Península, entre os quais Sesimbra, decidiram as­ sociar-se para começar a desen­ volver um plano conjunto de ges­tão da água. O primeiro pas­ so foi a constituição de uma As­ sociação de Municípios de Fins Específicos que vai começar por ava­liar os recursos existentes e a melhor forma de implementar uma gestão integrada. Posterior­ mente, o objectivo é criar uma empresa intermunicipal que per­ mita potenciar os equipamentos

Como se processa a captação de água

do sistema em alta já existentes, como condutas, reservatórios, cen­­trais elevatórias ou cap­tações, renta­bilizar os investimentos em infra-estruturas e facilitar a can­ didatura a fundos de coesão. Um modelo com estas ca­rac­­­ terísticas pode contribuir pa­­­­ ra uma gestão equilibrada do aquífero e evitar duplicação de investimentos. A Aldeia do Parral, que vai re­ ceber, em breve, água para con­ sumo público, é um exem­plo prático deste funcionamento em­ associação. Embora se si­tue no concelho de Sesimbra, este pequeno aglomerado está mais próximo da rede de abasteci­

A rede no concelho de Sesimbra Reservatório Elevado (Torre de pressão)

Conduta Elevatória

Captação, Pré-tratamento e Elevação

Central Elevatória Reservatório Tratamento

Conduta Adutora Conduta Distribuidora

Aquífero

 Sesimbra Município | Março 2008

mento de água de Setúbal. Para levar água ao local, a Câmara Municipal de Sesimbra teria que fazer um grande investimen­ to. Através de um acordo com o município de Setúbal vai ser possí­vel proceder-se à ligação do Parral à sua rede de abasteci­ mento, que passa perto do local. Com uma administração inter­ municipal, casos como este se­ riam automati­camente resolvi­ dos. Quanto às vantagens directas pa­ra o concelho, são também visíveis. Dependendo do rit­ mo de crescimento, nos próxi­ mos cinco a dez anos, Sesimbra terá que fazer um investimen­ to supe­rior àquele que foi fei­ to na última década. Se o conce­ lho se mantiver isolado pagará esse investimento so­zinho. In­ tegrado numa Empresa Inter­ municipal, este investimento não será tão elevado

Conduta Distribuidora

FASE

LOCAL

N.º

TOTAL

Subsistema 13 da Apostiça 18 Captações Subsistema da Quinta 5 do Conde Subsistema 11 Ocidental (16830 m3) 26330 m3 Reservatórios Subsistema 4 3 (9500 m ) Oriental Subsistema 2 (principais) Ocidental 4 (secundárias) Centrais 8 Elevatórias Subsistema 2 (principais) Oriental Subsistema 1 Ocidental Estações 2 de Tratamento Subsistema 1 Oriental Subsistema Extensão 82 Km Ocidental de condutas principais 93 Km (elevatórias, Subsistema 11 Km Oriental adutoras e distribuidoras)


Visita à Assembleia da República

O debate sobre as Escolas Conde de Ferreira juntou representantes de municípios de vários pontos do país

Conferência sobre Escolas Conde de Ferreira

As casas da educação

A

s Escolas Conde de Ferreira – Marco Histórico da Ins­trução em Portugal foi o tema de uma conferência que se realizou no Cineteatro e juntou municípios de todo o país. Inserido no projecto Da Casa da Edu­cação à Casa da Partici­pação, este encontro teve como objectivos aprofundar o co­ nhecimento acerca da história das Escolas Conde de Ferreira, atra­vés da análise ao contexto edu­­­cativo e social do período em que surgiram e, paralelamente, pro­mo­ver a classificação destes edifícios­ como Património de Interesse Municipal, numa perspecti­va nacional. Odete Graça, presidente da Assembleia Muni­cipal, deu o mote para a sessão e parti­lhou alguns dos dados re­ co­­lhidos. Dos 120 edi­fícios previstos no testa­mento, a Assembleia iden­tificou 80. Destes, 16 foram de­­­moli­dos e os restantes conti­ nu­­am a funcio­nar como escolas. Marga­rida Louro Felgueiras, doutora em Psicologia e Ciências de Educa­ção, apresentou A Filan­tropia em Edu­­cação: A Acção dos “Brasileiros, e demonstrou a importância do comércio como principal factor de estímulo do sistema escolar no sé­culo XIX. Destacou também a importância dos portugueses regressados do Brasil, impulsionadores de práticas filan­tropas, que contribuíram para a constituição do parque escolar público e priva-

Um pouco de história Em meados do século XIX, o sistema de en­sino público e privado em Portugal, era extremamente rudimentar e desar­ti­­­­­­­­­­culado. Não só havia uma enorme ca­­­­­­­rência de espaços de ensino, como os pro­­­fessores recebiam ordenados mi­­­se­­ráveis e tra­­ba­­­­­­­lha­­ vam em condições ina­­­dequadas ao exercício das suas fun­­­ções. Reflexo des­­­te facto era a taxa de­­­ analfabetismo re­­­gistada no final do­­­ referido século, na ordem dos 75 por cento da população. Perante este cenário, o­­­­ contributo de Joaquim Fer­­­reira dos San­­­­­­­­­­­­­­­­tos, conhecido como Conde de Fer­reira, para a educação em Portugal foi determinante e ainda hoje se repercute de Norte a Sul do país. Nascido no seio de uma família pobre do norte do país, emigrou com apenas 14 anos para o Brasil, onde fez fortuna. Em 1856, a do até meados do século XX. Carlos Manique da Silva, professor da Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação de Lisboa, deu a co­ nhecer um pouco da Ideia de “Casa da Escola” no Século XIX Português. «Ao longo do século XIX, a di­cotomia escola/habita­ção é estruturante nos edifícios projectados para o ensino elementar», sa­­­­lientou. «A expressão casa da escola sugere a dupla imagem de alo­jamento para o professor e de salas organi­zadas para receber os alunos às horas das lições. Verifica-­­ -se que os espaços públicos de educação tendem a fechar-se sobre si,

Rainha D. Maria II concedeu-lhe o título de Conde e pouco depois regressou a Portugal onde acabou por falecer, a 24 de Março de 1866, deixando em testamento 144 mil reis destinados à cons­­­­trução de 120 casas-escola para o ensino primário. Assim nasceram as Escolas Conde de Ferreira, edifícios que se transformaram em modelos para a instrução nacional, definindo a existência de uma resi­dên­cia para o professor, mobiliário e material escolar padronizados. Uma dessas escolas foi construída em Se­simbra, espaço que hoje conhecemos como Auditório Conde de Ferreira. A Assembleia Municipal passou a ocupar parte do edifício em 2000, após as obras de restauro. Consciente do valor histórico e patrimonial do mesmo, iniciou este projecto. não aproveitando educativamente os “arredores”». Rogério Fer­nan­des, docente na mesma Fa­culdade, expôs o estudo A Educa­ção e a Cultura de Escola, onde se re­­fe­riu à cultura material da es­cola, constituída pelo universo de objec­tos e instrumentos utilizados no exer­cício da activida­de de ensino/aprendizagem e às relações interpessoais entre pro­­fessores e alunos nas escolas primárias portuguesas de finais do século XX. A en­cerrar, Augusto Pólvora, presi­dente da Câmara Municipal de Se­­­simbra, reforçou a importância de salvaguardar e classificar este pa­tri­­mónio

A 5.ª Assembleia Municipal de Jovens terá como presidente João Paulo Brito, da Escola Michel Giacometti. É uma responsabilidade que o jovem encara «com optimismo, motivação e esperança de contribuir para melhorar a vida no concelho», como salientou depois da eleição. Simone Lopes, da EB 2, 3 de Santana, foi eleita 1.º Secretário, e Ana Catarina Martins, da Escola Secundária Sampaio, 2.º Secretário. O acto decorreu no auditório da Assembleia da República, em Lisboa, no âmbito de uma visita promovida pela Assembleia Municipal. Durante a eleição, Odete Graça, presidente da Assembleia, acompanhada por José Carlos Esequiel, 1.º Secretário, e por Francisco Cordeiro, 2.º Secretário, sublinhou o empenho das escolas no projecto, considerou a visita «importante para a aprendizagem da vivência da cidadania por parte dos jovens» e desejou bom trabalho aos eleitos e líderes de bancada para a próxima Assembleia Municipal de Jovens, que se realiza em 10 de Maio, na Escola Básica 1 da Quinta do Conde, e que tem como tema Que Inseguranças Vivemos? Que Segurança Desejamos. O dia ficou ainda marcado pela visita ao Parlamento, ao Palácio de São Bento e pela recepção do Presidente da República à comitiva. Jaime Gama felicitou o papel da Assembleia Municipal de Sesimbra e de todos os que estão envolvidos na dinamização do projecto, e recebeu, como lembrança, o livro Imagens de Fé, do fotógrafo sesimbrense José Arsénio.

Sesimbra Município | Março 2008




ambiente Conservação de Espaços Verdes na Lagoa de Albufeira

Câmara e LIALA assinam protocolo

A

Câmara Municipal e a Li­ ga dos Amigos da Lagoa de Albufeira (LIALA) celebraram, em Março, um pro­­­tocolo de colaboração pa­­ra as­­­­segurar o bom estado de conser­­vação dos espaços verdes e a limpeza urbana na Lagoa. Esta iniciativa surge na sequência de um conjunto de par­cerias já estabelecidas neste âm­bito que têm apresentado bons resultados. Com base neste acordo, a autarquia vai atribuir à Liga um apoio financeiro de € 61.847, que se destina ao período compreendido entre Março de 2008 e Fevereiro de 2009, assim como um subsídio de 24 mil euros para a aquisição de equipamentos e utensílios. A autarquia vai também fornecer água para a rega, plantas e quatro carrinhos de varredura. Em contrapartida, a LIALA as­­­­ se­­gurará o tratamento das áreas verdes, a varredura e a eli­­­­minação de ervas nos arrua­mentos, passeios e todos os espa­ços públicos, assim como a manutenção e conservação do mobiliário urbano, pequenas­ reparações e vigi­

lância da rede de rega, evitando a sua utilização abusiva. O acordo abrange as AUGI 7,8, 11,12,13,15,16,19,25,26 e 30 mas poderá ser alargado a outras zonas, à medida que forem ocorrendo as recepções definitivas das obras de urbanização

O acordo garante a conser­­vação dos espaços verdes e a limpeza urbana na Lagoa de Albufeira

Experiência positiva no Zambujal

Zonas abrangidas pelo protocolo

10 Sesimbra Município | Março 2008

Volvido pouco mais de um ano desde a assinatura do primeiro protocolo deste género, com a CHEZambujalense, o presidente da direc­ção, José Duarte, faz um balanço positivo do projecto. «Esta ideia foi muito boa e a população já nota diferenças para melhor. A nossa área de intervenção está mais limpa e os espaços verdes estão mais cuidados. Temos duas pessoas a trabalhar de segunda a sexta-feira e estamos satisfeitos com este projecto, que consideramos um bom exemplo de parceria», adiantou. Durante o presente mandato, a Câmara Municipal es­­­tabeleceu um acordo semelhante com a Urbanização da Roça. Dados os bons re­sul­tados do projecto, o objectivo é es­ta­be­lecer novas colaborações neste do­­mí­­nio.


ACRUTZ

infra-estruturas na

nta

Sa

Alf

Espaço Zambujal

ar

EN 3

77

im

CASCUZ

EN

ZAMBUJAL

377 Legenda

C

o ab

l he

1.ª FASE (já concluída) 2.ª FASE

ic

Esp

A segunda fase da construção da rede de saneamento do Zambujal, orçada em 850 mil euros, deve estar concluída no segundo trimestre do próximo ano

Saneamento no Castelo

Início da 2.ª fase do Zambujal

Durante o segundo trimestre deste ano arranca mais uma fase do saneamento na freguesia do Castelo. A intervenção, da responsabilidade da Câmara Municipal, está orçada em 850 mil euros e vai servir 1200 moradores. Em Alfarim, prosseguem as obras da primeira fase e prevê-se a adjudicação da segunda fase durante o Verão.

A

construção da segunda­ fase da rede de sanea­ mento no Zambujal, fre­ guesia do Castelo, começa no segundo trimestre de 2008 e deve ficar concluída no prazo de um ano. A infra-estrutura, adjudicada pela Câmara Municipal por 850 mil euros, vai servir cerca de 1200 moradores. No total são 9600 metros de colectores de esgotos domésticos e 1200 metros de colectores de águas pluviais. De referir que uma parte do saneamento do Zambujal, que se estende desde o loteamento industrial até junto ao polides­ portivo da ACRUTZ, está a ser executada pelos responsáveis deste loteamento, em resultado de um acordo estabeleci-

do com a Câmara Municipal. O Castelo é a freguesia que a­presenta maiores carências ao nível de saneamento, sobretudo devido à dispersão territorial das várias localidades. A criação de uma rede que abranja todo o território é uma das principais prioridades da Câmara Muni­ ci­­pal. Permitirá, não só a elimi­ nação de muitas fossas sépticas existentes, o que é, desde logo, uma importante medida ambiental, como também contribuirá para a qualidade de vida dos moradores. Alfarim Neste momento estão no terreno, a cerca de 60 por cento de

«A infra-estrutura, adjudicada pela Câmara Municipal por 850 mil euros, vai servir cerca de 1200 moradores»

execução, as obras da primeira fase de Alfarim, que se inicia­ram em Agosto de 2007. Esta intervenção, orçada em 545 mil euros abrange 1400 muní­cipes e deve ficar concluída até ao final do Verão. A segunda fase, que tem um valor base de 488 mil euros, está em concurso. Prevê-se que possa ser adjudicada ainda no segundo trimestre de 2008, e que a obra avance durante o Verão.

Em projecto Entretanto, vai ser lançado concurso para elabora­ ção de projectos para o Poci­ nho, Pedreiras, Covão, Macã, Quintinha, Aldeamento do Pé da Serra, Vale Figueira, Laje, Vale da Aiana, Fornos, Fetais, Casais, Azoia, Serra, Fa­­­­cho, Aldeia Nova e Pinhei­ ri­nhos, ao abrigo de um protocolo recentemente assinado com a empresa SIMARSUL. Cai­xas, Aldeia do Meco, Torrões e Lagoa de Albufeira são localidades que têm também projectos elaborados pela Câmara Municipal e aguardam o lançamento dos res­pectivos concursos Sesimbra Município | Março 2008

11


centrais ambiente

1

A Mata de Sesimbra vai ser uma mega urbanização?

Ao contrário do que tem sido veiculado por alguma comunica­ ção social, o Projecto da Mata de Sesimbra não é uma cidade ou uma eco-cidade, mas sim um con­ ­­­­­junto de empreendimentos to­­­­­­­tal­­ mente turísticos complemen­ta­­­ dos com equipamentos des­­­­­­­­­­por­­­­ti­­­­­­­­­­vos, culturais, religiosos, de saú­ de, de comércio e recreio. Na área do plano está completamente ve­ dada a construção de zo­­nas ur­ banas para habitação.

2

A versão do Plano que foi aprovada corres­ ponde àquela que esteve em discussão pública? No essencial, a versão corres­ ponde à que foi sujeita a discus­ são pública, embora tenha altera­ ções resultantes de sugestões e pareceres de várias entidades, que foram sempre respeitados. Tem também as alterações exigi­ das pelo Ministro do Ambiente, que retiraram ao projecto 315 mil metros quadrados resultantes do chamado Acordo do Meco.

3

O despacho do minis­tro do Ambiente foi se­guido?

Sim. Tal como foi referido em comunicado da autarquia, de 14 de Setembro de 2007, tanto a Câ­ mara Municipal como o promotor do projecto aceitaram a alteração feita, considerando que era res­ ponsabilidade do Governo avaliar a compatibilidade do Plano de Pormenor com o Plano Regional de Ordenamento do Território da Área Metropolitana de Lisboa.

4

A actual mata vai desaparecer?

Não. O Plano de Pormenor tem associado um Plano de Gestão Ambiental, que obriga os proprie­ tários da área a procederem à re­ florestação e conservação da ma­

12 Sesimbra Município | Março Janeiro2008 2007

ta. Este Plano prevê a substituição progressiva do pinheiro bravo e do eucalipto por espécies de maior valor, como o sobreiro, o pinheiro manso ou o carvalho.

5

E os areeiros existentes no local vão ser encerrados?

Assim que o Plano seja publica­ do em Diário da República, começa a contar o prazo acorda­ do para o encerramento de todas as explorações de inertes exis­ tentes no local (15 anos para os areeiros e 25 anos para argilas).

6

Como vai ser feito o abas­tecimento de água?

O abastecimento público de água vai ser da responsabilidade da Câmara Municipal, embora o in­ vestimento na abertura de furos e na construção das adutoras e depósitos seja da responsabili­ dade dos promotores. A água da rede pública servirá apenas para consumo humano.

7

Como se procederá à rega dos campos de golfe, por exemplo?

A rega dos espaços verdes e dos campos de golfe será feita atra­ vés da reutilização da água prove­ ni­ente da Estação de Tratamento,­ da responsabilidade dos pro­­­­­prie­ tários, e do encaminhamen­to e armazenamento das águas plu­ viais nos lagos dos campos de golfe.

8

De que forma vão ser financiadas as acessibilidades?

O acordo para financiamento das acessibilidades, firmado com a empresa promotora, garante a execução das principais vias pre­ vistas no Plano de Acessibili­ dades ao Concelho de Sesimbra, fundamentais quer para a imple­ mentação do Plano quer para a melhoria radical das acessibili­ dades externas e internas do concelho.

22 perguntas

sobre o Plano d Zona Sul da Ma O Plano de Pormenor da Zona Sul da Mata de Sesimbra foi aprovado em Assembleia Municipal e vai agora ser publi­ cado em Diário da República. Apesar de ter seguido escrupulosamente todos os trâ­mi­ tes legais, de ter recebido pareceres favoráveis de cerca de 30 entidades e de ter sido aprovado em todas as ins­ tâncias, em muitos casos por unanimidade, o Plano tem sido alvo de críticas, na maioria, mal fundamentadas. Estes casos repetem-se, ou por falta de conhecimento, ou

9

O Plano obriga à alte­ração dos instrumentos de ordenamento do território? O Plano respeita todos os ins­ trumentos de ordenamento do território em vigor, nomeada­ mente o Plano Regional de Or­ denamento do Território, o PDM e outras condicionantes ambientais, tais como a Reser­ va Agrícola Nacional e a Reser­ va Ecológica Nacional. O único aspecto em que altera o PDM tem a ver com uma orientação do Plano Regional, que reco­ menda a concentração dos empreendimentos turísticos, ao­ invés do modelo de dis­ persão previsto no PDM.

10

De quem partiu a iniciativa do acordo do Meco?

O acordo do Meco foi sugerido pelo Governo, na altura lide­ rado por Durão Barroso, actu­ al presidente da Comissão Eu­ ropeia, para solucionar um dife­rendo com mais de 30 anos.

11

O que tem este acordo a ver com a Mata de Sesimbra?

Este acordo previa que a carga construtiva do Alvará 5/99, da Aldeia do Meco, pudesse ser transferido para a área da Mata de Sesimbra, evitando assim um atentado ambiental numa área protegida, caso o alvará viesse a concretizar-se, e pondo fim a um contencioso que se ar­ rastava nos tribunais há mais de 30 anos e se estendia já ao nível dos Governos de Portugal e da Alemanha por via da cons­ tituição do Tribunal Arbitral previsto no acordo Luso-Ale­ mão de protecção mútua de in­ vestimentos.

12

Quem aprovou o acordo?

Para além do Governo, o acordo foi aprovado em 2003, por una­ nimidade, pela Câmara Munici­ pal e Assembleia Municipal, e re­ cebeu um parecer favorável do Conselho Consultivo da Procura­ doria-geral da República.


s e respostas

de Pormenor da ata de Sesimbra por má-fé, e acabam por levantar dúvidas e confundir a opinião pública. Pela importância do tema para o futuro do município, e por considerar que os munícipes devem estar esclarecidos sobre o mesmo, a Câmara Municipal responde, de uma forma simples, às perguntas que têm surgido com mais frequência. No site da autarquia será disponibilizado um dossiê mais completo sobre o tema, complementado por um conjunto de documentação essencial para que se possa compreender o processo.

13

Tratava-se de uma permuta de terrenos?

Não. Ao contrário do que mui­ ta comunicação social referiu, o acordo do Meco não dizia res­ peito a uma permuta de terrenos mas sim à permuta de direitos de construção do grupo alemão de uma zona junto à Praia do Meco, para a Mata de Sesimbra.

14

Quanto tempo levou todo o processo de apro­vação do plano?

O processo teve início em 2003 e tinha previsto um prazo de 18 meses para a sua elaboração, apreciação, discussão, aprovação e publicação. Na prática demo­ rou cerca de 5 anos!

15

As consultas públicas de­­­correram conforme a lei?

Embora nos termos da lei, a con­ sulta pública pudesse ficar re­ sumida a um único local, a Câ­ mara Municipal disponibilizou o plano em quatro locais. Face a dúvidas que se levantaram quan­

to ao facto de apenas num dos lo­ cais estarem disponíveis os pa­ receres das entidades consultadas, a Câmara entendeu por bem, para evitar qualquer especulação, abrir um novo período de dis­ cussão pública disponibilizando os Pare­ceres nos quatro locais on­ de era possível a consulta. Foram feitas três sessões públicas pa­ra a discussão pública e produzidos do­cumentos de suporte es­pe­ cíficos da mesma. Foram disponi­ bilizadas para consulta versões digitais do Pla­no, do Plano de Gestão Ambiental e do Plano de Acessibilidades, num site criado para o efeito.

16

Vai haver carga turística excessiva?

O número máximo de camas previsto é de pouco mais de 19 mil camas. O nível médio de ocupação deste tipo de em­ preendimentos é de 40 por cento, o que se traduz numa ocupação média de 8 mil turistas, muito in­ ferior às dezenas de milhares de pessoas que visitam as nossas praias, só ao fim-de-semana, sem

ambiente os impactos positivos na activi­ dade económica do concelho que a actividade turística pode repre­ sentar. O emprego e desenvolvi­ mento económico são também elementos fundamentais da sus­ tentabilidade.

17

Que empreendimentos vão surgir no local?

Estão previstos quatro hotéis, onze aldeamentos turísticos e três ou quatro campos de golfe, para além de equipamentos des­ portivos, culturais, religiosos, de saúde, comércio e recreio. Em que medida este Pla­­­ no contribui para o de­­­ senvolvimento eco­­­nó­­ mi­co do concelho e da região?

18

Para além da utilização de mais de 50 por cento de materiais de construção e de bens alimenta­ res provenientes de um raio de 50 quilómetros, o empreendi­ mento prevê a criação de cerca de 11 mil postos de trabalho di­ rectos e indirectos. Ao nível dos serviços, o Plano tam­­­bém privilegia a oferta dos fornecedores locais. A con­­ cretiza­ção da rede viária previs­ ta terá efeitos multiplicadores sobre a restante actividade eco­­ nómica do concelho. O relança­ mento e sustentabilidade da ex­­ ploração florestal serão uma rea­­­lidade.

19

E vamos ter mais turistas ao longo do ano?

O projecto permite ao municí­ pio, utilizando as suas carac­ terísticas territoriais naturais, ser líder no turismo sustentável e reorganizar a sua oferta turís­ tica para os mercados internacio­ nais. Uma oferta assente nos hotéis e aldeamentos turísticos e no equi­pamento de nível superior, orien­tado para o mercado exter­ no, po­tencia a presença regular de turistas ao longo do ano.

20

O projecto destina-se só aos turistas, ou também ao público em geral?

Não faria sentido criar um pro­ jecto desta natureza só para usu­ fruto dos turistas. Aliás, seria mes­mo con­­traproducente afas­ tar as popu­la­­ções locais deste projecto, por­­que elas são uma parte fundamen­­tal na sua di­ nâmica. Daí que esteja pre­­­­­­­­visto um investimento de 100 mi­­lhões de euros em programas des­­ portivos, de lazer, cultu­rais e edu­ cacionais. Há também a garantia da criação de equipamentos so­ ciais e espaços verdes públicos.

21

No plano ambiental, quais as principais van­tagens do projecto?

O Plano tem objectivos ambien­ tais ambiciosos, pioneiros e por­ ventura, nunca antes alcançados em nenhum outro projecto turís­ tico conhecido. A utilização de mais de 50 por cento de mate­ riais recicláveis, a eliminação de mais de 90 por cento de materi­ ais tóxicos, em comparação com casas típicas, a redução de 40 por cento da energia eléctrica atra­ vés da instalação de aplicações de classe energética A, ou a re­du­ ção de 44 por cento da ventilação energética, através de soluções movidas a ventos, são algumas das metas. Existem ainda solu­ ções ambiciosas para a redução do lixo, para a produção de ener­ gia renovável, para a conservação e reutilização da água.

22

Qual o próximo passo do Plano?

Depois de ter sido aprovado por unanimidade pelo executivo mu­ nicipal e por maioria pela Assem­ bleia Municipal, o Plano vai ago­ ra ser publicado em Diário da República, seguindo-se a ava­lia­ ção de impacte ambiental, a aprovação das obras de urbani­ zação e a celebração do contrato de urbanização.

Sesimbra SesimbraMunicípio Município| |Janeiro Março 2008 2007

13


saúde Serviço de Urgência Básico

Ministério da Saúde não contempla Sesimbra Sexualidade na pessoa idosa

A sexualidade, a saúde, os preconceitos e a importância da pessoa idosa se manter activa na tomada de decisões em vários aspectos da sua vida, foram alguns dos temas discutidos no colóquio Afectos e Sexualidade na Pessoa Idosa, que decorreu na Sala Polivalente da Biblioteca. O encontro contou com a participação de Mariana Dupont, directora dos Centros de Saúde do Seixal e Sesimbra, da vereadora da Acção Social, Felícia Costa, de Maria Paula Nunes, especialista em saúde familiar e gerontologia, de Luísa Prada, psicóloga e de Pedro Cardoso, assistente social. Estes especialistas apresentaram testemunhos de forma clara e sem tabus, a uma plateia de perto de 50 pessoas, composta por técnicos de várias áreas. «É importante perceber as limi­tações, mas também os projectos, os sonhos, as competências e a experiência acumulada pelo idoso ao longo da sua vida, para que a sociedade possa encará-lo como uma mais valia e não, como alguém que está em fim de vida», sublinhou Maria Paula Nu­nes. Luísa Prada salien­tou os efeitos terapêuticos da actividade se­ xual e afirmou que «manter-se sexualmente activo melhora o processo de envelhecimento». Pedro Cardoso centrou a sua intervenção na forma como os idosos vivem e sentem a sua sexualidade. Em pleno Dia dos Namorados, esta foi uma forma de abor­dar um assunto que, apesar de conti­nuar a ser tabu para muitos, faz parte da vida da pessoa idosa.

14 Sesimbra Município | Março 2008

A

Câmara Municipal apro­­ vou, por unanimida­de, uma moção na qual demonstra a sua «frontal e abso-­ luta discordância» com o despa-­ cho do Ministro da Saúde, que define e classifica os serviços de urgência que constituem os pontos da rede de Urgência/ /Emergência sem fazer qualquer referência ao conce­lho de Se­ sim­bra. A autarquia argumenta que durante o período de con-­ sulta pública apresentou uma proposta para criação de um Serviço de Urgência Básico em Sesimbra, devidamente funda-­ mentada, mas nunca chegou a ter resposta por parte da tute-­

la. O documento subscrito pe-­ lo presidente da autarquia e pe-­ lo vereador do Pelouro da Saúde refere ainda que a própria Ad-­

ministração Regional de Saúde reconheceu a necessidade de se melhorar o atendimento médi-­ co aos munícipes de Sesimbra. Lembra também o estado de sobrelotação das urgências do Hospital Garcia de Orta e o fac-­ to de outros concelhos com as características de Sesimbra te­ rem sido incluídos na rede. Para tentar esclarecer este as-­ sunto, bem como a situação dos serviços de saúde no concelho, a autarquia solicitou uma audiên-­ cia com carácter de urgência à Mi­nistra da Saúde, Ana Jorge. A mo­ção pode ser consultada na íntegra no site da Câmara Mu-­ nicipal

Núcleo de Diabéticos do Concelho de Sesimbra

O primeiro passo é aceitar a doença

O

concelho de Sesimbra vai passar a ter um Nú-­ cleo de Diabéticos. A ideia partiu de dois irmãos, Ma-­ falda e Bruno Sebastião, que convivem com a doença desde crianças. O objectivo é ajudar todos aqueles que, no seu dia-­ -a-dia, têm que enfrentar as di-­ ficuldades e limitações que a dia­ betes acarreta, mostrando que um diabético controlado pode fazer uma vida bem próxima da normal. «Queremos, acima de tudo, ajudar outros jovens a aceitar a doença e a perceber como lidar com ela», destacam. Mafalda, 23 anos, nasceu celíaca, uma doença crónica intestinal, que mais tarde levou ao apare-­ cimento da diabetes. No caso do Bruno, 30 anos, o motivo foi uma papeira mal curada. Ape-­ sar de origens diferentes, a dia-­ betes cruzou o caminho destes dois irmãos e empurrou-os para uma realidade, muitas vezes, difícil de aceitar. «Era bastante complicado sair com os meus

O principal objectivo é esclarecer e apoiar os diabéticos do concelho amigos e só poder beber água. Sentia-me revoltado e durante muitos anos fui um diabético descontrolado», confessa Bruno. Através da ajuda e aconselha-­ mento de uma nutricionis­ta do Hospital Garcia de Horta, Mafal-­ da começou a controlar os níveis de glicemia e a compreender a diabetes. Para o Bruno, a recon-­ ciliação com a doença foi mais difícil. «Só aceitei quando apa­

nhei um valente susto. A partir daí passei do 8 ao 80, como se costuma dizer. Até uma pas-­ ta de dentes sem açúcar com-­ prei», sublinha. O Núcleo pro-­ moveu a primeira iniciativa em Fevereiro deste ano, juntando cerca de uma dezena de diabéti-­ cos. No futuro, pensam em unir esforços para «conseguir escla­ re­cer e apoiar os diabéticos do concelho»


acção social Parque Habitacional Municipal

Autarquia uniformiza rendas A Câmara Municipal deci­­­ diu passar a aplicar o Regi­­ me de Renda Apoiada pre­­­­­­visto no Decreto-lei n.º 166/93, de 7 de Maio, a todo o Parque Habitacio­­ nal do Município. A medi­­­ da, aprovada por unani­­ mi­dade pelo executivo, pre­­tende uniformizar os cri­­­térios de cálculo das ren­­­­­das e rectificar situa­ ções de injustiça que se ve­­ ri­­ficam actualmente.

O

Parque Habitacio­nal do Município tem actual­ mente cerca de 300 fo­ gos arrendados, distribuídos por vários núcleos que têm si­­ do construídos desde meados de 1950. Os diferentes anos de construção fazem com que coe­ xistam hoje em dia diferentes situações em termos de arren-­

A aplicação desta medida vai gerar maior justiça damento e de regime de rendas. Com a publicação do Decre-­ to-lei 166/93, de 7 de Maio, que instituiu o Regime de Renda Apoiada, todos os contratos rea­ lizados depois dessa altura pas-­ saram a estar sujeitos a este regime, que calcula as rendas com base no preço técni­co da habi­tação e na taxa de esfor­ço

obti­da em função dos ren­dimen­ tos declarados dos ocu­­pan­tes. Passou então a haver dois ti-­ pos de arrendatários. Uns a quem eram exigidos por lei os rendimentos para cálculo das suas rendas, e outros que manti­ nham a renda sem que a mes-­ ma dependesse da sua situação socioeconómica. Esta realidade

gerou casos de grande injustiça, uma vez que não sendo utiliza-­ dos os mesmos critérios para to-­ do o parque arrendado, existiam famílias muito desfavorecidas e consequentemente ou­tras mui-­ to favorecidas. Tendo em conta que a ha­bi­­ta­­ ção social é, na sua génese, habi­ tação para dar resposta a ne-­ cessidades sociais, e que deve reger-se por princípios de justiça e equidade, a autarquia, apoiada na legislação, e depois de estudar as implicações de uma uniformi-­ zação dos regimes de rendas, enten­deu, por uma questão de ética, de transparência de pro-­ cedimentos e de igualdade para com a maioria dos seus inqui­ linos, passar a aplicar o Regime de Renda Apoiada, previsto no DL 166/93 de 7 de Maio, a todo o Parque Habitacional do Muni­ cípio. Nos casos em que a apli-­ cação corresponda a aumentos superiores a 25 euros, há a possi-­ bilidade destes virem a ser apli-­ cados de forma fasea­da até um prazo máximo de 4 anos

Plano de Desenvolvimento Social

Parceiros aprovam estratégia

O

Conselho Local de Ac­­­ ção Social (CLAS) apro­­ vou por unanimidade o Plano de Desenvolvimento So-­ cial (PDS) do concelho de Se­ simbra, na reunião plenária de 15 de Fevereiro. O PDS, um tra-­ balho conjunto entre a Câmara Municipal e o Centro de Estudos de Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade No­­­­va de Lisboa, corresponde à segunda etapa do processo de planeamento es-­ tratégico do programa da Rede Social Local, que teve início com o Relatório de Diagnósti-­ co Social, aprovado em Julho de 2005. O Relatório, elaborado em parceria com o Centro de Estu-­

A elaboração do Plano envolveu todos os parceiros da Rede Social Local dos Territoriais do Instituto Su-­ perior das Ciências do Trabalho e da Empresa, que identificou os pro­blemas e as fragilidades, mas também os recursos e as potencialidades do concelho.

O PDS foi desenvolvido e es-­ truturado com base em vários workshops temáticos, que envol­ veram todos os parceiros que integram a Rede Social Local. De uma forma consen­sual fo-­

ram delineados objectivos, es-­ tratégias e parcerias para um plano de acção que tem um horizonte de concretização de três anos. «É importante ha-­ ver uma estratégia e visão con-­ junta para o concelho, porque só assim se consegue aprovei­ tar da melhor maneira o inves-­ timento público», defendeu o presidente da Câmara Munici-­ pal, Augusto Pólvora, presente na reunião. O autarca assumiu ainda que «muita coisa feita na área social nasce do esforço de entidades que assentam a sua actividade no voluntariado, na participação gratuita e no em-­ penho em servir causas para o bem da comunidade»

Sesimbra Município | Março 2008

15


aconteceu

Pedro e o Lobo

O primeiro concerto da Temporada recebeu perto de uma centena de pessoas.

Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel

Música anima Património

F

oi com uma interpretação notável de peças de Johann Sebastian Bach, que o grupo Ensemble Barroco La Nave Va, que conta com António Carrilho, um dos melhores executantes de flauta de bisel da actua­lidade em Portugal, deu início à Temporada de Música da Casa da Ópera do Cabo Espichel. A Igreja de Nossa Senhora do Cabo, local esco­lhido para este primeiro concerto, recebeu cerca de uma centena de pessoas, o que demons­ tra o interesse que este tipo de pro-

gramação desperta. A Tempora­da prolonga-se até 12 de Abril e, para além das actuações de alguns dos melhores agrupamentos de música clássica nacionais, inclui uma ver­ tente didáctica de onde se destacam os workshops e a visita ao Teatro Nacional de São Carlos. Do programa também faz parte a peça de teatro O Barbeiro de Sevilha, uma versão da obra de Rossini destinada aos mais novos, apresentada pela Com­panhia de Teatro de Almada, no Cineteatro Municipal João Mota

A Banda do Sapato

Conversas na Capela

Arqueologia no Cabo Espichel

O

Centro Português de Geo-história e Pré-his­tória (CPGP) apresentou, na última sessão de Conver­sas na Capela, o resultado de dez anos de trabalhos de investigação paleontológica e arqueológica na zona do Cabo Espichel, um local de referência para o estudo dos dinossáurios em Portugal. No que se refere à paleontologia, a e­quipa do CPGP encontrou vários ossos e dentes de dinossauros nas arri­ bas do Cretácico, entre os Lagosteiros e a Boca do Chapim. Em relação à arqueologia, o tra­balho realizado contribuiu para conhecimento sobre a te­­má­­tica e revelou um conside­­rável número de novas esta­­ções pré-históricas na zona. Grande parte do materi-

16 Sesimbra Município | Março 2008

As Velhas Rabugentas

al recolhido é constituído por restos de talhe, sobretudo lascas. A matéria-prima dominante é o quartzo, embora tenham também sido encontradas várias peças de sílex e de quartzito. O CPGP desenvolve também várias acções de divulgação, entre elas, exposições e conferências, em escolas e museus

Rita Redshoes


Dia Internacional da Mulher No Dia Internacional da Mulher, o Cineteatro Municipal encheu para ver e ouvir uma das grandes vozes da música portuguesa. Com uma aparência cada vez mais jovem, Paulo de Carvalho surpreendeu o público com um espectáculo diversificado e cativante. A grande novidade para a maioria ver o cantor a dividir o palco com dois dos seus filhos, Mafalda Sachetti, em Mãe Negra, e o rapper AGIR, em O Cacilheiro. Para o final do concerto ficaram dois grandes êxitos

da carreira do artista, que levaram o público ao rubro, Os Meninos de Huambo e E Depois do Adeus. Na Sala Polivalente da Biblioteca Munici­pal várias mulheres sesimbrenses parti­lha­ram os seus poemas favoritos, mostrando uma faceta mais íntima das suas personalidades. Na segunda parte, Lurdes Ferreira, representante da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, deu a conhecer o trabalho que tem sido feito e o que ainda há

para fazer nesta matéria. «Acima de tudo, é necessário que as pessoas percebam a razão da existência do Dia Internacional da Mulher. Ainda há mui­ta coisa para fazer ao nível das menta­­lidades, sobretudo no que se refere à par­­tilha de responsabilidades», referiu a con­vidada. Do programa comemorativo, fez ainda parte a exposição Homenagem à Mu­lher, que reuniu trabalhos de mais de uma dezena de artistas, na Fortaleza de Santiago.

Paulo de Carvalho

Mais um mês de espectáculos esgotados, boa música e muita animação em Se­ simbra. David Fonseca lotou o Cineteatro Municipal e desfilou os vários êxitos que acumulou ao longo da sua carreira, num concerto cuja primeira parte este­ ve a cargo de Rita RedShoes. Numa toada mais calma, mas repleta de talento e virtuo­sismo, Doug Macleod mostrou a razão pela qual é considerado um dos me­ lhores bluesman da actualidade. Com melancolia nas notas e muito humor nas pa­ lavras, a sua passagem por Sesimbra não será esquecida por quem o viu e ouviu. Boa disposição foi também elemento chave na peça As Velhas Rabugentas, apresentada pelo grupo de tea­tro A Partida. Os mais novos não foram esquecidos, o Teatro Extremo apresentou uma empolgante versão da fábula Pedro e o Lobo e A Banda do Sapato cativou com um hilariante espectácu­lo de te­ atro e dança.

David Fonseca

Doug McLeod

Sesimbra Município | Março 2008

17


educação Câmara propõe Pólo de Formação Profissional

A Câmara Municipal promoveu uma visita de responsáveis do Instituto de Formação Profissional ao edifício do Forpescas, em Sesimbra, com o objectivo de mostrar que as instalações têm todas as condições para receber um pólo de formação profissional agregado ao Centro de Formação do Seixal ou de Setúbal. Na opinião da autarquia, o edifício, situado no centro da vila de Sesimbra, está a ser subaproveitado, uma vez que há meses que funciona apenas com uma turma e um número reduzido de alunos. Neste local, poderiam funcionar cursos de formação de nível 3, relacionados com o Turismo e com outras áreas de actividade, o que re­ presentaria uma mais-valia para o concelho. Por parte do IFP ficou a confirmação de que o espaço tem todas as condições para receber um pólo de formação e ser melhor aproveitado. Aguarda-se agora a decisão do Instituto.

Os espaços desportivos das escolas vão ter novos equipamentos

Parque escolar

Novos equipamentos

O

s campos de jogos das Escolas do 1.º Ciclo da Azoia, Maçã, Sesimbra e Meco e do Jardim-de-Infância de Alfarim vão receber melho-­ ramentos. Na Maçã e na Azoia, a Câmara Municipal abriu con-­ curso para a aquisição de pi-­ so sintético sport court, igual ao utilizado em muitos courts de ténis e campos de jogos exterio­ res. Em Sesimbra, o piso do es-­ paço de jogo e recreio da Esco-­ la Básica vai ser removido e, em seu lugar, irá ser colocada uma

nova superfície, uma vez que o piso actual já não oferecia bo-­ as condições de segurança. Na Aldeia do Meco, a autarquia ins­ talou uma tabela de mini-bas-­ quetebol, e dois postes e rede para a prática de mini-voleibol. O objectivo destas intervenções é proporcionar melhores con-­ dições para a prática desporti-­ va e assegurar melhores con-­ dições para o cumprimento do programa de enriquecimento escolar. No espaço de jogo do Jardim-

-de-Infância de Alfarim vai ser instalada uma estrutura multi-­ funções, composta por 4 plata-­ formas em dois níveis, uma tendinha, telhado, um túnel de acesso, um escorrega, 1 jogo do galo, acesso ao nível superior por escada e duas molas. Os equipamentos estão adap­­ tados a crianças com idades compreendidas entre os 3 e os 12 anos de idade. A superfície de impacte será em areia la-­ vada, que garante uma maior protecção em caso de quedas

Assembleia Municipal

Novo Centro na Quinta do Conde

A Cercizimbra vai avançar com a construção de um Centro de Actividades Ocupacionais com capacidade para 30 utentes e Apoio Residencial para 24, na freguesia da Quinta do Conde. A autarquia vai contribuir com o pagamento dos projectos de arquitectura e especialidades, que já estão concluídos. A Cercizimbra é a única instituição do concelho que se dedica a apoiar portadores de deficiência. Actualmente tem 11 valências e 600 utentes.

18 Sesimbra Município | Março 2008

Moção contra as novas políticas educativas do governo

A

Assembleia Municipal apro­vou, na sessão de 29 de Fevereiro, a moção Educação: Por um Ensino de Qua­ lidade, que de­monstra a sua po­ sição con­­­­tra as alterações legis­ lativas e reformas educativas impostas pela Ad­ministração Central nos últi­mos anos. Medi-­ das que agravam ainda mais a situa­ção do ensino, tornando as esco­las espa­ços cada vez menos atraen­tes, desmotivando profes-­ sores, funcionários e alunos. Se-­

gundo o do­cumento, o modelo de ava­liação do desempenho de professores não faz sentido nos prazos, termos e procedimen-­ tos que estão a ser aplicados e o novo regime de autonomia, ad-­ ministração e gestão das esco-­ las confere ao di­rector um ex-­ cesso de concentração de poder. A Assembleia Municipal mostra-se também so­­lidária com os municípios da Área Metropol-­ itana de Lisboa, que recusam a des­centralização de competên-­

cias em matéria de educação en-­ quanto não for efectuado um es-­ tudo exaustivo e pormenorizado sobre a situação do ensino, e exi­ gem que o Go­verno assuma os investimentos necessários para o bom funciona­mento das esco-­ las. Para além da necessidade de construção de novas escolas, as que existem sofrem de muitas carências, sobretudo as do 2.º e 3.º ciclos e Secundário, e há uma enorme falta de pessoal não do-­ cente


actividades económicas

Projecto PROVE

Uma prova de sucesso

D

ois anos depois de ter começado, com 10 ca­ ba­zes, o projecto Prove vende mais de 50 cabazes por semana. No total, desde de Ju­ nho de 2006, foram distribuídos 3 mil cabazes, o que representa 24 toneladas de frutas e legu­mes provenientes de pequenos agri-­ cultores do concelho. A ofer­ta é adequada à procura, embora o objectivo não seja uma produção intensiva mas sim a qualidade dos produtos, que no fundo é o que marca a diferença. Mas o êxito da iniciativa, que surgiu no âmbito do programa comunitário EQUAL, deve-se, não só à qualidade dos produ-­ tos, mas também aos preços praticados e, sobretudo, à re-­ lação de proximidade que se estabelece entre produtores e consu­midores. Depois de uma primeira fase, que se iniciou em Agosto de 2005, e na qual foi feito um di-­ agnóstico sobre os produtos e produtores existentes no con-­ celho, o projecto entrou na se­ gunda etapa, entre Junho de

saiba mais Como adquirir um cabaz Para adquirir o Cabaz basta preencher uma ficha existente no Gabinete de Apoio ás Pescas e Ruralidade da Câmara Municipal de Sesimbra ou no site do projecto, em www.prove.com.pt. Os cabazes são levantados ás sextasfeiras na Biblioteca do Zambujal (das 16.30 ás 19 horas) e na sede da Associação de Comerciais e Industriais do Concelho de Sesimbra (das 16.30 às 18 horas). Cada cabaz custa 9 euros e tem entre 5 e 7 quilos de produtos. Parcerias da segunda fase Câmara Municipal de Sesimbra, Câmara Municipal de Palmela, Associa­ ção de Desenvolvimento Rural da Península de Setúbal (ADREPES), INDE – Intercooperação e Desenvolvimento, Sistemas de Ar Livre (SAL), Sociedade Turística do Cabo – Estalagem dos Zimbros. 2006 e Dezembro de 2007, na qual começaram a ser organi-­ zados e vendidos os primeiros cabazes. O apoio do EQUAL e dos restantes parceiros neste perío-­ do de experimentação foi mui-­

Um incentivo para os produtores

Para os pequenos produtores de Sesimbra, a participação neste projecto está a ser muito importante. Para além de os ajudar a escoar os seus produtos, tem-lhes permitido a participação em diversas acções de formação, trocar experiências e até fazer visitas às escolas para conversas com os alunos. Todos estes aspectos contribuem para melhorar a produção e mesmo para despertar a curio­sidade por outras áreas, como a informática e a Internet, por exemplo.

to importante para impulsionar o projecto e criar uma dinâmica que lhe permitisse, mais tarde, ser auto-suficiente. Neste momento, e depois de ter-­ minada a segunda fase, o Prove afirmou-se perante produto­ res e consumidores e prosse­ gue no concelho apenas com o apoio logístico da Câmara Mu-­ nicipal, Junta de Freguesia do Castelo, Associação de Comer-­ ciantes e Industriais do Conce­

lho de Se­simbra e da ADREPES. O projecto vai agora apresen-­ tar uma candidatura a 3.ª acção, que consiste em disseminar es­ ta experiência de sucesso por outras re­giões do País, dando como exem­plo os dois casos de Sesimbra e Palmela. Nesta fase, as Câmaras Municipais deixam de ser parceiras pois há outras entidades mais vocacionadas para transmitir as experiências a outros municípios

Sesimbra Município | Março 2008

19


desporto

ti a g a Desporto AgitaJovem

O

AgitaJovem vai proporcionar aos jovens com idades entre os 8 e os 12 anos duas semanas bastante animadas. Slide, rappel, escalada, voleibol, basquetebol, arqueologia, jogos de praia e caminhadas são algumas das propostas que recheiam o programa das férias da Páscoa destinado aos mais novos. As actividades têm início a 17 de Março e prolongam-se até dia 28. Para além de promover uma ocupação

saudá­vel dos tempos livres du­­­­rante a pausa escolar, o Agita im­pulsiona o convívio en­­­­­­­­­­­­­­­tre os jovens. As ac­ ti­­­­­­­­­­vidades de­­­­­­ cor­­­rem em dois nú­­­cleos: no Pavilhão Muni­cipal da Quinta do Conde e no Pavi­

lhão Muni­ ci­pal de S a m­­­ p a i o . Ca­­­da núcleo fun­­­cio­na­rá com um limi­te máximo de 38 participantes. As inscri­ções, no va­­lor de 5 eu­ros, com se­guro incluído, podem ser feitas no Gabinete Jovem de Sesimbra, na Aveni­da dos Náufragos, n.º17 C, na Loja Ond@Jo-

s a i r é f as

vem, na Quinta do Conde, e no site da Câmara Municipal em www.cm-sesimbra.pt. Os participantes devem tra­zer água, chapéu, protector solar e roupa confortável e adequada à actividade desportiva. Este projecto conta com a cola­ bo­­ração da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, da Delegação Marítima de Se­ simbra, da Polícia Marítima e dos Bombeiros Voluntários de Sesimbra

Bicicletas de Todo o Terreno

A pedalar pelo património

O

s circuitos de BTT estão de regresso a 6 de Abril. A iniciativa preten­de mostrar a riqueza patrimonial­ do concelho de uma for­ma origi­ nal, saudável e diver­ti­­da. Pela Rota dos Dinossáurios, os participantes partem do Santuá­ rio da Nossa Senhora do Cabo Espichel, em frente à Igreja, se­guem pela Mãe d’Água, Baía dos Lagos­ teiros, jazidas de icno­fósseis, e ter­ minam o circuito nas piscinas na­­turais. No percur­so Do Castelo à Ribeira, a visita começa pela Lapa do Fumo e Gruta do Zam-

20 Sesimbra Município | Março 2008

Uma forma diferente de conhecer o património do concelho.

bujal, depois segue até ao Castelo de Sesimbra, desce até ao Porto de Abrigo e termina na Capela do Espírito Santo dos Mareantes. Os circuitos decorrem das 9 às 12 horas e têm um grau de dificulda­ de médio/baixo. Se gosta de an­ dar de bicicleta traga a BTT, capa­ ce­te, roupa e calçado adequado, água e lanche, e participe. As ins­ crições podem ser feitas no sector de desporto da autarquia, na Avenida da Liberdade n.º 55 – 1.º andar, pelo e-mail desporto@cmsesimbra.pt ou pelos telefones 21 228 82 46/ 21 228 82 65


pessoas ângela batista

A remar por um sonho

C

Ténis

Jovens de Sesimbra vencem torneio A tenista Leonor Duarte, da Associação de Ténis de Sesimbra, conquistou de forma brilhante o 3.º Torneio do Circuito de Miniténis Yonex, no escalão de escolinhas sub-10, que teve lugar nos Courts do Clube de Ténis Aquafitness, na Charneca da Caparica. A atleta venceu todas as eliminatórias, e na final bateu o seu companheiro de equipa, Pedro Duarte. A Associação de Ténis de Se­ simbra, que participou com qua­tro tenistas, obteve, assim, os dois primeiros lugares da prova, na qual participaram cerca de 20 jovens, em representação de clubes do Distrito de Setúbal

Judo

Sesimbrense em destaque O judoca Tiago Contins, do Grupo Desportivo de Sesimbra, classificou­-se em terceiro lugar na categoria de menos 81 quilos, no Nacio­nal de Esperanças. Tiago Contins já se tinha sagrado Campeão da Zona Sul, e recentemente foi terceiro no Open de Judo no parque de jogos do Inatel, em Lisboa

om 15 anos, Ângela Batista esta­ va longe de imaginar que o con­ vite do professor de Educação Física para experimentar a canoagem lhe ia mudar a vida. A partir desse dia, a modalidade passou a fazer parte da sua rotina diária. Começou a treinar no Seixal, depois passou para a Amora, até que decidiu passar para o Clube Naval de Se­ simbra. Apesar das di­ ficuldades e das poucas condições da antiga­ se­­­­ de, Ângela conse­guiu evoluir, alcançando­ o terceiro lugar no Cam­­­­ peo­nato Nacional­ de Ve­ locidade, com 18 anos. «O meu treinador, ac­ tual seleccionador nacio­ nal, morava em Braga, por isso treinava-me à distân­ cia. Mandava-me os pla­ nos por e-mail e eu envia­ va-lhe as gravações dos treinos», revela. Com um colega, conquistou o títu­ lo de campeã da Copa do Brasil em caíaque de mar. Do seu percurso destaca também a viagem atri­ bulada que fez à volta da ilha da Madeira. In­ felizmente, quando termi­ nou o curso de professo­ ra do 1.º ciclo, deixou de conseguir ter tempo su­ ficiente para os treinos, acabando por desistir das competições. A par do seu trabalho como canoísta, Ângela de­­dicou-se também à for­ mação de outros jovens, começando como treina­ dora nas Férias Jovens. «Cheguei a ter atletas a fazer exercícios de giná­ sio com champôs, em vez de pesos. Foi com muito esforço que criá­­­­­­­­­ mos um pequeno gi­ násio. Apesar das di­­­ficuldades, o am­ biente era mui­­­­­to di­ vertido e sau­­­­dável», confes­sa. Este ano, treina ape­nas cin­

co crianças, duas vezes por semana. Ao longo dos anos, o Clube Naval tem con­ seguido formar bons atletas, propor­ cionando-lhes as condi­ções necessári­ as para evoluírem na mo­dalidade. Para quem está de fora, a canoagem parece um desporto fácil, no entanto a sua aprendizagem é bastante complica­ da. «O fundo do caiaque é uma elipse perfeita, o que faz com que seja mui­ to difícil manter o equilíbrio. Depois há uma série de correcções técnicas que são difíceis de interiorizar inicial­ mente. É necessário também fazer trei­ nos na água duas vezes por dia, ginásio e corrida», explica. Membro da direcção do Clube há alguns anos, Ângela tem pe­ na que não existam mais atletas a prati­car canoagem e, principal­ mente, que não haja alguém com vontade e tempo para desenvol­ver a modalida­­­ de, como ela fez no pas­ sado. «Hoje em dia, é di­­­­­­­­ fícil cativar atle­tas. Talvez associan­do­ di­­­­ rectamente o des­­­­­­­­ porto es­colar à ca­­ noagem­ possa­­ ser­ uma forma de con­ quistar jo­vens».­ Há dois anos, a professora foi con­­­­vidada a par­ ti­ci­par na Rega­ ta de Aiolas de Sesim­bra, uma ex­­­­­­­­­­­peri­ên­cia que a le­vou novamen­­ te a subir ao pó­ dio. «Um se­nhor ficou sem parceiro e sugeriram o meu nome. Achei a ideia muito engraçada.­ No ano passado, ti­ve­ mos sorte e ficámos em primeiro lugar». Apai­xonada pe­­lo mar e pela canoa­gem, Ân­ gela admite que «fi­ cou muito por fazer enquanto atle­ta», por isso tenta dar o máxi­ mo de apoio aos no­ vos canoístas, para que não lhes acon­ teça o mesmo

Sesimbra Município | Março 2008

21


t ome nota

Foto: Carlos Sargedas

t

Sessão de esclarecimento Almoço dos Pioneiros No dia 4 de Abril realiza-se, na Quinta do Conde, uma sessão de es­­clarecimento com a participação de técnicos da Autoridade de Segu­ ran­ça Alimentar e Económica. O en­­­­contro tem início às 15 horas nas ins­­­talações do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, e está aberto ao público. A iniciativa é organizada pelo Gabinete de Apoio ao Empresário da Câmara Municipal.

Está marcado para 30 de Março o 3.º Almoço Convívio dos Pioneiros da Quinta do Conde. As inscrições estão abertas até 20 de Março. A Quinta do Conde é um aglomerado populacional com mais de 25 mil habitantes, sede da freguesia com o mesmo nome e foi elevada a vila em 1995. Neste convívio, os moradores mais antigos recordam histórias e partilham boa disposição.

Prémio Espichel

O Prémio Espichel 2007 vai ser entregue no dia 24. A cerimónia tem início às 21.30 horas, no Auditório Conde de Ferreira. O Prémio foi ins­ tituído pela Assembleia Municipal de Sesimbra para distinguir pessoas singulares ou instituições que te­ nham contribuído para o desenvolvimento do concelho na área social, nas artes e letras, na ciência e no desporto.

Foto: Rita Carmo

Sesimbra à Mesa

Divulgar e valorizar o património gastronómico de Sesimbra, incentivando a utilização dos produtos tradicionais e promovendo a qualidade da gastronomia local, bem como a diversidade e incremento de um novo receituário, são os principais objectivos da iniciativa Sesimbra à Mesa, que decorre de 17 a 27 de Abril. Inserido no programa decorre a 4.ª edição do Concurso de Gastronomia, um showcoocking, onde serão desvendados segredos gastronómicos da mesa sesimbrense, e um workshop intitulado Leve do Mercado para a Mesa, para aqueles que querem aprender novas formas de preparar e confeccionar os produtos vendidos nas bancas do mercado.

O Pedido... do Urso

O Espaço das Aguncheiras está de regresso ao palco do Cinetea­tro Municipal, desta feita para apresentar em estreia O Pedido do… Urso, a partir de duas peças em um acto de Anton Tchékov: O Urso e Um Pedido de Casamento. Centrando-se mais uma vez na obra do autor russo, a companhia de teatro dirigida por São José Lapa interpreta dois textos divertidos, onde o humor e a crítica social são o mote para um retrato mordaz e inesperado da natureza humana e das suas fraquezas e vícios. Nos dias 27 de Março e 18 de Abril, pelas 21.30 horas, venha assistir a este espec­táculo onde a boa disposição é obrigatória.

22Sesimbra Município | Março 2008

Jorge Palma

Jorge Palma é o grande destaque musical do próximo mês de Abril. A viver a melhor fase dos seus 30 anos de carreira, depois do lançamento do seu 11.º álbum de originais, Voo Nocturno, o músico regressa a Sesimbra para apresentar um espectáculo em que mistura novos temas como Vermelho Redundante, uma letra de Carlos Tê, e Encosta-te a Mim, o primeiro single do mais recente disco, com outros mais antigos como Dormia Tão Sossegada, Viagem, ou a emblemática Deixa-me Rir. A não perder, dia 12 de Abril, às 21.30 horas, no Cineteatro João Mota.


CONTACTos municipais

Famous Surf Shop

O Surf Clube de Sesimbra or­­ ga­ni­za, entre Março e Junho, a 12.ª edi­ção do Circuito Famous Surf Shop nas modalidades de surf, bodyboard, skimboard e longboard, pa­­­­­­ra sócios do clube e atletas fe­­­de­­­­­­rados. O circuito é composto por quatro etapas, que se reali­zam nas praias do concelho que ofe­­­rece­rem me­ lh­o­­­res condições na data de cada prova. A entrega dos prémios está marcada para 17 de Julho no bar Gliese, em Sesim­­bra

Câmara Municipal de Sesimbra (Geral) Tel.: 21 228 85 00 E-mail: girp@cm-sesimbra.pt Site: www.cm-sesimbra.pt Linha Verde (RECLAMAÇÕES) Tel.: 800 22 88 50 Assembleia Municipal de Sesimbra Tel.: 21 228 85 51 Gabinete Municipal da Quinta do Conde Tel.: 21 210 94 70 Posto de Turismo Tel.: 21 228 85 40 E-mail: turismo@cm-sesimbra.pt Gabinete Jovem (Sesimbra) Tel.: 21 228 86 01 E-mail: gjovem@cm-sesimbra.pt Loja Ond@Jovem (Quinta do Conde) Tel.: 21 210 22 31 Centro de Recursos Educativos Tel.: 21 268 15 91 E-mail: cre@sesimbra-edu.net Espaço Solidário Tel.: 21 210 94 96 UNIVA Tel./Fax: 21 228 10 27 E-mail: univa@cm-sesimbra.pt Gabinete de Actividades Económicas Tel.: 21 228 87 14 Gabinete de Apoio ao Consumidor Tel.: 21 228 86 67 Parque Municipal de Campismo do Forte do Cavalo Tel.: 21 228 85 08 Mercado de Sesimbra Tel.: 21 223 58 93 Mercado da Quinta do Conde Tel.: 21 210 94 99 Cemitério de Sesimbra Tel.: 21 228 85 70 Cemitério do Castelo (encerra às 3.as e 5.as) Tel.: 21 268 57 59 Cemitério de Aiana Tel.: 93 955 39 92 Cemitério da Quinta do Conde Tel.: 21 210 71 72

Parto na Água

Parto na Água é o tema de uma acção que decorre no Cine­tea­tro Municipal, no dia 11 de Abril, às 21 horas. A primeira parte destina-se a profissionais de saúde e a segunda ao público em geral. A formação contará com a presença da parteira alemã Cornélia Enning, especia­lista em parto na água, e do Director do Bloco de Partos do Hospital São João do Porto, Diogo Ayres de Campos. A participação está sujeita a ins­ crição, através do telefone 93 720 16 30 ou do ­e-mail geral@bio­ nascimento.com. O valor, 3 euros, reverterá para a cedência de material a três institui­­ções hospitalares. A iniciativa tem o apoio da Câmara Munici­pal

u

juntas de freguesia

Junta de Freguesia do Castelo Tel.: 21 268 92 10 Email: geral@jf-castelo.pt Site: www.jf-castelo.pt Junta de Freguesia da Quinta do Conde Tel.: 21 210 83 70 Email: jfquintaconde@netvisao.pt Site: www.quintadoconde.eu Junta de Freguesia de Santiago Tel.: 21 228 84 10/3 Email: geral@jf-santiago.pt Site: www.jf-santiago.pt

utilidades

COMUNICAÇÃO SOCIAL

Fórum da Quinta do Conde Tel.: 96 760 16 34 Jornal de Sesimbra Tel.: 21 228 92 00 Notícias da Zona Tel.: 21 087 97 90 Nova Morada Tel.: 21 244 37 98 O Condense Tel.: 21 086 44 55 O Sesimbrense Tel.: 21 228 00 61 / 21 223 02 27 Sesimbra FM Tel.: 21 228 92 00 Raio de Luz Tel.: 21 268 15 54

SERVIÇOS PÚBLICOS Tribunal Secretaria Judicial Tel.: 21 228 81 50 Ministério Público Tel.: 21 228 81 55 Conservatórias Registo Civil Tel.: 21 228 84 90 Registo Predial e Comercial Tel.: 21 228 84 70 Cartório Notarial de Sesimbra (na Cotovia) Tel.: 21 268 02 31 E-mail: notariamagda@gmail.com Cartório Notarial da Quinta do Conde Tel.: 21 210 56 66 E-mail: mbarreiros.notaria@cn-quintadoconde.com Serviço de Finanças Geral Tel.: 21 228 93 00 / 14 Tesouraria Tel.: 21 228 93 15 / 16 Centro Regional da Segurança Social Geral Tel.: 21 228 97 00 / 12 Delegação Marítima Tel.: 21 223 30 48

transportes

METEOROLOGIA E MARÉS

Instituto de Meteorologia Tel.: 21 844 70 00 E-mail: informacoes@meteo.pt Site: www.meteo.pt Instituto Hidrográfico Tel.: 21 094 30 00 E-mail: mail@hidrografico.pt Site: www.hidrografico.pt

EMERGÊNCIA

Transportes Sul do Tejo Sesimbra Tel.: 21 268 94 10 Laranjeiro Tel.: 21 042 70 00 E-mail: tst@tsuldotejo.pt | Site: www.tsuldotejo.pt Fertagus Tel.: 21 106 63 00 E-mail: fertagus@fertagus.pt | Site: www.fertagus.pt Táxis Santiago Tel.: 91 975 59 27 / 21 268 20 93 Tel.: 96 400 44 80 / 91 759 31 97 | Tel.: 96 687 55 95 Tel.: 96 602 36 10 | Tel.: 91 752 76 37 / 91 757 23 12 Tel.: 91 931 28 66 Castelo Tel.: 91 721 55 26 | Tel.: 96 602 35 41 Tel.: 91 937 33 47 | Tel.: 96 983 39 03 Tel.: 96 402 20 41 | Tel.: 96 802 97 54 Tel.: 96 404 53 89 Quinta do Conde Tel.: 91 935 60 14 Tel.: 93 450 00 25 | Tel.: 96 903 35 93 Tel.: 96 305 03 10 | Tel.: 91 963 76 87 Tel.: 96 600 11 53 / 96 705 11 35 Tel.: 96 520 46 48

para mais informações consulte o site da Câmara Municipal

www.cm-sesimbra.pt

Bombeiros Voluntários de Sesimbra Piquete de Sesimbra Tel.: 21 228 84 50 Piquete da Quinta do Conde Tel.: 21 210 61 74 Cruz Vermelha Portuguesa Quinta do Conde Tel.: 21 210 02 12 GNR Sesimbra Tel.: 21 228 95 10 Alfarim Tel.: 21 268 88 10 Quinta do Conde Tel.: 21 210 07 18 Polícia Marítima Tel.: 21 228 07 78 Centros de Saúde de Sesimbra Sesimbra Tel.: 21 228 96 00 Santana Tel.: 21 268 92 80 Quinta do Conde Tel.: 21 211 09 40 Linha SOS Criança Tel.: 800 202 651 (grátis) Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Sesimbra (CPCJ) Tel.: 21 268 73 45 Protecção Civil (CMS) Tel.: 21 228 05 21 Piquete de Águas (CMS) Sesimbra Tel.: 21 223 23 21 Quinta do Conde Tel.: 21 210 95 06 EDP (avarias) Tel.: 800 50 65 06 PT (avarias) Tel.: 16200

farmÁcias de serviço Março

Leão Lopes Rodrigues Pata Bio-Latina Quinta do Conde Santana Cotovia

Abril

17 18 19 20 F 22 P 24 25 26 27 28 29 30 31 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A Farmácia de Alfarim funciona em Regime de Disponibilidade. Neste regime a farmácia é obrigada à disponibilização permanente do farmacêutico ou seu auxiliar legalmente habilitado. Em caso de ausência deverá ser afixado de forma bem visível o contacto do técnico responsável.

Santiago

Quinta do Conde Castelo

Farmácia de serviço em cada freguesia

freguesia de santiago Lopes Tel.: 21 223 30 28 Leão Tel.: 21 228 80 78

freguesia da quinta do conde Rodrigues Pata Tel.: 21 210 80 50 Bio-Latina Tel.: 21 210 91 13 Quinta do Conde Tel.: 21 211 37 28/9

freguesia do castelo Santana Tel.: 21 268 83 70 Cotovia Tel.: 21 268 16 85 Alfarim Tel.: 21 268 85 47

Sesimbra Município | Março 2008

23


AINDA PODE ASSISTIR A...

20 Março | quinta | 22h

Recital de Flauta de Bisel e Guitarra Mafalda Azevedo Gonçalves – flauta de bisel Gonçalo Gomes Gouveia – guitarra Capela do Espírito Santo dos Mareantes, Sesimbra

29 Março | sábado | 22h

Puccini e o Seu Tempo

Cláudia Pereira Pinto – soprano João Lucena e Vale – piano Igreja da Nossa Senhora da Consolação do Castelo Castelo de Sesimbra

30 e 31 Março TEATRO INFANTIL

O Barbeiro de Sevilha

pela Companhia de Teatro de Almada • Bilhete para crianças até aos 12 anos: € 1,5 • Acompanhantes: € 2,5

dia 30 | domingo | 16h dia 31 | segunda | estabelecimentos de ensino do concelho Cineteatro Municipal João Mota, Sesimbra

5 Abril | sábado | 22h

A Ópera

Concerto pedagógico com comentários de Jorge Rodrigues Raquel Alão – soprano Larissa Savchenko – mezzo Luis Castanheira – tenor Carla Seixas – piano Igreja da Nossa Senhora da Consolação do Castelo Castelo de Sesimbra

12 Abril | sábado | 9.30h

Visita ao Teatro Nacional de São Carlos (sujeita a inscrição: telefone 21 228 82 62) Partida: Terminal Rodoviário de Sesimbra

12 Abril | sábado | 22h

Árias Famosas de Ópera

Ana Paula Russo – Soprano Maestro Nuno Lopes – Piano Igreja da Nossa Senhora da Consolação do Castelo Castelo de Sesimbra

www.cm-sesimbra.pt


Sesimbra Município n.º 107