Issuu on Google+

JANEIRO 1

2012

EM DESTAQUE: (NESTA EDIÇÃO) - Balanço do Grande Concerto do Órgão de Tubos Virtual. - Os 25 anos do CMJ. O Conservatório de Música da Jobra comemorou um quarto de século. - Flatland regressou, uma vez mais à Casa da Música no Porto e com a novidade de, este ano, estrear também no Auditório do CMJ - Grande Concerto de Orquestra.. - Concerto de Ano Novo. - O Facebook do CMJ em análise.

Conservatório de Música da Jobra

Quarto de Século

- Conheça os próximos eventos do CMJ. ESPAÇO ENTREVISTA: (PERSONALIDADES CMJ)

José António Silva é a figura de destaque nesta primeira edição da Neswletter CMJ. Saiba mais sobre o Presidente da Direção da Jobra e os planos que tem para o futuro desta instituição. Siga-nos em:

a servir o Ensino Artístico


_editorial

Comunicar (n)a Escola A comunicação na escola pode motivar o conteúdo do ensino e pode ser o seu catalisador. É sabido que a circulação de informação é fundamental para comunidades mais ricas, mais esclarecidas e mais críticas. No CMJ trabalhamos num processo de comunicação de envolvimento e privilegiamos u m a c o m u n i c a ç ã o p r i m o ro s a s e n d o exemplos disso a criação e manutenção ativa de ferramentas que permitem fluxos informativos úteis, que acrescentam e dinamizam. Neste sentido o site, facebook, youtube e newsletter são veículos de excelência. O uso de informação digital complementar (envio de emails informativos) e o uso de meios físicos (cartazes, programas, flyers, brochuras) complementam um trabalho abrangente, envolvendo a criação de conteúdos, fotografia, vídeo, design e manuseamento de novas tecnologias. Acreditamos que a comunicação, para lá dos acontecimentos, é imprescindível também ao nível do imaginário no sentido em que as estórias que ela conta ou que nela se formam assumem um papel de sinergia social diretamente implicado no desenvolvimento das comunidades. É neste sentido que estamos agora a trabalhar. Estabilizados todos os novos suportes criados nos últimos dois anos é altura de assumir a comunicação como contadora de estórias. Alunos, pais, colaboradores e entidades podem e devem participar, comentar, abordar com as suas estórias. Assim a comunicação na escola pode assumir uma outra dimensão. Pode fomentar o processo participativo e uma partilha mais rica de experiências, de conhecimento.

25 anos

a trilhar futuros brilhantes

Porque, chamando as palavras do Presidente da Direção da Jobra, em entrevista a este número, “mais importante do que falar da Jobra é vivê-la, senti-la e compreendê-la”… Os 25 anos de existência do Conservatório de Música da Jobra não seriam de facto possíveis sem afinidade profunda com esta perspetiva. Filipe Leal Diretor de Marketing e Comunicação do CMJ

2


_sumário editorial 02 sumário 03

04 Inauguração

Saiba tudo sobre a inauguração do Órgão de Tubos Virtual do CMJ, um novo instrumento, inovador a nível mundial.

05

Aniversário do CMJ

25 anos do Conservatório de Música da jobra Comemorámos um quarto de século e quisemos partilhar esse momento com os nossos alunos.

06

FICHA TÉCNICA

Flatland

PROPRIEDADE: CMJ - Conservatório de Música da Jobra Centro Cultural da Branca, Apart. 2 385 - 908 Branca, ALB - Portugal Tefefone: (+351) 234 541 300 Fax: (+351) 234 543 476 Url: www.jobra.pt Mail: newsletter@jobra.pt DIREÇÃO: Filipe Marques (Diretor Geral) Filipe Vieira (Diretor Pedagógico) Filipe Leal (Diretor de Marketing e Comunicação) Francisco Soares (Diretor Administrativo e Financeiro) PRODUÇÃO: Rodrigo Teixeira (Dept. Marketing e Comunicação) REDAÇÃO: Rodrigo Teixeira e Sandra Pinho (Dept. Marketing e Comunicação) DESIGN: Rodrigo Teixeira (Dept. Marketing e Comunicação) PERIOCIDADE: Bimestral

Música, Teatro e Vídeo introduziram a matemática e a geometria num espetáculo inspirado no romance de Edwin A. Abbot.

07

Grande Concerto de Orquestra

08

Concerto de Ano Novo

Um Concerto pelas Orquestras e Coros do CMJ, com direção do Maestro Carlos Marques e participação especial da Soprano Solo Ângela Alves.

09

Facebook CMJ ao subir do pano 11 próximos eventos em agenda

14

À conversa com...

Nesta edição damos a conhecer José António Silva, o Presidente da Direção da Jobra.  3


_Órgão de Tubos Virtual um projeto inovador a nível mundial

este projeto resulta num instrumento pioneiro que permite reproduzir o som que podemos ouvir em grandes catedrais e auditórios mundiais e pelas suas características é uma enorme conquista para a nossa comunidade. É inegável a sua potencialidade ao nível do ensino, da interpretação de grande repertório sinfónico e da divulgação de uma cultura musical profundamente rica e centenária. Com conceção do Professor O Conservatório de Música da Jobra (CMJ) apresentou no dia 30 de setembro de 2011, no Auditório do Centro Cultural da Branca, o Órgão de Tubos Virtual. No concerto de inauguração foi reproduzida a sonoridade do instrumento instalado no Palácio das Artes de Budapeste com temas de Richard Strauss, J. S. Bach, William Boyce, entre outros. Inovador a nível mundial, e nascido de um esforço comum,

4

António Mota, que dedicou os últimos anos a este trabalho, este projeto não seria de todo possível sem o apoio da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha (CMAAV), que consegue também hoje enriquecer o Município com este instrumento inovador. O Órgão de Tubos Virtual é mais uma prova das imensas boas práticas de parceria e envolvimento que o CMJ e a CMA AV têm vindo a desenvolver em prol da arte, da cultura e da educação.

disponibilizar à comunidade escolar um instrumento fantástico.


_25 anos de CMJ

um quarto de século a ensinar arte

O Conservatório de Música da Jobra comemorou no passado dia 3 de Outubro de 2011, um quarto de século.

Foi em 1986 que t u d o co m e ço u . Este ano letivo tem por isso um caráter simbólico acrescido pelo que o depar tamento de marketing e comunicação vestiu a marca CMJ de

Quisemos passar esta data na companhia daqueles que fazem, todos os dias, o nosso trabalho ser valorizado e reconhecido como o que de melhor se faz na área da educação Uma nova marca para artística nacional e, assinalar a data por isso, cortámos u m e n o r m e b o l o d e forma especial, Aniversário que partilhámos estando todas com os nossos alunos, corpo as atividades docente e funcionários. d o C M J i d e n t i f i cadas A p a r d e s ta a ç ã o p a ra c o m e s t a comemorar os vinte e cinco comemoração única. anos de CMJ, o Auditório do Centro Cultural da Branca foi palco de atuações preparadas propositadamente pelos nossos professores para celebrar a ocasião.

Uma marca é um ícone, a apresentação física mas também simbólica de uma organização. É associada à sua imagem e, sobretudo, à sua identidade. Foi sobretudo sobre este último aspeto q u e o C M J t ra b a l h o u . Uma identidade sólida, construída ao longo de 25 anos não poderia deixar de estar patente na marca CMJ. C o n t u d o , em certas ocasiões, é impreterível que exista alguma diferença, alguma inovação que nos co a j a a re p a ra r na marca de uma n o va m a n e i ra . E ste aniversário afigurous e - n o s co m o u m a ótima oportunidade

para demonstrar isto mesmo. A identidade visual dos 25 anos serve exatamente para distinguir e identificar o trabalho do CMJ ao

lo n g o de um quarto de Século. Essa é a principal razão pela qual a nova marca foi criada e irá ser utilizada no decorrer de todo o presente ano em que assinalamos esta data. É importante que a nova m a rc a C M J co n t i n u e a consolidar a imagem de sucesso que temos vindo a criar e, por isso, optámos por incorporar o logótipo existente na nova marca. Mas, porque se trata de uma comemoração alusiva à idade da instituição, foi integrada ainda a idade e a data de origem do projeto inicial num conjunto clássico, que reflete toda a harmonia que queremos transmitir enquanto marca consciente do caminho percorrido e do que quer para o futuro. 5


_Flatland

casa da música no Porto Música, teatro e vídeo compuseram um espetáculo, Fltaland, nascido de uma parceria entre o Conservatório de Música da Jobra e a Casa da Música no Porto. Este espetáculo inspirado no romance homónimo de Edwin A. Abbot abordou o mundo da matemática e da geometria. Acessível a todos os públicos, Flatland fez da matemática terreno de diversão, ao mesmo tempo que estimulou o espírito crítico ao propor uma reflexão sobre a estrutura da sociedade e a sua luta de classes. Apresentado pelo Conservatório de Música da Jobra (CMJ) na sexta-feira, dia 14 de outubro, no Auditório do Centro Cultural da Branca, em duas sessões distintas, foi ainda levado a público na Casa da Música

6

no Porto, pelo segundo ano consecutivo, nos dias 16 e 17 de outubro e contou sempre com sala esgotada. Com encenação de José Geraldo e coreografia de Alberto Magno, Flatland foi interpretado por alunos do CMJ, dos Cursos Pro f i ss i o n a i s d e A r te s d o Espetáculo - Interpretação e Intérprete de Dança Contemporânea.


_Grande Concerto de Orquestra mare nostrum

apresentação do Grande Concer to de Orquestra que trouxe a público um re p e r t ó r i o fa s c i n a n t e . A noite abriu com com temas conhecidos da famosa trilogia do filme “Senhor dos Anéis” de Tolkien.

O

Auditório do Centro Cultural da Branca contou com sala cheia, na noite de 25 de novembro, para a

e contou com a Soprano Solo Ângela Alves e com os alunos instrumentistas das Orquestras do Curso Profissional de Instrumentista de Sopro e de Percussão e do Ensino Oficial de Música.

Na segunda par te, o público pôde assistir a “Mare Nostrum” do compositor português Jorge Salgueiro, obra que retrata a epopeia dos navegadores portugueses de 1500, no encontro de povos e culturas. O Grande Concerto de Orquestra foi dirigido pelo Maestro Carlos Marques

7


_Concerto de Ano Novo teatro aveirense

M o z a r t , Tc h a i k o v s k y , J. Strauss, Of fenbach, Beethoven foram alguns dos grandes nomes da história da música interpretados no Concerto de Ano Novo, realizado no dia 7 de janeiro. Esta, que é já a 3.ª edição do Concerto de Ano Novo, organizado pelo Conservatório de Música da Jobra, esgotou a lotação da sala principal do Teatro Aveirense com um concerto de música clássica, ao estilo vienense, que celebrou da melhor forma a entrada no ano de 2012. No palco estiveram as Orquestras e Coros do CMJ sob a direção do Maestro Carlos Marques, que contou ainda com a participação especial da Soprano Solo Ângela Alves, do Grupo Coral da Jobra e alguns músicos convidados que foram os grandes protagonistas de uma noite memorável e fortemente aplaudida pelo público presente. Este ano, o CMJ ofereceu ao público a possibilidade de escolher o tema de encerramento, numa iniciativa inédita que permitiu a participação ativa de todos os interessados. Assim, colocou em votação Online, no site do CMJ, dois temas de Johann Strauss: “Valsa do Imperador” e “Danúbio Azul” que ganhou com 60 % dos votos. O Concerto de Ano Novo foi um dos muitos eventos que marcam a comemoração dos 25 anos do Conservatório de Música da Jobra.

8


É com enorme satisfação que vimos a nossa página no Facebook ultrapassar os 1500 seguidores. Por esse motivo, é para nós importante agradecer a todos os que têm contribuído para o aumento da nossa rede de seguidores e apoiantes na Internet. A todos o nosso muito obrigado! Quando aderimos a esta ferramenta, em maio de 2011, estávamos a dar os primeiros passos

nas Redes Sociais mas rapidamente nos apercebemos da sua importância para divulgar as nossas atividades. Este número, atingido em tão pouco tempo, reflete o nosso esforço em promover o CMJ Online e dános alento para continuar na senda da inovação. Queremos chegar aos 5000 seguidores, por isso, passa a palavra. Ajuda-nos a levar o CMJ mais longe!

De acordo com as estatísticas da nossa página no Facebook, o CMJ conta já com um universo potencial registado de mais de 266.000 utilizadores.

Feminino 49% Masculino 51%

2,4%

19%

13%

6,6%

6,8%

13 - 17

18 - 24

25 - 34

35 - 44

45 - 54

19%

17%

8,0%

3,2%

3,2%

0,73%

I LIKE

55+ 0,97%

http://www.facebook.com/cmjobra.pt

9


O Conservatório de Música da Jobra tem, presentemente, uma vasta oferta formativa de Ensino Livre.

Música Música para Bebés Dos 3 meses aos 3 anos Aulas de Grupo: 30 minutos/semana Mensalidade: 15€ Pré-Iniciação Dos 3 aos 6 anos Instrumento: (até 3 alunos) 45 minutos/semana Formação Musical (Turma): 45 minutos/semana Mensalidade: 50€ Música Clássica Instrumento Todas as idades... 45 minutos/semana Mensalidade: 75€ Música Clássica Orquestra Todas as idades... 90 minutos/semana Mensalidade: 10€ Pop Rock Jazz Instrumento Todas as idades... Saxofone - Trompete - Voz Guitarra - Baixo - Contrabaixo - Piano - Bateria Aula Individual 45 minutos/semana Mensalidade: 75€ Todas as idades... 45 minutos/semana Mensalidade: 75€

oferta formativa no CMJ

10

Pop Rock Jazz Combo Todas as idades... * 45 minutos/semana Mensalidade: 38€ * sujeito a admissão Pop Rock Jazz Big Band Todas as idades... * 90 minutos/semana Mensalidade: 10€ * sujeito a admissão.

Dança Pré-Iniciação Dos 3 aos 5 anos Dança Clássica: 45 minutos/semana Dança Criativa: 45 minutos/semana Mensalidade: 25€ Curso de Dança CMJ Dos 10 aos 15 anos Ballet Clássico: 90 minutos/semana Mensalidade: 25€

Dança Criativa: 45 minutos/semana Mensalidade: 15€ Dança Contemporânea: 90 minutos/semana Mensalidade: 25€ (frequência de todo o Curso):

Mensalidade: 60€ Hip Hop Kids Dos 6 aos 12 anos 90 minutos/semana Mensalidade: 25€ Hip Hop A partir dos 13 anos 90 minutos/semana Mensalidade: 25€ Dança Contemporânea A partir dos 15 anos 90 minutos/semana Mensalidade: 35€

Teatro Teatro Infantil Dos 6 aos 12 anos 45 minutos/semana Mensalidade: 20€ Teatro Jovem Entre os 12 e os 18 anos 90 minutos/semana Mensalidade: 25€ Teatro A partir dos 18 anos 90 minutos/semana Mensalidade: 25€


_Ao subir do Pano

Auditório do Centro Cultural da Branca

27 de Janeiro

21H30 Concerto da Orquestra de Sopros Maestro Hernâni Petiz & Alunos do Ensino Oficial de Música Auditório do Centro Cultural da Branca

7 de Fevereiro

19H00 Concerto de Música de Câmara Alunos do C. P. de Instrumentista de Sopro e de Percussão Auditório do Centro Cultural da Branca

15 de Fevereiro

21H00 Recital de Doutoramento em Performance Carlos Marques com orientação de António Vassalo Lourenço & Orquestra dos Cursos Profissionais do CMJ Auditório do Centro Cultural da Branca

Entrada Gratuita

27 de Janeiro

18H30 R e c i ta L D u o Vi o l i n o e P i a n o Fiammetta Facchini (Piano) & David Wyn Lloyd (Violino)

Entrada Gratuita

Auditório do Centro Cultural da Branca

Entrada Gratuita

18H30 R e c i ta L D u o Vi o l i n o e P i a n o Fiammetta Facchini (Piano) & Ludovico Tramma (Violino)

Entrada Gratuita

26 de Janeiro

Entrada Gratuita

próximos eventos em agenda

25 de Fevereiro

21H30 Espetáculo Anual de Dança CMJ Alunos dos Cursos de Dança do CMJ Cine Teatro de Estarreja

26 de Fevereiro

16H00 Espetáculo Anual de Dança CMJ Alunos dos Cursos de Dança do CMJ Cine Teatro de Estarreja

(MATINÉ) 11


_À conversa com... José António Silva

Mais importante que falar da Jobra, é vivê-la...

José António Silva Presidente da Jobra

I

ntitula-se “um homem como todos os outros, com muitos defeitos e algumas pequenas virtudes, muito teimoso, persistente, resistente e que, apesar de tudo, continua a acreditar que o amanhã s e rá s e m p re m e l h o r ” . É com nostalgia que recorda a época em que a b ra ço u o p ro j e to q u e deu origem à Jobra tal como hoje a conhecemos.

CMJ - A JOBRA tem mais de 40 anos de existência como associação. Quando lhe pedem para falar da JOBRA o que gosta de salientar? Falar da Jobra é recordar s e n t i d a m e n te u m a b o a parte da minha vida. Ingressei na Associação, então denominada Jobra – Comunidade dos Jovens da Branca, muito jovem, aí por 1975. Era uma época agitada e turbulenta 12

Persistente, simples e resistente por natureza, nem o panorama económico d e s fa v o rá v e l q u e h o j e se vive, um pouco por toda a parte, impede José António Silva de acreditar n u m a m a n h ã m e l h o r. Neste “à conversa com...” ficamos a saber u m p o u c o m a i s s o b re u m d o s t i m o n e i ro s d a Jobra e de como era esta

Associação noutros tempos. O Presidente da Direção d a J o b ra a c re d i t a q u e esta instituição está nas m e n te s e co ra ç õ e s d a s gentes da região e que o tempo vai continuar a ditar o crescimento deste o rg a n i s m o m u l t i c u l t u ra l que é, cada vez mais, uma referência de âmbito n a c i o n a l e u m o rg u l h o para todos os branquenses e para o Município.

resultante da “euforia” do 25 de Abril, com um clima social propício à irreverência e ao inconformismo. Em verdade, reconheço que foram cometidos alguns excessos e admito que, por vezes, os impulsos do coração superaram a lógica prudente da razão. Entendi desde logo que a Jobra constituía um projeto a l i c i a n te , d e p a r t i c u l a r relevância no meio envolvente e com um enorme potencial de crescimento. Destacar factos ou salientar aspetos marcantes, ocorridos ao longo de todos estes anos, não é tarefa fácil, tão vastos que são! Preferiria poder vê-los compilados num livro de memórias que, não constituindo apenas um registo cronológico, pudesse motivar e empolgar as gerações atuais e sensibilizar as entidades e órgãos oficiais com responsabilidades sociais. Co n t u d o, p e r m i ta m - m e

que refira que foi na Jobra que, como muitos outros, aprendi a ser homem e a cultivar princípios e valores. Foi e é igualmente na Jobra que continuo a dar a minha modesta contribuição para que centenas de crianças, jovens e adultos ali se possam promover e valorizar harmoniosa e saudavelmente. Mais importante do que falar da Jobra, é vivê-la, senti-la e compreendê-la, participando ou colaborando ativamente nas suas atividades. Fazendo-o desprendidamente, estaremos no caminho da correta promoção humanosocial, nomeadamente, da apelidada “geração à rasca”. C M J - O D e s p o r to, a C u l t u ra e a E d u c a ç ã o s ã o g ra n d e s e i x o s d a Associação. Que balanço pode ser feito do trabalho da JOBRA nestas áreas?


De facto, quando se trabalha de forma dedicada e competente, os resultados surgem naturalmente. A evolução da Jobra ao longo de mais de quatro décadas, p ro c u ra n d o a d e q u a r - s e continuamente a diferentes realidades e correspondendo positivamente a n o v o s d e s a f i o s , t ra d u z inequivocamente o e s p í r i to d e m i ss ã o q u e presidiu à sua constituição. A dinâmica das secções

ativas e a i m p o r tâ n c i a das atividades por elas desenvolvidas, conduziram ao estabelecimento de uma estrutura profissional de gestão altamente qualificada. Sendo a vertente formativa a essência e o focus da Associação, a verdade é que nela cresceram e ou dela saíram atletas de craveira internacional (um campeão do mundo), músicos que se tornaram profissionais, jovens que direcionaram as suas carreiras para as artes, etc. Vejamos a quantidade de crianças e jovens que aqui usufruem de tantas e de diferentes oportunidades

d e v a l o r i z a ç ã o e recursos administrativos, d e e n r i q u e c i m e n t o ! logísticos e operacionais Analise-se e avalie-se o s e re g i s t a u m e l e v a d o padrão compor tamental e e f i c a z d e s e m p e n h o . de todos quantos por aqui A r e c e n t e d e c i s ã o d a passaram e de todos os A s s e m b l e i a G e ra l , s o b que frequentam a Jobra! proposta da Direção, de Quanto não prevenimos? a u to r i z a r a c r i a ç ã o d e Só por isto, já valeu a pena o u m a p e q u e n a e m p re s a esforço e o sacrifício de todos v o c a c i o n a d a p a r a a quantos deram e continuam g e s t ã o p a t r i m o n i a l , a dar o seu desinteressado d e t i d a i n t e g r a l m e n t e Associação, contributo à Jobra. p e l a A Vila da Branca pode orgulhar- constitui mais um passo se de ser, sem margem para importante para alicerçar d ú v i d a s , u m convenientemente o futuro. caso singular no Torna-se cada vez mais panorama nacional. necessária a adequação dos A Jobra é hoje estatutos e do regulamento uma referência i n t e r n o à p r e s e n t e a s s o c i a t i v a dinâmica da A ssociação. c u j o m é r i t o é O rejuvenescimento dos a m p l a m e n t e órgãos sociais através da r e c o n h e c i d o . afetação de cargos diretivos a jovens e a constituição C M J - C o m de um Conselho Consultivo t r ê s g r a n d e s são dois temas em agenda. secções ativas, A Jobra persiste em promover como descreve o acordos de parceria com atual momento o u t ra s i n s t i t u i ç õ e s e a da A s s o c i a ç ã o ? re fo rç a r a co l a b o ra ç ã o A Jobra continua a evidenciar recíproca há muito existente g ra n d e v i t a l i d a d e e a com as entidades locais, prosseguir tranquilamente publicas e privadas, com os seus propósitos. Como p a r t i c u l a r ê n f a s e n a circunstancialmente se diz, a Armab, Agrupamentos de Jobra está bem e recomenda-se. Escolas, Câmara Municipal e J u n ta d e Fre g u e s i a . Todas as secções desenvolvem á rd u a e re g u l a r m e n t e CMJ - Para onde caminha a s s u a s a t i v i d a d e s , a JOBR A? Perspetivamtendo inclusivamente s e n o v a s s e c ç õ e s ? aumentado o número de elementos participantes. A Jobra rumará sempre O s re c u r s o s té c n i co - e para onde os seus docentes têm vindo a ser associados determinarem. continuamente melhorados Na minha perspetiva, a garantindo, desta forma, um Jobra atingiu o seu estado crescente nível qualitativo. de maturação sem que isso Também no domínio dos signifique estagnação. É hoje 13


uma estrutura consolidada, contexto socioeconómico e s e rã o i g u a l m e n te b e m bem organizada e com um preocupam-nos os problemas vindos todos aqueles a quem rumo claramente definido. daí resultantes. A crise que a Jobra possa oferecer algo Prosseguir a sua missão agora se manifestou de que lhes permita aliviarem formativa, adequando-a em forma irreversível não é mais a pressão e o “stress” do função das necessidades do que o reflexo das decisões d i a - a - d i a , c a n t a n d o , e solicitações, reforçar a tomadas durante muitos d a n ça n d o, “ m u s i ca n d o ” , interação recíproca com anos por aqueles a quem fazendo teatro, pintando, a comunidade e com as vulgarmente chamamos de p ra t i ca n d o a t l et i s m o e , instituições e dar continuidade “nossos governantes” e de porque não, colaborando à revitalização e fomento “nossos políticos”, apoiados e a p o i a n d o o s o u t ro s . i nterno de u m e s pír ito n o t a m b é m d e s i g n a d o Venham até nós! As portas comum e homogéneo com “ r e g i m e d e m o c r á t i c o ” . estão abertas! Quem sabe, não elevado sentido participativo Este não é, porém, o espaço encontramos uma solução? são as principais prioridades. para abordar essa questão O alargamento da Jobra nem, tão pouco, o propósito C M J - S e n t e q u e a a t ra v é s d a c r i a ç ã o d e desta minha intervenção. JOBRA é uma associação novas secções não se me Mais do que uma crise querida pela comunidade? vislumbra no horizonte. Sem qualquer dúvida, Já a ampliação das Foi brincando que nasceu a ideia embora tenha consciência atividades inerentes a deste projeto. A verdade, é que ele de que podemos fazer cada uma das existentes, aí está, pujante, vigoroso, celebrando mais e melhor para nomeadamente através incrementar essa da captação e fixação de agora um quarto de século ” . credibilidade e aumentar jovens praticantes e de os índices de confiança alunos das diversas valências económica, estamos perante da Associação, deverá ser uma irreparável crise social da comunidade. Toda a promovida, incentivada e apoiada. que conduz diariamente estrutura diretiva é sensível a este aspeto e mostra-se A recente inauguração e ao desespero e à rutura empenhada no crescente muitas famílias portuguesas. entrada em funcionamento do órgão de tubos virtual Gostaríamos imenso de poder envolvimento da população é, a título de exemplo, proporcionar às crianças e e d a s e n t i d a d e s l o ca i s . uma nova perspetiva de jovens mais desfavorecidos Na Jobra, eventualmente em trabalho e desenvolvimento. a frequência das atividades oposição a outras realidades, Aproveito a oportunidade r e l a c i o n a d a s c o m o não há lugar para a valorização para deixar aqui mais uma Conservatório de Música. ou sobreposição de interesses nota de sensibilização dirigida E m b o ra a l g u m a s d e l a s pessoais ou particulares. à Câmara Municipal. A Jobra tenham um enquadramento Estou convicto que existirão e a comunidade precisam de que pode dispensar a propina algumas pessoas incomodadas uma estrutura minimamente mensal, outras há em que funcional para a prática do tal não é possível. Embora com a real valia e vitalidade da Instituição e que atletismo. Havendo vontade e empenho, não será um estável e controlada, a persistem numa postura de investimento irrealizável. situação financeira da Jobra reconhecimento amedrontado encontra-se no limite, pelo ou até de desmerecimento CMJ - No atual contexto que não nos é possível mas delas, cer tamente, socioeconómico vai haver a s s u m i r m a i s e n ca rg o s . n ã o re z a rá a h i s t ó r i a . medidas extraordinárias Já as atividades realizadas d i r i g i d a s a o s j o v e n s ? pelo Coral e pelo Atletismo CMJ - O Conservatório de são totalmente gratuitas. Música da Jobra celebra 25 Somos sensíveis ao atual No contexto atrás referido, anos de existência. Como

14


vê o futuro desta secção? Mil novecentos e oitenta e seis! Já tão distante mas tão próxi mo n a m e m ó r ia ! É impossível esquecer aquele jantar em Alviães e aquela toalha de mesa, de papel, onde deixámos algumas n ota s q u e ra p i d a m e n te se transformaram em compromissos! Foi brincando que nasceu a ideia deste projeto. A verdade é que ele aí está, pujante, vigoroso, celebrando agora um quarto de século. Um bem-haja a todos os seus mentores. O Conservatório é atualmente a secção mais representativa da Jobra e aquela que congrega em seu redor um vasto conjunto de recursos. É também, pela sua natureza, a que envolve u m a s s i n a l á v e l n ú m e ro de alunos, professores e colaboradores que não se afastará muito de um milhar. É, ainda, aquela que, pelo seu objeto, mais promove e a p re s e n ta a t i v i d a d e s de elevado nível artístico. O seu funcionamento, nos moldes atuais, está fortemente dependente dos protocolos celebrados com o Ministério da Educação e dos apoios dele provenientes. Porque acho impensável que o Estado Português venha a efetuar cortes num setor tão sensível como este, acredito que o CMJ vai co n t i nuar n a s e n d a do crescimento e tornarse-á, cada vez mais, uma referência de âmbito nacional e um motivo de orgulho para todos os branquenses e para o Município.

A t i n g i r a autossustentabilidade é , p o r ve n t u ra , o m a i o r anseio. Temos, no entanto, a consciência de que tal, não sendo impossível, será sempre um projeto d e m u i to l o n g o p ra zo .

15


Newsletter CMJ - Edição Regular N.1