Page 1

Agrupamento

1ª Edição julho/2012

Troquideias

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG

de Escolas do Crato Ficha Técnica Edição: Agrupamento de Escolas do Crato Coordenação: Clotilde Soares Colaboração: Manuela Matos Impressão : Câmara Municipal do Crato Distribuição: Jornal Alto Alentejo

Editorial

Quando julho nos bate à porta, o ano letivo está-se a despedir. A altura é de todos os balanços, todos os relatórios, todas as derradeiras avaliações… O último período terminou e encerrou mais uma etapa para muitos dos nossos alunos que, agora, nos irão deixar para seguir as suas viagens de crescimento e formação. Cumpre-nos desejar-lhes que a vida lhes sorria e manifestar-lhes a nossa alegria pelos seus sucessos. Também nos alegram todos os momentos de partilha e colaboração conseguidos, testemunhos de passos dados num caminho de entendimento do ato educativo como resultado de esforços articulados na procura da continuidade, envolvendo todos e cada um dos agentes, dos quais, a escola e a família assumem especial responsabilidade. A nossa revista procurou “dar voz” a todos e perpetuar alguns dos momentos sentidos e vividos durante o ano letivo. Esperamos que vos tenha dado tanto prazer lê-la, como nos deu “fazê-la” e, prometendo voltar para o ano, deixamos votos de férias felizes! Clotilde Soares

Contactos: jornal.crato@gmail.com http:\\ebi-crato.drealentejo.pt

Escola distingue

“Gordas”

“Caça Talentos”

alunos “artistas”

Escritores foram à rua

e... um escritor veio à escola Nesta Edição Família, escola e educação (pág. 3) Os nossos “Troféus” (pág.7) O meu voluntariado na escola! (pág.2) Há Festa na escola!! (pág.8) Atividade da BE (pág. 6)

E mais...


2 Troquideias

1ª Edição julho2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG

Maria José Pitacas professora voluntária

O meu Voluntariado na Escola Voluntariado é o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada, no âmbito de projetos, programas e outras formas de intervenção ao serviço dos indivíduos, das famílias e da comunidade. No contexto da realidade escolar foi criado um regime de enquadramento legal, tendo presente a qualificação e a experiência dos professores aposentados que possuam aptidão para partilhar os seus conhecimentos e saberes acumulados, com respeito pela cultura própria, objetivos e condicionantes específicos da escola. O que me levou a aderir a este programa desde o início? - Uma forte ligação à Comunidade Escolar do Crato, onde trabalhei mais de 20 anos; - Viver muito perto da escola, onde o movimento quotidiano de rua se faz com os professores que cumprimento, a campainha que toca, o ruído dos alunos e o autocarro que passa marcando determinadas horas do dia; - Sentir que podia ser útil de acordo com as minhas motivações e experiências. Ao longo destes três anos espero ter colaborado de forma positiva nas áreas em que intervim, contribuindo para uma boa comunicação e um clima de trabalho e convivência agradável. Tem sido um tempo de dar… E receber… Adélia Palma ( coordenadora do Clube europeu)

O Clube Europeu vai de férias… Mais uma vez, por alturas do final do ano letivo, aqui nos encontramos a rever o que foi feito e a perspetivar o que se adivinha ou o que se projeta para o futuro… Parece que foi ontem o dia 1 de setembro e já estamos quase no dia 1 de setembro do próximo ano letivo !!!! A exemplo do que tem vindo a ser feito, o Clube Europeu da nossa escola desenvolveu este ano várias atividades, sendo de destacar o contacto mais efetivo entre alunos do Crato e outros alunos de Legniza (Polónia), Nantes (França), Alexandróupolis (Grécia) e Istambul (Turquia), Darfo (Itália), Munique (Alemanha), Cuenca (Espanha) e Cluj Napoca (Romenia). Para tal foram efetuadas visitas a escolas de algumas daquelas cidades, onde os alunos realizaram trabalhos previamente planeados e participaram em várias iniciativas culturais preparadas em pareceria com as escolas anfitriãs. De realçar é o Projeto Comenius “A bet for a G.E.T.”, através do qual foi possível estabelecer um contacto muito estreito entre os nossos alunos e as famílias que os acolheram, o que, sem dúvida, terá contribuído para o seu crescimento integral numa perspetiva dinâmica, prática e considerando que o conhecimento do mundo é parte essencial da formação do ser humano. Esperando pelo início do próximo ano letivo para continuarmos todos, em conjunto, a trabalhar nesta iniciativa escolar que visa sobretudo a promoção linguística e cultural entre os estados europeus, resta-nos desejar a todos umas boas e merecidas férias!!!!


Troquideias 3

1ª Edição julho/2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG Maria de Fátima Saraiva Dias (Presidente do Conselho Executivo da APEE)

Família, Escola e educação

A sociedade moderna vive uma crise de valores éticos e morais sem precedentes. Esta é uma constatação que a todos afeta porque ou a estão percebendo ou vivenciando de alguma maneira. Nunca na escola se discutiram tanto assuntos como a falta de limites, o desrespeito e a desmotivação dos alunos. Nunca se observou tantos professores cansados, stressados e, muitas vezes, doentes física e mentalmente. Nunca os sentimentos de impotência e frustração estiveram tão marcadamente presentes na vida escolar. Todos sabem que o papel da escola é ensinar e educar. Porém, a educação também vem do berço. Os pais são os primeiros educadores das crianças porque antes destas irem para a pré-escola já assimilaram uma quantidade de informação e dominaram uma vasta gama de saberes mais ou menos complexos. Até quando a escola sozinha conseguirá levar adiante essa tarefa? Ou melhor, até quando a escola vai continuar assumindo isoladamente a responsabilidade de educar? São questões que merecem, por parte de todos os envolvidos, uma reflexão, não só mais profunda, mas também mais crítica. É, portanto, necessário reflectir sobre os papéis que devem desempenhar nesse processo a escola e, consequentemente, os professores, mas também não se pode continuar ignorando a importância fundamental da família na formação e educação de crianças e adolescentes. A família deve, portanto, esforçar-se em estar presente em todos os momentos da vida de seus filhos. Deve estar atenta a dificuldades não só cognitivas, mas também comportamentais. Deve estar pronta para intervir da melhor maneira possível, visando sempre o bem de seus filhos, mesmo que isso signifique dizer sucessivos “nãos” às suas exigências. Em outros termos, a família deve assumir-se como o espaço indispensável para garantir a sobrevivência e a protecção integral dos filhos, independentemente da organização familiar ou da forma como o fazer. Educar, portanto, não é uma tarefa fácil, exige muito esforço, paciência e tranquilidade. Deve-se ser firme no estabelecimento de limites e responsabilidades. Deve-se fazer ver às crianças e jovens que os direitos vêm acompanhados de deveres e para ser respeitado, deve-se também respeitar.

Apoiar para atingir o sucesso, estimulando a aprendizagem Na sala de estudo encontras professores disponíveis para te apoiar. A sala de estudo funciona no 1º andar, sala GG (junto à sala de informática e à sala de música) Consulta o horário da sala de estudo e nele encontrarás informação. Informa-te também sobre o regulamento da SE

Porque o teu sucesso depende de ti… “Viver o Saber” um projeto integrado no EMA-Fundação Calouste Gulbenkian


4 Troquideias

1ª Edição julho/2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG

Turma do 1º ano do Crato

OArco-irís

Era uma vez uma formiga que vivia num formigueiro, perto do rio. No 1º ano de escolaNesse formigueiro havia muitas formigas pretas, só ela era coloriridade, desenvolver a da. Vermelha... lilás....amarela....Queria muito ser como as outras porque oralidade é essencial sob os gozavam com ela por ser diferente. Nunca se lembravam dela.... diferentes aspetos ligados à Vivia triste por estar sozinha. utilização da língua. A turma Um dia, apareceu um arco iris no céu. As formigas sabiam que no da escola do Crato trabalhou fim desse arco iris havia um pote com pãezinhos de milho. a produção de texto oral tenEntão, se elas conseguissem chegar ao pote, não precisavam andar do desenvolvido vocabulá- todos os dias à procura de comida para o Inverno. rio, criatividade... e , com aleMas perto do pote estava sempre um duende a guardá-lo e as forgria, criou histórias. Esta é migas tinham um problema. Como chegar ao pote sem serem vistas? uma dessas histórias. Pensaram, pensaram e surgiu uma ideia. Iam dizer à formiga colorida que fosse lá, pois como tinha as cores do arco íris, o duende não a veria. Juntaram-se e foram ter com ela. Ela ficou contente por poder ajudar, mas sozinha não conseguia transportar o pote. Assim sugeriu às outras que cada uma se pintasse de uma das cores do arco iris e subiria por essa cor.. Atiraram- se ao trabalho e no outro dia já estavam secas. Puseram-se a caminho. Quando estavam quase a chegar ao fim do arco iris, uma das formigas caiu à água e a tinta começou a sair. O duende olhou e estranhou ver uma formiga pintada de roxo. Foi ao pé dela para saber o que se passava e, nesse instante, escorregou e foi arrastado pela corrente. Nessa altura, as outras formigas aproveitaram e chegaram ao pote. Enquanto umas empurravam o pote, as outras salvaram a que caiu ao rio. No fim, voltaram todas para o formigueiro com o pote e resolveram festejar. Perceberam que todas eram úteis e, a partir daí , viveram todas felizes no formigueiro.

O Lobo Bom Cabeludo

Márcia Isabel 4º ano-Gáfete

Era um dia de Verão e um lobo encontrou um cordeiro perdido porque tinha ficado para trás. O cordeiro tão simpático que era disse ao lobo se ele podia ir para o pé da sua mãe. O lobo como era muito simpático, muito fanfarrão e muito esperto disse: -Eu levo-te à tua mãe. No caminho o lobo viu um rato e levou-o com ele. Lá mais à frente encontrou uma galinha e levou-a. Depois encontrou um pau e levou-o. Mais à frente viu um lago e levou-o também. Assim foi andando para levar o cordeiro até à sua casa. No caminho viu um fogo que o impedia de passar, então para apagar o fogo do campo ele largou a água. Depois viu uma salamandra e para matar a salamandra pegou no pau. Para comer o campo de milho para ele passar, largou a galinha. Para não ficar lá sozinho com o cordeiro, porque o lobo tinha pena dele, o rato acompanhou-o até casa do cordeiro. Quando lá chegaram o rato passou por um buraquinho muito pequenino e foi chamar a mãe do cordeiro. Ficaram muito felizes e o lobo dizia: Eu sou o lobo fanfarrão, mas a mim ninguém me lança a mão.


Troquideias 5

1ª Edição julho/2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG Semião Pólvora (Professor de HGP)

Visita de estudo à F. G. Robinson

Instalações fabris - podemos observar peças de arqueologia industrial

Igreja do Convento de S. Francisco (muito bem reconstruída)

No dia 2 de maio, os alunos das turmas do 6º ano de escolaridade tiveram a possibilidade de visitar, em Portalegre, as instalações da Fundação George Robinson. A visita dividiu-se entre a área onde está instalada a Fundação ( antigo convento de S. Francisco) e a antiga fábrica de transformação de cortiça ( a popularmente chamada “fábrica da rolha”) que se encontra em fase de transformação num museu. Nestes diferentes espaços, alunos e professores acompanhantes tiveram oportunidade de ficar a conhecer alguns vestígios arquitetónicos do primitivo Convento e igreja de S. Francisco, do século XIII, constituindo um património que remonta ao tempo em que Portalegre recebeu o seu foral. Este precioso património assume-se como um conjunto documental fundamental para a compreensão da nossa História (nacional, regional e local) contribuindo para que os alunos, e não só, compreendam a extraordinária importância da sua preservação. Por sua vez, o edifício da fábrica, hoje desativada, contem um valioso espólio que nos transporta a um passado de intensa atividade transformadora da cortiça, uma matéria prima que continua a ser uma das riquezas da nossa região. Os velhos equipamentos fabris, hoje peças de arqueologia industrial, ainda revelam a sua grandiosidade, impondo respeito ao visitante e, simultaneamente, dando uma ideia da dureza que acompanhava os operários e, por outro lado, da capacidade humana em resistir a essa dureza. Muitos operários ali trabalharam e fizeram da cortiça os objetos de uso comum que todos reconhecemos. Os nossos alunos, com mais esta visita, ficaram a conhecer alguns aspetos duma das fábricas mais importantes da nossa região e da importância de conservarmos um património que nos dá identidade e nos diferencia.

José Carlos Lopes (professor mediador)

Entrega de diplomas do curso EFA – NS No passado dia 4 de julho decorreu a cerimónia de entrega dos certificados de habilitações e respetivos diplomas aos alunos que concluíram o curso de formação de adultos, nível secundário. A cerimónia decorreu no Restaurante “O Lagarteiro”, sendo precedida de um jantar convívio entre os formandos, os formadores e a Direção da nossa escola. O curso iniciou-se em setembro de 2010, com a formação de duas turmas (Gáfete e Crato), tendo terminado no passado dia 30 de junho. Aos mais de 30 formandos que concluíram com sucesso este percurso formativo, que dá equivalência ao 12ºano de escolaridade, os parabéns de toda a equipa pedagógica e Direção da escola, e muitas felicidades futuras.


6 Troquideias

1ª Edição julho/2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG

Virginia Pires (professora coordenadora da BE)

Atividades da BE

O fim do ano letivo traz consigo recordações, reflexões, relatórios… Também traz o terceiro número da revista “Troquideias” que, desde o início, integrou apontamentos sobre atividades da BE. Assim, entendemos, que, apesar de se ter dado continuidade a vários projetos/intervenções, como por exemplo “Escritor do mês”, com divulgação na sala de convívio e formação de alunos monitores da BE, nesta edição divulgaríamos apenas o que consideramos ter sido mais significativo no decurso do terceiro período e, recorrendo ao relatório final, decidimos partilhar com os leitores as seguintes realizações: 25 de abril A BE assinalou esta data com a realização de uma pequena homenagem ao poeta Ary dos Santos, cujos poemas são um hino à liberdade. Iniciou-se a Roda de Leitura com a declamação de um dos seus poemas, feita pela profª Clotilde Soares e, de seguida, os alunos do 8º ano, turma A, leram cada um deles um poema. Centenário do desastre do Titanic No dia 14 de abril, a BE lembrou os mais distraídos, que passaram cem anos sobre o naufrágio do navio Titanic que fez 1500 vítimas, expondo, no placard da entrada, notícias sobre o mesmo e mostrando o testemunho de descendentes portugueses de algumas das vítimas do acidente, da Madeira. Feira do Livro - 2012 24 de maio – Inauguração da Feira do Livro, em colaboração com a equipa da Biblioteca Municipal do Crato – CM do Crato 25 de maio – Assinatura do Protocolo entre a Escola e a Câmara Municipal do Crato, para a criação do Serviço de apoio à Biblioteca Escolar (SABE). 28 de maio - Alunos do 2º ciclo dramatizaram a história “A Noite dos Animais Inventados”, de David Machado, para os meninos do C.Infantil “A Eira” (SCM do Crato) e do Pré Escolar e 1º Ciclo de Gáfete. 29 de maio- Encontro com o escritor e ilustrador Rui Sousa. O autor, para além de nos abrir o apetite com a leitura de excertos de algumas obras suas, ainda explicou os passos necessários até chegar, finalmente, ao livro. Comemorações do Dia Mundial da Criança No dia 1 de junho toda a escola se envolveu em atividades que pudessem fazer felizes as crianças e a BE não foi exceção. os alunos divertiram-se a montar puzzels gigantes com imagens de histórias suas conhecidas. Resta-nos desejar umas férias felizes e prometer que para o ano cá estaremos! Helena Soares (Assistente operacional)

ESCOLA DE VERÃO

I Eu pus-me a pensar e pensei O que na escola há a dizer Tudo aquilo que escreverei Sem intenção de ofender II A lena Soares na escola de verão Pelas colegas está muito bem vista É sempre a escolhida com coração Para escrever artigos prá revista

III Chegaram as férias de verão Ano letivo a acabar Professores em reunião E auxiliares a limpar IV A nossa escola é bonita e espaçosa Onde se aprende com perfeição A equipa de trabalho é jeitosa Mas precisa de formação.


Troquideias 7

1ª Edição julho /2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG João Baptista 9º A

Aventura espacial vs descobrimentos Na minha opinião, a aventura dos descobrimentos é muito mais interessante do que a aventura espacial, ainda que ambas tenham contribuído para uma evolução dos conhecimentos. A descoberta e a conquista de novas terras, o conhecimento de outras gentes e de outras culturas abriram a mentalidade do Homem. A capacidade aventureira aliada ao desenvolvimento de novos métodos de orientação e de navegação permitiram, nos séculos XIV-XVI, as conquistas marítimas e o alargamento do Mundo que, antes da época dos Descobrimentos, mal se conhecia. Portugal, juntamente com outros povos, foi um dos grandes impulsionadores da expansão marítima e, por isso, tenho orgulho neste país, um grão de areia, numa praia lusitana. Gosto de aventuras genuínas, ou seja, reais, vividas no que mais perto nos rodeia. Devemos conhecer primeiro o meio em que nos inserimos e só depois pensar mais além. Naturalmente, se gosto de aventuras, gosto dos Descobrimentos e se gosto destes, gosto de História. As batalhas travadas, as aventuras vividas, as descobertas realizadas devem ser lembradas por gestos gloriosos e honrados. Acredito que ainda há muito mais para descobrir, neste mundo azul, tanto na Terra, como no Espaço, mas a história do meu país não deve ser esquecida ou relegada para segundo plano pelas aventuras e descobertas galáticas.

Os nossos “troféus”

“Gordas”

Uma recordação paratodos os alunos que integraram o grupo de Teatro e também distingue alguns agentes educativos/escolares da nossa escola.

“Caça Talentos” Um concurso que pretende reconhecer e valorizar.os talentos de vários dos nossos alunos. Este ano, num novo formato que contou com uma pré-seleção que foi acontecendo em várias eliminatórias, sob a coordenação do professor Jorge Graça, o Caça Talentos teve a sua última sessão na festa de encerramento, no Pavi1hão. Os alunos apresentaram-se perante o puúblico e um júri que decidiu atribuir os seguintes prémios:

1º Prémio

2º Prémio

3º Prémio

Laura Vieira

Beatriz Matos

Grupo de Hip Hop


8 Troquideias

1ª Edição julho/2012

publicação integrada no projeto “Viver o Saber”, financiado, no âmbito do projeto EMA, pela FCG

Há Festa na Escola! No dia 13de junho, realizou-se a festa de encerramento do ano letivo. Perante uma vasta plateia, desfilaram alunos apresentando apontamentos de atividades realizadas no decurso do ano, principalmente no âmbito das áreas de expressão (fisica, musical e dramática). E porque “uma imagem vale mais que mil palavras”...

Atividade fisica e desportiva/ginástica

Os apresentadores

Expressão musical

Da primeira fila, o aplauso do Diretor e dos Presidentes

Expressão dramática/ Teatro

Danças de rancho/ etnografia P’ro ano há mais... Boas férias!


��������������������������������������������������������������������������� ��������������������������������������������������������������������������������� �����������������������������������������������������

Troquideias  

revista do Agrupamento de Escolas do Crato

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you