Issuu on Google+

Ano I

NĂşmero 73

Data 26 s 30/10/2012


Correio Braziliense - on line - 26/10/2012

A droga da droga. O que fazer?

Autor(es): Frei Betto

Escritor, é autor do romance sobre drogas O vencedor (Ática), entre outros livrosO tráfico de drogas no mundo movimenta, por ano, US$ 400 bilhões. Há cálculos que dobram o valor. Os dados são do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. O consumo mata, a cada ano, 200 mil pessoas. O Brasil é, hoje, o segundo maior consumidor de cocaína, atrás apenas dos EUA. Dados de 2010 indicam que 0,6% da população brasileira (27 milhões de pessoas) já consumiu o pó derivado da folha de coca. Entre 2004 e 2010, foram apreendidas, no país, 27 toneladas de cocaína.Um debate se impõe: como lidar com a questão? O número de usuários e dependentes aumenta, o tráfico dissemina a violência, as medidas repressivas não surtem efeito. O Reino Unido deve mudar sua política em relação às drogas que, a cada ano, levam às prisões 42 mil pessoas e, ao cemitério, 2 mil, sem contar as 160 mil advertências por uso de maconha, a mais consumida. O gasto anual é de 3 bilhões de libras (R$ 9,8 bilhões).A proposta dos especialistas ingleses que analisaram a questão durante os últimos seis anos é não considerar crime o consumo de pequenas quantidades, e sim delito civil. O usuário seria multado, obrigado a comparecer a reuniões sobre o uso de drogas e, em caso de dependência, encaminhado a tratamento.No Brasil, já conta com mais de 120 mil assinaturas o anteprojeto à mudança da Lei nº 11.343/2006, proposta pela Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia que, com o Viva Rio, apoia a campanha Lei de drogas: é preciso mudar.O anteprojeto diferencia usuário e traficante. O usuário seria advertido, prestaria serviços à comunidade e, caso necessário, encaminhado a programas de reeducação. O traficante, obviamente, continuaria penalizado.A Comissão Global de Políticas sobre Drogas, da ONU, presidida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, enfatiza o fracasso das políticas de combate ao tráfico e defende a descriminalização do consumo.O consumo cresce muito mais rápido que todas as medidas tomadas para coibi-lo. Entre 2009 e 2011, foram identificadas, nos países da União Europeia, 114 novas drogas psicoativas, cujo comércio é facilitado pela internet.A pro-

posta dos peritos ingleses é descriminalizar o cultivo doméstico de maconha para uso pessoal. O que reduziria o tráfico operado pelo crime organizado. Porém, continuariam criminalizados o consumo de cocaína e heroína.Portugal aboliu, desde 2001, todas as penas criminais para a posse de drogas. Já os traficantes e produtores, mesmo domésticos, continuam penalizados. Os usuários flagrados com grande quantidade são encaminhados a tratamento.Nos EUA, os estados de Oregon, Colorado e Washington decidem, em novembro, se legalizam a maconha. No Uruguai, que descriminaliza o consumo e criminaliza o comércio, o governo quer estatizar a maconha, ou seja, controlar a produção e a venda no país. Os 75 mil usuários teriam direito a 40 gramas mensais.Na Guatemala, o presidente Molina, para inibir o tráfico, defende a legalização das drogas, com restrições às substâncias mais nocivas. Seria a mesma tolerância já adotada, na maioria dos países, em relação a bebidas alcoólicas. Encontrar a solução adequada não é fácil. Lidei vários anos com dependentes químicos e sei o quanto é inútil manter, no Brasil, a atual legislação proibitiva e repressiva. Ela só favorece o narcotráfico e os policiais corruptos.A descriminalização do consumo me parece uma medida humanitária. Todo dependente químico é um doente e precisa ser tratado como tal. Mas como evitar que o consumo não anabolize a assombrosa fortuna dos traficantes? Ainda que se mantenha a proibição das drogas pesadas, em geral caras, como estancar a disseminação do crack, mais barato e tão devastador?Há uma questão de fundo que merece ser aprofundada por todos os interessados no problema: por que uma pessoa usa drogas? O que a motiva a buscar uma alteração de seu estado normal de consciência? Por que ela experimenta sensação de felicidade apenas sob efeito de drogas?A droga é um falso sucedâneo para quem carrega um buraco no peito. Esse buraco resulta do desamor e das frustrações frequentes numa sociedade tão egocêntrica e competitiva.Uma cultura que se gaba de ter fechado o horizonte às utopias, a “outros mundos possíveis”, às ideologias libertárias, ao sonho de que, “daqui pra frente, tudo pode ser diferente”, encurrala, sobretudo os jovens, em ambições muito mesquinhas: riqueza, fama e beleza.Como diz Jesus, “onde está seu tesouro, aí está seu coração” (Mateus, 6, 21). Muitos que não têm a sorte de ver seu sonho tornado real sabem como fazê-lo virtual... E ainda que disso não tenham consciência, estão gritando a plenos pulmões ter ao menos uma certeza: a de que a felicidade reside na subjetividade.


minas gerais - p. 03 - 26.10.2012

MINAS GE

GERAL

Política sobre drogas ficará com a Secretaria de Esportes e da Juventude ‰ Para a mudança, governador leva em conta a trajetória do novo secretário Eros Biondini

O

ŐŽǀĞƌŶĂĚŽƌ ŶƚŽŶŝŽ ŶĂƐƚĂƐŝĂ ĂƐƐŝŶŽƵŽŶƚĞŵ͕ŶŽWĂůĄĐŝŽdŝƌĂĚĞŶƚĞƐ͕ ŵĞŶƐĂŐĞŵ ĞŶĐĂŵŝŶŚĂŶĚŽ ăƐƐĞŵďůĞŝĂ>ĞŐŝƐůĂƚŝǀĂƉƌŽũĞƚŽĚĞ ůĞŝƋƵĞƉƌĞǀġĂƚƌĂŶƐĨĞƌġŶĐŝĂĚĂ^ƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂĚĞWŽůşƚŝĐĂƐƐŽďƌĞƌŽŐĂƐ͕ ĚĂ ^ĞĐƌĞƚĂƌŝĂ ĚĞ ĞĨĞƐĂ ^ŽĐŝĂů ;^ĞĚƐͿ͕ ƉĂƌĂ Ă ĚĞ ƐƉŽƌƚĞƐ Ğ ĚĂ :ƵǀĞŶƚƵĚĞ ;^ĞĞũͿ͘  ĂƐƐŝŶĂƚƵƌĂ ĨŽŝ ƌĞĂůŝnjĂĚĂ ĚƵƌĂŶƚĞ Ă ƉŽƐƐĞ ĚŽ ŶŽǀŽ ƚŝƚƵůĂƌ ĚĂ ^ĞĞũ͕ ƌŽƐ ŝŽŶĚŝŶŝ͕ Ğŵ ƐƵďƐƚŝƚƵŝĕĆŽĂƌĄƵůŝŽƌĂnj͕ƋƵĞĚĞŝdžŽƵŽĐĂƌŐŽĂƉĞĚŝĚŽ͘

ŝŶƚĞƌĂĕĆŽ ĞŶƚƌĞŽĞƐƉŽƌƚĞ ĞũƵǀĞŶƚƵĚĞĞŽ ĐŽŵďĂƚĞăƐ ĚƌŽŐĂƐĠƵŵ ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞ ĐĂŵŝŶŚŽĚĞ ĞƐƉĞƌĂŶĕĂ K ŶŽǀŽ ƐĞĐƌĞƚĄƌŝŽ ĚĞƐƚĂĐŽƵ ƐƵĂ ĂƚƵĂĕĆŽ ŶŽƐ ƷůƚŝŵŽƐ ϮϮ ĂŶŽƐ ĞŵďĞŶĞĨşĐŝŽĚŽƐũŽǀĞŶƐĞŶĂƌĞĐƵƉĞƌĂĕĆŽĚĂƐƉĞƐƐŽĂƐ͘͞ŝŶƚĞƌĂĕĆŽ ĞŶƚƌĞ Ž ĞƐƉŽƌƚĞ Ğ ũƵǀĞŶƚƵĚĞ Ğ Ž ĐŽŵďĂƚĞăƐĚƌŽŐĂƐĠƵŵŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞĐĂŵŝŶŚŽĚĞĞƐƉĞƌĂŶĕĂ͕ǀĂůŽƌŝnjĂĕĆŽ Ğ ĐƌĞƐĐŝŵĞŶƚŽ ƉĂƌĂ Ž ŶŽƐƐŽ ƉŽǀŽ͕ Ğŵ ĚŝŐŶŝĚĂĚĞ͕ ĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ĚĞƐĐŽďĞƌƚĂĚĞƚĂůĞŶƚŽƐĞĞŶƚƵƐŝĂƐŵŽ͕ ŝŵƉĂĐƚĂŶĚŽ ĚŝƌĞƚĂ Ğ ƉŽƐŝƚŝǀĂ-

ŵĞŶƚĞĞŵƚŽĚĂƐĂƐŽƵƚƌĂƐƉŽůşƚŝĐĂƐ ƉƷďůŝĐĂƐ͕ ĐŽŵŽ ^ĂƷĚĞ͕ ĚƵĐĂĕĆŽ͘ ƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ ^ŽĐŝĂů Ğ ^ĞŐƵƌĂŶĕĂ WƷďůŝĐĂ͕͟ĂĨŝƌŵŽƵŝŽŶĚŝŶŝ͘ KŐŽǀĞƌŶĂĚŽƌŶƚŽŶŝŽŶĂƐƚĂƐŝĂ ƌĞƐƐĂůƚŽƵ Ă ƌĞůĞǀąŶĐŝĂ ĚĂƐ ƉŽůşƚŝĐĂƐ ĚĞ ĐŽŵďĂƚĞ ăƐ ĚƌŽŐĂƐ͕ ƚĞŵĂ ƋƵĞ ƐĞ ƚŽƌŶĂ Ă ĐĂĚĂ ĚŝĂ͕ ŶĆŽƐſĞŵDŝŶĂƐ'ĞƌĂŝƐ͕ŵĂƐĞŵ ƚŽĚŽŽƌĂƐŝů͕ŽƉƌŝŶĐŝƉĂůƉƌŽďůĞŵĂ ŶĂƐ ĄƌĞĂƐ ĚĞ ƐĂƷĚĞ ƉƷďůŝĐĂ͕ ĂƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ Ğ ĚĞ ƐĞŐƵƌĂŶĕĂ͘ ^ĞŐƵŶĚŽĞůĞ͕ĂũƵŶĕĆŽĚĂƐƐƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂƐĚĂ:ƵǀĞŶƚƵĚĞĞĚĞWŽůşƚŝĐĂƐ ƐŽďƌĞ ƌŽŐĂƐ Ğŵ ƵŵĂ ŵĞƐŵĂ WĂƐƚĂ ǀŝƐĂ ƚŽƌŶĂƌ ŵĂŝƐ ĞĨŝĐŝĞŶƚĞ Ă ĂĚŵŝŶŝƐƚƌĂĕĆŽ ƉƷďůŝĐĂ Ğ ŵĞůŚŽƌĂƌ Ă ƋƵĂůŝĚĂĚĞ ĚĂ ƉƌĞƐƚĂĕĆŽĚŽƐƐĞƌǀŝĕŽƐĂŽƐĐŝĚĂĚĆŽƐ ŵŝŶĞŝƌŽƐ͘ ͞>ĂŵĞŶƚĂǀĞůŵĞŶƚĞ͕ŽĨůĂŐĞůŽĚĂƐĚƌŽŐĂƐƚĞŵ ƚŽƌŶĂĚŽ Ž ĚŝĂ Ă ĚŝĂ ĚĂ WĂƐƚĂ ĚĞ ĞĨĞƐĂ ^ŽĐŝĂů ŵĂŝƐ ĚŝĨşĐŝů͘ dĞŵ ƚŽƌŶĂĚŽĂƐĚĞƐƉĞƐĂƐĞŽƐĞŶĐĂƌŐŽƐĚĂ^ĂƷĚĞƚĂŵďĠŵŵĂŝƐŽŶĞƌŽƐŽƐ͘dĞŵĚŝĨŝĐƵůƚĂĚŽŽĂƉƌĞŶĚŝnjĂĚŽĚŽƐũŽǀĞŶƐŶĂƐŶŽƐƐĂƐĞƐĐŽůĂƐ͘ WŽƌ ŝƐƐŽ͕ ƐĂďĞŵŽƐ ƚŽĚŽƐ ĚĂ ŝŵƉŽƌƚąŶĐŝĂ ƋƵĞ Ġ ƵŵĂ ƉŽůşƚŝĐĂ ĐŽŽƌĚĞŶĂĚĂ͕ ĞĨĞƚŝǀĂ Ğ ǀŝŐŽƌŽƐĂ ĚĞ ĐŽŵďĂƚĞ ăƐ ĚƌŽŐĂƐ͘ ŵ ĨƵŶĕĆŽĚŽĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽĞĚĂĚĞĚŝĐĂĕĆŽ ĚĞ ĂŶŽƐ Ă ĞƐƐĞ ĐŽŵďĂƚĞ ƉĞůŽ ŶŽǀŽ ƐĞĐƌĞƚĄƌŝŽ͕ ƌĞƐŽůǀĞŵŽƐ ƚƌĂŶƐĨĞƌŝƌ Ă ^ƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂ ĚĞ WŽůşƚŝĐĂƐ ƐŽďƌĞ ƌŽŐĂƐ ƉĂƌĂ ƉĂƐƚĂĚĞƐƉŽƌƚĞƐĞĚĂ:ƵǀĞŶƚƵĚĞ͕͟ĂĨŝƌŵŽƵŽŐŽǀĞƌŶĂĚŽƌ͘ Ɛ ĂĕƁĞƐ ĚĂ ^ƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂ ĚĞ WŽůşƚŝĐĂƐ ƐŽďƌĞ ƌŽŐĂƐ ĞƐƚĆŽ ǀŽůƚĂĚĂƐĂŽŐĞƌĞŶĐŝĂŵĞŶƚŽĚĞĂƚŝǀŝĚĂĚĞƐ ĚĞ ŝŶƚĞƌǀĞŶĕĆŽ ƌĞůĂƚŝǀĂƐ ĂŽ ƵƐŽ Ğ ĂďƵƐŽ ĚĞ ƐƵďƐƚąŶĐŝĂƐ ƉƐŝĐŽĂƚŝǀĂƐ͕ ĚĞ ĐĂƌĄƚĞƌ ƉƌĞǀĞŶƚŝǀŽ͕ ĚĞ ŝŶƚĞŐƌĂ-

ĕĆŽ͕ƚƌĂƚĂŵĞŶƚŽ͕ƌĞŝŶƐĞƌĕĆŽƐŽĐŝĂůĞ ĚĞƌĞĚƵĕĆŽĚĂĚĞŵĂŶĚĂ͕ĚĂŽĨĞƌƚĂ ĞĚŽƐĚĂŶŽƐƐŽĐŝĂŝƐĞăƐĂƷĚĞ͘ůŝŶŚĂĚĂĂĞƐƚĂƐƉŽůşƚŝĐĂƐ͕Ă^ĞĞũĂƉƌĞƐĞŶƚĂƉƌŽŐƌĂŵĂƐĚĞĐĂƌĄƚĞƌƉƌĞǀĞŶƚŝǀŽ ĚĞ ƌĞŝŶƐĞƌĕĆŽ͕ ŝŶĐůƵƐĆŽ Ğ ĚĞ ƉƌŽƚĂŐŽŶŝƐŵŽũƵǀĞŶŝů͕ƉŽƌŵĞŝŽĚĂ ^ƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂĚĂ:ƵǀĞŶƚƵĚĞ͘ WĂƌƚŝĐŝƉĂƌĂŵ ĚĂ ĐĞƌŝŵƀŶŝĂ ĚĞ ƉŽƐƐĞ Ž ǀŝĐĞͲŐŽǀĞƌŶĂĚŽƌ ůďĞƌƚŽ WŝŶƚŽ ŽĞůŚŽ͕ Ž ďŝƐƉŽ ĂƵdžŝůŝĂƌ ĚĂ ƌƋƵŝĚŝŽĐĞƐĞ ĚĞ ĞůŽ ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ͕ ĚŽŵ :ŽĆŽ :ƵƐƚŝŶŽ ĚĞ DĞĚĞŝƌŽƐ͕ Ž ƐĞŶĂĚŽƌĞnjĠWĞƌƌĞůůĂĞƐĞĐƌĞƚĄƌŝŽƐ ĚĞƐƚĂĚŽ͘ FORMAÇÃO ʹ DĠĚŝĐŽ ǀĞƚĞƌŝŶĄƌŝŽ͕ ĨŽƌŵĂĚŽ ƉĞůĂ h&D'͕ ƌŽƐ ŝŽŶĚŝŶŝĠŶĂƚƵƌĂůĚĞĞůŽ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ ĞƚĞŵϰϭĂŶŽƐ͘&ŽŝĞůĞŝƚŽĚĞƉƵƚĂĚŽ ĞƐƚĂĚƵĂů ĐŽŵ ϳϬ ŵŝů ǀŽƚŽƐ͕ Ğŵ ϮϬϬϲ͕ĞĚĞƉƵƚĂĚŽĨĞĚĞƌĂůĞŵϮϬϭϬ͕ ĐŽŵϮϬϴŵŝůǀŽƚŽƐĞŵϴϰϭŵƵŶŝĐşƉŝŽƐ͘ŝŽŶĚŝŶŝĂƚƵĂĞŵƉĂƌĐĞƌŝĂĐŽŵ ǀĄƌŝĂƐĐŽŵƵŶŝĚĂĚĞƐƚĞƌĂƉġƵƚŝĐĂƐĚĞ ƌĞĐƵƉĞƌĂĕĆŽ ĚĞ ĚĞƉĞŶĚĞŶƚĞƐ ƋƵşŵŝĐŽƐ ŶŽ ƌĂƐŝů͕ ƐĞŶĚŽ ƌĞĨĞƌġŶĐŝĂ ŵŝŶĞŝƌĂŶĂůƵƚĂĐŽŶƚƌĂĂƐĚƌŽŐĂƐ͕Ž ĂďŽƌƚŽĞĂƉĞĚŽĨŝůŝĂ͘ EĂ ąŵĂƌĂ ĚŽƐ ĞƉƵƚĂĚŽƐ͕ ŝŶƚĞŐƌŽƵĂƐĐŽŵŝƐƐƁĞƐƉĞƌŵĂŶĞŶƚĞƐ ĚĞ dƌĂďĂůŚŽ͕ ĚĞ ĚŵŝŶŝƐƚƌĂĕĆŽ Ğ ^ĞƌǀŝĕŽ WƷďůŝĐŽ͖ ĚĞ ^ĞŐƵƌŝĚĂĚĞ ^ŽĐŝĂů Ğ &ĂŵşůŝĂ͖ Ğ ĚĞ ĞĨĞƐĂ ĚŽ ŽŶƐƵŵŝĚŽƌ͘ WĂƌƚŝĐŝƉŽƵ ĚĂ ŽŵŝƐƐĆŽ ƐƉĞĐŝĂů ĚĂ ZĞĨŽƌŵĂ WŽůşƚŝĐĂ Ğ ĚĂ W/ ƐŽďƌĞ džƉůŽƌĂĕĆŽ ^ĞdžƵĂů ĚĞ ƌŝĂŶĕĂƐĞĚŽůĞƐĐĞŶƚĞƐĞĚĂŽŵŝƐƐĆŽ ƐŽďƌĞ ĂƚĄƐƚƌŽĨĞƐ ůŝŵĄƚŝĐĂƐ͘ WƌĞƐŝĚŝƵĂ&ƌĞŶƚĞWĂƌůĂŵĞŶƚĂƌDŝƐƚĂ ĞŵĞĨĞƐĂĚĂƐŽŵƵŶŝĚĂĚĞƐdĞƌĂƉġƵƚŝĐĂƐ͕ ĐŽůŚĞĚŽƌĂƐ͕ Ğ ĨŽŝ ŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞ ĚĂ &ƌĞŶƚĞ WĂƌůĂŵĞŶƚĂƌ ĚĂƐ ^ĂŶƚĂƐĂƐĂƐ͘

Vôlei sentado

Minas nas Pa

DŝŶĂƐ ' ŶĂƐ WĂƌĂůŝŵ ĐŽŵĂĐŽŶƋƵŝ ĕĆŽŶĂĐůĂƐƐŝĨ ĚĂ ƐĞdžƚĂ ĐŽůŽ ŐĞƌĂůĚĞŵĞĚ ƚŽƚĂů͘&ŽƌĂŵ ƉƌĂƚĂĞϯϮŵĞ ƵƌĂŶƚĞ ƐƵďŝƵ ĂŽ Ɖſ ƚġŶŝƐĚĞŵĞƐĂ ĚŽ͕ ĐŽŶƋƵŝƐ ůƵŐĂƌ ŐĞƌĂů ĚĞƐ͘ EŽ ƚġŶ ƌŽĚĂƐ͕ ŐĂƌĂŶ ĕĆŽ͖ŶĂŶĂƚĂ ƋƵŝŶƚŽůƵŐĂƌ͘  ĚĞůĞŐĂ ƋƵĂƌƚĂ ŵĂŝŽ ŐƌĂŶƚĞƐ͕ ƐĞŶ ϱϳ ƉĞƐƐŽĂƐ ĐĂ͘͞^ĞĐƌĞ Ğ ĚĂ :ƵǀĞŶ ŝŶǀĞƐƚŝĚŽ ĐĂ ƉƌŽŐƌĂŵĂƐ Ɖ ĐĂĚĂĂŶŽĂƵŵ ƉĂƌƚŝĐŝƉĂŶƚĞƐ


veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012

“Atualmente, “ pega mal” ser contra a liberação da maconha”


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


cont... veja - SP - p. 92 a 100 - 31.10.2012


isto ĂŠ - sp - p. 64 a 66 - 31.10.2012


cont... isto ĂŠ - sp - p. 64 a 66 - 31.10.2012


cont... isto ĂŠ - sp - p. 64 a 66 - 31.10.2012


26 a 30 Out 2012