Page 1

Ano 1 • 2ª Edição • outubro 2015


carta ao leitor

Caro leitor,

Tenho o prazer de lhes apresentar mais uma edição da nossa querida revista, que cresce e ganha mais amigos a cada dia. Nessa edição fomos específicos com relação ao tema e procuramos prestigiar as mamães, atuais ou futuras, e os seus bebês. Sabemos o quão mágica é essa fase, mas também entendemos suas dificuldades. Tratase do início de uma nova vida, que requer novos conhecimentos e novas habilidades. Portanto, nos propomos a “iluminar alguns tópicos, mas ainda estamos longe de esgotar o assunto nessas próximas páginas.

Eduardo Furlani Editor Responsável

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

Embora nos aventuremos no mundo editorial, através da Revista Furlani, somos uma clínica e nosso forte é cuidar das pessoas no olho a olho. Espero que gostem dessas páginas que estão por vir e não esqueça: nossa equipe está e estará sempre à disposição para acolher, orientar e tratar aqueles que nos procuram, de perto ou de longe. Um caloroso abraço.

5


expediente

www.clinicafurlani.com.br Editor Responsável: Eduardo Furlani - CRM 8316 | RQE 5876 Colaboradores: Bruna Navarro; Eduardo Furlani; Flávio Bomfim; Hercilia Queiroz; Juliana Brito; Marcelo Gondim; Rafaela Bomfim; Simone Navarro; Ticyana Falcão; Verônica Riquet Banco de Imagens: Dreamstime - Projeto Gráfico e Diagramação: Assessoria de Marketing e Comunicação Clínica Furlani - Versão Mobile: Carlos Cristiano

A Revista Furlani é uma publicação da Clínica Furlani.

Publicidade: Clínica Furlani - Endereço: Rua Barbosa de Freitas, 1990, Aldeota, Fortaleza Atendimento ao Leitor: revista@eduardofurlani.com.br - Anúncios: (85) 3055.0505

/clinicafurlani /clinicafurlani

6

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


sumário

08

22

18

24

Cirurgia Plástica e Estética

Cuidados com a Pele

Alimentação e Saúde

Odontologia

08

14

16

Gravidez e Odontologia.

Amamentação e prótese de mama: o que muda?

09

Lipo pós gravidez.

10

Abdominoplastia e suas variantes.

Alterações dermatológicas na gravidez. O que precisamos saber?

20

Alimentação infantil.

18

Ganho de peso na gestação.

Especial: Dicas

23

Dicas para gestantes.

26

Melasma: uma abordagem ao tratamento em gestantes.

Receita de Saúde: Sopa de batata-doce e lentilha.

22

27

Estrias: o bicho papão.

12

Receita de Saúde: Bolinho de chocolate fit.

24 O que vestir na gravidez?

10

7


Cirurgia plástica

Amamentação e Prótese de Mama: o que muda? Eduardo Furlani Cirurgião Plástico

A dúvida é muito comum entre as pacientes que gostariam de colocar silicone e tem planos de engravidar e de amamentar, mas não sabem que implicações podem haver. O implante se localiza sempre atrás da glândula mamária, podendo estar à frente ou atrás do músculo peitoral maior. Em ambos os casos, o silicone não se interpõe entre a glândula e o trajeto de saída do leite até a papila (mamilo). Ou seja, a presença de uma prótese não interfere na capacidade de lactação. Entretanto, alguns tipos de plástica dos seios podem afetar a amamentação. Isso pode acontecer quando é necessário retirar parte da glândula para se obter a forma adequada. Isso é comum em mamas grandes ou bastante caídas. Nesses casos, possivelmente, mas não necessariamente, cicatrizes na glândula mamária podem alterar sua arquitetura, dificultando a lactação. Felizmente, a maioria das técnicas de aumento de mama não causam essas alterações, principalmente se utilizadas as vias inframamária ou axilar. Mesmo a técnica periaureolar não vai causar prejuízos à amamentação na maioria dos casos, embora exista a possibilidade. É importante lembrar ainda que amamentar não é uma tarefa fácil e tem muitos fatores físicos e psicológicos envolvidos. Caso exista alguma dificuldade, recomendamos que as mães persistam e 8

busquem grupos de ajuda. Sempre é possível buscar informações muito úteis nos bancos de leite. Uma vez esclarecida a questão da capacidade ou não de amamentar, persiste a dúvida sobre a forma do seio. O que vai acontecer? Vai cair, criar estrias, murchar? Quando se trata de uma gravidez, o corpo sempre sofrerá alterações e tudo pode acontecer. Entretanto, nem sempre as mudanças são tão radicais e nem sempre são negativas. As modificações corporais são um pouco menores quando já existe um implante. Isso acontece porque parte do volume mamário é da prótese e está livre das variações esperadas. Ainda assim, a porção glandular será hipertrofiada e a pele irá se dilatar para acompanhar. Esse ganho de volume será perdido quando tudo passar, fazendo com que “sobre” um pouco de pele. Essa sobra pode gerar flacidez e até queda do seio, quando é muito intensa, mas também pode gerar um gracioso aspecto de naturalidade nas pessoas que tinham seios muito pequenos antes de fazer a cirurgia para aumento. Em resumo, mulheres com seios pequenos não tem motivos para adiar seus planos de aumentá-los. Mulheres que gostariam de reduzir devem avaliar os benefícios e as inconveniências de não esperar para depois da amamentação, tomando como base a ajuda de um cirurgião plástico. revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


cirurgia plástica

Lipo pós gravidez Chegou o beta HCG e foi uma alegria só, que notícia boa! Vem um bebê por aí! Tudo se passa bem e, mesmo nas gestantes mais controladas, chegam uns quilinhos a mais. A gravidez causa grandes modificações na forma do corpo das mulheres e o caminho para retomar as formas antigas, muitas vezes, passa por uma cirurgia plástica. Logo vem à mente a lipoaspiração. A ideia é tirar as gordurinhas a mais que não foram embora totalmente depois do parto, mesmo com bons hábitos de alimentação e de exercícios físicos. Alguns pontos devem ser levados em consideração. Primeiramente, ainda que você veja, palpe e consiga mostrar as gordurinhas que incomodam, muitas vezes não há tanto quanto parece. Isso acontece porque o crescimento abdominal da gravidez faz com que a pele e a parede abdominal (músculo, aponeurose, etc) também cresçam. Depois do nascimento do seu bebê, o volume abdominal tende a regredir, mas as estruturas que “esticaram” não conseguem voltar totalmente ao que eram antes. Dessa forma, sobra um pouco (ou muito) de pele. Essa sobra, quase sempre tem aspecto de excesso de gordura. Geralmente apenas a avaliação de um especialis-

Eduardo Furlani Cirurgião Plástico

ta pode dizer se aquele excesso é gordura ou pele e parede abdominal. Nesse momento, o diagnóstico correto é fundamental, pois é através dele que se vai orientar qual a melhor conduta a se realizar. A lipoaspiração, por exemplo, é um excelente método de retirada de gordura, mas não aborda excesso de pele. Se o excesso for de pele e não de gordura, a retirada pode piorar a flacidez. É como se estivéssemos esvaziando um balão de borracha. Até certo ponto, ele vai se manter rígido, pois a borracha tem a capacidade de encolher. Essa capacidade é limitada, tornando o balão flácido se continuarmos a esvaziá-lo. A pele também tem uma propriedade elástica e se comporta da mesma forma. Assim, podemos fazer uma lipoaspiração dos flancos, dos culotes e até mesmo do abdome. O excesso de pele causado pela diminuição da camada de gordura provavelmente não será um problema devido à sua capacidade de retração, em situações normais. No entanto, no caso de uma gravidez, a pele abdominal já foi bastante distendida. A retração já aconteceu até o seu limite após o parto. Ou seja, muitas vezes não há mais possibilidade de retrações. Dessa forma, caso retiremos ainda mais gordura dessa região, podemos piorar situação da flacidez. Outros procedimentos não cirúrgicos, que se destinam a diminuir gordura, tais como a criolipólise, seguem os mesmos princípios. Nesses casos, existem outras opções mais eficientes e a escolha depende de uma avaliação especializada.

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

9


Cirurgia plástica

Abdominoplastia e suas variantes Se os procedimentos de retirada de gordura foram contraindicados é porque existe algo a mais causando o problema. Para entender, vamos analisar o que acontece na gravidez. Para acompanhar o aumento de volume intra-abdominal, os músculos se afastam entre si, formando a diástase de retos. O volume uterino retorna ao normal, mas nem a musculatura, nem a pele recuperam a forma anterior. Tais alterações estruturais podem ter consequências estéticas e funcionais. Esses músculos também são antagonistas dos lombares e, juntos, têm a função de estabilizar a coluna vertebral. Diástases exageradas podem

10

Eduardo Furlani Cirurgião Plástico

causar desequilíbrios com sérias consequências sobre a coluna a longo prazo, com dores e até alterações ósseas. A abdominoplastia e suas variantes, como o mini-abdome, são os procedimentos ideais para a correção. Assim, o excesso de pele criado pela distensão da gravidez é retirado e os músculos são reposicionados. Entretanto, convém esperar, pelo menos, seis meses após o parto e depois de encerrada a lactação para que se proceda a qualquer procedimento cirurgico. Tecnicamente, as duas técnicas acontecem da seguinte forma. Acompanhe:

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


cirurgia plástica

adbominoplastia

Definimos a quantidade de pele a ser retirada, com uma manobra manual. Fazemos uma marcação minuciosa, para que não haja assimetrias. Via de regra, toda a pele compreendida entre a porção superior do umbigo e a cicatriz da cesárea é retirada, mantendo o umbigo em sua posição original. A pele acima dessa região é descolada da parede abdominal na sua parte central para dar acesso total à musculatura. Fazemos uma sutura reaproximando os músculos retos abdominais a fim de corrigir a flacidez da parede abdominal e recuperar a cintura perdida. Em seguida, essa pele é tracionada inferiormente e suturada à região inferior, onde se localizava a cicatriz da cesárea. O umbigo que permanece da parede abdominal brota no meio dessa pele por uma pequena incisão e é novamente fixado. O resultado é uma cicatriz horizontal, cuja extensão depende da quantidade de pele a ser retirada e da forma do abdome.

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

mini-abdome

Variação da técnica anterior, em que pode não ser necessário haver uma incisão no umbigo. Geralmente se aplica para pacientes sem diástase, mas com excesso de pele e/ou gordura abaixo do umbigo. A cicatriz resultante também é horizontal e menos extensa, intermediária entre uma cicatriz de cesárea e uma abdominoplastia clássica. O inconveniente, nesse caso, é não corrigir a flacidez supra umbilical tão bem quanto a abdominoplastia.

11


odontologia

Gravidez e Odontologia A gravidez é um período único na vida da mulher que se caracteriza por intensas transformações fisiológicas que podem afetar adversamente a saúde bucal. A gestante está totalmente envolvida com a saúde e bem estar de seu bebê e passa por importantes mudanças em seu corpo. O aumento da atividade hormonal, o aumento do débito cardíaco, a variação da pressão arterial, a anemia, alterações gastrointestinais e respiratórias são algumas mudanças transitórias importantes que podem acontecer durante a gestação. Com relação as alterações bucais, a gengivite é uma manifestação comum em gestantes e caracteriza-se por um processo inflamatório nos tecidos que circundam os dentes, gerando sangramentos durante o processo de higienização e as vezes, também, durante a mastigação. Sua causa é discutível e parece estar relacionada às variações hormonais e às mudanças no sistema imune. A manutenção de uma boa higiene bucal pode ajudar na prevenção ou redução da severidade dessas alterações inflamatórias mediadas pelas mudanças hormonais. Estudos têm apontado possíveis relações de risco existentes entre doenças bucais, principalmente a doença periodontal, e complicações gestacionais, como parto prematuro, nascimento de recém-nascidos de baixo peso e pré-eclâmpsia. As explicações para tais hipóteses baseiam-se no fato de a doença periodontal ser de origem infecciosa, o que poderia provocar aumento de citocinas inflamatórias no sangue materno, por liberação direta da bolsa periodontal ou por disseminação de bactérias patogênicas, induzindo sua produção sistêmica. Esta suposição funda12

Rafaela Bomfim Cirurgiã Dentista


odontologia

menta-se no conhecimento de que a fisiopatologia das complicações obstétricas citadas está associada à presença de algumas citocinas no sangue materno. O que reforça a necessidade de um acompanhamento odontológico preventivo durante a gestação. Nenhuma necessidade de atendimento odontológico para gestantes deve ser negligenciada por medo de colocar em risco a sua saúde ou mesmo a saúde do bebê. O fato de a mulher estar grávida não impede a maioria dos procedimentos odontológicos de rotina e, embora o atendimento odontológico seja seguro, principalmente no segundo e terceiro trimestre de gravidez, um bom entrosamento entre os profissionais que acompanham o pré-natal é muito importante, auxiliando o cirurgião-dentista a decidir os melhores períodos de intervenção, caso sejam necessários. Outra dúvida muito freqüente trata-se da realização de radiografias durante este período; e não é necessário que se adie exames radiográficos. Atualmente, bons consultórios utilizam filmes radiográficos ultrarrápidos que possibilitam a diminuição da irradiação, além da utilização

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

de proteção com colar tireoidiano e avental de chumbo que permitem a realização da tomada radiográfica sem maiores riscos de má-formação fetal. Sabe-se que, por várias crendices populares sem suporte científico, medos e falta de informação, ocorre uma baixíssima procura por atendimento odontológico durante a gravidez. Tanto os profissionais como as gestantes se cercam de tabus em torno do tratamento odontológico e isso pode gerar uma falta de atenção à saúde bucal dessas mulheres. As crenças populares não aconselham as gestantes a procurarem os serviços odontológicos por temores relativos à anestesia local, hemorragias e perigos para o bebê. Essas crenças se baseiam na associação entre dor de dente e a gestação que geraria um mal-estar para a futura mamãe. Contudo, podemos afirmar que os riscos relacionados as anestesias e medicações de uso na gestação já foram amplamente pesquisados, e nesse caso testados, existindo portanto, produtos específicos para o atendimento desse público sem nenhum risco para a mãe ou o bebê.

13


Gravidez. dermatologia

Alterações dermatológicas na

O que precisamos saber? O cuidado com a aparência e o com o corpo tem merecido cada vez mais a atenção da mulher moderna. A gravidez, por tratar-se de um período tão especial e único, também se insere nesse contexto, sendo importante o conhecimento sobre as modificações fisiológicas esperadas e a melhor forma de abordá-las. Comumente, essas modificações podem acometer a pele e os seus anexos, ocasionando alterações: pigmentares, de cabelos, de unhas, vasculares, de glândulas e de mucosas. Entretanto, o fato de muitas dessas alterações serem descritas como fisiológicas não minimiza o desconforto para a mulher. Pela extensão do acometimento cutâneo na gestante e pelos estigmas gerados, há uma provável subvalorização das alterações cutâneas relatadas. Uma causa de extremo desconforto para as gestantes, as estrias ocorrem em até 90% das gestações. São mais comuns em mulheres caucasianas e surgem em oposição às linhas de tensão da pele. Ocorrem mais frequentemente no abdome, mamas, braços e dorso. A etiologia das estrias ainda está em discussão, mas aparentemente elas se relacionam à distensão dos tecidos e à atividade adrenocortical e estrogênica. Ocorre associação significativa entre a formação de estrias e o excesso de peso dos bebês e das mães. Portanto, o ganho ponderal materno excessivo deve ser evitado. Há controvérsias quanto à real prevenção que as massagens com óleos e creme hidratantes exercem sobre a formação de estrias nas gestantes. Mesmo sem involução completa, as estrias podem melhorar muito ao final da gravidez, passando também a apresentar seu aspecto branconacarado mais tênue. No pós-parto elas podem 14

Verônica Riquet Dermatologista

ser tratadas com tretinoína tópica. A queda de cabelo ocasionada pelo eflúvio telógeno também é comum e tem início entre o primeiro e o quinto mês após o parto, prolongando-se por vários meses. Ocorre devido à rápida conversão dos pêlos anágenos em telógenos, secundária às mudanças hormonais e ao estresse do parto. Na maioria das pacientes há recuperação completa em aproximadamente um ano. O hirsutismo é outro achado frequente nas gestantes, particularmente naquelas que já possuíam abundante pilificação antes da gestação. Seu achado é precoce na gravidez, sendo mais pronunciado na face e nos braços. A etiologia do hirsutismo é provavelmente hormonal e decorre de uma conversão reduzida dos pêlos anágenos em telógenos. Geralmente regride em até seis meses após a gravidez e não necessita de terapia específica. Na gravidez são observadas ainda várias alterações ungueais como sulcos transversos, fragilidade ungueal, onicólise e hiperqueratose subungueal. Admite-se a possibilidade de que, na gravidez, essas alterações possam estar relacionadas à espoliação que este estado fisiológico especial possa provocar. Portanto, a manutenção do estado nutricional adequado pode contribuir para que se minimizem essas alterações, sendo recomentado ainda que se evitem traumas, como manipulação frequente das cutículas das unhas. Quanto às alterações vasculares, algumas são bastante comuns e devem ser conhecidas. Varicosidades acometem mais de 40% das gestantes, sendo mais comuns nas pernas e na região anal. Surgem a partir do terceiro mês de gestação. revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


dermatologia

Apresentam etiologia multifatorial, incluindo tendência familiar, fragilidade do tecido elástico e aumento da pressão venosa devido à compressão venosa pelo útero. Tendem a regredir no pós-parto, e pode ser realizada profilaxia com o uso de meia elástica, repouso com elevação dos membros inferiores ou em decúbito lateral, sendo recomendável evitar a posição ortostática por períodos prolongados. Outras alterações vasculares são bastante comuns na gestação e em sua maioria são relacionadas a atividade estrogênica com tendência à involução no pós-parto. Podemos citar as aranhas vasculares, o eritema palmar, os hemangiomas cavernosos pequenos, a cutis marmorata das pernas e o granuloma piogênico da gestação. A atividade glandular também é alterada pelas mudanças hormonais da gravidez. As glândulas écrinas progressivamente aumentam sua atividade, elevando a incidência de miliária e eczema desidrótico nesse período. Paradoxalmente, há redução da sudorese palmar. Já as glândulas apócrinas podem reduzir suas atividades ao longo da gestação, com melhora de enfermidades como a hidradenite supurativa. Em relação às glândulas sebáceas ainda não existe consenso se suas atividades aumentam ou se mantêm constantes ao longo da gestação. Algumas doenças ligadas às glândulas sebáceas, como acne, tem comportamento variável. Pode ocorrer o aumento das glândulas sebáceas da aréola mamária, que são os chamados tubérculos de Montgomery. Por fim, em relação às mucosas, a gengivite gestacional ocorre praticamente em todas as gestantes em graus variáveis. Geralmente iniciase no primeiro trimestre e aumenta em gravidade até o nono mês. Apresenta-se como alargamento e enantema das papilas interdentais, mais intensos nos dentes incisivos inferiores. Ulceração pode acontecer. Sua causa parece decorrer do aumento dos níveis de progesterona, da pobre higiene oral, de fatores irritativos locais e deficiências nutricionais. O tratamento consiste em cuidados locais e a vitamina C por via oral pode ser útil.

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

15


nutrição

Alimentação

Infantil

Os hábitos alimentares da criança são estabelecidos nos seus primeiros anos de vida e possuem duas fases:

Fase 01: -Antes dos seis meses de vida; fase 02: -Após os seis meses de vida. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam aleitamento materno exclusivo até os 06 meses e complementado até os 02 anos de vida. O processo da amamentação envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender de infecções, no seu ganho de peso e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional, na prevenção de alergias alimentares, além de ter implicações positivas na saúde física e psíquica da mãe. Na fase 01, antes dos seis meses de vida, a criança não precisa ingerir água, chá, suco ou qualquer outro alimento, pois o leite materno oferece to16

Bruna Navarro Nutricionista

dos os nutrientes necessários para o bom desenvolvimento e crescimento da criança. É importante lembrar às mamães que ter uma alimentação saudável nesse período é fundamental para que a criança receba todos os nutrientes adequados para seu crescimento. Mães que costumam comer muitos alimentos industrializados e ricos em gorduras saturadas/trans tendem a ter filhos com propensão a obesidade infantil. Na fase 02, a partir dos seis meses de vida, o intestino da criança já está mais desenvolvido, aumentando a tolerância gastrointestinal e a capacidade de absorção de nutrientes, proporcionando maior adaptação física e fisiológica para uma alimentação variada. Assim, nos primeiros anos de vida a introdução dos alimentos deve ser feita de forma gradual e lenta, pois a criança tende a rejeitar a oferta de novos alimentos por ter sabor e textura diferentes da sua rotina. A mãe deve introduzir um alimento novo a cada 03 ou até 07 dias, em média, por exemplo, incluindo ervas e temperos naturais. Sempre que houver a rejeição, o alimento rejeitado deverá ser novamente introduzido aquela rotina alimentar (e isso deverá ser feito sempre). revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


nutrição

06 a 09 meses:

arroz, quinoa, inhame, abóbora, cenoura, brócolis, couve, repolho, acelga, vagem (nesse caso, todos cozidos), pêra, banana, maçã, pêssego, melancia, frango, cebola, alho, coentro, óleo de girassol, azeite de oliva, leite materno ou leite hidrolisado (quando for necessário).

09 a 12 meses:

cevada, aveia, centeio, aspargo, batata, couve-flor, abacate, ameixa, abacaxi, uva, frango, carne bovina, leite materno ou leite hidrolisado (quando necessário).

12 a 24 meses:

milho, trigo, ervilha, espinafre, tomate, aipo, pepino, feijão, fava, soja (e qualquer vegetal cru), açafrão, sálvia, alecrim, manjericão (e outros temperos), laranja, limão, lima, melão, manga, tâmara, peixes, ovos e leite fermentado.

após 02 anos:

frutos do mar, amendoim, nozes, além do uso moderado de leite de vaca.

10 passos da alimentação saudável para crianças com menos de 02 anos

1. Dar somente leite materno até os seis meses,

tivamente, aumentar a sua consistência, até chegar à alimentação normal e diária da família.

2. A partir dos 06 meses, oferecer de forma lenta

Oferecer à criança diferentes alimentos durante o dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

sem oferecer água, chá, suco ou quaisquer outros alimentos.

e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 02 anos de idade ou mais.

3. A partir dos 06 meses também, dar alimentos

complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) 03 vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e 05 vezes ao dia, se estiver desmamada.

6.

7. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

8. Não oferecer açúcar, café, enlatados, frituras,

refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas, nos primeiros anos de vida. Usar sal com bastante moderação.

4. A alimentação complementar deve ser ofe- 9. Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos

recida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança.

alimentos, garantindo o seu armazenamento e conservação adequados.

5. A alimentação complementar deve ser espes-

Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

sa desde o início e oferecida de colher. Começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradarevista furlani | www.clinicafurlani.com.br

10.

17


nutrição

Ticyana Falcão Nutricionista

18

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


nutrição

Devido aos hábitos atuais, vem sendo observado um aumento da prevalência de obesidade em mulheres na fase reprodutiva e excesso de peso durante a gestação. Todos nós sabemos que o peso materno sempre se relaciona a boa nutrição do bebê, e que o excesso de peso durante o período gestacional está associado a vários riscos de saúde materno e fetal, como diabetes melito gestacional, pré-eclampsia e infecções do trato urinário durante e gestação. Porém, você sabe qual o ganho de peso ideal na sua gestação? Bem, o ganho de peso na gestação é baseado nas recomendações do Institute of Medicine (IOM) e varia de acordo com o peso pré-gravídico da gestante. Por isso é tão importante ter um peso ideal e adequado antes mesmo de engravidar. Levando em consideração o estado nutricional da gestante, calcula-se o Índice de Massa Corporal (IMC), de acordo com a Figura 1.

obesas não necessitam ganhar peso no primeiro trimestre. Já no segundo e terceiro trimestres as gestantes com sobrepeso e obesas devem ganhar até 0,3kg/semana e 0,2 \kg/semana, respectivamente. Ou seja, em resumo:

Procure sempre um profissional de nutrição para uma orientação individualizada, pois uma suplementação e alimentação adequadas, associada a uma prática de atividade física (quando autorizada pelo médico e acompanhada) são fundamentais para uma gestação saudável.

De acordo com o resultado (baixo peso, adequado, sobrepeso ou obesidade) há uma recomendação de ganho de peso por trimestre. Pacientes com baixo peso devem ganhar 2,3kg no primeiro trimestre e 0,5kg/semana no segundo e terceiro trimestres. Da mesma forma, gestantes com IMC adequado devem ganhar 1,6kg no primeiro trimestre e 0,4kg/semana no segundo e terceiro trimestres. Gestantes com sobrepeso devem ganhar até 0,9kg no primeiro trimestre e gestantes figura 1

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

19


dermatologia

Melasma: uma abordagem ao tratamento em gestantes

Hercilia Queiroz Dermatologista

20

O melasma é uma doença de pele crônica e adquirida, constituída por manchas acastanhadas que atingem áreas expostas da pele, principalmente a face. Afeta homens e mulheres de todas as raças, com maior incidência em mulheres, especialmente gestantes, e que vivem em áreas com elevados índices de radiação ultravioleta (UV). A causa do melasma ainda não está bem esclarecida, porém sabe-se que a radiação UV (exposição ao sol) é o fator importante. Os principais fatores envolvidos, além da exposição ao sol, são predisposição revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


dermatologia

genética, exposição à luz visível (luz proveniente de qualquer iluminação artificial, como aparelhos eletrônicos, eletrodomésticos, lâmpadas fluorescentes, etc), gravidez, terapias hormonais, algumas medicações que se sensibilizam com a luz e doenças endócrinas. É uma doença bastante comum nos consultórios dos médicos dermatologistas, sendo considerada como uma patologia de grande impacto emocional, psicológico e profissional, por alterar a imagem do rosto das pacientes, dificultando sua aceitação pessoal e social e podendo prejudicar o rendimento no trabalho pela consequente baixa autoestima. O tratamento é considerado difícil, pela necessidade do uso regular e bastante rigosoro dos produtos nas áreas atingidas e pela recidiva frequente das manchas, mesmo com adesão correta e disciplinada por parte das pacientes. O tratamento do melasma tem como principal objetivo o clareamento das manchas e a prevenção e a redução da área atingida, com o menor número possível de efeitos adversos. Os principais agentes tópicos utilizados são: hidroquinona, tretinoína, arbutin, ácido azeláico, ácido kójico, vitamina C, corticosteroides, além de peelings químicos que possuem propriedades de renovação e clareamento. O ácido azeláico, proveniente da mandioca, consiste na substância mais segura que pode ser utilizada no clareamento das manchas durante a gravidez, devendo sempre haver a orientação do médico dermatologista em relação ao outros produtos que poderão estar sendo utilizados também nesse período. Recomendações adicionais incluem descontinuação de pílulas anticoncepcionais, suspensão do uso de produtos cosméticos perfumados e de medicações fotossensibilizantes. Além das substâncias citadas anteriormente, os estudos estão evidenciando grandes benefícios no clareamento da pele com uso de nutricosméticos, que são suplementos dietéticos com função de cosmético, que visam melhorar o estado e as condições da pele, cabelos e unhas. São eles: polypodium leucotomos, ácido tranexâmico, carotenóides (licopeno, alfa e beta caroteno), pycnogenol, resveratrol, hidroxitirosol, melatonina e revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

glutationa. Dentre as principais publicações que confirmam o benefício coadjuvante de tais substâncias no clareamento da pele, não existem estudos abordando gestantes com melasma, o que se conclui, atualmente, para um uso coerente e ponderado das substâncias em pacientes que não estejam gestantes. Para se oferecer algum tipo de tratamento ao melasma durante a gestação, deve-se sempre levar em conta os riscos e benefícios, visto que muitas dessas medicações são recentes e não há ainda estudos publicados suficientes que comprovem a segurança de seu uso durante a gestação. Além disso, deve-se lembrar que, durante todo o período gestacional, há estímulos hormonais para o aparecimento das manchas e deve-se orientar a gestante quanto à alta taxa de recorrência do melasma, sendo imprescindível o imperativo cuidado com a exposição solar e o uso de protetores solares nas áreas atingidas, além da proteção física através de roupas, chapéus e óculos escuros. 21


fisioterapia dermato funcional

Estrias: O BICHO PAPÃO!

Simone Navarro Fisioterapeuta Dermato Funcional

As estrias na gestação ainda são um dos grandes vilões no meio a tantas alterações endócrinas, metabólicas, imunológicas, estéticas e vasculares. São temidas pelas mamães aparecendo principalmente no último trimestre da gravidez.

perar. O melhor a se fazer é o uso de um bom hidratante específico para gestantes, prevenindo de forma a não piorar o quadro clínico dessas estrias. Após a lactação é o momento ideal para iniciar o tratamento, pois não há riscos para o bebê.

De acordo com alguns autores, podemos definí-las como uma atrofia tegumentar adquirida, de aspecto linear, algo sinuosa, de um ou mais milímetros de largura, a princípio avermelhadas (striae rubrae), depois esbranquiçadas (striae albae), são simétricas e paralelas.

De acordo com uma prévia avaliação, o profissional especializado irá indicar a melhor forma de minimizar as estrias que por ventura apareceram na gestação. O objetivo principal do tratamento é gerar um processo inflamatório modulado, para que se estimule o fibroblasto a produzir um colágeno bom, deixando-as mais finas e menos aparentes. Algumas técnicas mais utilizadas pela profissional de fisioterapia dermato funcional, com a ajuda de dermocosméticos para uso home care, com bons resultados são:

Os surgimentos dos sintomas iniciais são variáveis, como pruridos (coceira), dor em alguns casos, erupção papular plana e levemente rosada. Elas afetam mais da metade das grávidas, porque a pele se distende devido ao aumento da barriga ou por ganho de peso. Há fortes evidências que o aparecimento das estrias tenha também uma predisposição genética e familiar. Os locais mais propensos às estrias são os seios (nas laterais e ao redor dos mamilos), na barriga (principalmente na região inferior), no culote, nas coxas (região interna), nas costas (região lombar) e nos glúteos. O que fazer quando elas aparecem? Pode ser um problema de difícil solução, mas a guerra não está perdida. Não adianta se deses22

Microagulhamento; Carboxiterapia; Radiofrequência; Peelings Químicos Superficiais, Peeling de Diamante; Vacuoterapia. Não há milagres. Não há cura 100%. O bom mesmo é prevenir sempre. Engordar demais não é legal para a saúde da mamãe e do bebê. E o bicho papão fica só nas histórias em quadrinhos! revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


ESPECIAL: dicas

Dicas para gestantes Olá, mamães de primeira de viagem! Vejam só, eu sei que vocês estão numa mistura de medo e excitação neste momento mágico da vida, e por que não deveriam estar? Isso é fantástico! Também sei que vocês não querem qualquer conselho, exceto quando vocês vão ao Google para tentar obter as respostas. E é por isso que resolvi escrever algumas dicas bem simples e descontraídas para tentar ajudá-las nesse período tão especial. 1: Saia do Google. É quase impossível não querer olhar todos os sintomas que você acha que tem ou ver exatamente o estágio de desenvolvimento do seu bebê. Entretanto, você vai ficar dependente, para não dizer viciada, a esta ferramenta da Internet. Junte-se a apenas um fórum ou grupo de discussão, se for estritamente necessário. Os hormônios já vão te deixar bem ansiosa. 2: Usar detergente perfumado ou ficar próximo ao microondas não vai fazer mal ao seu bebê. Eu lhes asseguro. Seu bebê não vai ter qualquer problema sério de saúde se você usar “omo” regularmente, nem mesmo qualquer problema com radiação se você ficar próxima ao microondas. 3: Se alguém lhe disser que você tem aquele “brilho da gravidez, vá lavar o rosto imediatamente. Você não está brilhando. Você está com a pele oleosa. Isso porque na gravidez os níveis hormonais sobem tanto que parece que você voltou aos quinze anos, tornando o seu cabelo e pele extremamente oleosos. revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

Marcelo Gondim Ginecologista e Obstetra

4: Cuidado com os carboidratos. Algumas mulheres usam a gravidez como desculpa para comer todos os alimentos que, em outros tempos, não se permitiriam comer. Essas grávidas são aquelas que ganham bem mais peso que o recomendado. 5: Compre uma lanterna para ir ao banheiro . Durante o primeiro e o terceiro trimestres, você irá passar mais tempo fazendo xixi no meio da noite do que possa imaginar. Dessa forma, você evita de pisar no cachorro ou em qualquer um de seus brinquedos. Como também, não acorda o seu marido no meio da noite. Mas se for necessário, por favor, não exite de acordá-lo 6: Saia bastante! Seja lá o que for que irá ajudá-la a relaxar, relaxe. Viajar com o seu parceiro, seus amigos ou mesmo sozinha. Se permita e se divirta! 7: Evite o álcool, o cigarro ou qualquer outra droga ilícita. 8: A constipação intestinal (prisão de ventre) e as dores lombares são bastante comuns. Uma dieta equilibrada e atividade física regularmente ajudam muito. Beba muita água. 9: Gerar uma vida é um evento muito peculiar que envolve uma carga emocional intensa. Por isso é importante discutir os seus medos e suas angústias previamente com o seu médico e sua família. 10: Visite o seu médico regularmente. 23


CONSULTORIA DE imagem

O que

vestir na gravidez?

Para as grávidas com dúvidas sobre o que vestir nessa fase tão linda, aqui vão algumas dicas e conselhos que podem e devem ser levadas em conta

Juliana Brito Consultora de Imagem

24

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


imagem

Comprar ou não comprar? 1. Antes de comprar o que quer que seja, analise bem o seu guarda-roupa e veja o que tem nele e o que pode ser adaptado, para ser usado neste nova fase da sua vida. Existem, porém, peças às quais é quase impossível fugir, no que diz respeito à compra: calças e roupas interiores (roupas íntimas) específicas para gravidez. 2. Equacione pedir emprestado peças à amigas ou familiares que tenham sido mães há pouco tem. Calças jeans, por exemplo, que não tenham sido muito usadas podem ser uma boa solução para você se, claro, usar o mesmo tamanho. Que cores e padrões apostar? 1. No que diz respeito à cor, de uma maneira geral, as cores mais escuras tendem a ser mais elegantes. Mas isto não significa que não possa usar cores claras. Se o fizer, certifique-se que o tecido é suficientemente grosso para não se tornar transparente.

confortáveis e tornam a barriga da grávida elegante, não a evidenciando muito. 5. Se você gosta de leggings, conjugue-as com botins ou batas altas com algum volume no cano, de modo a dar uma imagem de proporção à perna e não ficar estranho em comparação com o volume da barriga. 6. Como vai sentir mais calor do que o habitual, tenha especial atenção aos materiais que compõem as peças escolhidas. Prefira fibras naturais, como o algodão e realmente confortáveis ao toque, afastando tudo o que tenha poliésteres, por exemplo. Os melhores acessórios e sapatos? 1. Use colares compridos e simples e lenços soltos, para dar ao look uma sensação de maior comprimento, o que a fará parecer mais alta e magra. Ainda no campo dos acessórios, pode e deve-se usar peças marcantes, desde pendentes à pulseiras.

Quais as melhores peças?

2. No que diz respeito ao calçado, conforto com estilo devem ser a palavra de ordem. As sapatilhas são, por exemplo, boas companheiras, pois não apertam os pés e são confortáveis. Se você é daquelas mulheres que andam sempre de saltos, experimente os modelos compensados, que lhe darão altura, sem retirar suporte e conforto.

1. Deve-se dar prioridade ao uso de camisas e t-shirts de algodão com um pouco de elastano. São confortáveis e evidenciam a barriga da gestante, de forma elegante.

Acima de tudo, desfrute muito bem deste momento único e não descuide dos cuidados de beleza: uma mamãe bonita é antes de tudo uma mulher saudável.

2. Se você gosta de prints, aposte sempre em estampas pequenas. Se a peça for justa, o estampado tende a “crescer”, quando o material é esticado. Se o print for grande, ficará ainda maior, e o efeito visual final não é tão bonito.

2. Aposte em casacos estruturados, cintados e com os ombros definidos, que dêem forma ao seu corpo. Aproveite os casacos que já tem, e use-os abertos (ao usar casacos abertos, com uma cor contrastante por baixo, o mesmo cria uma linha na vertical no look que lhe dará a sensação de ser mais fina). Casacos longos ou de tamanho médio, sem lapelas e sem botões são igualmente uma ótima aposta. 3. Opte por decotes em V, para dar mais “comprimento” ao visual, tornando-a mais elegante. Evite golas subidas ou muito chegadas. 4. Vestidos e tops de corte império são bastante revista furlani | www.clinicafurlani.com.br

25


nutrição | receita de saúde

Sopa de batata-doce e lentilha

Bruna Navarro Nutricionista

Ingredientes

Informações Nutricionais

01 colher (sopa) de azeite extravirgem;

01 porção: 03 CONCHAS (300 ml)

01 ½ dente de alho amassado;

Valor energético

01 cebola pequena ralada;

Carboidratos

54,7g

02 xícaras (chá) de batata-doce em cubos;

Proteínas

11,3g

01 abobrinha em cubos;

Gorduras totais

7,2g

Gorduras saturadas

1,15g

GORDURA monoinsaturada

4,6g

Gordura Poliinsaturada

1,2g

03 xícaras (chá) de lentilha cozida; 01 xícara (chá) de salsa picada; Sal e cúrcuma a gosto; Água fervente; 01 xícara (chá) de agrião picado;

329kg/cal

Gorduras trans

0g

Fibra alimentar

10g

Sódio

67mg

01 colher (chá) de castanha-do-pará picada. Modo de Preparo Em uma panela funda, aqueça o azeite e refogue o alho, a cebola, a batata-doce e a abobrinha. Adicione água fervente até cobrir os legumes e, assim que eles estiverem al dente, retire-os do fogo e deixe amornar. Bata no liquidificador e volte para a panela. Coloque a lentilha, a salsa, sal e cúrcuma. Depois deixe aquecer e sirva. Acrescente o agrião e polvilhe com a castanha.

lo de gorduras. Rica em proteínas vegetais, ferro, fibras, vitamina A e C, betacaroteno e manganês. Tem propriedades anti-inflamatórias, ajudando na prevenção de doenças, como a artrite reumatoide. Ajuda no funcionamento do intestino e no controle da glicemia.

RENDE: ATÉ 03 PORÇÕES BENEFÍCIOS Sopa rica em carboidrato de baixo índice glicêmico. Ou seja, libera glicose de forma gradual na corrente sanguínea, reduzindo a fome e o acúmu26

revista furlani | www.clinicafurlani.com.br


receita de saúde | nutrição

Bolinho de Chocolate Fit

Ticyana Falcão Nutricionista

Ingredientes

Informações Nutricionais

01 ovo;

01 porção: receita individual

01 colher de sopa de farelo de aveia; 01 colher de sopa de farinha de coco; 01 colher de sopa de cacau (fica muito bom com Choco Kids da Essential); 02 colheres de sobremesa de adoçante natural culinário da Essential; 01 colher de sobremesa de óleo de coco; 01 colher de café de fermento químico. Modo de Preparo Bata todos os ingredientes e adicione por último e aos poucos, o fermento químico. Depois leve ao micro-ondas por 01 min. Derreta o chocolate 70% cacau e adicione como cobertura no bolo. Benefícios É uma receita zero açúcar. Os adoçantes utilizados são 100% naturais, não possuindo nenhuma contraindicação (gestantes e crianças podem consumir). Além disso, é rica em proteína e gordura, não priorizando apenas os carboidratos como na maioria das receitas doces, favorecendo um equilíbrio entre os macronutrientes. A gordura saturada que compõe essa receita é na grande maioria proveniente do óleo de coco, que possui um tipo de gordura saturada diferente (triglicerevista furlani | www.clinicafurlani.com.br

Valor energético

395,16kg/cal

Carboidratos

22,62g

Proteínas

11,46g

Gorduras totais

28,76g

Gorduras saturadas

17,29g

Gorduras trans

0g

Fibra alimentar

8,6g

Sódio

63,3mg

rídeos - TCM - de cadeia média), com inúmeras propriedades funcionais (antiviral, antifúgica, antibacteriana, promove saciedade, promove energia de rápida liberação, termogênico natural e imunomodulador). Além disso, a fonte de gordura unida a fonte de fibra dessa receita otimiza um bom funcionamento intestinal e a saciedade. O achocolatado utilizado e o chocolate são compostos de cacau puro e adoçantes 100% naturais, fornecendo um bom aporte de antioxidantes e nutrientes. Sem falar no valor do farelo de aveia como protetor de doenças cardiovasculares. Aproveite esta receita saudável quando estiver com vontade de consumir doces.

27


Revista Furlani - Segunda Edição  

Revista Furlani - Segunda Edição A Revista Furlani é uma publicação da Clínica Furlani. Outubro - 2015. Copyright © 2015 Clínica Furlani. To...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you