Issuu on Google+

Pedagogia do Saber

Edição: 01

A sua revista digital.

A história da educação em Salvador

O que falam os ex-alunos de uma escola tradicional.

Educador antigo x Educador atual O que podemos aprender com eles? Fala ai galera! O que você acha da educação no contexto atual?


EDITORIAL DA REVISTA

Prezado leitor\leitora. “Se aprofundar na nossa história para investigarmos o passado, é necessário para entendermos na nossa atualidade “ Nesta edição, viajaremos ao passado para conhecermos a história da educação em Salvador. Trouxemos um texto sobre a história da educação em Salvador, entrevistas com ex- alunos de Escolas de Tradição da Cidade e analise das biografias do antigo educador da capital e de um atual educador, estabelecendo uma analise comparativa entre as formações e caracterização do docente contemporâneo,contendo depoimentos da comunidade sobre a educação no contexto atual. Esta revista eletrônica foi desenvolvida pelos estudantes da UNIFACS do curso de Pedagogia, pólo Paralela, 2 semestre. Como resultado da disciplina de Pesquisa e Pratica Pedagógica II, do professor Antônio Carlos Gouveia, e da tutora Patrícia Guimarães Paim.


HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM SALVADOR

Período Jesuítico A educação baiana (Salvador) se deu a partir dos jesuítas (portugueses), trazidos pôr Tomé de Souza, assim como em todo país, no período da colonização. Os jesuítas se responsabilizaram pele catequese e o magistério, ao mesmo tempo em que criaram escolas atendendo as classes existentes, (filhos de senhores de engenho e colonos). Na época ensinava-se ler e escrever, sendo que era ministrado o curso de letras, filosofia, ciências , teologia e ciências sagradas, quem optasse pôr outro curso deveria realizá-lo na Europa. Tempos depois o ensino dos jesuítas foi destinado a elite, isso porque, tais ensinamento não possuía nenhuma ligação a outra classe existente (colonos), tanto no campo comercial quanto na sua sociedade agrária. Mas tarde foram expulsos pelo Marquês de Pombal, por terem objetivos contrários ao de Portugal. Período Colonial A coroa tomou posse da educação inferiorizando-a com relação ao período dos jesuítas, deixando toda Bahia atrasada, (assim como todo país), implantando as aulas régias (que eram desligadas da igreja).


A partir de então a educação se transformou em um verdadeiro caos. Em 1834 no ensino elementar e médio, foram abolidas as aulas régias e substituídas por aulas de filosofia racional e moral, aritmética, geometria e trigonometria dentre tantas outras. Em 1842 fundou a Escola Normal da Bahia, capacitando professores para o chamado ensino elementar, onde meninos e meninas eram separados por turnos, já que estes recebiam materiais diferenciado de acordo com o sexo, para os meninos destinava-se aprender instrução moral e religiosa, as artes de ler, escrever e contar bem como os elementos de pesos e medidas nacionais, já para meninas eram adicionados os cursos de costura, bordados e outros conhecimentos que auxiliasse a economia doméstica. Em 1842, com o surgimento do conselho de Instituição Pública foi criado o cargo de Diretor Geral dos Estados tendo como destaque (Casemiro de Sena Madureira), que obteve grande destaque com a criação do jardim da infância para meninos. Reforma Paranaguá (1881) – Salvador em regime externato Escola Normal de senhoras. naturais, possibilitou o sistema conselho superior.

Criou duas escolas normais em : Escola Normal de homens, e a Introduziu elementos de ciências de ensino particular e “instituiu” o

Período Republicano Em 1889 – Leis que regiam o ensino na antiga Província, foram reformuladas pelo Governo Provisório no Estado da Bahia e instituições oficiais de educação foram alteradas. Em 1890 – com o regulamento elaborado pelo baiano Satyro Dias o Conselho Superior de Ensino foi organizado e as escolas normais foram substituídas pelo Instituto Normal da Bahia. No início do século XX, nos municípios de Barra e Caetité, duraram até 1903 duas escolas normais de mesma linha organizacional e o Instituto Normal passou a ser chamado de Escola Normal. No século XX - algumas importantes instituições de ensino foram inauguradas como a Faculdade de Direito da Bahia em 1891, o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia em 1894, a Escola Politécnica e o Conservatório de Música em 1897. Em 1918 – Ensino público dividido em ensino primário (em escolas isoladas ou em grupos escolares, e ensino secundário (ministradas no ginásio da Bahia).


Influências de Anísio Teixeira A reforma de 1925 (Reforma Góes Calmon), influenciada pelas idéias de Anísio Teixeira, trouxe mudanças no currículo do magistério, onde ficou estabelecido 3 anos para ensino cientifico e um ano de preparação para o magistério. Proporcionou também reformas administrativas e de fiscalização nas instituições. Visando a formação de indivíduos áptos a contribuir com o estado que nesta época estava em grande desenvolvimento comercial e industrial, foram criados os cursos de artes que recebeu a mesma importância da educação integral física e moral do individuo. O estado preocupando-se com a educação de todas as classes da sociedade baiana criou a lei 1846|25 que implantou uma Escola de Belas Artes oficial e cursos para crianças ditas anormais, com a consolidação ídeias de Anísio Teixeira na reforma de 1925, marca profundamente a história da educação baiana. Em 1998 foi apresentado a sociedade os Parâmentro Curriculares, que tem o objetivo de ampliar e aprofundar um debate educacional que envolva escolas, pais, governo e sociedade e dê origem a uma transformação positiva no sistema educativo brasileiro.

ICEIA ONTEM E HOJE


ENTREVISTA COM EX ALUNOS DE ESCOLAS TRADICIONAIS DE SALVADOR CENTRO EDUCACIONAL SÃO RAFAEL

-Nome completo do ex-aluno: Daiana Andrade - Nome da Escola: São Rafael - Quanto tempo estudou na escola? 4 anos (5ª, 6ª, 7ª e 8ª série) - Evento marcante que a escola promoveu e como você se sentiu? A de Halloween, era emocionante ver todos fantasiados, a festa era show demais. -Qual a postura dos professores e funcionários? Bem os funcionários e professores eram excelentes uma equipe totalmente capacitada. -No recreio qual a brincadeira e o lanche que você mais gostava? Eu gostava de ficar no pátio trocando papeis de cartas, não era uma brincadeira mais era muito divertido. O lanche que mais gostava era os pastéis da cantina. -Como os alunos eram considerados ou cuidados? Os nossos direitos eram respeitados e podíamos nos expressar. -Quais os professores que você mais gostava? Por quê? Gostava de todos, pois os professores respeitavam nossos espaços. -Quais os professores você menos gostava? Por quê? Não tinha, mais a Diretora era muito seria, eu acho que era necessário para manter a ordem.


-Quais desses professores mais marcaram sua vida? Por quê? A diretora, por conseguir manter a escola organizada, eu ficava espantada pois haviam muito alunos. -Na condição de aluna, o que você identifica como reflexo de marcas negativas e positivas deixadas pelos professores dessa escola? Positiva: a ordem e organização. Negativa: ser exigente. -Colegas inesquecíveis? Carla, éramos unha e carne o que uma fazia a outra assinava em baixo. Até hoje somos amigas e em épocas de festas reunimos nossas famílias para festejarmos juntos.

Escola Ana Maria Poppovic

-Nome completo do ex-aluno: Carla Sinara A. Santos -Nome da Escola: Ana Maria Poppovic -Quanto tempo estudou na escola? 2 anos , 3ª e 4ª série -Evento marcante que a escola promove e com você se sentiu? A formatura da 4º série. Festa da semana da criança era uma farra, sempre nos levava para um clube era um dia maravilhoso com pais, professores, colegas. Momentos inesquecíveis. -Qual a postura dos professores e funcionários? Era uma postura rígida tradicional no ensino, mas hoje observando vejo que tinha um pouco de construtivismo.


-No recreio qual a brincadeira e o lanche que você mais gostava? Adorava as sextas- feiras, podíamos jogar, levar brinquedos, o lanche que eu mais gostava era a salada de fruta de Reginaldo, que até hoje é o dono da cantina, hoje uma lanchonete. -Como os alunos eram considerados ou cuidados? Na época o método de ensino era tradicional, mas sempre tínhamos atenção dos professores, onde as chamávamos de tia. -Quais os professores que você mais gostava? Por quê? Eu gostava das Tias Ide, Mary, Rita e Bárbara,eu gostava do modo que elas nos tratava muito bem. -Quais os professores você menos gostava? Por quê? Tia Maria, gritava muito e reclamava, olhando hoje vejo que ela tinha que ter um pulso firme. -Quais desses professores mais marcaram sua vida? Por quê? “Com certeza todos que citei fazem parte da minha história, olhe que me lembro de quase todos os professores por onde passei”. -Na condição de aluna, o que você identifica como reflexo de marcas negativas e positivas deixadas pelos professores dessa escola? Positiva e agradeço a eles o que sou, serviu de base para minha formação. E momentos negativos nessa escola foram poucos os que me lembro, mas, era a Tia Maria reclamado, levando queixa para casa. -Colegas inesquecíveis? Fátima e Érica, até hoje somos colegas. Nos afastamos um pouco devido a correria de cada uma, mas sempre nos falamos.

CENTRO ESCOLAR HEMARIEL Nome completo: Bruna Oliveira do Nascimento - Nome da Escola: Centro Escolar Hemariel -Quanto tempo estudou na escola? 10 anos,do jardim II até a 8ª série, que hoje em dia não são mais chamados assim.3


-Evento marcante que a escola promoveu e como você se sentiu? Sempre ocorreram muitos eventos na escola, desde uma simples comemoração do dia do estudante, até uma semana de atividades relacionadas ao dia das crianças, além de tudo isso nós, alunos, fazíamos apresentações em teatros como culminância de projetos interdisciplinares, por fim, todos os eventos foram de tamanha importância pra mim e não tinha como não ficar feliz com tudo isso, foram momentos únicos. -Qual a postura dos professores e funcionários? Havia uma postura rígida por parte dos professores e coordenação, já os auxiliares eram mais próximos dos alunos.. -No recreio qual a brincadeira e o lanche que você mais gostava? Quando eu era 3ª série, a escola instalou dois pebolins que vivaram a sensação da escola e era bastante divertido jogar durante os intervalos. Lógico que antes disse haviam ótimas brincadeiras na quadra da escola. -Como os alunos eram considerados ou cuidados? Nós éramos muito bem cuidados, principalmente pelos auxiliares e professores que estavam mais próximos . -Quais os professores que você mais gostava? Por quê? Difícil falar o que mais gostava, eu gostava de todos. Mas a que eu mais me apeguei foi a prof.ª de artes, Pró Majú. Porque eu achava muito legal a aula de artes, fazíamos muitas atividades criativas, me lembro muito bem de um fantoche de papel higiênico que criamos! -Quais os professores você menos gostava? Por quê? Não dá para falar o nome de algum que eu não goste, ainda mais hoje, pois quando olhamos pra trás vemos o real motivo para certas atitudes prejulgadas por nós, no momento, como ruins. -Quais desses professores mais marcaram sua vida? Por quê? “Uma bastante especial foi Pró Débora, a minha primeira professora, mas lógico que todos foram especiais, mas a minha primeira pró nunca esqueci” -Na condição de aluna, o que você identifica como reflexo de marcas negativas e positivas deixadas pelos professores dessa escola? Positivo seria toda parte de agregação de conhecimento e disponibilização de várias ferramentas para o aprendizado o que deu bastante certo. Negativo seria a pressão que a escola exercia sobre os professores que, as vezes, descontavam nos alunos. -Colegas inesquecíveis? Muitos, seria injusto citar apenas alguns.

Ex aluna o Centro Escolar Hemariel


COLÉGIO ESTADUAL LUIZ PINTO DE CARVALHO

-Nome completo: Rigaud de Lima - Nome da Escola: Colégio Estadual Luiz Pinto de Carvalho -Quanto tempo estudou na escola? Estudou 3 anos.(antiga 5ª,6ª e 7ª séries) -Evento marcante que a escola promoveu e como você se sentiu? O desfile de sete de setembro, eu me senti ótimo, rs (risos), o próprio, pois estávamos perto do governador e todo mundo tinha que fazer bonito pra chamar a atenção dele. -Qual a postura dos professores e funcionários? Alguns eram muito legais se preocupavam até demais com a gente, já outros não estavam nem aí, estavam lá só pra cumprir horário e receber seu salário. -No recreio qual a brincadeira e o lanche que você mais gostava? As brincadeiras de menino, jogar bola, correr. O lanche que eu mais gostava era Nescau com paçoca. -Como os alunos eram considerados ou cuidados? Por alguns professores,eram cuidados com muito carinho e atenção, cada um tinha uma atenção especial. -Quais os professores que você mais gostava? Por quê? Tia Noélia, Tia Cibelita, porque explicavam bem os assuntos e o tratamento delas para conosco era excelente! Nos considerava como parentes. -Quais os professores você menos gostava? Por quê? Profº Astromar, era o professor de Ed. Física, ele pegava muito no nosso pé. Puxava muito. Queria fazer as aulas tudo de vez!


-Quais desses professores mais marcaram sua vida? Por quê? Pró Noélia, porque ela tinha muito carinho com a gente, se a gente não soubesse ela fazia de tudo pra que a gente aprendesse. Esse carinho dela me marcou tanto que nunca esqueci dela! -Na condição de aluno, o que você identifica como reflexo de marcas negativas e positivas deixadas pelos professores dessa escola? Positivo: o incentivo de estudar, aprender e ser um bom aluno. Negativa: tinha professor que não se dedicava, não tinha paciência de ensinar...e deixava bem claro que se a gente n aprendesse ela n tava nem aí!! -Colegas inesquecíveis? Fábio e Alder, sempre me apoiavam em qualquer atitude e a gente andava muito junto.

ESCOLA PATAMARES

Nome da escola: Escola Patamares -Nome completo do ex-aluno: Yuri Carneiro de Carvalho -Período em que estudou na escola: 1ª à 4ª série (1994 à 1998). -Evento da escola que marcou em sua vida: 1ª Feira de ciências. Foi emocionante ver todas aquelas invenções e experiências e ao mesmo tempo participar delas. -Qual a postura dos professores e funcionários com relação aos alunos: Eram educados com todos os alunos. -No recreio qual a brincadeira e lanche que você mais gostava: Jogar pebolim e o lanche que eu mais gostava era o Crepe. -Como os alunos eram cuidados: Muito bem, haviam sempre funcionários por perto para evitar acidentes e pequenas brigas das crianças.


-Quais os professores você mais gostava? Por quê? Ciências. A professora era simpática. -Quais os que você menos gostava? Por quê? Matemática. A professora era muito rígida. -Quais desses professores mais marcou sua vida? Por quê? Nenhum deles. Nunca fui muito apegado aos professores nesta época. -Na condição de aluno,o que você identifica como reflexos de marcas positivas e negativas deixadas pelos professores desta escola? Positivas: O ensino de qualidade por pessoas qualificadas. Negativa: Excesso de atividades que faziam os alunos carregarem diversos livros excedendo o peso que a criança pode carregar, com isso fazendo com que o aluno tenha menos vontade de ir ao colégio. -Um colega inesquecível? E por quê? Nenhum deles foi inesquecível, eu era um aluno um pouco introspectivo e com poucos amigos. -Qual a importância dessa escola na sua vida e em sua escolha profissional. Deu-me uma boa base de conhecimento para que pudesse mais a frente escolher uma profissão.


ANÍSIO TEIXEIRA: FORMANDO HOMEM PARA A DEMOCRACIA • Perspectiva Pedagógica Anisiana: • Um projeto politico pedagógico que visa uma educação democrática; • Aluno ativo no processo de ensinoaprendizagem. Não se decorava mais livros e textos prontos. O importante era interpretá-los, compreendê-los e expressá-los de forma a deixar claro o que foi compreendido; • A Experiência do aluno como base no aprendizado;

• Nasceu: 12/06/1900, Em Caetité – Bahia; • Faleceu – Março de 1971 • Formação: Almejou ser Jesuíta quando estudou no Colégio Antonio Vieira. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro; • Tornou-se Inspetor de Educação do Estado da Bahia; • Anísio Teixeira foi um dos pioneiros do Manifesto da Escola Nova, onde defendia a educação pública, laica e gratuita, de maneira democrática e participativa. A proposta defendia que a educação é um elemento eficaz para a construção de uma sociedade democrática, levando-se em conta a diversidade e a uma constante reconstrução de experiências; • Tornou-se um grande Percusor da Escola Pública Brasileira

• A importancia da criança obter o crescimento físico, emocional e intelectual;


CRONOLOGIA ANISIANA •

Fundou em 1931 a Universidade do Distrito Federal, em Brasilia;

Em 1946 – Assumiu o Cargo de Conselheiro Geral da UNESCO;

Em 1950 – Criou a Escola Parque e o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, um dos principais centros de educação integral do Brasil;

Em 1951, assumiu a função de Secretário Geral da CAPES (Campanha de Aperfeiçoamento do Ensino Superior), tornando-se, no ano seguinte, diretor do INEP (Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos);

Em 1964, com o Golpe Militar, afastou-se do Brasil e foi para os Estados Unidos lencionar nas Universidades da Colúmbia e Califormia;

Em 1966, voltou ao Brasil e tornou-se consultor da Fundação Getúlio Vargas.


PATRICIA PAIM: A DEMOCRATIZAÇÃO ESCOLAR

• Patrícia Paim defende que educação é arte pois ela traz as manifestações dos indivíduos, possibilitando a educação lúdica, transformadora, significativa, com manifestações físicas, corporais e religiosas. Sobre a pedagogia de projetos, a mesma defende ser uma metodologia enriquecedora pois tem um foco que é um problema, facilitando a aprendizagem do contexto real do aluno.

• Formação: Pedagogia pela Universidade Estadual da Bahia e Pos-gradiada em Metodologia do Ensino Superior pela mesma instituição; • Principais Atividades: professora da educação infantil e fundamental, orientadora e supervisora pedagógica, gestão escolar; • Ocupação: Coordenadora pedagógica do grupo de Educação Infantil, na SEC. Tutora presencial do Curso de Pedagogia e tutora semipresencial de vários cursos nas disciplinas de eixo humanístico naUNIFACS. Realiza consultoria em Formação Continuada. • O foco de atuação e estudo são as relações de gêneros e formação continuada dos profissionais de educação.

• A missão da escola pública, na perspectiva da educadora é a democratização. É muito mais que colocar recursos nas escolas ou qualificar os profissionais. A educação pública deve ser de qualidade ( pública ou privada). Pública porque se prima pela educação para todos. • Tem a mediação como a metodologia da educação utilizada em sua atuação profissional. Trabalha com questionamentos, fazendo sempre que o aluno reflita sobre os seus pensamentos com muito dialogicidade. Também utiliza mapas conceituais e tem como principais influenciadores nos métodos utilizados em Vigotsky e Wallon.


ANÍSIO TEIXEIRA X PATRÍCIA PAIM • Anísio Teixeira não possuia graduação na área da educação. Ele se espcializou fora do país onde trouxe contigo uma bagagem, acadêmica de modelo escolar norte-americano, que se configura na educação integrada. Suas competências influenciaram seu legado na educação do Brasil. • A educadora atual possui formação em Pedagogia e pós graduação em Metodologia do Ensino Superior, além de participar de vários cursos, congressos seminários e simpósios todos os anos. A educação continuada é a principal característica docente contemporânea. • Embora esses educadores vivam em períodos distintos, percebemos semelhanças entre eles, pois defendem a educação pública, laica e gratuita, de maneira democrática e participativa. Ambos acreditam que a educação é um elemento eficaz para a construção de uma sociedade democrática, na qual se trabalha com a diversidade e uma constante reconstrução de experiências. Valorizam a importância da arte na educação, a importância da construção da identidade docente e sua participação ativa no processo de ensino-aprendizagem. A interpretação, a compreensão e a expressão do educando são atitudes que os levam a ter um papel de construtor do conhecimento e não mais de copiadores de textos, livros e autores. A experiência do aluno é a base fundamental para o aprendizado. • Outra similaridade é a valorização da forma lúdica de transmitir conhecimento, que Anísio Teixeira defendia demonstrando a importância da arte na educaçã. A importanciada criança obter o crescimento físico, emocional e intelectual. •

Mesmo com biografias distintas, percebemos que ambos sempre buscaram uma educação de qualidade para todos, fazendo cada qual ao seu modo e dentro do seu contexto histórico contribuições significativas para educação.


Fala ai galera! O que você tem a falar sobre a educação?

“A educação tem sido sempre desafiadora, tanto para os professores quanto para os país, somos o tempo todo cobrados, porém, nem todas as vezes acertamos, mas devemos continuar tentando.” Ana Lourdes professora e mãe de aluno da rede estadual.

“Bom, a situação da educação atual é evidente. Insatisfação por todos os lados. Todo santo dia o que mais se observa é a quantidade de professores reclamado das condições em que são obrigados a trabalhar e não receber o devido por isso, claro, já que o cargo exige muito do profissional.

Tháina Reis: Aluna de uma escola tradicional de Salvador.

Fora isso, falta estímulos dos próprios alunos que devido a condição social (me refiro aos colégios públicos) e todos os problemas que enfrentam, terminam desmotivados. Outro fator que deve ser analisado são as atitudes dos governantes em relação a isso. Se todo o grupo, não só de dentro da escola e sim família, governo e outros se juntassem, talvez um novo significado á palavra educação poderia surgir.”


Cleomárcio Ferreira Ex-aluno de um colégio tradicional, educador e estudante de Pedagogia na UNIFACS

“Fui estudante do ICEIA (Instituto Central de Educação Isaias Alves) e a 10 anos atrás todas as 50 salas do colégio estavam preenchidas. Hoje, com a colocação do Ensino Médio em diversos bairros de Salvador, o ICEIA está quase sem alunos. Isso sem falar no Colégio Central que se pode contar com facilidade a quantidade de alunos que frequentam. Como se isso não basta-se faltam professores em quase todas as escolas, alunos são formados sem ao menos ter tido uma boa aula de redação, português e matemática, disciplinas indispensáveis para o mesmo obtenha sucesso na faculdade pública. Sem falar na mal renumeração dos professores. O país que agora se diz “País da Copa” está esquecendo de ser o Pais da Educação.” “Penso que a Educação no Brasil tem muito o que avançar! Muitas coisas boas já foram conquistadas, mas ainda precisamos de muito para que tenha a qualidade necessária ao crescimento do país. Falta muita coisa em todos os níveis! No nível macro o governo precisa colocar a teoria em prática implantando e implementando as leis. Tem muita coisa ainda no papel! Por Andrea Lins Pedagoga exemplo as escolas públicas não têm equipes multidisciplinares para ajudar as crianças portadoras de necessidades educacionais especiais. A Lei diz que as escolas devem incluir, mas não da o devido suporte. No nível micro a educação perde a qualidade porque o ensino não é contextualizado. Então aprender vira, para a criança, uma obrigação, algo chato e sem sentido! Sem vivência não há aprendizado. Só há a obrigação de decorar para a prova e depois aquilo some da cabeça parecendo que nunca foi trabalhado! Então a Educação vira um faz de conta sem fim. Faz de conta que eu ajudo (governo), faz de conta que eu ensino (professor), faz de conta que eu aprendo (estudantes)… O trabalho de professor é muito sério.


Ele precisa de muito apoio. Apoio em todos os sentidos, sobretudo apoio salarial! Mas também precisa de cuidados, pois é ele quem lida diretamente com o estudante! A profissão do professor deveria ser a mais valorizada no país! E isso explica porque o país é tão deficiente em varios aspectos! Mas tudo isso é intencional! É para a manutenção do controle! Não vamos nos iludir! Quem esta no controle, quer estar sempre!” Andréa Lins

Luciana Monteirto Professora e Coordenadora de escola

“A palavra chave é LIMITE, a nossa realidade é: A mãe do aluno da Infantil diz: Professor hoje ele não quis toma café vê se ele merenda A mãe do aluno do Fundamental II: não sei o que fazer com ela/ele! Reclamo e nem me obedece; A mãe do aluno do Ensino Médio: Professora a senhora diz ao meu filho que não é para ele pegar mais a chave do carro, pois se eu disser ele vai ficar zangado comigo e eu não quero criar um bloqueio entre nós.

Nós lutamos tanto para conquistar participação nas decisões da escola e os pais entendem que é de nossa responsabilidade a educação familiar. Você entende? Nós somos considerados responsáveis pelo sucesso ou fracasso mais pelo fracasso do que pelo sucesso. Gicele Silva Ex- Aluna de escola tradicional

“A educação atual esta precária, deveria se investir mas na educação criar curso, aulas em laboratórios , pesquisa de campo inovar.”

Gisele Valver Aluna de uma escola tradicional

“Acho que está desvalorizada, principalmente quando se é observada a visão do educando.”


Carine Amorim Pedagoga

“De uma certa forma a educação nos dias atuais está deixando a desejar. Tendo ótimos projetos mais muito pouco sucesso em seu desenvolvimento. Deixando claro que quando falo de educação falo do conjunto que é impossível andar separados: família-escola que também está falhando e muito!”

Por: Bianca Soares Fortuna Mãe de Aluno. O que falar da educação no Brasil? O Brasil é um país que não investe na educação como precisa. Por mais que aparenta ter avançado em muitas coisas, ainda há o que fazer. A educação precisa de uma atenção especial. Muitas escolas públicas estão abandonadas sem professores qualificados, sem materiais didáticos, sem a estrutura necessária para a aprendizagem das crianças e adolescentes deste país. Os educadores não são incentivados a trabalhar com todo este descaso na nossa educação. A escola deixou de ser também um ambiente seguro. Os alunos já não se sentem mais protegidos com o aumento da violência dentro do ambiente escolar. O índice de álcool e drogas cresceu assustadoramente principalmente no turno da noite. Não é à toa que os professores fazem greve todo o ano. Eles querem melhores condições de trabalho. Enquanto o Brasil investe em Copa das Confederações e Copa do Mundo a educação está aí abandonada. Professores e funcionários buscam por si só meios de poder formar cidadãos. O governo mostra diversas propagandas sobre as ‘’melhorias da educação’’, mas, a realidade é outra, o índice de analfabetismo aumentou. Aprovar sem educar não é o meio mais adequado de melhor à educação no Brasil e é isso que está acontecendo em nosso país.

MENSAGENS DE PENSADORES “A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida.” (Seneca) A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida. (John Dewey)


INTERESSANTE! Vídeos

Professora descreve o que é educação na atualidade de acordo com seu p Aprender a aprender Mini história da educação no Brasil

Sites PIAGET E VYGOTSKY - Diferenças e semelhanças História da Educação

Escolas tradicionais de Salvador


Apoio:

PROFESSOR Antônio Carlos Gouveia

TUTORA Patrícia Guimarães Paim

DISCENTES: Aline Margarete Andrade Silva Cristiane Dutra Geisiane Oliveira Maria aparecida Renata Mesquita Patrícia Regina Cleomarcio Ferreira Valdicione Nascimento Gilcilene Casais Valquiria Nara Viviane Coutinho Ana Lúcia Santos Cibele Magalhães Cristia Fraga Cynthia Amaral Fernanda Mota Thais Campos Arilma Jandirene Genilce Liliana valmira Revista Digital Curso de Pedagogia II Semestre Unidade: Unifacs Paralela Sala 103 Salvador - Bahia


Revista digital