Issuu on Google+

Parnasianismo

“a arte pela arte�


O vocábulo Parnasianismo deriva de parnaso, monte da antiga Grécia, na Fócida, consagrado a Apolo, deus da poesia, e às musas. Como designação de escola literária, deve a sua origem ao título da publicação francesa Le Parnasse Contemporain. (Trata-se de uma revista ou colectânea, editada a partir de 1866, na qual se publicaram as primeiras obras poéticas que reagiram contra o Romantismo.

Le Parnasse, Nicolas Pousssin,


Baudelaire, Charles - Pierre Baudelaire foi um dos primeiros a compreender o declínio da arte no mundo capitalista. O artista moderno nasce ao cair das alturas. Exilado no meio da multidão, fabrica flores do mal. Toda a sua força vem justamente dessa negatividade.


Baudelaire foi bastante influenciado por Edgar Allan Poe, que ele traduziu na França.

Segundo a teoria de Poe, “o poema é um objeto em si próprio. Não precisa representar e nem comunicar coisa alguma. Para a poesia, basta ser ela mesma.” E Baudelaire vai ainda mais longe: ele define a poesia como um “produto do ódio”, algo feito pra chocar e irritar o leitor. Ainda no século XIX, sua influência se espalhou por toda uma linhagem de poetas “malditos”: Rimbaud, Verlaine, Mallarmé, Lautréamont.

Num dos poemas mais famosos do livro “As flores do mal”, Baudelaire compara o poeta ao albatroz, a imensa ave dos mares. Atingido pelos marinheiros, o “príncipe das alturas” perde toda a sua beleza e majestade.

“Exilado no chão, em meio à turba obscura, as asas de gigante impedem-no de voar.”


Le Fleurs du Mal 1857- surge a primeira edição de Les Fleurs du mal. A obra não foi bem aceita pelo público devido a seu foco em temas satânicos e lesbianismo. Menos de um mês depois o jornal Le Figaro publicou uma crítica mordaz que teve efeitos devastadores na carreira de Baudelaire. Ele foi acusado de ultraje à moral e aos bons costumes. Foi multado em 300 francos e além disso, seis dos poemas no livro foram proibidos porque foram considerados muito imorais para serem publicados. Só a partir de 1911 apareceram edições completas da obra.


Tu que, como uma punhalada, Entraste em meu coração triste; Tu que, forte como manada De demônios, louca surgiste, Para no espírito humilhado Encontrar o leito e o ascendente; - Infame a que eu estou atado Tal como o forçado à corrente, Como ao baralho o jogador, Como à garrafa o borrachão, Como os vermes a podridão, - Maldita sejas, como for!

O Vampiro em As flores do Mal tradução Jamil Almansur Haddad

Implorei ao punhal veloz Que me concedesse a alforria, Disse após ao veneno atroz Que me amparasse a covardia. Ah! pobre! o veneno e o punhal Disseram-me de ar zombeteiro: "Ninguém te livrará afinal De teu maldito cativeiro. Ah! imbecil - de teu retiro Se te livrássemos um dia, Teu beijo ressuscitaria O cadáver de teu vampiro!


Rimbaud, Jean Arthur Flores De um pequeno degrau dourado -, entre os cordões de seda, os cinzentos véus de gaze, os veludos verdes e os discos de cristal que enegrecem como bronze ao sol -, vejo a digital abrir-se sobre um tapete de filigranas de prata, de olhos e de cabeleiras. Peças de ouro amarelo espalhadas sobre a ágata, pilastras de mogno sustentando uma cúpula de esmeraldas, buquês de cetim branco e de finas varas de rubis rodeiam a rosa d'água. Como um deus de enormes olhos azuis e de formas de neve, o mar e o céu atraem aos terraços de mármore a multidão das rosas fortes e jovens.


Verlaine, Paul “Aqueles que vêem diferença entre a alma e o corpo não têm nem uma coisa nem outra”

“Não há nada melhor para uma alma do que tornar menos triste outra alma”


No Brasil O Parnasianismo surgiu timidamente no Brasil nos versos de Luís Guimarães Júnior (Sonetos e rimas, 1880) e Teófilo Dias (Fanfarras. 1882), e firmou-se definitivamente com Raimundo Correia , Alberto de Oliveira e Olavo Bilac.


TrĂ­ade Parnasiana

Raimundo Correia (Sinfonias. 1883) Alberto de Oliveira (Meridionais. 1884) Olavo Bilac (RelicĂĄrio. 1888).


(...) Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor Com que ele, em ouro, o alto relevo Faz de uma flor.(...) Torce, aprimora, alteia, lima A frase; e, enfim, No verso de ouro engasta a rima, Como um rubim. Quero que a estrofe cristalina, Dobrada ao jeito Do ourives, saia da oficina Sem um defeito: (...) E horas sem conto passo, mudo, O olhar atento, A trabalhar, longe de tudo O pensamento.

Porque o escrever - tanta perícia, Tanta requer, Que oficio tal... nem há notícia De outro qualquer. Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma! (...) Celebrarei o teu oficio No altar: porém, Se inda é pequeno o sacrifício, Morra eu também!

Caia eu também, sem esperança, Porém tranqüilo, Inda, ao cair, vibrando a lança, Em prol do Estilo!

Olavo Bilac


Ora (direis) ouvir estrelas! Certo, Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, Que, para ouví-las, muita vez desperto E abro a janela, pálido de espanto.

Via Lactea

E conversamos longo tempo, enquanto A Via Láctea, como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir o sol, saudoso e em pranto, Ainda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: - Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem quando estão contigo? E eu vos direi: - Amai para entendê-las, Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas! Olavo Bilac

Via Lactea é composto por 35 sonetos. Este é o soneto XIII, o mais conhecido.


Ouvir estrelas Direi ouvir estrelas Certo perdestes o senso E eu vos direi, no entanto Que, para ouvi- lás Muita vez desperto E abro as janelas, Pálido de espanto Enquanto conversamos Cintila via láctea Como um pálido aberto E ao vir do sol, Saudoso e em pranto Inda as procuro pelo céu deserto Que conversas com elas O que te dizem Quando estão contigo Ah... Amai para entendê-las Ah... Pois só que ama pode ouvir estrelas http://www.youtube.com/watch?v=LJDY91sWTFs&feature=related


Parnasianismo Brasileiro X Francês Embora Parnasianismo brasileiro tenha tido grande influência do Parnasianismo francês, não é uma exata reprodução dele, pois não obedece à mesma preocupação de objetividade, de cientificismo e de descrições realistas. Foge do sentimentalismo romântico, mas não exclui o subjetivismo. Sua preferência dominante é pelo verso alexandrino de tipo francês, com rimas ricas, e pelas formas fixas, em especial o soneto. Quanto ao assunto, caracterizase pela objetividade e pelo universalismo, exige uma forma perfeita (formalismo) quanto à construção e à sintaxe.

Uma das maiores preocupações na composição poética dos parnasianos era a precisão das palavras. Esses poetas chegaram ao ponto de criar verdadeiras línguas artificiais para obter o vocabulário adequado ao tema de cada poema.


Vaso Chinês Estranho mimo aquele vaso! Vi-o, Casualmente, uma vez, de um perfumado Contador sobre o mármor luzidio, Entre um leque e o começo de um bordado. Fino artista chinês, enamorado, Nele pusera o coração doentio Em rubras flores de um sutil lavrado, Na tinta ardente, de um calor sombrio. Mas, talvez por contraste à desventura, Quem o sabe?... de um velho mandarim Também lá estava a singular figura. Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-a, Sentia um não sei quê com aquele chim De olhos cortados à feição de amêndoa. Alberto de Oliveira


Poetas Parnasianos O movimento teve outros grandes poetas no Brasil, como

Vicente de Carvalho

Artur Azevedo

Francisca JĂşlia


Eu cantarei de amor tão fortemente Com tal celeuma e com tamanhos brados Que afinal teus ouvidos, dominados, Hão de à força escutar quanto eu sustente. Quero que meu amor se te apresente - Não andrajoso e mendigando agrados, Mas tal como é: risonho e sem cuidados, Muito de altivo, um tanto de insolente. Nem ele mais a desejar se atreve Do que merece: eu te amo, e o meu desejo Apenas cobra um bem que se me deve. Clamo, e não gemo; avanço, e não rastejo; E vou de olhos enxutos e alma leve À galharda conquista do teu beijo.

Vicente Augusto de Carvalho, o "Poeta do Mar", nasceu em Santos (SP), em 05/04/1866, lá falecendo no dia 22/04/1924.


Muito pouco se escreveu sobre o maior vulto feminino do parnasianismo brasileiro. Num universo inteiramente dominado por poetas do chamado sexo forte, Francisca Júlia provou que mulher também sabia fazer poesia de qualidade.

Francisca Júlia

Desde o dia 13 de dezembro de 2006, a escultura de Victor Brecheret, Musa Impassível, foi transferida do Cemitério do Araçá para a Pinacoteca do Estado. O monumento, concebido em data desconhecida, tem 2,80m e trata-se de uma homenagem póstuma à poetisa parnasiana Francisca Júlia da Silva - falecida em 1920.


Musa Impassível Musa! um gesto sequer de dor ou de sincero Luto jamais te afeie o cândido semblante! Diante de Jó, conserva o mesmo orgulho; e diante De um morto, o mesmo olhar e sobrecenho austero. Em teus olhos não quero a lágrima; não quero Em tua boca o suave e idílico descante. Celebra ora um fantasma anguiforme de Dante, Ora o vulto marcial de um guerreiro de Homero. Dá-me o hemistíquio d ouro, a imagem atrativa; A rima, cujo som, de uma harmonia crebra, Cante aos ouvidos d alma; a estrofe limpa e viva; Versos que lembrem, com seus bárbaros ruídos, Ora o áspero rumor de um calhau que se quebra, Ora o surdo rumor de mármores partidos. Esta estátua foi feita para o túmulo de Francisca Júlia e hoje está em exposição na Pinacoteca do Estado (SP). Esculpida em mármore carrara, por Victor Brecheret; mede 2,80 de altura e pesa 3 toneladas.


Fontes • • • • • •

Barreiros, António José, HISTÓRIA DA LITERATURA PORTUGUESA, vol. II, 13ª edição, Braga, Livraria Editora Pax, Lda, 1992 Marques, Ivan. Tvcultura.cm.br. Acessado em 13/10/2008 http://pt.wikipedia.org/wiki/Parnasianismo www.brasilescola.com.br Google images © Projeto Releituras Arnaldo Nogueira Jr 13/10/2008 - 16:13:01 Roberto Fortes, in http://mudandoparadigmas.blogspot.com, acessado em 13/10/2008.

Pesquisa e Organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria Contato: clauheloisa@yahoo.com.br


Parnasianismo