Page 24

24

A SEMANA

15 a 21 de janeiro de 2009 - Edição # 349

www.jornalasemana.com

PALMEIRAS

“Esse ano vai ser diferente” Muricy Ramalho prevê início difícil, mas promete um Palmeiras forte para 2010 Apesar do conturbado fim de temporada em 2009, o técnico Muricy Ramalho começa 2010 otimista. O Palmeiras, que liderou metade do Campeonato Brasileiro e ficou fora até mesmo da zona de classificação para a Libertadores da América, inicia este ano, na opinião dele, mais preparado. Por conhecer melhor o clube, a

torcida e por estar reforçando o elenco, o treinador acredita que a sua equipe possa apresentar um bom futebol e conquistar títulos. Muricy fala do seu momento, do que espera para 2010, dos jogadores que ainda aguarda, de motivação.

Início de temporada “A expectativa é boa. Estamos formando um novo grupo, um plantel diferente. Claro que vamos ter um pouquinho de dificuldade no começo. A preparação é muito pouca, só dez dias pra treinamento e também, como novidade, os jogadores que ainda não chegaram. O início tem sempre dificuldades, mas, com certeza, ao longo da competição, vamos melhorando”.

“Não dá para separar muito, porque já temos jogo em Teresina (pela Copa do Brasil). Estamos discutindo a maneira de chegar e sair, porque em seguida temos jogo em Ribeirão Preto (pelo Paulista). A logística precisa ser feita antes, então não dá pra pensar só no Paulista. Tem de pensar numa coisa geral. Primeiro vem Paulista e na sequência a Copa do Brasil”.

Mudanças de 2009 para 2010 “Os números mostram bem o que foi o último Campeonato Brasileiro. O time, quando tinha os 11 titulares, era muito forte. Mas no momento em que perdemos algumas peças, o nosso time sentiu muito, principalmente na defesa e no meio-campo. Caímos demais e não queremos que isso aconteça de novo neste ano. Estamos qualificando o plantel e vamos dar valor a ele. É preciso ter um bom time, mas um bom elenco fará a diferença ao longo do ano. É o que estamos tentando fazer”. Posições carentes “Precisamos de um camisa 10, um meia, de preferência canhoto, e um centroavante. São posições que necessitamos e com certeza vamos contratar. Já está perto essa contratação. Depois vamos deixar o grupo

Muricy Ramalho comandou dez dias de treinamento do Palmeiras na cidade de Atibaia um pouquinho mais forte, mas essas posições são fundamentais pra brigar pelo título”. O início do Paulista “Os grandes têm muita dificuldade no começo, como sempre. Todo o Paulista é igual. Os pequenos não são mais pequenos. Hoje, no futebol, a parte física é importantíssima, e quem treina antes leva vantagem. Mas na sequência treinamos melhor, chegam os contratados,e na segunda metade do Paulistão os grandes vão estar bem mais fortes e brigar pelo título”. Prioridade é o Paulista?

O que vai ter de diferente na equipe? “Primeiro respeito as características dos jogadores para depois armar o esquema. Acho que tem de ter variação porque os treinadores se estudam demais. Não pode jogar só de uma maneira, tem de treinar variação, e é o que a gente vai fazer. Ao longo da minha carreira, as equipes tiveram algumas maneiras diferentes de jogar”. A equipe superou a decepção de 2009? “É uma coisa incrível. O time ficou 19 rodadas em primeiro em um campeonato difícil como esse, brigou pelo titulo brasileiro... Aí o time que brigou pra não cair tem mais valor que a gente. Coisa do Brasil. Se você explicar lá fora ninguém entende. Mas temos convicção de que fizemos o melhor possível. O problema foi a reposição, e num campeonato forte como é o Brasileiro... Tínhamos um bom time. Mas esse ano vai

ser diferente”. Onde busca motivações novas? “Acho que um técnico com uma rotina muito forte com jogadores, se você não mudar a cada ano você não consegue ficar. E meu forte é esse. Fico muito tempo porque vou mudando, inovando o tipo de treinamento, comportamento. Precisa mudar, estudar o futebol... Motivação é uma palavra a que não sou muito chegado. Você chega a um time como Palmeiras, que dá estrutura, paga em dia, paga bem, e ainda tem que usar palavra motivação? Isso não existe. É minha obrigação vir aqui e fazer bem. Assim que eu vejo a vida. É obrigação minha vir aqui e fazer sempre o meu melhor”. Vai ser melhor agora que vai pegar o time desde o começo? “Não posso falar muito para não gerar uma desculpa do Campenoato Brasileiro. A vantagem agora é que conheço mais os jogadores, o clube, as pessoas, a torcida. Tenho mais a torcida do meu lado. Isso sim faz a diferença. Já estou bem adaptado ao Palmeiras, estou melhor. Não é o que estou querendo impor. Estamos tentando fazer diferente do ano passado aquilo que não deu certo. O ponto forte tem que de o plantel, o que não teve no passado”.

A SEMANA EDITIONS #349  

15 a 21 de janeiro de 2010

A SEMANA EDITIONS #349  

15 a 21 de janeiro de 2010