Page 84

você. Nada. Só acho que a sua hesitação em compartilhar as coisas comigo significa que você também não está pronto.” “Sei...”, ele murmurou. “Eu preciso ter a certeza de que você vai querer passar a vida toda comigo. Não vou conseguir sobreviver a uma separação, Gideon.” “O que você quer saber?” “Tudo.” Ele soltou um ruído de frustração. “Você precisa ser mais específica.” Falei a primeira coisa que veio à minha cabeça, já que estava pesquisando a respeito de seus negócios durante toda a manhã. “Sobre a Vidal Records. Por que você é o dono da gravadora do seu padrasto?” “Porque ela estava falindo.” Ele cerrou os dentes. “Minha mãe já tinha perdido tudo o que tinha na vida uma vez. Eu não podia deixar isso acontecer de novo.” “O que você fez?” “Pedi pra minha mãe convencer Chris e Christopher a fazer uma oferta pública de ações da empresa, e a parte de Ireland ela vendeu pra mim. Com isso, e as ações que comprei na bolsa, assumi o controle da empresa.” “Uau.” Eu apertei sua mão. Eu conhecia os dois, pai e filho. Apesar das semelhanças físicas, os cabelos castanhos e os olhos verdes, fiquei com a impressão de que eram homens bem diferentes. Quanto a Christopher, o filho, eu tinha certeza de que era um canalha. Mas sobre o pai eu sabia muito pouco. E esperava sinceramente não precisar dizer o mesmo sobre ele. “E como as coisas chegaram a esse ponto?” O olhar que Gideon me lançou dizia tudo. “Chris nunca hesitou em pedir meus conselhos, mas Christopher sempre fez questão de não segui-los, então o meu padrasto ficava o tempo todo no meio do tiroteio.” “Então você fez o que precisava ser feito.” Eu dei um beijo em seu queixo. “Obrigada por me contar.” “Era só isso?” Eu abri um sorriso. “Não.” Queria fazer mais perguntas, mas meu telefone tocou, e aquele toque específico indicava que era a minha mãe. Fiquei surpresa por ela demorar tanto tempo para ligar — eu tinha tirado o telefone do modo silencioso por volta das dez. Soltando um gemido, eu falei: “Preciso atender”. Ele me deixou levantar, e apalpou minha bunda quando comecei a me afastar. Já na porta, me virei para ele, e Gideon estava examinando minhas anotações e sugestões. Eu sorri. Quando cheguei ao balcão, onde estava o meu celular, ele parou de tocar, mas recomeçou logo em seguida. “Mãe”, eu me apressei em atender, antes que ela surtasse. “Eu passo na sua casa daqui a pouco, tudo bem? Pra gente conversar.” “Eva. Você não faz ideia de como eu estava preocupada! Você não pode fazer isso comigo!” “Chego aí em uma hora”, eu interrompi. “Só preciso me trocar e já vou.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua  

Advertisement