Page 55

Eu enruguei a testa. “Sim. Por quê?” Ele balançou a cabeça e apanhou a gravata. “Você vai precisar.” Senti a empolgação crescer dentro de mim. “Pra quê?” “Pra viajar.” “Não me diga.” Eu desci da cama e fiquei de pé. “Viajar pra onde?” Seus olhos brilharam de malícia enquanto ele dava o nó na garganta. “Pra um lugar.” “Você vai me despachar pra um lugar desconhecido?” “Quem me dera”, ele murmurou. “Eu e você numa ilha deserta, onde a gente pudesse ficar pelado o tempo todo e transar quando quisesse.” Eu pus uma das mãos na cintura e o olhei atravessado. “Queimada de sol e toda assada. Que delícia.” Ele caiu na risada, e os dedos dos meus pés se curvaram sobre o carpete. “Quero ver você de novo hoje à noite”, ele falou enquanto vestia o colete. “Você só quer me comer de novo.” “Bom, foi você que falou pra eu não parar. O tempo todo.” Dando uma risadinha, pus o café sobre o criado-mudo e tirei o robe. Atravessei o quarto sem roupa, me esquivando dele quando tentou me agarrar. Eu estava abrindo uma gaveta para pegar um conjuntinho lindo de lingerie que ele tinha me dado, quando ele apareceu atrás de mim e agarrou os meus seios. “A gente podia relembrar”, ele provocou. “Você não precisa trabalhar? Porque eu preciso.” Gideon me apertou junto a ele. “Vem trabalhar comigo.” “E ficar servindo cafezinho enquanto espero você me comer?” “Estou falando sério.” “Eu também.” Eu me virei para encará-lo com tanta rapidez que acabei derrubando minha bolsa no chão. “Eu tenho o meu emprego, e gosto muito dele. Você sabe disso.” “Você é uma ótima profissional.” Ele me pegou pelos ombros. “Podia trabalhar pra mim.” “Eu não posso, pelo mesmo motivo que não aceitei ajuda do meu padrasto. Quero conseguir as coisas pelos meus próprios méritos!” “Eu sei disso. E respeito a sua decisão.” Ele acariciou os meus braços. “Eu também comecei de baixo, e com o nome Cross ameaçando me puxar ainda mais pra baixo. Jamais daria nada de mão beijada pra você. Comigo você ia ter que fazer por merecer.” Tive que me segurar para não mostrar meu so imento ao ouvir Gideon falar de seu pai, que comandava um esquema de estelionato e preferiu se matar a ter que encarar a prisão. “Acha mesmo que alguém vai acreditar que você não me contratou só por ser a sua namoradinha da vez?” “Para com isso.” Ele me sacudiu de leve. “Tudo bem se você ficou nervosa, mas não precisa falar da gente desse jeito.” Eu o empurrei. “É o que todo mundo vai dizer.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua  

Advertisement