Page 26

Eu me inclinei na direção de seu toque, contando com seu calor para desfazer o io que se instalou na minha barriga. “E nada de ficar passeando por aí com a Corinne. Eu não aguento mais isso.” “Certo”, ele concordou, me pegando de surpresa. “Até já conversei isso com ela. Esperava que pudéssemos ser amigos, mas ela queria retomar a nossa relação, e eu só quero você.” “Na noite em que o Nathan morreu... ela foi o seu álibi.” Não consegui continuar. Doía imaginar que ele havia passado tanto tempo com ela. “Não, o incêndio na cozinha foi o meu álibi. Passei a maior parte daquela noite conversando com os bombeiros, com a seguradora, e providenciando uma solução de emergência pra comida que ia servir na festa. Corinne ficou por perto só durante um tempo, e além dela tenho uma porção de funcionários pra comprovar que estava lá o tempo todo.” O alívio que eu senti deve ter ficado estampado na minha cara, porque a expressão de Gideon se atenuou e passou a demonstrar aquela sensação de tristeza à qual eu já estava começando a me acostumar. Ele se levantou e estendeu a mão para mim. “O seu novo vizinho gostaria de convidar você pra jantar hoje à noite. Às oito horas. As chaves do apartamento dele, e do meu também, estão no seu chaveiro.” Eu peguei sua mão e tentei manter o clima de sedução com uma resposta divertida. “Ele é muito gato. Será que transa no primeiro encontro?” Ele abriu um sorriso tão malicioso que fez o meu coração bater mais forte. “Acho que as suas chances de ser comida hoje à noite são bem grandes.” Soltei um suspiro dramático. “Quanto romantismo.” “Se quer romantismo, é isso que você vai ter.” Gideon me puxou até ele e tirou meus pés do chão com a maior facilidade. Agarrada aos seus quadris com os calcanhares e inclinada para trás, senti que meu robe se abria, expondo os meus seios. Ele me inclinou ainda mais para trás, até que meu sexo encostasse em sua coxa musculosa, usando sua ótima capacidade física para suportar o peso do seu corpo e do meu também. Rapidamente, ele me seduziu. Apesar das horas e horas de prazer noturno e de ter tido um orgasmo momentos antes, eu o desejei mais uma vez naquele momento, excitada por sua força e sua personalidade — o controle que ele exibia sobre si mesmo e sobre mim. Comecei a me es egar em sua perna, lambendo os lábios. Ele grunhiu e abocanhou meu mamilo, passando a língua pelo lugar mais enrijecido. Ele me tomou sem esforço, me excitou, me possuiu. Eu fechei os olhos em sinal de rendição. Por causa do calor e da umidade, decidi usar um vestidinho leve de linho e prender meus cabelos loiros em um rabo de cavalo. Para completar o visual, escolhi um par de brincos de argola e fiz uma maquiagem leve. Tudo havia mudado. Gideon e eu estávamos juntos novamente. Nathan Barker

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua