Page 257

Ele me olhou. “O que ela falou pra você?” “Nada que eu nunca tenha ouvido antes.” “Bom saber”, ele murmurou. “Sim, vamos embora.” Voltamos até minha mesa para pegar minha bolsa e nos despedir dos demais. “Posso ir com vocês?”, perguntou Cary depois de dar um abraço na minha mãe. Gideon fez que sim com a cabeça. “Vamos lá.” Angus fechou a porta da limusine. Cary, Gideon e eu nos esparramamos nos assentos traseiros, e poucos minutos depois já estávamos bem longe do Cipriani’s. Meu melhor amigo me lançou um olhar. “Nem começa.” Ele detestava ouvir sermões por causa de seu comportamento, e eu até conseguia entender por quê. Afinal, eu não era sua mãe. Mas isso não significava que não o amasse e não desejasse sempre o melhor para ele. E eu sabia até onde suas tendências autodestrutivas podiam chegar caso ninguém interferisse. Mas essa não era a minha principal preocupação naquele momento. “Qual era o nome dela?”, eu perguntei, torcendo para conseguir identificar aquela ruiva de uma vez por todas. “Que diferença isso faz?” “Pelo amor de Deus.” Apertei com força a minha bolsa entre as mãos. “Você sabe ou não sabe?” “Eu não perguntei”, ele rebateu. “Desencana.” “Calma aí, Cary”, Gideon o repreendeu sem se alterar. “Tudo bem que você está com problemas, mas não precisa descontar na Eva. Ela só está preocupada com você.” Cary cerrou os dentes, virou a cara e ficou olhando pela janela. Eu me recostei no assento, e Gideon me puxou para junto de seu ombro, acariciando meu braço nu. Ninguém disse mais nenhuma palavra até chegarmos em casa. Quando chegamos no meu apartamento, Gideon foi até a cozinha pegar uma garrafa d’água e atendeu ao telefone, me olhando do outro lado do balcão, a vários metros de distância. Cary tomou o caminho do quarto, mas depois deu meia-volta e veio me abraçar. Com força. Com o rosto apoiado no meu ombro, ele sussurrou: “Desculpa, gata”. Eu retribuí o abraço. “Você merece uma vida melhor que essa que anda vivendo.” “Eu não transei com ela”, ele disse baixinho, se afastando para me encarar. “Eu ia. Pensei que queria. Mas na hora lembrei que vou ser pai de uma criança, Eva. Não quero que ele — ou ela — cresça pensando sobre mim a mesma coisa que eu pensava sobre a minha mãe. Preciso dar um jeito na minha vida.” Eu o abracei de novo. “Estou orgulhosa de você.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua  

Advertisement