Page 23

Com a ponta da língua, acompanhei uma veia pulsante que ia até a cabeça do pau e o abocanhei de novo, arqueando o pescoço enquanto me sentava sobre os calcanhares, com as mãos nos joelhos, oferecendo a visão do meu corpo para ele. Gideon abaixou a cabeça, e seus olhos brilharam de tesão e carinho. “Não para.” Ele afastou um pouco as pernas, empurrou o pau até a minha garganta e depois puxou de volta, deixando na minha língua um rastro de líquido pré-ejaculatório. Eu engoli tudo, saboreando seu gostinho bom. Ele grunhiu e agarrou o meu queixo com as duas mãos. “Não para, meu anjo. Me chupa até eu gozar.” Minhas bochechas ficaram côncavas quando eu peguei o ritmo, o nosso ritmo, sincronizando as batidas do nosso coração, nossa respiração e nosso desejo. Nossos desentendimentos podiam ser equentes, mas nossos corpos nunca se estranhavam. Quando começávamos a nos tocar, ambos sabiam exatamente o que fazer para saciar o desejo do outro. “É bom pra caralho.” Ele rangeu os dentes. “Ah, nossa, eu vou gozar.” O pau dele inchou na minha boca. Suas mãos agarraram e puxaram meus cabelos, e seu corpo inteiro tremeu quando ele gozou dentro de mim. Gideon falou um palavrão enquanto eu engolia tudo. Ele se esvaziava em jorros espessos e quentes, inundando minha boca como se não gozasse fazia tempo. Quando seu orgasmo chegou ao fim, eu estava toda trêmula e sem fôlego. Ele me pôs de pé e me deitou de volta na cama, desabando comigo ao meu lado. Seu peito subia e descia intensamente, e suas mãos estavam ansiosas quando ele me puxou para perto. “Não era isso que eu tinha em mente quando vim até aqui trazer um café.” Ele me deu um beijo apressado na testa. “Não que eu tenha alguma reclamação.” Eu me enrolei nele, mais do que grata por tê-lo nos braços de novo. “Então vamos ficar em casa e compensar o tempo perdido.” Sua risada saiu rouca, ainda por causa do orgasmo. Ele me segurou por um tempo, passando os dedos pelos meus cabelos e acariciando meus braços. “Fiquei arrasado”, ele disse baixinho. “Por ver você so endo, com raiva. Saber que a culpa era toda minha, por ter me afastado... Foi um inferno pra nós dois, mas não podia correr o risco de deixar que as suspeitas caíssem sobre você.” Eu fiquei tensa. Nunca havia pensado nessa possibilidade. Gideon poderia ser acusado de ter cometido o assassinato por minha causa. O que poderia significar que eu sabia de tudo. Ele não me manteve na ignorância apenas para me proteger — o álibi tinha sido pensado para mim também. Ele estava sempre tentando me proteger — não importava o risco. Ele se afastou um pouco. “Deixei um telefone pré-pago clonado na sua bolsa. Tem um número na memória para você entrar em contato com Angus quando for preciso. Quando quiser falar comigo, é só ligar pra ele.” Fechei as mãos de raiva — eu ia precisar ligar pro chofer quando quisesse falar com o meu namorado. “Eu odeio isso.” “Eu também. Resolver essa situação é a minha prioridade número um.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua  

Advertisement