Page 217

“Depois me passa os detalhes. Vou acrescentar esse lugar à lista de possibilidades.” “Você ficou com a função de escolher o local da lua de mel?” Eu me levantei para irmos pegar um café e começar nosso dia. “Pois é.” Mark abriu um meio-sorriso. “Vou deixar a parte da cerimônia a cargo do Steven, já que ele vem sonhando com isso há tanto tempo. Mas a lua de mel é comigo.” Mark parecia estar muito feliz, e eu sabia exatamente como ele se sentia. Seu bom humor fez com que meu dia começasse ainda melhor. A calmaria terminou quando Cary me ligou no telefone do trabalho, pouco depois das dez. “Escritório de Mark Garrity”, eu atendi. “Eva Tramell...” “... está precisando de uma boa surra”, interrompeu Cary. “Não me lembro de ter ficado tão puto com você alguma vez na vida.” Franzi a testa e senti meu estômago se contrair. “Cary, o que foi?” “Eu não converso sobre assuntos realmente importantes por telefone, ao contrário de certas pessoas. Vou passar aí na hora do almoço. E, só pra você saber, tive que cancelar uma entrevista de trabalho pra isso, porque é assim que os amigos de verdade fazem as coisas”, ele disse, irritado. “Eles abrem mão do que for preciso pra conversar pessoalmente quando têm alguma coisa séria pra falar. Não deixam mensagens de voz engraçadinhas no celular e pensam que está tudo bem!” Ele desligou. Fiquei sem reação, e um pouco assustada. Tudo na minha vida de repente ficou em segundo plano. Cary era meu pilar de sustentação. Se não conseguisse me acertar com ele, todo o restante corria o risco de ir por água abaixo. E eu sabia que com ele acontecia o mesmo. Sempre que perdíamos o contato, ele começava a fazer merda. Peguei o celular na bolsa e liguei de volta para ele. “Que foi?”, ele falou, curto e grosso. Mas o fato de ter atendido era um bom sinal. “Se eu fiz alguma besteira”, me apressei em dizer, “já peço desculpas e prometo que vou fazer de tudo pra corrigir o que fiz. Certo?” Ele bufou. “Você está me irritando, Eva.” “Bom, eu sou muito boa nisso, caso ainda não tenha percebido, mas detesto fazer isso com você.” Eu suspirei. “Se a gente não conversar eu vou ficar maluca, Cary. Preciso que esteja tudo bem entre nós o tempo todo, você sabe disso.” “Não é o que anda parecendo ultimamente”, ele resmungou. “Estou sendo jogado pra escanteio, e isso magoa.” “Eu estou sempre pensando em você. Se não consigo demonstrar isso, não é de propósito.” Ele não disse nada. “Eu te amo, Cary. Pode acreditar, por mais que eu pise na bola.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua  

Advertisement