Page 185

“Tenho.” Ele me beijou de novo, dessa vez um beijo mais demorado. E depois foi embora. Escolhi um vestidinho leve de jérsei para ir ao trabalho na sexta-feira, pois queria usar algo que fosse confortável o suficiente para encarar o expediente e depois uma longa viagem de avião à noite. Não sabia para onde Gideon iria me levar, mas pelo menos tinha a certeza de que a minha roupa não me causaria nenhum incômodo. Quando cheguei, Megumi estava falando ao telefone, então limitamos nosso cumprimento a um aceno e fui diretamente para o meu cubículo. A sra. Field apareceu por lá assim que me ajeitei na cadeira. A diretora executiva da Waters Field & Leaman esbanjava poder e elegância vestida com seu terninho cinza-claro. “Bom dia, Eva”, ela falou. “Diga para Mark passar na minha sala quando chegar.” Eu fiz que sim com a cabeça, admirando as três fileiras de pérolas negras do colar que ela usava. “Pode deixar.” Cinco minutos depois, quando fui dar o recado para Mark, ele sacudiu a cabeça. “Aposto que não conseguimos a conta da Vinícola Adrianna.” “Você acha?” “Eu odeio esse tipo de SDP, que envolve tudo quanto é tipo de agências. Eles não levam em conta a qualidade e a experiência. Só estão atrás de gente disposta a mostrar serviço a qualquer custo.” Nós tínhamos parado tudo o que estávamos fazendo para responder àquela solicitação de proposta, que foi entregue a Mark por causa do grande trabalho que ele vinha fazendo na conta da Vodka Kingsman. “Azar o deles”, eu falei. “Eu sei, mas mesmo assim... Queria poder ganhar todas as concorrências. Bom, me deseja sorte e torce pra eu estar errado.” Fiz um sinal de positivo com os dois polegares, e ele tomou o caminho da sala de Christine Field. O telefone da minha mesa tocou no momento em que estava me levantando para ir pegar um café. “Escritório de Mark Garrity”, eu atendi, “Eva Tramell falando.” “Eva, querida.” Soltei um suspiro ao ouvir a voz melosa da minha mãe. “Oi, mãe. Tudo bem?” “Você pode vir me ver? Ou de repente sair para almoçar comigo?” “Claro. Ainda hoje?” “Se você puder.” Ela respirou fundo, e por um momento me pareceu que estava chorando. “Eu preciso muito falar com você.” “Tudo bem.” Senti um nó no estômago de preocupação. Eu detestava ouvir minha mãe tão chateada. “Quer que eu vá me encontrar com você em algum lugar?” “Clancy e eu podemos passar aí. Você sai para almoçar ao meio-dia, certo?” “Isso mesmo. A gente se encontra aqui na frente, então.”

Profile for Cláudia Tressoldi

Crossfire 3 para sempre sua  

Crossfire 3 para sempre sua