Issuu on Google+

O regime militar no Brasil, que se manteve no poder no país de 1964 a 1985, buscava vigiar e controlar o espaço público e todo o enunciado político contra a ditadura, buscava-se desmobilizar a sociedade para manter o regime. Nos veículos de comunicação em massa havia mensagens políticas de resistência, assim aconteceu com a música brasileira, principalmente para driblar a censura que ocorria sobre as composições musicais. Nos documentos da DOPS, uma das instituições que mais perseguiam os artistas, havia uma produção constante de suspeitas que seguiam critérios improvisados de perseguição; bastasse o artista participar de eventos estudantis, festivais, regravar artistas perseguidos, citar nomes políticos, entre outros fatores, para que o artista fosse perseguido. Qualquer composição musical ou declaração que chocasse a “normalidade” política da ditadura era registrado como suspeito. Classificava-se grupo de atuação comunista aqueles que eram formados por Chico Buarque, Edu Lobo, Nara Leão, Geraldo Vandré, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Marilda Medalha, Vinícius de Moraes, Milton Nascimento, entre outros. Na década de 70, Chico Buarque passou a ser considerado inimigo número 1 do regime, seguido por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton, Gonzaguinha e Ivan Lins. Elis Regina passou a fazer parte da lista ao gravar o hino da anistia, a música “O bêbado e a equilibrista”. Além de espaços sociais serem suspeitos, a atividade artística era considerada suspeita e subversiva. Os departamentos de investigação visaram defender a ordem política da época e manter os grupos familiares e seus devidos laços morais. Mas como cantava Caetano Veloso : “É PROIBIDO PROIBIR”.

1) Leia o texto com atenção e encontre no diagrama as palavras destacadas: O C A E T A N O V E L O S O M O M P B N

L B J O L I P Q E L I S R E G I N A C A

C R E S I S T E N C I A U J O R A V O D

E M P P N I L I S O P T G O N A Q I M I

N I R E A P U C H O V R I N Z T U N U T

S L O R R D P A A S I C L A A A E I N A

U T I S A C O V R E C H B H G H I C I D

R O B E L O L E I R E I E E U L R I S U

A N I G E M I P A R N C R D I D A U T R

M N D U A U T R P E T O T D N E T S A A

E A O I O N I D A D Q B O A H M I D S S

D S P C T I C O J U U U G D A A L E A U

U C R A E C A P O L I A I I O D I M S B

I I O O C A U S L O N R L L P L M O S V

L M I E E C L D E B A Q Q A B I E R E E

H E B G C A E O N O L U U M R R M A P R

E N I E J O N B A N E E E R O A I E A S

R T R N F L F E L U N J L O G M G S R I

E O T A E A U C A I B E N A O E P T V

U K O O L G E R A L D O V A N D R E U A

2) Procure o significado das palavras: Comunista

Subversiva

Censura

3) Leia o texto ao lado com atenção. Construa uma cruzadinha com as informações contidas nesse texto. Na década de 1980 o rock teve seu último grande estouro com o aparecimento de dezenas de bandas nacionais que dominaram a cena musical no Brasil. Era o fim da ditadura militar com a abertura democrática, a campanha Diretas Já, a eleição indireta de Tancredo Neves e sua morte, a posse de José Sarney e o Plano Cruzado. Bandas com perfil rebelde sacudiram o país de norte a sul, rompendo de vez com as amarras do sistema impostas aos filhos da Revolução. Palavras raivosas foram ditas numa voracidade crua sem filosofias ou compromissos, e por isso mesmo traduziam um real sentimento de escancarar a realidade. Um notável mar de verdades certeiras influenciaram os jovens, que passaram a compor e a cantar em seu próprio idioma o ritmo que mais curtiam, o Rock and Roll, trazendo de volta ao topo das paradas nacionais a língua Portuguesa. As bandas nacionais despontavam e ocupavam cada vez mais espaço na programação das rádios, nos programas de auditório na TV e até no cinema. Eram ousadas, contestadoras e geograficamente dispersas. Esse movimento ficou conhecido como Rock Brasil, que também foi chamado por Nelson Motta de BRock.


MPB na Ditadura