Page 1

    


Aut or a MARIA D AC ON CEIÇÃ O GOMES MAS TRASCUS A utor ora DA CON ONCEIÇÃ CEIÇÃO MASTRASCUS TRASCUSA O RROBER OBER TINS (int er nas) Ilus tr ações PAUL Ilustr trações ULO OBERTTO MAR MARTINS (inter ernas) DÉBORA RIBEIRO (página 3) Capa EL UGUS O VED A ELTT ON A AUGUS UGUSTT O RRO VEDA Pr epar ação e or ganização MA URÍCIO RRON ON ALDO SIL VEIRA Prepar eparação org ONALDO SILVEIRA MAURÍCIO Digitalização de imagens EDITH SURA CI SURACI Colabor ação AN A LÚCIA KLEIN DE ZO TTI Colaboração ANA ZOTTI JOSÉ EDUARDO DE ZOTTI Im pr essão e acabament o A E EDIT ORA LLTD TD A. Impr pressão acabamento RITTMANN GRÁFIC GRÁFICA EDITORA TDA

Será que cachorro pensa? 1ª edição – A br il/20 14 Abr bril/20 il/201

Nota: Edição limitada – Homenagem à escritora 300 exemplares – Distribuição gratuita É proibida a reprodução total ou parcial deste livro.


Agradeciment o adecimento Expresso meu reconhecimento a todos que me apoiaram, tornando possível a publicação deste livro. Em especial minha gratidão: a minha família, ao escritor Luiz Antônio de Assis Brasil, ao publicitário Maurício Ronaldo, ao ilustrador Paulo Roberto Martins, a Rittmann Gráfica e Editora, e ao incentivo da Academia Literária Gaúcha. Maria da Conceição Gomes Mastrascusa


N

aquele dia, nossa neta Daniela, tomou café conosco. Veio cedo para nossa casa, indo dali para a escola. Ficamos contentes com sua visita! Ao sair, Daniela parou, olhou para mim e perguntou: - Vó Conceição, será que cachorro pensa? Interessante a curiosidade de minha neta! Conversando com ela soube o porquê de tal pergunta. Disse-me que quando saiu de casa, ralhou com o seu cachorro Duque, achando que ele ficou triste! Prometi que responderia através de um livro e, é o que estou fazendo neste momento. 7


V

amos ver, então, Daniela, se cachorro pensa? Kalú, Duque, Catito, Totó, Luque, Tita, são chamados por seus donos diariamente! Respondem com latidos, abanam seus rabinhos ou correm ao redor de quem os cuida! Não falam, porém, para aqueles que os abrigam, às vezes parecem até falar ... Comunicamse pelos movimentos, por seus latidos, seu olhar. As crianças vibram com os animais, em especial os cães!

Neste momento, ali estava Totti, brincalhão, cãozinho com apenas dois meses, mostrando toda sua vitalidade de cachorrinho novo. Bruno e Caio, meus netos, estavam encantados com o Totti, afagaram-no, correram com ele até cansar! Catito, o velho guardião da casa, recebeu o pequeno Totti com estranheza, talvez receoso de um rival! 8


O

cãozinho ao chegar aproximou-se do Catito, cheirou-o, tocouo com as patas, rosnou correndo ao seu redor. Catito, nosso velho cão está cego. Temos muito carinho por ele! Coitado, pode estar pensando: - Eles vão me esquecer! Chegou um cachorrinho novo ... Quando Totti aproxima-se das pessoas da casa, Catito demonstra não gostar! Até quis brigar com o cãozinho. Passaram-se os dias! Lá estão Catito e Totti deitados um ao lado do outro. Fazem parceria no cuidado da casa. Latem juntos! Fizeram-se amigos!

9


O

s cães estão pelo mundo, em todos os países, nas ruas, nos casebres, nas mansões, nos quartéis, nas clínicas veterinárias. Alguns recebem cuidados especiais, outros são espancados, abandonados! Existem os que tem raça, custam caro, participam de concursos. Aparecem em passarelas, são aplaudidos, recebem avaliação de juri especializado. Alguns cães fazem parte do grupo de cachorros adestrados do exército. Participam na busca de traficantes de drogas, enfim, ajudam a acabar com quadrilhas que prejudicam a sociedade. Atendendo por assobios, pelos nomes, por batidas, lá vêm eles correndo, fiéis aos seus donos, mostrando sensibilidade através de seus latidos, dos agrados que fazem a quem os trata com carinho. Como será que tantos cães chegaram ao nosso planeta Terra? Cansada, deitei e dormi! Após um dia movimentado merecemos um bom sono! Dormi e sonhei! 10


P

assava por uma grande área verde, cheia de flores silvestres, onde brincavam, latiam e corriam cães das mais variadas raças. Fiquei parada observando extasiada tamanha beleza! Pretos, brancos, marrons, arruivados, cinzas, grandes, pequenos, pelo liso, crespos, vira-latas e cães de raça, pareciam estar em um encontro especial! Realmente, os cães em um determinado momento, pararam, escutando uma voz que vinha do alto, dizendo-lhes: - Amigos, quando a porteira branca se abrir vocês estarão livres. Escolham onde querem ficar. Num minuto os vi correndo pelas ruas. As casas, parques, os quartéis, os campos receberam, então, o mais fiel amigo do homem: “o cão”. Antes de sairem marcaram reencontro após um ano. Entusiasmada acompanhei a largada dos cães!

11


N

este momento acordei! No quintal, olhando para o Catito e o Totti, fiquei imaginando que eles escolheram nossa casa! Será que eles estavam no meu sonho? Importante é contar que primeiro chegou o Catito (tinha seis meses), depois o Totti com dois meses. Que confusão até os dois começarem a brincar! Tudo ia muito bem, até o Catito envelhecer, implicar com o Totti, partindo, para muita briga. O velho guardião, agora cego, mostra-se ciumento sempre que alguém da família ou amigo, vem nos visitar. No momento que Totti vinha junto receber as visitas, ele avançava no pequeno Totti, como quem diz: “- Sai daqui. Eu é que devo receber quem chega”. Para afastá-los “sai de baixo”, haja mangueira e muita água... 12


A

os domingos outro cãozinho reúne-se ao Catito e Totti. É o Duque, poodle da Daniela. Seu pelo farto, preto, encaracolado, esconde a vivacidade de seus olhos. Muitas travessuras, brincadeiras entre os três cães, Catito, Totti e Duque. As crianças participam das correrias entre as árvores, saltando, caindo junto com os cachorros, unindo risos e latidos numa alegria infinita! Duque despede-se dos amigos. Volta para o apartamento onde mora com sua dona Daniela, Rafael e Felipe (irmãos de Daniela), sua mãe Leda e o pai André ... Daniela adora seu cãozinho Duque, amigo que dorme ao lado de sua cama. Sabemos que Duque faz muita trapalhada, deixando mãe Leda de “cabelos arrepiados”. Apronta comendo pães, doces, frutas que ficam na ponta da mesa, subindo nas camas, roendo tênis do Rafa, enfim, é um cãozinho brincalhão! Duque conseguiu com muita ternura, conquistar o coração de todos! Pula no colo de todos! Quando vê Daniela, sacode o rabo, late, como se dissesse: “Daniela, eu te amo”.

13


S

entada perto da amoreira, pego um pouco de sol! Ouço latidos ao lado de minha casa, vozes de pessoas que dão ordens, como: “Luque deita, levanta, etc...”. São aulas que o cão do vizinho recebe semanalmente. Os donos do Luque o amam muito! Ele está sendo amestrado para cuidar melhor da casa. É total a dedicação dos donos de Luque. Ele estava doente, mereceu cuidados especiais de sua dona e amiga, que o acompanhou todas as horas do dia, até ficar curado. Ficamos felizes. Mais um cãozinho bem cuidado! Será que ele estava naquele sonho? Saio do pátio para descansar um pouco! Durmo! Começo a sonhar! Quase sou derrubada! Vinham cães de todos os lados. Corriam em direção aquele prado florido do meu sonho! Como combinado, voltavam após um ano! Encheram, aquela extensão florida de terra, com seus latidos, suas correrias, suas figuras ricas de pelos coloridos, olhos vibrantes, cheios de energia. No reencontro as novidades! O círculo foi formado! Ao ouvirem a mesma voz do início do encontro, partiram para um debate. A voz firme e suave saudou. Disse da alegria em estar com eles, pedindo que falassem sobre o que aprenderam. 14


S

ilêncio total! Um cão latiu (era um policial), fez-se compreender comentando suas peripécias em descobrir contrabando de tóxicos. Retornava feliz! Havia colaborado com a sociedade! Alguns cães pequenos vieram para o centro do círculo. Ao som de uma música dançaram, rodopiaram, sentaram, pularam, passando um sobre o outro com muita graça. Estes cães haviam ficado num circo, onde aprenderam a alegrar muitas crianças e adultos. Devagar, vinha dar seu recado o cãozinho de Daniela. Duque enviava latidos e gestos que diziam de sua gratidão aos amigos que os acolheram com tanto amor.

Deixamos para vocês alguns recados dos cães, nossos melhores amigos! • “É bom ter amigos”. • “Aprendemos que devemos ajudar os outros”. • “A sociedade precisa de todos nós”. • “A música e a dança trazem alegria ao mundo”. • “Ficamos tristes quando nos maltratam”. • “Os cães são amigos do homem”. Espreguiço-me! Que lindo sonho! 15


Q

uerida neta Daniela, com certeza os cães pensam! Ficam tristes! Demonstram carinho e alegria através de seus gestos! Daniela, conserva este teu jeito simples de ser, teu bom humor, tua sensibilidade, afetividade, tua alegria irradiante, tua dedicação aos cães, e o amor por tua família! Que Deus te abençoe! Nossos cães merecem nossa homenagem, nosso respeito, nosso amor! Com carinho da Vovó Conceição. Outubro/1996 16


17


Será que Cachorro Pensa?  
Será que Cachorro Pensa?  

Versão online do livro Será Que Cachorro Pensa?, da autora Maria da Conceição Gomes Mastrascusa, lançado em abril de 2014 na Feira do Livro...

Advertisement