Page 1

l a i c e Esp Jornal da Manhã

Capa.indd 1

- Ijuí, 20 de julho de 2012

s o n a 55

20/07/2012 20:54:30


2

5an5os

Jornal da Manhã

cotrijui

Palavra do Presidente

Carlos Domingos Poletto Presidente da Cotrijui Como parte da Família Cotrijui, nós produtores, funcionários, parceiros comerciais e de serviços, instituições de caráter privado ou público, todos merecemos uma reflexão sobre esta empresa diferenciada cuja fundação se deu há exatos 55 anos, no dia 20 de julho de 1957. Pelo emprego de vários meios, temos preservado a história desta saga vitoriosa, só possível pela visionária iniciativa dos pioneiros, que colocaram em prática os ideais do cooperativismo e deram forma à Cooperativa Tritícola Serrana Ltda. Os registros mais recentes estão no livro editado em 2007, Cotrijui 50 anos de História; na mostra fotográfica que naquele mesmo ano percorreu todas as Unidades da CotrijuI, proporcionando um visual da caminhada do homem e sua cooperativa; edições especiais do Cotrijornal e cadernos como este que perpetuam o reconhecimento pelos feitos de tantos, em nome da coletividade. Nas páginas seguintes teremos flagrantes de um empreendedorismo que não mediu esforços para exercer uma vocação cuja importância não tem precedentes na história: produzir alimentos. Sabendo, no entanto, que essa grandeza nem sempre tem ou terá o reconhecimento que lhe é devido. Homens e mulheres investiram em si próprios, apostaram na força da união e ultrapassaram fronteiras para buscar mercado e reconhecimento à sua nobre função. A Cotrijui deve muito do que é a si mesma. E outro tanto à sua crescente aceitação como defensora dos agropecuaristas, no seu próprio meio, no âmbito dos parceiros comerciais e na esfera pública, em todas as instâncias, municipal, estadual ou federal. Nominar mais de 19 mil famílias cooperadas é impraticável, aqui. Permitam-me abraçar a cada associado e familiares, através desta mensagem. Em sua fidelidade à Cotrijui e aos princípios cooperativistas está a razão de sermos hoje a maior cooperativa do ramo agropecuário no Rio Grande do Sul. De gerarmos importante arrecadação de tributos e tantas vagas de trabalho, em paralelo à assistência técnica e acompanhamento comercial e de serviços a todos os produtores. Diversificação de culturas, plantio direto na palha, programas voltados à sustentabilidade priorizando o meio ambiente, verticalização da produção, irrigação de culturas, programas de Leite e Carne a Pasto e Agricultura de Resultados, dentre outros, foram ações que tornaram a nossa Cotrijui reconhecida nacional e internacionalmente, conforme registros neste caderno especial. Este recado expressa de forma solidária o que gostariam de transmitir todos os membros da diretoria da Cotrijui, seus conselheiros de administração e fiscais, representantes eleitos e membros das Comissões Setoriais de Produção. Caro leitor, sinta-se protagonista desse grande projeto que é a Cotrijui. No Ano Internacional das Cooperativas, integre-se aos que juntos vêm defendendo ações mais solidárias, que priorizem e valorizem o homem. Boa leitura.

- Ijuí, 20 de julho, 2012

Uma História de Arrojo e Cooperação

A

história é o estudo do homem em constante evolução. Os últimos 55 anos da família Cotrijui comprovam essa teoria. Desde a histórica assembleia de fundação da cooperativa, em 20 de julho de 1957, renovaram-se gerações. Uma rápida comparação entre a prática agropecuária realizada na década de 50, no século XX e a realizada no início deste século XXI, mostra que o homem evoluiu, o mundo evoluiu e a Cotrijui, com arrojo e determinação, deu passos que honraram os pioneiros, pois quem lança mão do arado não pode mais olhar para trás. É por esse motivo que este caderno especial traz registros de momentos e ações da Cotrijui e de mais de 19 mil famílias associadas. Ao completar 55 anos, a Cotrijui ocupa destaque no segmento agropecuário em números que envolvem associados, municípios abrangidos, volumes de recebimento e comercialização de produtos agrícolas. Esta saga, que iniciou com muita força do braço, conhecimentos empíricos e determinação, hoje pode se orgulhar de ter contribuído para a modernização das ações no campo, fixando as famílias na atividade; de servir de exemplo e ter sido parceira de tantas ações que apregoaram o Plantio Direto na Palha; de defender e investir em células de armazenagem que garantissem a produção colhida; de buscar informação e trazer modernização tecnológica que atendessem as demandas de seus cooperados; e de ser sempre aliada às ações dos poderes públicos sempre que fossem de interesse das comunidades.

Atualmente, a Cotrijui representa mais de 19 mil associados, dando a eles assistência técnica direta, garantindo a qualidade da matéria-prima de seus produtos. A cooperativa divide-se em áreas industriais e Unidades Operacionais, com suas próprias gerências. A área de atuação da Cotrijui abrange as regiões Noroeste; Fronteira Oeste e Campanha do Rio Grande do Sul. Além de receber e armazenar sementes, a cooperativa beneficia, industrializa e comercializa produtos agropecuários. Soja, milho, arroz, trigo, aveia, leite e suínos, são os produtos mais comumente produzidos pelo quadro associativo da Cotrijui, obedecendo o planejamento conjunto com o quadro de técnicos e as perspectivas de mercado. A tecnologia e a inovação chegam aos associados através dos Dias de Campos realizados pelo Departamento Técnico da Cooperativa, em parceria com instituições de pesquisa e empresas fornecedoras de agroquímicos, fertilizantes e sementes. Além disso, a Cotrijui disponibiliza programa radiofônico específico para o quadro social, trazendo informações importantes para o desenvolvimento das atividades nas propriedades. Objetivando agregar valor à reconhecida qualidade das matérias-primas produzidas pelos cooperados, cedo a Cotrijui verticalizou a produção, investindo em agroindústrias, cujos produtos industrializados atendem aos mais exigentes mercados nas marcas Tchê, Cooper, Leviesti e Casabella, além de atender aos produtores com insumos tão importantes como as Rações Vita

Cotrijui e as Sementes Cotrijui. A área comercial proporciona aos produtores diversas alternativas para formação dos cultivos através da compra de fertilizantes, defensivos, sementes e demais insumos. Da mesma forma, informa e orienta seus associados sobre comportamento dos mercados, no momento da comercialização. A segurança no escoamento da produção, nos mercados interno e externo, deve-se à logística de apoio da própria Cotrijui. Na condição de sócia-fundadora da CCGL, conta com a excelente estrutura portuária administrada pelo Grupo, no Porto de Rio Grande. Ao longo dos anos a Cotrijui vem contribuindo para a redução do impacto ambiental, com forte defesa de uma agricultura sustentável, aliando diversificação à orientação do produtor no uso correto dos defensivos agrícolas. Os cuidados com o Meio Ambiente estão evidentes em cada ação da Cooperativa. Tanto é que já foi distinguida com o Prêmio Folha Verde, honraria da Assembléia Legislativa gaúcha e Destaque Nacional em Meio Ambiente, pela Biosfera e Ibrae, organizações não governamentais com sede no Rio de Janeiro. Em 2009, a Cotrijui foi uma das três instituições agraciadas, pelo governo do Estado com o título Amigo da Água. Outras nuances dessa trajetória histórica estão nas páginas que seguem. Dinâmica como a própria vida é, a Cotrijui a cada passo reafirma seus objetivos e vê crescer no entorno o número dos que acreditam e defendem o cooperativismo.


Jornal da Manhã

5an5os

- Ijuí, 20 de julho, 2012

3

Trigo: a principal cultura de inverno no Noroeste D

esde os primórdios da formação da Cooperativa, o trigo vem sendo a principal cultura de inverno, considerada importante fonte de renda, ao longo dos anos foi sendo substituída gradativamente pela soja, leite, suínos ou olericultura, dependendo do tamanho da propriedade e da vocação de cada produtor. Passou por diversas dificuldades no decorrer dos anos, hoje a cultura é importante aliada na distribuição de custos da propriedade, na proteção dos solos,formação de palha para o Plantio Direto, no controle de invasoras e pragas, porém o produtor não a vê mais como uma cultura para formação de renda na propriedade. As principais dificuldades da cultura não estão relacionadas à tecnologia, uma vez que o Departamento Técnico da Cotrijui trabalha a difusão das novas técnicas de cultivo incrementando o potencial produtivo. Exemplo disso são as excelentes produtividades do ano passado, onde tivemos recordes de mais de 70 sc/ha, aliados a alta qualidade do produto. Mas o grande entrave está em fatores ligados a dificuldades na comercialização, baixa liquidez do produto e as exigências em termos de quali-

dade de panificação. As recentes alterações nos padrões exigidos trazem uma complicação a mais após a colheita. Os preços mínimos estabelecidos pelo governo nem sempre têm condições de cobrir os custos de produção, além de o produtor necessitar uma maior agilidade na realização de seus negócios. Necessidade esta, que impulsiona o produtor a acessar outras formas de comercialização, se sujeitando a condições de mercado que muitas vezes não atingem os níveis de preço praticadas pelos órgãos oficiais. O Rio Grande do Sul produz além de seu consumo e necessita exportar parte de sua produção para outros estados ou países, com isso enfrenta barreiras comerciais e sobretaxação dificultando a obtenção de melhores preços, estando condicionado a mecanismos como os leilões do PEP (prêmio de escoamento de produção) que nem sempre cumprem totalmente o seu papel. Preocupada em melhorar a qualidade industrial, a Cotrijui tem direcionado seus esforços para a obtenção de um produto de maior aceitação do mercado. Para tanto, já faz três anos que a Cooperativa não produz mais

sementes das cultivares do tipo brando, apenas sementes de trigos tipo pão ou melhorador, as quais aliadas às recomendações técnicas do Programa Agricultura de Resultados Cotrijui, PARC – Trigo, que busca oferecer assistência técnica diferenciada, nos permite condições de obter um produto de melhor qualidade. O produtor tem assimilado bem

Fundamental na alimentação, o milho produzido na região e entregue na Cotrijui é em parte transformado em rações para suínos, aves e gado leiteiro e parte em farinhas cereais matinais e outros produtos para alimentação humana. Fundamental também para melhoria das condições de solo pelo alto volume de palha que produz, aumentando a proteção superficial e consequentemente a matéria orgânica responsável pela melhor estruturação, a qual facilita a infiltração da água das chuvas, do ar no solo e das raízes das plantas, o milho tem sido incentivado como cultura para rotação e como cultura econômica no verão.

A dificuldade de expansão de área em nossa região se deve a frustrações de safra em anos de estiagem, sendo uma cultura com custo de produção mais elevado que sua principal concorrente a soja, mesmo que esta última também sofra frustrações, o produtor não tem aceitado a recomendação de manter todos os anos 25% da área reservada para o milho. A Cotrijui tem se esforçado para buscar meios de proteção para a cultura, seriam eles um seguro agrícola com custos condizentes que cubram os custos totais de produção, além de sistema de irrigação. Cada vez mais viável, à irrigação permite a cultura

expressar todo seu potencial produtivo, gerando assim resultados financeiros expressivos ao produtor. Outra forma encontrada pela Cotrijui de incentivar a cultura é o programa Milho de Qualidade. Como existem diferenças entre os híbridos nas características de dureza, cor, resistência ao ataque de fungos, empalhamento, queda das plantas e ataque de pragas e há necessidade para suprir a indústria de rações de um milho superior nestes quesitos, todos os anos fizemos propostas diferenciadas de valor, assistência técnica e linha de produtos para os produtores alcançarem altas produtividades com qualidade de grãos.

a necessidade de melhorar não apenas do rendimento final, mas também a qualidade de panificação. Sabemos que além destas, dependemos de uma situação climática favorável, especialmente nos estádios de floração e de maturação, onde excessos de chuvas podem comprometer a qualidade. Para contrapor, é necessário

buscar uma maior segurança ao investimento feito pelo produtor, e isso é feito em outros países através de seguro agrícola e mecanismos de comercialização, algo que já existe no Brasil, porém com necessidades de melhoras substanciais dos parâmetros, sendo esta uma luta constante da cooperativa através da sua Diretoria e da Fecoagro.

Milho: industrialização como foco


4

5an5os

Jornal da Manhã

- Ijuí, 20 de julho, 2012

Soja: a cultura dos melhores resultados E

ntre todas as culturas, a soja é a que recebe maior atenção. O produtor de grãos trabalha inverno e verão com o pensamento focado nela. A resposta para esta atenção toda é só uma: é disparada da cultura que no decorrer dos anos deixa os melhores resultados, ela é também moeda de troca para diversos negócios como compra e arrendamento de terras. A Cotrijui, entre as várias áreas do agronegócio que atua, tem especial atenção à cultura da soja nas regiões Noroeste, Fronteira Oeste e Campanha do RS. Foi a primeira cultura que integrada ao Programa Agricultura de Resultados Cotrijui. O Parc Soja foi criado em 2007 com o objetivo inicial de colocar à disposição insumos de maior qualidade do que aqueles que vinham sendo empregados pelo produtor em geral, visando um controle mais adequado das ervas daninhas, dos fungos e pragas que atacavam as sementes e a parte aérea das plantas e micronutrientes essenciais para quebrar paradigmas de produtividade, elevando o resultado financeiro do associado. O programa evolui ano a ano, acrescentando novidades. Desde o início, o Parc trata de maneira diferenciada os produtores que aderem ao programa. Considera estes como produtores prioritários para a assistência técnica. A eles são dispensadas atenções aos mínimos detalhes, as quais fazem a diferença na busca de um resultado econômico superior. Os cuidados para a cultura são iniciados logo após a sua colheita, estendendose até a nova colheita. Considerando que a resteva concentra muitos nutrientes, os quais a planta utiliza para seu metabolismo, porém não exportado com os grãos, temos que

dispensar uma atenção especial a este momento. Recomendamos que seja implantada uma nova cultura com capacidade de absorver e reciclar estes nutrientes, minimizando e evitando as perdas. A sucessão de culturas é sempre observada, precisamos estar atentos a ervas daninhas e pragas que possam ser reduzidas pelas culturas de inverno e seus reflexos na soja. Caso o produtor faça integração lavoura, pecuária, o manejo e a lotação devem ser adequados para reduzir efeitos da compactação, tudo deve ser monitorado de perto e debatido com o produtor para encontrar em conjunto a melhor solução. A agricultura de precisão está em franco crescimento. Na visão dada no Parc não é somente o mapa de fertilidade e de recomendação de aplicação dos nutrientes, mas também a qualidade da semeadura, da aplicação dos defensivos à população de plantas escolhida para cada cultivar de soja e também a cada lote de sementes, a uniformidade na profundidade da semeadura, as sementes padronizadas em tamanho e forma, com os produtos usados em seu tratamento adequados ao espectro de pragas e doenças mais comuns a cada gleba da propriedade atendida. A fertilidade não é corrigida somente com fertilizantes químicos, para isso a Cotrijui fez parceria com empresa de adubo orgânico e este entra na recomendação conforme os resultados mapeados de matéria orgânica do solo, da mesma forma buscaram-se parceiros na melhoria da concentração de cálcio nas camadas subsuperficiais do solo pela aplicação de gesso e hoje disponibilizamos com exclusividade um produto

de fácil aplicação que proporciona maior aprofundamento das raízes da soja na busca de menores problemas quando da ocorrência de veranicos. Os defensivos, os fertilizantes e o óleo diesel encarecem ano a ano o custo da lavoura, mas não se pode produzir eficientemente sem o uso deles, na realidade o custo é realmente caro quando o produto for inadequado para o foco da aplicação ou quando aplicado no momento inoportuno, ou seja, é caro quando não funciona, esta é a parte mais simples do Parc: dar especial atenção aos detalhes na procura de resultados, utilizando o produto adequado, no momento exato e de forma eficiente. A evolução também provoca necessidade de investimentos. Dispostos a continuar focando na melhora rápida dos resultados dos produtores, a Cotrijui viu a necessidade de investir em um CTS, centro de tratamento de sementes. As novas cultivares lançadas a cada ano e os novos eventos de biotecnologia resulta em melhoria das produtividades. A proteção das sementes não poderia continuar sem a precisão dos equipamentos existentes e novas moléculas estavam sendo desenvolvidas para combater uma praga silenciosa presente nas lavouras da região, os nematóides. Este novo produto não poderia ser utilizado da forma que até então vinha sendo realizados. Nos tratamentos de sementes, e o produtor da Cotrijui não podia ficar à mercê de tal tecnologia, então os investimentos foram realizados e hoje disponibilizamos do melhor tratamento com a precisão na aplicação que a engenharia criou. Buscamos constante aprimoramento técnico com treina-

mentos e cursos disponibilizados aos mais de 70 profissionais da área. A velocidade de crescimento que queremos exigiu mais e encontramos uma maneira muito eficiente de evoluir, aprender fazendo, em conjunto com o produtor, deixar a criatividade fluir e gerar novos conhecimentos na própria lavoura do associado, aprendendo com ele o que possa ser repassado para a sua lavoura e dos demais assistidos. Iniciamos então em 2010 o primeiro concurso de produtividade da soja, a base é simples e eficaz, escolhemos uma área de 5 hectare dentro da lavoura para que ali se apliquem os conhecimento técnicos mais modernos com livre adaptação do produtor, calcula-se a viabilidade e os resultados, demonstrando o grande potencial produtivo e econômico da cultura. O Programa Agricultura de Resultados da Cotrijui sofre um julgamento a cada ano e tem demonstrado que pela adesão cada vez maior dos produtores vem atingindo seus objetivos, esta safra o desafio é o maior já proposto, queremos recuperar as perdas do ano passado utilizando com eficiência redobrada os mecanismos que temos à disposição atingindo produtividade recorde em todos os produtores participantes. Estrutura de Armazenagem

Atualmente, a capacidade de armazenagem, estática, é de 997 mil toneladas. As unidades armazenadoras são dotadas de termometria e conjuntos de aeração permanente, assegurando a qualidade dos grãos repassados pelos cooperados. O recebimento dos produtos agrícolas

pela Cotrijui é igualmente estratégico, estando próxima dos locais de produção. Assistência técnica abrangente e profissional

Na Cotrijui, a assistência técnica é proporcional às demandas dos cooperados. Ela é oferecida diretamente nas propriedades dos associados, em Dias de Campo, (culturas de Inverno e Verão), treinamentos, palestras, seminários e em programas radiofônicos específicos para o quadro social. Assim como nas demais áreas, a Cotrijui desenvolve nas atividades agropecuárias um constante aprimoramento da qualidade de seus serviços, priorizando a satisfação de seus associados e familiares. É na interação do quadro de agrônomos, veterinários e técnicos com os produtores, que a assistência oferecida resulta em benefícios e prestação de serviços como os que elencamos a seguir: -Aumento no rendimento das culturas, através da incorporação de tecnologias; - Redução no uso de agroquímicos e uso de produtos mais seletivos, com responsabilidade ambiental; - Análise de custos, ajustes de sistemas de produção, com aumento da rentabilidade; - Melhoria na qualidade dos solos e da água; - Investimento de tempo, recursos humanos e financeiros na defesa dos interesses dos associados: em viagens, reuniões, treinamentos, sanidade animal, biotecnologia, exportação de soja, milho e trigo e importação de fertilizantes para reduzir o custo ao associado.


Jornal da Manhã

- Ijuí, 20 de julho, 2012

5an5os

5

Qualidade Cotrijui no arroz de cada dia D

esde a incorporação da Cooperativa Pedritense, em Dom Pedrito, no final da década de 70, a Cotrijui passou a desenvolver com os produtores uma relação de confiança mútua, investindo em instalações de armazenagem, engenho de arroz e na construção de uma sede administrativa para suprir as demandas de serviços e assistência. A exemplo de outros grãos, a cultura de arroz se desenvolveu e a cooperativa, atualmente, oferece assistência técnica e comercialização segura à produção de um total de 44.000 ha. Com um quadro de técnicos qualificados e uma dinâmica de comercialização segura e competitiva, a Cotrijui planeja a lavoura com os orizicultores e repassa todos os insumos necessários, que são entregues nas propriedades por veículos da cooperativa. Além do engenho, que beneficia o arroz produzido, repassando-o aos diversos mercados, a Unidade de Dom Pedrito conta com estrutura de armazenagem estática de 122.500 toneladas. Aproveitando o potencial da região, a cultura do arroz é estabelecida em terras de várzeas ou de baixa declividade, cujos solos tenham capacidade de retenção de umidade suficiente para manter a área alagada. Áreas essas próximas às fontes de água, como rios ou barragens, por se tratar de insumo importantíssimo na produção de arroz irrigado. Arroz com qualidade cooperada

Fruto do profissionalismo dos produtores, pela incorporação de tecnologia e uso de sementes selecionadas, a Cotrijui tem ampliado mercados, com aumento da aceitação pelo arroz beneficiado no engenho de Dom Pedrito. O arroz, cada qual dentro de suas especificidades, é distribuído nas marcas Leviesti e Casabella. Mais informações sobre arroz na matéria que aborda a industrialização na Cotrijui.

Os serviços da Cotrijui em apoio aos arrozeiros é sentido de diversas formas, como:

- Assistência técnica durante o ano; - Garantia de recebimento da produção; - Comercialização de arroz o ano inteiro; - Complemento de crédito para formação da lavoura de arroz, através do fornecimento de insumos com vencimento na colheita; - De todos os defensivos comercializados pela Cotrijui, ela recolhe todas as embalagens vazias e as encaminha a um depósito municipal para futura reciclagem.


6

5an5os

Jornal da Manhã

- Ijuí, 20 de julho, 2012

Produção verticalizada

Objetivando agregar valor à reconhecida qualidade das matérias-primas produzidas pelos cooperados, cedo a Cotrijui verticalizou a produção, cujos produtos atendem hoje aos mais exigentes mercados. A Cooperativa atua em todas as etapas da cadeia produtiva desde o plantio à colheita, do recebimento e beneficiamento à comercialização dos grãos

Agroindústria de Cereais Engenho de Beneficiamento de Arroz

A agroindústria de cereais é uma das unidades industriais da Cotrijui, responsável pelos moinhos de milho, centeio e aveia. Os Cereais da marca Cooper constituem uma ampla linha de produtos como: Aveia em flocos, farinhas de aveia, centeio e cevada; polenta instantânea; farinhas de milho; feijão, lentilha, pipoca, granola, farinha de linhaça, extrato e proteína de soja, gérmen de trigo, dentre outros.

Centro de Tratamento de Sementes

A Cotrijui, recentemente, investiu em um Centro de Tratamento de Sementes (CTS). É uma evolução muito grande, pois trata todas as sementes igualitariamente em 99%, ao contrário do que ocorre nos tratamentos atuais em que há disparidade na quantidade de produto a que se submete cada semente. A produtividade final é resultado do que cada planta produziu, e uma planta debilitada por qualquer desses erros afeta as demais que estão próximas, retirando delas substâncias fundamentais. Com o CTS, novos produtos para tratamento de sementes serão utilizados para evitar os mais diversos patógenos, inclusive nematóides, que são pequenos, há dificuldade de serem observados, mas causam danos à planta. Uma sugestão para o produtor seria que ele utilizasse pelo menos parte da plantação com semente tratada pela Cotrijui, para verificar a vantagem em utilizá-la na área inteira. O investimento pela Cooperativa já foi realizado, e para benefício do produtor o CTS já está em funcionamento, demonstrando que hoje já é possível repassar ao produtor sementes tratadas com produto especial. Tratamento industrial de sementes

O tratamento industrial ou profissional de sementes é necessário para o controle da qualidade do processo. A produção de sementes com alta qualidade exige o tratamento industrial onde a estrutura e os equipamentos são modernos e eficientes e de alta tecnologia. O Centro de Tratamento de Sementes (OCTS) da Cotrijui oferece aos cooperados e demais clientes todos os serviços

e benefícios que o processo de tratamento de sementes profissional pode trazer; dentre muitos benefícios citamos alguns: 1-Eficiência na aplicação das doses e maior precisão na colocação dos ingredientes ativos por semente (produto certo no lugar certo), resultando em melhor proteção de cada planta individualmente contra pragas , doenças e proporcionando mais vigor; 2-Sementes limpas, sem presença de pó, com melhor fluxo no processo de semeadura; 3-Segurança à saúde e ao meio ambiente; 4-Menor risco ao trabalhador no manuseio das sementes tratadas; 5-Melhor plantabilidade o que proporciona adequado estande final de plantas resultando em maior potencial produtivo das culturas; 6-Possibilidade de aquisição de semente de soja tratada com produtos especiais como avicta completo, tecnologia que auxilia no controle de nematóides, praga que reduz o potencial produtivo da cultura. Com todos esses benefícios, a Cotrijui tem a satisfação de oferecer aos associados e clientes um serviço de alta qualidade que ajudará no desafio de alcançar altos rendimentos, principalmente com o surgimento de novos eventos biotecnológicos que, cada vez mais, estão inseridos nas sementes. O desejo é que todos possam adquirir as melhores sementes certificadas das melhores cultivares com tratamento de alta tecnologia, onde o processo de tratamento é o mais adequado para as tecnologias disponíveis de proteção às sementes, o que irá resultar nas melhores colheitas possíveis que as condições climáticas nos possam oferecer.

A Cotrijui também atua na cadeia produtiva do arroz e reforça seu compromisso com os consumidores e no contínuo aprimoramento de seus processos, garante a qualidade de seus produtos. A moderna Indústria de Arroz localizada no município de Dom Pedrito/RS, produz arroz beneficiado tipo 1, tipo 2, tipo 3 nas marcas Leviesti, Casabella e Mais em Conta. Possui uma bem equipada Unidade de Beneficiamento de Sementes que classifica e armazena os grãos em células próprias. Toda a produção de sementes é regulamentada pelo Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com certificação ISO 9001:2000. Todos esses cuidados com os processos de produção garantiram à Indústria de Arroz de Dom Pedrito várias premiações pelo PGQP – Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade.

Rações e concentrados Vita Cotrijui

Duas bem montadas fábricas de rações (Ijuí e Dom Pedrito) produzem toda a linha de rações para suínos, bovinos, ovinos e aves, com produção de 14.000 toneladas/mês, dão suporte às atividades dos cooperados e demais clientes. Uma sediada em Ijuí e outra em Dom Pedrito. Aproximadamente 80% da produção é consumida por suínos de cooperados e a entrega de ração a granel é realizada pela Cooperativa diretamente nas propriedades dos associados. A garantia da qualidade das Rações e Concentrados Vita Cotrijui é obtidaporrígidoscontroleseanálise, tanto da matéria-prima, quanto do produto final, regidas pelas normas deBPF-BoasPráticasdeFabricação. Além das suas indústrias, a

logística de distribuição dos produtos da Cotrijui está estruturada em Centros de Distribuição localizados em Ijuí/RS, Porto Alegre/ RS, Tatuí/SP e Maceió/AL. Man-

tém escritórios de representação nos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Alagoas, Ceará e Rio Grande do Norte.

Frigorífico de suínos

O Frigorífico, em São Luiz Gonzaga-RS,uma das unidades industriais da Cotrijui, atua no segmento de suínos, com abate, industrialização de embutidos, salgados, defumados/curados da marca Tchê, e cortes especiais de carne in natura para os mercados interno e externo. Para assegurar a qualidade a seus produtos, a Cotrijui está integrada em cadeia de produção vertical completa. Tem início na produção de matéria-prima para fabricação de rações que são destinadas a um plantel de matrizes próprias em granjas, para a produção de leitões, os quais são fornecidos aos produtores para terminação em sistema de parceria. O controle sanitário e manejo nutricional das parcerias são feitos por uma equipe de médicos veterinários e técnicos agrícolas, que fornecem assistência e acompanhamento técnico diretamente nas propriedades, garantindo a qualidade nas matérias-primas e controle completo de todo o processo produtivo dos suínos. Com abate de 1.500 suínos/dia e industrialização de 1.400 toneladas/mês de produtos diversos, conta com fiscalização do Serviço de Inspeção Federal (SIF nº1184), assegurando um alto padrão de qualidade dos produtos Tchê.

Atualmente a Cotrijui mantém exportações para mais de 20 países, em continentes e regiões como: Leste Europeu, Europa Ocidental, Ásia, Oriente Médio, África e alguns países da América do Sul.


Jornal da Manhã

A

- Ijuí, 20 de julho, 2012

CCGL concentra esforços na ação em escala

CCGL – Cooperativa Central Gaúcha Ltda. destaca-se entre as cooperativas de segundo grau por aglutinar ações que potencializam a vocação dos produtores e convergem para os objetivos das suas associadas. Na condição de sócio-fundadora da CCGL, a Cotrijui conta com os serviços de terminais portuários localizados no município de Rio Grande/RS, o que torna a capacidade de recebimento e a segurança da produção recebida e exportada pela Cooperativa, ainda mais eficazes. A Central é formada por três unidades de negócios, a CCGL LAC, a CCGL Log e a CCGL Tec. A CGGL Log, unidade de logística, tem presença marcante pelos Terminais Termasa e Tergrasa, situados no Porto Marítimo de Rio Grande, eficiente no carregamento e transporte de granéis. Na CCGL Tec, Unidade de Tecnologia e Pesquisa, o foco está na pesquisa de novas tecnologias agropecuárias, manejo de cul-

turas, insetos, doenças e plantas daninhas, bem como fertilidade do solo. Neste segmento, a pesquisa dirigida aos interesses dos produtores é reforçada pela participação da Cotrijui como associada à Fundacep. A CCGL Lac é a Unidade de Laticínos, localizada em Cruz Alta, considerado um centro logístico de produção leiteira do sul do Brasil. Investimento de vulto e programado para expansões gradativas, ele foi definido a pedido dos produtores gaúchos. Devido à localização dos associados, e na condição de precursora da mobilização pela construção do moderno complexo com processamento inicial de um milhão de litros, a Cotrijui ressalta que a atividade tem na CCGL Lac um instrumento agregador de valor e de segurança para os produtores. Na política de preços pagos pelo leite, a ação da CCGL tem servido de parâmetro do comportamento do mercado. A Cotrijui integra o Conselho de Administração da CCGL.

Pela sua envergadura econômica e área de abrangência de suas unidades e serviços, a Cotrijui repassa benefícios sem conta aos cooperados e sociedade em geral. Alguns, como descrevemos a

seguir, mensuráveis. Outros, no entanto, sem ser vistos, têm o mesmo grau de importância. Pelos tributos que recolhe, gera recursos que financiarão melhorias no ensino e estradas. Pelos

5an5os

7

Projetos de alcance social da Cotrijui

Projeto Escola no Campo

muitos serviços, é geradora permanente de empregos diretos ou indiretos. É responsável direta pelos índices de satisfação e bem-estar das comunidades em que atua, por oferecer segurança

Projeto que envolve escolas estaduais e municipais da área de atuação da Cotrijui. Engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas ensinam a importância da preservação do meio ambiente para os alunos. O projeto tem entre seus objetivos, conscientizar as crianças do

meio rural quanto a importância da preservação do meio ambiente, reafirmar a necessidade de produzir alimentos saudáveis, levá-los a cobrar o uso correto e seguro de agrotóxicos, uso de equipamentos de proteção, plantio de árvores e preservação de nascentes.

Mais de 400 mil hectares, representando 98% da área assistida pela Cotrijui, são cultivados dessa forma, evitando a erosão do solo,

retendo maior umidade, melhorando a qualidade da água dos rios e reduzindo os custos de produção com diminuição da mão-de-obra.

Não apenas em respeito à legislação, mas como parte de seus programas de proteção ambiental, a Cotrijui recolheu nos últimos

anos, mais de 762.000 embalagens de defensivos tríplice lavadas, contribuindo para a redução do impacto ambiental.

Seguindo suas políticas de responsabilidade social, a Cotrijui investiu em Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) na planta do

frigorífico, em São Luiz Gonzaga/RS, a qual visa tratar a água utilizada no processamento industrial, antes de devolvê-la à natureza.

Plantio Direto na Palha

Recolhimento de Embalagens Tratamento de Efluentes

ao ato de produzir, de armazenar e comercializar. Tanto que é agente de fixação das famílias na atividade rural. Há dentre muitos, alguns projetos que merecem registro.

Dias de Campo

Sabedores de que o primeiro insumo no setor produtivo é a informação correta, os dias de campo proporcionados pela cooperativa têm funcionado como validação de tecnologias para o quadro social. O Departamento Técnico da Cotrijui, em conjunto com empresas de agroquímicos, fertilizantes, sementeiras e instituições de pesquisa, repassa informações e orientações aos associados quanto as melhores cultivares indicadas, resultados do sistema de rotação de culturas, manejo de pragas, resultado das cultivares de forrageiras,

sistema de irrigação de pastagens e densidade das semeaduras. Beneficios da pesquisa

A pesquisa dirigida aos interesses dos produtores é reforçada pela participação da Cotrijui como associada à Fundacep, Coodetec, Fundação PróSementes e em parceria com Embrapa, OR Sementes e Fepagro. Além disso, através de ações conjuntas com universidades e instituições como Sebrae, Fecoagro, Ocergs e OCB.


8

5an5os

Jornal da Manhã

- Ijuí, 20 de julho, 2012

Cooperativa disponibiliza software para Pecuária Leiteira

P

AR – Mais Leite Cotrijui. Com este nome, a Cotrijui desenvolveu um software para gerenciamento da propriedade leiteira, que é cedido aos produtores parceiros que entregam sua produção à indústria das cooperativas, a CCGL. Adeptos da tecnologia proposta pela CCGL-Tec os técnicos e veterinários que se empenham para a melhoria da atividade, repassando a tecnologia aos produtores, necessitavam de uma ferramenta para comprovação dos resultados, fácil de operar e que pudesse ser utilizado pelo próprio produtor. Mais do que isso, que desse motivos para que o filho do produtor visualizasse a propriedade dedicada ao leite como uma empresa lucrativa com possibilidade de permanência na atividade. Com o apoio da direção, uma equipe desenvolveu durante dois anos este programa que hoje já é realidade em muitas propriedades assistidas. Tratada por muitos como uma atividade pesada, cansativa e sem resultado econômico, o leite foi criando no jovem produtor rural uma verdadeira aversão. Dispostos a mudar isso, os dirigentes das cooperativas se reuniram e resolveram unir forças e construíram uma nova indústria, moderna em seu conceito e em seus equipamentos. A CCGL tem proporcionado aquilo a que se propôs: melhorar os preços ao produtor, exercendo um papel fundamental na regulação de mercado e melhorar o conceito da atividade. Hoje já temos os primeiros frutos, muitos produtores já deixaram de

ver a atividade como um sacrifício e passaram a conceituar sua propriedade como produtora de leite em primeiro lugar e de grãos em segundo plano. Assim como os grãos, a atividade leiteira requer hoje alto conhecimento de seus custos de produção, dos insumos que são utilizados e dos resultados que eles proporcionam. Alcançar maiores resultados com as pastagens requer conhecimento de fertilidade, de pragas e doenças, além da lotação a ser utilizada. Conservar forragem em quantidade suficiente e na qualidade requerida pelos animais e administrar as quantidades corretas de alimentos concentrados conforme a resposta de cada animal. Além das vacinas, inseminação, gastos com assistência técnica e veterinária, gastos com transporte e muitos outros inerentes à atividade. A equipe técnica da Cotrijui sempre auxiliou e procurou fornecer as melhores respostas, mas faltava uma forma de comprovação e de acompanhamento. Será que a atividade está dando lucro? Esta era a pergunta que sempre recebia uma resposta negativa na impressão do produtor de leite. Hoje quem utiliza a ferramenta PAR Mais Leite Cotrijui, sabe exatamente onde tem que melhorar na atividade, quais os gargalos da sua propriedade e quais investimentos priorizar para ter maiores resultados. Os produtores passaram a ver que além de um bom preço, muitas pequenas coisas envolvidas na atividade geram melhoria na qualidade e consequentemente do preço e da produtividade por animal e por área.


Jornal da Manhã

A

5an5os

- Ijuí, 20 de julho, 2012

9

Cadeia completa na suinocultura

produção de suínos na Cotrijui existe desde a década de 80, com os suinocultores de ciclo completo atuando de forma "independente", sendo que a cooperativa apenas comprava a produção dos associados. A partir de 1998 iniciou-se o sistema de Parcerias. A operacionalização deste sistema era feito pelas oito unidades operacionais existentes na Região Pioneira. A Cadeia da Suinocultura surgiu na Cotrijui em primeiro de abril de 2004, sendo a operacionalização centralizada em Ijuí, numa estrutura que reúne a indústria de ração, fomento e frigorífico. Dentro do Sistema de Parceria de Suínos (Produção Integrada), a cooperativa fornece todos os insumos necessários (fêmeas matrizes, machos, rações, vacinas, fretes e assistência técnica). A Cotrjui adota hoje o que há de mais moderno no Brasil em termos de genética (linhagens dos animais), nutrição e sanidade (vacinas e medicamentos). A assistência técnica é realizada por técnicos agropecuários e veterinários, baseada em softwares

específicos de cada sistema de produção, e os índices de produtividade de algumas granjas são semelhantes aos melhores do Brasil. Nas indústrias (ração e frigorífico), adotam-se rígidos controles na produção de alimentos, sendo a planta de São Luiz Gonzaga habilitada para exportação. O Sistema de Parceria da Cotrijui, em conjunto com os associados integrados, tem produção projetada para 250.000 suínos em 2013.

Áreas de apoio aos suinocultores A Cotrijui acompanha os produtores de suínos desde a fase de projetos (construções novas), equipamentos, manejo dos animais, avaliação de desempenho técnico/econômico, manejo de dejetos e preservação ambiental, através de assistência individual (visitas) e coletiva (reuniões, palestras, cursos e seminários). Para qualquer atividade produtiva que se pretenda iniciar, há que se analisar a vocação e o perfil do produtor e da propriedade, a sua

localização geográfica dela, análise de viabilidade do projeto de interesse, capacidade de investimento, de gerenciamento e licenciamento ambiental. Produzir suínos é uma atividade como as demais do agronegócio, pois exige dedicação e profissionalismo. Do manejo adequado, alimentação balanceada e cuidados com a vida animal, virão os resultados. As médias em produtividade na área de ação da Cotrijui já se assemelham a de centros tradicionais de suinocultura, o que serve de incentivo aos que abraçam este setor por vocação e como geradora de renda.


5an5os

10

A

Jornal da Manhã

Programa leite e carne a pasto irrigado

boa aceitação que vem recebendo o programa Mais Água Mais Renda do governo do Estado, tanto pelos agentes financeiros quanto pelos produtores vem proporcionando o rápido crescimento de áreas irrigadas de pastagens no Programa “Leite e Carne a pasto Irrigado” da Cotrijui. Esta é uma das justificativas para o programa ter crescido de 71 (número de projetos implantados desde 2007 ao início de 2012) para mais de 300 durante o período de 4 meses onde os dois programas andaram juntos. A principal dificuldade solucionada foi a liberação de licenças e outorgas para o uso da água. Outra razão são os resultados obtidos pelos produtores que iniciaram no projeto a mais tempo e seus relatos aos demais em dias de campo: “ É um resultado quando o técnico apresenta os dados possíveis de serem alcançados pela irrigação, e outro completamente diferente quando é o próprio produtor que diz aos seus colegas de profissão o que está conseguindo conquistar, a adesão é mais rápida”, diz o engenheiro agrônomo Marcelo Michaelsen, agora temos dados concretos aqui, de produtores conhecidos e muito satisfeitos com os resultados. Não podemos esquecer que temos outra razão, a estiagem prolongada deste ano que influiu forte na produção de leite e carne, encarecendo o custo de produção e aumentando o trabalho nas propriedades, fazendo com que os produtores passassem a procurar alternativas para outros anos e visualizassem a irrigação. O Programa de Produção de Leite e Carne a Pasto Irrigado, visa potencializar a produção de leite e carne a pasto, sob o entendimento de que a irrigação dá maior segurança e produtividade nestas atividades. Juntamente com a conscientização do produtor rural, criou-se uma grande demanda por irrigação, contemplando inclusive a produção de grãos, principalmente milho e também soja.

Como resultados práticos do uso da Irrigação podemos destacar: - Aumento de 60 a 100% de leite de alta qualidade por vaca no máximo em um ano; - Redução de 19 a 25%dos custos de produção do litro de leite; - Aumento na renda líquida das famílias de 400 a 800%; - Aumento significativo na matéria orgânica do solo; - Racionalização do uso de fertilizantes através da agricultura de precisão; - Aumento da autoestima dos jovens produtores tendo como consequência a permanência na atividade.

- Ijuí, 20 de julho, 2012


Jornal da Manhã

- Ijuí, 20 de julho, 2012

5an5os

11

Novas lojas ampliam rede de supermercados e agroveterinárias

A

necessidade de agregar novos serviços aos associados e clientes foi surgindo de acordo com o crescimento das atividades da Cooperativa. Foi então que surgiu a seção de consumo em 1963 na sede em Ijuí, e que atualmente congrega a rede de Supermercados e Agroveterinárias da Cotrijui. O crescimento destas atividades tem acontecido dentro de um planejamento que considera muito a demanda dos serviços, a fidelização dos clientes, mas dentro da capacidade de investimentos que leva em consideração o setor de varejo e também as demais áreas da cooperativa. Exigência do mercado competitivo, as lojas já existentes, com frequência, necessitam de ampliações e reformas, adequando sua capacidade de serviços à demanda crescente dos públicos atendidos. No setor supermercadista e agroveterio, a Cotrijui sempre priorizou o atendimento às famílias associadas, estendendo serviços às comunidades rurais como um todo e ao cliente urbano. A rede atual conta com 18 lojas, distribuídas nas regiões Noroeste, Campanha e Fronteira Oeste do RS. Fruto de reivindicações e estudos, em 2011 foi inaugurado um segundo supermercado em Ijuí. A iniciativa comprovou que a comunidade ansiava pelo investimento, além de ter desafogado os serviços do supermercado junto à Sede Administrativa da Cotrijui.


12

I

5an5os

Jornal da Manhã

Troféu Cotrijui: um tributo ao mérito

dealizado para integrar as comemorações de seu Jubileu de Ouro, o Troféu Cotrijui reitera em suas edições a gratidão e o reconhecimento da Cooperativa a pessoas, instituições e empresas cuja função profissional e social merece este destaque. O Troféu Cotrijui, como foi concebido pelo seu criador, Tadeu Martins, é obra artística, inspirada em um elemento humano identificado com a agricultura, a pecuária e a indústria. Por isso, tem os pés completamente apoiados em um solo firme e como célula de um coletivo unido, olha fixamente para o mundo, e se dispõe aos seus planos de progresso. O Troféu Cotrijui enaltece o homem, como ponto principal da associação humana, que promove o movimento progressivo da civilização. A sexta edição do Troféu Cotrijui ocorrerá em paralelo às comemorações do aniversário de fundação da Cooperativa, 20 de julho, data em que a Cotrijui completa 55 anos de existência. O evento está programado para as 17h30 minutos de hoje, nas dependências do Auditório da Cotrijui, em Ijuí/RS, data em que serão anunciados os destaques deste ano, nas seguintes categorias: Funcionário, Associado, Propriedade Rural, Instituição de Caráter Público, Instituição Privada, Imprensa, Clientes das Marcas Cotrijui e Personalidade Cooperativista. Somando-se as personalidades, empresas e instituições, desde o ano do cinquentenário da Cotrijui, 2007, já foram entregues 41 troféus. Com os agraciados na noite deste 20 de julho, serão 49. Para a escolha dos agraciados em cada categoria são observados critérios incluindo quesitos de perfil, gestão e ações que fortalecem o cooperativismo dentro do setor agropecuário. Na celebração dos 55 anos da Cotrijui, a diretoria da cooperativa fará entrega do troféu às seguintes pessoas, instituições e empresas:

Categoria Funcionário: Walter Schaffel – Unidade de Ajuricaba/RS Categoria Associado: José OdonirOttonelli – Unidade de Chiapetta/RS Categoria Propriedade Rural: Cezar Gatteli e Família – Unidade de Augusto Pestana/RS Categoria Imprensa: Rádio Progresso de Ijuí Categoria Instituição Privada: Ceriluz Cooperativa Regional de Energia e Desenvolvimento Ijuí Ltda. Categoria Instituição de Caráter Público: Irga-Instituto Rio Grandense de Arroz Categoria Personalidade Cooperativista: Ademar Schardong (Presidente Executivo – Banco Cooperativo Sicredi) Categoria Cliente das Marcas Cotrijui: Supermercado Rondon Ltda – Araçatuba/SP

- Ijuí, 20 de julho, 2012

Caderno Cotrijui 20.07.2012  

Edição especial dos 55 anos da Cotrijui

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you