Issuu on Google+


AVC: O Cérebro Pede Ajuda Jeber Sartori El Ammar Neurologista clínico Se fizermos uma pesquisa no Brasil questionando as pessoas qual a doença que mais temem, indubitavelmente as respostas vão ser diversas, variando entre neoplasias malignas (câncer), diabetes, infarto agudo do miocárdio, dentre outras. Infelizmente, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) não será lembrado pela maioria das pessoas. Mas o que realmente é o AVC? O AVC é uma doença da circulação sanguínea cerebral. Basicamente existem dois tipos de AVC: o isquêmico, que corresponde a 85% dos casos e o hemorrágico, responsável pelos 15% restantes. No primeiro, ocorre uma obstrução do fluxo sanguineo para uma determinada área do tecido cerebral, que, se perdurar por mais de seis horas, resultará numa área de necrose ou de infarto cerebral. Já no AVC hemorrágico ocorre um sangramento agudo no tecido cerebral que, dependendo da localização, leva rapidamente o paciente ao óbito. Detemo-nos, então ao AVC isquêmico (AVCi). Dentre os inúmeros fatores de risco para o AVCi, destacamos o diabetes, o tabagismo, alterações de colesterol e a hipertensão arterial sistêmica. Nota-se que são exatamente os mesmos fatores de risco para o infarto cardíaco. Mas, afinal, o que faz dessa doença uma entidade complexa, pouco reconhecida pela população? Certamente é a complexidade dos sintomas. Como o cérebro é responsável por inúmeras funções, o AVC pode se manifestar por diferentes sintomas, dependendo da área cerebral que está tendo seu fluxo sanguíneo reduzido. Logo, a perda de força de um membro (mesmo que momentânea e reversível), parestesias ( formigamento) em um braço, desvio da comissura labial (paralisia facial), episódios vertiginosos agudos, diplopia (visão dupla), desequilíbrio, alterações na fala e tantos outros, podem ser o único sinal de um AVC. Geralmente, a pessoa acometida acha que esses sintomas serão logo revertidos, perdendo tempo precioso que poderia impedir o agravamento da situação e a ocorrência de um infarto cerebral. Essa é a diferença entre o infarto do cérebro e do coração. No infarto cardíaco, basicamente temos uma sintomatologia única: dor aguda no peito, com irradiação para o braço, dispneia (falta de ar) e eventual síncope (desmaio). Isso faz com que o paciente logo reconheça os sintomas e rapidamente vá até o hospital, podendo receber o tratamento precocemente. No infarto cerebral, o não reconhecimento e a complexidade dos sintomas faz com que a pessoa perca um tempo precioso, que poderia resultar em total reversão do quadro se atentida em tempo hábil. E por que é tão importante falarmos sobre AVC e fazermos campanhas de conscientização de pacientes e médicos sobre a doença? Primeiramente, alguns dados alarmantes. No Brasil, o AVC figura entre a primeira e a terceira causa de óbito, variando de acordo com o ano e com o Estado da Federação. Dos pacientes com AVC, 10% morrem nos primeiros 30 dias e até 40% morrem no primeiro ano após a doença. Cerca de 30% dos casos ocorrem em pessoas economicamente ativas e 70% dos pacientes ficam incapacitados de exercer atividades laborais após o AVC, sendo que 30% necessitam auxílio até mesmo para deambular. Assim, podemos imaginar o impacto na qualidade de vida individual do paciente com AVC e no impacto sócio-econômico da doença. E o que fazer para melhorar esse cenário? Idealmente, o AVC deve ser encarado como uma emergência médica, como ocorre nos países desenvolvidos. Lá, temos o conceito de "Golden- hour" e "Time is Brain" - " Hora de ouro e Tempo é cérebro . Assim, ocorreu uma mudança de paradigma no tratamento desses doentes. E essa mudança só ocorreu devido ao surgimento de medicações que agissem no local da obstrução do fluxo sanguíneo cerebral. Desde 1996 temos aprovado o uso da alteplase, um agente trombolítico capaz de desobstruir o vaso sanguíneo cerebral e impedir a ocorrência do infarto cerebral. Vários estudos comprovam a eficácia dessa medicação, a única aprovada no mundo que alterou o curso natural do AVC e que realmente impactou numa maior chance de reverter eventuais sequelas neurológicas futuras. Apesar de todos esses dados e do impacto da doença, tanto na esfera individual como comunitária, o AVC ainda é neglicencidado pela saúde pública brasileira. Se aplica ínfimos recursos ao tratamento dessa patologia quando comparado à quantia dispendida no tratamento do câncer e do infarto cardíaco, outras doenças de grande mortalidade no Brasil. Além disso, sequer dispomos em nosso meio da única medicação usada no tratamento agudo do AVC, isto 15 anos após a aprovação da mesma. E isto ocorre não pelo elevado custo de tal medicação, já que inúmeros trabalhos de custo-efetividade realizado no Brasil, sob a perspectiva do SUS, atestaram a vantagem do uso de tal medicação, justamente pelo fato de reduzir absurdamente o tempo de internação hospitalar e a invalidez futura. Talvez, o que falta, é a conscientização da comunidade médica e das autoridades de saúde pública que devemos tratar o AVC como realmente é, uma emergência médica. Nosso coração realmente está em ótimas mãos, com tecnologia de ponta disponível a Ijuí e região e muito bem protegido por médicos altamente capacitados para agir quando necessário. Infelizmente isso não ocorre ainda com nosso cérebro, que está totalmente desamparado e desabrigado, a mercê da sorte para que um AVC não o impeça mais de exercer suas tão nobres funções.

Noz-pecã diminui risco de doenças cardíacas e câncer Aos apreciadores de noz-pecã, uma boa notícia: ela pode diminuir o risco de desenvolver doenças cardíacas e câncer. Essa conclusão é de um estudo da Universidade de Loma Linda, dos Estados Unidos. A equipe de cientista analisou 16 homens e mulheres, que receberam dieta com noz-pecã, com a iguaria misturada à água ou neutra (grupo controle). Então, descobriu que os níveis do antioxidante gama tocoferol (vitamina E), que ajuda na prevenção das patologias, estavam dobrados após oito horas da ingestão do alimento. Um levantamento anterior da mesma universidade indicou que uma alimentação enriquecida com o fruto reduziu as taxas do mau colesterol em 16,5%.

Descoberta abre caminho para pílula contra a obesidade Uma importante descoberta feita em ratos pode fazer uma grande diferença no tratamento da obesidade. Uma equipe de cientistas da Universidade de Harvard descobriu que reduzir a função de uma proteína chamada Klotho, em ratos obesos com níveis elevados de açúcar no sangue, produz ratos magros com níveis de açúcar reduzido. A proteína também existe nos seres humanos, por isso a descoberta poderia levar a uma nova classe de medicamentos para reduzir a obesidade e, eventualmente, o diabetes do tipo 2. Em estudos anteriores, o gene responsável pela produção da proteína Klotho já foi associado à longevidade.

Óleo de lavanda contra micoses Pesquisadores da Universidade de Coimbra, em Portugal, descobriram que o óleo de lavanda pode ser usado para combater o crescente número de infecções resistente a outros antifúngicos. Entre as infecções que o óleo se mostrou eficiente no combate estão aquelas que atacam a pele e as unhas, como o pé-de-atleta. Produzido a partir da Lavandula viridis, arbusto que cresce no sul do país, o óleo de lavanda destilado é potente antimicrobiano e antioxidante. Amplamente utilizados pela indústria cosmética e alimentícia, os óleos derivados essenciais destilados do gênero Lavandula também têm efeitos calmantes e antiespasmódico. Testado contra uma variedade de fungos patogênicos, mostrou-se eficiente no combate a várias formas de cepas patogênicas da pele, conhecidos como dermatófitos, e contra várias espécies de Candida.

Zinco pode ser usado para tratar resfriados Tomar zinco em forma de xarope ou comprimidos pode diminuir a gravidade e a duração dos resfriados comuns, afirma um estudo científico. A administração de zinco até um dia depois do início dos sintomas do resfriado acelera a recuperação. Os autores do estudo afirmam que o zinco pode encobrir os vírus do resfriado e impedi-los de entrar no organismo por meio da mucosa do nariz. O zinco também aparentemente impede o vírus de se duplicar, pelo menos nos testes de laboratório, além de auxiliar o sistema imunológico e reduzir as reações desagradáveis do corpo à infecção.

No entanto, o artigo afirma que o zinco não pode ser usado no longo prazo, devido ao risco de intoxicação. Grandes quantidades da substância podem causar náusea, vômitos, dores abdominais e diarreia.


Doenças D enças podem estar relacionadas ao estresse De acordo com especialista, enquanto as pessoas não encontrarem uma fórmula de viver melhor, com mais qualidade de vida, a tendência é que as doenças continuem surgindo cada vez num maior número e em pessoas mais jovens

De acordo com o médico oncologista, todo esse bombardeio sobre o organismo, sobre as células têm um preço - de que as pessoas adoeçam antes e se tornem doentes mais graves. "Esse desequilíbrio do mundo contemporâneo nos cobra esse preço sobre a nossa saúde e é por isso que quando falamos da questão da manutenção de saúde, temos que falar em tratar as doenças e possibilitar que as pessoas continuem vivendo em equilíbrio", ressalta, destacando que o grande desafio do

mundo moderno é descobrir como viver melhor, em equilíbrio, como encontrar tempo para cuidar das questões pessoais. "Enquanto nós não encontrarmos essa fórmula de viver melhor, com mais qualidade de vida, infelizmente, a tendência é que as doenças continuem surgindo cada vez num maior número e em pessoas mais jovens", alerta. Segundo Franke, o câncer em pacientes afeta cada vez mais jovens e de uma forma muito mais agressiva. "A maneira que

temos de lutar contra esta doença é desenvolvendo novas medicações que possam atingir este tumor com mais eficácia e com menos efeitos colaterais para os pacientes", explica, destacando que isso só é possível com o uso de drogas inteligentes. Segundo ele, é importante deixar um pouco a quimioterapia convencional mais agressiva de lado e se utilizar da tecnologia da biologia molecular para que o remédio atue mais diretamen-

Coordenador do Cacom Hospital de Caridade de Ijuí, Fábio Franke

O

desequilíbrio na maneira de viver pode ser uma das principais causas para o aumento na incidência de câncer entre jovens. A afirmação é do coordenador do Cacom Hospital de Caridade de Ijuí, Fábio Franke. "Hoje vivemos num mundo em constante ebulição. Se vê o desequilíbrio da natureza, como terremotos, excesso de chuvas, seca em alguns lugares. Nosso corpo sofre com isso. As pessoas estão cada vez mais sofrendo de depressão, sem tempo para cuidar da sua alimentação, para a prática de esportes, sem tempo para a saúde, se alimentando mal, vivendo mal, com muita ansiedade, desenvolvendo novas síndromes, como a síndrome do pânico, que há pouco tempo não se ouvia falar e que hoje é tão comum", destaca.

O câncer em pacientes afeta cada vez mais jovens e de uma forma muito mais agressiva, devido ao desequilíbrio na maneira de viver

te sobre o núcleo da célula com câncer e não atinja a célula normal. Na área de tratamento do câncer a perspectiva é de que 20 novos tratamentos para o câncer em protocolo de pesquisa sejam iniciados em 2011. O médico Fábio Franke ressalta a importância dos protocolos de pesquisa. "As medicações são extremamente caras e envolvem um investimento alto em tecnologia. Então, eles possibilitam usar essas drogas em primeira mão e temos, dentro do nosso arsenal terapêutico a possibilidade de contar com medicações realmente eficazes e importantes", enfatiza Franke, destacando que esses protocolos de pesquisa possibilitam a utilização da tecnologia a favor dos pacientes em primeira mão.

Uma a cada nove mulheres gaúchas desenvolvem câncer de mama Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer, o câncer de mama é provavelmente o mais temido pelas mulheres, devido à sua alta frequência e, sobretudo, pelos seus efeitos psicológicos, que afetam a percepção da sexualidade e a própria imagem pessoal. No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa mortes entre as mulheres. As estatísticas indicam o aumento de sua frequência tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas décadas de 1960 e 1970 registrou-se um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência ajustadas por idade nos Registros de Câncer de Base Populacional de diversos continentes. De acordo com o médico

oncologista Fábio Franke, uma a cada uma a cada nove mulheres gaúchas vai ter câncer de mama no decorrer de sua vida. Por isso, ele destaca que o diagnóstico precoce é fundamental. "É importante que se diagnostique no estágio inicial e tem uma probabilidade de cura que ultrapassa os 80%",

garante, salientando que a partir dos 40 anos é importante fazer a mamografia a cada ano. A alta incidência de câncer, exige um cuidado muito especial. "Por isso que mais uma vez é importante frisar: prevenção, prevenção, prevenção, diagnóstico precoce sempre", ressalta o médico.

Novidades do Cacon para 2011

É fundamental que o diagnóstico do câncer de mama seja feito no estágio inicial da doença

Neste ano, na área de oncologia do HCI, a perspectiva é de conclusão do prédio para instalação da medicina nuclear, possibilitando os exames e tratamentos de cintilografia. De acordo com o médico Fábio Franke, isso é um sonho antigo e que hoje faz muita falta ao Cacon. Também para este ano, o centro espera a liberação da verba para um novo acelerador linear. Além do mais, o projeto de ampliação do Cacon, da capacidade física de atendimento, deverá se concretizar em breve.


Alimentos podem influenciar o humor Especialista afirma que a alimentação pode interferir no estado de espírito

M

uitas pessoas acreditam que o nosso humor é influenciado unicamente por fatores ambientais, como os locais que frequentamos, as pessoas com quem trabalhamos ou os níveis de estresse aos quais estamos expostos. No entanto, segundo especialistas, a alimentação também tem influência direta sobre o nosso humor. Especialistas explicam que determinados alimentos possuem substâncias que, se não são capazes de anular todos os fatores que influenciam negativamente no humor, podem, ao menos, diminuir a vulnerabilidade. A dica é colocar na dieta alimentos que estimulam o funcionamento do sistema nervoso. Eles podem ajudar a diminuir a irritação e espantar a tristeza. Confirma alguns alimentos que podem ter influência positiva sob o humor. Alface - Ótima para amenizar a irritação. O talo dessa planta tem lactucina, substância que funciona como calmante. Além disso, ela é rica em fosfato. A falta deste elemento no organismo pode causar depressão, confusão mental e aumenta a sensação de cansaço.

magnésio e biotina. Além disso, por possuir vitamina B6, que produz energia no organismo, pode influenciar na nossa disposição para cumprir tarefas do dia a dia.

B, que ajudam a estabilizar a pressão e garantem o bom funcionamento do sistema nervoso.

Mel - Estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bemestar. Frutos do mar - Possuem zinco e selênio que agem no cérebro, diminuindo a sensação de cansaço e ansiedade. Também são boas fontes de proteína e gordura saudável (ômega3), essenciais para o bom funcionamento do coração. Espinafre - A verdura contém potássio e ácido fólico, que previnem a depressão. Além disso, o espinafre tem magnésio, fosfato e vitaminas A, C e do complexo

Laranja - Rica em vitamina C, cálcio e vitaminas do complexo B, a laranja ajuda o sistema nervoso a trabalhar adequadamente. O cálcio, presente na sua composição, é relaxante muscular e combate o estresse. É também uma fruta energética, hidratante e previne a fadiga. Ovos - Os nutrientes do ovo que garantem o bom humor são a tiamina e a niacina (vitaminas do complexo B), ácido fólico e acetilcolina. A carência deles pode causar apatia, ansiedade e até perda de memória. Uvas - Fonte de vitaminas do complexo B, que auxiliam o funcionamento do sistema nervoso. A vitamina C e os flavonoides da uva são antioxidantes, que retardam o envelhecimento da pele e ajudam a combater o colesterol. Além disso, é energética.

Banana - Esta fruta diminui a ansiedade e ajuda a garantir um sono tranquilo. Tem estas virtudes por ser rica em carboidratos, potássio,

Centro de Especialidades do HCI oferece serviço de laserterapia para pacientes do Cacon A dor causada por lesões de mucosites bucais (inflamações da mucos bucal) podem ser suficientemente intensa, necessitando de altas doses de analgésicos opióides e nutrição parenteral. Disso decorre o atraso no tratamento do câncer, pela redução forçada dos agentes antineoplásicos. A qualidade de vida do paciente é afetada, além de prolongar o tempo de internação, aumentando os custos do tratamento oncológico. Amucosite é frequentemente associada com náusea, vômito, diarreia e dor, e, consideravelmente, reduz o conforto e a sensação de bem-estar dos pacientes, levando a distúrbios de sono, anorexia e perda de peso. Aincidência da mucosite bucal varia dependendo do tipo de terapia contra o câncer e afeta aproximadamente 40% dos pacientes submetidos à quimioterapia padrão, 75% dos que estão recebendo altas doses de quimioterapia, 80% dos submetidos a transplantes de medula óssea e 100%

dos pacientes que estão recebendo radioterapia para o câncer localizado na cabeça e pescoço. O laser de baixa intensidade apresenta três principais efeitos: analgésico, anti-inflamatório e cicatrizante. É indicado para o tratamento das lesões de mucosites bucais. As aplicações de laser atrasam o tempo de estabelecimento das lesões, atenuam a severidade dos picos de dor, encurtam a duração das mucosite bucal, reduzem a incidência e a duração das administrações de morfina, além de diminuir os custos do tratamento, pois diminui a ocorrência de internações. Além do uso nos pacientes do Cacon, também é utilizado em outros casos, porque o laser atua no próprio organismo da pessoa, estimulando a liberação de substâncias próprias do corpo de forma terapêutica. Ele age de forma anti-inflamatória, analgésica e biomoduladora e atua nas: • Aftas;

•Auxilia no tratamento periodontal; • Biomodulação óssea e tecidual: após ortodontia, cirurgia ortognática,colocação de implantes; • Dor na ATM; • Dores nos músculos da face; • Hipersensibilidade dentinária; • Feridas bucais; • Mucosite após tratamento quimioterapêutico ou radioterapêutico para câncer; • Nevralgia (dor causada por estimulação do nervo); • Paralisia facial; •Parestesia (ausência ou redução de sensibilidade na língua, gengiva e/ou face); • Pós-operatório cirúrgico; • Prevenção de herpes labial; •Terapia fotodinâmica (PDT) para redução microbiana; • Trismo; • Xerostomia (sensação de boca seca) e também para clareamento dental.


az: Dr.. Juliano Grimm V Vaz: Consultório Dr qualidade em saúde dental Ronco pode ser sinal de apneia sidade e a característica do distúrbio do sono. "Há o tratamento com um aparelho elétrico utilizado para dormir - Cpap - que consiste numa pequena máquina, semelhante a um compressor de ar, que fornece, de maneira contínua, um fluxo de ar para o paciente através de uma máscara. Para casos mais graves, há o tratamento cirúrgico e ainda o tratamento por meio de aparelhos bucais", explica, acrescentando que aproximadamente 80% de pessoas póstratadas diminuíram a intensidade do distúrbio e melhoraram o sono. O aparelho ortodôntico intrabucal A qualidade do sono influencia promove um avanço mandibular gramuito na vida diária. Noites sem dordativo e aumenta a atividade dos mir podem acarretar diversos promúsculos genioglosso e pterigóideos blemas na saúde como obesidade, laterais, transmitindo tensões à musrugas, problemas cardíacos e respiculatura supra e infra-hioidea que, ratórios, baixo rendimento mental e por consequência, irá proporcionar físico, além de algumas consequêncium posicionamento ântero-superior associais. A pessoa que sofre de insôdo osso hióide em relação à coluna nia não consegue dominar o cansaço cervical e ampliará as dimensões do e obter o descanso necessário para conduto faríngeo. "O tratamento com desenvolver suas atividades diárias oaparelho ortodôntico é feito conforcom a funcionalidade saudável do me a estrutura bucal de cada pacienorganismo. te e, gradativamente, o paciente vai Entre os distúrbios do sono mais se acostumando com o aparelho. Além frequentes, encontramos a SAOS disso, é muito simples utilizar (Síndrome da Apneia Obso aparelho para o tratamento trutiva do Sono), que ocorda apneia, sendo que o pacienre durante o sono e é cate mesmo pode colocar e retiracterizada por episódios rar o mesmo", garante o esperepetitivos de apneia. Norcialista. malmente, na faixa de 90 Assim, se você apresenta sia95% das pessoas que ronnais e sintomas característicos cam com respiração ruidode apneia, recomenda-se prosa, com roncopatia, são curar seu médico ou seu ortoportadores de Apneia Obsdontista que lhe orientará trutiva do Sono. quanto a melhor forma de diA apneia caracteriza-se agnosticar e tratar desse propela parada total de pasblema. sagem do fluxo aéreo por O dentista Carlos Alberto 10 segundos ou mais. Muitas vezes considerado ino- O tratamento com o aparelho ortodôntico é feito Thomé atende no Consultório do Dr Juliano Grimm Vaz. fensivo, o ronco é um sinal conforme a estrutura bucal de cada paciente

Você ronca? Se sua resposta foi afirmativa, saiba que você pode estar sofrendo de um distúrbio chamado de SAOS - Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono

indireto da doença, podendo evoluir para casos sérios de apneia. Os distúrbios do sono atingem aproximadamente 30% da população. O principal exame para diagnóstico e avaliação da qualidade do sono é a polissonografia, que é realizada em um laboratório de sono sob a supervisão de técnico ou enfermeiro treinado para este fim. O paciente deve dormir com sensores fixados no corpo que permitem o registro do sono. Os sensores (ou eletrodos) são fixados de maneira a permitir ao paciente movimentar-se durante o exame, não atrapalhando assim o sono. Tratamento A apneia é uma situação complexa que muitas vezes requer uma interrelação de várias áreas médicas, tanto no diagnóstico quanto no tratamento. Por isso, a relação entre neurologistas, otorrinolaringologistas e ortodontistas é muito importante para uma melhor elucidação da apneia e um tratamento mais eficaz. Conforme o dentista Carlos Alberto Thomé, especialista em ortodontia, há diversas formas de tratamento, que variam de acordo com a inten-

Clareamento bucal deve ser feito por profissional A busca por clareamento aumenta por volta de 30%, todo ano, no Brasil. Porém, sem acompanhamento do cirurgião-dentista, a busca pela solução pode ser como sair com um incômodo e voltar com dois diferentes: inflamações na gengiva e dentes sensíveis. Apesar da crescente procura nos consultórios, local adequado para o procedimento, ainda há grande aposta em métodos inapropriados, como os kits de clareamento dental, comercializados livremente. São mais práticos e acessíveis, mas nem sempre oferecem a garantia necessária. O clareamento sem orientação de um cirurgiãodentista pode gerar danos como inflamação na gengiva e hipersensibilidade dos dentes. Além desses

problemas, a estética também pode sofrer influência. Por isso, é importante a procura de um cirurgião-dentista para a realização do tratamento. Atualmente, utiliza-se o clareamento dental a laser - um tratamento moderno, rápido e eficiente, que não dói, é seguro e apresenta o maior custo-benefício em relação

ao tratamento tradicional. O grau de clareamento varia de acordo com características pessoais, como idade, integridade e tonalidade dos dentes, causa do escurecimento, entre outros. Manchas acinzentadas e idade avançada são as maiores dificuldades. O resultado também depende da manutenção, que muitas vezes exige alguma mudança de hábito, como diminuição do uso de substância que provoque o escurecimento e, para os fumantes, a melhor opção é mesmo o final do vício do cigarro.

É importante a procura de um cirurgião-dentista para a realização do tratamento

Cerca de 90 a 95% das pessoas que roncam com respiração ruidosa são portadores de Apneia Obstrutiva do Sono


○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Em termos. Garantir, não, mas pode ajudar bastante. Na inseminação intrauterina, como também é chamada, especialistas preparam o esperma em laboratório e depois o injetam na vagina. Aqui o que se pode fazer é uma seleção de esperma para coletar mais gametas masculinos do que femininos, ou vice-versa. Nesse caso, a chance de sucesso pode chegar a 70%. Há técnicas ainda mais novas, como a citometria de fluxo, em fase experimental, que aumenta a precisão da escolha de espermatozóides. Porém, como são usados corantes, apesar de atingir 90% de certeza do sexo, os pesquisadores acreditam que ainda não há segurança para aplicá-la no dia a dia das clínicas de reprodução humana. A fertilização in vitro oferece 100% de garantia na escolha do sexo do bebê Verdade. A sexagem, como é chamada a escolha do sexo da criança, tornou-se uma realidade nas clínicas de reprodução humana assistida. Depois da fertilização in vitro, em que a fecundação do espermatozóide no óvulo ocorre em laboratório, os especialistas conseguem identificar os embriões masculinos e femininos e só depositam os representantes de uma categoria ou outra no útero da mulher, conforme o que for decidido. Mas, no Brasil, os médicos só têm autorização do Conselho Federal de Medicina para utilizar esse método se houver risco de a criança desenvolver uma doença determinada pelo sexo, como hemofilia e daltonismo. Caso contrário, há uma taxativa proibição, sob pena de sanções éticas.

Os espermatozóides é que determinam o sexo do bebê Verdade. O espermatozóide é a célula sexual, ou gameta, do homem. Ele fecunda o óvulo da mulher e nesse processo define o sexo do bebê. Isso acontece por causa do chamado cromossomo, que carrega toda a informação genética de cada um de nós, como cor dos olhos, dos cabelos, tipo de pele, etc. Os óvulos possuem apenas o cromossomo X, enquanto os espermatozoides podem ter cromossomo X ou Y. O cruzamento XX resulta em um embrião feminino, e o XY, em um masculino. Por isso, pode-se dizer que há espermatozoides masculinos, os que carregam o cromossomo Y, e femininos, os que carregam o X. Fazer sexo durante a lua cheia favorece o nascimento de uma menina Mito. Não há o que justifique essa crendice popular. Até onde se sabe, pelo menos nos meios científicos, não há relação entre o sexo do bebê e o satélite natural da Terra. Ter relação próxima da data da ovulação POTENCIALIZA as chances de vir um m en e n in o Verdade. O espermatozóide masculino, mais conhecido como Y, é mais rápido e menos resistente ao ambiente vaginal do que o feminino, também chamado X. Portanto, há fundamento na afirmação de que eles vão chegar

primeiro ao óvulo se a relação sexual acontecer em um horário próximo daquele em que acontece a ovulação. Nesse caso, o segredo é saber o momento exato da ovulação. Isso é possível por meio de exames como o ultrassom e também pela temperatura basal da mulher. Mas essa técnica não oferece garantias, apenas aumenta as esperanças de ter um menino. Fazer sexo dois dias antes da ovulação ajuda no nascimento de menina Em termos. Existe fundamento nessa teoria, mas não é uma garantia. O espermatozóide, por assim dizer, feminino , ou X, tem uma maior sobrevida no corpo da mulher do que o masculino, ou Y. Por isso tem um potencial de fecundação de 48 horas. Ou seja, ele prevalece na disputa com o masculino, que chega primeiro, mas não encontra o óvulo e acaba morrendo antes do tempo. Nesse caso, é preciso identificar o momento exato da fecundação com exames de ultrassom ou monitoramento da temperatura basal para saber o dia da relação. Permanecer deitada após a relação aumenta a chance de vir um menino Mito. Quem apregoa essa técnica diz que o espermatozóide com o cromosso Y, por ser mais rápido, beneficia-se da posição horizontal do corpo da mulher, mas isso não interfere no seu deslocamento. Uma vez instalado, ele vai ter o mesmo comportamento, mesmo que a pessoa esteja em pé ou deitada. A inseminação artificial pode garantir a escolha do sexo do filho

Os mitos e as verdades sobre o sexo do bebê

A partir do momento em que haja a consciência do outro, a criança já pode ir à escola, pelo menos por meio período

Menino ou menina?

As vantagens e desvantagens da gravidez após os 35 anos Especialistas afirmam: as chances de engravidar naturalmente diminuem com o avanço da idade. Por outro lado, maturidade emocional e estabilidade financeira são atrativos para as mulheres postergarem a maternidade. Mas, afinal, vale a pena adiar o sonho de ser mãe? Por que a mulher moderna tem postergado a maternidade? Existem vários motivos. Além da preocupação em solidificar a carreira, muitas querem continuar tendo mais tempo para curtir amigos, viagens ou, simplesmente, encontrar o companheiro ideal. Essa demora intencional, no entanto, pode se tornar uma barreira ao sonho de ser mãe, mesmo com os avanços da medicina e as novas técnicas de reprodução assistida. Especialistas afirmam que os primeiros óvulos que eclodem na juventude são os melhores. Já a partir dos 35 anos, sua qualidade cai significativamente. Para compreender como os anos pesam para o organismo feminino, basta saber que, passada a barreira dos 40, as chances de engravidar natu-

ralmente giram em torno de 5% ao mês. Isso é o equivalente a um quarto das possibilidades de sucesso que existem antes dos 35 anos, quando a cada mês há 20% de chances de ocorrer a concepção. Dos 35 aos 40, essa probabilidade cai para 10%. E, apesar de muita gente acreditar que a medicina reprodutiva seja a solução definitiva, as coisas não são tão simples assim. É certo que os métodos artificiais de fertilização aumentam bastante a possibilidade de a mulher gerar um filho, mas existem limitações, sim. Estudos apontam que a taxa média de gravidez após tratamentos de reprodução assistida para quem chegou aos 35 anos é de 36% a cada tentativa. Essa taxa decresce anualmente, atingindo 20% aos 40, e 10% a partir dos 44 anos.


Como acabar com o medo de seu filho Medo é um sentimento comum a qualquer pessoa. É ele que acende a luz de alerta quando nos sentimos ameaçados e nos faz ter cuidado redobrado. Com seu filho não é diferente. A falta de medo pode expor a criança a riscos, mas o temor em excesso pode fazê-la sofrer

O

medo é um sentimento que proporciona um estado de alerta de monstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. Para a psicóloga Marcia Baiocchi Amaral, o medo, de uma certa forma, é natural e necessário à manutenção da vida, pois serve para proteger, é um alerta. "É natural e esperado que as crianças sintam medo. Ele é um alerta de que algo ameaçador pode acontecer e evita que o ser humano corra riscos desnecessários. A ausência dele, em certas idades, é até preocupante: se uma criança não

para facilitar este processo ou ainda para transformá-lo em um trauma difícil de superar. Segundo a psicologia do desenvolvimento, existem alguns medos específicos para cada faixa etária. No entanto, de acordo com Marcia, há outros que fazem parte da história individual de cada um, principalmente crianças que passaram por alguma perda ou algum trauma. "Mas, de Segundo especialistas, é natural e esperado que as crianças sintam medo uma forma geral, estes medos estão reladesenvolve o medo instintivo de altura, cionados com próprio processo de desenpor exemplo, pode engatinhar até a beira volvimento da criança, com os processos da cama ou do sofá e cair", explica. pelos quais passa, como separação da De acordo com a psicóloga, entre os três mãe, situação edípica ou entrada na escoe os cinco anos as crianças estão no auge la", observa a psicóloga, acrescentando natural dos temores. "O medo de trovão, que estes medos tendem a passar conforme do escuro, de monstros ou de dormir a criança vai amadurecendo. "Cabe aos sozinho são naturais e devem passar con- pais darem apoio, dialogar, desmistificar forme a criança cresce e amadurece emo- fantasias e passarem segurança aos filhos, cionalmente", destaca a psicóloga, salien- para que passem essas etapas do ciclo de tando que o papel dos pais é fundamental vida naturalmente", enfatiza.

Como fazer para amenizar o medo das crianças Os pais na maioria das vezes conseguem fazer com que seus filhos superem seus medos. "Para a criança de pouca idade, os pais são criaturas poderosas e a segurança de seus braços afasta muitos perigos reais ou imaginários. Contudo, às vezes, eles têm atitudes inadequadas, como forçar a criança a encarar coisas que tem medo, como por exemplo, forçar a criança que tem medo de água a entrar no mar, ou a que teme animais a passar a mão em um cachorro", explica a psicóloga destacando que isso pode transformar um temor moderado, provavelmente passageiro, em experiência aterradora, capaz de transformar numa fobia duradoura. Marcia ainda salienta para outra questão, que deve sempre ser evitada. "Punir a criança por ter medo. Isso não é uma coisa que ela sente propositalmente e só irá piorar a situação e afetar a sua autoestima. Estudos mostram que crianças muito punidas pelos pais tendem a ser mais ansiosas e agressivas, principalmente quando necessitam de seu apoio. Também apresentam maior índice de pesadelos e, estaticamente, mais temores", ressalta. Para ajudar os filhos respeito e apoio são importantes, aconselha a psicóloga.

Segundo ela, ao lidar com os medos do seu filho, os pais precisam ter coerência. "Não pode dizer que o 'Homem do Saco' não existe quando a criança chora à noite, mas na manhã seguinte falar em alto e bom som que o mesmo 'Homem do Saco' vem pegá-la se ela não comer toda a comida. Compreensão também é essencial. Mostrar que é normal sentir medo e que todo mundo tem os seus, inclusive você", recomenda a psicóloga. Conforme Marcia, os pai precisam dialogar e ter paciência com os filhos, tentando identificar quais os medos dos filhos e suas razões. "Desde que os pais demonstrem segurança, embarcar na fantasia também pode ser uma opção - amenizar o medo infantil usando a própria imaginação da criança como antídoto pode ser uma boa saída”, indica a psicóloga, destacando que também é possível que os pais leiam livros infantis com histórias de monstros que são vencidos por um herói ou os tradicionais contos de fadas, em que sempre há o lado ruim da história e o lado bom e corajoso. Medo natural x Fobia permanente A linha que separa um medo natural de uma fobia permanente varia de criança para criança, de acordo com a psicóloga Marcia. "O importante é observar mudanças bruscas de comportamento. Proble-

mas físicos recorrentes, mudança de humor ou desinteresse por atividades que anteriormente eram exercidas com prazer podem indicar que o temor passou dos limites", adverte. Nem sempre é possível, ainda que com o apoio dos pais, tranquilizar uma criança que está sofrendo com temores excessivos. "Nesse caso, é preciso procurar ajuda de um psicólogo. Quando o medo for intenso a ponto de gerar um sofrimento grande na criança, ou quando ela estiver perdendo contato social, escolar ou lúdico por causa dos medos", aconselha a psicóloga Marcia. Quando a rotina da casa e de seus moradores precisa ser modificada, também é hora de procurar ajuda. Conforme a psicóloga, se a criança precisa dormir com os pais todos os dias, passa a interferir no relacionamento do casal, isso é um claro sinal de que a solução não cabe mais somente a eles e que necessitam de intervenção profissional. Ainda segundo ela, quando a criança deixa de fazer passeios na escola, de participar de festas, não vai à casa de amiguinhos ou dos avós, por medo de dormir sozinho ou de se afastar de casa, é outro sinal de que o medo natural passou a patológico.

Os principais receios das crianças Segundo a psicologia do desenvolvimento, os principais medos em cada faixa etária são: - 0 aos 6 meses As reações de medo são relacionadas a ruídos fortes ou perda de segurança. - 7 aos 12 meses A criança pode começar a estranhar pessoas. Também surge o medo de altura. - 1 ano Aparece o medo da separação, manifestado quando ela se distancia dos pais. Também pode aparecer o medo de se machucar. - 2 anos A criança teme ruídos fortes, como o de aspirador de pó, ambulância, trovão; continua o medo da separação dos pais; ela estranha crianças e situações desconhecidas, como ter de entrar numa sala escura (como um cinema ou teatro). - 3 anos Surge o medo do escuro; continua o medo separação dos pais; ela se assusta com máscaras ou rostos cobertos (palhaço, pessoas fantasiadas). - 4 anos A criança pode desenvolver medo de animais e de ruídos noturnos. - 5 anos Surgem os medos de "pessoas más" (ladrão, Homem do Saco). - 6 anos A fase é dos medos fantásticos: fantasma, bruxa, Bicho Papão. Também costumam aparecer o medo de dormir sozinho e da morte.

Psicóloga Marcia Baiocchi Amaral


Os benefícios do body pump Uma das maiores revoluções do Fitness mundial, o body pump conquistou mais de 70 países e o coração de milhões de praticantes, através do treinamento de força, resistência, melhora da postura e a desejada definição muscular que essa aula proporciona

E

magrecer, baixar o colesterol, tonificar os músculos, prevenir a osteoporose... Estes são apenas alguns dos benefícios do body pump, que nasceu em Auckland, na Nova Zelândia. O conceito foi criado por Phillips Mills e uma equipa de coreógrafos em 1990, com o objetivo de atrair os homens para fora das superlotadas salas de musculação e para dentro das salas de aeróbica. Longas experiências ao longo dos anos desenvolveram a estrutura das aulas e a sua técnica levando ao body pump de hoje. As pessoas aderiram bastante incluindo as mulheres, que anterior-

Os exercício do budy pump levam a um corpo magro e bem tonificado

mente só praticavam aeróbica e os homens, que procuravam um desafio atlético. O que é o Body pump - É uma aula de 45-60 minutos sem impacto e feita para dar ao seu corpo um treino completo, usando barras e pesos ao som da música aula, dada para um grupo de pessoas por um instrutor qualificado. A aula começa pelo aquecimento geral do corpo todo e em seguida trabalha-se cada músculo do corpo específico, acabando por trabalhar o corpo inteiro. Toda a aula é baseada na técnica de levantamento de pesos, usando de moderados e altas repetições para poder tonificar bem os músculos sem o uso de grandes cargas. Todo este exercício leva a um corpo magro e bem tonificado. São realizados exercícios de pernas, quadríceps e glúteos. Depois o peito, em seguida as costas, os braços e por fim os ombros e volta-se ao princípio, repetindo. No fim do treino, são feitos abdominais, os alongamentos e o respectivo relaxamento. Os alongamentos são muito importantes, pois servem para preparar os músculos e as articulações dando mais elasticidade aos

tendões e as fibras musculares e com isso evita-se muitas lesões e ganha-se mais flexibilidade. Os benefícios do body pump O mais atrativo do body pump é que os seus resultados são rápidos, é um desporto alegre, é feito em grupo, tornando-o mais agradável. Mas, para além destes benefícios ainda há outros: melhora a postura, a força, a resistência muscular localizada, auxilia a queima de gordura e previne contra a osteoporose. Resultados O body pump visa trabalhar dois sistemas do nosso corpo: o sistema aeróbico, que usa oxigênio para queimar gordura e hidratos de carbono, além do sistema anaeróbico que atua quando há treinos com grande intensidade, o que permite aos músculos trabalhar mais em menos espaço de tempo. Como os músculos são responsáveis pela combustão energética, quanto mais ativo for o nosso tecido muscular, mais calorias queimamos. O treino feito nas aulas de body pump faz com que o metabolismo aumente bastante e os resultados obtidos são significantes.

Estudo mostra que pensamento negativo faz mal à saúde Um estudo realizado pela Universidade de Oxford e outras três instituições europeias mostrou que o pensamento negativo pode ter consequências nocivas. Os ci-

entistas reuniram 22 voluntários para uma bateria de exames. No laboratório, sem que os envolvidos soubessem, manipularam suas expectativas em relação à

dor. res, arritmia e taAcomodados em quicardia - são um aparelho de resmaiores. Pelo mesonância magnética, nos 94% dos entrecom tubos intravevistados disseram nosos nos braços, os sofrer com alguma participantes foram preocupação crôexpostos a uma dor nica, 83% apresenfísica, provocada taram sintomas de por uma fonte de ansiedade e 79% de calor. Pela corrente angústia. sanguínea, passaEspecialistas afirram a receber um mam que, sempre analgésico potente. que uma pessoa crê Em determinado que algo vai dar momento, ficaram errado e vive uma sabendo que o me- Pensamento negativo pode ter consequências nocivas situação de estresdicamento seria corse, um gatilho hortado repentinamente. Quando podem subestimar a influência monal é disparado no cérebro, e isso aconteceu, os relatos de sodas expectativas negativas que os substâncias como cortisol e adrefrimento aumentaram vertiginopacientes têm sobre o resultado nalina são liberadas. samente. Nada demais, não fosse de um tratamento. A conclusão Em pessoas saudáveis, essas um pequeno detalhe: eles contitambém reforça algo que outras descargas são comuns e até benénuavam medicados. O mais curipesquisas já vinham apontando. ficas. O problema é que, no caso oso é que, por meio de imagens Um levantamento desenvolvido dos pessimistas, passam a ser da atividade cerebral dos volunem 2010 pela International Stress contínuas. O resultado de cascatários, os estudiosos confirmaManagement Association (Isma- ta hormonal é a diminuição da ram que eles realmente sentiam o BR) revelou que, entre pessimis- capacidade de suportar a dor e o desconforto relatado. tas inveterados, as chances de enfraquecimento do sistema imuDe acordo com especialistas desenvolver moléstias - como pro- nológico, abrindo brechas a doisso mostra que os médicos não blemas gástricos, dores muscula- enças.


Jornal da Manhã