Issuu on Google+

Acidentes

cidade

O motorista Alex Silva contou, em participação na Rádio Metrópole, que já viu uma van quase se envolver em um acidente quando desviava de um buraco. “Por pouco, não capotou”, disse.

80% da verba Em Fortaleza (CE), 80% da verba de pavimentação já foi aplicada para tapar buracos. Segundo Jorge Soares, cidades mais organizadas consomem apenas 10% do recurso com as operações, o que significa que foi feita prevenção.

cidade@jornaldametropole.com.br

Salvador toda no buraco Asfalto de Salvador anda tão prejudicado que os buracos ganham nome e até já fazem aniversário REPRODUÇÃO GOOGLE MAPS

Águas Claras Cajazeiras

Baixa dos Sapateiros Fotos Manuela Cavadas Texto Clarissa Pacheco

clarissa.pacheco@jornaldametropole.com.br

“O NOME do buraco é Santa Maria”. Assim um morador de Cajazeiras apresentou um buraco de mais de um metro de diâmetro em uma das ruas que ligam Castelo Branco ao bairro. 6

Com a chuva, o Santa Maria virou uma poça d’água. E ele não é o único: em um raio de 50 metros, outras quatro crateras fazem companhia e obrigam motoristas e pedestres a fazerem um verdadeiro zigue-zague no asfalto, aumentando o risco de acidentes como colisões e atro-

Amaralina Mais cidade?

www.metro1.com.br/cidade

Pernambués pelamentos. O problema do asfalto esburacado em Salvador não é localizado. Uma volta pela cidade proporciona um ‘encontro’ com uma série de imperfeições nas vias: além dos buracos, há desníveis, elevações, quebra-molas formados pela erosão ou chuva.

Enquanto a população apelida a malha asfáltica da cidade de ‘sonrisal’, a Prefeitura investe em operações chamadas de tapa-buracos. Para muita gente, a solução não é essa. “Tem que fazer um check-up geral”, diz Geraldo Cerqueira, morador do bairro do Canela. Salvador, 24 de agosto de 2012


Sem fiscalização fi

cidade

O superinten superintendente da Transalvador, Renato Araújo, admitiu que 60 fotossensores que fiscalizam a velocidade estão desligados há nove meses. Segundo ele, licitação está em fase de homologação. uma nova lic

cidade@jornaldametropole.com.br

METROPRESS

Buracos fazem aniversário Embora as operações tapa-buracos — feitas durante o dia, o que complica o trânsito — aconteçam, há locais em que a buraqueira não recebe sequer a visita da Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop). É o caso do buraco ao

lado do ponto de ônibus do Campo da Pólvora. “Esse aí já vai completar três anos, nunca vi ninguém tapar. Quando chove, o pessoal sai do ponto, porque o ônibus passa e molha todo mundo”, conta a vendedora Maria

de Jesus Santos, há cinco anos trabalhando no local. O motorista de carreto Alex Silva reclama da situação na Estrada Velha do Aeroporto. “É um absurdo o que está acontecendo. Só vão recapear essa via quando acontecer uma tragédia”, conta.

“Em todo lugar tem buraco” Para o vendedor ambulante Geraldo Cerqueira, a situação dos buracos em Salvador piorou nos últimos dois anos. “Tem sempre operação tapa-buracos, mas eu acho que deveria ser feito um trabalho melhor, em todo lugar tem buraco”, afirma. De acordo com a Sucop, a malha viária de Salvador é antiga e, por isso, os buracos se formam com maior facilidade em época de chuva. O órgão afirma que é impossível prever quando e onde os problemas vão aparecer. Em nota, o órgão reconhece que não é recomendada a operação em época de chuva, mas afir-

ma que “o tapa-buraco é feito de forma emergencial durante esse período, buscando garantir o fluxo normal de veículos nas vias da capital”. Ainda em nota, a Sucop afirma que a operação é feita ininterruptamente durante o ano, conforme programação do órgão, e que o objetivo “é não deixar as ruas e avenidas prejudicadas por buracos, principalmente as que formam as bases de tráfego, por onde trafega a maior parte dos carros e ônibus que transportam a população”. Quando questionada, a Sucop não se posicionou se a ação era a melhor opção para o problema.

Para especialista, água é inimiga da pavimentação, mas há formas de fazer uma mistura que seja mais resistente

Falta gerenciamento Para o coordenador da Rede Asfalto Norte/Nordeste, Jorge Soares, a principal causa dos buracos é a falta de planejamento. “Dificilmente as prefeituras têm um programa de gerenciamento de pavimentação, um levantamento sistemático para verifi-

car o estado do pavimento e saber em que momento intervir”, diz. A recomendação é que a malha viária seja verificada anualmente. Ainda segundo o especialista, a operação tapa-buracos é importante, mas não deve consumir a maior

parte da verba de pavimentação. A Sucop disse que a produção própria do asfalto reduz os custos e “garante a qualidade do material, já que a usina conta com um laboratório responsável por testar o asfalto antes de seguir para as ruas”.

Na Rua Oswaldo Cruz, buraco deixa trânsito lento e põe motoristas em risco

.............................................................................................................................................................................................

estamoso que de olho rola

estamosdeolho@jornaldametropole.com.br DARIO GUIMARÃES

Arquivo Público O Arquivo Público da Bahia suspenderá o atendimento ao público externo na seção de Arquivos Colonial e Provincial entre os dias 3 e 14 de setembro. A área passará por serviços técnicos.

Mesmo nome A votação do projeto para mais uma mudança no nome do aeroporto de Salvador foi cancelada ainda na Comissão de Educação da Câmara. Os representantes afirmaram que a proposta tinha cunho eleitoral.

Liberou geral O governo ampliou as vagas para os aulões do Enem. Qualquer estudante que concluiu o Ensino Médio e se prepara para o Exame pode ir ao local das aulas portando RG, atestado de matrícula ou histórico. Salvador, 24 de agosto de 2012

7


Salvador toda no buraco