Issuu on Google+

política politica@jornaldametropole.com.br

Metrô ou VLT?

Consulta pública

Segundo Edson Luiz Nascimento, engenheiro do

Segundo a diretora de Mobilidade da Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur), Ana Cláudia Nascimento, a Comissão de Mobilidade “está elaborando o edital de licitação” que irá à consulta pública esse mês.

Crea-BA, seria o VLT o modelo a ser usado na Paralela, e não o metrô. “Mas se não existe projeto, pode ser chamado de qualquer coisa”, disse.

Metrô da Paralela ainda não tem projeto Embora o edital de licitação ainda não tenha sido publicado, governo promete início das obras para agosto Foto Geraldo Melo Texto Clarissa Pacheco

clarissa.pacheco@jornaldametropole.com.br

A ASSINATURA do convênio entre as prefeituras de Salvador e Lauro de Freitas e o governo do Estado da Bahia que oficializa o metrô na Av. Luis Viana Filho, a Paralela, está prestes a com-

pletar dois meses de vida, mas projeto, que é bom, nada. Nem licitação. Nem consulta pública. A chamada linha dois do metrô, que deve ter 22 km, ligar a Rótula do Abacaxi a Lauro e depois seguir até a Estação Pirajá, tem orçamento previsto de R$ 1,6 bilhões e deve ser executada por

Parceria Público-privada (PPP) . Tanta pressa na assinatura do acordo, em 20/1, parece não ter muita explicação além do medo de o Governo Federal saltar fora do projeto. Segundo o governador Jaques Wagner (PT), o resultado da licitação sairá em julho, e as obras ficarão

para o fim de agosto. Pela experiência com o trecho um, é difícil acreditar, mas Wagner promete a conclusão dos trabalhos no fim de seu mandato em 2014. Já o ex-secretário de Planejamento, Zezéu Ribeiro (PT), disse com todas as letras que o metrô não ficará pronto para a Copa

do Mundo. “Acho muito difícil que ele esteja funcionando até a Copa. Vamos envidar esforços nesse sentido. Eu espero que a obra civil esteja concluída, de maneira que não se tenha mais transtorno na circulação urbana”, disse, em entrevista a um portal de notícias de Salvador.

Trilhos da Avenida Paralela, uma das principais de Salvador, devem passar pelo canteiro central. Segundo engenheiro Edson Luiz Nascimento, há diversos obstáculos a serem vencidos

Não existe obra sem projeto O receio de que a lentidão das obras do trecho um se repita é corroborado por especialistas do setor. “Quem fala que 22 km po-

dem ficar prontos até 2014 é leigo. Um engenheiro sabe que não há prazo sem projeto”, observa o engenheiro civil Edson Luiz do Nascimen-

to, coordenador do Conselho de Transporte em Salvador pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (Crea-BA).

“O objetivo é melhorar o sistema viário” Mesmo sem acreditar na conclusão da obra até a Copa de 2014, o coordenador do Crea vê alternativas. “Podemos adaptar o que existe, e seria muito interessante um transporte de massa na Paralela”, avalia. Segundo ele, é possível concluir no máximo 5 km até 10

2013, mas não há chances de levar os trilhos até o aeroporto nesse prazo.

Diretora da Sedur diz que edital já está sendo elaborado

Ana Cláudia Nascimento confirmou os prazos propostos por Wagner. Segundo ela, o resultado da licitação sai 45 dias após a abertura do edital (sem data), a obra começa no segundo semestre e a conclusão permanece com prazo fixado no final de 2014. Aguardemos. Salvador, 09 de março de 2012


Metrô da Paralela ainda não tem projeto