Issuu on Google+

HUGO WOLVERINE FALA DA EXPECTATIVA PARA A SUA PRÓXIMA IMA LUTA NO UFC

pág. 14

JORNAL DA

12 OUT 12

ELIANA LIMA/DIVULGAÇÃO FOTOS EQUIPE METROPOLE

A nova temporada da Câmara Municipal de Salvador, com início previsto para janeiro do ano que vem, traz novos personagens e, além disso, uma mudança substancial nos seus protagonistas. Conheça os detalhes da nova produção do Poder Legislativo soteropolitano. Págs. 4 a 8

DIVULGAÇÃO


Quatro votos

ELEIÇÕES 2012

Em Itagi, a eleição para a prefeitura do município foi definida por apenas quatro votos. Railton (PT) recebeu 2.942 votos, enquanto seu rival, Dr. Olival (PDT) teve quatro votos a menos. O terceiro colocado na disputa, Padre João (PP) somou 2.435.

politica@jornaldametropole.com.br

Voto da revolução Eleitor provocou mudanças significativas na Câmara, que terá chegada de surpresas e saída de veteranos Fotos Equipe Metrópole Texto Equipe Metrópole

redacao@jornaldametropole.com.br

A PARTIR de 2013, a Câmara Municipal de Salvador ganha dois vereadores a mais. Os 43 novos ocupantes da Casa foram eleitos no último domingo (7) e o índice de renovação foi alto: 24 deles são novos e apenas 19 se reelegeram para continuar representando a população de Salvador. Além dos novos nomes, como o do ex-governador Waldir Pires (PT), Hilton Coelho (PSOL) e Soldado Prisco (PSDB), que vão compor os quadros da Câmara Municipal a partir do ano que vem, há outras mudanças: a bancada feminina foi reduzida de sete para cinco; líderes como Pedro Godinho (PMDB) e Téo Senna (PTC) ficaram de fora; e representantes da causa LGBT, como Vânia Galvão (PT) e Léo Kret (PR), também amargaram insucessos. Para o cientista político Paulo Fábio Dantas, a fragmentação resulta da instabilidade e desestruturação política dos últimos anos. “São 43 vereadores representados por 20 partidos”, diz. Para ele, no entanto, há nomes que devem se mostrar menos vulneráveis nos próximos quatro anos.

Mais política?

www.metro1.com.br/politica 4

Salvador, 12 de outubro de 2012


Apoio redondo Em Lauro de Freitas, na briga entre o deputado João Leão (PP) e a prefeita Moema Gramacho (PT), melhor para o deputado pepista. O candidato eleito na cidade foi Dr. Márcio, com 53% dos votos, enquanto o atual vice-prefeito João Oliveira somou 46%.

ELEIÇÕES 2012

Bancada é insuficiente

Para petista Marta Rodrigues, a cota feminina de 30% entre candidatos deveria valer também para as cadeiras: “A lei deveria ser mais ousada: se é 30% [de candidatas], deveria ser 30% para eleger também.”

Mulheres (I)

Mulheres (II)

A vereadora Marta Rodrigues (PT) obteve 5.048 votos, mas não conseguiu se reeleger. Para ela, a redução de sete para cinco mulheres na Casa é um retrocesso, reflexo da falta de igualdade: “As mulheres acabam não tendo um compromisso com o empoderamento do espaço político. Salvador é uma cidade feminina. A maioria da população de Salvador é constituída de mulheres”.

Uma das duas vereadoras reeleitas, ao lado de Tia Eron (PRB), Aladilce Souza (PCdoB) também considera a redução da bancada uma perda para a cidade. “O número de cadeiras aumentou, e nós tivemos uma perda numérica e proporcional. Teríamos que ter uma representação coerente com a cidade. A cidade perde, a democracia perde”, afirmou Aladilce.

Líder fora (I)

Líder fora (II)

A visibilidade de Téo Senna (PTC), líder do governo na Câmara Municipal de Salvador, não foi benéfica para o edil nas urnas. “Minha não reeleição foi devido ao não coeficiente eleitoral atingido pelo meu partido. Fui bem votado”, diz. Ele recebeu pouco mais de 7 mil votos. Já Vado Malassombrado (DEM), último a ser eleito, garantiu sua vaga com 4 mil votos.

O presidente da Câmara Municipal, Pedro Godinho (PMDB), também não conseguiu o número de votos suficiente para se reeleger. O coeficiente partidário deu apenas duas cadeiras ao PMDB e, mesmo tendo somado 6.671 votos, ele não garantiu uma cadeira na Casa. Godinho teve uma queda de mais de mil votos entre o pleito de 2008 e o de 2012.

Salvador, 12 de outubro de 2012

Mais um mandato Eleito pela sexta vez, Odiosvaldo Vigas (PDT) é um dos três vereadores que garantiram mais quatro anos na Câmara. Pedrinho Pepê (PMDB) e Alfredo Mangueira (PMDB) também estão na Casa há mais de 16 anos. Para Vigas, a reeleição é resultado do reconhecimento da população, aliado à fidelidade partidária e à definição de lado, com o trabalho com “educação, saúde e cultura”. 5


Sucessor de Caetano

ELEIÇÕES 2012 politica@jornaldametropole.com.br

A Prefeitura de Camaçari continuará com o PT. Depois do vídeo gravado pela presidente Dilma Rousseff e do apoio do prefeito Luiz Caetano, Ademar foi eleito com 49,42% dos votos válidos. Em segundo, Maurício de Tude (PTN) teve com 43,08% dos votos.

Pode, Waldir (I)

Pode, Waldir (II)

O ex-governador e ex-senador Waldir Pires (PT) aproveitou bem o nome e a carreira política que construiu ao longo de mais de 60 anos. Com uma campanha “muito modesta”, como ele mesmo caracteriza, o petista alcançou os 13 mil votos. “Foi uma coisa espontânea do nosso povo”, afirma. Waldir já visitou a Câmara e disse que a eleição foi “um presente”.

Waldir Pires lembrou do pouco tempo que teve na TV. “Tinha 20s e me habituei, ao longo da vida, a sempre dirigir-me dizendo: ‘Minhas amigas e meus amigos’. Fui falar só isso na TV e perdi 4s. É muito pouco para trocar ideias”, declara o petista, em seu habitual ritmo pausado de fala. Ele ainda disse que pretende levantar a discussão em torno do processo eleitoral.

Profissões Para 15 vereadores eleitos, o trabalho na Câmara Municipal não será novidade, já que eles já exerciam a profissão. A segunda profissão com maior número de edis na Casa será a de médico (6), seguida da de administrador (4). Entre os candidatos, havia profissionais de várias áreas, como astrônomo, chaveiro, locutores e detetive particular, dentre outros.

Renovação Para o cientista político Paulo Fábio Dantas, os números da renovação na Casa (24 novos edis, 53,65%), isoladamente, são pouco relevantes. “O que tem significado é o fato de este plantel novo da Câmara mostrar um conjunto de vereadores com posição política e sintonia partidária muito mais claras do que o elenco que temos hoje. Isso traz expectativas positivas”, afirma.

Identidade Segundo Paulo Fábio, pelo menos uma dezena dos vereadores tem capacidade de conduzir a Câmara com uma atuação efetiva, por conta da forte identidade política com seus partidos e do ativismo social. São exemplos Waldir Pires (PT), Fabíola Mansur (PSB) e Silvio Humberto (PSB). Para Dantas, Cláudio Tinoco e Leo Prates carregam a marca do DEM, que volta a ter representatividade.

Fenômeno (I)

Causa LGBT

Qual o segredo para triplicar o número de votos de uma campanha para outra? Essa é uma pergunta que o vereador Carlos Muniz (PTN) já deve estar cansado de responder. Segundo ele, um fator fundamental para ganhar mais votos foi ter se aproximado do povo. “O povo quer o político perto dele, nos bairros, tentando resolver os problemas”, afirma.

Com dois representantes pela causa LGBT na atual legislatura, a nova formação da Câmara não terá a mesma força. As vereadoras Vânia Galvão (PT) e Léo Kret (PR) tentaram, mas não foram reeleitas. Vida Bruno (PT) queria fazer sua estreia na Casa, mas também fracassou nas urnas: a militante LGBT conseguiu apenas 337 votos.

Fenômeno (II) A rotina do vereador Carlos Muniz (PTN) é voltada apenas para os trabalhos relacionados à política, segundo ele. O edil ainda compara a campanha de 2008 com a deste ano. “Não tinha a estrutura de hoje. Com o gabinete, atendo uma média de cem pessoas todas as quintas”, conta. Muniz diz que visita dois bairros por dia. 6

O mais votado da Câmara

Em 2008, o vereador Carlos Muniz (PTN) recebeu pouco mais de 6,5 mil votos. Neste ano, o número de votos dele chegou aos 16.949. “Se você observar, tive votação em todas as zonas eleitorais”, gaba-se.

Resistência O segundo candidato a vereador mais votado em Salvador, Hilton Coelho (PSOL), crê que os 16 mil votos conquistados foram resultado de um conjunto de fatores. Ele cita o debate que o PSOL participou em 2008 sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) na cidade e a personalidade da campanha de Hamilton Assis para a Prefeitura. “Temos uma coerência no discurso do nosso partido”, diz.

Resistência (II) Hilton Coelho, que marcou a campanha pela Prefeitura em 2008 com seu jingle repetido incessantemente, conta uma estratégia usada na campanha. “Fiz panfletagens em cinco pontos da cidade por dia, em média”, explica. Para ele, a população indicou a vontade de ver a Câmara Municipal renovada. “O sentimento das pessoas é de que é preciso mudar”, completa. Salvador, 12 de outubro de 2012


Ganhou, mas não levou Em Cruz das Almas, Dr. Jean (PMDB) foi o candidato mais votado. Apesar disso, perdeu a eleição, porque tem pendências com a Lei da Ficha Limpa. Assim, o TSE não computou os votos em seu nome. Por enquanto, Valtércio (PT) festeja. Ainda resta um recurso judicial para Dr. Jean.

DIVULGAÇÃO

Evangélicos O poder de convencimento das igrejas evangélicas anda cada vez maior. Dos dez candidatos mais votados para vereador, três são ou foram pastores: Tia Eron (PRB), Luiz Carlos (PRB) e Isnard Araújo (PR). Sem falar em Cátia Rodrigues (PMN), 13ª mais votada, e Heber Santana (PSC), 16º mais apoiado pelos eleitores de Salvador.

O chorão

Assombrando a Câmara

Não tem ninguém besta! A eleição de Vado Malassombrado (DEM) foi surpreendente, mas se explica: todo Natal, o agora vereador monta um trenó, veste-se de Papai Noel e sai distribuindo presentes na Cidade Baixa. Campanhas começam bem antes do período eleitoral...

Kátias em queda

REPRODUÇÃO

Elas já tiveram cargos importantes na Prefeitura de Salvador e no Governo da Bahia, mas, nessa eleição, Kátia Carmelo (PMDB) e Kátia Alves (DEM) não chegaram nem perto de voltar à vida pública. A ex-superintendente da Sucom e a ex-secretária de Segurança Pública do Estado tiveram, respectivamente, 771 e 3.602 votos. Pior que essas Kátias, só a candidata Kátia Animais (PMN), que conseguiu o apoio de só 248 eleitores.

Filhinhos (I) Kiki Bispo (PTN) é um dos três herdeiros que formam a nova “Família Câmara”. Aos 38 anos, chega para ocupar o lugar de painho, vereador Everaldo Bispo, que sai de cena. O trio de “filhinhos de papai” conta ainda com J. Carlos Filho (PT) e Duda Sanches (PSD), crias dos deputados estaduais J. Carlos e Alan Sanches. Salvador, 12 de outubro de 2012

Confiando nos 400 amigos do Facebook que lhe garantiram outros 20 apoios nas urnas cada, André Saback (PSB) se dava como eleito vereador. Teria 8 mil sufrágios, pelas suas contas. Mas, quando as urnas foram reveladas, surpresa: mixos 195 votos. Xingou muito na internet e ainda lançou a “OPERAÇÃO DELETE-SE DO MEU FACEBOOK JÁ”.

subcelebridades sem vaga Cinco ‘famosos’ tentaram — sem sucesso — uma cadeira na Câmara. E acabaram dançando. Veja:

Léo Kret

7.495 votos

Filhinhos (II) O mais votado do trio é o mais novinho. Ainda cheirando a leite, Duda Sanches (foto), 22 anos, será colega de parlamento de Waldir Pires, de 85. Seus 8.471 votos e a 19ª colocação no escrutínio chamam a atenção. Mas mais surpreendente que a entrada do novinho é a vitória do petista J. Carlos Filho sobre colegas do naipe de Vânia Galvão e Marta Rodrigues.

O voto da esculhambação, que elegeu a dançarina em 2008, não se manteve, apesar do trabalho até bom na Câmara. A vereadora foi a candidata mais votada dos não eleitos, mas tem poucas chances como suplente.

Reginaldo Holyfield

5.611 votos

Para alguém que sequer consegue falar com clareza, os 5.611 votos do ex-pugilista foram até muito. Agora, imaginem que beleza seria um discurso de Holy no plenário da Câmara...

Patrícia Nuno

Invasão de privacidade Nagib Daiha e Diogo Cunha, empresários de bandas e casas de show em Salvador, queriam usar seu poderio artístico para conseguir uma vaga na Câmara. Afoitos por uma vaga, até usaram do lamentável expediente de pedir votos por mensagens em SMS, usando — sem autorização — os contatos dos clientes de suas boates. A lição foi dada nas urnas: Daiha teve 806 votos. Diogo, 598.

DIVULGAÇÃO

ELEIÇÕES 2012

2.680 votos DIVULGAÇÃO

410 votos

Em sua primeira tentativa de chegar à Câmara, a delegada Patrícia Nuno (DEM), mais conhecida como “delegata”, não chegou nem perto de lamber uma vaga na Câmara. No seu pires, 2.680 apoios. O tiro saiu pela culatra.

Compadre Washington “Domingo ela não vai”, já previa o trecho do pagode. E, de fato, nem ela nem quase ninguém apoiou Compadre Washington (PSL) no último domingo. Com 410 votos, não rolou nem ânimo para entoar o “tchutchutchupá!”

Mulher-Maravilha

0 voto

Todos os votos, pelo visto, fugiram com o Superman. De candidatura indeferida, Cissa Chaggas (DEM) não salvou o apoio de seus 327 eleitores. Enquanto o recurso não é julgado, seu laço puxa a simbólica marca de zero voto. 7


Sargento reeleito

ELEIÇÕES 2012

Depois do mandato conturbado de Maria Maia, que foi cassada, a Prefeitura de Candeias será administrada pelo Sargento Francisco (PMDB). O peemedebista, que assumiu o cargo em junho, foi eleito no último domingo (7) com 40,50% dos votos válidos.

politica@jornaldametropole.com.br

boca-quente

por Erick Issa

REPRODUÇÃO

REPRODUÇÃO

DARIO GUIMARÃES

Obstrução de fora E lá se foi, com votação inexpressiva, o vereador Alcindo da Anunciação (PT). Responsável pela dor de cabeça de grande parte dos vereadores por conta da obstrução nas sessões, Alcindo não conseguiu se reeleger, mas fica na suplência torcendo por uma vitória de Pelegrino.

Presidência (II)

Presidência (I) Passada a eleição que definiu os 43 vereadores da Câmara Municipal de Salvador, já começa nos bastidores a movimentação para saber quem será o próximo presidente da Casa. Apostas não faltam, tanto do lado petista quanto do carlista. MANUELA CAVADAS

Vereador mais votado de Salvador, Carlos Muniz (PTN), partido do secretário municipal da Educação, João Carlos Bacelar, surge como nome forte para presidir a Câmara caso o democrata ACM Neto consiga vencer o segundo turno da eleição.

Presidência (III) Do lado petista, há quem diga que o vice-prefeito, Edvaldo Brito (PTB), eleito vereador com boa margem de votos, tenha o desejo de pleitear o cargo de presidente da Câmara. Mas há rumores de que o Partido dos Trabalhadores vai preferir um quadro próprio.

Suplentes

Perdas

Caso Pelegrino seja o novo prefeito e convoque quadros da chapa de vereadores da coligação PT-PP-PSD-PTB para secretarias, órgãos ou autarquias, Alcindo da Anunciação está apenas atrás de Vânia Galvão (PT) no quadro de suplentes.

A renovação de mais da metade dos vereadores de Salvador trouxe surpresas negativas. Muita gente boa, os que cumprem a verdadeira função de um vereador, que é fiscalizar os atos do prefeito, acabou de fora. É o caso das petistas Vânia Galvão e Marta Rodrigues.

Arrependimento A pergunta que não quer calar: será que Moema Gramacho (PT) está arrependida de ter bancado a candidatura de João Oliveira (PT) em Lauro de Freitas? A petista não conseguiu fazer o sucessor e devolveu o comando da cidade ao PP de João Leão. 8

MANUELA CAVADAS

Animais com moral Pelo visto, os humanos estão em baixa. Salvador elegeu DOIS candidatos cuja maior bandeira é a defesa dos animais. Ana Rita Tavares — a responsável pela presepada de se tirar os jegues da Lavagem do Bonfim — e Marcell Moraes — o defensor da natureza que tinha cavaletes de propaganda eleitoral na praia do Jardim dos Namorados — estarão na Câmara. Complicado, Salvador...

Nada da por esporte orte Os candidatos didatos da “ala esportiva” também não tiveram fôlego suficiente ciente para alcançar a linha de chegada na Câmara de Vereadores. ores. Milena Tudo Pelo Esportee (PSL), apesar da simpatia, teve apenas 323 adesões. O ex-atacante tacante do Bahia, Beijoca, fez pior: zerou a votação, ao ter o seu registro de candidatura atura indeferido (teria eria 1.554 votos).. Destes fracassados sados nas urnas, destaque estaque para Binha do Bahia (PRP), célebre torcedor tricolor que convenceu 1.592 ceu pessoass de que o seu diagnóstico agnóstico de doença mental não seria empecilho à sua atuação uação no legislativo municipal.

Trindade Trindad Ele começou a campanha se escondendo aatrás do nome do irmão, Ma Maurício Trindade (PR), e do depu deputado estadual Deraldo Dama Damasceno (PSL). Nas suas primeiras placas de propaganda, seu ro rosto nem aparecia. E não é que ‘pongar’ na identidade do iirmão deu certo? José Trinda Trindade foi o único vereador eleito pelo PSL.

Sistema bruto Sistem Mesmo sem concorrer a uma vaga na Câmara, Uziel Bueno (foto) deve eestar que é só alegria. O apresenalegri tador pode virar tad deputado estadudep al se ACM Neto levar a Prefeitura. Isso porq porque o democramanter João Carta pretende man como secretário de los Bacelar com Educação. Como o suplente de Luizinho Sobral, foi Bacelar, Luizin eleito prefeito de Irecê, Uziel herda a vaga. Salvador, 12 de outubro de 2012


Luz, Câmara, Ação