Page 1

cidade cidade@jornaldametropole.com.br

Verbas do PAC I e II

Toda a região prejudicada

Segundo moradores, a contenção da encosta da Ladeira do Cacau deve ser feita pela Conder. “A expectativa é de que a obra dure 24 meses, com verbas do PAC I e II”, conta o líder comunitárioDomingos Moreira.

O prejuízo pela interdição não é apenas dos comerciantes da Ladeira do Cacau. “Todo o comércio das imediações tem problemas”, explica Rogério Silva, outra liderança comunitária.

Ladeira abaixo Fechada há sete meses após deslizamento, Ladeira do Cacau é motivo de transtorno para moradores

Com o passar do tempo, a pista cedeu em direção à encosta. As rachaduras e a ação da chuva fizeram com que a pista desabasse sobre um barranco, que abriga construções irregulares

Fotos Darío Guimarães Texto Clarissa Pacheco

clarissa.pacheco@jornaldametropole.com.br

SE MUITA gente sofreu com as consequências da chuva nesta semana, o que dizer dos moradores de São Caetano e Largo do Tanque que sofrem, diariamente, com efeitos das chuvas de 2009? A tragédia – com direito a deslizamentos de terra, desabamentos, rachaduras em 10

paredes e acidentes de trânsito – já vinha sendo anunciada pelos moradores da Rua Engenheiro Austricliano (conhecida como Ladeira do Cacau), que liga os dois bairros, desde então, mas solução que é bom, nada. “A Prefeitura já se declarou incapaz de solucionar o problema”, afirmou o líder comunitário Domingos Dias Moreira. A reclamação tem motivo.

Desde a última chuva, parte da pista da Ladeira do Cacau cedeu sobre uma encosta.

Mais cidade?

www.metro1.com.br/cidade

Rachada, a pista vem se inclinando em direção a residências construídas de forma irregular. E o máximo que o poder público fez até então foi uma espécie de “barricada” para que a água não escorra para a encosta. O risco fez com que os moradores interditassem o local em outubro do ano passado. A interdição, mantida pela Defesa Civil de

Salvador (Codesal) devido ao risco de novos deslizamentos, transformou o local, primeira rua de acesso a Salvador para quem vinha da BR-324, em um deserto. “Não recolhe lixo, não vem caminhão de gás. É como viver num condomínio fechado, só que ao lado do perigo”, definiu o funcionário público federal Elias Romano, morador da região. Salvador, 25 de maio de 2012


Concurso suspenso As provas do concurso para o cargo de juiz substituto do Tribunal de Justiça da Bahia foram suspensas. A seleção iria ocorrer em 27/5, mas o concurso foi suspenso devido a problemas na organização. Segundo o Cespe, outra comissão especial para organização do certame já foi composta.

cidade cidade@jornaldametropole.com.br

Trânsito infernal

Riscos permanecem Segundo a Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop), falta verba municipal, o que dificulta a execução da obra. “Salvador, como qualquer outro município, não dispõe de recursos necessários diante desta demanda e solicitou ao governo federal”, afirmou o órgão em nota. Enquanto a licitação não é concluída, não é possível liberar a planilha de custo do serviço de contenção da encosta.

Paredes e muros de casas na Ladeira do Cacau acumulam rachaduras

Desde a interdição da Ladeira do Cacau, a Avenida Nestor Duarte, despreparada para receber o fluxo de veículos de mão dupla, engarrafa todos os dias. Os ônibus de Marechal Rondon e da Fazenda Grande do Retiro, um dos bairros mais populosos de Salvador, precisam passar por São Caetano, o que obriga os passageiros a enfrentarem longos congestionamentos. Com fluxo de veículos elevado na região, o número de

Salão de beleza fechou por conta da ausência de clientela na localidade

Com fluxo maior, Avenida Nestor Duarte enfrenta congestionamentos

acidentes também aumenta. No topo da Nestor Duarte, em um cruzamento para a Avenida San Martin e Fazenda Grande, não há sinaleira. Em frente a uma escola pública, nada de redutores de velocidade. “As batidas são frequentes, sempre tem acidente, atropelamento”, conta outra liderança Rogério Silva. Até o fechamento desta edição, a Transalvador não havia se posicionado em relação ao problema.

Prejuízos comerciais Antes do último deslizamento, parte da pista já estava interditada desde 2005. “Quando cedeu o restante, em 20 de outubro do ano passado, nós decidimos pela interdição geral”, explica o morador Camilo Souza Santos, 34 anos. Três empresas já visitaram a rua para fazer medições, mas a obra não saiu do lugar. Sem tráfego de veículos na ladeira, que contava com diversos pontos comerciais, muitos empreendedores faliram.

.............................................................................................................................................................................................

estamoso que de olho rola

estamosdeolho@jornaldametropole.com.br MANUELA CAVADAS

Aeroporto Foi assinado um contrato para a construção da nova torre de controle do Aeroporto Luís Eduardo Magalhães. No entanto, a obra só começa depois que a Ordem de Serviço for emitida. A previsão é que a obra de R$ 14,6 mi termine em dezembro de 2013.

Cartórios Uma audiência pública foi aprovada por unanimidade pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa para discutir a lei que privatizou os cartórios, aprovada em setembro de 2011. As queixas e reclamações foram os motivos da audiência.

Sem ônibus, sem sessão A greve dos rodoviários iniciada na quarta-feira (23) atrapalhou até a sessão na Câmara dos Vereadores. Os edis foram à casa, mas os assessores técnicos não conseguiram chegar ao local. Salvador, 25 de maio de 2012

11

Ladeira abaixo  

Matéria publicada no Jornal da Metrópole de 25.5.2012Texto: Clarissa PachecoFotos: Darío Guimarães

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you