Page 1

política

“O objetivo é reduzir os transtornos e engarrafamentos mentos gerados pela falta de estruturação das intervenções ões feitas pela concessionária na BR-324” O deputado Zé Neto (PT) entrou com outra representação no Ministério Público Federal (MPF) contra a Viabahia.

politica@jornaldametropole.com.br

Cidade dividida Praça de pedágio na Viabahia em Amélia Rodrigues causa transtorno a moradores e comerciantes Fotos Darío Guimarães Texto Clarissa Pacheco

clarissa.pacheco@jornaldametropole.com.br

AMÉLIA RODRIGUES, a 69 km de Salvador, está dividida ao meio. De um lado, o centro; do outro, escolas, postos de saúde, cemitério. No meio, a BR-324, com um guard-rail de 13 km que dificulta a travessia dos moradores. “Quem quer ir para lá tem que atravessar a pista no meio dos carros ou fazer o retorno a 6,5 km de distância”, explica o vereador Valter Martins (PSD), multado duas vezes pela ‘roubadinha’ no canteiro central. “Está errado, mas às vezes é necessário. Até ambulâncias precisam dar essa volta para levar um paciente ao hospital”, justifica-se. A cidade, nas margens da rodovia, tem média de uma morte por atropelamento ao mês. Motivo: a falta de passarelas e retornos obriga moradores a se

Rodovia BR-324 divide cidade de Amélia Rodrigues ao meio

arriscarem no tráfego pesado. Em pontos estratégicos, onde se concentram os bairros populosos, o guard-rail foi quebrado para agilizar a travessia. A situação, que se agrava há

décadas, complicou-se há dois anos, com a instalação da praça de pedágio da concessionária Viabahia, gestora da estrada. Hoje, moradores do lado esquerdo da pista pagam pedágio

sempre que vão ao centro, já que em 6,5 km não há retorno ou passarela. A única da cidade, conhecida como ‘Elefante-branco de Amélia’, foi construída em 1989 e só serve a quem mora na

região central. “Quem vem de longe não vai andar quilômetros até lá para ser assaltado. Só passo de dia e porque sou conhecido”, afirma o marceneiro José Hélio da Conceição.

Sem contrapartida Desde que a praça de pedágio foi instalada em Amélia Rodrigues, em 2009, os moradores aguardam uma contrapartida da empresa. Numa audiência pública, a Viabahia prometeu instalar três passarelas e um adicional ao contrato para construção de retornos ao longo da pista, com prazo de entrega em 2014. Dois anos depois, nem sinal das obras. “O pedágio traz renda e emprego para a cidade, mas ainda não estamos colhendo os frutos. 6

O que a Viabahia resolve com a Prefeitura e a Câmara, a gente nem fica sabendo”, reclama o presidente da Associação dos Barraqueiros de Amélia Rodrigues, Gilberto Almeida. O trecho da pista pertencente à cidade abriga mais de 80 comerciantes de frutas, que assistem, quase diariamente, aos acidentes. “Os caminhões passam a 140 km/h e as pessoas têm que se arriscar”, comenta Almeida.

Para atravessar as pistas (cerca de 40 m), os pedestres se arriscam em meio aos carros em alta velocidade Salvador, 13 de janeiro de 2012


Tempo de vacas gordas

Imediata e urgente

O Congresso Nacional autorizou aumento de quase R$ 1 bilhão na verba destinada a ONGs. O orçamento de 2012, ano eleitoral, foi inflado quase 38 vezes mais que o de 2011 , cujo aumento foi de R$ 25 milhões.

O Conselho Baiano de Turismo (CBTur) encaminhará documento ao prefeito João Henrique (PP) solicitando resolução imediata e urgente dos principais problemas da capital apontados pelos turistas.

política politica@jornaldametropole.com.br

Distritos dependem da sede

Cobrança chegou à AL-ba

Além da queixa pela falta de segurança, a população dos distritos de Mata de Aliança e São Bento do Inhatá também se incomoda com a situação do pedágio. “Se você precisar ir dez vezes de Mata de Aliança para Amélia Rodrigues, tem de pagar a taxa dez vezes. São pessoas pobres que moram num lugar sem super-

Insatisfeitos com a situação, três vereadores buscaram apoio na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e agendaram nova audiência com a Viabahia. “Não estamos vendo o contrato beneficiar Amélia Rodrigues. As crianças atravessam a BR sem passarela para ir à escola”, denuncia a vereadora Gilsete dos Santos (PSD).

mercado, sem posto de saúde”, denuncia a vereadora Cláudia Ribeiro (PV). Os funcionários da Usina Aliança, instalada no distrito, reclamam: “Ainda tem buracos na pista, falta acostamento. Estamos insatisfeitos”, conta uma funcionária, que pede sigilo. Segundo ela, tudo ficou mais caro, inclusive para a empre-

sa, que arca com o transporte dos funcionários diariamente para Feira de Santana, Amélia Rodrigues e Salvador.

“Se você precisar ir dez vezes a Amélia, paga a taxa dez vezes”

A assessoria da Viabahia, como sempre, diz que as obras estão no prazo. Sobre a reivindicação de Valter Martins, Gilsete dos Santos e Cláudia Ribeiro (PV), de que veículos emplacados na cidade não paguem a taxa, a concessionária é clara: apenas carros oficias têm passe livre e não é possível suspender a taxa.

fac-símile

Para fugir da taxa de pedágio, motoristas percorrem 6 km para fazer o retorno em uma pista improvisada

Prefeitura pode pedir isenção Segundo a ANTT, o órgão não pode suspender a cobrança. No entanto, a concessionária pode estudar o assunto sem consequências para o reequilíbrio do contrato. Em nota oficial, a ANTT explicou que “a prefeitura também pode utilizar a arrecadação de Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) das praças de pedágio para dar isenção aos seus munícipes”. Sobre a conclusão das obras, inclusive de acostamento, a agência explicou que a concessionária tem cinco anos para Salvador, 13 de janeiro de 2012

efetuar o serviço, mas que a Viabahia se comprometeu a priorizar o trecho. O Ministério Público Federal acionou a concessionária em julho de 2011, pedindo que as obras iniciais fossem concluídas e chamando a atenção para a irregularidade no início da cobrança do pedágio. Segundo a ANTT, em caso de não cumprimento da cláusula, as penalidades vão de advertências a multas até a caducidade da concessão. Se o trabalho não atender aos parâmetros de qualidade, a penalidade é o desconto na tarifa.

A gente procura a notícia onde quer que ela esteja escondida.

www.bahianoticias.com.br Seu site sobre política com isenção e credibilidade. !"#$%&'()*&!+!,%')*-.!/$0)*+$/0$0+%,0+$!)12/#3%&!

7

Cidade dividida  

Matéria publicada no Jornal da Metrópole de 13 de janeiro 2012. Fotos: Darío Guimarães.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you