Issuu on Google+


C M M V J

lara Milani ariana Blitzkow arina Telles anessa Rosa o達o Paulo Garcia


“O vestuário participa da constituição da identidade e é por ela constituído, e verifica também a possibilidade do indivíduo, ao construir seu próprio estilo, ser capaz de tornar-se representante de si mesmo, criando uma identidade, que articula as igualdades e as diferenças que constituem e são constituídas pela história desse mesmo indivíduo” Isto porque, “a grande realização humana na conquista da identidade pessoal é conseguir adequar os papéis sociais que é obrigada a desempenhar, à capacidade de pautar essa identidade pelo seu desejo.” MARIA LUIZA FEITOSA DE SOUZA, 2003


“Sendo a moda símbolo na essência, parece certo afirmar que à ela se aplica perfeitamente transferência de significados, visando a comunicação integrante de sociedades, onde tudo comunica, sendo assim, o vestuário é comunicação” MIRANDA e GARCIA, 2003.


O

indivíduo possui tendência

psicológica a imitação e proporciona a satisfação de não estar sozinho. Imitar não só transfere a atividade criativa, mas responsabilida de sobre a ação dele para o outro. A necessidade de imitação vem da necessidade de similaridade. Daí a moda é a imitação de modelo estabelecido que satisfaça a demanda por adaptação social, diferenciação e mudança, que é adotada por um grupo social.


D os muitos símbolos e expressões, a roupa é uma das mais importantes linguagens não verbalizadas do controle social. Por ela as pessoas procuram comunicar para os outros esta percepção de si, que demandam a integração social mediante ao que é culturalmente aceito. A moda é um dispositivo social; Portanto o comportamento orientado pela moda é fenômeno do comportamento humano generalizado e está presente na sua interação com o mundo.


Os modelos regem o campo da moda.

Função totalizante da moda na modernidade

X Função do ritual na ordem primitiva


O design na moda, nos possibilita

entender a semiótica, que é como uma embalagem, um rótulo que é utilizado na moda para despertar sensações.

“O signo está apto a provocar em um intérprete sentimentos, isto é, um interpretante emocional. Ícones tendem a produzir esse tipo de interpretante com mais intensidade”. LÚCIA SANTAELLA (2002)


Há alguns traços comuns que são caracteres semióticos comuns no mundo da moda.

BRILHO IMAGEM CONOTAÇÃO


O poder da imagem está nas cores.

O azul é uma cor fria O amarelo, uma cor quente O branco é inexistência de cor O laranja o brilho do sol O vermelho é uma cor carregada


LINHAS Transmitem movimento, dando a sensação de uma certa leveza.

DIAGONAIS SIMÉTRICAS CIRCULARES IMAGINÁRIAS (ou não)


MENSAGEM

X IMAGEM

COMPLEMENTARES


ISTO É Padrões esses que dizem respeito aos elementos culturais, as convenções de época que a moda incorpora. Os elementos culturais e convenções só funcionam simbolicamente para um interpretante. Dependendo do tipo do intérprete, do seu repertório cultural internalizado, alguns significados simbólicos se atualizarão, outros não.

Além do CONSUMO



clara semiótica moda