Issuu on Google+

Urbanidades

o terreno escolhido é o da antiga rodoviária de Campinas, por ser uma região desgastada urbanisticamente que sofre com a forte especulação imobiliária, consequentemente com os vazios urbanos. com o exercício do olhar fica claro que só um edifício residencial não seria suficiente para suprir a carência local, dessa forma, após pesquisar a forma que melhor se enquadra nas necessidades da região, sem deixar o local deserto durante o período noturno, optei pelo edifício tipo pódio, visando melhorar a vitalidade urbana, através de uso misto, comércio, serviços e habitação.

2

1

fluxos de caráter público acessam o edifício pela Avenida Andrade Neves

*Primeira tipologia sugerida 1 - Avenida Andrade Neves 2 - Marquês de três rios

2 1

fluxos de caráter privado acessam o edifício pela Rua Barão de Parnaíba

*Primeira tipologia sugerida 1 - Barão de Parnaíba 2 - Barão de Itapura

nova proposta :

referências:

2 torres edifício 15 andares 45.00m

Privado a:9034.65m2

105 apartamentos 5 tipos de apartamentos

parquinho 6.00m

Público a:4800m2

cinema centro comercial praça

clara maria ferreira silva

analise do sitio

AU119 - VERTICALIDADE

1


Projeto inicial

clara maria ferreira silva

AU119 - VERTICALIDADE

3

planta pavimento tipo maior:

planta pavimento tipo menor:

circulação externa

relação entre áreas de abertura:

circulação vertical jardim externo apartamento 1 apartamento 2 apartamento 3 apartamento 4 apartamento 5

fluxos por desnível: planta apartamento 1

planta apartamento 2

6.00m

planta apartamento 3 fluxos habitação

fluxos comércio/serviço

Como exemplifica a imagem os fluxos da habitação e do uso público não são coincidentes, com essa divisão garante-se a privacidade dos moradores sem a necessidade de exclusão e enclausuramento dos edifícios habitacionais.

planta apartamento 4

planta apartamento 5


Programa

opção de implantação 2

opção 2 escolhida:

área de lazer moradores área pública praça

Após o estudo de composição feito a cima, cheguei a conclusão de que a segunda opção seria melhor por conseguir dividir melhor os espaços e fluxos. A área entre edifícios será usada para os ambientes de lazer ao ar livre do complexo habitacional, como por exemplo piscina e churrasqueira. No térreo do edifício maior estarão localizadas as outras áreas de lazer e serviços, como o salão de festas e o vestiário das piscinas. O térredo edifício menor estará disponível para comércio ou serviço a definir, assim o projeto adota um cunho social e de uso popular, chamando aatenção para a área central de Campinas O embasamento será trabalhado de forma a acolher o público que usará o comércio ou serviço sem criar espaços residuais. Como há desnível entre o público e o privado os fluxos são divididos naturalmente. (esquema na página seguinte)

clara maria ferreira silva

Com a finalidade de proprocionar maior interatividade com o entorno modificou-se a primeira idéia de projeto, a única torre com apartamentos espelhados passa a ser 2 torres com 5 tipologias de apartamento e 2 pavimentos tipo. Com 2 edifícios é possível criar um centro comum natural e, com isso, aproveitar melhor o espaço de vivência particular aos moradores, além de facilitar a ventilação cruzada e a insolação. Disponho, porém, de 2 tipos de implantação, a primeira valorizando o sentido norte-sul, há uma quebra na linearidade das construções, fazendo da construção um marco. A segunda valoriza o eixo da rua e amplia o espaço comum dos moradores, como área de lazer, praça interna, vista para a cidade. Em ambas é valorizada a fachada do edifício, seja ela plena ou sobreposta.

AU119 - VERTICALIDADE

opção de implantação 1

2


Programa de Necessidades