Issuu on Google+

CENTRO JUVENIL SALESIANO COLÉGIO DOS ÓRFÃOS DO PORTO email: ligacoes@hotmail.com

Cristo Ressuscitou! Ressuscitou para todos! Para o pobre, para o rico. Para o doente, para o são. Para os órfãos, Cristo ressuscitou. Para os jovens como companheiro de jornada. Para os emigrantes como luz nos caminhos da vida. Para a família como o sol de esperança. Para o mestre como guia e pastor. Para o cristão como irmão. Para as nações como portador da PAZ. Para as crianças como protector. E para mim, Ele ressuscitou como o Amigo Fiel. Obrigado, Senhor, por tudo o que nos dás. Obrigado. E que a nossa Fé em Ti, Cristo Vivo e Ressuscitado, dê mais cor e mais sentido à nossa vida. Ámen.

ANO V NÚMERO 40 Dezembro/Abril de 2007 Nesta edição:

Notícias

2a7

Palco da Vida

7

Um Santo de Óculos

8

Aniversários

8


Notícias

Campanha dos Cabazes de Natal Laura em www.cjs-cop.blogspot.com

Geralmente, as férias de Natal, aqui no CJS, iniciam-se logo após a Festa de Natal. Porém este ano, só passado uns dias é que fomos verdadeiramente todos descansar. A razão para este prolongamento foi outro prolongamento, o da Campanha do Cabaz de Natal, que é já uma tradição do nosso CJS. Esta actividade destina-se a entregar um cabaz de bens a algumas das famílias mais carenciadas da nossa zona e não só, nesta época especial festiva. No dia a seguir à Festa de Natal, o produto resultante da generosidade de muita gente que nos foi entregando a sua preciosa contribuição para esta causa, foi repartido em sacos individuais. O esquema eficaz que tem sido usado nos últimos anos foi de novo empregue, o chamado sistema “Linha de Produção”: os bens são separados por géneros em “estações” cada uma delas com 1 ou 2 pessoas que colocam os bens dentro dos sacos das restantes pessoas que vão passando com os sacos abertos na mão. Rápido e eficaz! Em pouco mais de uma hora se fizeram cerca de 80 cabazes, separados por zonas ou ruas de destino. Nos dias seguintes fez-se a distribuição. Eu fiz parte do grupo que distribuiu os cabazes aqui na zona circundante do Colégio. Foi muito gratificante. Senti-me como o Pai Natal a oferecer verdadeiros presentes. E a satisfaçam que as pessoas mostravam era muito agradável. O que não era agradável eram as dores de costas que passado algum tempo começaram a aparecer devido ao transporte dos cabazes da carrinha até às casas. Mas a alegria das pessoas ao recebê-los compensava todas as dores! Depois da 3.ª ida e volta, demos por terminada a missão. Alguns cabazes não tinham sido entregues por não estar ninguém em casa mas foi deixada uma mensagem a essas pessoas para os virem depois buscar. Por causa disto até me soube melhor o Natal!

Festa de Natal Bruno Bessa

Mais uma vez em Dezembro, tivemos o Natal do CJS. Este começou no sábado de tarde com o ensaio geral, e à noite, os animadores e respectivas famílias juntaram-se para o jantar e a troca de prendas. Como é tradição o jantar estava muito bom e este ano para a troca de prendas, foi pedido aos participantes para puxarem pela sua veia musical, pois para terem direito a prenda era preciso fazer um pequeno karaoke e o resultado foram 2 horas de muita animação e divertimento. No dia seguinte o nosso fim-de-semana natalício continuou com a sempre aguardada festa de

natal. Na apresentação estiveram o Marco e a Ana Cláudia e estiveram à altura pois estiveram os dois muito bem. Os números correram dentro da normalidade onde os miúdos se divertiram muito, no entanto é triste ver que no intervalo metade da audiência vai embora. Eu acho que é uma falta de respeito pelos miúdos que ainda vão actuar e também desmotivador. No entanto o balanço final é positivo, pois os miúdos gostaram e isso é o que interessa. Para o ano há mais, de preferência com a audiência toda, de princípio ao fim.

Adeus 2006, Benvindo 2007! Ligações

A noite de 31 de Dezembro tem sempre todos os anos qualquer coisa de especial, quase mágico. Neste dia despedimo-nos do ano que está prestes a terminar e damos as boas vindas ao novo ano. Neste dia guardamos com alegria as boas recordações do ano transacto e esquecemos as más para abraçar uma nova etapa das nossas vidas com esperança no futuro renovada. Foi com este espírito que um razoável número de pessoas viveu a passagem de ano no CJS. A tarde desse dia foi dedicada à preparação do espaço que daí a algumas horas iria ter lugar a festa da passagem de ano. Foi instalado um sistema de som para a música, foram colocadas mesas, cadeiras e algumas decorações, a comida foi preparada, tudo o que fosse necessário para que a festa pudesse continuar da melhor forma pela noite dentro. No entanto, como é tradição, antes da meia-noite o grupo juntou-se a milhares de outras pessoas nas ruas da cidade, concretamente em frente à Câmara Municipal, para celebrar em


3  conjunto o momento exacto da passagem de ano e apreciar o respectivo fogo-de-artifício. Entre as explosões das garrafas e consequente chuva de champanhe, beijo e abraços, os votos de um bom ano novo, telefonemas para pessoas longe dali, o espectáculo audiovisual foi acompanhado por todos os presentes ao longo de mais de meia hora. Não foi sem alguns apertos, desencontros nem mesmos chuvas de champanhe que todos regressaram ao que seria o palco da festa nas horas seguintes. Horas essas que foram ocupadas com muita música para todos os gostos, dança, o inevitável “karaoke”, brincadeiras, jogos, comida, mas sobretudo com muita alegria e convívio. Quando o cansaço de tanta folia aliado às horas adiantadas já não permitiam mais festejos, iniciou-se a arrumação que só ia ser completada nos dias seguintes e cada um rumou até casa cheios de energia para enfrentar este ano de 2007.

Cantando as Janeiras Patrícia e Sónia Nogueira

No dia 6 de Janeiro, Dia de Reis, festejamos as Janeiras. As Janeiras são uma tradição tipicamente portuguesa, em que um grupo de pessoas vai pelas ruas da zona onde vive desejando um bom ano às outras pessoas por quem passam. Juntamo-nos todos às 17:30h no Centro Juvenil Salesiano. Como havia muita gente entusiasmada, cheia de energia e alegria, fizeram-se dois grupos. Algumas pessoas tocavam instrumentos musicais como guitarra e pandeireta, entre outros, enquanto outras só cantavam. Depois de um pequeno ensaio, saímos do Colégio e fomos para a rua de S.Vitor e seguimos batendo às portas. Também passamos por outras ruas como por exemplo: Rua Barão de S.

Cosme, Praça da Alegria e Rua Duque de Saldanha. Os últimos lugares onde fomos cantar as Janeiras foram os Blocos da Rua Duque de Saldanha. E porque cantar as Janeiras é muito cansativo ainda para mais com algum frio, voltamos todos para o Colégio, onde na cantina nos esperava sopa quente, doces e outras iguarias! Assim pudemos recuperar as forças perdidas e aproveitamos para conviver uns com os outros mais um pouco. No dia seguinte, no final da missa, cantamos de novo para as pessoas que não estiveram presentes no dia anterior, e foi cantando que acabaram as nossas Janeiras. E se tudo correr bem para o ano voltaremos a cantar as Janeiras!

Apresentação do Lema do Reitor-Mor Maria Emília e Joaquim Neves

No passado dia 13 de Janeiro, reuniram-se em Fátima mais de 350 membros da Família Salesiana, oriundos das várias casas Salesianas do país e também da Província de Moçambique, na pessoa do Pe. Leal, para a apresentação, para este ano de 2007, do Lema do Reitor Mor, Padre Pascual Chávez: “Deixemo-nos guiar pelo Amor de Deus à Vida“. O momento de boas vindas pertenceu ao Pe. Artur. Falou-nos depois o Pe. João de Brito, Provincial dos Salesianos, cabendo à Madre Superiora das Filhas de Maria Auxiliadora a apresentação do respectivo Lema. O Lema deste ano pretende dar continuidade aos percursos iniciados com o Lema do ano anterior dedicado à família. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus; Deus que ama a Vida e tudo o que amorosamente criou. Vida que tem sentido se for vivida no amor e na felicidade construída dia a dia. Num momento em que a Vida se encontra tão ameaçada (por catástrofes naturais, abuso de crianças e mulheres e por tanta falta de valores) nós, como Família Salesiana devemos empenhar-nos em: - Viver a vida com alegria e como um dom intocável. - Promover a defesa da vida como um todo, com esperança e dignidade, não esquecendo os mais frágeis, pobres e indefesos, pois todas as pessoas são importantes. - Agradecer e celebrar a vida como um todo, na contemplação da natureza, na amizade, no silêncio e na oração, agradecendo o valor da vida e orando pelos outros. Seguiu-se depois um momento de reflexão em grupos, para apresentação de sugestões e aplicação de acções concretas. Ao meio-dia tivemos a celebração da Eucaristia a que se seguiu o merecido almoço. Já da parte da tarde, para terminar, tivemos uma conferência/debate orientada pela médica Dra Maria do Rosário Cordeiro.


Notícias

Viva D.Bosco!

Laura em www.cjs-cop.blogspot.com No sábado anterior ao dia de D.Bosco, celebrado como todos sabemos a 31 de Janeiro, os diversos grupos da Catequese e do Desporto do CJS festejaram a vida deste homem extraordinário! Foi proposto a cada grupo trabalharem um dos muitos e sempre interessantes episódios da vida do nosso inspirador, para depois apresentá-lo aos restantes grupos. Assim, cada grupo foi para um determinado espaço para porem mais à obra, no episódio que lhes tinha sido destinado. Uma hora depois, reuniram-se todos no Salão Nobre para mostrarem o produto do seu trabalho. Quando já estava tudo pronto, a representação iniciou-se. “D.Bosco entra no seu quarto pensativo a lembrar com alegria alguns momentos da sua vida: o Sonho dos 9 Anos – apresentada pelo 3.º ano através de uma música com coreografia – , a seguir a Sociedade da Alegria – dramatizada pelo 4.º ano - , depois foi a vez do 2.º ano nos cantar uma música coreografada sobre Bartolomeu Garelli, de seguida, os mais pequenos representaram o Passeio dos Presos, seguiu-se o 5.º ano encenaram a história da Marquesa de Barolo e da Casa de Pinardi, seguida da história da

Cruz (6.º ano), depois disto, o 8.º mostrou como se passou o momento da criação da comunidade dos Salesianos, até que chegou a altura de os atletas do Desporto dramatizarem como era a vida no Oratório de D.Bosco, e finalmente, o 7.º ano contounos a importante história do cão Pardo na vida de D.Bosco através de um número de fantoches. Após a intervenção de todos os grupos, D.Bosco – que esteve sempre presente – incentivou a todos que ali estavam, incluindo os pais a serem Salesianos e a continuarem a sua missão. Para isso, deu a cada grupo uma fita com a qual ficaram unidos a D.Bosco, enquanto a música “Pai, de muito filhos pai” era cantada em uníssono. Quem não sabia quem foi D.Bosco, ficou a conhecê-lo, e quem já o conhecia bem, ficou a conhecê-lo ainda melhor… porque nunca é demais conhecer o Pai e Mestre da juventude! Neste fim-de-semana realizou-se também o Torneio de D.Bosco com diversas equipas convidadas porque o desporto é outra vertente muito importante da filosofia de D.Bosco.

Torneio D.Bosco Miguel Fernandes

Olá amigos, Inserido no programa das festas de D. Bosco, disputou-se no final de Janeiro mais um torneio de futsal dinamizado pelo CJS-Desporto. Sobre o torneio, adorava descrever nestas linhas a enorme felicidade de ver os pátios cheios de gente jovem a jogar futsal e a conviver de uma forma alegre e divertida. Na verdade, estaria a mentir se vos contasse algo desse género. O torneio disputou-se em dois fins-de-semana e em ambos houve problemas disciplinares. Não se sabe bem porquê, mas por vezes ficamos com a sensação que “ganhar a taça”, já não é o objectivo destas actividades. Os rapazes movem-se por intrigas com vista a treinar a “chapada”. São cada vez mais frequentes estes pequenos incidentes. Nos dias que correm a juventude está cada vez mais alérgica ao olhar. Confesso que já desenvolvi contactos com centros de investigação para que estes desenvolvam rapidamente a vacina para a “alergia do olhar”! É que, um dos principais motivos para inicar uma sessão de chapada e pugilismo é, precisamente, o olhar. Quando questionados do motivo para uma reacção agressiva e violenta, dizem os protagonistas: “… ele estava a olhar!”. E é assim que vamos disputando os torneios de futsal! Para terminar, devo dizer-vos que no primeiro fim-de-semana uma das equipas desistiu da competição e foi acompanhada até casa. E ainda… no torneio dos mais


5  velhos, por razões preventivas, realizamos os jogos das finais à porta fechada. (Entre nós: Sempre pensei que isso fosse só nas competições da UEFA) Desculpem a amargura destas palavras, mas penso que é importante estarmos todos a par do que vai acontecendo aqui ao nosso lado.

Flash Bosco Pedro André e Mariana

Nos dias 20 e 21 de Janeiro, decorreu o FlashBosco, desta vez em Mirandela. Entramos na camioneta, principalmente aqueles que iam pela primeira vez ao FlashBosco, começaram a interrogar-se “O que é o FlashBosco?” Aqui vai a resposta o FlashBosco é um encontro pensando em nós adolescentes que querem conhecer D. Bosco, através da Amizade, Alegria, Reflexão e Celebração. É uma experiência onde todos somos protagonistas contagiando-nos uns aos outros com a descoberta que vamos fazendo sobre o projecto de vida de D.Bosco. O FlashBosco também é uma boa experiência de grupo para conhecer, amar e sentir o nosso mestre D. Bosco, uma experiência para saber, descobrir que, como D. Bosco, também nós podemos estar ao serviço dos jovens que precisam da nossa ajuda....

Quando chegamos, depois de um primeiro contacto com os outros participantes, deu-se a formação dos grupos com outros elementos de outros centros salesianos, uma oportunidade para conhecer novos amigos. Apesar de ter sido apenas um fim-de-semana, valeu a pena, a actividade proposta, pois ficámos a conhecer melhor D. Bosco como podemos sentir o acolhimento das pessoas da cidade de Mirandela, que nos acolheram em suas casas, foram excelentes connosco pois não nos deixaram que nos faltasse alguma coisa, sempre muito atenciosas. O encontro ajudou-nos aprofundar a mensagem de D. Bosco e de Jesus Cristo, isto é amar os outros como a nós mesmos. Por isso.... Está atento porque alguém precisa da tua ajuda.... Deus chama por ti.

Carnaval no CJS Ligações

Ao contrário do que tem vindo a ser costume nos últimos anos, desta vez os festejos de Carnaval foram bem mais simples. Na programação das actividades que decorreu no início do ano, foi definido que se iria privilegiar a formação catequética dos miúdos que frequentam o nosso Centro. Mas não se pense que passamos completamente ao lado do Carnaval, não! No dia 17 de Fevereiro, depois da catequese, ninguém se foi embora porque ainda havia um pequeno espectáculo para assistir. O número à base de mímica, ou seja, representado sem palavras, relatava diversas histórias muito engraçadas. O número terminou com uma batalha de bolas de borracha entre o público e os actores. Verdade seja dita que quem começou tudo isto foram os espectadores que atiraram primeiro, mas também é um facto que quem acabou foram os actores que atiraram de volta as bolas! No final éramos todos amigos como antes! Tratou-se apenas de uma brincadeira! Finalmente todos levaram um ligeiro lanche para comer no caminho para casa. Dois dias depois, na noite de Carnaval a festa continuou, desta vez para os jovens mais velhos do CJS e amigos. Com o respectivo disfarce, todos se divertiram muito pela noite dentro. Se calhar não será exagerado dizer que o divertimento foi maior do que noutras situações pelo facto de estarem disfarçados e, portanto, menos inibidos! Muitos dos disfarces eram bem criativos e originais. Por vezes era impossível descobrir quem estaria por baixo deles! Mas é esse ambiente de mistério que é um dos pontos mais interessantes do Carnaval. E para aguentar o cansaço decorrente da folia havia, como não podia deixar de ser, um cantinho destinado à comida para quem quisesse ir petiscar umas coisas que cada um trouxe. Assim se passou o nosso Carnaval: em comunidade juvenil salesiana.


Oração Comunitária Com Água Viva Deolinda Santos

Todos os meses proporciona-se um momento de oração conjunta na nossa comunidade, onde em silêncio somos convidados a falar com Deus porque sabemos que nos ama e é nosso Pai. No dia 23 de Fevereiro foi um pouco diferente do habitual, pois tivemos a prata da casa. A Claudine Pinheiro presenteounos com algumas músicas do seu livro/CD Água Viva, que contém canções que ilustram episódios bíblicos e salmos, originalmente criadas pela religiosa chilena Irmã Glenda Hernández. O objectivo deste evento foi, segundo a própria Claudine, «ajudar a orar a Quaresma como um tempo de oração e peregrinação interior». Para além da Claudine, participaram também quatro jovens do nosso Centro interpretando canções que não fazem parte do livro/CD Água Viva. O João Pedro cantou em conjunto com a Claudine o tema

“D.E.U.S” um original do grupo Kyrios. A Inês, Ana Manuela e Sílvio, interpretaram um tema chamado “Pegadas na areia” que canta o conhecido poema com o mesmo nome. Acima de tudo, ficou provado para quem ainda tinha dúvidas que cantar é também uma excelente forma de rezar, seja em conjunto ou em isolamento. Até porque, como se costuma dizer: “Quem canta, reza duas vezes.” ou ainda como dizia D. Bosco “Uma casa sem música é como um corpo sem alma”. Nesta oração, esteve bastante gente, talvez por ter sido uma oração diferente. Esperemos que nas próximas se mantenha. Agradecemos à Claudine por ter estado neste momento de oração e por ter partilhado connosco mais uma vez um dos seus dons que é cantar.

À procura do Vivo entre os mortos Isabel Teixeira

7 jovens, uma casa, momento de reflexão. Não, não se trata de nenhum próximo programa da TVI mas sim do retiro do grupo de jovens do 13.º ano. Empenhados no CSI (entenda-se, Cristo Sobre Investigação) fomos à procura do verdadeiro assassino do caso JC (Jesus Cristo). Depois de longas e difíceis diligências encontramos tantos mistérios, tantas emoções, tantas preciosidades que o tempo passava mesmo sem darmos por isso. As nossas suspeitas vacilavam entre tantas possibilidades. Mas afinal quem matou Jesus Cristo? Não é difícil apontar culpados, difícil é escolher apenas um. Uns apostavam no Sinédrio, porque havia manipulado e tramado tudo. Outros davam o seu palpite para Herodes que se deixou manipular. Outros referiam-se a Judas como um traidor. No entanto, a resposta era demasiado simples: NÃO HÀ ASSASSINO PORQUE ELE NÃO MORREU! Diariamente deixamos Cristo morrer na nossa vida e tentamos encontrar alguém ou algum motivo para nos justificarmos, para nos sentirmos menos culpados e para arrancarmos de nós a “face negra” que Carlos Tê nos convida a entender. Entre tantas outras coisas boas que podia contar deste retiro prefiro deixar-vos uma frase: Ele vive entre nós! O resto são meras avaliações positivas que cada membro do grupo guarda na sua essência. E por tudo isto e muito mais considero que o retiro nos uniu um pouco mais, e talvez consiga que entre nós haja mais “dialectos de ternura” como dizem os Da Weasel. Dêmos à nossa amizade a oportunidade de ser chamada consagrada a palavra “que tanta gente dá à toa, em troca de quase nada”.


Encontro de Pré-Adolescentes Rosário

Realizou-se no dia 17 de Março na casa das irmãs em Areosa – Viana do Castelo. Intitulou-se a Vida é uma aventura e tinha como objectivos favorecer momentos de convívio e partilha e ajudar as crianças a interiorizar as atitudes principais da vida de Abraão. A viagem decorreu da melhor maneira possível e foi para mim como animadora maravilhoso verificar que muitas crianças deixaram as suas casas cedo abdicando de um certo número de coisas, para conhecerem mais um pouco da vida de Jesus. Claro que quantidade normalmente não significa qualidade mas foi muito salutar reparar que nenhum dos pré-adolescentes foi com a intenção de brincar mas sim de aprender, conviver e conhecer novos amigos. Chegamos, colocamos os sacos no sítio destinado ao COP em seguida a orientadora do encontro deu as boas vindas a todos e em seguida fez-se a formação de grupos os quais tinham os seguintes símbolos: poço, fogueira, tenda, caravana, deserto, rebanhos, estrelas, carvalhos, mapa e cajado. Depois foram explicadas as regras do jogo de pista no qual tínhamos que

percorrer algumas cidades do Médio Oriente, quando finalizávamos davam-nos uma letra do nome do personagem que buscámos e uma frase sobre a vida do mesmo. No final tínhamos recolhido nove letras as quais juntas diziam “Pai Abraão” e sete frases em seguida colámos as letras e uma das frases numa cartolina.Com estes jogos podemos constatar que Abraão teve que ultrapassar vários obstáculos mas ele viveu arriscando e confiando em Deus e assim partiu na grande Aventura que é a Vida. Depois fizemos um gesto de colocar as nossas mãos ou a nossa pegada numa cartolina com o intuito de mostrarmos que como Abraão também nós deixamos a nossa terra e partimos de mãos abertas para novas experiências. No fim disto tudo o merecido almoço e algum tempo livre. De tarde antes de partirmos para o Raid tivemos que dramatizar um texto de Abraão. O raid com pistas até ao monte de Santa Luzia, quando todos os grupos chegaram ao cimo do monte todos juntos cantamos uma canção e assim terminou um dia muito bem passado e penso que muito enriquecedor para todos os pré-adolescentes que lá estiveram.

Temos um novo Bispo! Graça Borges

No dia 25 de Março tomou posse o Bispo do Porto, D. Manuel Clemente. Muitos foram os que se deslocaram até à Sé para o ver, para lhe dar as boas-vindas. Bispos, padres, diáconos, seminaristas, religiosas, leigos praticantes ou não. Muitos foram os lugares marcados, não por mérito, por trabalho efectivo em prol desta diocese, mas por ser figura pública, do poder. A mim foi-me concedido um lugar no claustro da Sé, e assim pude ver o meu bispo como um ponto minúsculo num ecrã. No final da eucaristia, depois de esperar uma hora e meia pela sua saída da Catedral, consegui ver passar diante de mim, em tamanho real, o D. Manuel Clemente. Depois o povo, que o aplaudiu, ficou do lado de fora quando a porta do Paço fechou. A festa que se seguiu também não era para nós… Não percebo muito de protocolos, mas gostaria de ter visto o meu Bispo a conviver cá fora com todos. Com aquela velhinha de oitenta anos que entrou na Sé pela primeira vez, apenas para o ver, após ter estado horas em pé à espera que a porta abrisse. E que depois quase foi esmagada pela multidão para conseguir chegar até ao claustro. Com aquela catequista que há tantos anos se dedica a pregar o Evangelho. Com a aquela mulher, que apesar de não ser jornalista, é colaboradora assídua da Voz Portucalense. Com aquelas crianças, que no fundo apenas queriam dar-lhe um beijo. Penso que era com eles, ou também com eles, que o Bispo devia ter festejado. Se tivesse tido oportunidade de falar com ele gostaria de lhe ter dito: «Seja bem-vindo à nova casa! A diocese do Porto é também terra de missão. Conhecemos as suas capacidades, os seus dons, por isso nos alegramos com a sua chegada. Precisamos de um Bispo que seja para nós uma referência de humanismo e de espiritualidade, que se preocupe com os filhos de Deus e com aqueles que ainda não sabem que o são. Precisamos de um pastor que viva perto do seu rebanho, que conheça pelo nome as suas ovelhas. Bem sei que é preciso tempo para nos conhecermos, para fazermos caminho juntos. Queria apenas que soubesse que aqui, no Porto, existem muitas pessoas dispostas a trabalhar pelo Reino de Deus. Que bom seria que esse trabalho fosse “abençoado” pelo nosso Bispo!»

Palco da Vida


Um Santo de óculos Ana Maria Amorim

ainda mais respeito pelos sacerdotes, a aprender melhor o que eles são e o que representam, ou deveriam representar para nós, e a que damos, que eu pelo menos dava, pouco valor e agora tanto valorizo: Um domingo chegou muito tarde. A Eucaristia da catequese era às 10h, invariável e pontualmente. Apesar de vir de Gaia, onde dava apoio espiritual e celebrava a eucaristia a uma comunidade de religiosas. Naquele domingo, já passava das 10:20h e ei-lo que chega, todo sorridente, todo feliz. Mas que era aquilo? Tão atrasado e tão contente? Entrei com ele para a sacristia e ao perguntar se tinha acontecido alguma coisa, ele sempre feliz respondeu que ia contar na Homília. Não me lembro se estive atenta nos Ritos Iniciais e nas Leituras. Da Liturgia da Palavra só me interessava. A explicação chegou. Afinal aquele não era uma Domingo qualquer, era o Domingo do Bom Pastor e as irmãs daquela comunidade quiseram fazer uma festa ao seu pastor. Ficou tão contente que não conseguiu negar-se ao reconhecimento daquelas “ovelhas, mesmo sabendo que tinha outras à espera”, mas ele estava naquele redil, as do outro compreendiam. Com certeza só eu me lembro disto, mas este atraso enriqueceu-me muito. Será que todas as ovelhas se lembram da parte “eles conhecem-no?” Ou será que só se lembram da primeira parte: “O Bom Pastor conhece as suas ovelhas”?

Um Santo de óculos? Muitas vezes me dizia: “Não sou santo, sou Santos”. Ao que eu respondia: “Nunca vi um santo de óculos”. E foi aquilo de que senti imediatamente falta de óculos quando o vi, ao despedir-me do seu corpo em Fátima ao fim de tantos anos! Só lhe faltavam os óculos! Como não me lembro de nenhum defeito dele, mas de tantas virtudes vou apenas salientar duas: a disponibilidade e a pontualidade. Disponibilidade notava-se em tudo. Nunca tinha a porta do gabinete fechada, mas encostada. Quando se batia a resposta era: “Psssim”. Julgo que seria uma contracção de pois e sim. Quando lhe pedíamos alguma coisa para a catequese a respondia “Psssim”. Não me lembro de lhe ouvir palavra NÃO a não ser para dizer que estava tudo bem com ele. Tem cara de cansado – Não Parece adoentado – Não Está muito ocupado – Não No elogio fúnebre o Sr. Padre Taveira, director do colégio em que estava agora, disse que às vezes se inibia de lhe pedir certas coisas e pensava bem antes de lhe pedir algo, não fosse coisa que lhe custasse a fazer pela idade ou saúde, pois sabia que sempre respondia “Sim”. Sobre a pontualidade conto um facto que não esquecerei e que me ensinou a ter

Próximas Ficha Técnica Coordenadores:

Actividades

Colaboradores:

a ter em atenção

Carlos Nunes Sérgio

Graça Borges Bruno Bessa Miguel Fernandes Deolinda Santos Maria Emília Joaquim Neves Patrícia Nogueira Sónia Nogueira Ana Maria Amorim Laura

Data

Actividade

12-Maio 19-Maio 25-Maio 31-Maio 9-Junho 8-Julho 23-Julho 30-Julho

Formação de animadores CJS Dia MJS (Fátima) Festa N.ª S.ª Auxiliadora (COP) Festival da Canção Passeio de Fim de ano CJS Festa Jovem Acampamento Nacional MJS 23-27) X Campobosco (Turim-Itália, 30-8)

PARABÉNS... 03 - Rute Mesquita 17 - Leónia

Ma

io

04 - Liliana Patricia

Ju

26 - André Oliveira

nh

o

26 - Joana Raquel 27 - Liliana Sista


Ligações n. 40