Issuu on Google+

Dezembro 2007

nº. 34

Distribuição gratuita www.citeforma.pt gcm@citeforma.pt

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

05

03

02

Diagnóstico de Necessidades de Formação

02 Formação em Posto de Trabalho

03 Protocolo com grupo Auchan

05

GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Ministério do Trabalho e Solidariedade Social

citeinforma

‘07

Conclusão do Ensino Secundário

Novas Oportunidades


NOTÍCIAS

citeinforma nota editorial O ano de 2008 constituirá, certamente, um marco na actividade do Citeforma. O funcionamento pleno do processo de reconhecimento, validação e certificação de competências ao nível do ensino secundário, aliado ao arranque de novas acções de educação e formação de adultos, permitirá ao Citeforma disponibilizar aos seus destinatários preferenciais, novas oportunidades de acesso a um nível de qualificação escolar e profissional mais elevado, tendo por meta o acesso à conclusão do secundário por parte da população activa. Nesse mesmo sentido vai a generalização duma oferta formativa modular, preferencialmente assente no Catálogo Nacional de Qualificações, assim se garantindo a sua função de aperfeiçoamento contínuo dos activos e de veículo para a dupla certificação (escolar e profissional). O envolvimento do Citeforma no Programa Novas Oportunidades tem vindo a contribuir, de modo significativo, para uma aproximação do Centro às empresas e outras instituições, levando-lhes o entusiasmo por uma cultura de formação permanente e trazendo para dentro de portas uma dinâmica de renovação. É neste contexto que esperamos de 2008 mais trabalho, mais resultados e mais satisfação para quem trabalha no Citeforma e para quem utiliza os nossos serviços. Agostinho Castanheira Director do Citeforma

DGERT renovação da acreditação do Citeforma O Citeforma renovou a sua acreditação como entidade formadora, junto da Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, pelo período de 3 anos, em todos os domínios de intervenção: – Diagnóstico de necessidades de formação; – Planeamento de intervenções ou actividades formativas; – Concepção de intervenções, programas, instrumentos e suportes formativos;

– Organização e promoção de intervenções ou actividades formativas; – Desenvolvimento/execução de intervenções ou actividades formativas; – Acompanhamento e avaliação de intervenções ou actividades formativas.

Diagnóstico de Necessidades de Formação

A segunda parte, de análise e debate das necessidades formativas futuras, contou com a participação de responsáveis e técnicos de Centros de Emprego da região de Lisboa e Vale do Tejo, Programa REDE, SITESE, Inspecção Geral do Trabalho, Dinamia ISCTE, IAPMEI e AERLIS. O processo de actualização, através da troca de opiniões entre os principais intervenientes no processo constitui um passo importante na construção do Diagnóstico e tem permitido detectar linhas de tendência muito válidas. O estudo continua em fase de desenvolvimento e deverá estar concluído no início do próximo ano, de modo a que as suas conclusões sustentem a planificação da actividade formativa de 2009 e 2010.

DIRECÇÃO Agostinho Castanheira | REDACÇÃO E FOTOGRAFIA Tânia Fernandes PAGINAÇÃO Orange | IMPRESSÃO LouresGráfica | COLABORAM NESTA EDIÇÃO Isabel Pedrosa e Rogério Pacheco PROPRIEDADE CITEFORMA – Centro de Formação Profissional dos Trabalhadores de Escritório, Comércio, Serviços e Novas Tecnologias TELEFONE 21 799 45 60 | FAX 21 799 45 66 | E-MAIL gcm@citeforma.pt | http://www.citeforma.pt TIRAGEM 2000 exemplares | DEPÓSITO LEGAL 139409/99

citeinforma

Dezembro’07

No âmbito do processo de Diagnóstico de Necessidades de Formação 20072010, em desenvolvimento pelo Citeforma, foi promovida uma reunião de peritos com o objectivo não só de partilhar experiências como também de reflectir sobre a perspectiva que cada um vive do processo formativo. Assim, numa primeira parte foi analisada uma visão mais genérica subordinada ao tema: “Enquadramento da Formação Profissional: Uma visão pluridimensional” e contou com a participação de elementos e/ ou representantes da Agência Nacional para a Qualificação, Comissão Europeia, Instituto de Gestão do FSE, Observatório do Emprego e Formação Profissional e Observatório do QCA III.


FORMAÇÃO

Caracterização de empresas Concluído o período de formação em sala, os formandos dos cursos para jovens iniciam a formação em posto de trabalho. “É um momento muito importante do processo formativo, em que os formandos não só consolidam aprendizagens como ficam com uma noção mais clara do que é o trabalho a desenvolver numa empresa: as várias tarefas, o ambiente empresarial, o cumprimento de regras, etc” explica-nos Maria João Catalo, responsável pelo Núcleo de Formação Inicial do Citeforma. Com uma carga horária de 360 horas (sensivelmente dois meses e meio), este momento é aguardado com

grande expectativa pelos formandos mas também preparado com alguma antecedência pelo Centro. Uma vez seleccionadas as empresas, é feita uma visita às suas instalações. “Trata-se de um procedimento que já era feito com os cursos de Aprendizagem e que foi este ano também aplicado à Educação Formação. Implica que se faça uma caracterização da empresa, ou seja, verificamos, in loco, se as empresas têm condições logísticas, se têm um posto trabalho para cada formando que se propõem receber e conhecer quem vai acompanhar a formação prática” diz-nos Maria João Catalo.

Fullsix Acompanhámos uma visita de caracterização à Fullsix, uma das agências líderes em marketing relacional na Europa, onde ficou colocado um formando do curso de Técnico de Comunicação Multimédia. Acertaram-se procedimentos relativos à assiduidade e à avaliação desta etapa da formação e definiram-se objectivos de estágio. “Costumamos receber estagiários com este perfil. Mesmo sabendo que é uma primeira experiência no mercado de trabalho, que investimos muito do nosso tempo na tutoria, uma vez que o nível de autonomia deles é relativo, consideramos que os resultados são muito positivos. Regra geral, são pessoas com conhecimentos em tecnologias novas e com muita vontade de evoluir e aprender. O nosso objectivo é que as pessoas depois continuem na empresa, a dar o seu melhor” explica-nos Pedro Gaspar, responsável pela equipa de Flash, onde foi integrado o formando. “Esta é a equipa mais jovem da empresa, em que a média de idades anda pelos 25 anos, portanto acredito que a integração vá ser fácil. Durante o estágio o formando irá trabalhar na manutenção de sites e na produção de peças, mas claro que isso dependerá sempre do seu desempenho. Gostaríamos também de lhe dar a oportunidade de realizar um projecto que ele possa depois, a título pessoal, apresentar no final do curso” acrescenta Pedro Gaspar. Caso pretenda ser uma entidade parceira para a realização de estágios curriculares ou integrar estes jovens na sua empresa contacte-nos através do gp@citeforma.pt.

Visita ao Museu das Telecomunicações Antes de iniciar o módulo de Correspondência comercial – língua portuguesa, Manuela Silva, planeou uma visita ao Museu das Telecomunicações com os formandos do curso de Técnico Administrativo. “Penso que é uma forma mais acessível de os introduzir na temática. O Museu tem uma mostra, organizada em dois percursos um dedicado aos Correios e um outro às Telecomunicações,

sobre a evolução e o aperfeiçoamento das técnicas que permitiram ao homem uma comunicação cada vez mais rápida e eficiente.” Durante esta visita, os formandos tiveram ainda oportunidade de visitar A Casa do Futuro Inclusiva, um espaço que apresenta uma solução complexa de automação doméstica, através da utilização de um elevado conjunto de tecnologias de ponta.

03

citeinforma

Formação em posto de trabalho


citeinforma

NOVAS OPORTUNIDADES

Centro Novas Oportunidades Reconhecimento de nível secundário já iniciou O Centro Novas Oportunidades (CNO) do Citeforma já iniciou o processo de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC) de nível secundário. Foram contratados mais técnicos e formadores que tiveram, também eles, em formação durante o mês de Outubro. Depois da equipa preparada, começaram as sessões de esclarecimento junto dos mais de 700 candidatos, até à data, inscritos. Nessas sessões foi já utilizado um primeiro instrumento de diagnóstico que facilitará o encaminhamento posterior. Prevê-se que os primeiros grupos de RVCC comecem a trabalhar no início de 2008.

Como se desenvolve o processo de RVCC de nível secundário? Acolhimento

Diagnóstico e Acompanhamento

– Inscrição Entrega de Curriculum Vitae – Sessão de esclarecimento

– Questionário – Sessões em pequenos grupos – Entrevistas individuais

RVCC

Obtenha o diploma escolar do 12º ano O processo é gratuito e o diploma escolar do 12.º ano é reconhecido pelo Ministério da Educação. O trabalho de reconhecimento incide em três áreas de competências-chave: • Cidadania e Profissionalidade (CP) • Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC) • Cultura, Língua, Comunicação (CLC) Quem se pode candidatar a este processo? Adultos com idade superior a 18 anos, que tenham adquirido conhecimentos e competências ao longo da vida, com, pelo menos, três anos de experiência profissional comprovada (comprovativo de descontos pela Segurança Social).

Reconhecimento

– S essões de Trabalho individuais em grupo –C  onstrução do Portefólio Reflexivo de Aprendizagens (PRA) – Formação Complementar

Validação

– S essões de Análise do PRA –A  valiação do percurso a seguir pelo candidato (continuação no processo RVCC ou encaminhamento para outras ofertas formativas)

CERTIFICAÇÃO

Como se pode inscrever? Pode preencher e enviar a ficha de inscrição disponível no nosso site, acompanhada de Curriculum Vitae, por: e-mail: cno@citeforma.pt; Fax: 21 799 45 66 Correio: Citeforma, Avenida Marquês de Tomar, n.º 91. 1069-181 LISBOA Pode ainda dirigir-se ao Centro Novas Oportunidades do Citeforma, das 12h00 às 20h00.

Visita ao Citeforma inserida em conferência da European Training Foundation

No âmbito da conferência promovida pela European Training Foundation (ETF) “From teaching to learning, towards competence recognition and validation – ideals and reality”, que decorreu em Lisboa entre os dias 20 e 22 de Setembro, o Citeforma recebeu um grupo de técnicos de formação oriundos da Croácia,

Montenegro e Itália. Pretendia-se, através de uma partilha de boas práticas, que estes técnicos ficassem a conhecer as nossas metodologias e práticas de trabalho, nomeadamente, no que se refere ao Centro Novas Oportunidades e aos processos de reconhecimento, validação e certificação de competências.

Dinamarqueses visitam o Citeforma Um grupo de vinte dinamarqueses, proveniente do HK (Sindicato dinamarquês dos empregados do comércio e de escritório), visitou no passado dia 5 de Novembro o Citeforma. O grupo, organizado por Britta Thomsen, deputada ao Parlamento Europeu e consultora da HK, era oriundo de diferentes regiões do país. Durante a deslocação a Portugal, tiveram também a oportunidade de visitar, entre outras entidades, a Assembleia da República, onde foram recebidos por Custódia Fernandes, deputada e membro do Conselho de Administração do Citeforma.

04


O Ministério da Educação (ME) definiu procedimentos e condições de acesso a modalidades especiais de conclusão do ensino secundário destinados aos adultos com percursos formativos incompletos. Através desta medida, enquadrada no âmbito da iniciativa Novas Oportunidades, o ME procura dar resposta às expectativas de grande número de adultos, oriundos de uma grande diversidade de percursos escolares incompletos e detentores de experiência de aprendizagem em contexto não formal, que pretendem obter a conclusão e a certificação de nível secundário. São considerados incompletos os percursos de nível secundário em que se verifiquem até seis disciplinas por ano com classificação inferior a 10 valores. De acordo com o Decreto-Lei n.º 357/2007, de 29 de Outubro, publicado no Diário da República, são criadas várias modalidades de conclusão e de certificação, de forma a adequá-las às necessidades dos possíveis candidatos provenientes de diversos planos de estudos e em diferentes situações para a conclusão do seu percurso formativo.

A certificação de nível secundário pode ser obtida através de duas vias: • Por via escolar, através da realização de disciplinas em falta, no percurso formativo de nível secundário frequentado pelos adultos, no quadro da oferta do actual ensino secundário regular; • Através da realização de módulos dos cursos de educação e formação de adultos (EFA) de nível secundário, organizados em consonância com o Catálogo Nacional de Qualificações. Conforme a via seguida para a conclusão e a certificação deste nível de escolaridade, o processo educativo e formativo dos adultos pode ser realizado nas escolas (com ensino secundário públicas), particulares e cooperativas com autonomia pedagógica ou nas entidades formadoras de cursos EFA de nível secundário. Neste processo, cabe às escolas e aos Centros Novas Oportunidades o encaminhamento dos candidatos para a modalidade de conclusão e de certificação mais adequada às suas expectativas e necessidades.

Enquadramento legal: Decreto-Lei n.º 357/2007, de 29 de Outubro Destinatários: Candidatos com idade igual ou superior a 18 anos e que tenham frequentado, sem concluir, cursos de nível secundário com o máximo de 6 disciplinas/ano por concluir, podendo estar distribuídas pelo conjunto dos anos de escolaridade do ciclo de estudos ou concentradas num só ano. Informações: cno@citeforma.pt

Protocolo com o grupo Auchan O protocolo assinado, no passado dia 8 de Novembro, entre o Citeforma e o grupo Auchan prevê que o processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências chegue ao conhecimento dos colaboradores com habilitações inferiores ao ensino básico (foram identificados 1409), abrangendo as 22 lojas do grupo, em território nacional. Jorge Filipe, Director de Recursos Humanos do grupo Auchan conta-nos que já tiveram uma experiência deste tipo de processos com

a loja de Castelo Branco e os resultados foram excelentes ao nível da motivação. “Estamos com índices de rentabilidade elevadíssimos e contamos, neste momento, com pessoas muito empenhadas. Este processo foi por isso uma motivação e um estímulo para o alargar ao resto do país”. A campanha de divulgação tem início em Dezembro, e o Centro Novas Oportunidades do Citeforma conta poder avançar o trabalho com os grupos em Janeiro.

Protocolo com a seguradora Allianz O universo de colaboradores da seguradora Allianz com escolaridade inferior ao ensino básico é de 47 pessoas. A perspectiva de melhorar este índice e de abrir horizontes a estas pessoas, levou esta empresa a celebrar um protocolo com o Centro Novas Oportunidades do Citeforma, no dia 15 de Outubro. Luís Antunes, responsável da área de Planeamento e Desenvolvimento Organizacional da Direcção de Pessoas e Recursos explicava-nos que “ao fazer um levantamento na empresa, relacionando idade com escolaridade, constatámos que há pessoas que ainda vão estar muitos anos connosco e que têm uma escolaridade abaixo do ensino básico. Mas quando falamos com elas, é significativa a quantidade de coisas que dizem ter aprendido ao longo da vida e que não são reconhecidos”.

Agostinho Castanheira, Director do Citeforma, considera muito importante que as empresas se interessem por programas deste tipo. “É conhecido o desnível de qualificações entre portugueses e estrangeiros, mas a realidade diz-nos que Portugal precisa de competir em pé de igualdade com os outros países. Mesmo que esta iniciativa não traga mais competências aos indivíduos, só o facto de reconhecer que eles as têm promove um clima de confiança favorável ao seu desenvolvimento pessoal e profissional”. No dia 8 de Novembro duas Técnicas de RVCC promoveram uma sessão de divulgação nas instalações da Allianz e contam em breve iniciar grupos de trabalhos, com os candidatos interessados.

05

citeinforma

NOVAS OPORTUNIDADES

Conclusão e Certificação de Nível Secundário - Modalidades especiais


REDE

citeinforma

Rede PME’s - A Actividade e as Obrigações Legais Cerca de 50 pessoas participaram no jantar debate sobre PME’s - A Actividade e as Obrigações Legais, em Elvas a 17 de Outubro, promovido pelo Citeforma, no âmbito do Programa Rede. “A modernização do estado implica uma maior eficiência fiscal e, por consequência, uma maior transparência na sua relação com os contribuintes. Ao impor mecanismos de controlo às empresas, o estado está também a detectar incongruências e a gerir melhor os recursos de todos. O Citeforma espera, com esta sessão, vir ao encontro das necessidades dos empresários desta região e através do contributo do Dr. Neves Raimundo abordar estas questões relacionadas com as obrigações legais das empresas” comentava Agostinho Castanheira, Director do Citeforma, durante a abertura da sessão. Foram abordados, durante a sessão, aspectos relacionados com as obrigações fiscais, laborais, de segurança social e de segurança. Próximo Encontro Temático: Marketing do Produto - Jantar-Debate Beja, 12 de Dezembro de 2007 Destinatários Empresários e gestores de PME’s em geral.

Gestão Global O Citeforma tem duas equipas a concorrer ao Jogo de Gestão Global, promovido para empresas da linha anual do Rede. Luís Góis, da empresa RTS - Pré - Fabricados de Betão, Lda mostrava-se confiante durante a apresentação do jogo: “Acho que vai correr bem. Para nós, que somos uma empresa industrial, parece-me que é o que fazemos no dia a dia. Estamos habituados a comprar, transformar, vender… como eles dizem que a empresa nunca vai à falência, se calhar vamos aproveitar

para arriscar um pouco mais do que na vida real!”. Os consultores disponibilizam-se para ajudar as equipas, sempre que necessário “Já nos têm contactado telefonicamente e claro que aconselhamos quando nos pedem. Na maioria dos casos o consultor acompanha o jogo e faz com que o participante se interesse pelos seus resultados”. O ano passado, participaram quatro empresas do Citeforma e uma delas passou ao Gestão Global Nacional.

Gestão Global – o que é? O Global Management Challenge – Gestão Global é uma competição internacional de Estratégia e Gestão, organizada pela SDG - Simuladores e Modelos de Gestão e pelo Jornal Expresso. Esta competição consiste numa simulação empresarial em que cada equipa deve gerir uma empresa com o objectivo de obter a mais elevada cotação das suas acções na Bolsa de Valores. Centenas de equipas formadas por quadros de empresas e estudantes universitários aceitam participar anualmente neste desafio. O Programa Rede tem uma edição própria, destinada a empresas participantes na

linha anual. São 14 equipas a concurso, divididas em 2 grupos. Cada equipa recebe um caso e tem de tomar as suas decisões. Vence a equipa que tiver a cotação mais alta no final da competição e tem direito a inscrição gratuita na próxima edição do Gestão Global. “É uma oportunidade de qualquer um assumir a cadeira do Conselho de Administração. Muitas vezes, as pessoas contactam apenas com os problemas do seu departamento e esta simulação permite-lhes perceber que as suas decisões de gestão têm impacto na empresa” explica-nos Filipa Freitas, consultora da SDG.

06


citeinforma

APONTAMENTO CULTURAL

Apontamento Cultural A Cultura e as Tecnologias • A cultura física envolve o aprimoramento regular do organismo mediante a prática do desporto, da ginástica; • A cultura oficial é o conjunto de atitudes, linguagens, conhecimentos, costumes, etc. explícita ou implicitamente difundidos e estimulados pelos meios de comunicação, mantidos ou utilizados pelo Estado e pelas autoridades constituídas; • A cultura popular está relacionada essencialmente com o folclore. E porque CULTURALIZAR é tornar-se culturalmente informado; possibilitar a aquisição de cultura ou adquiri-la; expandir, por meio de redes de ensino e de instrumentos de informação, comunicação e divulgação: orais, escritos, icónicos, imaginários, ideológicos, políticos, éticos – temos tendência a buscar no tempo de que dispomos, lugares de exposições, visitas museológicas, espectáculos. Convidamo-lo a ir à FUNDAÇÃO PORTUGUESA DAS COMUNICAÇÕES, em Lisboa, www.fpc.pt, e essa visita pode ser muita coisa: o conhecimento do Museu das Comunicações, o convite à leitura de obras e revistas publicadas pela Fundação, uma visita guiada à Casa do Futuro inclusiva, pode ter a sorte de assistir a um colóquio luso-brasileiro ou participar numas jornadas luso-espanholas e muitas outras actividades que podem ser organizadas nos espaços para conferências. Num tempo em que as Comunicações e as Tecnologias estão em permanente evolução, um pouco de tudo isto é possível observar nesta Fundação de forma interactiva. O Citeforma revisita anualmente esta Fundação - pelo menos por três vezes está anunciado no hall da entrada a chegada de um nosso grupo de jovens Formandos -, para que tenham a oportunidade fazerem uma ponte entre os saberes adquiridos na sala de formação acerca das tecnologias e a observação in loco do seu funcionamento, motivando-os ainda para a presença em outros locais de aculturação. Caro Leitor, reiteramos a nossa sugestão de visitar a Fundação Portuguesa das Comunicações. http://www.fpc.pt/FPCWeb/museu/displayconteudo.do2?numero=18848

Ser social, solidário e profissional imprime nos nossos hábitos um sentido de aculturação, sinónimo de um processo por meio do qual um indivíduo absorve, desde a infância, a cultura da sociedade em que vive. E a Cultura é o conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes, etc. que distinguem um grupo social. Depois, a cultura é muito vasta e foi-se diversificando ao longo dos séculos, para ir designando culturas alternativas, de massas, eruditas, físicas, oficiais e populares. Segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, a cultura alternativa é a tendência para assumir atitudes, linguagens, costumes que contrariam real ou supostamente os padrões culturais estabelecidos; • A cultura de massas que numa das incidências atinge um universo de formas culturais seleccionadas (música, literatura, cinema, etc.) interpretadas e popularizadas pela indústria cultural, noutra, os meios de comunicação de massas para disseminação junto do maior público possível; • A cultura erudita é o conjunto de conhecimentos acumulados e socialmente valorizados, que constituem património da sociedade;

Texto de Isabel Pedrosa

Legislação sobre trabalho, solidariedade e segurança social

Ministérios das Finanças e da Administração Pública e do Trabalho e da Solidariedade Social Portaria n.º 1301/2007, de 3 de Outubro Cria a comissão de recursos prevista no artigo 67º do Decreto-Lei n.º220/2006, de 3 de Novembro.

Por Rogério Pacheco Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Portaria n.º881/2007, de 8 de Agosto Procede à actualização, para o ano de 2007, da comparticipação financeira da segurança social.

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Decreto-Lei n.º352/2007, de 23 de Outubro Aprova a nova tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças profissionais, revogando o Decreto-Lei n.º341/93, de 30 de Setembro, e aprova a Tabela indicativa para a Avaliação da Incapacidade em Direito Civil.

Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação Portaria n.º984/2007, de 27 de Agosto Fixa os procedimentos relativos à prova anual da situação escolar estabelecida no artigo 44º do Decreto-Lei n.º176/2003, de 2 de Agosto.

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Decreto-Lei n.º326-B/2007, de 24 de Outubro Aprova a orgânica da Autoridade para as Condições do Trabalho

Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Saúde Portaria n.º1223/2007, de 20 de Setembro Aprova o modelo de certificação médica do tempo de gravidez.

Portaria n.º1294-C/2007, de 24 de Outubro Fixa o número máximo de unidades orgânicas flexíveis e a dotação máxima de chefes de equipas multidisciplinares da Autoridade para as Condições de Trabalho.

Portaria n.º1277/2007, de 27 de Setembro Aprova o modelo de requerimento do abono de família pré-natal e do abono de família para crianças e jovens.

07


citeinforma

Início

Fim

Duração

Horário

02-01-2008

15-07-2009

2660

L

FORMAÇÃO PARA ACTIVOS - Formação Contínua Área

Curso

Alfabetização Audiovisuais e Produção dos Media Comércio

Matemática para a Vida Som / Audio - Captação, Registo e Edição Técnicas de Vendas Análise dos Modelos Declarativos IRS/IRC/IVA Cálculo Financeiro e Estatístico - Rendas Contabilidade Financeira Análise e Gestão Financeira Seminário de Actualização Fiscal Método e Técnicas de Análise Económica e Financeira Contabilidade e Fiscalidade Seminário de Actualização Fiscal ** Encerramento Anual de Contas Normas Internacionais de Contabilidade Seminário de Actualização Fiscal* Contabilidade de Gestão Seminário de Actualização Fiscal Gestão de Créditos e Cobranças Gestão e Motivação de Equipas Eficazes Desenvolvimento Pessoal Comunicação Liderar Grupos com Inteligência Emocional Formação de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Gestão e Administração Gestão de Pessoal – Nível II Administração de Base de Dados ( SQL Server ) Programação de Sistemas Distribuídos - Java Programação em Visual Basic .NET Tipologias de Redes Windows Server - Instalação e Configuração de Rede 3D Studio Viz Algoritmos Comandos e Potencialidades de CAD Sistemas de Informação Geográfica I Técnicos de Manutenção Hardware Maya Fundamental Informática para Técnicos Macromedia Dreamweaver Protocolos de Redes - Instalação e Configuração Programação em Linguagem SQL Adobe Photoshop Projecto de Arquitectura - CAD (2D) Programação em ASP .NET Programação em Java: AWT e Swing Programação em Visual C# .NET Windows Server - Instalação e Configuração de Serviços Programação Dentro de Base de Dados Concepção de Animação 3D Macromedia Flash SO Windows, Internet e Comunicação * Introdução à Informática na Óptica do Utilizador SO Windows, Internet e Comunicação Processador de Texto * Informática para Utilizadores Processador de Texto Processador de Texto - Funcionalidades Avançadas * Folha de Cálculo Introdução ao MS Sharepoint Folha de Cálculo* Espanhol Inicial I Espanhol Inicial II Inglês ao Vivo - Conversação em Língua Inglesa Espanhol Avançado I Línguas Espanhol Inicial II Inglês Elementar II Inglês Intermédio II Espanhol Intermédio I Espanhol Inicial I Gestão e Marketing - Princípios Básicos Marketing e Publicidade Mercados - Comercialização e Segmentação Comportamento do Consumidor Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Secretariado e Trabalho Administrativo Aperfeiçoamento em Secretariado II

Início

Fim

Duração Horário UFCD

05-01-2008 05-01-2008 17-03-2008 05-01-2008 05-01-2008 05-01-2008 16-02-2008 09-02-2008 23-02-2008 23-02-2008 08-03-2008 08-03-2008 08-03-2008 15-03-2008 15-03-2008 29-03-2008 12-01-2008 01-03-2008 01-03-2008 21-01-2008 25-02-2008 05-01-2008 05-01-2008 05-01-2008 05-01-2008 05-01-2008 07-01-2008 07-01-2008 07-01-2008 07-01-2008 19-01-2008 28-01-2008 06-02-2008 09-02-2008 11-02-2008 26-02-2008 27-02-2008 01-03-2008 01-03-2008 01-03-2008 01-03-2008 17-03-2008 25-03-2008 31-03-2008 02-01-2008 05-01-2008 07-01-2008 30-01-2008 31-01-2008 29-02-2008 03-03-2008 03-03-2008 17-03-2008 07-01-2008 07-01-2008 05-01-2008 31-01-2008 31-01-2008 03-03-2008 03-03-2008 10-03-2008 31-03-2008 05-01-2008 09-02-2008 15-03-2008 29-03-2008 26-02-2008

16-02-2008 23-02-2008 04-04-2008 15-03-2008 23-02-2008 01-03-2008 08-03-2008 08-03-2008 12-04-2008 29-03-2008 05-07-2008 17-05-2008 12-04-2008 31-05-2008 19-04-2008 19-04-2008 16-02-2008 05-04-2008 05-04-2008 05-03-2008 14-04-2008 23-02-2008 23-02-2008 23-02-2008 26-01-2008 23-02-2008 24-01-2008 18-01-2008 29-01-2008 25-01-2008 08-03-2008 18-02-2008 25-02-2008 29-03-2008 27-02-2008 14-03-2008 25-03-2008 19-04-2008 19-04-2008 19-04-2008 19-04-2008 07-04-2008 16-04-2008 17-04-2008 24-01-2008 16-02-2008 29-01-2008 25-02-2008 26-02-2008 13-03-2008 28-03-2008 14-03-2008 11-04-2008 30-01-2008 30-01-2008 15-03-2008 29-02-2008 29-02-2008 08-07-2008 30-06-2008 09-04-2008 28-04-2008 26-01-2008 01-03-2008 12-04-2008 10-05-2008 30-07-2008

39 h S UCB3 50 h S 145 35 h PL 40 h S 50 h PL 580 32 h S 32 h S 37,5 S 50 h S 587 37,5 S 48 h S 574 32 h S 37,5 S 32 h S 37,5 S 30 h S 35 h S UC 35 h S UC 35 h S UC 100h PL 50 h PL 50 h S 787 50 h S 816 50 h S 25 h S 825 50 h S 834 42 h PL 25 h PL 804 50 h PL 2773 60 h PL 50 h S 42 h PL 42 h PL 50 h S 827 50 h PL 812 42 h PL 50 h PL 2819 50 h S 156 50 h S 50 h S 50 h S 835 50 h PL 50 h PL 144 42 h PL 50 h   PL UC 39 h S UCB3 50 h   PL UC 50 h   PL 754 50 h PL 754 25 h PL 755 50 h PL 756 25 h PL 50 h PL 756 50 h PL UC 50 h PL UC 30 h S UC 50 h PL 50 h PL UC 75 h PL UC 75 h PL UC 50 h PL UC 50 h PL UC 25 h S 423 25 h S 425 25 h S 377 40 h S UC 150 h PL Nota: datas previstas, sujeitas a confirmação

* Portalegre ** Torres Vedras UC - Unidade de Competência  UCB3 - Unidade de Competência - Básico Nível 3 Formação Co-Financiada pela União Europeia (Fundo Social Europeu) e pelo Estado Português (Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social). UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Ministério do Trabalho e Solidariedade Social

CURSOS DE FORMAÇÃO

Curso Técnicas Administrativas *

• Nota: datas previstas, sujeitas a confirmação • JANEIRO A MARÇO DE 2008

FORMAÇÃO PARA ACTIVOS - Educação Formação de Adultos


CITE'IN'FORMA Nº34