Page 1

CITEin´FORMA Nº 21 Agosto de 2004 NOTA EDITORIAL O Citeforma renovou a sua acreditação pelo INOFOR, até 2007, nos seis domínios de intervenção requeridos: • Diagnóstico de necessidades de formação; • Planeamento de intervenções ou actividades formativas; • Concepção de intervenções, programas, instrumentos e suportes formativos; • Organização e promoção de intervenções ou actividades formativas; • Desenvolvimento/execução de intervenções ou actividades formativas; • Acompanhamento e avaliação de intervenções ou actividades formativas. A acreditação pelo INOFOR não constitui apenas um garante de qualidade para os seus “clientes”. O processo de acreditação representa, igualmente, uma oportunidade para uma reflexão estratégica indutora da melhoria generalizada dos instrumentos de gestão interna e, consequentemente, dos procedimentos e dos meios de reposta às solicitações internas e externas. De facto, ao promover, nas entidades acreditadas, preocupações de melhoria contínua, o INOFOR está, certamente, a dar cumprimento à sua missão de “contribuir para a melhoria e eficácia das intervenções formativas /… / e a sua adequação, utilidade e impacto nas pessoas, nas organizações e na própria sociedade”. Agostinho Castanheira Director do CITEFORMA NOTÍCIAS Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho IDICT valida curso do CITEFORMA O curso de formação do CITEFORMA de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho foi validado pelo IDICT ( Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho) para o desempenho de funções de Higiene e Segurança no Trabalho pelos empregadores ou por trabalhadores designados. De acordo com o Decreto Lei 109-2000/30 Julho, que regula o regime de organização e funcionamento das actividades de segurança, higiene e saúde no trabalho, em empresas que tenham até 9 trabalhadores e cuja actividade não seja de risco elevado, o serviço de Higiene e Segurança no Trabalho pode ser assegurado pelo empregador ou por um trabalhador por ele designado. As pessoas que frequentarem esta acção de formação no CITEFORMA, terão apenas de apresentar o certificado de formação no IDICT, para verem as suas competências reconhecidas. Curso de POCP para Centros de Gestão Participada


O CITEFORMA promoveu entre os dias 26 de Maio e 3 de Junho de 2004, uma acção de formação sobre o POCP (Plano Oficial de Contabilidade Pública), destinada a funcionários de Centros de Formação Profissional de Gestão Participada. Esta acção reuniu participantes de todo o país e foi especificamente desenvolvida para este publico alvo. “Foi-nos sugerido pelo Departamento de Formação do IEFP, que o CITEFORMA promovesse formação para técnicos e colaboradores dos Centros Protocolares, uma vez que ficou determinada a aplicação do POCP nestas instituições” explica-nos Agostinho Castanheira, Director do CITEFORMA, acrescentando que no seguimento desta solicitação, “foi elaborado um inquérito a verificar o interesse nessa formação e o perfil dos participantes”. Apuradas as necessidades, e depois de uma primeira acção exclusivamente destinada a um dos Centros, foi preparada esta acção de formação, que reuniu participantes oriundos dos seguintes Centros: CEARTE, CECOA, CEPRA, CENFIC, Centro Protocolar da Justiça, CILAN, CINÁGUA, CINEL, CINTERBEI, CIVEC e INOVINTER. Seminário: Paulo Coelho e os Caminhos de Santiago Os formandos da acção de Aperfeiçoamento em Secretariado organizaram, no dia 27 de Maio de 2004, um seminário dedicado a Paulo Coelho e os Caminhos de Santiago. Esta aula prática teve por objectivo o planeamento e organização de um evento, tal como nos explicou Conceição Figueiredo, coordenadora do curso: "a ideia de organizar este seminário surgiu durante as sessões de protocolo, no Módulo de Técnicas de Secretariado. A formadora achou que seria uma boa maneira de por em prática o que tinham aprendido teoricamente e as formandas foram formidáveis na maneira como aceitaram o desafio. Tiveram forte empenho e grande motivação na realização deste evento!". Algumas formandas participaram como oradoras, e na mesa contaram ainda com a presença de Marília Pimentel Teixeira, uma estudiosa de Paulo Coelho e antiga coordenadora da formação em secretariado, no CITEFORMA. Visita estudo à Galiza O CITEFORMA promoveu uma viagem de estudo à Galiza destinada aos formandos dos cursos para jovens de Técnico de Comunicação Multimédia e Técnico de Secretariado e Burótica. Entre os objectivos desta deslocação encontravam-se duas visitas: uma aos estúdios de um canal de televisão regional da Galiza e outras às instalações de uma Universidade de Santiago de Compostela. Na Universidade, os formandos tiveram a oportunidade de visitar o sítio onde se leccionam cursos ligados às novas tecnologias, à comunicação e ao jornalismo. Para além das futuras áreas de interesse profissional destes jovens, puderam também apreciar as cidade de Santiago de Compostela, de La Coruña, de conhecer a Torre de Ulisses e ainda à Casa del Hombre, um museu interactivo sobre o corpo humano.

WORKSHOP DE TECNOLOGIA Televisão Corporativa


Tem vindo a crescer o interesse pela Televisão Corporativa, à medida que se analisa a potencialidade deste meio de comunicação. De tentativas localizadas de produção e divulgação de programas em meios restritos, o conceito desenvolveu-se, chegando-se hoje à conclusão de que esta via permite a transmissão de informação de forma rápida e eficaz a uma determinada população, comunidade ou grupo de trabalho, recorrendo a toda uma nova vaga de tecnologias de informação e formatos de multimédia. Muitas empresas encontraram na Televisão Corporativa a ferramenta ideal para fortalecer a imagem da empresa. Permite a passagem de informação por texto, som e imagens, transformando a mensagem em algo altamente apelativo. O uso deste meio tem vindo a crescer à medida que o mercado oferece soluções de fácil implementação, a custo reduzido. Entre os principais utilizadores deste meio contam-se hotéis e unidades turísticas, grandes superfícies, empresas de média e grande dimensão, institutos de ensino, canais de televisão, etc. Uns fazem-no unicamente como consolidação da sua estratégia de comunicação empresarial, informando o seu publico alvo, enquanto outros aliam à componente informativa a comercial, uma vez que este meio é facilmente rentabilizado através de espaços publicitários. WORKSHOP O CITEFORMA procura sempre acompanhar a evolução das tecnologias e das soluções de inovação que se encontram no mercado. Aproveitando a oportunidade de apresentação de um produto tecnológico pela empresa Pantalha , e estabelecendo uma interacção entre o mercado e a oferta formativa, promoveu um Workshop de Tecnologia dedicado à Televisão Corporativa, para o qual convidou profissionais das áreas de Marketing, Multimédia, Audiovisuais e Tecnologias de Informação. Pretendeu-se, com este workshop não só contextualizar este novo instrumento de comunicação, como também apresentar uma recente solução do mercado: o Matrox InfonetTV. Trata-se de um sistema multimédia que satisfaz as necessidades de televisão corporativa e de TV por cabo (produção, administração e emissão de canais de televisão), mantendo um controlo de custos que torna esta solução viável e até mesmo apetecível. Para além desta proposta, o mercado oferece ainda outras soluções como o Channel Maker da wTVision, o sistema Navori pela empresa Micro I/O . Qualquer um destes sistemas distingue-se pela capacidade de influência do destinatário/ consumidor, ao transmitir a informação em suportes apelativos como a imagem vídeo, animação, e multimedia.


QUALIDADE NA FORMAÇÃO CITEFORMA acreditado pelo INOFOR em 6 domínios O CITEFORMA encontra-se acreditado pelo INOFOR, até 09.03.2007, nos seguintes domínios: :: Diagnóstico de necessidades de formação; :: Planeamento de intervenções ou actividades formativas; :: Concepção de intervenções, programas, instrumentos e suportes formativos; :: Organização e promoção de intervenções ou actividades formativas; :: Desenvolvimento/execução de intervenções ou actividades formativas; :: Acompanhamento e avaliação de intervenções ou actividades formativas. Esta acreditação vem reforçar a validade do investimento feito pelos formandos que frequentam o Centro e a garantia de qualidade dos serviços prestados. De acordo com dados recolhidos do site do INOFOR ( até 2 de Julho de 2004), há 83 entidades acreditadas nestes domínios, 52 das quais na região da Grande Lisboa. Importância da acreditação A aquisição de competências é um factor critico de sucesso e uma garantia de competitividade. Os trabalhadores que pretendem potenciar as suas próprias capacidades recorrem, por isso à formação contínua, na perspectiva de acrescentar mais valia à sua formação de base. De forma a garantir que existe qualidade nessa formação ministrada, as entidades formadoras devem estar dentro dos parâmetros de qualidade e das normas estabelecidas pela entidade acreditadora, o INOFOR ( Instituto para a Inovação na Formação). O INOFOR é um instituto público criado no âmbito do Ministério da Segurança Social e do Trabalho, vocacionado para o reforço da qualidade e eficácia do sistema de formação profissional. Trata-se de um organismo de apoio estratégico à profissionalização e desenvolvimento das entidades formadoras e dos profissionais de formação. Desenvolve projectos e parcerias que visam contribuir para um sistema de formação mais estruturado, qualificado e adequado às necessidades das pessoas e das organizações. Em 1996, no âmbito da reforma das regras de acesso ao Fundo Social Europeu (FSE), foi instituída a criação de um sistema de acreditação das entidades (Portaria n.782/97 de 29 de Agosto) que utilizassem verbas desse Fundo para o financiamento da sua actividade formativa. Trata-se de um sistema que visa a validação técnica e o reconhecimento da capacidade de intervenção formativa de uma entidade, com os principais objectivos: Contribuir para a elevação da qualidade e adequação das intervenções formativas; Contribuir para um maior rigor e selectividade no acesso e eficácia na aplicação dos


fundos públicos disponíveis para apoio à formação profissional; Contribuir para a clarificação da oferta formativa, mediante a construção de referenciais que possam constituir base de orientação para utilizadores, entidades formadoras, profissionais de formação e cidadãos em geral; Contribuir para a estruturação do sistema de formação profissional e a profissionalização dos seus actores; Apoiar as entidades na melhoria gradual e contínua das suas capacidades, das suas competências e dos seus recursos pedagógicos Neste âmbito, a intervenção do INOFOR é feita em três linhas: • Avaliação da qualidade das entidades formativas . Esta análise e avaliação é feita de acordo com a metodologia de avaliação e controlo da qualidade, suportada pelo referencial do próprio sistema. Integra todos os domínios relevantes para a aferição da qualidade dos operadores, segundo os objectivos expressos das políticas nacionais de formação e certificação profissional; • Desenvolvimento, junto das entidades formadoras, de uma intervenção pedagógica , designadamente através da disseminação de informação técnica, no sentido de as apoiar em processos de mudança organizacional que lhes permitam o cumprimento dos requisitos do referencial de acreditação; • Desenvolvimento produtos de informação sobre oferta formativa acreditada , dirigidos aos potenciais utilizadores dessa oferta. Por exemplo, a divulgação sobre oferta formativa no site INOFOR. FORMAÇÃO DE ACTIVOS Reestruturação do Curso de Contabilidade e Gestão Administrativa O CITEFORMA reestruturou o curso de Contabilidade e Gestão Administrativa. Na formação de base foram introduzidas algumas das (anteriores) especializações, enriquecendo, desta forma, o percurso formativo. Assim, o curso passa a ter, nos dois primeiros anos, os módulos de Análise Financeira , Direito das Empresas , e Calculo Financeiro . Ainda no 2ª ano foram introduzidos dois módulos: Noções Básicas de Contabilidade e Gestão , permitindo que os formandos, na formação básica também tenham acesso, à semelhança da Fiscalidade, a um conjunto mínimo de conhecimentos referentes aos domínios da Contabilidade de Gestão, e Projecto de Contabilidade , onde se pretende que, de forma integrada, os formandos elaborem um projecto de contabilidade de uma empresa, para o qual terão necessidade de recorrer a aplicações informáticas. As especializações (3º ano) dividem-se agora em duas áreas: Contabilidade Analítica e Gestão Orçamental , e Fiscalidade . As alterações introduzidas não prejudicam os formandos que iniciaram o percurso no ano anterior. Os que transitaram para o 2º ano não terão de frequentar os módulos agora introduzidos no 1º ano, uma vez que os mesmos estavam, na estrutura anterior, afectos às especializações.


Esta restruturação é já uma das consequências da aplicação do novo modelo de avaliação da formação, implementado na sequência do processo de acreditação do CITEFORMA junto do INOFOR, como nos explica Cristina Tavares, responsável pelo Departamento de Formação do CITEFORMA: “O novo modelo de avaliação contempla um terceiro nível que em que se analisa o impacto da formação”. Para a construção deste modelo, foi justamente o percurso de Contabilidade e Gestão Administrativa que esteve sujeito a avaliação. Os seus resultados, foram também tidos em conta para a reestruturação do curso.

REDE REDE – Reportagem Fertiprado A Fertiprado é uma das empresas que participa nesta edição do Programa REDE, através do CITEFORMA. Dedica-se à comercialização de sementes de pastagens e forragens "mas com conhecimento incorporado", como nos explicou David Crespo, seu director e fundador. "As empresas nesta área de actividade, geralmente, vendem simplesmente sacos de sementes. Quando o agricultor nos procura, nós tentamos perceber o que é que ele pretende, qual a finalidade, para onde, e em que circunstancias pretende utilizar o produto. Este levantamento prévio permite que os nossos serviços técnicos encontrem soluções adaptadas às necessidades do agricultor". Esta pequena empresa familiar conta já com uma empresa gémea em Espanha e uma delegação em Itália. Aderiram ao programa REDE, com o intuito de consolidar estratégias, como nos explicou João Paulo Crespo, Gerente da Fertiprado "É muito importante a relação que este programa promove entre nós e os consultores que aqui têm participado. Permite a troca de experiências em empresas como a nossa: pequena e no interior. Pode ser uma peça importante para nos ajudar a acelerar a marcha". João Paulo Crespo tem apreciado as intervenções dos consultores especialistas nas diversas áreas. Queixa-se do curto espaço tempo de duração do programa para assimilar tanta novidade "É muita informação e muita intenção, para tão pouco tempo. Por outro lado, há assuntos que também não deveriam ser abordados de forma ligeira, necessitam de maior dedicação". Não hesita, no entanto em recomendar este programa a outros empresários: "Rouba-nos algum tempo, mas costumo dizer que não é um roubo, é um empréstimo que depois é pago com juros. Há uma mais valia que se retira desta ocupação de tempo que seguramente terá impacto no futuro da empresa". Para além da área comercial, a empresa colabora em projectos de investigação, tendo neste momento envolvida em cinco projectos nacionais e dois internacionais de parcerias com outras entidades. Recebem, também com alguma frequência grupos de estudantes universitários que aqui vêm conhecer a filosofia e as técnicas que utilizam. Recentemente, a empresa foi distinguida pelo Ministério da Agricultura. Recebeu o prémio Empresa do Ano ligada ao Ramo Agrícola. "Recebemo-lo como um estímulo para continuar a trabalhar ainda mais e melhor!" conta-nos David Crespo,


demonstrando o empenho que esta empresa tem em continuar a crescer e fazer a diferença. Nutrição Animal - Seminário REDE O CITEFORMA realizou no passado dia 28 de Julho, no âmbito do programa REDE, um seminário sobre Nutrição Animal, em Fronteira. Este seminário foi preparado em conjunto com a OVICAPLE ( Associação de Produtores de Leite de Ovelha e Cabra) e contou, mais uma vez com a participação de Jean Louis Poncelet, Presidente da Comissão Ovina Francesa que já o ano passado participou, também em Fronteira, num seminário sobre as Doenças que afectam as Ovelhas. Os produtores de gado que participaram no evento tiveram ainda a oportunidade de ouvir a explicação de Paula Pereira, da Zoopan, sobre as novas tecnologias na alimentação de ovinos de leite. Desta vez, Jean Poncelet deu uma verdadeira aula técnica de Nutrição, explicando minuciosamente as vantagens/ desvantagens de cada um dos componentes das rações utilizadas para alimentar os animais. Concluiu a apresentação, com uma demonstração de cálculo de porções tendo em conta não só o tipo de animal como o seu peso, entre outras variáveis. APONTAMENTO CULTURAL Maria de Lourdes Pintassilgo Personalidade do Século XX Português 11 de Julho de 2004 – Basílica da Estrela, Lisboa. Missa de corpo presente no funeral de Maria de Lourdes Pintassilgo. Francisco Fanhais subiu ao púlpito e cantou a canção Cidade Nova – letra de Fernando Melro inspirada no texto do profeta Isaías e música de Francisco Fernandes. Cumpria assim o ultimo desejo de MLP, que com ele se cruzara na semana anterior, no funeral de Sophia e lhe havia confidenciado: “Vou dizer-lhe uma coisa que já disse a alguns amigos: Quando eu morrer gostava de o ter comigo”. A emoção que se adivinhava, se sentia na voz bela e límpida do “seu” e do “nosso trovador” gerou de imediato uma verdadeira comunhão fraterna ao entoarmos com ele o refrão: Cantai comigo que o sol já vem Eu já alcanço Jerusalém Que melhor síntese para a concretização da utopia da cidade – uma constante no pensamento de MLP – e para com ela partilharmos esse seu anseio? Havia lágrimas nos rostos de todos nós, lágrimas que falavam melhor do que todas as palavras! Mas eis que surge na minha memória afectiva a evocação de um outro cenário – Palácio Foz – ano 2000 nos 70 anos de MLP. A sala foi pequena para acolher tantos amigos e admiradores, oriundos dos mais variados quadrantes políticos, sociais e religiosos empenhados em participar numa homenagem que era simultaneamente uma contestação “ao poder político” e “às instituições políticas” que durante mais


de vinte anos teimaram em “ignorar” a craveira profissional e a elevada envergadura moral e cívica desta personalidade maior do século XX português – a primeira mulher a ocupar o lugar de primeiro-ministro, a primeira mulher a candidatar-se à presidência da república. Este ostracismo, que muito a entritecia, levou-a em plenos anos 90, a dizer ao jornalista Adelino Gomes “Não me perdoam ter ousado entrar no mundo deles”. No decorrer desse encontro foi lançado Mulher das Cidades Futuras das Edições Horizonte, livro de depoimentos de que destaco alguns: João Mota Escrever: escrever, gostava muito. Mas a minha forma de criar é encenar e representar. Se pudesse, encenava-a. Ou representava um monólogo, Em que o tema seria a saudade dos tempos em que nos fez acreditar que era possível Fernando Dacosta Luminosa e profética, interveniente e ousada; disponível e lúcida, ela tornou-se uma referência sobre a apatia do pós-revolução e do pós-história. Foi das primeiras vozes a convocar-nos para a urgência de reinventarmos a democracia, para a não perdermos e a solidariedade para não nos perdermos. A festa de anos de MLP terminou com a voz e a música de Francisco Fanhais. O mesmo que em vida nunca esteve ausente e respondeu presente à ultima convocação. Que saibamos merecer o legado humanístico que esta grande MULHER nos deixou! Texto de Dulce Matos Legislação sobre Trabalho, solidariedade e Segurança Social Ministério da Segurança Social e do Trabalho Decreto-lei n.º 87/2004, de 17 de Abril Repristina os artigos 8º, 9º, 12º e 15º do Decreto-Lei nº261/91, de 25 de Julho, que aprova o regime jurídico das situações de pré-reforma. Tribunal Constitucional Acordão n.º 155/2004, de 22 de Abril Pronuncia-se pela inconstitucionalidade das normas do n.º5 do artigo 7º e do n.º3 do artigo 8º do decreto da Assembleia da República n.º157/IX (que aprova o regime jurídico do contrato individual de trabalho da Administração Pública) Ministério das Finanças e da Segurança Social e do Trabalho Portaria n.º 439/2004, de 30 de Abril Fixa os valores dos coeficientes a utilizar no ano de 2004 na actualização das remunerações a considerar na determinação da remuneração de referência que serve de base de cálculo das pensões de invalidez e velhice do regime geral da segurança


social. Revoga a Portaria n.º283/2003, de 31 de Março. Ministérios da Educação e da Segurança Social e do Trabalho Portaria n.º 445/2004, de 30 de Abril Aprova as normas regulamentares de aprendizagem em vários itinerários de formação da área do comércio. Ministério das Finanças Decreto Regulamentar n.º 19-A/2004, de 14 de Maio Regulamenta a Lei n.º10/2004 de 22 de março, no que se refere ao sistema de avaliação do desempenho dos dirigentes de nível intermédio, funcionários, agentes e demais trabalhadores da administração directa do Estado e dos institutos públicos. Lei nº23/2004, de 22 de Junho Aprova o regime jurídico do contrato individual de trabalho da Administração Pública. Texto de Rogério Pacheco

CITE'IN'FORMA Nº21  

CITE'IN'FORMA Nº21 - Agosto de 2004