__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Círculo do Graal

PASSOS PARA A ETERNIDADE

Poesia de

Carmo Vasconcelos

Carmo Vasconcelos

Página 1


Círculo do Graal

ÍNDICE

I – Construindo a Ponte II – Começo a Entender III – Rugas IV – A Arte de Viver V – (In) Direitos Humanos VI – Ferve ao Poeta VII – De Narciso… a Narcisista VIII – A Metamorfose IX – Se a Natureza Grita… X – Poemas em Tempo de Guerra – Hoje como Ontem… XI – Quero-te Flor Primeira! XII – E… Fez-se Luz! XIII – Reconstruindo Pontes XIV – Estrela-Guia XV – Oração à Virgem XVI – Amigo XVII – Luz na Escuridão XVIII – Quando Choras… XIX – Êxtase XX – Canção à Vida

Carmo Vasconcelos

Página 2


Círculo do Graal

I CONSTRUINDO A PONTE...

Suave e lentamente, desligo-me do mundo. Sem pena nem tristeza; nem asceta... Sem depressão ou euforia, apenas circunspecta, preparo a outra vida que vislumbro ao fundo... Para trás, a estrada já vencida, o “dejá-vu” que, perdido o espanto, tal amantes desgastados de eu e tu, já não empolga mais... Na nova esfera introspectiva há silêncios de catedrais, cores a desbravar num imo de vitrais. Dos satélites pulsantes ao redor, já conheço os estafados movimentos e quadrantes. O caminho, sem arestas de temor, faz-se agora para dentro, numa rota ponderada de regresso ao antes. Guardo os olhos para Paisagens Superiores, e os ouvidos para Sinfonias Divinais. Prevejo, até... Uma nova poesia por sinais aromados de incensos: luzes, toques, brisas calmas; a linguagem enigmática das almas. Pressinto orgias transcendentais, orgasmos cósmicos deslumbrantes, anjos e vestais fazendo amor num céu de debutantes. Carmo Vasconcelos

Página 3


Círculo do Graal

Largo as vestes da vaidade, a nudez visto de branco; descalço-me de intentos, despeço louvores, rebaptizo sentimentos. Experimento o desapego franco! Abafo o ego prepotente; queimo o lixo material e poluente. Na mala... apenas os valores invisíveis: aprendizado, conhecimento, justeza, doação, desprendimento. Não há limite de peso para a bagagem dos possíveis que estou juntando em sossego. Quantos mais... maior leveza! Ah! Minha vontade fraqueja… Pesos ainda da carne que lateja. Das paixões, persistem sombras torturantes, pecados veniais, sedutores e fascinantes. E as feras, sequiosas de prazer, rondam-me a fonte... Mas, por entre a força e a fraqueza, a certeza do paraíso defronte! Sem data agendada para a passagem, estou construindo a ponte!

Carmo Vasconcelos

Página 4


Círculo do Graal

II COMEÇO A ENTENDER...

Começo a entender a inutilidade do, teimosamente, querer... Lentamente, dispo a frustração do não ter... Pragmática, visto a minha gramática. “Passar” é o meu verbo, não, “Ficar”. Chuva miúda que cai, entranha, vivifica, revigora, e se vai, homeopática! Brisa forte, mais que aragem, menos que suão, espaneja, sacode, areja, e se vai, errática! A todos os meus amores amei intensamente e desejei eternos. Mas isso... seria outra gramática, estática! Carmo Vasconcelos

Página 5


Círculo do Graal

Meu verbo é “Passar”, não, “Ficar”. Água corrente, transparente, refresca, tonifica, reverdece, e se vai, profiláctica! Chama quente e rubra, acalenta, purifica, alumia, e se vai, carismática! Começo a entender-me, sem lamento, da Natureza elemento. Chuva, brisa, água, chama, gente e agente do Super-Regente que, em Sua divina táctica, enigmática, escreveu minha gramática, sistemática. “Servir”, “Servir”, “Servir”, depois... “Partir”!

Carmo Vasconcelos

Página 6


Círculo do Graal

III RUGAS

Em cada ruga houve um caminho percorrido, Em cada estria outra jornada sem avesso, Marcas de um tempo irreversível e pregresso, Fundos sinais de antigo carma já vencido. Todas afago sem revolta e sem lamentos, E bendizendo-as me desdobro em oração, De alma ora leve e apaziguado coração, Grata e liberta de penhores e tormentos. Esculturais sulcos divinos a lembrar Que o purgatório tem morada permanente Aqui na Terra onde se saldam fatalmente Dívidas cármicas deixadas por pagar. Outrora filhas de actos vãos, irreflectidos, As minhas rugas, mais que contas liquidadas, São no presente as mães de luz, purificadas, Destes meus versos, de pecado redimidos.

Carmo Vasconcelos

Página 7


Círculo do Graal

IV A ARTE DE VIVER

Nem sempre é fácil a arte de viver... Renúncia exige em meio a sacrifícios, Há que fechar os olhos pra não ver A falsidade eivada de artifícios. Calar os sapos rente ao coração, Riscar da mente abruptos desenganos, De orgulho e brios, sem mágoa, abrirmos mão, E dar amor a crentes e profanos! Essa a palavra ouvida à cristandade: Amar o nosso irmão, qual Jesus Cristo, Que já na cruz, perdoa ao Judas falso! Mas desse exemplo longe, eu preces alço Pra que essa luz me toque enquanto existo E possa ser-me leve a Eternidade!

Carmo Vasconcelos

Página 8


Círculo do Graal

V (In) DIREITOS HUMANOS

Quanta esperança esse justo enunciado Já trouxe ao ser humano desvalido... Num maná de direitos prometido, Depois de longas eras aviltado. Um halo novo iluminou as mentes! Quantas almas fremiram de euforia! Corações se inflamaram de utopia! Que homens ainda os há, puros e crentes! Porém, a vilania dos dementes, De poder e ambição gananciosos, Faz-se cega aos direitos proclamados... Sobra calçada prós desalojados, Recheada têm a bolsa os ardilosos, E grassa a fome sobre os inocentes!

Carmo Vasconcelos

Página 9


Círculo do Graal

VI FERVE AO POETA…

Fervem-lhe os sãos direitos esquecidos Aos homens, às mulheres e às crianças, Ferve-lhe um amanhã nulo de esp'ranças Para os pobres viventes desvalidos. Ferve-lhe, inda, a justiça surda e cega Que deixa soltos, ímpios e ladrões, Ferve-lhe a impunidade que lhes lega E mete os indigentes nas prisões. – Inocentes se roubam um milhão Culpados se com fome roubam pão! Fervem-lhe ao rubro os luxos desmedidos, Vaidades sem acerto e probidade, Fervem-lhe os que de tudo desprovidos Dia-a-dia, são mendigos sem idade. Fervem-lhe as verdes matas derrubadas Para servir aos reis da construção, Ferve-lhe este planeta sem espadas, Que em fúria se insurge à degradação. – Ferve-lhe o homem d'agir louco e macabro Conducente do mundo ao descalabro! Ferve-lhe, quente, o sangue de poeta, Gritam-lhe a dor, as letras em cachão, Ferve-lhe n’alma a mágoa não secreta, E na mente, a denúncia p’la razão. Ferve-lhe a compulsão pela justiça Tomar de vez o rumo rectilíneo, Ferve-lhe a mão pra actuar na dura liça, Em resgate da Paz em extermínio. - Na pena... a garra d’abolir o imundo! Ao poeta... A força de mudar o Mundo!

Carmo Vasconcelos

Página 10


Círculo do Graal

VII DE NARCISO... a NARCISISTA Carmo Vasconcelos

Narciso Na mitologia greco-romana, Narciso ou O Auto-Admirador (Língua grega: Νάρκισσος), era um herói do território de Téspias, Beócia, famoso pela sua beleza e orgulho. Várias versões do seu mito sobreviveram: a de Ovídio, das suas Metamorfoses; a de Pausânias, do seu Guia para a Grécia; e uma encontrada entre os papiros achados em Nag Hammadi, ou Chenoboskion, também chamada Oxyrhynchus. Era filho do deus-rio Cefiso e da ninfa Liríope. No dia do seu nascimento, o adivinho Tirésias vaticinou que Narciso teria vida longa desde que jamais contemplasse a própria figura. Narcisismo O narcisismo tem o seu nome derivado de Narciso, e ambos derivam da palavra Grega narke, "entorpecido" de onde também vem a palavra narcótico. Assim, para os gregos, Narciso simbolizava a vaidade e a insensibilidade, visto que ele era emocionalmente entorpecido às solicitações daqueles que se apaixonaram pela sua beleza. Como Pausânias também nota, outra história conta que a flor narciso foi criada para atrair Perséfone, filha de Deméter, para longe das suas companheiras e permitir que Hades a raptasse. Versão de Ovídio Em Metamorfoses, Ovídio conta a história de uma ninfa bela e graciosa tão jovem quanto Narciso, chamada Eco e que amava o rapaz em vão. A beleza de Narciso era tão incomparável que ele pensava que era semelhante a um deus, comparável à beleza de Dionísio e Apolo. Como resultado disso, Narciso rejeitou a afeição de Eco até que esta, desesperada, definhou. Para dar uma lição ao rapaz frívolo, a deusa Carmo Vasconcelos

Página 11


Círculo do Graal

Némesis condenou Narciso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco. Apaixonando-se profundamente por si próprio, inclinou-se cada vez mais para o seu reflexo na água, acabando por cair na lagoa e se afogar. *** DE NARCISO... a NARCISISTA

Nas lendas de Narciso, a bela flor Serviu paixões e fúteis leviandades... Cúmplice foi do rapto por amor Da adorada Perséfone, por Hades. Porém, a estória dita, apenas é Uma das ricas faces mitológicas; Mas é doutra, a de Ovídio, que vem fé De renegarmos tais vias analógicas. Lembre-se a lenda antiga de Narciso! O jovem que adorando a própria imagem, De egocêntrico amor, morreu, sem siso, Havendo os que hoje ainda, tal qual agem! Se remiram no lago da vaidade, Julgando-se no Cosmos, sem igual, Não vendo que no espelho da verdade, Seu rosto é reflectido de amoral. Se afogam na água fétida do egoísmo, Ignorando os iguais, pares e irmãos, Alheados dum fraterno e são altruísmo, Carregando em si, péssimos senãos! Que lhes baixe a luz ígnea do saber Existir em global humanidade, A iluminar o anverso do seu Ser, E a guiá-los à sagrada eternidade!

Carmo Vasconcelos

Página 12


Círculo do Graal

VIII A METAMORFOSE Desde criança ouvi o vaticínio Que em dois mil seria o morticínio De todos nós, na Terra em extinção... Mas, talvez, pla mudança dos vectores Que do planeta são os regedores, A Esfera continua em rotação. Indubitavelmente, os seus valores São hoje testemunhos dos horrores, Perpetrados plos génios da ambição... Que do espiritual alvo distanciados, Fazem dos bens venais deuses amados, A que ajoelham em louca obsessão. Se auto-destruindo em lutas e chacinas, Revestem-se de crenças peregrinas, Em nome de um suposto Deus Maior... Olvidando que irmãos somos do Cristo, Que morrendo por nós se fez benquisto, Filho do mesmo Pai, de insigne Amor! Mas a metamorfose, que requer Novel tempo do "Ser" e não do "Ter", Deixou de ser um mito imaginário... Uma nova Era não é mais opção, Imposta já se fez! E em transição, Caminhamos pra Luz da Era de Aquário!

Carmo Vasconcelos

Página 13


Círculo do Graal

IX SE A NATUREZA GRITA... É sábia a Natureza em seu poder, Que sempre há-de acudir a rude lance, Inda que algum de nós tal não alcance, Duvidoso do seu divo saber. Se à fúria da Invernia oferece a gruta Que em alto mar espera acolhedora, Já no queimar do estio dá estrada afora, A árvore cuja sombra se desfruta. Todos os seres são seus protegidos, Se o perfeito equilíbrio não lhe ofendem Co'a ambição em seus actos desmedidos... Que é brava a Natureza quando grita, Revoltada plos males que lhe acendem; E pla afronta ao planeta, ruge, aflita!

Carmo Vasconcelos

Página 14


Círculo do Graal

X Poemas em tempo de guerra HOJE COMO ONTEM... Hoje os rios correm vermelhados de vergonha, Plúmbeos os céus, envergam traje de ímpar dor, Na atmosfera gaseifica-se o estertor, Poeira de sangue sem limite que se oponha. É uma barbárie turbulenta que regressa, A insanidade da feroz Roma de Nero, A arena ignóbil do bestial exemplo fero, A demoníaca loucura, vã, pregressa. Qual a que à morte condenou natos varões, Pra aniquilar a voz do Cristo Redentor, Chegado ao Mundo pra pregar a paz e o amor, Mote enjeitado por Herodes e vilões. A mesma que, ímpia, conduziu à Inquisição, Injustamente, os desafectos, fés avessas, E fez rolar na guilhotina essas cabeças, Sem vacilar um só momento em compaixão. Hoje, motivos e razões bem divergentes, Vestem a Guerra igual, no sangue mergulhada, E capitula a Paz, às mãos da malfadada Carnificina que dizima os inocentes. Novo Dilúvio venha à Terra! E que extermine Os vis demónios que a ambição trazem aos pés, E nos devolva o Mundo, tal o que Deus fez, Um Mundo Novo que a violência recrimine!

Carmo Vasconcelos

Página 15


Círculo do Graal

XI QUERO-TE FLOR PRIMEIRA!

Quando eu futuramente regressar, Noutro corpo, diversa alma prefiro, Despida de memórias, qual papiro Liso... Que esta enrugou-se de chorar! Quero-a nua de passados já sofridos, Flor primeira, enxertada de ignorância, Alheada de lembranças que em constância, A tolham pelos erros conhecidos! Erros que antes de fluírem largos prantos, Se vestiram de riso, gozo, encantos, Inefáveis momentos de prazer! Então, que venha a mim alma inocente, A aventurar-se, audaz, inconsciente, Que entre riso e pranto há vida a viver!

Carmo Vasconcelos

Página 16


Círculo do Graal

XII E… FEZ-SE LUZ! (Soneto de Natal)

Eram tempos de angústia, tenebrosos, Quando os servos do mal e da ambição Reinavam neste mundo, poderosos, Espalhando terror, desolação… Mas dessa escuridão, soturna e fria, Emerge a Luz por dentre a palha loura, Abrem-se as nuvens, brilha a estrela-guia, E eis que nasce Jesus na manjedoura! E a Luz iluminou os corações, Com Deus feito o Menino que chegou Para mudar o senso às multidões Pla Palavra que ao Mundo proclamou! Que o Seu Verbo Divino contra o mal Renasça, vivo em nós, cada Natal!

Carmo Vasconcelos

Página 17


Círculo do Graal

XIII RECONSTRUINDO PONTES

Derrubem-se as paredes orgulhosas, Erigidas na raiva dos repentes, Triturem-se os tijolos insolentes E as pedras de arremesso, belicosas! E desfeitos os muros corrompidos, Reconstruam-se pontes migratórias Que resgatem afectos e memórias, Em águas rancorosas imergidos! Retome-se a palavra naufragada, Recolham-se os abraços afundados, Desafoguem-se os réus, por nós julgados… - E a travessia da paz faz-se alcançada! Que a morte espreita e surge inesperada, E o que sabemos dela é quase nada!

Carmo Vasconcelos

Página 18


Círculo do Graal

XIV ESTRELA-GUIA (Aos meus filhos)

Quando um dia, filhos meus, eu vos deixar, Não chorem por meu corpo já cansado, Que já não pode ter-vos ao cuidado, Se é tempo de partir e descansar. Revejam-me no céu, já estrela-guia, Que do alto vos protege e por vós zela, Seguindo vossos passos, sentinela, A adoçar-vos a mágoa que angustia. Espalhem minhas cinzas pelo mar, Que sempre vossos pés virei beijar, Em ondas segredantes de carinho. E em seus murmúrios, hão-de ouvir, baixinho, Vindo da profundeza dos corais, Que zelo e amor de mãe são imortais!

Carmo Vasconcelos

Página 19


Círculo do Graal

XV ORAÇÃO À VIRGEM Senhora, de alva tez com olhos d’água, Suplicamos a vós, lavai da mágoa Este mundo que sofre em provação… Resguarda-nos em teu manto de amor, Preserva de teus filhos toda a dor, Ave Mãe! Te imploramos protecção! Por todos nomes que usas te invocamos, E aos teus sagrados pés nos arrojamos Virgem Santa, Maria ou Conceição… De Fátima, de Lourdes, ou do Mundo, Escuta nossas preces, do mais fundo Amargor que nos fere o coração! E de nossos pecados nos perdoa, Tira de nós a angústia que magoa, Despe-nos de vingança e desamor… Inunda-nos com vosso olhar de luz, E intercede por nós junto a Jesus, Pra que o Mundo renasça em Seu esplendor!

Carmo Vasconcelos

Página 20


Círculo do Graal

XVI AMIGO

Amigo, as minhas mãos são tuas! Cavalgam no luar das tuas luas, Aquecem no sol que te bafeja… Navegam no mar das tuas mágoas, Remam contigo por marés e fráguas, Unem-se para orar a Deus que te proteja! E o meu maior desejo é estar contigo, És tu que me dás consolo e abrigo, Quando dos meus olhos corre o choro… Que me aconchegas, suave, no teu peito, Se de tristeza e amor insatisfeito, Sofro… E na tristeza me demoro! Por isso te dou as minhas mãos, Façamos a viagem como irmãos, De mãos dadas nas pedras do caminho… E quando a nossa mente desnorteia, Que seja o meu amor tua candeia, Que seja a minha luz o teu carinho!

Carmo Vasconcelos

Página 21


Círculo do Graal

XVII LUZ NA ESCURIDÃO

Nossos erros do passado, Nossas metas incumpridas, Pedem mais caminho andado, Numa, duas, ou mil vidas! Por nós sermos ignorantes Desta e de outras verdades, Somos cegos caminhantes Neste mundo de vaidades! De olhos vendados entramos, Às cegas e iludidos, Em portas onde vibramos Pela evasão dos sentidos! E loucos, não percebemos, P’las tentações atraídos, Que desses falsos terrenos Só sairemos caídos! É tempo de dizer não! Busquemos a rota certa Que leva da confusão À consciência desperta! Acharemos muitas “velas” Alumiando a estrada, Que luzindo, paralelas, Dão mais luz à caminhada! Se nos juntarmos a elas Ressurgirá um clarão… - De muitas pequenas velas Se faz Luz na escuridão! Carmo Vasconcelos

Página 22


Círculo do Graal

XVIII QUANDO CHORAS

Quando choras sem querer, Sem motivos aparentes, E choras sem perceber Por que sofres e o que sentes Que tanto te faz doer… O que choras, sem saber, É o profundo desgosto Das crianças maltratadas, Dos sem-lar não acolhidos, Das raças discriminadas… É o sofrimento sem rosto Dos pobres desprotegidos, Da miséria envergonhada, Das rameiras e oprimidos… Tanta vítima calada! … É o longo fogo posto Do dependente agarrado, Dos carentes de afeição, Do inocente acossado, Dos velhos em solidão… É do fel o duro gosto Das matas incendiadas, Do mar azul poluído, Das aves envenenadas, Das guerras de ímpio sentido… Quando choras, sem querer, Sem motivos aparentes, E sem saber o que sentes… O que choras, na verdade, São as dores da Humanidade! Carmo Vasconcelos

Página 23


Círculo do Graal

XIX ÊXTASE Quando sentires com desalento Que foste traído pela vida, E te achares impotente na subida Do poço onde se afoga o teu tormento, E na escalada do abismo em que caíste… Não julgues inaudível teu lamento, Lembra-te sempre que Ele existe! Quando sentires, amargurado, Que o túnel para ti não tem saída, Julgando-te no mundo abandonado, Cão raivoso, águia ferida, E que a vida assim já nada vale… Açaima a tua fúria aguerrida, Aguarda apenas que Ele fale! Busca-O no sol e no vento, No verde mar que te rodeia, No céu, ora azul ora cinzento, Nas estrelas, na brilhante lua cheia, Ou até numa lembrança de outro tempo! Busca-O na paz do moribundo, No primeiro gemido da criança, Na rotação eterna deste mundo, No germinar do grão lançado fundo, Na derradeira força de uma esperança! Ouvirás em tudo a Sua Voz! Sentirás então a Sua Paz! Julgarás, em êxtase, que a Terra se virou E que a outra dimensão tu aportaste… Verás depois que nada se mudou, A não ser tu que sem saber mudaste! *** (1º Prémio Jogos Florais da Associação Portuguesa de Poetas/1997) Carmo Vasconcelos

Página 24


Círculo do Graal

XX CANÇÃO À VIDA Eu canto a cada alvorada Que à vida me traz de novo, Canto a alegria de um povo Que ri de alma atormentada! Canto o riso da criança E a sua pura inocência, Canto a minha irreverência E a minha eterna esperança! Canto as searas repletas E o Sol em cada manhã, Canto um melhor amanhã Pra justiças incompletas! Canto a vida que não pára, A noite que segue o dia, Canto até, quem tal diria… O silêncio que os separa! Canto os peixes e o mar, E as fontes de água fria, Canto esta minha alegria E o meu desejo de amar! Canto a deusa poesia, Meus devaneios risonhos, Canto a ilusão dos meus sonhos E a minha doce utopia! Canto o ter sido nascida, E o nosso Deus Criador, Canto o meu profundo amor Pela dádiva da Vida!

Carmo Vasconcelos

Página 25


Círculo do Graal

EPÍLOGO Amigo/a que me leste, Estes “Passos para a Eternidade”, mais do que mera produção literária, são catarses d’alma, necessidade comum a todos nós, caminhantes, face aos pesos da humanidade que nos reveste. São longos e muitos os caminhos a trilhar e as vias buscadas para a libertação desses pesos que nos oprimem, até que encontremos o verdadeiro caminho da espiritualidade, e a alma se torne leve o bastante para ascender definitivamente à Eternidade. Se os meus passos, ainda incertos, se fazem, também, através da poesia, é porque me foi concedida a bênção divina de encarnar como aprendiz de poeta. Sinto, pois, que é meu dever partilhar o que, semeado em mim, por privilégio divino, vem sendo por mim lavrado – o melhor e o menos bom – consciente de que o caminho se vai fazendo progressivamente, seguindo um percurso em tempo próprio, inerente a cada um de nós, na diferença que, afinal, nos completa. Leituras atentas levam-nos a descobrir, por detrás do apenas pretenso escritor ou poeta, igualmente um ser que se veste de prosa e/ou verso para transmitir, não só sentimentos e estados, humanos e pessoais, fruto da sua tríade, corpo/alma/mente, mas também, as mensagens que, através de sutis vibrações, recebe do Cosmos, ainda que, na maioria das vezes, não tenha consciência da sua acção de agente receptor/transmissor da Voz Divina do Universo. Partilhando nossas letras, mutuamente, se ensina e se aprende, não apenas a via literária, mas, sobretudo, como fazer “o caminho”, como almas encarnadas, cujas vidas terrenas se cruzaram na mesma estrada, onde, empunhando armas semelhantes (letras diversas), buscamos tornar, a nós próprios e ao mundo que nos rodeia, menos imperfeitos, como irmãos, filhos do mesmo Deus Supremo, abraçando os altos ideais de Humildade, Amor e Fraternidade, conducentes à União Cósmica e Divina. De mim para ti, companheiro de estrada, com Amor, em Paz e Luz.

Carmo Vasconcelos

Carmo Vasconcelos

Página 26

Profile for Círculo do Graal

Passos para a Eternidade  

Poesia espiritual e humanista.

Passos para a Eternidade  

Poesia espiritual e humanista.

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded