Issuu on Google+

Círculo do Graal

Alma Lusa

Lendas de Portugal

MENSAGEM II Parte – Mar Português PRECE Senhor, a noite veio e a alma é vil. Tanta foi a tormenta e a vontade! Restam-nos hoje, no silêncio hostil, O mar universal e a saudade. Mas a chama, que a vida em nós criou, Se ainda há vida ainda não é finda. O frio morto em cinzas a ocultou: A mão do vento pode erguê-la ainda.

Alma Lusa rimar@sapo.pt http://circulodograal.pt Portugal

Dá o sopro a aragem – ou desgraça ou ânsia -, Com que a chama do esforço se remoça, E outra vez conquistemos a Distância – Do mar ou outra, mas que seja nossa! Fernando Pessoa


Lendas de Portugal

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Pรกgina 2


Lendas de Portugal

Introdução O imaginário Luso é pleno de história e lendas de um passado longínquo, partilhado com outros povos e outras culturas. Mouras encantadas, castelos e cavaleiros, romantismo, ressuscitam na voz do povo que ao redor da luz cintilante da fogueira e no crepitar de saltitantes fagulhas, adquirem vida no imaginário profícuo da mente! Os textos apresentados nesta colectânea de lendas, embora com algum rigor histórico, são obra literária e alguns dos seus personagens e cenas são ficção; Fonte de informação: Voz popular, cancioneiro popular Autor: Alma Lusa

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 3


Lendas de Portugal

Índice Voz popular

……………………………………....

Pág. 05

I

– Afonso I de Portugal

…………………………..

Pág. 06

II

– Lenda de Egas Moniz

………………………….

Pág. 09

III

– Lenda das Amendoeiras em flor

IV

– Lenda da Moura de Tavira

V

– Lenda da Moura de Faro

VI

– Lenda da Moura Saluquia

VII – Lenda das Rosas

…………..

Pág. 13

………………..…

Pág. 16

……………………..

Pág. 20

…….………………

Pág. 24

………………………………….

Pág. 27

VIII – Os Amores de Pedro e Inês

…………………... Pág. 30

IX

– Lenda da Padeira de Aljubarrota

X

– Lenda do Desejado

XI – Sagres Epílogo

………….. Pág. 33

………………………………. Pág. 37

………………………………………………… Pág. 40 ……………………………………………….

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Pág. 42

Página 4


Lendas de Portugal

VOZ POPULAR, ANSEIO POPULAR!

Só nos resta morrer, soou a voz de D. João de Portugal; morrer sim, disse El-Rei D. Sebastião com a voz abafada pelo fragor da batalha, mas devagar, picou o cavalo e embrenhou-se entre as hostes mouras brandindo a espada. Bem o seguiram fiéis cavaleiros para o proteger de infortúnios que infortúnios trariam a Portugal. Em manhãs de nevoeiro, nas praias do Algarve, é esperado o Desejado, que nas terras mouras de Alcácer Quibir se fundiu nas brumas do tempo e da lenda. A longa noite começou, E o povo espera e anseia…

Lenda do Desejado Batalha de Alcácer Quibir

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 5


Lendas de Portugal

I

Afonso I de Portugal

Já fica vencedor o Lusitano, Recolhendo os troféus e presa rica; Desbaratado e roto o Mauro hispano, Três dias o grão rei no campo fica. Aqui pinta no branco escudo ufano, Que agora esta vitória certifica, Cinco escudos azuis esclarecidos, Em sinal destes cinco reis vencidos. vencidos Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III - 54

Página 6


Lendas de Portugal

Corria o ano de 1179, fria e nebulosa era a manhã. Nos seus agasalhos aconchegado o santo padre, que de santo só tem o nome, passeava meditativo; tinha que resolver um problema na longínqua Ibéria, os Portucalenses, descendentes dos Lusitanos, que outrora tinham combatido os romanos e derrotado por diversas vezes as legiões de César, estavam a criar problemas e situações embaraçosas, queriam formar o seu reino e lutar contra a mourama que ocupava terra cristã, anseio ancestral arraigado às terras de entre Douro e Minho. Mas o rei de Leão e Castela, poderoso e ávido daquelas terras, opunha-se, tinha mais poder e era mais interessante para os jogos políticos que Alexandre III executava em nome da santa igreja. É verdade que em 1143 Portugal já fora reconhecido como reino independente por Afonso VII, pelo tratado de Zamora, mas este reconhecimento escondia o desejo de Afonso VII se tornar imperador da Hispânia e tomar Afonso I de Portugal como seu vassalo. Desejo inocente para quem pensou que Afonso I de Portugal se tornaria vassalo. Enquanto percorria os corredores ladeados de pedra fria, envolto em pensamentos de questões terrenas, tocou de leve no pesado crucifixo, ouro e pedras preciosas ornavam o corpo macerado de Cristo e um arrepio percorreu o seu corpo. Com um desvio brusco de sua cabeça desviou o pensamento espiritual que no momento o ocupou e novamente se embrenhou na questão política: que anseio leva o espírito humano a gritar liberdade e a lutar pela sua identidade? Bem, se esse povo, com tanto ardor defende a terra que é sua e quer libertar a terra cristã ocupada pelos infiéis desde séculos, seja declarado e reconhecido o reino de Portugal e Afonso Henriques seu Rei, vassalo da Santa Igreja. Assim nasceu Portugal… www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 7


Lendas de Portugal

A Bula rezava assim (em português atual):

Bula Manifestis Probatum. Alexandre, Bispo, Servo dos Servos de Deus, ao Caríssimo filho em Cristo, Afonso, Ilustre Rei dos Portugueses, e a seus herdeiros, in perpetuum. Está claramente demonstrado que, como bom filho e príncipe católico, prestaste inumeráveis serviços a tua mãe, a Santa Igreja, exterminando intrepidamente em porfiados trabalhos e proezas militares os inimigos do nome cristão e propagando diligentemente a fé cristã, assim deixaste aos vindouros nome digno de memória e exemplo merecedor de imitação. Deve a Sé Apostólica amar com sincero afecto e procurar atender eficazmente, em suas justas súplicas, os que a Providência divina escolheu para governo e salvação do povo. Por isso, Nós, atendemos às qualidades de prudência, justiça e idoneidade de governo que ilustram a tua pessoa, tomamo-la sob a protecção de São Pedro e nossa, e concedemos e confirmamos por autoridade apostólica ao teu excelso domínio o reino de Portugal com inteiras honras de reino e a dignidade que aos reis pertence, bem como todos os lugares que com o auxílio da graça celeste conquistaste das mãos dos Sarracenos e nos quais não podem reivindicar direitos os vizinhos príncipes cristãos. E para que mais te fervores em devoção e serviço ao príncipe dos apóstolos S. Pedro e à Santa Igreja de Roma, decidimos fazer a mesma concessão a teus herdeiros e, com a ajuda de Deus, prometemos defender-lha, quanto caiba em nosso apostólico magistério.

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 8


Lendas de Portugal

II

Lenda de Egas Moniz

E com seus filhos e mulher se parte A alevantar co’eles a fiança, Descalços e despidos, de tal arte Que mais move a piedade que a vingança. - «Se pretendes, Rei alto, de vingar-te De minha temerária confiança (Dizia), eis aqui venho oferecido A te pagar c0’a vida o prometido. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III – 38

Página 9


Lendas de Portugal

Amanhecia sob o céu cinzento de Guimarães. O exército leonês tomava posições em redor do fortificado castelo, pressagiando um cerco longo. Na sua tenda, D. Afonso VII, rei de Leão e Castela, soberano do condado Portucalense, que agora cercava, olhava o colosso à sua frente e o movimento dos soldados nos adarves das muralhas, que pela sua largura mostrava a fortaleza das mesmas, a tomarem medidas defensivas, as fortes torres de ameias pontiagudas não davam mostras de serem derrubadas com facilidade, não se avizinhava uma empresa fácil. Eram estes guerreiros comandados por um indomável infante, Afonso Henriques de seu nome, filho de D. Henrique de Borgonha, conde de Portucale e de D. Teresa, filha de D. Afonso VI, rei de Leão, devidamente educado por Egas Moniz na arte da guerra e da honra, treinado por homens duros, semeado no seu jovem espírito o chamado da terra cuja crueza a tudo obriga e tudo pede, liberdade! Este condado era uma fonte de preocupação para D. Afonso VII, que aspirava ser imperador de toda a Ibéria e que tivera a recusa de D. Afonso Henriques em prestar-lhe vassalagem, coisa que outros reis peninsulares não o fizeram, motivo pelo qual, se encontrava a cercar o forte castelo de Guimarães e seus guerreiros, homens destemidos e duros como o granito das pedras do castelo, habituados às lides da guerra, que campeavam pelas terras da antiga Lusitânia a dar peleja à mourama, que as tinha em seu poder. Desde sempre, estes homens endurecidos tinham sentimentos arraigados de individualidade e faziam-no sentir ao rei de Leão e Castela em terras galegas. D. Afonso Henriques, no alto da torre de menagem, mirava preocupado o movimento bélico das tropas leonesas que se implantavam em redor do castelo. Não que tivesse receio da refrega, mas porque as suas condições de suportar o cerco por muito tempo eram cinzentas, como o céu que os cobria. Era tão forte como guerreiro na aspereza do campo de batalha, como hábil nas lides da política sem rosto, e fez jus a essa habilidade. Acercou-se dele Egas Moniz, seu aio e educador desde criança, longamente conversaram e

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 10


Lendas de Portugal

o que disseram entre eles ficou registado nas pedras graníticas que o tempo fez questão de silenciar. O tempo passava e de surtida em surtidas mantinha-se o cerco sem sinais de brandura. Certa manhã, as portas do castelo abriram-se e Egas Moniz saiu em direção à tenda real do soberano de Leão e Castela. Levava-lhe a promessa, sob a sua palavra, que o infante D. Afonso Henriques lhe prestaria vassalagem como seu soberano e imperador de toda a Ibéria. Aceitou D. Afonso VII a palavra de Egas Moniz, homem mui respeitado e cuja palavra não era duvidosa. Apressou-se a levantar o cerco, que a leoneses e castelhanos também trazia angústias e desejos de saírem daquelas terras que os atormentavam e, intimamente, receavam. Mais forte que a palavra dada era o anseio independentista de Afonso Henriques e seus barões, e o chamado da terra que ressoava como trovão cavo. O tempo passava e a promessa ficou guardada no seu registo. Deu Afonso Henriques luta a galegos e vitorioso saiu em Cerneja, consolidando as armas do futuro reino de Portugal. Não se conformou o velho Egas Moniz, cuja palavra empenhada lhe pesava no respeito. Despiu-se de suas vestes senhoriais e envergou o hábito dos condenados, baraço ao pescoço e descalço, ele e sua família, dirigiram-se a Toledo, capital do reino de Leão e Castela. Recebeu-o Afonso VII no Paço real, semblante carregado e pouco satisfeito com o desenrolar da situação, sentia-se constrangido com o quadro que se lhe deparava e com a mais que provável independência do condado. - Vossa majestade, venho resgatar a palavra e a honra que empenhei aquando do cerco a Guimarães, para isso conto com vossa benevolência e deposito em vossas mãos a minha vida e a de meus filhos e esposa, quão queridos eles me são. Mais do que a vida, me vale a honra. Afonso encolheu-se ainda mais no trono forrado com manto de veludo, diante da nobreza daquele homem de barbas brancas, envelhecido e de cabeça baixa em sinal de respeito. www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 11


Lendas de Portugal

Ponderou, quem deveria ser castigado era o seu primo Afonso Henriques, que ainda teve a ousadia de lhe dar luta em Cerneja e derrotá-lo, mas a este não era fácil de chegar, era duro o homem. Sensibilizado com a atitude nobre do ancião, libertou-o de seu penhor e permitiu-lhe o regresso ao condado, terra de seus antepassados e de quem se considerava dileto filho. - Ide bom homem. Tomara a muitos fidalgos que me rodeiam terem a dignidade de vosso gesto, certamente me sentiria mais seguro e apoiado. Contra a corrente do destino não posso lutar, para nada me servem os exércitos. Quem sente o chamado da terra, merece têla, a ela pertence. Nuvens passaram sobre Guimarães e sobre Toledo, castelos caíram e castelos se ergueram, os segredos da história ficaram guardados na rude pedra granítica e só o vento a compartilha. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 12


Lendas de Portugal

III

Lenda das Amendoeiras A em flor

Depois que foi por rei alevantado, alevantado Havendo poucos anos que reinava, A cidade de Silves tem cercado, Cujos campos o bárbaro lavrava. Foi das valentes gentes ajudado Da germânica armada que passava, De armas fortes e gente apercebida, A recobrar Judeia, já perdida. p Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III – 86

Página 13


Lendas de Portugal

Dos reinos árabes do sul do Al-Andaluz, o mais ocidental, o AlGharb, tinha a sua capital em Xelbe, opulenta cidade, próspera e fortemente fortificada nas margens do rio Arade, porto seguro para o comércio que a partir da foz subia o rio, vindo do norte de África. A imponência das muralhas de pedra vermelha tirava o ímpeto de conquista a quem as contemplasse, tal o seu aspeto magnífico, altos muros serrilhados de grossas ameias, cortados por torres de vigia e barbacãs envolventes escondiam a beleza de jardins frondosos e fontes de água corrente que emprestavam frescura ao calor do sol escaldante do meio-dia. Centro de cultura e arte, mãe de poetas e escritores, as suas ruas e a beleza das suas casas atraía muitos homens de negócios para o prazer e alegria; viviam felizes os habitantes da esplendorosa e forte Xelbe, o Islão era rei e senhor desta região. Reinava Ibn-Almundin, jovem e guerreiro, amante das artes e da beleza. Amiúde saía com os seus guerreiros para manter afastadas as ameaças de vizinhos e invasores. Numa dessas surtidas fez prisioneiro um barco do norte da Europa com os seus ocupantes, homens fortes e de aspeto titânico, loiros e de tez branca. Uma princesa acompanhava-os, de nome Gilda. Longas tranças da cor do sol caíam sobre os seus ombros, o azul dos seus olhos rivalizava com a cor do céu do Al-Gharb, limpo de nuvens e luminoso. Impressionado com tamanha beleza ficou o jovem príncipe que de amores se tomou. No castelo, mandou apartar dos prisioneiros a bela cativa e pô-la no Paço ao seu serviço. O tempo se encarregou de os unir em casamento. Feliz andava o príncipe com a sua amada e, mais uma vez o tempo se encarregou de toldar os olhos, outrora tão luzentes, em saudoso olhar na vastidão do horizonte. Angústia dominava o espírito do jovem que de tal saudade nada sabia. Pediu auxílio a um dos compatriotas da bela esposa, que lhe disse estar esta saudosa dos campos brancos de neve do seu País.

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 14


Lendas de Portugal

Trazer a neve para tal paraíso era impossível, dominava o sol e as temperaturas eram amenas; um pensamento repentino fez-lhe brilhar o rosto, cujo sofrimento deixara marcas, plantar amendoeiras pelos campos em volta do castelo até onde a vista abrangesse. Floriam estas na primavera e os campos ficavam manchados de branco. Ao resplandecer de um dia primaveril o jovem príncipe conduziu a sua amada para a varanda do palácio e até onde a vista alcançava os campos estavam plenos de branco. Luz e felicidade irradiou do belo rosto e a chegada da primavera era de regozijo pelo despontar das amendoeiras em flor, branqueando os campos de Xelbe, debaixo do céu azul, iluminado pelo sol. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

Xelbe, a pérola de Chencir, é o nome árabe da cidade que hoje é conhecida como Silves. Foi, ao tempo do Algarve islâmico, a principal cidade do Al-Gharb, bela e culta. Foi conquistada em definitivo pelos cristãos em 1189 por D. Sancho I, rei de Portugal. Al-Gharb, significa em árabe, o ocidente, derivou para Algarve em português. O Algarve foi conquistado em definitivo para o reino de Portugal por D. Afonso III em 1249, com a tomada de Faro, atual capital da província. Foi sempre reconhecido como reino independente, mas sem autonomia; os reis de Portugal intitulavam-se de “Rei de Portugal e dos Algarves”. O Algarve só perdeu o estatuto de Reino para província com o advento da república.

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 15


Lendas de Portugal

IV

Lenda da Moura de Tavira

Por esta causa, o Reino governou O conde bolonhês, depois alçado Por rei, quando da vida se apartou Seu irmão Sancho, sempre ao ócio dado. Este, que Afonso o Bravo se chamou, Depois de ter o reino segurado, Em dilatá-lo dilatá cuida, que em terreno Não cabe o altivo peito, tão pequeno. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III - 94

Página 16


Lendas de Portugal

Serena era a manhã, desabrochava sobre as águas límpidas do rio que mansamente deslizavam para os braços do largo oceano. No cimo das muralhas, um vulto esbelto de mulher olhava fixamente o horizonte, onde o rio abraçava a ria, que de tão formosa seria de nome, Formosa. Os seus olhos negros denunciavam a origem moura, norte de África, terra quente. Era ela filha do Alcaide Aben Fabila, homem duro, habituado às lides da guerra e que há bem pouco tempo em contenda com os cristãos, sete cavaleiros tinham tombado às suas armas. Abeirou-se de sua filha e fitou o seu semblante triste e preocupado. O seu arrojado empreendimento traria às portas do seu castelo o temível guerreiro cristão D. Paio Peres Correia, temido e valorizado por muitos. O sangue dos seus cavaleiros clamava da terra que era sua e as armas estavam adestradas para a contenda. - Minha filha, os cristãos em breve estarão às portas do castelo e a sua ferocidade em combate é por demais conhecida, não garanto que consigamos levar a nossa causa à vitória. As suas armas são por demais fortes e a sua causa alimenta o seu indómito espírito. Por força do meu conhecimento de feitiçaria vou encantar-te para que os cristãos a ti não possam chegar. Poderão ver-te no alto da torre de menagem, só na noite das festas do seu apóstolo, João, mas não poderão tocar-te, a não ser que, consigam escalar as pedras desta torre antes de o sol nascer. Empresa que considero impossível e pela graça de Alá, voltarei para o teu desencanto. Ambos, em silêncio, numa comunhão espiritual de valores quedaram-se a olhar a paisagem que em breve não seria sua. Amava ele sua filha e saudoso estava de sua pátria. Os olhos marejados fixaram-se em seu pai, cujo rosto, marcado pelo tempo, denunciava a angústia e o sofrimento do momento, em sulcos vincado. - Meu pai, não te esquecerás de mim, volta e liberta-me do tormento em que vou ficar, quero rever as areias do meu País www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 17


Lendas de Portugal

natal, o meu povo e o que me é querido, leva-me de volta para onde eu pertenço, para alegria do meu coração. Os dias passaram e os defensores do castelo prepararam-se para a mais que certa tormenta que se avizinhava. Não precisaram esperar muito tempo e o castelo estava cercado pela tropa cristã. Reclamavam a terra que era sua e pediam alvíssaras para o rei de Portugal. A contenda ficou na memória do tempo, o castelo em mãos cristãs, e Aben Fabila… só pela morte não cumpriria a sua promessa! Nuvens passaram por cima da torre, as águas corriam para o mar, as pedras enegreciam… Ao entardecer de certo dia, cavalgava D. Ramiro, nobre cavaleiro e valoroso em armas, para o castelo, beirando o rio e mirando os altos muros cujas ameias sobressaiam no alto da colina. Inquieto estava o seu cavalo, belo animal criado pelos campos da Lusitânia, o seu olhar rodeou a paisagem à procura de tal inquietação, o sol já se tinha recolhido e a lua peregrinava nos céus iluminando a paisagem num misto de sombras e luz. O seu olhar acompanhou a lua e quedou-se no alto da torre de menagem. Que via ele? Um vulto de mulher, moura pelo seu trajar, límpidos olhos negros pediam auxílio, o seu coração bateu acelerado e o ímpeto levou-o a escalar as altas muralhas, que a ansiedade não lhe permitiu chegar às portas do castelo, ou fora o destino do encanto que tal ousadia criara? Mas, como tinha vaticinado Aben Fabila, a empresa prometia dificuldades e insucesso no seu empreendimento. Corajosamente e com os olhos postos na bela moura, cuja tristeza assim o encorajava, D. Ramiro trepava pedra a pedra subindo pela torre que parecia não ter fim… e não tinha! O tempo passou, a lua circulava pelos céus e iniciou o seu declínio, o vislumbre do amanhecer espreitou entre as serras no horizonte e as nuvens pararam em cima da torre cobrindo a bela moura, cujo olhar se encheu de lágrimas contemplando o arrojado cavaleiro que triste e surpreso via a bela mulher desaparecer para mais um ciclo do seu encanto, desespero e angústia alimentou o espírito do jovem cavaleiro. www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 18


Lendas de Portugal

Tornou-se D. Ramiro bravo no campo de batalha, desbaratando as hordas de mouros que contra si pelejavam, castelo após castelo caíam às suas armas, mas a bela moura, essa, alimentou o seu encanto e o seu amor nas entranhas do seu ser… Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal.

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 19


Lendas de Portugal

V

Lenda da Moura M de Faro

Da terra dos Algarves, que lhe fora Em casamento dada, grande parte Recupera c’o braço, e deita fora O Mouro, mal querido já de Marte. Este de todos fez livre e senhora Lusitânia, com força e bélica arte, E acabou de oprimir a nação forte Na terra que aos de Luso coube em sorte. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III – 95

Página 20


Lendas de Portugal

A azáfama era grande intramuros do castelo que emoldurava o azul da ria, separada do oceano por um cordão de areia dourada, lembrando a estes povos de origem árabe as paisagens da sua terra natal. Era Ibn Harun uma cidade portuária, próspera e muito bem guarnecida de muralhas, cidade importante do reino Al-Gharb e governado por um emir da dinastia almóada. Era este homem pai de uma bela donzela e de um menino que fazia a delícia de seus olhos, amaciando o comportamento guerreiro e rude, de quem está sujeito às leis da guerra e da governação. No cimo da torre de menagem os vigias acompanhavam com olhar preocupado o serpentear das tropas cristãs, que dos lados da serra se aproximavam da cidade. As notícias que chegavam falavam de cidades e castelos que iam sendo tomadas com o avanço dos cristãos. Preparavam-se as defesas e quem podia sair da cidade tomava rumo para o reino de Marrocos, que outro caminho já não havia. Aos poucos os guerreiros lusos chegaram às portas do castelo e montaram arraial no largo que se expandia terra adentro, mais tarde chamado de S. Francisco. Eram fortes as defesas e forte também o desejo de defesa dos guerreiros almóadas. O teatro estava preparado para a confrontação. De um e de outro lado se preparavam as estratégias para a refrega que se avizinhava trágica. Um jovem guerreiro cristão rondava as muralhas na procura de fraquezas destas quando viu a filha do emir debruçada nas ameias e de olhar fixo em si. Ficou tomado de amores o jovem pela beleza da moura e de tal modo foi correspondido que combinaram um encontro intramuros na noite seguinte. Com a ajuda de um guarda mouro da sua confiança, fez-se acompanhar a bela donzela de seu jovem irmão e abrindo os portões do castelo ali se encontraram. Votos de amor eterno e olhar enamorado entre ambos prometeram tomar votos de união, logo que a batalha terminasse. Quis o destino que naquele momento as tropas cristãs empreendessem uma surtida às muralhas, tomando de pânico o guarda mouro. Convenceu o jovem oficial a bela donzela e www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 21


Lendas de Portugal

seu irmão a acompanhá-lo para a segurança do arraial cristão. Nas suas costas o guarda mouro fechou os portões apressado e de pronto deu o alarme. Quando transpunham as portas do castelo, sob o abraço amigo do jovem, viu este, estarrecido, como a sua amada e o seu jovem irmão se desfaziam em fumo confundindo-se no ar fresco da noite. Desolado por semelhante imagem caiu em profundo desgosto o jovem, enquanto os combates decorriam junto às muralhas do castelo até à queda deste e entregue a el-rei Afonso III de Portugal. No dia seguinte, caminhou o jovem enamorado até às portas onde se tinha dado o acontecimento fatídico, para ele incompreensível e inconsolável. Quando transpôs o portão viu um jovem assomar-se de um postigo na muralha e reconheceu o irmão de sua amada. Esperançoso perguntou: - Que fazes aí? Onde está tua irmã? Disse ansioso o jovem. - Minha irmã e eu estamos encantados nestes muros. Era triste o seu olhar, pálido o seu semblante. - Quem vos fez semelhante ignomínia? A voz alterosa mostrava a intenção de tomar justiça pela afronta. - Meu pai, o emir. Soube através de seus espias dos amores de minha irmã convosco e de vosso encontro secreto e lançou-nos um encanto. Quando transpusermos os portões do castelo os nossos corpos transformam-se em fumo e intramuros deveremos viver. - E até quando dura o encantamento? Esperançosa era a intenção da pergunta que seu coração alimentava. - Enquanto o Mundo for Mundo aqui viveremos nestes muros. Épocas passarão e a lembrança de nosso infortúnio perdurará na lenda. Desolado o jovem sentou-se entre os arcos dos portões, que mais tarde se chamaria Arco do Repouso. Num revés a sua vida tinha perdido o tino. www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 22


Lendas de Portugal

Fixava com olhar vazio os soldados que corriam Vila-a-dentro a tomar posse da cidade, Ibn Harun, mais tarde chamada cristãmente de Faro. Santa Maria de Faro, ainda hoje assim denominada e tornada capital do reino do Algarve. Com a tomada da cidade de Faro, no ano de 1249 por Afonso III, ficou o reino do Algarve definitivamente em mãos cristãs e a reconquista iniciada em 1143 por Afonso Henriques terminara, delineando as fronteiras do reino de Portugal, que com poucas alterações, ainda hoje se mantém. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 23


Lendas de Portugal

VI

Lenda enda da Moura M Saluquia

E vós também, ó terras transtaganas, Afamadas co’o dom da flava Ceres, Obedeceis às forças mais que humanas, Entregando Entregando-lhe os muros e os poderes; Eu, lavrador Mouro, que te enganas, Se sustentar a fértil terra queres! Que Elvas e Moura e Serpa, conhecidas, E Alcáçere-do-Sal Alcáçere estão rendidas. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III - 62

Página 24


Lendas de Portugal

Corria forte tropa de cavaleiros pelas planícies do Ardila, com seus mantos brancos e pendão árabe de seu senhor, em direção ao Castelo de Al-Manijah, guarida segura contra as constantes arremetidas dos cavaleiros cristãos, guerreiros destemidos e ávidos de recuperar as terras de seus antepassados. Comandava-a o príncipe Bráfama, guerreiro intrépido e de olhar atento ao mínimo detalhe da planície que se estendia ante si. Esperava-o sua noiva, a bela moura Saluquia, alcaidessa do Castelo e filha de Abu-Assam, senhor poderoso do Alentejo islâmico, para as bodas, momento único na vida da bela princesa e de seu príncipe. Ao longe, nuvem de pó anunciava a presença de cavaleiros. De pronto o príncipe mouro preparou-se para o combate que se avizinhava, alentando os seus guerreiros em nome de Allah. Espada em riste brilhando ao sol quente do Alentejo começou a dura luta. De ambos os lados a bravura sobejava e aos poucos, um a um, os cavaleiros mouros tombavam no pó da planície, colorindo de vermelho o dourado da terra que ao longe se unia ao Guadiana. Ardilosamente os cavaleiros cristãos trocaram os seus mantos pelos dos mouros e cavalgaram em direção ao forte Castelo desfraldando o pendão do príncipe Bráfama. Do alto da torre de menagem a bela Saluquia avistou a comitiva e o pendão familiar, e seu rosto iluminou-se de alegria e felicidade pelo seu noivo. Mandou levantar a porta sarracena que protegia os fortes portões e de imediato abri-los para o seu amado. Num ápice a cavalaria cristã entrou para o pátio de armas e de pronto a peleja começou para espanto dos mouros que tal não esperavam. Rapidamente se recompuseram e a guarnição do castelo contra atacou com ferocidade. A bela Saluquia, que antes brilhava de felicidade, toldou seus olhos e lágrimas tristes correram pelo seu rosto. O seu amado estava morto. Do alto do eirado da torre

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 25


Lendas de Portugal

contemplava a peleja, que em baixo sorria aos cristãos. Guerreiros tombavam, gritos enchiam os ares, uns de dor, outros de vitória… Perante a iminência da derrota, a bela Saluquia preferiu a morte a cair nas mãos dos cavaleiros cristãos. Do alto da torre o seu esbelto corpo pairou nos ares, caindo em direção aos seus fiéis servidores, que em baixo já repousavam. Sensibilizados, os cristãos, deram o nome de Moura ao castelo conquistado, nome que perdura até hoje, terras de Moura. Assim, em noites de luar, a bela moura passeia no eirado da torre, perscrutando a planície em busca do seu amado e esperando saudosamente a sua volta para as bodas. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 26


Lendas de Portugal

VII

Lenda das Rosas

Eis despois vem Dinis, que bem parece Do bravo Afonso estirpe nobre e dina, Com quem a fama grande se escurece Da liberalidade alexandrina. Com este o Reino próspero florece (Alcançada já a paz áurea divina) Em constituições, leis e costumes, Na terra já tranquila claros lumes. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III - 96

Página 27


Lendas de Portugal

Pensativo estava el-rei D. Diniz, que a História chamou de Lavrador, no balcão do castelo de Sabugal, olhando os campos verdejantes que se estendiam ao alcance de sua vista. As medidas que tomara tinham reativado a agricultura e o pinhal que mandara plantar nos areais de Leiria travava o avanço das areias para os campos agrícolas. Dele, cantaria mais tarde em verso, Fernando Pessoa, “na noite escreve em seu cantar de amigo o plantador de naus a haver…”. Rei culto, poeta, de sensibilidade única, amante do seu povo, doíalhe a miséria que grassava em redor, por isso a sua governação era organizativa e de desenvolvimento e não guerreira. Tinha desposado excelente senhora, Infanta Isabel, dama de Aragão e de mui nobre família real da Ibéria e da Sicília. Só lhe sobrepujava a beleza e a formosura de seus gestos, a bondade e a candura do trato para com os pobres que à volta do paço estendiam a mão à caridade. E sempre Isabel se dirigia para o seu meio distribuindo esmolas e pão. Era querida pelo povo que a chamava de rainha santa. Incomodado estava o soberano por ver a rainha sempre no seio do povo praticando misericórdia e afastando-se do paço real, não por maldade, mas por deveres reais, porque outros deveres clamavam por sua presença. A neblina envolvia a manhã e o sol de envergonhado se escondia no seu seio, a rainha dirigia-se vagarosamente para a saída do paço, com o regaço cheio de pães para os seus pobres, toldou-lhe o passo o esposo real que a inquiriu brandamente: - Que levais no regaço, real senhora? Olhar baixo, a mão procurou auxílio no crucifixo que portava ao peito, onde Jesus repousa, e uma oração iluminou-lhe o semblante e o seu redor. Com voz cristalina e segura, respondeu: - Rosas, senhor, são rosas! www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 28


Lendas de Portugal

- Rosas, retorquiu D. Diniz surpreso, rosas em Janeiro? Mostraimas! D. Isabel abriu mansamente as pregas do vestido e de seu regaço caíram rosas brancas que de frescas e perfumadas encheram o ar de santo cheiro. Nesse dia os pobres de Santa Isabel foram alimentados com o maná dos céus e o sol mostrou-se por entre a neblina iluminando de clara luz semelhante milagre. Foi esta senhora beatificada em 1516 e canonizada em 1625, pelo serviço prestado à misericórdia e à fé, mas, se tal não fosse feito, ficaria na memória do povo sempre como Rainha Santa Isabel, porque de humildes a gratidão perdura. Romântico milagre que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 29


Lendas de Portugal

IX

Os Amores de Pedro e Inês

Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo o doce fruto, Naquele engano da alma, ledo e cego, Que a fortuna não deixa durar muito; Nos saudosos campos do Mondego, De teus fermosos olhos nunca enxuto, Aos montes ensinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto III – 120

Página 30


Lendas de Portugal

Corriam mansamente as águas do Mondego entre margens verdejantes e campos edílicos, chilreavam aves canoras e corações apaixonados deleitavam-se no frescor da manhã. Poetas recebiam inspiração: “Mondego que é dos meus amores que nas tuas margens deixei…”. Bela era a jovem que placidamente passeava nos jardins do Paço, os seus pensamentos voavam céleres para o seu amado, Pedro, o infante de Portugal e filho de el-rei D. Afonso, quarto de nome e Bravo de cognome pelas suas qualidades de homem de armas e sagaz comandante. Mas nuvens negras pairavam sobre os sonhos de menina e moça; para além da paixão e do coração, subsistiam a política e a perfídia. Longos eram os braços da política, meandros insondáveis que à alma pura negam a razão! Castela e Leão não abdicavam de unir à sua coroa a coroa de Portugal, no entanto, opunha-se a vontade e o querer indómito de um povo que prezava acima de tudo a sua independência herdada de seus egrégios avós. Movimentava-se o polvo da política e os seus braços envolveram Inês que tomada de amores dera a Pedro quatro rebentos dos quais um partira. Era Pedro, viúvo de Constança, da qual Inês fora aia, e neste estado confrontou o velho rei e pai rejeitando a sua vontade de o casar de novo e tomou Inês para o seu lar. Vitupério clamava a nobreza, galega gritava a arraia-miúda. El-rei Afonso enredado nas malhas da trama que se gerava entre a família de Inês e os nobres de Leão e Castela e de Portugal, seguiu o aviso de seus conselheiros e mandou matar a bela Inês enquanto Pedro estava ausente, cruel ato de mentes frias, indigno de amantes e de bem-querer. Triste estava Afonso de tal ato movido por razões de estado, irado estava Pedro que seu amor lhe fora tomado. Quando Pedro ascendeu ao trono, perseguiu e matou cruelmente os algozes de sua amada, ação que lhe valeu o cognome de Cruel ou Justiceiro. Em cerimónia tétrica coroou Inês de Castro rainha de Portugal e obrigou a sua corte a beijar a mão descarnada de seus amores no www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 31


Lendas de Portugal

cato de beija-mão que só à realeza é devida, passando e inclinando a fronte diante dos seus restos mortais; assim reza a lenda que de avós para avós, de voz para voz, perdura no tempo… Foi depois sepultada em belo túmulo de pedra no mosteiro de Alcobaça, onde repousa ao lado de seu amado, el-rei D. Pedro, as suas faces de pedra contemplam-se para sempre. Assim foi criado o episódio mais trágico e comovente, mas vero, da História de Portugal, tão bem cantado e imortalizado por Luís de Camões nos Lusíadas, canto III, 120-136; Inês de Castro a que depois de morta foi rainha. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 32


Lendas de Portugal

IX

Lenda enda da Padeira P de Aljubarrota

O campo vai deixando ao vencedor, Contente de lhe não deixar a vida; Seguem Seguem-no os que ficaram, e o temor Lhe dá, não pés, mas asas à fugida; Encobrem no profundo peito a dor Da morte, da fazenda despendida, Da mágoa, da desonra e triste nojo De ver outrem triunfar de seu despojo. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto IV – 43

Página 33


Lendas de Portugal

Corria o ano de 1385, el-rei D. Fernando, o Formoso, tinha falecido dois anos antes sem deixar filho varão, sua filha, a infanta Beatriz, casada com D. Juan I de Castela reclamava para si o trono de Portugal, mas o povo não acalentava esta pretensão e aclamou como seu rei, D. João, Mestre de Avis, filho ilegítimo de D. Pedro I, o Justiceiro, rei de Portugal, dando início à dinastia de Avis e inaugurando uma era de glória para a história Lusa. Esta situação levou a que Portugal fosse invadido pelas hostes castelhanas em defesa e honra de D. Beatriz, atitude que escondia o anseio de Castela de tomar para si o reino de Portugal. Estava calma a noite, iluminada por uma lua que de envergonhada mal abraçava os campos de Aljubarrota. Pressagiava o que estava por vir. Os barulhos noturnos tinham emudecido e o silêncio era cortado pelo crepitar das fogueiras que no arraial castelhano cortavam os ares e iluminavam rostos ásperos ávidos de conquista. Já tinha sido repelido D. Juan de Castela do cerco que pusera a Lisboa, não só pela tenacidade dos defensores e pelas muralhas mouras, como também pela peste, qual castigo do céu, que o obrigou a retirar. Semblante crispado, D. Juan, voltou-se na sela e disse: Eu volto! O Condestável de Portugal tinha escolhido o campo em que defrontaria o soberano de Castela e o seu exército, que de numeroso, (*) tirava a cor dos rostos de quem o via, porque ao coração acode o sangue amigo! Que em perigos grandes, o temor é maior muitas vezes que o perigo. D. Nuno Álvares, açoute de soberbos castelhanos, mirava na noite a imensidão do arraial inimigo e uma prece fervorosa nasceu do espírito indómito do guerreiro procurando no Alto o apoio do Altíssimo para a defensa da própria terra, contra a esperança de ganhá-la de outros! Era válida a sua empresa e soberba a dos castelhanos, que da terra alheia se queriam apoderar. Castela não desistia de unificar a Ibéria, por processos diplomáticos e guerreiros, tinha-se assenhoreado de outros reinos, fortalecendo o seu poder hegemónico e político.

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 34


Lendas de Portugal

Clareava a manhã e a lua mansamente retirava-se do céu estrelado para as bandas do oriente. A azáfama e o berreiro dos castelhanos contrastavam com o silêncio determinado dos portugueses, que calmamente aguardavam o avanço dos invasores. (*) Deu sinal a trombeta castelhana, Horrendo, fero, ingente e temeroso; Ouviu o monte Artabro, e Guadiana Atrás tornou as ondas, de medroso; Ouviu-o o Douro e a terra transtagana; Correu ao mar o Tejo duvidoso; E as mães que o som terribil escutaram, Aos peitos os filhinhos apertaram. A primeira ala da cavalaria castelhana começou a mover-se, num estrondo ensurdecedor e temeroso, indo chocar e estilhaçar-se nas lanças em riste da ala dos namorados do pequeno contingente português; nova leva de cavalaria vem atrás, cegos de confiança não se apercebem do desastre à sua frente. Ante o desaire, D. Juan de Castela, ordena o avanço da infantaria para apoio dos desalentados cavaleiros; das alas e pela retaguarda aparece o grosso do exército Luso, qual matilha que em movimento estudado e sincronizado cercam e abatem a vitima. Desorientados os castelhanos lutam pela vida que o ideal de conquista morreu na primeira ala. A terra bebe o sangue que não é de seus filhos e seca. D. Juan de Castela retira com o seu séquito e olha para trás para ver o seu exército a fugir pelos campos de Aljubarrota em defesa da vida e diz: Não voltarei! Em fuga desenfreada, sete soldados castelhanos escondem-se num grande forno, esperando pelo anoitecer para se juntarem ao seu exército; azar o seu, era o forno pertença da padeira da vila de Aljubarrota, Brites de Almeida de seu nome, mulher dura e de feições ásperas, que enfrentava sem medo qualquer homem. Desditosa sorte a destes soldados que transidos de medo se aconchegavam, pensando estar seguros. Engano o seu. A padeira que os tinha visto pegou na sua longa e forte pá de madeira e desancouos, gritando: www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 35


Lendas de Portugal

- Esta terra pertence aos portugueses e por ela pelejam e este forno a mim pertence! Depois de umas pazadas nos ossos castelhanos, trancou a forte porta de ferro, prendendo os desditosos, que gemendo choravam a sorte sua. Foram ajudados por soldados portugueses que os retiraram das mãos da enfurecida padeira. Ficou célebre entre as suas gentes a padeira que com uma pá de madeira tinha desancado sete soldados inimigos, que antes o terror tinham espalhado. Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

(*) Os Lusíadas de Luís de Camões, canto IV, 28

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 36


Lendas de Portugal

X

Lenda do Desejado

Vereis amor da Pátria, não movido De prémio vil, mas alto e quase eterno, Que não é prémio vil ser conhecido Por um pregão do ninho meu paterno. Ouvi: vereis o nome engrandecido Daqueles de quem sois senhor superno, E julgareis qual é mais excelente, Se ser do mundo rei, se de tal gente. Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto I – 10

Página 37


Lendas de Portugal

Grande era a azáfama no corredor dos passos perdidos, fidalgos em trajes coloridos e elegantes circulavam com ar matreiro, bandeando a cabeça em cumprimentos de ocasião. As andanças da política propiciavam novas com o Rei menino, Sebastião da casa de Avis, neto de D. João III o Piedoso, homem de muita fé e fervoroso católico. O Rei menino, educado por Jesuítas, seguiu-lhe os mesmos passos e revelou-se uma personalidade de fé, devoto ao catolicismo, mas ao mesmo tempo, insensato, motivado pelo ambiente que se desenvolvia ao seu redor, hipocrisia e adulação. Assim cresceu o futuro Rei de Portugal, Sebastião. Dele cantou Camões, em presença: E vós, ó bem-nascida segurança Da lusitana antiga liberdade, E não menos certíssima esperança De aumento da pequena cristandade; … Ouvi: vereis o nome engrandecido Daqueles de quem sois senhor superno, E julgareis qual o mais excelente, Se ser do mundo rei ou de tal gente. O império estava feito, a fé inabalável, o sonho era cantado em verso e o olhar fixou-se em África, onde o infiel sarraceno fazia sortidas piratas sobre a navegação cristã. Conquistar o reino de Marrocos deu espaço de empresa em seu espírito jovem. O sonho falou mais alto do que a experiência, o sonho calou a voz de generais experimentados na arte da guerra, que em desespero o avisavam sobre o mau juízo e insensatez de tal atitude. Triste sina a de quem não houve a verdade e conselho experimentado! Foi triste a manhã nas planuras de Alcácer-Quibir, no etéreo soavam as palavras “morrer sim, mas devagar”, el-rei D. Sebastião tinha desaparecido e o seu exército jazia quieto sob o sol escaldante do deserto. Portugal quedou-se silencioso ante tal tragédia e lágrimas pesadas encharcaram o chão! A longa noite ia começar. www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 38


Lendas de Portugal

Lusitânia destemida que enfrentaste as legiões de Roma, pariste Portugal a haver mundos por descobrir… cresceu, cumpriu… e desfaleceu em Alcácer-Quibir! Chorai tágides que el-rei D. Sebastião é morto! Murmúrios clamam pelo encoberto que virá numa manhã de nevoeiro ressuscitar a Lusa Pátria da tristeza e da ignomínia e perdura na memória do tempo, do povo e do poeta: Onde quer que, entre sombras e dizeres, Jazas, remoto, sente-te sonhado, E ergue-te do fundo de não-seres Para teu novo fado! E o povo nega-se a acalentar; quem vem viver a verdade que morreu D. Sebastião? Romântica lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 39


Lendas de Portugal

XI

Sagres

As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia lusitana, Por mares nunca dantes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, E em perigos e guerra esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo reino, que tanto sublimaram; Lusíadas

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Canto I – 1

Página 40


Lendas de Portugal

Ponto de partida do não retorno, Dos que fizeram repouso no imenso oceano. Clamam das profundezas pela liberdade, Pátria de crentes, terra da igualdade, Desejos antigos de esperanças vãs, Cálidos dias, alegres manhãs. Ventos profundos, terras escaldantes, Peregrinos cansados como dantes. Ontem, hoje, o amanhã, futuro, Olhar de criança mais puro. Choras pelos teus filhos E os teus filhos choram por ti, Apontas o dedo ao imenso oceano Sem fim, sem brandura, Perecem em terras infindas E no mar encontram sepultura. Triste sina, triste fado… Filhos meus e meu pecado!

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 41


Lendas de Portugal

Epílogo

Ninguém sabe que coisa quer. Ninguém conhece que alma tem, Nem o que é mal nem o que é bem. (Que ânsia distante perto chora?) Tudo é incerto e derradeiro. Tudo é disperso, nada é inteiro. O Portugal, hoje és nevoeiro… É a Hora! Fernando Pessoa

Mensagem – Nevoeiro

As lendas e tradições de um povo definem a sua identidade cultural. Povo que canta e conta conta a sua história é um povo com legado. l Alma Lusa

www.aquariusul.blogs.sapo.pt

Página 42


Lendas de portugal (rev I)