Issuu on Google+

Especial • Cobertura do VIII Congresso Paulista, da III Jornada Brasileira de Residentes e do I Simpósio de Ligas Acadêmicas (pág. 3) • I Congresso Sabará de Especialidades Pediátricas (pág. 7)

Outubro/2011 – Setembro/2012 – Ano XI – nº 41/43 – Edição Especial

Destaques • XXXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica (pág. 14)

VI Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança atende a quase 800 crianças no país Este é o segundo maior resultado, desde que, em 2007, a CIPE começou a promover mutirões nacionais anualmente

A

CIPE tem motivos para comemorar a realização do VI Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança. Ocorrido no dia 18 de agosto, o mutirão deste ano atendeu a 798 pacientes, de bebês a adolescentes. Este foi o segundo melhor resultado desde que, em 2007, a entidade passou a organizar mutirões nacionais, anualmente. Em 2012, apesar das dificuldades que envolvem a organização de uma iniciativa desse porte, contou com a participação de 31 serviços, presentes no Distrito Federal e em 14 estados: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins. Alguns hospitais fizeram questão de se integrar ao mutirão, mesmo tendo de realizar as cirurgias programadas de forma parcelada ou em outra data, dadas as condições locais. Três serviços, apesar de terem se inscrito junto à CIPE, foram obrigados a cancelar as cirurgias, em virtude de problemas pontuais. Além de reduzir as filas de espera por cirurgias pediátricas nos hospitais e contribuir para o restabelecimento, em menor tempo, da qualidade de vida das crianças atendidas, a iniciativa é benéfica para a CIPE, os cirurgiões pediátricos e a especialidade. Os mutirões colaboram para maior aproximação da entidade com os profissionais que representa e também são importantes na divulgação da especialidade em todo o país. (Veja a cobertura completa a partir da página 8 desta edição.)


PALAVRA DO PRESIDENTE Jornal da CIPE – Ano XI, Número 41/43 Outubro/2011 – Setembro/2012 O Jornal da CIPE é o veículo informativo oficial da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE). Redação Rua Cardeal Arcoverde, 1745–bl. A–12º and.–cj. 123–Pinheiros–05407-002–São Paulo (SP)– Tel.: (11) 3814-6947–imprensa@cipe.org.br e secretaria@cipe.org.br

Caros amigos,

Diretores Responsáveis Max Carsalad Schlobach (diretoria@cipe.org.br) e Antonio Carlos Moreira Amarante (diretoria@cipe.org.br) Jornalista Responsável Cristiane Collich Sampaio – Mtb. 14 225 (imprensa@cipe.org.br e collichc@uol.com.br) Publicidade Zeppelini Editorial Produção Gráfica, Editoração Eletrônica e Impressão Zeppelini Editorial www.zeppelini.com.br Tiragem: 1,2 mil exemplares Distribuição: Nacional

Venho nessa mensagem cumprimentá-los um a um, cada um dos sócios da nossa querida sociedade, já no final da gestão desta diretoria, e chamar a atenção para três fatos muito importantes: O primeiro deles é que estamos hoje às portas do nosso XXXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, que este ano será realizado na bela cidade de Belém do Pará. Será a primeira vez que realizaremos um congresso no Norte do país, na Região Amazônica. Mesmo prevendo o desafio que enfrentaríamos, sabíamos que estávamos certos em confiar na determinação dos colegas dos estados envolvidos na organização e na histórica importância que todos damos aos eventos da CIPE. Hoje temos a grata satisfação de contar com quase 250 inscrições, 126 trabalhos (no último congresso, em Belo Horizonte, foram 132) e a certeza de que teremos, mais uma vez, um evento de expressivo valor científico, de grande sucesso, e uma agradável oportunidade de congraçamento. Seis convidados estrangeiros confirmaram a presença: os Drs. Peter Cuckow (Londres, Inglaterra), Miguel Guelfand (Santiago, Chile), Gordon MacKinlay (Edimburgo, Escócia), Carlos Miguelez (Málaga, Espanha), Todd Ponsky (Cleveland, EUA) e Giuliano Testa (Dallas, EUA). Além dos cursos de atualização que precedem a abertura do congresso, teremos ainda a prova anual para obtenção do título de especialista, nos dias que seguem o final do evento.

Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica – CIPE Rua Cardeal Arcoverde, 1745 bl. A – 12º and. – cj 123 Pinheiros – São Paulo (SP), CEP 05407-002 Tel.: (11) 3814-6947 – www.cipe.org.br – secretaria@cipe.org.br Diretoria Presidente: Max Carsalad Schlobach (MG); 1º Vice-presidente: José Carnevale (SP); 2º Vicepresidente: João Carlos Ketzer de Souza (RS); Secretário Geral: Alcides Augusto Salzedas Netto (SP); 1º Secretário: Maurício José Lopes Pereima (SC); 2º Secretário: Hélio Buson Filho (DF); 1º Tesoureiro: Nelson Elias Mendes Gibelli (SP); 2º Tesoureira: Marianne Weber Arnold (PE); Diretora de Patrimônio: Marcia Emília Francisco Shida (SP); Diretor de Publicações: Antonio Carlos Moreira Amarante (PR); Diretor de Relações Internacionais: Kleber Moreira Anderson (RJ). Conselho Fiscal Membros Titulares: Paulo Roberto Pepe Serra (BA), Roberto Antonio Mastroti (SP) e Wilberto Trigueiro (PB). Membros Suplentes: Marco Aurélio Barbieri Ferreira (ES), Geraldo Marcos Faria (MS) e Antonio Aldo Melo Filho (CE). Departamento de Cirurgia Pediátrica da Associação Médica Brasileira (AMB)

Como sempre, nossas maiores dificuldade estão sendo os contratos com os patrocinadores, que se já são difíceis nos eventos no Sul/Sudeste, sede da maior parte das empresas ligadas à nossa atividade diária, mais ainda nos estados mais distantes, onde o transporte dos equipamentos é mais caro do que o valor dos estandes da área de exposição. Por isso tudo, conclamamos todos os colegas e amigos a virem a Belém, com a certeza de que terão um excelente evento, de alto padrão científico, cultural, social, gastronômico, com a famosa hospitalidade do povo do Pará. O segundo fato é a eleição da nova diretoria para os próximos dois anos, que acontece no próximo dia 17 de outubro, data da apuração dos votos. O prazo para a inscrição das chapas encerrou-se às 18hs do dia 21 de agosto e tivemos apenas uma chapa inscrita, encabeçada por nosso ex-presidente, Dr. José Roberto Baratella. A votação será realizada por correspondência, mediante o envio das cédulas à nossa sede até o dia 11 de outubro. Acredito que poucos saibam que, após a alteração do estatuto da CIPE, ocorrida na Assembleia Geral de Salvador, em 2008, não posso ser candidato à reeleição. Devido a esta mudança, todo sócio titular pode ser reeleito apenas uma vez para o mesmo cargo e pode participar sucessivamente de, no máximo, três diretorias. Como anteriormente fui vice-presidente por duas gestões e presidente agora, não posso me reeleger. O terceiro assunto é o Mutirão de Cirurgia Pediátrica, que pela sexta vez consecutiva, foi realizado em todo o Brasil em agosto passado, com maciça adesão dos serviços de cirurgia pediátrica de quase todos os estados do país. Este ano, com 31 hospitais inscritos e 798 crianças e adolescentes operados, registrou o segundo maior resultado desde 2007, quando os mutirões anuais da CIPE tiveram início. Agradeço a importante participação de todos os cirurgiões pediátricos envolvidos, e também os anestesiologistas, enfermeiros e outros profissionais, e estamos conscientes de que foi devido à imensa dificuldade de organizar tamanho movimento e por fatores alheios à vontade de cada um que parte deles não conseguiu viabilizar sua adesão. Por fim, quero agradecer a todos o imenso apoio manifestado durante toda a nossa gestão, sabendo que foi uma grande oportunidade de reforçarmos os fortes laços de amizade dos amigos antigos, com a certeza de que ganhei muitos novos. Neste próximo mês ainda temos muito trabalho pela frente.

Os artigos assinados não traduzem necessariamente a opinião deste jornal, cabendo aos autores a responsabilidade pelos respectivos conteúdos.

Saudações a todos!

Max Carsalad Schlobach Presidente


ESPECIAL

3

Eventos atraem o interesse e refletem o dinamismo da especialidade Entre outubro de 2011 e abril de 2012, a CIPE ofereceu importantes eventos aos especialistas e residentes de Cirurgia Pediátrica. No ano passado, colaborou na organização e realização do congresso paulista, desenvolveu a jornada de residentes e, também, o segundo simpósio das ligas acadêmicas. No primeiro semestre deste ano, participou ativamente na preparação dos módulos sobre a especialidade apresentados no I Congresso de Especialidades Pediátricas do Hospital Sabará. Na medida do possível, a entidade vem se empenhando para organizar ao menos um fórum científico de âmbito nacional por semestre, visando a atualização permanente de seus associados.

Em outubro de 2011, três expressivos eventos permitiram a troca de experiências e o debate de novas práticas em Cirurgia Pediátrica, além de dar o devido relevo ao aperfeiçoamento do ensino da especialidade no Brasil

D

o dia 12 ao dia 14 de outubro, as instalações do São Paulo Center Eventos, em São Paulo (SP), foram ocupadas por convidados e pelos mais de 250 inscritos, entre cirurgiões pediátricos, acadêmicos e residentes da especialidade, que participaram do VIII Congresso Paulista de Cirurgia Pediátrica, da III Jornada Brasileira de Residentes de Cirurgia Pediátrica e do II Simpósio das Ligas Acadêmicas de Cirurgia Pediátrica. Os eventos, cada qual com um foco distinto, foram promovidos conjuntamente pela CIPE e pela Associação Paulista de Cirurgia Pediátrica (CIPESP), com a organização da Lúmina Eventos, oferecendo aos participantes um panorama abrangente e atual da especialidade. A programação do congresso paulista esteve concentrada no tratamento cirúrgico do recém-nascido, incluindo as malformações de diferentes naturezas, e teve como conferencistas internacionais os Drs. Jacob Langer, de Toronto (Canadá), e Juan Tovar, de Madri (Espanha). O programa dos eventos direcionados aos residentes teve espectro mais amplo. Além de abordar novos conceitos e

técnicas relacionados à Cirurgia Geral Pediátrica, à Cirurgia Pediátrica Oncológica, Torácica, Urológica e Colorretal, também enfocou ética e procedimentos acadêmicos relacionados à pesquisa e à produção de trabalhos científicos. O Dr. Sylvio Lipovsek, professor e chefe do departamento de Cirurgia Infantil da Universidade de Maribor, na Eslovênia, trouxe para a jornada e o simpósio informações sobre o ensino da especialidade em seu país e em toda a Europa. Ao idealizar o perfil dos eventos, as comissões organizadora e científica procuraram definir uma programação que contemplasse os interesses

Na solenidade de abertura, (da esq. para a dir.) os presidentes da CIPE, da CIPESP e do congresso paulista, respectivamente, Drs. Max Schlobach, Vicente Gerardi e Humberto Salgado Filho, destacaram a importância dos eventos e desejaram a todos o máximo aproveitamento.

do público-alvo, criando um ambiente propício à atualização profissional, à troca de informações, ao aprendizado e à confraternização. A Comissão Nacional de Acreditação (CNA) concedeu 15 pontos para a revalidação do título de especialista aos cirurgiões pediátricos inscritos no congresso. Para os neonatologistas, a presença no evento contou 3,5 pontos e para os especialistas em Pediatria, Medicina Intensiva, Nefrologia e Cancerologia Pediátrica, um ponto. Premiações No congresso paulista, entre os diversos temas livres apresentados, o trabalho dos pesquisadores da Universidade de Campinas (UNICAMP), coordenados pelo Dr. Lourenço Sbragia Neto, ganhou destaque. O estudo, intitulado Avaliação do tratamento com S-nitrosoglutationa e hidrogel de P (NIPAAm-coAAc) das alças intestinais fetais no modelo experimental de gastrosquise, foi o vencedor do Prêmio Prof. Virgílio Alves de Carvalho Pinto. Além do diploma, o Dr. Lourenço também recebeu como prêmio a inscrição no XXXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, em 2012.


ESPECIAL

4 A comissão científica, que também foi responsável pela análise dos trabalhos, foi formada pelos Drs. Joaquim M. Bustorff, Pedro Muñoz, José Luis Martins, Uenis Tannuri e Roberto Antonio Mastroti. Também na jornada de residentes ocorreram premiações de temas livres. Entre os 23 trabalhos apresentados, três foram selecionados. O primeiro colocado, de autoria da Dra. Talita Picinin Amianti, do Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, de São Paulo (SP), intitulado Fetus-in-fetu (com dois fetus no abdome): relato de caso, recebeu como prêmio a viagem, estadia e inscrição no Congresso da CIPESUR, realizado em novembro de 2011, no Uruguai. O tema Apendicectomia videoassistida com portal único transumbilical em crianças: experiência, apresentado pela Dra. Ana Paula da Hora Paz Santos, do Hospital da Criança – Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), de Salvador (BA), obteve a segunda colocação, recebendo como prêmio um exemplar da mais recente edição do livro Pediatric Surgery. O terceiro prêmio – inscrição para os congressos brasileiros da especialidade de 2012, em Belém (PA) – coube ao trabalho Reoperação pós-abaixamento endoanal na Moléstia de Hirschsprung: indicação e técnica, desenvolvido pela Dra. Roberta Figueiredo Monteiro, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de

Medicina da Universidade de São Paulo (ICr-HC da FMUSP). A comissão julgadora dos trabalhos foi integrada pelos Drs. Átila Reis Victoria (MG), José Bahia Sapucaia (BA), José Carnevale (SP) e Giovanni Capellano (SP). A comissão científica da jornada de residentes foi composta pelos Drs. José Carnevale (Urologia), Antonio Marcos Rodrigues (Oncologia) e Uenis Tannuri (Ensino) e presidida pelo Dr. José Roberto de Souza Baratella. A Dra. Maria do Socorro Mendonça de Campos (BA), respondeu pela coordenação do II Simpósio das Ligas Acadêmicas de Cirurgia Pediátrica. Na oportunidade a CIPE homenageou o Dr. Plínio Campos Nogueira, oferecendo-lhe uma placa em que foi destacado seu pioneirismo na implantação da residência médica em Cirurgia Pediátrica no estado de São Paulo. Avaliações Na avaliação do Prof. Baratella, esta jornada, a exemplo das anteriores, foi muito produtiva. Segundo ele, “muitos palestrantes, de fora do estado de São Paulo, vieram à jornada por sua própria conta, atendendo ao convite da CIPE, sem custos para a associação, o que mostra o elevado espírito de colaboração e amizade do grupo. O nível das apresentações foi muito alto, a sala esteve, por vezes, lotada, apesar de a jornada se realizar em paralelo ao congresso paulista, que

trouxe convidados internacionais. Houve acentuada participação das ligas acadêmicas, notadamente, da LACIPE Bahia, que compareceu em peso ao evento”. O Dr. Sylvio Lipovsek, da Eslovênia, apresentou aspectos bastante interessantes no tocante à condução da residência médica em seu país e possibilitou a troca de experiências com os residentes brasileiros e preceptores, conforme comentou o Prof. Baratella. “As perspectivas para a quarta jornada de residentes, a se realizar em Salvador (BA), em 2013, são ótimas”, prevê, estimando o incremento da participação das ligas acadêmicas. Apesar de elogiar a qualidade dos trabalhos e a postura profissional dos residentes, o Dr. Átila Reis Victoria (MG), integrante da comissão de avaliação dos temas livres, observou a ausência de temas de cunho experimental e a participação de residentes de poucos estados. “Além de São Paulo e Bahia, que concentraram o maior número de trabalhos apresentados, com reflexos na premiação, tivemos inscritos dos estados do Paraná, Pernambuco e Rio de Janeiro”, comenta. O Dr. Átila informou que na seleção foram usados como critérios, o conteúdo dos trabalhos, a raridade dos casos, a qualidade das apresentações, o respeito ao tempo regulamentar e a produção científica gerada por cada um dos serviços representados.

“Nos eventos, o alto nível das apresentações é algo que deve ser destacado, tanto nas conferências proferidas por palestrantes brasileiros, quanto nas dos convidados internacionais e dos residentes. Apesar de todas as dificuldades na preparação dos eventos, acredito que os objetivos foram alcançados com pleno êxito, inclusive quanto ao número de participantes.” Dr. Max Carsalad Schlobach, presidente da CIPE “O nível das apresentações foi muito alto. Houve acentuada participação das ligas acadêmicas, notadamente, da LACIPE Bahia, que compareceu em peso ao evento. (...) As perspectivas para a quarta jornada de residentes, a se realizar em Salvador (BA), em 2013, são ótimas.” Dr. José Roberto de Souza Baratella, presidente da jornada de residentes “Todos os trabalhos apresentados tinham conteúdo muito bom, assim como as exposições. (...) Além de São Paulo e Bahia, que concentraram o maior número de trabalhos, com reflexos na premiação, tivemos inscritos dos estados do Paraná, Pernambuco e Rio de Janeiro.” Dr. Átila Reis Victoria (MG), da comissão de avaliação dos temas livres da jornada “A qualidade dos trabalhos e das apresentações dos residentes melhorou muito. Isso quanto ao teor científico, casuística e seriedade na abordagem dos temas. Na condição de quase decano da especialidade, vejo a Cirurgia Pediátrica num crescendo, despertando mais interesse entre os jovens médicos.” Dr. José Raimundo Bahia Sapucaia, da comissão de avaliação dos temas livres da jornada “Nossos congressos evoluem a cada edição, com mais realizações. O apoio recebido fez com que conseguíssemos levar o congresso adiante. O mérito não é só da CIPE e da CIPESP, é de todos. Mas gostaria de salientar que nesse sentido a atuação do Dr. Humberto, como presidente do congresso, foi espetacular. Observamos, também, que todos os convidados, inclusive os estrangeiros, se sentiram à vontade conosco.” Dr. Vicente Gerardi, presidente da CIPESP “Queria agradecer o apoio recebido da CIPE na realização deste congresso paulista, especialmente dos Drs. Max Schlobach e José Roberto Baratella, e também do Dr. Vicente Gerardi, atual presidente da CIPESP. Gostaria, ainda, de parabenizar o Dr. Lourenço Sbragia Neto, que apresentou o melhor trabalho no congresso.” Dr. Humberto Salgado Filho, presidente do congresso paulista

Novos especialistas

O estudo coordenado pelo Dr. Lourenço Sbragia Neto foi o vencedor do Prêmio Prof. Virgílio Alves de Carvalho Pinto.

Placa de homenagem oferecida pela CIPE ao Dr. Plínio Campos Nogueira.

Após o encerramento dos eventos, nos dias 15 a 16 de outubro foram realizadas nas dependências da Associação Paulista de Medicina (APM) as provas – escrita e oral – para obtenção do título de especialista (TE) em Cirurgia Pediátrica. Os aprovados foram os seguintes: Drs. Alexandre Alberto Barros Duarte, Antonio José Gonçalves e Leal, Carlos Augusto L. de Barros Carvalho, Fábio Antonio Perecim Volpe, Fernando Antonio Bersani Amado, Gabriela Nunes de Oliveira Ramacciotti e Gustavo Pileggi Castro. A CIPE dá as boas vindas aos novos especialistas.


ESPECIAL Fotos: Cristiane C. Sampaio/CIPE e René/Lúmina Eventos

Fotos: Cristiane C. Sampaio/CIPE e René/Lúmina Eventos

Para o Dr. José Raimundo Bahia Sapucaia, que igualmente integrou a comissão de julgamento dos temas livres, os resultados da jornada refletem o  crescimento do interesse de jovens médicos pela especialidade. “Vejo a necessidade  da criação de novas residências nos serviços do país e também a preocupação dos preceptores com o futuro da especialidade”, comentou. Ele acredita que com a melhora da qualidade dos serviços e o crescimento do número de residências, inclusive fora dos grandes centros, os novos residentes poderão ser absorvidos localmente, sendo desnecessário seu deslocamento para outras cidades. Também o congresso paulista foi considerado muito positivo na análise de seu presidente, Dr. Humberto Salgado Filho. “Tivemos gratas surpresas; manifestações dos colegas que nos abordaram nos deram a impressão de que acertamos. Foram grandes conferências, umas mais polêmicas, outras mais suaves. Ocorreram atropelos de horário, em função do atraso na chegada ao país do Dr. Jacob Langer, mas nada que tenha atrapalhado muito”, avaliou. Ele também se referiu à assembleia da CIPESP, ocorrida na tarde do dia 14, que teve boa receptividade e expressivo número de presentes. O Dr. Humberto Salgado fez questão de agradecer a todos os que colaboraram na preparação do congresso paulista, entre os quais, os membros da comissão científica, os presidentes da CIPE e da CIPESP, respectivamente, Drs. Max Schlobach e Vicente Gerardi, e o Dr. Baratella. E, ainda, destacou as importantes contribuições dos conferencistas internacionais que participaram do congresso: o Dr. Juan Tovar, de Madri (Espanha), cirurgião com prática inegável, que atualmente desenvolve diversas linhas experimentais de pesquisa, e o Dr. Jacob Langer, de Toronto (Canadá), com ampla experiência no tratamento de recém-nascidos e inúmeros trabalhos publicados.

5

Dr. José Raimundo Bahia Sapucaia integrou a comissão de julgamento dos temas livres da jornada.

Tanto a jornada quanto o congresso geraram grande interesse e participação.

Dr. Átila Reis Victoria (MG), da comissão de avaliação dos temas livres da jornada de residentes.

A descontração caracterizou a solenidade de encerramento, cuja mesa foi constituída (da esq. para a dir.) pela Dra. Maria do Socorro Mendonça de Campos (BA), coordenadora do II Simpósio das Ligas Acadêmicas de Cirurgia Pediátrica, e pelos Drs. José Roberto Baratella, Vicente Gerardi e Humberto Salgado Filho.

A Dra. Maria do Patrocínio Tenório Nunes, conselheira do Cremesp, apresentou aos residentes palestra sobre ética. Ao término da pauta científica do congresso paulista, a diretoria da CIPESP discutiu com associados questões relacionada à entidade, durante assembleia geral.

No coffee break, momento para contatos, confraternização e para visita aos estandes da feira.

O Dr. Jacob Langer, do Canadá, foi um dos convidados internacionais do congresso paulista.


ESPECIAL

6 Cristiane C. Sampaio/CIPE

“Há gente jovem muito bem formada, capaz de ocupar o lugar de seus predecessores com o mesmo nível.”

Dr. Sylvio Lipovsek, da Eslovênia.

Diferentes critérios para a certificação de especialistas Entusiasmado com o alto nível da jornada brasileira, convidado da Eslovênia abordou o ensino da Cirurgia Pediátrica na União Europeia

“E

ssa ideia, de dedicar uma jornada aos residentes de Cirurgia Pediátrica, é excelente”, declarou o Dr. Sylvio Lipovsek, professor e chefe do

departamento de Cirurgia Infantil do Hospital Universitário de Maribord, na Eslovênia. Em suas conferências, apresentadas na jornada de residentes, ele discorreu

principalmente sobre malformações anorretais e sobre o ensino da Cirurgia Pediátrica em seu país e na Europa. Seu intercâmbio com especialistas brasileiros vem de longa data. Assim, ao falar da qualidade dos eventos, também comentou o elevado nível da Cirurgia Pediátrica no Brasil, citando o Dr. Jose Pinus – um dos fundadores da The World Federation of Associations of Pediatric Surgeons (WOFAPS) –, o Dr. Gilberto Maksoud – “uma lenda” – e o Dr. José Roberto Baratella. Segundo ele, “há gente jovem muito bem formada, capaz de ocupar o lugar de seus predecessores com o mesmo nível”, salientou. Diferenças Na comparação das casuísticas, o Dr. Sylvio revelou que na Europa as malformações graves são menos frequentes do que na

América Latina, África e Índia, porque muitos países daquele continente permitem o aborto diante de alguns casos. “Técnicas cirúrgicas empregadas e equipamentos são similares, uma vez que o intercâmbio internacional é constante”, complementa. Nos países da comunidade europeia os sistemas de ensino da Cirurgia Pediátrica não são uniformes. De acordo com declarações do cirurgião esloveno, na formação dos especialistas, há países que adotam a residência médica e outros que optam por cursos de especialização, com duração média de seis anos. Mais recentemente, o Comitê Europeu de Especialistas (UEMS) passou a definir padrões para cada especialidade e exames para a concessão do título europeu de especialista (TE Europeu), aceito nos países do bloco. “Há a avaliação do país e, depois, a avaliação europeia, com alto grau de exigências”, explica.

Cristiane C. Sampaio/CIPE

“O nível de desenvolvimento da Cirurgia Pediátrica brasileira é elevado e o número de participantes (...) é muito bom para um congresso regional.”

Dr. Juan A. Tovar, da Espanha.

Congressos são “vias de mão dupla” O Dr. Juan Tovar, da Espanha, elogiou o congresso e o grau de desenvolvimento da especialidade no Brasil

H

á vários anos o Dr. Juan A. Tovar, cirurgião pediátrico do departamento de Cirurgia do Hospital Infantil Universitário La Paz, de Madri (Espanha), vem mantendo intercâmbio constante com

especialistas brasileiros. Ele foi um dos conferencistas convidados a participar do congresso paulista. Segundo ele, a Dra. Yvone Vicente, professora e atual chefe da divisão de Cirurgia Pediátrica da

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMUSP – Ribeirão Preto), trabalhou no Hospital La Paz por cerca de três anos, na área de pesquisa, e hoje recebe regularmente de seis a oito estudantes, para estágios de um mês em Ribeirão Preto. O professor considerou o evento muito significativo, classificando como “ótima” a apresentação do Dr. Lourenço Sbragia Neto, citado como exemplo, e avaliando a maioria das palestras como muito boa. “O nível de desenvolvimento da Cirurgia Pediátrica brasileira é elevado e o número de participantes no evento – cerca de 250 – é muito bom para um congresso regional da especialidade”, avaliou. Ensinar e aprender Apesar de seus 45 anos de profissão, o Dr. Tovar vê congressos

como “vias de mão dupla”, nas quais se ensina e se aprende muito. No Hospital La Paz dedica-se à grande área da Cirurgia Pediátrica, incluindo as de separação de gêmeos e ao desenvolvimento de diversas linhas experimentais de pesquisa. Em sua participação no evento, o especialista espanhol abordou cinco diferentes temas: análise das diferentes opções de tratamento cirúrgico da enterocolite necrosante; malformações das paredes abdominais, inclusive em gêmeos unidos; grandes avanços no tratamento pré-natal e cirúrgico da hérnia diafragmática; malformações pulmonares e tumores do recém-nascido. O Dr. Tovar se mostrou satisfeito em estar novamente no Brasil: “Aqui sempre me sinto como se estivesse em minha própria casa.”


Fotos: Cristiane C. Sampaio/CIPE

ESPECIAL

7

a participação de outros conferencistas: os Drs. Atila Reis Victoria, Moacir Astolfo Tiburcio e Max Schlobach, de Minas Gerais; Eliane Garcez da Fonseca e Paulo Roberto Mafra Boechat, do Rio de Janeiro; e Ubirajara Barroso Júnior, da Bahia. O Dr. Max Carsalad Schlobach, Os Drs. Max Schlobach, Tatiana Cristina Miranda Oliveira, Paschoal O Dr. Marc David Léclair, da França, apresentou temas presidente da CIPE, declarou que Napolitano, Átila Reis Victoria e Manoel Carlos Velhote apresentarem relacionados a tumores pré-natais e neonatais e ao uso a associação foi convidada pela didiferentes aspectos da Videocirurgia Pediátrica. da laparoscopia em Uropediatria. reção do Hospital Sabará a colaborar na preparação do evento. “A entidade se empenhou na elaboração dos módulos referentes à especialidade, para que o evento atraísse o interesse de médicos, residentes e especialistas, colaborando para sua formação e atualização”, afirmou. Para ele, o congresso Sabará foi uma oportuA busca por atualização de conceitos e técnicas cirúrgicas, propiciada pelo evento, reuniu jovens e experientes especialistas. nidade de a CIPE oferecer aos aso dia 19 ao dia 21 de abril, no inscritos, a jornada teve conferên- sociados um fórum científico no Maksoud Plaza Hotel, em São cias e mesas-redondas voltadas, Centro-Sul do país no primeiro Paulo (SP), foi realizado o I Congresso principalmente, a aspectos cirúr- semestre de 2012, uma vez que o Sabará de Especialidades Pediátricas. gicos relacionados à Oncologia, congresso brasileiro será realizado O evento, que integrou as comemo- Nefrologia e Urologia Pediátrica, na Região Norte, em outubro. O rações do cinquentenário do Hospital Transplantes, Videocirurgia e Dr. Max e o Dr. Jovelino Quintino Infantil Sabará (HIS), contou com a Cirurgia Pediátrica geral. de Souza Leão integraram a coativa colaboração da CIPE. O Dr. Marc David Leclair, promissão científica do congresso. Durante esse evento O congresso foi concebido a par- fessor de Cirurgia Pediátrica do De acordo com informações multidisciplinar, tir de um prisma multidisciplinar e Centre Hospitalier Universitaire, li- dos organizadores, a Comissão realizado em São Paulo, procurou abordar com profundida- gado ao Hôpital Mère-Enfant de Nacional de Acreditação concede a vasta gama de assuntos, de dife- Nantes (França), apresentou confe- deu número de pontos diferenciaimportantes temas rentes especialidades ligadas à saúde rências, abordando tumores pré-na- do para a renovação do título dos foram apresentados da criança e do adolescente. tais e neonatais e indicações de la- inscritos, de acordo com a especiae discutidos A Jornada de Cirurgia paroscopia em Uropediatria. Além lidade médica. Para os cirurgiões por experientes Pediátrica integrou a programa- do Dr. Leclair e de palestrantes que pediátricos o certificado de particição do congresso. Com cerca de 40 atuam em São Paulo, a jornada teve pação garantiu 10 pontos. especialistas

I Congresso Sabará de Especialidades Pediátricas

D

Fotos: Cristiane C. Sampaio/CIPE

Na abertura oficial A abertura oficial do congresso foi realizada na noite do dia 19. A cerimônia foi comandada pelo Dr. José Luiz Egídio Setubal, presidente da Fundação Hospital Infantil Sabará, que convidou, além do Dr. Max Schlobach, os Drs. Eduardo da Silva Vaz, presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Clóvis Francisco Constantino, presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) e Benjamin Israel Kopelman, um dos fundadores do HIS, para compor a mesa. O Dr. Setubal apresentou a retrospectiva dos 50 anos da instituição, iniciada em 1962, como pronto-socorro 24h, algo “inédito” na

Abrindo o evento, a ex-ministra Marina Silva e o economista Eduardo Gianetti da Na solenidade de abertura do congresso, (da esq. para a dir.) os Drs. Max Fonseca participaram de debate sobre os Schlobach, Eduardo Vaz, José Luiz Setubal, Clóvis Constantino e Benjamin Israel desafios do desenvolvimento sustentável. Kopelman compuseram a mesa.

época, segundo ele. Hoje o hospital é um centro de excelência, apto a realizar exames e cirurgias complexas, contando com equipamentos de última geração, atendimento humanizado e garantindo respeito aos profissionais. O presidente da CIPE agradeceu o convite para colaborar na

organização do evento, avaliando que “o congresso dá oportunidade de integração dos especialistas das diferentes áreas pediátricas”. Após as manifestações dos demais integrantes da mesa, foi exibido um vídeo retratando a trajetória da instituição e os presentes foram convidados a

participar do debate sobre Os desafios do desenvolvimento sustentável, que teve como palestrantes a ex-ministra Marina Silva e o economista e professor Eduardo Gianetti da Fonseca, do show com o grupo Pitanga em pé de amora, que o seguiu, e para o coquetel de confraternização.


CAPA

8

Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança amplia sua abrangência em 2012 Com quase 800 crianças operadas, este é o segundo maior resultado, desde que, em 2007, anualmente, a CIPE começou a promover mutirões nacionais da especialidade

C

om o atendimento a 798 pacientes cirúrgicos, com idades variando de poucos dias até 16 anos, este VI Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança, ocorrido no dia 18 de agosto, obteve o segundo melhor resultado desde 2007, quando a CIPE passou a organizar mutirões nacionais, anualmente. “Apesar do desafio que a organização de uma iniciativa desse porte representa, pois, além dos cirurgiões pediátricos precisa contar com o apoio de outros profissionais e da direção dos hospitais, o número de instituições que respondeu ao chamado da CIPE foi bastante expressivo este ano”, avalia o presidente da CIPE, Dr. Max Carsalad Schlobach. Trinta e um serviços, do Distrito Federal e de 14 estados – Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins – colaboraram para o sucesso desse mutirão. Ao reduzir e até eliminar as filas de espera por cirurgias pediátricas ambulatoriais nos hospitais participantes, os mutirões da CIPE também acabam por abreviar o prazo para a realização de cirurgias mais complexas nesses serviços. Geralmente os serviços optam por selecionar pacientes que apresentam casos cirúrgicos mais simples, como de fimose, hérnias, testículos fora do lugar, quadros ligeiros de hipospadias e extração de cistos, que não impliquem em internação. Todavia, nada impede que procedimentos mais complexos sejam efetuados durante o mutirão. No Serviço Pró-Face do Hospital do Círculo, localizado em Caxias do Sul (RS), por exemplo, foram efetuadas cirurgias maiores e específicas:

seis pacientes com casos de fissuras lábio palatinas, exclusivamente, foram operados na data. Na Santa Casa de Misericórdia do Pará, além de cirurgias ambulatoriais, também foram executadas algumas de média complexidade, o mesmo ocorrendo no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (ICr-HC-FMUSP), que, além de quatro cirurgias simples, realizou duas de urgência: apendicectomia e laparotomia exploradora. Baixas e empenho Alguns serviços fizeram questão de se integrar ao mutirão, mesmo tendo de efetuar as cirurgias programadas de forma parcelada ou em outras datas, dadas as condições locais. Apesar do empenho dos cirurgiões pediátricos, três hospitais não conseguiram superar os obstáculos e tiveram de cancelar sua participação no mutirão, mesmo com a inscrição confirmada junto à CIPE. Por diferentes razões, o Hospital São Zacharias e o Hospital Cardoso Fontes, ambos no Rio de Janeiro (RJ), e o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB-UNESP), no interior paulista, não puderam realizar as cirurgias, conforme haviam previsto. “Sem desmerecer os demais, gostaria de destacar o desprendimento e o esforço dos cirurgiões pediátricos de Porto Velho, em Rondônia, e de Palmas, que, praticamente sozinhos, acompanhados de equipe muito reduzida, levaram adiante o mutirão em seus respectivos serviços, atendendo, cada qual, a 14 pacientes num único dia”, faz questão de frisar o presidente da CIPE.

Mutirão na mídia Como nas edições anteriores, o mutirão de 2012 também chamou a atenção da mídia. A partir de notas enviadas pela CIPE, cerca de uma centena de veículos da grande imprensa – rádio, TV, mídia impressa e eletrônica –, assim como sites da área médica e de saúde, blogs regionais e mídias sociais (Facebook), noticiaram a iniciativa, dando mais visibilidade ao mutirão, à CIPE e à Cirurgia Pediátrica no país. Essas mesmas notas também foram enviadas aos contatos dos serviços participantes, para que conhecessem a evolução nacional da iniciativa e, caso

desejassem, utilizassem as informações na divulgação local. Nesse aspecto, vale destacar o trabalho realizado pela CIPEBahia e pela CIPERJ. “Gostaria de agradecer à colaboração de ambas as entidades e, também, da Regional Norte e de todos os cirurgiões pediátricos, anestesiologistas, enfermeiros e outros profissionais que de alguma forma cooperaram para o êxito alcançado este ano”, declarou do Dr. Max Schlobach. A seguir encontra-se a relação dos serviços participantes, distribuídos por estados, e o número de pacientes atendidos em cada unidade.

A abertura oficial, no Hospital Vila Alpina

E

ste ano, a abertura oficial do VI Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança foi realizada em São Paulo (SP), no Hospital Estadual Vila Alpina (HEVA). Depois de visita às instalações da instituição voltadas especialmente às crianças, o presidente da CIPE, Dr. Max Schlobach, participou do café da manhã de confraternização em companhia da Dra. Daniela Patrícia Palmeira Santos da Cunha, chefe do serviço, de Maria Angela Tomazella, gerente de Relações Institucionais do hospital, da Dra. Patrícia G. Correa,

coordenadora do centro cirúrgico, Natalícia Lacerda, supervisora do centro cirúrgico, bem como dos integrantes das equipes de cirurgia, que, posteriormente, se agregaram ao grupo. Na ocasião o Dr. Max Schlobach, falou do desafio que é exercer a Cirurgia Pediátrica em um hospital geral como aquele, destacando a importância do tratamento das crianças de forma diferenciada, em ambientes próprios, por cirurgiões pediátricos, anestesiologistas, enfermeiros e auxiliares especializados. “O mutirão é uma grande

As equipes cirúrgicas do Vila Alpina e, ao fundo, Dr. Max, Maria Angela Tomazella e Dra. Daniela Patrícia da Cunha.


CAPA Estados

Bahia

Distrito Federal Goiás Mato Grosso Minas Gerais Pará Paraná Pernambuco Piauí

Rio de Janeiro

Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia

São Paulo

Tocantins

9 Serviços Hospital da Criança das Obras Sociais de Irmã Dulce (OSID) – Salvador Hospital Martagão Gesteira – Salvador Centro Pediátrico de Roma (CPR) – Salvador Hospital Octavio Pedreira – Santo Amaro da Purificação Hospital Estadual da Criança (HEC) – Feira de Santana Hospital Materno-Infantil de Brasília – (IMIB, ex-HRAS) – Brasília Hospital da Criança José Alencar – Brasília Hospital da Criança – Goiânia Hospital Regional de Rondonópolis – Rondonópolis Santa Casa de Misericórdia – Belo Horizonte Fundação Santa Casa do Pará – Belém Instituto Pobres Servos da Divina Providência (H. Divina Providência) – Marituba Hospital Regional Público do Araguaia (HRPA) – Redenção Hospital da Criança Prefeito João Vargas de Oliveira – Ponta Grossa Hospital Pequeno Príncipe – Curitiba Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP) – Recife Hospital Infantil Lucídio Portella/Universidade Estadual e Universidade Federal do Piauí – Teresina Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HFSE) – Rio de Janeiro Hospital São Zacharias – Rio de Janeiro Hospital Cardoso Fontes – Rio de Janeiro Hospital dos Plantadores de Cana – Campos dos Goytacazes Hospital Público Municipal – Macaé Hospital Infantil Varela Santiago – Natal Hospital do Círculo (serviço Pró-Face) – Caxias do Sul Hospital Dr. Marcello Candia, das Irmãs de Santa Marcelina – Porto Velho Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB-UNESP) – Botucatu Hospital de Base/Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP) – São José do Rio Preto Hospital Estadual Vila Alpina (HEVA) – São Paulo Hospital Santa Casa de Misericórdia – Araçatuba Hospital Santa Casa de Misericórdia – Araras Hospital São Camilo (Santa Casa) – Itu Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (ICr-HC-FMUSP) – São Paulo Hospital Regional do Vale do Paraíba – Taubaté Hospital Infantil – Palmas Total

Pacientes atendidos 27 24 10 37 38 68 9 18 10 12 20 15 20 22 36 58 51 23 (cancelado) (cancelado) 54 22 54 6 14 (cancelado) 15 20 44 7 21 6 18 19 798

Por meio do site da CIPE é possível conhecer os integrantes de parte das equipes participantes, acessar a maioria das notícias veiculadas sobre o mutirão e ver mais fotos.

da superintendência do Vila Alpina, pela cooperação. O hospital é administrado pelo Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (SECONCI-SP), uma entidade filantrópica, que também administra outras unidades públicas de saúde no estado. Atualmente o hospital é acreditado por instituições brasileiras, quanto à qualidade das instalações e procedimentos, assim como quanto à capacitação dos profissionais, além de já contar com a Acreditação Internacional Canadense.

Fotos: Cristiane C. Sampaio/CIPE

oportunidade de mostrar isso para a população”, assinalou. Ele agradeceu pelo apoio que a CIPE vem recebendo da instituição e declarou: “Saúde pública existe no Brasil. Este é um exemplo de que tratamento de qualidade é possível em uma instituição pública.” Em rápidas palavras, Maria Angela falou da parceria com a CIPE e da importância do empenho da Dra. Daniela para a adesão do hospital aos mutirões da entidade, agradecendo aos profissionais presentes, em nome

Fotos: Divulgação CIPE

BAHIA

Uma das equipes do H. Martagão Gesteira e paciente tranquilo.

No centro cirúrgico da Clinica Pediátrica de Roma (CPR). No Hospital da Criança da Irmã Dulce (OSID), equipes satisfeitas.

Durante o café da manhã, ao lado da Dra. Daniela, Dr. Max elogia a qualidade do hospital e fala da importância do mutirão.

Como nos anos anteriores, a CIPE-BA se encarregou de coordenar o mutirão no estado. Em 2012 cinco hospitais se engajaram nessa iniciativa da CIPE, dos quais três na capital – Hospital da Criança (OSID), Hospital Martagão Gesteira e Centro Pediátrico de Roma (CPR) –, um em Santo Amaro, o Hospital Octavio Pedreira, e outro, o Hospital Estadual da Criança (HEC), em Feira de Santana. A maioria desses serviços é de tradicionais participantes, mas o CPR, de Salvador, se integrou ao mutirão pela primeira vez e realizou 10 atendimentos cirúrgicos. No total, o estado atendeu a 136 crianças.


CAPA

10 MINAS GERAIS

Fotos: Divulgação CIPE

RIO DE JANEIRO

Sorrisos mostram que o mutirão correu muito bem na Santa Casa de Belo Horizonte. A confraternização das equipes com crianças e acompanhantes no H. Federal dos Servidores do Estado (HFSE).

Depois de um breve intervalo, em 2012, a Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte retornou ao mutirão. No dia 18 de agosto, 15 cirurgias forem efetuadas no serviço, beneficiando 12 crianças. DISTRITO FEDERAL Além do Hospital Materno-Infantil de Brasília (IMIB, ex-HRAS), que no ano passado foi o palco de abertura do V Mutirão Nacional, este ano Brasília contribuiu com um novo serviço. O Hospital da Criança José Alencar, no qual foram operadas nove crianças, se somou ao IMIB e juntos atenderam a 77 pacientes no Distrito Federal.

No H. dos Plantadores de Cana de Campos dos Goytacazes, clima de festa para aguardar as cirurgias.

GOIÁS Pela primeira vez, o Hospital da Criança, de Goiânia (GO) aderiu ao mutirão. Dada sua infraestrutura restrita, com dois cirurgiões pediátricos apenas, os 18 pacientes cadastrados foram operados em dias consecutivos, 16, 17 e 18 de agosto.

No H. Municipal de Macaé, adereços divertidos e sorrisos para divertir os pacientes que aguardam os procedimentos.

PIAUÍ Nesta edição, o Hospital Infantil Lucídio Portella, de Teresina, ligado à Universidade Estadual e à Universidade Federal do Piauí, regressou ao mutirão. Como no dia 16 de agosto foram comemorados os 160 anos de Teresina (PI), houve um feriado prolongado local. Por essa razão, prevendo eventual ausência de pacientes e redução do número de funcionários, a direção do hospital julgou prudente adiar o mutirão para os dias 24 e 25 de agosto. Cinquenta e uma cirurgias foram realizadas nesses dois dias.

Três tradicionais serviços fluminenses participaram deste mutirão, totalizando o atendimento cirúrgico a 99 pacientes no estado: no Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HFSE), da capital, foram operados 23; em Campos dos Goytacazes, no Hospital dos Plantadores de Cana, 54, e no Hospital Público Municipal de Macaé, 22 pacientes.

RIO GRANDE DO NORTE No Hospital Infantil Varela Santiago, situado em Natal, que participou do mutirão pela primeira vez em 2012, foi realizado o atendimento de 54 crianças. As cirurgias de maior incidência foram de hérnia inguinal, seguidas das de fimose e de hérnia umbilical.

PARANÁ

PERNAMBUCO

A descontração das equipes cirúrgicas do H. Pequeno Príncipe mostra que o mutirão foi um sucesso.

A equipe no centro cirúrgico do H. da Criança de Ponta Grossa. Cirurgia sem medo faz parte da filosofia do H. da Criança de Ponta Grossa.

As equipes do IMIP, um dos assíduos participantes do mutirão, operaram 58 crianças.

Dois hospitais do Paraná participaram deste sexto mutirão, atendendo, ao todo, 58 pacientes: o Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba, onde 36 crianças foram operadas, e o Hospital da Criança Prefeito João Vargas de Oliveira, de Ponta Grossa, onde foram atendidos 22 pacientes.

Mais uma vez o Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP), instalado no Recife, foi presença marcante num mutirão da CIPE. Este ano, 58 crianças foram submetidas a diferentes tipos de procedimentos cirúrgicos de caráter ambulatorial.


CAPA

11 SÃO PAULO

No H. Regional Público do Araguaia, o mutirão transcorreu em clima descontraído.

Juntas, as equipes do H. São Camilo, de Itu, e da Santa Casa de Araras, que participaram pela primeira vez, operaram 28 pacientes.

Fotos: Divulgação CIPE

PARÁ

Na Santa Casa, pacientes e familiares aguardam as cirurgias.

Equipes e pacientes posam para foto no ICr-HC-FMUSP. A Santa Casa de Araçatuba, também “debutando” no mutirão, atendeu a 44 crianças, em duas etapas. Cristiane C. Sampaio/CIPE

A equipe da Santa Casa do Pará, tradicional participante dos mutirões da CIPE.

Um novo serviço do Pará aderiu ao mutirão deste ano. No Instituto Pobres Servos da Divina Providência (H. Divina Providência), localizado em Marituba, foram operadas 15 crianças. Esse número, somado aos 20 pacientes submetidos a cirurgias na Santa Casa de Misericórdia do Pará, de Belém, e aos 20 operados no Hospital Regional Público do Araguaia (HRPA), de Redenção, totalizaram 55 atendimentos cirúrgicos no estado. RIO GRANDE DO SUL Seis cirurgias para correção de fissuras lábio palatinas em crianças foram realizadas no Serviço Pró-Face do Hospital do Círculo, localizado em Caxias do Sul, inaugurando a participação do serviço em mutirões da CIPE. RONDÔNIA A reduzida equipe do Hospital Dr. Marcello Candia, das Irmãs de Santa Marcelina, situado em Porto Velho, venceu o desafio de operar 14 crianças num único dia. A equipe foi formada por um cirurgião pediátrico, um anestesiologista e uma enfermeira, a chefe do centro cirúrgico. Tamanho não é documento. Foi o que mostrou a diminuta equipe do H. Dr. Marcelo Candia, que operou 14 crianças neste mutirão.

MATO GROSSO Para os excelentes resultados deste sexto mutirão, o Hospital Regional de Rondonópolis contribuiu com o atendimento de 10 crianças com casos cirúrgicos.

No centro cirúrgico do H. Regional de Rondonópolis.

Na brinquedoteca do HEVA, pacientes aguardam a alta médica.

Felizmente, este ano, o estado paulista deu uma significativa contribuição para os resultados do mutirão, com a adesão de maior número de serviços, levando a um total de 131 crianças e adolescentes atendidos. Além do ICrHC-FMUSP e do Hospital Estadual Vila Alpina (HEVA), tradicionais participantes instalados na capital, nesta sexta edição ocorreu a integração do Hospital de Base/Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP), de São José do Rio Preto, que atendeu a 15 pacientes; do Hospital Santa Casa de Misericórdia, de Araçatuba, em que foram operadas 44 crianças; do Hospital Santa Casa de Misericórdia, de Araras, com sete pacientes operados; do Hospital São Camilo (Santa Casa), de Itu, com 21 crianças operadas; e do Hospital Regional do Vale do Paraíba, de Taubaté, no qual 18 pacientes foram submetidos a procedimentos cirúrgicos. No Vila Alpina, o mutirão ocorreu em dois dias: sete crianças com casos mais complexos foram operadas no dia 17 e outras 13, na maioria casos de fimose, foram atendidas no dia seguinte. Da mesma forma, a Santa Casa de Araçatuba, no interior do estado, realizou o mutirão em duas fases – em abril, com a operação de 37 crianças, e no dia 8 de agosto, quando outros sete pacientes foram submetidos a cirurgias –, pois não pôde adequar sua agenda à data definida pela CIPE. Ao todo, 44 crianças foram submetidas a 47 procedimentos cirúrgicos. TOCANTINS Com um dos cirurgiões pediátricos afastado do serviço, em licença médica, a diretora do Hospital Infantil Público de Palmas teve de distribuir as cirurgias agendadas em dois dias, efetuando, sozinha, 19 procedimentos, em 14 crianças, no dia 18, e outras cinco no Dezenove crianças foram operadas, em duas fases, dia 21 de agosto. no H. Infantil de Palmas.


PANORAMA

12 BRASÍLIA/DF

Clínica Dia Pediátrica é inaugurada no HRAS

Fotos: Divulgação/HRAS

A equipe.

Instalações mais adequadas aos pacientes pediátricos.

N

o final de janeiro, o Hospital Regional da Asa Sul (HRAS), no Distrito Federal (DF), ganhou um espaço especialmente destinado a acolher crianças e adolescentes que necessitam de tratamento cirúrgico ambulatorial. A estruturação da Clínica Dia nasceu de uma parceria da Secretaria da Saúde do DF com a Embaixada do Japão e consumiu cerca de R$ 40 mil em móveis, equipamentos

e brinquedos. De acordo com a Dra. Roselle Steenhouwer, coordenadora regional de saúde, com a entrada em funcionamento da Clínica Dia, a expectativa é elevar significativamente o número de cirurgias ambulatoriais realizadas diariamente no HRAS, de oito para 12. O hospital é referência em cirurgias pediátricas na capital federal. Segundo informações da Secretaria

da Saúde, em 2011 foram efetuados mais de 1,1 mil procedimentos cirúrgicos naquela unidade de saúde. O HRAS – que mais recentemente voltou a ser Hospital Materno-Infantil de Brasília (HMIB) – é um dos tradicionais participantes dos mutirões da CIPE, concentrando o atendimento cirúrgico dos pacientes da região. No mutirão deste ano, 68 crianças foram atendidas. (Veja mais nesta edição)

O

Em sua primeira edição, as 40 vagas foram rapidamente preenchidas, mostrando que há grande demanda por programas com esse perfil. Na programação, está a abordagem atualizada de temas concernentes à Cirurgia Pediátrica geral e às técnicas mais recentes aplicadas no campo da videocirurgia, abrangendo emergências abdominais, esplenectomias, cirurgia das vias biliares e do esôfago, colorretais e para correção de anomalias congênitas.

O curso é dirigido pelos Drs. François Becmeur, de Strasbourg (França), e Max Carsalad Schlobach, de Belo Horizonte (MG), presidente da CIPE. O centro de treinamento IRCAD Brasil foi inaugurado em julho de 2011 e integra o complexo do Hospital do Câncer de Barretos.

BARRETOS/SP

IRCAD Brasil realiza novos cursos em 2012

interesse despertado pelo primeiro Curso Avançado de Cirurgia Pediátrica, realizado em dezembro passado, levou o IRCAD Brasil (unidade brasileira do Research Institute Against Digestive Cancer) a oferecer duas modalidades de inscricao ao curso deste ano. Entre os dias 6 e 8 de dezembro, em Barretos (SP), serão realizados o Curso Teórico e o Curso Teórico e Prático de Cirurgia Pediátrica, com custos distintos.

LITERATURA CIENTÍFICA Dr. Alberto Peña lança novo livro Tido como uma das principais referências internacionais no tratamento das malformações congênitas, notadamente das anomalias do trato anorretal, o Dr. Alberto Peña lançou novo livro. Autor de diversas obras científicas voltadas ao tema, em Monologues of a Pediatric Surgeon ele apresenta suas experiências e

deixa uma mensagem de otimismo para cirurgiões pediátricos e para os familiares de crianças com malformações. Ele nasceu e se graduou no México. Depois do nascimento de um filho com uma anomalia congenita, o Dr. Peña decidiu se especializar no tratamento desse tipo de patologia. “Isso me

motivou a me tornar um cirurgião pediátrico e a trabalhar nessa área”, relata. Há seis anos o Dr. Alberto Peña está na direção do primeiro Centro Colorretal Pediátrico do Cincinnati Children’s Hospital, nos EUA. O livro pode ser adquirido por meio do site www. AtlasBooks.com.

(Oportunamente, a programação final e informações sobre as inscrições estarão disponíveis no site IRCAD Brasil http://www.amits. com.br/.)

Dr. Claudio de Souza Leite lança obra sobre alcoolismo Na noite de 25 de abril, foi lançado pela Editora Lacre o livro Alcoolismo - A doença da negação, do Dr. Claudio de Souza Leite. A obra autobiográfica traz as experiências do autor com a doença e sua influência nos rumos de sua vida. O evento ocorreu na livraria Timbre do Shopping da Gávea, na capital fluminense.


PANORAMA

13

BELO HORIZONTE/MG

Em 2010, o Dr. Curti recebeu placa de homenagem do então presidente da CIPE, Dr. José Roberto Barattela.

CIPE se despede do Dr. Primo Curti

F

oi com grande tristeza que a CIPE recebeu a notícia do falecimento do Dr. Primo Curti, aos 93 anos, ocorrido no dia 26 de julho, em São Paulo (SP) em decorrência de um enfarto. O Dr. Curti, decano da CIPE, foi homenageado pela instituição me 2010, na primeira reunião do Projeto Memória, pelo papel por ele desempenhado na história da Cirurgia Pediátrica e da sua associação nacional. A CIPE externa aqui – a familiares, amigos e a todos os que tiveram o prazer de conhecer o Dr. Curti

– seu pesar pela morte do homem e do médico que foi capaz, ético, humilde e extremamente dedicado a seus pacientes, que lutou para que a Cirurgia Pediátrica se tornasse a especialidade reconhecida que é hoje. Ele foi um dos pioneiros a se aprofundar na especialidade no Brasil. Juntamente com o Dr. Virgílio Alves de Carvalho Pinto, buscou cursos e estágios no exterior, para adquirir conhecimentos específicos, já que nessa época a Cirurgia Pediátrica era geralmente exercida por cirurgiões gerais e não havia cursos nesse campo

SÃO PAULO/SP

Fasciotomia Descompressiva em tese de mestrado o dia 30 de janeiro, a Dra. Isabela Pereira Passos Quintaes, teve sua tese de mestrado sobre Fasciotomia Descompressiva na Torção do Testículo aprovada junto a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (FM-UFMG). Sua tese discorreu sobre trabalho experimental realizado em ratos,

D

esde o dia 14 de maio último, o Dr. José Roberto de Souza Baratella é o representante titular da Associação Médica Brasileira (AMB) na Comissão de Ensino Médico do Conselho Federal de Medicina (CFM). O professor Baratella presidiu a CIPE na gestão de 2006 a 2008 e, reeleito, dirigiu-a até 2010. Hoje integra a comissão de Ensino e Título de Especialista da entidade (CETE-CIPE), além de representar a América Latina e o Caribe na The World Federation of Associations of Pediatric Surgeons (WOFAPS). O clínico geral Dr. José Luiz Bonamigo Filho responderá como suplente da AMB na comissão.

PUNTA DEL ESTE/ URUGUAI Dra. Isabela e os integrantes da banca examinadora: (da esq. para a dir.) Drs. José Luiz Martins, Edson Tatsuo e Clecio Pizarro.

N

em escolas brasileiras de medicina. Também foi o autor do primeiro livro a abordar a especialidade no Brasil, publicado em 1972. Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP), em 1945, ele se dedicou à área acadêmica da instituição, alcançando a livre-docência, além de ter trabalhado por cerca de 40 anos no Hospital das Clínicas, de onde foi superintendente de 1979 a 1983. Também atuou em prontos-socorros e dirigiu hospitais públicos antes de se aposentar.

Dr. Baratella representa AMB no CFM

tendo como orientador o Dr. Edson Samesima Tatsuo e como co-orientador o Dr. Danilo Nagib Salomão Paulo. A Dra. Isabela Quintaes se graduou na Bahia e realizou residência em Cirurgia e Urologia Pediátrica no Hospital Infantil Darcy Vargas. Atualmente, exerce a Cirurgia Pediátrica em Vila Velha e Vitoria (ES).

CIPESUR 2011

E

ntre os dias 15 e 18 de novembro, foi realizado em Punta del Este, no Uruguai, o IX Congresso de Cirurgia Pediátrica do Cone Sul da América – CIPESUR 2011. O congresso se desenvolveu nas instalações do Centro de Convenções do Solanas Vacation Club, juntamente com jornadas e cursos de Cirurgia Pediátrica e áreas correlatas. Entre os temas de destaque tratados nos eventos destacam-se erro médico e segurança do paciente, novas técnicas cirúrgicas, infecções das partes moles, controvérsias em patologías frequentes e cirurgia no pré-termo severo. Diversos convidados participaram dos eventos. Entre

eles, os Drs. Carlos Miguelez e José Maria Garat, da Espanha, e George Holcomb, Miguel Castellán, Rafael Gosalbez e Todd Ponsky, dos Estados Unidos. O Dr. Max Schlobach, presidente da CIPE, que esteve presente ao evento, considera os congressos da CIPESUR uma ótima oportunidade de atualização para os cirurgiões pediátricos brasileiros, especialmente porque se realizam no continente e em anos ímpares, alternando-se com os congressos nacionais da especialidade no Brasil. Na ocasião, foi definido o local do próximo congresso, em agosto de 2013: Bolívia.


DESTAQUES

14

XXXI Congresso Brasileiro recebe número expressivo de inscrições As inscrições para participação no congresso, nos cursos e para a apresentação de temas livres estão abertas

E

Feiras da Amazônia, instalado em Belém, no Pará, será realizado o XXXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, em conjunto com o XV Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica, o III Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica Videoassistida e, ainda, a II Jornada Brasileira de Transplante de Órgãos em Pediatria. O Dr. Carlos Antonio de Lima Amorim será o presidente de honra do congresso da especialidade.

Divulgação

ste ano, pela primeira vez em sua história, a CIPE realizará um congresso nacional na Região Norte do país, facilitando a presença dos cirurgiões pediátricos daqueles estados e dando a oportunidade aos demais participantes de conhecerem um pouco das atrações da Amazônia, tanto as culturais quanto as naturais. Entre os dias 21 e 25 de outubro, nas dependências do Hangar – Centro de Convenções e

A nova diretoria da entidade, eleita na Colômbia .

VII Congresso Ibero-americano será no Brasil O Dr. Max Schlobach, presidente da CIPE, foi eleito vice-presidente da sociedade Ibero-Americana de Cirurgia Pediátrica

D

e 21 a 25 de agosto, foi realizado em Cartagena de Indias, na Colômbia, o V Congresso Iberoamericano de Cirurgia Pediátrica. O evento científico, que ocorreu em paralelo ao XVIII Congresso Colombiano de Cirurgia Pediátrica e ao Encontro Mundial Anual de Área da WOFAPS, abordou temas abrangentes dentro da

Entre os temas centrais que serão abordados durante os eventos destacam-se Trauma na criança e no adolescente – Escalpelamento, Abordagem nos abusos sexuais, Educação continuada virtual, Meningodisplasias e suas alterações urinárias, Distúrbios do desenvolvimento do sexo, Videocirurgia urológica, Treinamento em videocirurgia pediátrica, Videocirurgia neonatal e Limites da cirurgia minimamente invasiva. Seis convidados internacionais já têm participação confirmada em Belém: os Drs. Gordon McKinlay, do Royal Hospital for Sick Children, de Edimburgo (Reino Unido), Todd Ponsky, do University Hospital Case Medical Center, de Cleveland (EUA), Peter Cuckow, do departamento de Urologia do Great Ormond Street Hospital for Children, de Londres (Inglaterra), Miguel Guelfand, da Clinica las Condes, de Santiago (Chile), Carlos Miguelez, de Málaga (Espanha), e Giuliano Testa, de Dallas (EUA). Temas, inscrições, TE e CNA Uma mostra da importância do evento no panorama regional e nacional está no significativo número de trabalhos inscritos. Este ano, o congresso recebeu mais de 120 trabalhos sobre temas livres, número equivalente ao de inscritos no último especialidade, além de discutir o ensino da Cirurgia Pediátrica. Entre os inúmeros conferencistas convidados encontravam-se os Drs. Alberto Peña, Juan Tovar, Luis de la Torre Mondragón, Todd Ponsky e os brasileiros Antonio Carlos Moreira Amarante, Edward Esteves, José Roberto de Souza Baratella e Max Schlobach, presidente da CIPE. Na reunião dos presidentes das entidades filiadas à Sociedade Ibero-americana de Cirurgia Pediátrica, ficou definido que os próximos congressos serão realizados em Lima, no Peru, em 2014, e no Brasil, em 2016. Com isso, foram eleitos e tomaram posse a Dra. Giovanna Punís Reyes, do Peru, e o Dr. Max Carsalad Schlobach, do Brasil, respectivamente presidente e vice-presidente daquela sociedade.

congresso, de Belo Horizonte. A Lúmina Eventos é a empresa responsável pela organização juntamente com a diretoria da CIPE. Os congressos de Cirurgia Pediátrica, Urologia Pediátrica e Cirurgia Pediátrica Vídeoassistida serão presididos, respectivamente, pelos Drs. Emanuel Conceição Resque Oliveira (presidente da CIPE da Região Norte), Ronaldo José Alves da Silva e Manoel Eduardo Amoras Gonçalves (vice-presidente da associação regional). No dia 21 de outubro, antecedendo a abertura oficial dos eventos, serão oferecidos cursos de atualização em Cirurgia Pediátrica Geral e Urológica. Após o encerramento dos congressos, no dia 26 a Comissão de Ensino e Título de Especialista (CETE-CIPE) aplicará as provas – escrita e oral – para a obtenção do Título de Especialista (TE) em Cirurgia Pediátrica. Na página dos congressos, acessível pelo site da CIPE, é possível obter informações detalhadas, tais como o programa preliminar, cursos, composição das comissões etc. O congresso obteve da Comissão Nacional de Acreditação (CNA) a pontuação máxima para a renovação do título de especialista (TE) dos cirurgiões pediátricos participantes. Para outras especialidades, consulte o site do congresso.

Eleições na CIPE

E

stá em curso o processo eleitoral para a renovação da diretoria e do conselho fiscal da CIPE para o biênio 2012-2014. As cédulas – enviadas, por correio, a todos os associados em dia com a tesouraria e aos remidos – terão de ser devolvidas à entidade e estar na sede da CIPE até o dia 11 de outubro, às 18h, para que os votos possam ser computados. O processo de apuração terá início às 10h do dia 17 de outubro, na sede da CIPE. Os resultados serão divulgados no site da entidade. (Veja mais detalhes no edital publicado nesta edição e no site da CIPE)


DESTAQUES

15

Projeto Memória tem sua 4º reunião Homenagens e história marcam 48ª aniversário da CIPE

Dr. Lucio Marchese recebeu a medalha da CIPESUR do presidente da CIPE.

Fotos: Divulgação

O homenageado pela CIPE, Dr. Mauro Ferreira, completa em 2012 os seus 50 anos de formado.

Drs. Mauro Ferreira, José Roberto Baratella, Lucio Marchese e Max Schlobach.

N

o dia 30 de janeiro, a CIPE completou 48 anos de fundação. Para festejar a data, na manhã do dia 28 foi organizada mais uma reunião – a quarta – do Projeto Memória, lançado em 2010 com o objetivo de recuperar a história da Cirurgia Pediátrica no Brasil e de sua entidade nacional. Para o evento, que foi realizado no auditório da Associação Médica Brasileira (AMB), além do Dr. José Pinus (que não pôde estar presente), também foram convidados os Drs. Mauro Chrysostomo Ferreira, de Minas Gerais, e Lucio Tedesco Marchese, do Paraná, que apresentaram aos cerca de 15 presentes, relatos sobre o desenvolvimento da especialidade, da CIPE e das organizações internacionais da Cirurgia Pediátrica. O Dr. Mauro Ferreira foi homenageado pela CIPE por seu trabalho em Minas Gerais, pela presidência do Congresso Brasileiro de 1997 e também por sua atuação junto às entidades médicas, incluindo a CIPE. Ele agradeceu a homenagem, concedida justamente no ano em

que completa 50 anos de formado, sentindo-se “honrado pela presença de amigos, parentes e colegas”. O paciente em primeiro lugar Comentando o nascimento da especialidade e a criação e evolução da associação nacional, destacou a importância de nomes, como o dos Drs. Otávio Vaz e Virgílio Alves de Carvalho Pinto, junto aos quais estagiou. No Hospital Felício Rocho, de Belo Horizonte, chefiou o serviço por 28 anos, período em que foram formados 26 residentes. “Para mim, a Cirurgia Pediátrica foi uma opção de vida. Tentei exercer a profissão com dignidade, procurando sempre trabalhar em equipe e colocando o interesse do paciente em primeiro lugar”, declarou, acrescentando: “Essa vida só foi possível pela retaguarda que tinha: minha mulher e meus três filhos, que me deram muito apoio.” Sua trajetória também marcada por intensa atuação em entidades médicas. Além de ter sido secretário-geral da CIPE entre 1974 e 1976, foi presidente e vice-presidente da Associação Médica de

Minas Gerais, respectivamente entre 1987-88 e 1971-72. Nas gestões 1989-91 e 1991-93 da Associação Médica Brasileira (AMB), atuou como vice-presidente da área de Minas Gerais e Espírito Santo e, entre 1999 e 2002, ainda exerceu a função de diretor de Saúde Pública da entidade. O presidente da CIPE, Dr. Max Schlobach, que fez sua residência no Hospital Felício Rocho e também teve a oportunidade de aprender com o Dr. Mauro, justificou a homenagem afirmando: “O senhor está aqui por merecimento; sua correção, conduta ética e postura foram o melhor que o senhor poderia nos ensinar, como residentes e especialistas, juntamente com as técnicas cirúrgicas.” CIPE e organizações internacionais O Dr. Lúcio Tedesco Marchese também foi homenageado na ocasião. Na verdade, o Dr. Max foi o portador das medalhas conferidas ao Dr. Lúcio e ao Dr. José Pinus pela CIPESUR, durante seu último congresso, no qual foram homenageados os fundadores da entidade.

Além de participar ativamente na construção da associação do Cone Sul da América Latina, o Dr. Lúcio também se dedicou ao desenvolvimento da CIPE: desempenhou a função de vice-presidente nas gestões 1982-84, 1988-90 e 1990-92 e de presidente entre 1992 e 1994, sendo, na gestão seguinte, encarregado de representar a entidade brasileira na CIPESUR. Ele, que também foi residente do Dr. Carvalho Pinto, iniciou sua apresentação comentando que no início a Cirurgia Pediátrica se concentrou nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo e já então “os cirurgiões pediátricos começavam a atentar para a importância de associações”. Em meados de 1968, os Drs. Carvalho Pinto, Pinus e Jesus Loyola Solis, do México, deram início aos primeiros passos em direção à criação de uma associação pan-americana da especialidade. Mas a entidade, muito ampla, não foi adiante, também em razão da evolução da The World Federation of Associations of Pediatric Surgeons (WOFAPS), criada na década seguinte. O Dr. Lucio destacou a importância do Dr. Pinus na estruturação da CIPESUR, entidade de contorno mais limitado, que se constituiu seguindo a tendência de criação de sociedades continentais. Para ele, o Curso de Vídeolaparoscopia Pediátrica, organizado durante o primeiro congresso da entidade, em 1990, em Foz do Iguaçu (PR), “foi fundamental para derrubar as resistências que havia então e propiciar o desenvolvimento dessa técnica no Brasil e em outros países do bloco”. Ao finalizar sua exposição, o Dr. Dr. Lúcio Marchese enfatizou a necessidade de a CIPESUR repensar seus congressos, se espelhar na experiência internacional e desenvolver uma publicação científica continental, como a que já é publicada nos países asiáticos e pelos EUA, Canadá e Reino Unido, por exemplo. Depois do debate que se seguiu, os presentes foram convidados a participar de um almoço de confraternização, para celebrar a data.


SERVIÇO EM FOCO

Fotos: Arquivo/HIAS

16

Prédio atual do HIAS, situado na Rua Tertuliano Sales, 544, na Vila União.

Aos 60 anos, o Hospital Infantil Albert Sabin é referência no Nordeste

Dr. Luiz Carvalho de Souza, idealizador do serviço de Cirurgia Pediátrica do HIAS.

Somente em 2011 foram realizados mais de 6 mil cirurgias. Hoje, o HIAS, que está em fase de ampliação, já dispõe de unidades especializadas em Oncologia e em incontinência fecal

E

m 1952 era inaugurado na capital cearense o Hospital Infantil de Fortaleza (HIF). A iniciativa foi considerada pioneira, pois até então não existia no Ceará nenhuma unidade hospitalar voltada exclusivamente para o atendimento de crianças e adolescentes. Mas, em 1977, quando a instituição foi visitada pelo Dr. Albert Sabin e, em sua homenagem, passou a se chamar Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), sua infraestrutura ainda era muito limitada, com capacidade de internação de apenas 20 crianças. Este ano, ao completar seu 60ª aniversário, o HIAS é uma referência no Nordeste: é o único hospital público exclusivamente pediátrico do estado do Ceará, que, além dos pacientes locais também absorve a demanda de estados vizinhos. A instituição – cuja direção geral, nos últimos anos, tem estado a cargo do cirurgião pediátrico Dr. Francisco Walter Frota de Pai-

va – dispõe atualmente de 267 leitos hospitalares, dos quais 132 clínicos, 69 cirúrgicos, 41 de terapia intensiva e 23 de médio risco neonatal, bem como outros 22 voltados ao atendimento do hospital-dia e 60 leitos domiciliares. De acordo com informações do hospital, em 2011 foram realizados 6.268 procedimentos nas seis salas do centro cirúrgico e quase 9 mil internações. Hoje, o HIAS possui mais de 2 mil colaboradores, dos quais 494 são médicos. Nasce o departamento O Dr. Antônio Aldo Melo Filho, atual vice-presidente da CIPE-CE, que no início deste ano passou a coordenar o serviço de Cirurgia Pediátrica do HIAS, declara que “o serviço realiza os mais diversos procedimentos cirúrgicos, notadamente os de média e alta complexidade, com corpo clínico integrado por 22 cirurgiões pediátricos”.

Ele relata que em 1976 o embrião do serviço de Cirurgia Pediátrica do HIAS começou a se desenvolver como um departamento clínico, por iniciativa do Dr. Luiz Carvalho de Souza. Em 1968, após formação no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro e a obtenção do título na especialidade, ele retornou a Fortaleza. Dez anos depois, em 1978, o serviço foi oficialmente implantado, contando com pequena equipe médica. Além do Dr. Luiz Carvalho na chefia, somente dois outros cirurgiões a integravam: os Drs. João Fortes de Siqueira Filho e Augusto César Gadelha de Abreu. O Dr. César Abreu relata que à época, “não havia especialidades pediátricas, mas apenas a Pediatria Geral e a Cirurgia Pediátrica; também não havia UTI e as operações eram realizadas em apenas duas salas cirúrgicas”. Evolução O Dr. Luiz Carvalho permaneceu no HIAS até março de 1989,

quando foi sucedido pelo Dr. César Abreu na chefia do serviço. O novo responsável pela Cirurgia Pediátrica do HIAS – que havia realizado sua formação na área no Hospital de Base de Brasília entre 1972 e 1973  –  assume suas funções já contando com uma equipe de sete cirurgiões e, graças ao programa de residência médica iniciado naquele ano, constrói uma geração de cirurgiões pediátricos. Desde 1989, 17 cirurgiões pediátricos foram formados no HIAS. Mas, muito antes de assumir a condução do serviço, o Dr. César Abreu já havia dado uma importante contribuição à evolução da instituição. Em 1978, com o apoio da direção, criou o serviço de Oncologia Pediátrica que, com o passar do tempo transformou-se em um serviço de referência em Onco-hematologia Pediátrica no Norte/Nordeste do país. Segundo o Dr. Aldo Melo, em 2010, como fruto dessa iniciativa, foi inaugurado novo anexo do HIAS – o Centro Pediátrico do Câncer – que, equipado com UTI específica e dispondo de infraestrutura para tratamento quimioterápico, passou a centralizar as internações das crianças com câncer. “Nova ampliação está em fase de planejamento para levar ao mesmo prédio as cirurgias oncológicas pediátricas de média e alta complexidade”, complementa. Um ano depois da instalação do Centro Pediátrico do Câncer, nova unidade especializada foi inaugurada no HIAS. O Núcleo Especializado em Tratamento Infantil de Incontinência Fecal (NETIF), sob a coordenação do cirurgião pediátrico Dr. João Henrique Freitas Colares, foi concebido dentro dos padrões e técnicas de tratamento desenvolvidos pelo Prof. Alberto Peña, para o atendimento de pacientes portadores desse mal. No momento, a área física do hospital está em expansão. A primeira etapa, ligada à internação, já foi finalizada. Depois de concluída sua reestruturação, o HIAS terá sua área construída ampliada de 12 para 40 mil m2 e passará a contar com 444 leitos e um novo centro cirúrgico com 10 salas. Em janeiro deste ano, o Dr. César Abreu decidiu se afastar da


SERVIÇO EM FOCO coordenação do serviço de Cirurgia Pediátrica, após 23 anos de intensa dedicação. Embora deixe a atividade administrativa, ele continuará a atuar no serviço, particularmente em cirurgias urológicas, visitas na enfermaria, atividades científicas e como consultor para casos de maior complexidade. Com sua saída, a coordenação do serviço passou a ser exercida pelo Dr. Aldo Melo, que realizara residência médica e doutorado na UNICAMP e já integrava a equipe cirúrgica do hospital. Face à sua atividade docente, sua presença visa expandir ainda mais as atividades de assistência e ensino, assim como ampliar as atividades de pesquisa em Cirurgia Pediátrica no HIAS. Ensino e reconhecimento No decorrer desses seus 60 anos, o hospital também passou a ter forte presença na área de ensino, seja na graduação, seja na pós-graduação latu sensu. Atua em parceira com as principais universidades do estado, como a Universidade Federal do Ceará (UFC), a Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Uni-

17 Números do HIAS (2011) 6.268 Procedimentos cirúrgicos 8.853 Internações 56.929 Consultas médicas (Emergência) 77.747 Atendimento médico (Ambulatório) 112.410 Atendimento outras categorias (Ambulatório) 1.031.940 Exames para auxílio no diagnóstico 12.494 Quimioterapia

versidade de Fortaleza (UNIFOR), recebendo seus alunos de graduação para treinamento. No campo da Cirurgia Pediátrica, mensalmente, de 10 a 12 alunos de graduação realizam parte de seu internato em cirurgia no serviço. O HIAS possui ainda diversos programas de residência médica, incluindo Pediatria Geral e subespecialidades e Cirurgia Pediátrica. Atualmente, no programa de Residência Médica em Cirurgia Pediátrica, que oferece duas vagas por ano, quatro médicos residentes se encontram em formação.

O reconhecimento do HIAS pela comunidade pode ser auferido pelos prêmios recebidos pela instituição, especialmente na última década. Entre eles, Prêmio Nacional Professor Fernando Figueira (2004); Faixa Ouro no Prêmio Ceará Gestão Pública (2009 e 2010) e Prêmio Máximo no Prêmio Ceará de Gestão Pública (2011). Comemoração Este ano, a instituição organizou um calendário de atividades voltadas à comemoração de seus 60 anos de existência. Como informa o Dr. Aldo Melo, entre outras, está prevista a realização do V Congresso do HIAS, de 21 a 24 de novembro próximo, que terá como tema central Atenção segura e humanizada: 60 anos de experiência no cuidar da criança. Haverá programação científica diversificada. A de Cirurgia Pediátrica ocupará dois dias e abordará temas atuais dentro do campo da Gastrenterologia Cirúrgica, Cirurgia Neonatal, Urologia Pediátrica e Oncologia Cirúrgica Pediátrica, com a presença de convidados de fora da instituição. Mais informações estão disponíveis no site www.hias.ce.gov.br.

Dr. Aldo Melo Filho, atual coordenador do serviço.

Dr. Augusto César Abreu com seu filho, Augusto César Abreu Filho, também cirurgião pediátrico, formado pelo pai no Albert Sabin.

Em meio a colegas e diretores do hospital, o Dr. César Abreu recebe a placa de homenagem do diretor-geral, Dr. Francisco Walter Frota de Paiva.

HIAS homenageia Dr. César Abreu Após 23 anos na coordenação do centro cirúrgico, ao ser sucedido pelo Dr. Aldo Melo, o Dr. César recebeu homenagens da diretoria e de colegas

N

o dia 18 de janeiro, o Dr. Augusto César de Abreu foi homenageado por colegas e pela direção do Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS). Naquela data, por iniciativa própria, deixava a coordenação do centro cirúrgico do hospital, após 23 anos na função. Mas o Dr. César continuará trabalhando no hospital.

“Tenho convicção que, nesses anos de coordenação, tive muitos acertos. Quando comecei, éramos sete cirurgiões, hoje, somos mais de vinte. Destes, 13 são ex-residentes”, relata. Durante a solenidade, o diretor do hospital, Dr. Walter Frota, entregou-lhe uma placa com os seguintes dizeres: “O HIAS reconhe-

ce e agradece a dedicação prestada às crianças durante seu exercício profissional neste hospital”. O Dr. Aldo Melo, que naquele momento assumia a coordenação, espera contar com o apoio de seu predecessor para dar continuidade ao trabalho. “O Dr. César criou os alicerces, fez mudanças. Tenho muito respeito por

ele”, declarou, acrescentando: “O HIAS não é um hospital de referência no Norte e no Nordeste e um dos melhores do país à toa.” O novo coordenador, que vinha exercendo o cargo de preceptor do Internato em Cirurgia Pediátrica do HIAS, é professor da disciplina de Cirurgia Pediátrica na UFC e na UNIFOR.


CIPE INFORMA

18

Deliberações da diretoria Em setembro, outubro e novembro de 2011 e nos meses de março e abril de 2012, a diretoria da CIPE realizou reuniões abertas, para a discussão e tomada de decisão sobre diversos assuntos. Aqui, o Jornal da CIPE apresenta, de forma resumida, os principais pontos da pauta dessas reuniões: • XIV Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica – Discussão do balanço final do evento, realizado em junho de 2011, no Rio de Janeiro (RJ). • VIII Congresso Paulista, III Jornada Brasileira de Residentes e o I Simpósio das Ligas Acadêmicas de Cirurgia Pediátrica – Definição da data e do local: de 12 a 14 de outubro de 2011, no São Paulo Center Eventos, em São Paulo (SP). Posteriormente foi debatido o balanço final dos eventos. • IX Congresso da CIPESUR 2011 – A diretoria decidiu-se pela participação de representantes da CIPE no evento, que foi realizado

em novembro, em Punta del Este, no Uruguai. • I Congresso Sabará de Especialidades Pediátricas – Discussão e definição da programação científica e de conferencistas convidados para participar do evento marcado para abril, em São Paulo (SP), e continuidade da parceria entre a CIPE e o Hospital Infantil Sabará. • XXXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica – Definição do local, o espaço Hangar, de exposições, em Belém (PA), discussão e definições sobre a composição das comissões do evento e de data para contatos e reuniões de trabalho de integrantes das comissões científica e organizadora em Belém. Posteriormente foi decidido o programa de cada um dos eventos, assim como os procedimentos relacionados aos convidados estrangeiros. • Safe Kids – Em apoio à iniciativa da Safe Kids Brasil, relacionada à proibição da venda de álcool líquido,

a diretoria considerou necessária a discussão da proposta com um parlamentares da Câmara e do Senado Federal, a fim de dar o correto encaminhamento à questão. • Registro da marca CIPE  – A diretoria aprovou consulta a advogado especializado para promover o registro da marca CIPE junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). • VI Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança – Nas reuniões de junho, julho e agosto, foram apresentados relatórios sobre a evolução das adesões. • Anuidade 2012 – Foi estipulado valor de R$ 323,00 para a anuidade dos associados em 2012, com cobrança prevista para maio. Na reunião de julho, os presentes foram informados que a CIPE já havia recebido mais de 400 anuidades.

Novos associados Entre setembro de 2011 e agosto de 2012 a CIPE, durante as reuniões de diretoria, teve o prazer de acolher doze novos associados. São eles os Drs. Adriano Pádua Reis, Alexandre Alberto Barros Duarte, Alfredo Nazir Abud Neto, Bernardo Almeida Campos, Camila Michelan de Almeida, Carlos A. Leite B. Carvalho, Fernando Antonio Bersani Amado, Gustavo Pileggi Castro, Henrique de Mattos Canto, Rita de Cássia Fernandes Simões, Sandra Rosa Teixeira e Tatianne Moreira da Costa.

Além dos assuntos já citados, a diretoria ainda discutiu a participação da CIPE em congressos internacionais e também junto à WOFAPS, a continuidade do Projeto Memória e se dispôs a viabilizar estudo para consultoria de marketing para a entidade.

AGENDA 2012/2013 Não deixe de conferir no site da CIPE a agenda com os principais eventos científicos, nacionais e internacionais, relacionados à Cirurgia Pediátrica.

A AMB é de todos os médicos Desde outubro de 2011, tenho a satisfação de ocupar a presidência da AMB, entidade com 61 anos de existência, que congrega as associações médicas estaduais e regionais, além das Sociedades de Especialidade reconhecidas no país. É o berço científico da nossa Medicina. Sou um cearense típico, nascido em Crateús, cidade interiorana cortada pelo Rio Poti. Mudei para Fortaleza com 12 anos para estudar e, aos 17, ingressei na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC). Fiz residência médica em Cirurgia Geral e Cirurgia Oncológica no Rio de Janeiro, onde morei por cinco anos. Retornei ao Ceará para exercer minha profissão. Atualmente, ocupo a Superintendência dos Hospitais Universitários da UFC com muita disposição e vontade de ajudar a instituição que me fez médico para retribuir um pouco do muito que minha universidade me deu.

Eu e a diretoria assumimos a gestão 2011-2014 da AMB com o compromisso de deixá-la ainda mais forte e representativa da classe médica. Incentivaremos a área científica, a defesa profissional, a boa relação com as entidades médicas irmãs (CFM e FENAM), com os governos, com todos os outros profissionais de saúde e com todos que queiram formar esse batalhão em busca de proporcionar saúde melhor a todos. Fortaleceremos a imagem do médico. Seremos contumazes em buscar a boa formação médica com cursos que capacitem adequadamente por meio de boas escolas. Precisamos de qualidade na formação, não de quantidade. Damos liberdade a médicos formados fora exercer a Medicina no Brasil sim, mas queremos saber como foram formados e se tem a qualificação para atender bem nossos pacientes. Todavia, ainda existem faculdades de Medicina fazendo o caminho inverso do que seria resguardar a segurança da população. Fazer revalidação automática de diplomas de médicos formados no exterior é colocar em risco quem já sofre no dia a dia. Queremos uma residência cujo acesso

priorize o mérito e o conhecimento. Somos favoráveis e defendemos a Estratégia Saúde da Família (ESF), mas precisamos de médicos bem treinados na ESF, capazes e preferencialmente com residência médica na especialidade. Defendemos a formação correta, boas condições de trabalho e uma carreira de Estado para os locais de difícil acesso e provimento para que fixemos o médico nessas localidades. O marco regulatório da Residência Médica é antigo, não precisamos de modismos ou viéses, especialmente quando se coloca em cheque priorizar o conhecimento, o mérito. Queremos políticas públicas de saúde de médio e longo prazo, duradouras, que não visem somente um mandato. O Brasil tem recursos para alocar na saúde, o que precisamos é que esta seja priorizada. O governo federal é a instância que mais arrecada, porém vem se desonerando proporcionalmente quando se compara aos investimentos de estados e municípios. Na saúde suplementar, defendemos o respeito à autonomia médica comprometida com o melhor para o paciente e

Divulgação/AMB

ESPAÇO DA AMB

Florentino Cardoso, presidente da Associação Médica Brasileira

com os custos. Precisamos melhorar a remuneração do nosso trabalho assim como discutir performance, mas que seja relacionada aos melhores resultados. Não a pedir menos exames ou não dar a atenção que nossos queridos pacientes merecem. Vamos discutir custos sim, evitar diagnósticos e tratamentos desnecessários. A verdade não morre e será nossa busca incessante, sem desvios e sem equívocos. Seremos firmes na palavra e não aceitaremos mordaças como tentaram nos colocar recentemente.


CIPE INFORMA

19

da revista cienCIPE retoma Ostíficaeditores da CIPE, Archives of Surgery, – Profs. Drs. publicação Pediatric José Luiz Martins (editor-chefe), Carlos Teixeira Brandt (editor-ase José Roberto de Souza da Archives sistente) Baratella (editor-gerente) – informam que o segundo e terceiro volumes já estão sendo entregues pelo correio. Para facilitar o encaminhamento de artigos foram feitas alterações nos procedimentos; agora, basta enviá-lo para archpedsurg@terra.com.br. A mudança se deveu a problemas técnicos relacionados à hemeroteca, que dificultaram a comunicação entre os editores e os autores dos trabalhos, atrasando as edições.

Centros de Aperfeiçoamento: inscrições abertas

P

ermanecem abertas as inscrições para todos os Centros de Aperfeiçoamento da CIPE, à exceção do de Cirurgia Pediátrica Urológica, do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), cuja vaga de estágio para 2012 já foi preenchida pelo Dr. Niedson Thiago Pereira Cavalcante (PE). Os estágios são destinados aos profissionais que já tenham concluído seu treinamento em

Cirurgia Pediátrica e que desejam se aperfeiçoar nas técnicas de tratamento oferecidas. O interessado deve encaminhar seu currículo à sede da entidade, pelo email secretaria@cipe. org.br, indicando os centros de sua preferência, com primeira e segunda opção. A relação de todos os Centros de Aperfeiçoamento da CIPE, assim como dos respectivos responsáveis, está disponível no site da associação.

Site divulga associados

C

om a remodelação, desenvolvida ainda em 2011, o site da CIPE ganhou nova ferramenta. Além de estar mais abrangente e ágil na divulgação de notícias também passou a prestar um serviço para seus associados e pacientes. A página de abertura dispõe de espaço para que pacientes (e/ou seus responsáveis) verifiquem se o especialista que os atende é associado da CIPE. Além disso, a página de Associados, em que estão

relacionados os titulares e participantes quites com a associação, permite, agora, que se busque o profissional por estado. O associado poderá usar essa ferramenta para divulgar o endereço e telefone de seu consultório, celular, email e site. Para isso, basta entrar em contato com a CIPE, por meio do email secretaria@cipe.org.br ou pelo telefone (11) 3814-6947, no período da tarde, e informar os dados que deseja ver publicado.

Notícias da WOFAPS • Políticas e parcerias – Entre as políticas adotadas nos últimos anos pela The World Federation of Associations of Pediatric Surgeons (WOFAPS) está o incentivo à evolução da especialidade, principalmente nos países em desenvolvimento, e a colaboração com outras entidades mundiais em programas em benefício da criança, bem como na realização de eventos comuns com organizações afins (International Pediatric Association (IPA), Global Congress for Consensus in Pediatrics & Child Health e International Surgical Week). Ao lado da realização de seus congressos trienais, outro dos atuais objetivos da WOFAPS é o apoio à realização de eventos regionais, como o europeu e o ibero-americano, além de eventualmente colaborar em outras reuniões científicas, como a que ocorreu em Tusla, na Bósnia, em 2011. O Congresso Ibero-americano de Cirurgia Pediátrica, ocorrido em agosto, na Colômbia, uma realização conjunta da Asociación Iberoamericana de Cirugía Pediátrica e da WOFAPS, teve grande participação de conferencistas, membros desta última e vários presidentes de entidades nacionais. (Veja mais na seção Destaques desta edição.) • Humanitarian Response Task Force – O terremoto que devastou o Haiti, em janeiro de 2010, levou a WOFAPS a criar a Humanitarian Response Task Force, uma força-tarefa constituída por cirurgiões pediátricos que possa atuar em áreas de catástrofe, como essa. A instituição dessa força-tarefa foi uma

sugestão do cirurgião pediátrico norte-americano Henry Ford, que permaneceu por longo período no Haiti, após a tragédia. A CIPE, atendendo ao chamado da AMB na ocasião, se integrou ao esforço humanitário global, selecionando a voluntária Profa. Dra. Márcia Riromi Henna, de São Paulo (Veja reportagem no Jornal da CIPE 34/35). • Centros credenciados – Durante o evento realizado em Tusla, ocorreu reunião do comitê executivo da associação mundial, na qual foi aprovada proposta do representante da América Latina e do Caribe, Dr. José Roberto de Souza Baratella, ex-presidente da CIPE, sobre a criação de centros de ensino e treinamento na região, credenciados pela WOFAPS. Segundo o Dr. Baratella, o próximo passo é, com a colaboração das sociedades nacionais da especialidade, determinar os critérios para o credenciamento desses centros, os quais serão submetidos à entidade mundial para análise e definições. A iniciativa está sendo vista, pela WOFAPS, como um projeto-piloto que, se vitorioso, poderá vir a ser expandido para outras regiões do globo. • Subcomitês – A nova gestão está cuidando da reformulação da estrutura dos subcomitês. A proposta apresentada e aprovada manteve o científico, direcionado especialmente para a organização da parte científica dos congressos, e o educacional, extinguiu o de pesquisa e estabeleceu os seguintes: webmaster, institutional network, disaster/ humanitarian relief e advocacy/ public policy.


NOTÍCIAS ESTADUAIS

20 RIO DE JANEIRO/RJ

CIPERJ continua sempre muito ativa

E

m 2012 a CIPERJ está mantendo sua programação voltada à educação continuada, seja por meio de reuniões científicas bimestrais seja por meio de parceria com o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ). Este ano já foram realizadas quatro reuniões científicas. A primeira, ocorrida no dia 30 de janeiro, teve como conferencista convidado o Dr. Jovelino Leão – doutor em Cirurgia e chefe do Serviço de Urologia Pediátrica do Hospital Infantil Darcy Vargas, em São Paulo (SP) –, que apresentou palestra sobre Endourologia Pediátrica. Após debate, a Dra. Ana Tereza Vacchiano discutiu um caso clínico com os 15 presentes. Em 27 de março, com número semelhante de participantes, o encontro teve palestras sobre Utilização e diferenciais dos materiais de drenagem e Má rotação intestinal, apresentadas, respectivamente, pelas Dras. Maria Ribeiro Morard e Adriana Cartafina. Na reunião de 30 de maio, foi prestada homenagem ao Dr. Claudio de Souza Leite, profissional de grande importância para o desenvolvimento da especialidade no estado. Na ocasião, o Dr. André Almeida, que havia visitado as instalações de centros de trauma nos EUA, e o Dr. Eduardo Kannaan, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, abordaram a infraestrutura disponível no estado e perspectivas para o tratamento do trauma.

Julio Goes/CIPERJ

Além de reuniões científicas periódicas, a entidade dá prosseguimento ao programa de cursos, em parceria com o CREMERJ

Cursos Em março deste ano, no dia 17, foi realizado o IV Curso de

Educação Continuada em Cirurgia Pediátrica CIPERJ/CREMERJ. A iniciativa conjunta reuniu 112 participantes, entre acadêmicos e médicos, na sede do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ). Após rápida solenidade de abertura, comandada pelas Dras. Vera Lucia Mota da Fonseca, conselheira do CREMERJ, e Lisieux Eyer de Jesus, presidente da CIPERJ, teve início a programação científica. Na ocasião, foram apresentadas pelos Drs. Marcelo Lucchetti e Henrique Cintra e pela enfermeira Eliana Mitsuko Lage, palestras sobre Queimaduras na Infância, Abordagem Inicial; A Cirurgia Plástica para o Paciente Pediátrico e O Uso de Curativos Interativos em Feridas Cutâneas respectivamente. Para o dia 6 de outubro está agendado novo curso. Para mais informações, acesse o site da CIPERJ (www.ciperj.org).

PORTO ALEGRE/RS

CIPE-RS apoia simpósio internacional do HCPA O evento, que durou dois dias, teve como foco as cirurgias de vias aéreas e de tórax

N

os dias 22 e 23 de novembro de 2011, foi realizado VI Simpósio Internacional de Cirurgia Pediátrica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. O evento, que contou com o apoio da CIPE-RS e a participação de membros da entidade em sua organização, se concentrou sobre aspectos das cirurgias de vias aéreas e de tórax. Do programa fizeram parte temas como pré e pós-operatório, polissonografia,

broncoscopia, malformações de face e macroglossia, corpo estranho em vias aéreas, estenoses traqueais, refluxo gastresofágico, hérnia diafragmática, anéis vasculares e uso de stents, entre outros. Dois convidados internacionais apresentaram conferências durante o simpósio: o Dr. Juan L. Antón-Pacheco, chefe da unidade de Vias Aéreas Pediátricas do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Hospital Universitário

EDITAL Edital de convocação para a eleição dos componentes dos cargos da Diretoria e do Conselho Fiscal da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE) para o biênio 2012-2014

(Da esq. para a dir.) Drs. Henrique Cintra, Lisieux de Jesus, Marcelo Lucchetti e a enfermeira Eliana Lage debatem com a plateia lotada no encerramento do IV Curso de Educação Continuada em Cirurgia Pediátrica CIPERJ/CREMERJ

No dia 30 de julho, o encontro realizou-se no Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC), em conjunto com a Sessão de Cirurgia Pediátrica do Núcleo Central do CBC, contando com mais de 20 presentes. Na oportunidade, a Dra. Taísa Davaus apresentou palestra sobre Método Radiológico de Avaliação de Obstrução do Trato Urinário e o Dr. Vicente Ramos abordou o tema Radiologia Intervencionista Pediátrica. Na reunião prevista para 25 de setembro, será realizada a eleição da nova diretoria e do novo conselho fiscal da CIPERJ. Na data deverá ocorrer palestra sobre Videocirugia em malformações uterovaginais, da Dra. Maria Marcela Bailez, convidada especial da Argentina, chefe do departamento de Cirurgia Pediátrica do Hospital Garrahan de Buenos Aires.

Eleições da CIPE Biênio 2012-2014

da Universidade de Madrid (Espanha), e o Dr. Michel J. Rutter, professor do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Universidade de Cincinnati (EUA) e diretor de Pesquisa Clínica do Cincinnati Children’s Hospital Medical Center. A iniciativa foi conjunta, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FM-UFRGS) e do Hospital de Clínicas de Posto Alegre.

O secretário geral da CIPE, Dr. Alcides Augusto Salzedas Netto, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o Capítulo 14 dos estatutos, declara aberto a partir de 21 de julho de 2012 o período para inscrição de chapas concorrentes à eleição da Diretoria e do Conselho Fiscal da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE), para o biênio 2012/2014. As chapas concorrentes para os cargos da diretoria deverão ser constituídas por: Presidente, Primeiro Vice-Presidente, Segundo Vice-Presidente, Secretário Geral, Primeiro Secretário, Segundo Secretário, Primeiro Tesoureiro, Segundo Tesoureiro, Diretor de Patrimônio, Diretor de Publicações e Diretor de Relações Internacionais. Estatutariamente, deverão residir na cidade sede da CIPE um dos Vice-Presidentes (caso o candidato a Presidente não resida em São Paulo), além do Secretário Geral, de um dos Tesoureiros e do Diretor de Patrimônio. As chapas concorrentes ao Conselho Fiscal deverão ser constituídas por seis membros, sendo três Titulares e três Suplentes. Só serão aceitos para inscrição, em qualquer das chapas, os Associados Titulares em dia com as suas obrigações com a Tesouraria e os Remidos. A inscrição de chapas deverá ser feita por meio de carta ou fax endereçado ao Secretario Geral da CIPE, encerrando-se este prazo às 18h00 de 21 de agosto de 2012. A eleição será realizada por meio de voto por correspondência. As cédulas serão encaminhadas aos sócios de todas as categorias, que se encontrarem aptos para votar (quites com a Tesouraria), até 11 de setembro de 2012 e deverão ser enviadas de volta à sede da CIPE até as 18h00 de 11 de outubro de 2012. A apuração dos votos dar-se-á em 17 de outubro de 2012, a partir das 10h00, também na sede da CIPE, em ato público, e será presidida por Comissão Eleitoral designada pela Diretoria. Este edital será publicado no Jornal da CIPE, no site da CIPE (www.cipe.org.br) e da AMB (www. amb.org.br), além de ser enviado a todos os presidentes das Estaduais/ Regional, para ampla divulgação. São Paulo, 2 de julho de 2012. Dr. Alcides Augusto Salzedas Netto Secretário Geral


JORNAL DA CIPE - NÚMERO 41/43