Page 1

Informativo Oficial da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica – Ano VII – Nº 29 – Abril-Julho/2008

XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica

II Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança Números de serviços e profissionais envolvidos e cirurgias efetuadas devem ultrapassar os de 2007 Este ano, o II Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança será realizado no dia 23 de agosto e a perspectiva é que supere os números alcançados em 2007, tanto com relação à adesão dos serviços e profissionais quanto ao total de cirurgias efetuadas. Esta será a segunda iniciativa de caráter amplo e de abrangência nacional, promovida pela CIPE, com o intuito de reduzir o tempo de espera dos casos com indicação cirúrgica. Até meados de julho, 16 hospitais, situados em 10 estados já haviam se comprometido com o mutirão (veja relação abaixo) e já era possível observar a presença de estados e serviços que não integraram a primeira edição. Com base na experiência anterior, o presidente da entidade, Prof. Dr. José Roberto de Souza

Baratella, acredita que até o dia 23 de agosto outros serviços se somem a estes. Em 2007, o I Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança abrangeu 20 hospitais, entre públicos e privados, de 11 estados, e inúmeros cirurgiões pediátricos e profissionais da área médica. Na ocasião, foram realizadas 450 cirurgias aproximadamente, sendo a maior parte de caráter ambulatorial. No ano passado, a iniciativa teve a colaboração da Silimed, que forneceu tubos de silicone para a correção de hipospadias, e de outras empresas, que doaram medicamentos e material cirúrgico. Os dirigentes da CIPE esperam que também agora esse apoio se repita e que novos fornecedores cooperem com o mutirão. O Dr. Baratella declara que “esse esforço con-

centrado não seria necessário se o sistema de saúde no Brasil já houvesse atingido níveis ideais no atendimento cirúrgico de crianças e adolescentes”. Ele admite que embora a realização de mutirões com essa abrangência não se constituam em soluções definitivas para as deficiências do sistema, “são eficientes, ainda que de maneira temporária, na redução das filas de espera de pacientes com casos de indicação cirúrgica”. Para a inscrição de serviços e a obtenção de informações detalhadas, basta enviar mensagem para cipe@uol.com.br. Participe! Oportunamente, os resultados do II Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança serão divulgados no site da CIPE – www.cipe.org.br – e na próxima edição deste informativo.

Relação dos Hospitais Até a metade de julho, as seguintes unidades de saúde já haviam confirmado sua participação: Bahia • Hospital da Criança (Obras Sociais Irmã Dulce) – Salvador; • Hospital Geral Roberto Santos – Salvador; • Hospital Martagão Gesteira – Salvador; • Hospital Universitário Prof. Edgard Santos (FM/UFBa) – Salvador. Distrito Federal • Hospital Materno-Infantil de Brasília (HMIB) – Brasília. Espírito Santo • Hospital e Maternidade São José – Colatina.

• Notícias do Congresso

Goiás • Hospital de Clínicas (FM/UFG) – Goiânia.

Rio Grande do Sul • Hospital da Criança Conceição – Porto Alegre.

Mato Grosso • Hospital Geral Universitário (FM da Universidade de Cuiabá) – Cuiabá.

Santa Catarina • Hospital São José – Criciúma.

Pernambuco • Instituto Materno-Infantil Prof. Fernando Figueira (IMIP) – Recife. Rio de Janeiro • Hospital Pedro Ernesto (FM/UERJ) – Rio de Janeiro.

• Eleições e Reforma Estatutária da CIPE

• Archives of Pediatric Surgery nº 1

São Paulo • Hospital das Clínicas (FM/USP) – São Paulo; • Hospital Estadual Mario Covas (FM do ABC) – Santo André; • Hospital dos Fornecedores de Cana – Piracicaba; • Hospital Geral do Grajaú – São Paulo.

• A palavra da CNA

• Concurso de TE 2008


XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica

Os organizadores de eventos têm grande responsabilidade na renovação dos títulos

A saúde da criança sob a ótica multidisciplinar

“A velocidade com que novos conhecimentos são agregados à nossa profissão tornou inquestionável um fato: quem não se atualizar de forma constante, em poucos anos estará agindo de uma forma praticamente arcaica e oferecendo uma Medicina inadequada aos seus pacientes”, avalia o Prof. Dr. Edevard J. de Araújo, cirurgião pediátrico conselheiro pela Associação Médica Brasileira (AMB) e membro da Comissão Nacional de Acreditação (CNA). Os programas de educação médica continuada há muito existem em vários países, como demonstração da competência de seus profissionais. Por esse motivo, segundo ele, o Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou a Resolução CFM 1772/2005 – disponível no site www.portalmedico.org.br –, que cria o Certificado de Atualização Profissional (CAP) para os Títulos de Especialistas (TEs) emitidos a partir de 1o de janeiro de 2006. Conforme dispõe a nova norma, todos os títulos deverão ser certificados a cada cinco anos, de duas formas: mediante o acúmulo de 100 créditos, obtidos ou em atividades relacionadas à especialidade ou por meio de prova específica. Todos os eventos científicos cadastrados na CNA receberão pontuação de acordo com seu conteúdo e carga horária. Quanto aos créditos, o Dr. Araújo frisa o papel de destaque que as associações e os serviços têm nesse sistema. “É importante que os serviços cadastrem seus eventos para que os colegas da região sejam beneficiados”, da mesma forma que as sociedades nacionais de especialidades, que deverão organizar atividades regionais e registrá-las, de modo a permitir que todos os especialistas possam acumular pontos para certifiProf. Dr. Edevard J. de Araújo car seu título.

Jornal da CIPE Ano VII – Nº 29 - Abril-Julho/2008 O Jornal da CIPE é o veículo informativo oficial da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (CIPE). Redação e Publicidade: Rua Cardeal Arcoverde, 1745 - bl. A 12º and. – cj. 123 – Pinheiros CEP 05407-002 – São Paulo (SP) Tel.: (11) 3814-6947 cipe@uol.com.br – www.cipe.com.br Diretores Responsáveis: José Roberto de Souza Baratella (jrbaratella@terra.com.br) e Sylvio Gilberto Andrade Ávilla (avilla.sylvio@gmail.com) Jornalista Responsável: Cristiane Collich Sampaio Mtb. 14 225 (collichc@uol.com.br)

Um grande abraço a todos,

Produção Gráfica e Editoração Eletrônica: Antonio Pessoa Neto (pessoan@hotmail.com)

José Roberto S. Baratella Presidente

Tiragem: 1,2 mil exemplares Distribuição: Nacional

2

Os artigos assinados não traduzem necessariamente a opinião deste jornal, cabendo aos autores a responsabilidade pelos respectivos conteúdos. Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica – CIPE Rua Cardeal Arcoverde, 1745 bl. A – 12º and. – cj 123 Pinheiros – 05407-002 São Paulo (SP) – Tel.: (11) 3814-6947 www.cipe.org.br – cipe@uol.com.br Diretoria: Presidente: José Roberto de Souza Baratella (SP); 1º Vice-Presidente: Max Carsalad Schlobach (MG); 2ª Vice-Presidente: Elinês Oliva Maciel (RS); Secretário Geral: José Carnevale (SP); 1ª Secretária: Mércia Maria Braga Rocha (DF); 2ª Secretária: Maria do Socorro Mendonça de Campos (BA); 1º Tesoureiro: Roberto Antonio Mastroti (SP); 2º Tesoureiro: Paulo Carvalho Vilela (PE); Diretor de Patrimônio: Pedro Muñoz Fernandez (SP); Diretor de Publicações: Sylvio Gilberto Andrade Ávilla (PR); Diretor de Relações Internacionais: Paulo Roberto Mafra Boechat (RJ). Departamento de Cirurgia Pediátrica da Associação Médica Brasileira (AMB)

Muitas comemorações ocorrerão em 2008 no Brasil, especialmente em Salvador (BA). Entre elas, o bicentenário da Faculdade de Medicina da Bahia (FAMEB), fundada em 1808, como Escola de Cirurgia, por determinação do rei D. João VI, chegado ao país naquele ano, em companhia da corte portuguesa. Mas este ano não será marcado apenas por festas. Reunir temas abrangentes e referências nacionais e internacionais da especialidade Drª Soraya Fernanda Cerqueira Motta, presidente da CIPE-BA e da numa programação que ofereça aos particicomissão científica dos congressos. pantes uma visão ampla – mas nem por isso menos profunda – das patologias cirúrgicas pediátricas e das modernas técnicas de tratamento. Foi este o objetivo que orientou a realização do XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, concomitantemente ao XI Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica, ao I Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica Vídeo-Assistida e à IV Jornada LusoBrasileira de Cirurgia Pediátrica que irão se realizar no Bahia Othon Palace Hotel, em Salvador (BA), entre 16 e 20 de novembro. Divulgação

Passado o meio do ano, estamos escrevendo felizes com o andamento das iniciativas da CIPE, pois: - nossos Centros de Aperfeiçoamento, nem bem lançados, já despertam o interesse de candidatos, mostrando a necessidade que tem o cirurgião pediátrico de evoluir e aprofundar seus conhecimentos. Como já comentamos anteriormente, na luta aguerrida da concorrência, só venceremos mediante qualidade e experiência profissional. - os congressos de 2008 prosseguem tanto nos seus aspectos organizacionais, como nos científicos. Naqueles, graças ao esforço coletivo da Nacional, da Estadual baiana, e da empresa organizadora, as vendas de estandes e os patrocínios são de magnitude de há muito não vista em eventos da especialidade; nestes, a programação está quase totalmente fechada, aguardando-se, filosoficamente, apenas a quitação de algumas anuidades para a conclusão da lista de convidados. - o mutirão dá mostras de que o número de estados e serviços envolvidos deverá ser maior do que aquele observado em 2007. Este é um dado importante, uma vez que revela maior adesão dos sócios às ações da entidade. - nossa revista vai sair! E o primeiro número constituirá os anais do congresso. Nada mais emblemático para o relançamento do órgão científico oficial da CIPE. Agora, alguns lembretes importantes: - este é ano de eleições não só na Nacional (cujo edital está no site e nesta edição do jornal), mas, também, em todas as estaduais. Ressaltamos, aos respectivos presidentes, a importância de se empenharem na organização dos pleitos para as diretorias locais e, também, para os representantes junto à AR. - a renovação do TE, obrigatória para aqueles que o conquistaram a partir de janeiro de 2006, depende da obtenção de pontos por participação em cursos e congressos. Infelizmente, notamos que nem sempre estes eventos têm sido inscritos junto à CNA (site: www.cna-cap.org.br). Reiteramos, assim, aos responsáveis por estas atividades científicas, que atentem para esta necessidade, de fundamental importância para a ampliação de oportunidades aos nossos novos especialistas.

A importância do cadastramento na CNA

Divulgação

EDITORIAL

Prezados amigos,

Abordagem pluridisciplinar “Na luta diária para melhorar alguns indicadores de saúde, como a mortalidade infantil, e nos colocarmos entre as nações que superaram os graves problemas de saúde pública, nesses eventos a CIPE optou por uma abordagem das doenças na faixa etária pediátrica de um ponto de vista pluridisciplinar”, declara a Drª Soraya Fernanda Cerqueira Motta, presidente da CIPE-BA e da comissão científica dos congressos. Ela explica que essa visão compreende desde a investigação fundamental até terapêutica, “sem esquecer o apoio multifacetado à criança doente, nas suas vertentes física, psíquica e nutricional”, e para isso estará reunido um conjunto de especialistas, que discutirá o que há de mais recente nas áreas de Cirurgia e Urologia Pediátrica. Para a Drª Soraya Motta, todos os participantes, encontrarão uma oportunidade valiosa para a conscientização de que a matéria Cirurgia Pediátrica é multidisciplinar. “É com imenso orgulho e prazer que os convido a participar do nosso congresso onde, mais do que um encontro de especialistas de nosso país, celebraremos a união com a cirurgia pediátrica luso-brasileira, sedimentando amizades e favorecendo a troca de conhecimentos com outros convidados internacionais”, afirma. O programa propicia o intercâmbio de experiências entre os diversos serviços do país e do mundo, por meio de conferências, mesas redondas, cursos de atualização e sessões de temas livres. Intercâmbio e pontuação “A comissão científica tem trabalhado para oferecer as melhores condições possíveis de realizarmos um evento de conteúdo científico memorável e o local escolhido não poderia ser o mais adequado: Salvador, uma cidade que agrega conforto, tecnologia e natureza exuberante à tradicional hospitalidade baiana”, comenta. Segundo a responsável pela programação científica, a discussão de temas relevantes para a valorização da especialidade – desde a formação (residência) até a prática cotidiana, aqui incluídas as condições de trabalho (estrutura) e remuneração dos serviços –, contribuirá para “o respeito à

criança enferma, que tem o direito de ser tratada em ambiente adequado, por especialistas cirúrgicos pediátricos”. A CIPE está pleiteando 20 pontos para os eventos, junto à Comissão Nacional de Acreditação (CNA), para a renovação do Título de Especialista dos participantes, e créditos também para os cursos de atualização. Após os eventos, nos dias 21 e 22 de novembro, também em Salvador, será realizado o Concurso para o Título de Especialista (TE). As provas, escrita e oral, serão elaboradas e ministradas pela Comissão de Ensino e Título de Especialista (CETE) da CIPE. O edital, com informações detalhadas sobre o exame, está disponível no site da associação www.cipe.org.br.

Notícias Até o fechamento desta edição, já estavam confirmadas as seguintes participações internacionais: Drs. Alberto Peña, Curtis Sheldon e Martin Eichelberger (presidente da Safe Kids), dos EUA; François Becmeur, da França; Gorän Lackgreen, da Suécia; Horácio Questa, da Argentina; Jorge Rodriguez e Miguel Gelfand, do Chile; e os representantes de Portugal, Paolo Casella (presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Pediátrica), Conceição Salgado, Isabel França e Maria José Leas. Quanto à programação, a de Cirurgia Geral e Urologia já foram concluídas e estão disponíveis no site www.congressocipe. com.br, assim como as atividades paralelas, como os cursos de atualização em Cirurgia Pediátrica, Cirurgia Urológica Pediátrica e de Trauma. Também estão previstas conferências – para o público especializado e leigo –, promovidas em conjunto com a ONG Criança Segura, com a presença do Dr. Martin Eichelberger (veja mais nesta edição). De acordo com informações da GT5, empresa que organiza os eventos, estes já contam com o patrocínio da Promédica e da Support, assim como da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia e Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), e o apoio da ONG Criança Segura - Brasil, SAMU 192 e TAM (que oferece aos congressistas descontos nas passagens aéreas). Na área de exposições, até o momento, as empresas Apsen Farmacêutica, CEI, Doctor Books, Edlo, Erwin Guth, Promédica, H. Strattner, Rhosse, Silimed, Support já garantiram seu espaço.

EXAME PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA PEDIÁTRICA Dias 21 e 22 de novembro de 2008 – Salvador (BA) Acesse o site www.cipe.org.br e consulte o edital 3


Panorama

Prevenção de Acidentes Dr. Martin Eichelberger na sede e no Congresso

Intercâmbio

Literatura Especializada

Prof. Dr. Paulo Tubino em Cincinnati

Anatomia Funcional da Criança: Bases Morfológicas para a Prática Pediátrica Clínica e Cirúrgica

Drs. Alberto Peña (à esq.) e Paulo Tubino no Cincinnati Children’s Hospital.

Obra procura preencher lacuna sobre a fisiologia e patologias infantis na formação dos profissionais Recentemente ocorreu a publicação, pela Editora da UnB, do livro Anatomia Funcional da Criança: Bases Morfológicas para a Prática Pediátrica Clínica e Cirúrgica, que tem como autores o Prof. Dr. Paulo Tubino e a Profa Dra Elaine Alves, cirurgiões pediátricos e docentes da Universidade de Brasília (UnB) e da Faculdade de Medicina do Planalto Central. A obra vem preencher uma grande lacuna na formação dos profissionais, já que no currículo regular são omitidos aspectos do desenvolvimento humano, referentes à infância, adolescência e mesmo a idade adulta, até os 33 anos. Segundo os autores, “essas informações servem de base para a compreensão da maioria dos fenômenos patológicos que afetam a criança”, consideradas como fundamentais para os profissionais que procuram conhecer o organismo infantil como um todo, com o intuito de oferecer ao pequeno paciente o tratamento adequado. “É um livro do qual temos muito orgulho, pois demorou quase uma vida para ser elaborado”, arremata o professor.

Notícias da UNIFESP Prof. Dr. José Luiz Martins torna-se professor titular Com um longo currículo, venceu o concurso para ser titular de Cirurgia Pediátrica na escola onde realizou sua graduação Após vencer concurso realizado em junho, o Prof. Dr. José Luiz Martins tornou-se professor titular de Cirurgia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (UNIFESP/EPM). O Dr. Martins graduouse em Medicina pela UNIFESP e prosseguiu sua carreira acadêmica nesta unidade de ensino, até obter, em 1993, a livre docência

4

em Cirurgia Pediátrica. Atuou, principalmente, em cirurgia pediátrica geral, gastroenterologia pediátrica, colo-proctologia cirúrgica pediátrica e manometria anorretal. Sua linha de pesquisa versa sobre aganglionoses intestinais, enterocolite necrosante e anomalias anorretais, bem como sobre a avaliação clínica e manométrica de resultados e modelos experimentais. Publicou 98 trabalhos em revistas nacionais e internacionais e é o editor-chefe da revista científica da CIPE (veja mais nesta edição). Eleito em 2006 como coordenador do Programa de Pós-Graduação em Cirurgia e Experimentação da UNIFESP, foi reeleito para novo mandato, que expira em 2009.

Divulgação

No dia 16 de julho, acompanhado por Luciana O’Reilly, coordenadora da Criança Segura - Safe Kids Brasil, ele visitou a sede da CIPE. Na ocasião, discutiram com seu presidente, Prof. Dr. José Roberto Baratella, as possibilidades de cooperação entre as entidades, o que incluiu o congresso de Salvador (BA). Segundo o representante da Safe Kids, os acidentes, ou lesões não-intencionais, são a principal causa de morte de crianças de um a 14 anos no Brasil, refletindo a realidade da grande maioria dos países, sendo “a prevenção, em seus três níveis, a vacina contra este sério problema de saúde pública”.  Por isso, o Dr. Eichelberger avalia que “a parceria da ONG Criança Segura - Safe Kids Brasil e a CIPE é uma conquista para a sociedade, pois estes profissionais da saúde têm papel fundamental  na multiplicação da prevenção de acidentes em seus ambientes de trabalho, salas de aula, nas políticas públicas, no desenvolvimento de pesquisas e conhecimento”.

Dr. Baratella, Luciana O’Reilly, Dr. Eichelberger e Dr. Alexandre Aguiar, associado da CIPE, durante a visita à sede.

Cuiabá/MT O embrião de uma nova estadual da CIPE? Embora jovem, a Cirurgia Pediátrica do Mato Grosso desponta como referência no extremo Oeste do país e cirurgiões locais já sonham com sua associação A Cirurgia Pediátrica no estado do Mato Grosso teve início em dezembro de 1978, com a chegada à capital, Cuiabá, do Dr. Antonio D`Oliveira Gonçalves Preza, após realizar residência médica específica no Rio de Janeiro (RJ), relata o Dr. Augusto Aurélio de Carvalho, que um ano depois retornava à cidade, também proveniente do Rio de Janeiro. Já em 1982, o Dr. Osvaldo César Pinto Mendes, maranhense com residência médica no Rio, uniu-se a seus antecessores. Estrutura Segundo o Dr. Augusto de Carvalho, “atualmente Cuiabá é referência em Cirurgia Pediátrica no Mato Grosso, para os estados de Rondônia e Acre, atendendo também pacientes da Bolívia, pois concentra serviços de diagnóstico bem estruturados”. Há três hospitais públicos, todos com equipes de cirurgia pediátrica, sendo dois universitários – Hospital Geral Universitário (UNIC) e o Hospital Júlio Muller (UFMT) – e o Pronto Socorro Municipal. Segundo ele, “a Secretaria Municipal de Saúde tem projeto para a construção de um hospital infantil”. Na sua avaliação, a residência médica em anestesia é muito bem conceituada no estado, garantindo padrão de qualidade comparável à de grandes centros do país. Na área de radiodiagnóstico, os serviços têm boa estrutura, apesar de os profissionais não serem especializados no Prof. Dr. Augusto Aurélio de Carvalho campo pediátrico: “contamos com Divulgação

Divulgação

Este ano o Dr. Paulo Tubino, cirurgião pediátrico e docente da Universidade de Brasília (UnB) e da Faculdade de Medicina do Planalto Central, esteve em Cincinnati (EUA). No Coloretal Center of Cincinnati Children’s Hospital apresentou palestras e participou como convidado especial no curso ministrado pelo Prof. Dr. Alberto Peña, especialista em cirurgia coloproctológica e diretor daquela unidade. Em período de intensa atividade, após os compromissos dos EUA, o Dr. Tubino viajou à Europa, para o desenvolvimento de trabalhos relacionados à história da medicina, disciplina que também leciona.

“Como cirurgião-pediátrico e chefe de um grande centro de trauma infantil nos EUA, sei que a estrutura de atendimento, os equipamentos e uma equipe bem treinada e motivada é essencial para salvar vidas.  No entanto, é a prevenção que mais tem impacto na saúde das crianças”, comenta o Dr. Martin Eichelberger, presidente da ONG Safe Kids, com sede nos EUA e atuação mundial.

Divulgação

Ele participou, como convidado especial, de curso ministrado pelo Prof. Dr. Alberto Peña

Para o presidente da ONG Safe Kids, é fundamental o papel dos cirurgiões pediátricos na multiplicação das informações sobre prevenção de acidentes

5

três aparelhos de ressonância magnética (RM), todos os hospitais tem tomografia computadorizada (TC) e em dois já temos tomografia Multi Slaice”. Além disso, existem dois laboratórios de excelente padrão, também no que se refere à área de medicina nuclear. Hoje o Mato Grosso conta com 11 cirurgiões pediátricos, todos com residência médica na especialidade, dos quais nove na capital e dois nas cidades de Rondonópolis e Sinop. Três entre eles são professores titulares nas faculdades de medicina do estado: da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), criada em 1984, e da Universidade de Cuiabá, em 1999. CIPE-MT, um velho sonho “A criação da Estadual MT da CIPE é um velho sonho, que ficou mais próximo de ser concretizado em novembro de 2007, quando o Dr. Baratella, presidente da Nacional, sugeriu sua criação. Todos os cirurgiões estão na expectativa de que esse sonho possa ser realizado o mais breve possível”, comenta o Dr. Augusto de Carvalho.


Lançamento ocorrerá durante o Congresso A revista científica da CIPE será relançada em novembro, nas versões impressa e on line Em breve, a edição impressa da Revista Brasileira de Cirurgia Pediátrica será realidade. O primeiro número da Archives of Pediatric Surgery, como foi definitivamente batizada, terá seu lançamento durante o XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, em novembro próximo, em Salvador (BA). A CIPE assinou contrato com a Indexa, empresa especializada na edição de revistas científicas, para a publicação de quatro edições anuais, totalmente em inglês. A primeira, com 64 páginas e tiragem de 1,5 mil exemplares, trará os anais do congresso, o resumo de todos os trabalhos apresentados na ocasião. O periódico – cujo corpo editorial já está constituído, tendo o Prof.

Dr. José Luiz Martins como editor-chefe – também terá versão bilíngüe on line (conforme noticiado na edição passada deste jornal), e estará disponível no site da CIPE – www.cipe.org.br – também a partir de novembro. Para o presidente da associação, Prof. Dr. José Roberto Baratella, “retomar a publicação da revista científica da especialidade é fundamental para a divulgação, também no meio internacional, de novos conhecimentos, técnicas cirúrgicas e tratamentos desenvolvidos no Brasil”. Segundo ele, a diretoria enfrentou esse desafio – da revista impressa, que envolve altos custos – e está fazendo todo o possível para viabilizá-la economicamente, em parceria com a Indexa.

Teresina/PI

Vencendo as adversidades Divulgar a Cirurgia Pediátrica já na graduação foi uma das formas encontradas para ampliar o número de especialistas no estado e garantir atendimento adequado às crianças também no futuro “Somos apenas 10 cirurgiões pediátricos no Piauí, todos exercendo ativamente a profissão na capital Teresina. Isto sobrecarrega muito o sistema de atendimento, que como em todo o país, passa por inúmeras dificuldades. Destes especialistas, a metade deverá se aposentar nos próximos 12 anos, o que levará a uma carência cada vez maior se não incentivarmos a formação de novos profissionais.”, constata o Prof. Dr. Edinaldo Gonçalves de Miranda, atual diretor da Faculdade de Ciências Médicas do Piauí (FACIME). Preocupado com os destinos da Cirurgia Pediátrica no estado, ele tem buscado divulgar a especialidade desde a graduação e por meio do estímulo à participação em jornadas e congressos médicos. “Este ano, o Congresso Médico Acadêmico do Piauí (COMAPI), o maior do estado, realizado regularmente há mais de 15 anos, ocorrerá em outubro, com um módulo sobre Cirurgia Pediátrica”, informa. Outra possibilidade, segundo ele, é o planejamento e estruturação adequados dos hospitais de ensino para a implantação de residência médica de qualidade, que possa ser reconhecida pela CIPE e pelo MEC. “O primeiro passo já está encaminhado, que é a melhoria da estrutura hospitalar; o segundo passa pelo incentivo aos colegas cirurgiões pediátricos para a obtenção do título de especialista, no exame da CIPE, em novembro próximo; por fim, pela viabilização de um projeto de residência médica para a Cirurgia Pediátrica, que possa ser realizado com as orientações devidas”, avalia. Desenvolvimento acadêmico No dia 15 de maio de 2008, no Instituto de Assistência Médica do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, no Programa de Pós-Graduação em Ciências de Saúde, o Dr. Miranda recebeu

6

seu título de mestre, após a apresentação da dissertação Alterações morfológicas e histoquímicas em ratas submetidas à ileocistoplastias. Nesse trabalho experimental, desenvolvido na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), teve como orientador o Prof. Dr. Jacques Waisbey e como co-orientador o Prof. Dr. José Carnevale. Passados dois meses, no dia 10 de julho, aos 37 anos, foi o primeiro diretor eleito da FACIME/UESPI, com 97,5% dos votos válidos. Até este ano, desde a criação da faculdade, seu diretor sempre havia sido indicado pelo governador do Piauí. Desde que retornou a Teresina, em 2001, ele vem se dedicando ao ensino naquela unidade, tendo sido o responsável pela implantação do curso de Cirurgia Pediátrica e do Internato Médico na especialidade, entre outras iniciativas. “Nos últimos anos, orientei os alunos em mais de 40 pesquisas em cirurgia e em mais de 100 trabalhos apresentados em congresso médicos. Esta ligação forte com o corpo discente e o reconhecimento dos professores levaram à indicação do meu nome”, conta. Além disso, outros elementos contribuíram para sua eleição. O Dr. Miranda, com a ajuda de amigos, desenvolve projeto social próprio, de prestação de assistência integral a crianças carentes com síndrome de Down, oferecendo psicólogo, psicopedagogo, dentista, educador físico, fisioterapeuta, terapia ocupacional. Em paralelo, como subsecretário do governo do estado, tem participado ativamente da implantação de políticas públicas para pessoas com necessidades especiais, nas áreas de saúde e educação, o que fez com que seu nome também fosse aceito pelas coordenações e centros acadêmicos de todos os cursos.

Assis/SP

Cirurgia Pediátrica: uma brincadeira muito séria! Iniciativa implantada na Santa Casa procura minimizar os impactos psicológicos negativos das cirurgias nas crianças, o que tem levado à redução no uso de medicamentos e nos custos hospitalares Vamos brincar de operação? A cirurgia é a sério, mas parece uma brincadeira. Este é o foco do Projeto Humanização da Cirurgia Pediátrica Ambulatorial (PHCPA), implantado em março de 2001, com ótimos resultados, na Santa Casa de Misericórdia de Assis, no interior de São Paulo. Conforme explica o Dr. Paulo Roberto Bueno, idealizador do projeto, “no pré-operatório a criança recebe a visita do cirurgião pediátrico, sempre com roupa colorida, nariz de palhaço ou outro adereço – desmistificando o tão temido branco –, fazendo com que se integrem ao processo, como se fosse uma brincadeira”. Nessa visita, com a participação da criança e familiares, são feitos desenhos na pele, com canetas dermográficas coloridas, alusivos ao ato cirúrgico, tais como corações e mapas do tesouro, e o esclarecimento de dúvidas. Depois, no caminho para o centro cirúrgico, o cirurgião acompanha a criança em cima da própria maca, brincando como se estivessem em um carrinho, e a entrada no ambiente se dá em meio a risadas e brincadeiras, o que facilita a separação mãe/filho. Após a cirurgia, permanecem por cerca de duas ou três horas no hospital e recebem brinquedos, como recompensa por sua “coragem” em enfrentar a cirurgia. Na eventual necessidade, algumas dessas crianças ganham roupas, assim como seus familiares. Esses presentes são doados por um grupo de “sacoleiros” voluntários. O Dr. Paulo Bueno comenta que as cirurgias são realizadas de maneira a que os pacientes pediátricos fiquem menos de 24 horas no hospital, tornando o processo menos traumático, reduzindo os riscos de infecção hospitalar, os custos de internação e dos familiares, já que o tempo de afastamento do trabalho é menor. Resultados positivos De acordo com pesquisa realizada na Santa Casa, num universo de 724 casos, o atendimento humanizado de pacientes, com idades entre 2 e 12 anos, comprovou também redução da necessidade do uso de medicação pré-anestésica e analgésica pós-operatória, diminuição da tensão da criança e aumento do grau de satisfação dos familiares. Entusiasta da humanização do atendimento, Bueno relata que a Pediatria da Santa Casa de Assis possui 18 leitos e é o único hospital da cidade que atende SUS na especialidade, e oferece uma série de atividades voltadas ao bem-estar das crianças internadas: “em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP/ Campus de Assis), temos o projeto brinquedoteca Alegria, alegria: no hospital também se brinca; um grupo de estagiários se reveza durante as tardes, sempre uniformizados com camisetas coloridas e alegres, para entretê-las”. Logo PHCP

7

Percebe-se a expressão de pânico de M. Douglas?

Cirurgias sem traumas e com custos menores.

Fotos: Divulgação

Archives of Pediatric Surgery

Sara e o Dr. Paulo Bueno.


CIPE Informa

Belo Horizonte/MG

Eleições da CIPE

Referência na separação de gêmeos siameses

A apuração dos votos será realizada no dia 5 de novembro

Foram 25 casos atendidos em 38 anos. Hoje, com o desenvolvimento de técnicas e materiais, as cirurgias de separação de gêmeos conjugados – quando possíveis – têm grandes chances de sucesso

Mariana e Vitória Conforme relata o Prof. Dr. Manoel Firmato de Almeida, chefe da equipe de Cirurgia Pediátrica da Santa Casa envolvida nas duas intervenções, no primeiro caso, as meninas estavam unidas pelo apêndice xifóide, abdômen, bacia e órgãos genitais.

Foi diagnosticado colo e bexiga únicos e obstrução intestinal, o que determinou cirurgia de urgência para realização de uma colostomia para as duas e de vesicostomia. Após exames, foi constatada a viabilidade da separação, que se daria em duas fases. Na primeira, realizada em 23 de abril de 2007, foi executada osteotomia sacro-ilíaca bilateral em cada criança, e a segunda, após cinco dias, ocupou-se da separação propriamente dita, durando 16 horas. Desde sua chegada à Santa Casa, em 2005, elas permaneceram internadas, até que em 21 de dezembro de 2007, após um período de adaptação psicossocial, tiveram alta. Ana Clara e Ana Flávia No livro, o Dr. Firmato de Almeida narra que a cirurgia destas gêmeas, unidas pelo xifóide, abdômen e fígados, foi tranqüila. A separação propriamente dita durou cerca de duas horas e meia, sem intercorrências. Segundo ele, as irmãs deverão ter vida normal, pois têm membros e órgão perfeitos. Na mesma obra o interessado poderá encontrar mais detalhes sobre esses e outros casos e a relação dos profissionais envolvidos no atendimento aos gêmeos e nas cirurgias de separação. Nas intervenções que possibilitaram o desligamento de Mariana e Vitória e de Ana Flávia e Ana Clara, as equipes, chefiadas pelo Dr. Manoel Firmato, foram constituídas pelos seguintes cirurgiões pediátricos: Moacir Tibúrcio, Marcos Bastos, Atila Victoria, Artur Tibúrcio, Guilherme Arantes, Adeomar Reis Neto, Maria Aparecida Martino, João Bosco Tibúrcio e Alexander Dionísio.

Mariana e Vitória, com um ano e nove meses, unidas; aos dois anos, já separadas.

Ana Flávia (com fita azul) e Ana Clara: conjugadas.

Fragmentos da história Dna. Judith é a memória eloqüente da CIPE No último dia 14 de julho, Emília Judith de Oliveira Souza Santos – ou simplesmente Dna. Judith, como é conhecida – completou seus 78 anos, com direito a parabéns, bolo e lágrimas. Apesar da idade avançada, essa portuguesa de Lisboa, que se estabeleceu no Brasil há 50 anos, continua a colaborar na administração das contas da CIPE, da qual é secretária desde o início dos anos 90. “Nos arquivos você vai encontrar cartas e documentos com a minha caligrafia”, diz, a título de prova. Ela conta que até o princípio de 1991 a CIPE, assim como outras sociedades de especialidades, funcionava numa pequena sala do 5° andar do Hospital das Clínicas, um espaço que dividia com a CIPESP. Nessa época, reservas financeiras, mais a receita apurada no congresso de cirurgia pediátrica do ano anterior, permitiram ao Dr. José Pinus, então na sua segunda gestão na presidência da entidade, adquirir a sede própria. E lá foi Dna. Judith, munida dos trinta e poucos caixotes que constituíam toda a documentação da associação, para o conjunto comercial da Rua Cardeal Arcoverde. “Entramos na nova sede, eu, meus caixotes e também os Drs. Lira, Paschoal e Núncio, das diretorias da CIPE e da CIPESP”, relata. Irreverente e gozadora, Dna. Judith declara que conheceu o Brasil a serviço da associação, com sete presidentes e suas diretorias, durante os congressos. Não raro, dada a camaradagem estabelecida entre ela e associados de todo o país, nessas oportunidades estes lhe pregavam “peças”. Entre risos, lembra, divertida, um dos “causos”, mas pede para não publicar. Este ano, acompanhou a reforma da sede e participou ativamente

Ana Clara (com a mãe) e Ana Flávia no CTI Infantil: a alegria da separação. N.R.: As fotos foram reproduzidas do livro Reverência pela Vida: A Pediatria em Minas.

8

9

da reorganização da entidade em suas novas instalações. ”A CIPE é minha segunda casa”, afirma, emocionada, acrescentando: “ainda tenho muitos e bons amigos na associação.” Em vários momentos da entrevista, esta lusitana, sentimental por natureza, teve a voz embargada. Como quando fez questão de deixar registrado seu agradecimento – “de coração” – a todos os que cooperaram com seu trabalho. Para não cometer injustiças, ao esquecer alguém, preferiu omitir os nomes, mas não pode deixar de citar os quatro tesoureiros com quem divide e dividiu as responsabilidades pela contabilidade da entidade nesse período – Drs. Mastroti, Lira, Schettini e Jaques Pinus – e o Dr. Carnevale – “amigo de longa data”. E deixa um recado: “ainda tenho muita disposição para trabalhar e pretendo continuar colaborando com o Dr. Baratella e sua diretoria enquanto puder.” Fotos: Divulgação

Ao longo de mais de um século, o desenvolvimento da área de Pediatria da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte (MG) acabou por torná-la um centro de referência no Brasil, para o qual são encaminhados casos mais complexos, inclusive de outros estados. Porém, a partir de 1970, também passou a receber casos Prof. Dr. Manoel Firmato de Almeida, chefe da equipe raros, como o de gêmeos conjude Cirurgia Pediátrica da Santa Casa de Belo Horizonte. gados. E, desde então, registrou 25 casos, dos quais seis passaram por cirurgia para separação. Os sucessos cirúrgicos mais recentes foram os das irmãs Mariana e Vitória e Ana Clara e Ana Flávia, nascidas, respectivamente, no dia 17 de julho de 2005, em Belo Horizonte, e 24 de setembro de 2007, em Alfenas (MG), e estão relatados no livro Reverência pela Vida: A Pediatria em Minas, de Manoel Hygino dos Santos, jornalista e ouvidor da instituição.

No dia 29 de julho, com a divulgação do edital, foi aberto o processo eleitoral para a renovação da Diretoria e do Conselho Fiscal da CIPE, cujos novos membros deverão responder pela entidade no biênio 2008-2010, conforme determina o estatuto. O prazo de inscrição para as chapas concorrentes se encerra no dia 5 de setembro. A partir do dia 1° de outubro, a CIPE enviará, pelo correio, as cédulas eleitorais a todos os associados aptos a votar, visto que as eleições serão realizadas por meio de voto por correspondência. Serão computados todos os votos válidos que, enviados à CIPE, tiverem sua chegada registrada até às 18h do dia 4 de novembro. A apuração dos votos terá início às 10h do dia 5 de novembro, na sede da entidade. O edital está disponível no site da CIPE – www.cipe.org.br –, da Associação Médica Brasileira (AMB) – www.amb.org.br – e, ainda, na página 12 deste informativo.

Dna. Judith, em meio aos Drs. Max, Baratella e Carnevale, Dra. Lygia Baratella, a assessora Cristiane e a secretária Rosana, na comemoração de seu aniversário.


Câmara Técnica do CREMERS

Colabore com a reforma estatutária da CIPE

Ela foi criada em 2002

Suas sugestões são valiosas

Desde o ano passado, a cada edição, o Jornal da CIPE recebe novas informações sobre a existência de Câmara Técnica de Cirurgia Pediátrica nos Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) do país. Neste número, divulgamos a do Rio Grande do Sul (CT-CREMERS). Conforme informação do Dr. João Vicente Bassols, que responde por sua presidência, essa câmara foi criada no dia 2 de abril de 2002 e atualmente também é integrada pelos doutores Sandra Calefi e Januário Vitolla. A CIPE volta a solicitar a colaboração das Estaduais com relação ao envio de informações – como data de criação, primeira composição e membros atuais – sobre esse tipo de organismo no respectivo estado. Até o momento, sabe-se da existência de outras quatro, além da do CREMERS: as do CREMEC (Ceará), CREMEPE (Pernambuco), CREMESP (São Paulo) e CREMERJ (Rio de Janeiro).

Este ano, durante a realização do XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, que irá ocorrer em Salvador (BA), de 16 a 20 de novembro, a CIPE deverá alterar seu estatuto. Com a reforma de suas normas internas, a entidade busca se modernizar e tornar mais ágil seu funcionamento, de forma a atender de forma mais eficiente também as novas demandas dos especialistas. Como o processo é aberto, a diretoria da CIPE espera receber grande número de manifestações, para que o novo estatuto atenda, de fato, às necessidades dos associados de todo o país. O edital de convocação da reforma estatutária está disponível a página 12 deste informativo, no site da CIPE – www.cipe.org.br –, da Associação Médica Brasileira (AMB) – www.amb.org.br – e, ainda, deverá ser publicado na edição de setembro do Jornal da AMB (JAMB). Sua sugestão é valiosa. Para encaminhá-la, envie mensagem para cipe@uol.com.br.

Agenda 2008 Jornadas – Congressos Veja aqui a programação nacional e internacional de eventos relacionados à Cirurgia Pediátrica previstos para 2008. A inclusão de novos itens também pode ser acompanhada por meio do site da CIPE, no ícone correspondente a Jornadas e Congressos. Acesse o www.cipe.org.br e mantenha-se atualizado.

Evento 10th Conference of the Baltic Association of Paediatric Surgeons

Data De 11 a 13 de setembro

40th Congress of the International Society of Paediatric Oncology

De 2 a 6 de outubro

VII Congresso of Mediterrean Association of Pediatric Surgery

Dias 10 e 11 de outubro

The American Academy of Pediatrics 2008 NaDe 11 a 14 de outubro tional Conference & Exhibition

Local Kaunas – Lituânia www.baops.com Berlim - Alemanha www.siop2008.de Tunis – Tunísia www.atcp-tunisie.com www.maps97.com Boston – MA – Hynes Convention Center www.aap.org/nce/ Salvador – BA www.congressocipe.com.br

XXIX Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica

De 16 a 20 de novembro

XI Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica

De 16 a 20 de novembro

Salvador – BA www.congressocipe.com.br

I Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica Vídeo-Assistida

De 16 a 20 de novembro

Salvador – BA www.congressocipe.com.br

IV Jornada Luso-Brasileira de Cirurgia PediátriDe 16 a 20 de novembro ca

Salvador – BA www.congressocipe.com.br

SIU World Uro-Oncology Update

Santiago – Chile

De 20 a 22 de novembro

Reuniões de Diretoria As reuniões da diretoria da CIPE ocorrem periodicamente, sempre aos sábados, na sede da entidade, em São Paulo (SP), e são abertas a todos os associados. As próximas estão previstas para os dias 16 de agosto, 20 de setembro e 18 de outubro.

10

Centros de Aperfeiçoamento: inscrições abertas A CIPE já recebeu diversos pedidos de inscrição Além do Centro de Aperfeiçoamento do Hospital Infantil Joana de Gusmão, de Florianópolis (SC), que, desde o início do ano oferece estágio de um mês, em Queimados, agora a CIPE também está recebendo inscrições para estágios em Cirurgia Pediátrica Oncológica (seis meses) e Urológica (um ano), em diversos pontos do país. Os estágios são destinados aos cirurgiões que já tenham concluído seu treinamento em Cirurgia Pediátrica e que desejam se aperfeiçoar nessas técnicas de tratamento. Até o momento, são 10 os Centros de Aperfeiçoamento já credenciados na CIPE, sendo quatro em Cirurgia Pediátrica Oncológica, um em Queimados e cinco em Cirurgia Pediátrica Urológica. Os interessados deverão encaminhar seus currículos à Comissão de Ensino e Título de Especialista da CIPE (CETE), responsável pela seleção dos candidatos, por meio do e-mail cipe@uol.com.br. Para facilitar a identificação da mensagem, a CIPE sugere o seguinte cabeçalho: Estágio – Centro de Aperfeiçoamento (área e unidade escolhida). Veja, a seguir, a relação das unidades:

Queimados • Hospital Infantil Joana de Gusmão – Florianópolis – SC Responsável: Dr. Maurício José Lopes Pereima

Cirurgia Pediátrica Oncológica • Centro Infantil Domingos A. Boldrini – Campinas – SP Responsável: Prof. Dr. Antonio G. Oliveira • GRAAC/IEP/UNIFESP – São Paulo – SP Responsável: Prof. Dr. Sérgio T. Schettini • Hospital Amaral Carvalho – Jaú – SP Responsável: Dr. Antonio Marcos Rodrigues • Instituto Materno Infantil Prof. Fernandes Figueira (IMIP) – Recife – PE Responsável: Prof. Dr. Paulo Carvalho Vilela

Cirurgia Pediátrica Urológica • Hospital de Clínicas da Universidade de Pernambuco – Recife – PE Responsável: Prof. Dr. Luís Alberto Pereira de Araújo • Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre – RS Responsável: Dr. Nicolino César Rosito • Hospital Infantil Darcy Vargas – São Paulo – SP Responsável: Prof. Dr. Luiz G. Freitas Filho • Hospital Infantil Joana de Gusmão – Florianópolis – SC Responsável: Dr. Edvard José Araújo • Hospital Infantil Pequeno Príncipe – Curitiba – PR Responsável: Prof. Dr. Antonio Ernesto da Silveira

Espaço da AMB CBHPM: referencial para a medicina brasileira Em agosto de 2008, a Associação Médica Brasileira (AMB) lança a 5ª edição da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Esta atualização é o resultado de mais de um ano de trabalho da entidade no sentido de compor o rol de procedimentos médicos que integrará a Terminologia Unificada em Saúde Suplementar (TUSS), a partir de 2009, e será o novo referencial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A CBHPM é uma referência básica dos procedimentos médicos e a origem de um eixo de ações da AMB na área técnico-científica. Sua aplicação é essencial para que haja transparência no sistema de saúde. A 1ª edição foi publicada em 2003 e, anual-

mente, é revista. O principal escopo do documento é listar os procedimentos apropriados para uso clínico e, dessa forma, definir a integralidade da saúde. Existe uma Câmara Técnica que se debruça permanentemente sobre o assunto, analisando sugestões e revisando a lista existente. A ciência oferece aos médicos novas possibilidades de diagnóstico e tratamento que devem ser, quando demonstrados eficazes, incorporados à prática clínica, substituindo procedimentos que se tornaram obsoletos. Nessa complexa dinâmica está o grande valor da CBHPM. Ao lado da avaliação da efetividade dos procedimentos que compõem a CBHPM, existe um processo de hierarquização. Nesse processo são utilizados critérios como: tempo de execução, grau de responsabilidade e complexidade, refletindo o esforço necessário para sua realização. Para elaborar uma edição da CBHPM, é preciso reunir as 53 sociedades de espe-

11

cialidade reconhecidas no Brasil e solicitar que analisem quais são os procedimentos em suas áreas respectivas. Todos os procedimentos são colocados em rol único, em que a consulta é o fator de normatização e eventuais desvios são objeto de revisão individualizada. Quando surge uma proposta para incluir ou retirar algum procedimento médico, esta é encaminhada à equipe de medicina baseada em evidências, que analisa as justificativas. O projeto também é enviado à Câmara Técnica da CBHPM, composta por representantes da AMB, CFM, FENAM, Unidas, UNIMED e FENASAÚDE. A AMB propôs que a CBHPM fosse adotada como referencial para a remuneração médica dentro de um conjunto de regras fixado por lei. O deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE) apresentou o projeto de lei 3466/2004, aprovado na Câmara dos Deputados e, desde junho de 2007, tramita no Senado Federal como PLC n° 39/07.


Notícias das Estaduais

Editais de Convocação

Eleição dos Componentes da Diretoria e do Conselho Fiscal da CIPE - Biênio 2008/2010

Cirurgias ao Vivo

III Jornada Capixaba Prática de Cirurgia Pediátrica O Dr. Moacir A. Tibúrcio foi o cirurgião convidado

Divulgação

Nos dias 27 e 28 de junho, realizou-se em Vitória (ES), a III Jornada Capixaba Prática de Cirurgia Pediátrica, caracterizada por cirurgias ao vivo. Organizada pela CIPE do Espírito Santo (CIPES), a jornada contou com a participação do cirurgião pediátrico urológico Dr. Moacir A. Tibúrcio, de Belo Horizonte (MG), como convidado especial. Conforme relata o presidente da CIPES, Dr. Salomão Brêtas, “o evento obteve grande sucesso, contando com boa participação de cirurgiões pediátricos capixabas”. O evento foi exclusivamente prático, constituído por duas cirurgias aos vivo, efetuadas pelo Dr. Tibúrcio no centro cirúrgico do Hospital Infantil Nossa Sr.ª da Glória (HINSG). Na ocasião, ele realizou a cura cirúrgica de estenose e divertículo uretrais, em paciente acometido de hipospadia peniana proximal, e corrigiu a incontinência urinária e a acentuada curvatura dorsal em um menino que apresentava extrofia de bexiga e epispadia. Segundo informou o Dr. Brêtas, “no pós-operatório imediato, ambos os pacientes evoluíram regularmente”.

O Secretário Geral da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA (CIPE), Prof. Dr. José Carnevale, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o Capítulo 14 dos Estatutos, declara aberto o período para as inscrições de chapas concorrentes à eleição da Diretoria e do Conselho Fiscal da CIPE, para o biênio 2008/2010. As chapas concorrentes para os cargos da diretoria deverão ser constituídas por: Presidente, Primeiro Vice-Presidente, Segundo Vice-Presidente, Secretário Geral, Primeiro Secretário, Segundo Secretário, Primeiro Tesoureiro, Segundo Tesoureiro, Diretor de Patrimônio, Diretor de Publicações e Diretor de Relações Internacionais. Estatutariamente, deverão residir na cidade sede da CIPE um dos Vice-Presidentes (caso o candidato a Presidente não resida em São Paulo), além do Secretário Geral, de um dos Tesoureiros e do Diretor de Patrimônio. As chapas concorrentes ao Conselho Fiscal deverão ser constituídas por seis membros, sendo três Titulares e três Suplentes. Só serão aceitos para inscrição, em qualquer das chapas, os Associados Titulares em dia com as suas obrigações com a Tesouraria e os Remidos. A inscrição de chapas deverá ser feita por meio de carta ou fax endereçado ao Secretario Geral da CIPE, encerrando-se este prazo em 05 de setembro de 2008. A Eleição será realizada por meio de voto por correspondência e a apuração será presidida por Comissão Eleitoral, em ato público, na sede da CIPE. As cédulas serão encaminhadas aos sócios de todas as categorias que se encontrarem aptos para votar (quites com a Tesouraria), a partir de 01/10/2008 e deverão ser enviadas à sede da CIPE até as 18h00 de 04 de novembro de 2008. A apuração dos votos dar-se-á em 05 de novembro a partir das 10h00, também na sede da CIPE. Este Edital será publicado no Jornal da CIPE, no site da CIPE (www.cipe.org. br) e da AMB (www.amb.org.br), além de ser enviado a todos os presidentes das Estaduais/Regionais, para ampla divulgação. São Paulo, 29 de julho de 2008 Prof. Dr. José Carnevale Secretário Geral

(Da esq. para a dir.) Dr. Moacir Tibúrcio, Dr. Salomão Brêtas e Dr. Roberto Dettogni, no centro cirúrgico do HINSG.

Eleições no Horizonte

Assembléia Geral Extraordinária da CIPE para Alteração do Estatuto Social

Eleições da CIPERJ serão em setembro E no dia 1° o site e o e-mail da associação terão mudanças Já foi aberto o processo eleitoral para a escolha dos novos membros da diretoria da CIPERJ para o biênio 2008-2010. A composição da comissão eleitoral, bem como critérios e datas, foram definidos durante reunião ocorrida no dia 28 de julho. Os doutores Daniele Sad, Cláudia Oliveira e Marco Daiha serão os responsáveis pelo pleito, que será realizado no auditório do Hospital Copa d´Or, no Rio de Janeiro (RJ), nos dias 22 e 24 de setembro. Conforme informações já disponíveis no site da entidade, o prazo para inscrição de chapas – que devem ser constituídas pelos cargos de presidente, vice-presidente, tesoureiro e secretário –, se encerra no dia 9 de setembro. Mas os associados devem ficar atentos, pois a partir de 1° de setembro, o site mudará seu domínio para www.ciperj.org. Com isso, o e-mail também sofrerá alteração. Informações poderão ser obtidas pelo e-mail contato@ciperj. com, até o final de agosto, e, após essa data, pelo contato@ciperj.org, ou, a qualquer tempo, pelo telefone (21) 2286-0524, com a secretária da entidade, Cristina Nunes.

A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA (CIPE), com sede e foro nesta Capital, à Rua Cardeal Arcoverde 1745, bloco A, conjunto 123, Pinheiros, São Paulo – SP, CEP 05407-002, inscrita no CNPJ sob o nº 43.833.433/000130, por meio de seu Presidente, Prof. Dr. José Roberto de Souza Baratella, abaixo assinado, convoca V. Sas., nos termos do item 7.1.2 do Estatuto Social, a comparecerem, no dia dezenove do mês de novembro do ano dois mil e oito (19/11/2008), nas dependências do Bahia Othon Palace Hotel, na cidade de Salvador (BA), para se reunirem em Assembléia Geral Extraordinária a realizar-se, em primeira convocação, às 13h00, com a presença da maioria simples de seus associados Titulares e Remidos, em segunda convocação, às 13h30, com presença de um terço (1/3) de seus associados Titulares e Remidos, e, em terceira convocação, às 14h00, com qualquer número de presentes, para deliberarem sobre: 1 – Alteração do Estatuto Social. Por disposição estatutária, só têm direito a voto os Associados Titulares quites e os Remidos e as deliberações deverão ser aprovadas por dois terços (2/3) dos votantes presentes. São Paulo, 18 de agosto de 2008 Prof. Dr. José Roberto de Souza Baratella Presidente

12

JORNAL DA CIPE - NÚMERO 29  

Jornal da CIPE