Issuu on Google+


>> EXPEDIENTE Diretor do Inpa Adalberto Luis Val Diretor Substituto Estevão Monteiro de Paula Coordenador de Ações/Estratégicas - COAE Estevão Monteiro de Paula Coordenadora de Capacitação - COCP Beatriz Ronchi Teles Coordenador de Pesquisas e Acompanhamento das Atividades Finalísticas - CPAF Antônio Ocimar Manzi Coordenador de Extensão - COXT Carlos Roberto Bueno Assessora de Comunicação MTB (4214/MG) Tatiana Lima da Silva Revisão e Produção Paulo Mauricio de Alencastro Graça Tatiana Lima da Silva Projeto Gráfico Juliana Lima Marcos Vaz Fotografias Anselmo D’Affonseca Daniel Jordano Eduardo Gomes Flávio Ribeiro Josiane Santos Mário Bentes Tabajara Moreno


4Foto : Tabajara Moreno 4


Português

Missão

Gerar e disseminar conhecimentos e tecnologias e capacitar recursos humanos para o desenvolvimento da Amazônia. Visão Futuro Visão dedoFuturo

Ser um instituto moderno, reconhecido pela comunidade científica nacional e internacional e pela sociedade brasileira, pela relevância de suas pesquisas sobre a Amazônia, e reconhecido como fornecedor de subsídios para as políticas públicas de desenvolvimento regional.

Recursos Humanos

Fachada Foto: Eduardo Gomes

204 Pesquisadores 36 Tecnologistas 32 Analistas em C&T 281 Técnicos 174 Assistentes de C&T 01 Auxiliar Técnico 01 Especialista de Nível Superior Total de servidores ativos: 729 5 5


Histórico Histórico O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) foi criado em 1952 com a finalidade de realizar o estudo científico do meio físico e das condições de vida da região amazônica, tendo em vista o bem estar humano e os reclamos da cultura, da economia e da segurança nacional. Sua criação foi uma resposta do governo brasileiro à proposta de dotar a região do Instituto Internacional da Hileia Amazônica considerada, no contexto do pós-guerra, como uma ameaça à soberania nacional na área do maior ecossistema de florestas tropicais úmidas do planeta. No cumprimento de sua missão, o INPA tem realizado estudos e pesquisas científicas voltadas ao desenvolvimento e à melhoria das condições de vida da região amazônica, contribuindo com informações relevantes sobre os ecossistemas regionais, particularmente quanto à origem, preservação e uso sustentável da biodiversidade. Atualmente, o INPA é referência mundial em Biologia Tropical. Atividades

O INPA tem suas pesquisas centradas em quatro focos: biodiversidade (conhecer a diversidade biológica da região amazônica e seus diversos aspectos ecológicos, visando manejo, uso e conservacão); tecnologia e inovação (aplicar o conhecimento adquirido sobre recursos naturais para o desenvolvimento de técnicas, processos e produtos que atendam as demandas socioeconômicas); dinâmica ambiental (entender o ecossistema amazônico nos seus diferentes componentes: físicos, biológicos, químicos e sociais); e sociedade, ambiente e saúde (analisar a dinâmica das populações e suas implicações socioambientais, com vistas à manutenção da qualidade de vida). A agenda de pesquisa do INPA é diversificada, sendo atualmente composta por cerca de 550 projetos. As pesquisas tecnológicas têm como objetivo principal a geração de oportunidades de renda e trabalho para a população a partir do uso sustentado dos recursos naturais da região. Até o momento, o INPA tem registradas 71 patentes de produtos e processos, dos quais 35% estão inseridas na área de tecnologia de alimentos, 22% em produtos florestais, 17% em ciências da saúde e as demais nas áreas da agricultura, produtos naturais e outras áreas estratégicas. 6


Estruturas

A estrutura de pesquisa do INPA inclui também “laboratórios naturais” constituídos pelas reservas biológicas Adolpho Ducke, Walter Egler, Campina e Cuieiras, no Amazonas, e Ouro Preto D’Oeste, em Rondônia, além das estações experimentais de Silvicultura Tropical, Hortaliças, Ariaú e Fruticultura. Para as pesquisas no ambiente aquático, o INPA conta com estruturas flutuantes e embarcações adaptadas às condições da região. Um dos grandes desafios da Amazônia é expandir de forma sustentável o uso dos recursos naturais existentes na região. O INPA possui vários laboratórios especializados e temáticos para a realização de suas pesquisas. Os laboratórios especializados atuam em áreas temáticas de patologias tropicais, segurança alimentar, bioprospecção, instrumentação analítica, sistemática e taxonomia vegetal e animal, análises genéticas e comportamentais de animais e plantas, recursos florestais madeireiros e não madeireiros e ciências humanas e sociais.

Carpoteca Foto: Eduardo Gomes

7


Os laboratórios temáticos, concebidos com função mais abrangente de apoiar vários grupos de pesquisa são: Solos e Plantas, Sistema de Informação Geográfica, Biologia Molecular e Microscopia Eletrônica. Para apoiar seus estudos e pesquisas, o INPA mantém ainda um Programa de Coleções e Acervos Científicos (PCAC), composto por dez coleções: invertebrados, plantas, frutos, madeiras, peixes, anfíbios, répteis, mamíferos, aves e microrganismos. Para o desenvolvimento de suas atividades, o INPA conta com três campi localizados em Manaus (AM), quatro núcleos de pesquisas nas cidades de Boa Vista (RR), Rio Branco (AC), Porto Velho (RO) e Santarém (PA). Está sendo implantado um escritório regional em São Gabriel da Cachoeira (AM).

Laboratório Foto: Eduardo Gomes 8


Programa de Pós Graduação

Outra preocupação do INPA é a formação de recursos humanos especializados para a Amazônia. Atualmente, o Instituto oferece programas de mestrado e doutorado nas seguintes áreas: Agricultura no Trópico Úmido; Biologia de Água Doce e Pesca Interior; Ciências de Florestas Tropicais; Botânica; Ecologia; Entomologia; Genética, Conservação e Biologia Evolutiva; Clima e Ambiente (realizado em associação com a Universidade do Estado do Amazonas - UEA) e o Mestrado Profissional em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia, além da participação em outros cursos, em parceria com diversas instituições. Com mais de 1.500 teses e dissertações defendidas nos seus programas de Pós-Graduação, cerca de 70% dos doutores e mestres formados pelo INPA permanecem na Amazônia atuando em instituições de ensino, pesquisa, empresas privadas e órgãos ambientais. Hoje, esses profissionais compõem a base da grande maioria dos Programas de Pós-Graduação na Amazônia e dão suporte a várias ações de governo na região como, por exemplo, a realização de estudos sobre os impactos ambientais de hidrelétricas, rodovias, exploração de petróleo, mudanças climáticas, gestão de florestas e águas, entre outros. A contribuição do INPA na formação de recursos humanos é contínua e um dos principais legados do Instituto, que oferece oportunidades de aperfeiçoamento e aprendizado em todas as áreas focais mencionadas. O INPA busca, dessa forma, contribuir com o atendimento da crescente demanda por informações da sociedade brasileira. O Instituto possui uma revista científica oficial, a Acta Amazonica, destinada à divulgação de artigos científicos de pesquisadores do INPA e de colaboradores nacionais e internacionais. Ela é editada trimestralmente, em português, espanhol e inglês.

9


Curso de Identificação de Fungos Foto: Tabajara Moreno

Socialização do conhecimento

O INPA tem desenvolvido um esforço significativo voltado à socialização e popularização das informações cientificas e tecnológicas geradas pelo Instituto, utilizando vários instrumentos impressos e de mídia inclusiva, além da realização de cursos, oficinas, transferências de tecnologias, bem como fortalecido a participação dos pesquisadores em audiências públicas, discussões técnicas e relatórios técnico-científicos, voltados a formulação de politicas públicas regionais. As áreas de visitação, principalmente o Bosque da Ciência e o Jardim Botânico têm recebido anualmente cerca de 150 mil visitas. Perspectivas Futuras

O avanço dos conhecimentos sobre a Amazônia tem mostrado que é possível conciliar desenvolvimento e floresta em pé. Para isso, é prioritário valorar ambiental e economicamente seus recursos naturais. O novo modelo deve considerar o patrimônio natural sem destruí-lo, atribuindo valor à floresta para que os bens produzidos a partir dela possam competir com outras commodities. Diversos setores podem ser beneficiados com os resultados das pesquisas direcionadas aos recursos da floresta. O desenvolvimento e a transferência de tecnologias ambientalmente adequadas e de produtos e processos que garantam o aproveitamento das potencialidades regionais devem ser pautados pelo diálogo permanente entre todos os elos sociais. 10


Espanhol

Misión

Generar y diseminar conocimientos y tecnologías y capacitar recursos humanos para el desarrollo de la Amazonia. Visión Futuro Visão dede Futuro

Ser un instituto moderno, reconocido por la comunidad científica nacional e internacional y por la sociedad brasileña, por la relevancia de sus investigaciones sobre la Amazonia, y reconocido como ofrecedor de subsidios para las políticas públicas de desarrollo regional.

Recursos Humanos

Tanque do Peixe-Boi Foto: Eduardo Gomes

204 Investigadores 36 Tecnólogos 32 Analistas em C&T 281 Técnicos 174 Asistentes de C&T 01 Auxiliar técnico 01 Especialista de Nivel Superior Total de servidores activos:11 729


Histórico Histórico El Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) fue creado en 1952 con la finalidad de realizar el estudio científico del medio físico y de las condiciones de vida de la región amazónica, con miras a el bien estar humano y laos demandas reclamos de la cultura, de la economía y de la seguridad nacional. Su creación fue una respuesta del gobierno brasileño a la propuesta de dotar la región del Instituto Internacional de la Hylea Amazónica considerada, como una amenaza a la soberanía nacional en el área del mayor ecosistema de florestas tropicales húmedas del planeta. En el cumplimiento de su misión, el INPA ha realizado estudios e investigaciones científicas vueltas al desarrollo y a la mejoría de las condiciones de vida de la región amazónica, contribuyendo con informaciones relevantes sobre los ecosistemas regionales, particularmente cuánto al origen, preservación y uso sustentable de la biodiversidad. Actualmente, el INPA es referencia mundial en Biología Tropical. Actividades

El INPA tiene sus investigaciones centradas en cuatro focos: biodiversidad (conocer la diversidad biológica de la región amazónica y sus diversos aspectos ecológicos, visando manejo, uso y conservación); tecnología e innovación (aplicar el conocimiento adquirido sobre recursos naturales para el desarrollo de técnicas, procesos y productos que atiendan las demandas socioeconómicas); dinámica ambiental (entender el ecosistema amazónico en sus diferentes componentes: físicos, biológicos, químicos y sociales); y sociedad, ambiente y salud (analizar la dinámica de las poblaciones y sus implicaciones socio-ambientales, con vistas al mantenimiento de la calidad de vida). La agenda de investigación del INPA es diversificada, siendo actualmente compuesta por cerca de 550 proyectos. Las investigaciones tecnológicas tienen como objetivo principal la generación de oportunidades de renta y trabajo para la población a partir del uso sostenido de los recursos naturales de la región. Hasta el momento, el INPA ha registradoas más de 60 patentes de productos y procesos, de los cuales 35% están insertadas en el área de tecnología de alimentos, 22% en productos forestales, 17% en ciencias de la salud y las demás en las áreas de la agricultura, productos naturales y otras áreas estratégicas. 12


Estructura

La estructura de investigación del INPA incluye también “laboratorios naturales” constituidos por las reservas biológicas Adolpho Ducke, Walter Egler, Campina y Cuieiras, en el Amazonas, y Ouro Negro D’Oeste, en Rondônia, además de las estaciones experimentáis de Silvicultura Tropical, Hortalizas, Ariaú y Fruticultura. Para las investigaciones en el ambiente acuático, el INPA cuenta con estructuras fluctuantes y embarcaciones adaptadas a la condiciones de la región. Uno de los grandes desafíos de la Amazonía es expandir de forma sustentable el uso de los recursos naturales existentes en la región. El INPA posee varios laboratorios especializados y temáticos para la realización de sus investigaciones. Los laboratorios especializados actúan tutean en áreas temáticas de patologías tropicales, seguridad alimentar, bioprospección, instrumentación analítica, sistemática y animal, análisis genéticos y comportamentales de animales y plantas, recursos forestales madereros y no madereros y ciencias humanas y sociales.

INPA Campus Foto: Tabajara Moreno 13


Los laboratorios temáticos, concebidos con función más amplia de apoyar varios grupos de investigación, son: Suelos y Plantas, Sistema de Información Geográfica, Biología Molecular y Microscopia Electrónica. Para apoyar sus estudios e investigaciones, el INPA mantiene aún un Programa de Colecciones y Acervos Científicos (PCAC), compuesto por diez colecciones: invertebrados, plantas, frutos, maderas, peces, anfibios, reptéis, mamíferos, aves y microorganismos. Para el desarrollo de sus actividades, el INPA cuenta con tres campi ubicados en Manaus (AM), cuatro núcleos de investigaciones en las ciudades de Boa Vista (RR), Rio Branco (AC), Porto Velho (RO) y Santarém (PA). Está siendo implantado una oficina regional en São Gabriel da Cachoeira (AM).

Biblioteca Foto: Daniel Jordano 14


Programas de Maestriaáster y doctorado

Otra preocupación del INPA es la formación de recursos humanos especializados para la Amazonía. Actualmente, el Instituto ofrece programas de maestría y doctorado en las siguientes áreas: Agricultura en el Trópico Húmedo; Biología de Agua Dulce y Pesca Interior; Ciencias de Florestas Tropicales; Botánica; Ecología; Entomología; Genética, Conservación y Biología Evolutiva; Clima y Ambiente (realizado en asociación con la Universidade do Estado do Amazonas - UEA) y la maestriael Máster de Profesionalización en Gestión de Áreas Protegidas en la Amazonía, además de la participación en otros cursos, en asociación con diversas instituciones. Con más de 1.500 tesis y disertaciones defendidas en sus programas de Pos-Grado, cerca de 70% de los doctores y maestros formados por el INPA permanecen en la Amazonia y actúan tuteando en instituciones de enseñanza, investigación, empresas privadas y órganos ambientales. Hoy, esos profesionales componen la base de la gran mayoría de los Programas de Posgrado en la Amazonía y dan soporte a varias acciones de gobierno en la región como, por ejemplo, la realización de estudios sobre los impactos ambientales de hidroeléctricas, carreteras, explotación de petróleo, cambios climáticos, gestión de florestas y aguas, entre otros. La contribución del INPA en la formación de recursos humanos es continua y uno de los principales legados del Instituto, que ofrece oportunidades de mejoramiento y aprendizaje en todas las áreas focales mencionadas. El INPA busca búsqueda, de esa forma, dar respuesta a contribuir con la atención de la creciente demanda por informaciones de la sociedad brasileña. El instituto posee una revista científica oficial, la Acta Amazonica, destinada a la divulgación de artículos científicos de investigadores realizadas en del INPA y en otras instituciones de investigación ye enseñanza de la región amazónica de colaboradores nacionales e internacionales. Acta Amazonica Ella es editada trimestralmente, en portugués, español e inglés.

15


Socialización del conocimiento

El INPA ha desarrollado un esfuerzo significativo vuelto a la socialización y popularización de las informaciones científicas y tecnológicas generadas por el Instituto, utilizando varios instrumentos impresos y de mídia inclusiva, además de la realización de cursos, talleres, transferencias de tecnologías, así como fortalecido la participación de los investigadores en audiencias públicas, discusiones técnicas e informes técnico-científicos, vueltos a la formulación de políticas públicas regionales. Las áreas de visitación, principalmente el Bosque de la Ciencia y el Jardín Botánico han recibido anualmente cerca de 150 mil visitas. Perspectivas Futuras

El avance de los conocimientos sobre la Amazonía ha mostrado que es posible conciliar desarrollo y floresta en pie. Para eso, es prioritario valorar ambiental y económicamente sus recursos naturales. El nuevo modelo debe considerar el patrimonio natural sin destruirlo, atribuyendo valor a la floresta para que los bienes producidos a partir de ella puedan competir con otras commodities. Diversos sectores pueden ser beneficiados con los resultados de las investigaciones, direccionadas a los recursos de la floresta. El desarrollo y la transferencia de tecnologías ambientalmente adecuadas y de productos y procesos que garanticen el aprovechamiento de las potencialidades regionales deben ser pautados por el diálogo permanente entre todos los vínculos sociales. 16


Inglês

Mission

To produce and disseminate basic and applied science and to teach, contributing to the development of Amazonia. Long-term Goals Visão de Futuro

To be recognized by the Brazilian and International scientific communities and by Brazilian society for the importance of its research on Amazonia and to inform public policies on regional development.

Staff 204 Researchers 36 Research Technical Staff 32 Analysts & Tech Specialists 281 Technicians 174 Science 1 Assistant Technician 1 Graduate-Level Specialist Bosque da Ciência Foto: Eduardo Gomes

Total: 729 17


Histórico History The National Institute for Amazon Research (INPA) was created in 1952 with a broad mandate -- to study Amazonia’s physical environment and living conditions, to improve its people’s well-being and to address cultural, economic and national security demands. INPA was part of the Brazilian government’s response to a proposal to create an International Institute of the Amazon Hylea. In the post-war era this was seen as a threat to Brazil’s sovereignty over its portion of the planet’s largest humid tropical forest. In accordance with its mission, INPA has undertaken studies and scientific research aimed toward development and improved living conditions in the Amazon region. The region’s ecosystems have been emphasized, particularly the origin, preservation and sustainable use of biodiversity. INPA’s work is now well-known worldwide in the area of Tropical Biology. Activities

INPA’s research is organized into four focus areas: biodiversity (to gain knowledge about the Amazon region’s biodiversity, including ecology, management, use and conservation); technology and innovation (apply knowledge on natural resources to develop techniques, processes and products in response to socio-economic demands); environmental dynamics (understand the different components of Amazonian ecosystems: physical, biological, chemical and social); and society, environment and health (analyze human population dynamics and their socio-environmental implications, with an aim toward maintaining quality of life). INPA has a broad research agenda comprising about 550 projects. Technology projects aim to create new jobs and income for the population from the sustainable use of the region’s natural resources. So far, the Institute has registered over 60 patents for products and processes. Of these, 35% pertain to food technology, 22% to forest products, 17% to health sciences and the remainder to agriculture, natural products and other strategic areas.

18


Structure

The Institute’s has several natural laboratories – the five biological reserves Adolfo Ducke, Walter Egler, Campina & Cuieiras in Amazonas and Ouro Preto D’Oeste in Rondônia. Its four experimental stations are Tropical Silviculture, Farm Produce, Ariaú Floodplain and Tropical Fruits. For aquatic research, the Institute has floating installations and boats. One of the great challenges in Amazonia is to increase the use of natural resources in a sustainable fashion. INPA has several laboratories tailored to specific themes -- tropical pathology, food security, bio-prospecting, analytical instruments, plant and animal systematics, genetics, animal behavior, tropical timbers, non-timber forest products and social and human sciences. INPA carries out is activities on three campuses in Manaus (Amazonas), four research nuclei located in Boa Vista (Roraima), Rio Branco (Acre), Porto Velho (Rondônia) and Santarém (Pará). A regional office is being established in São Gabriel da Cachoeira (Amazonas).

Xilioteca Foto: Eduardo Gomes 19


Graduate

A further concern of INPA is to produce qualified scientists specialized in Amazonia. The Institute offers graduate degrees in Humid Tropics Agriculture; Freshwater Biology & Fisheries; Forest Sciences, Botany; Ecology; Entomology; Genetics, Conservation & Evolutionary Biology; Climate & Environment (in conjunction with the Amazonas State University) and Management of Protected Areas. INPA staff members also teach at other institutes of higher education. After more than 1500 theses defended, about 70% of former graduate students remain in Amazonia working at environmental, educational or research institutes or in private enterprise. These professional comprise most of the teachers in other graduate programs in Amazonia. They contribute to several government projects in the region, including environmental impact studies of hydro dams, roads, oil exploration, studies of climate change, forest and water management, among others. INPA’s contribution to education is ongoing. It is one of the Institute’s principal legacies, offering learning opportunities in all the focal areas described above. In this fashion, INPA strives to answer a growing demand for information from Brazilian society. The Institute has its own scientific journal, Acta Amazonica, It is published every three months with articles in Portuguese, Spanish or English by INPA researchers and by domestic and international collaborators.

Curso Vetores Foto: Daniel Jordano 20


Socializing Knowledge

INPA has invested heavily in getting scientific information out into popular outreach media. Courses, workshops, technology transfer, participation in public hearings, in technical discussions, and the production of technical reports all contribute to public policy decisions in the region. Parts of the Institute are open to public visitation. The Bosque da Ciência hosts 150,000 visitors annually. Future Outook

As our knowledge of Amazonia grows, it has become apparent that it is possible to develop the region while keeping the forest standing. To this end, both environmental and economic monetary values should be attached to the region’s natural resources. The paradigm of using nature without destroying it should attribute value to the standing forest itself, so products from that forest can compete with other commodities. Different sectors of society can benefit from the results of research on forest resources. Creating and implementing environmentally sound technologies as well as products and processes that guarantee benefits from the region’s potential should be based on a permanent dialogue between all parts of society. INPA has invested heavily in getting scientific information out into popular outreach media. Courses, workshops, technology transfer, participation in public hearings, in technical discussions, and the production of technical reports all contribute to public policy decisions in the region. Parts of the Institute are open to public visitation. The Bosque da Ciência hosts 150,000 visitors annually.

21


Instituto Nacionais de Ciência e Tecnologia – INCTs

Foto: Anselmo D’Affonseca 22


Instituto Nacionais de Ciência e Tecnologia – INCTs Centro de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (CENBAM) O Brasil é o país com a maior diversidade biológica do planeta, e tem uma responsabilidade enorme na conservação da biodiversidade mundial, ao mesmo tempo que enfrenta problemas sociais e desigualdades de renda que requerem planejamento e melhoramento da infra-estrutura para transporte, produção de matérias primas, e geração de energia. O INCT-CENBAM trabalha para resolver estes problemas em colaboração com órgãos do Ministério do Meio Ambiente (MMA), como o IBAMA, o Instituto Chico Mendes (ICMBIO), e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) responsáveis respectivamente para emitir licenças para grandes obras, cuidar de unidades de conservação, e gerir concessões florestais. O valor de qualquer produto depende de sua disponibilidade no mercado, e a biodiversidade precisa ser valorizada da mesma forma. Para isso, é necessário saber o que está disponível, onde está, e quanto deste será perdido devido a qualquer obra. Somente será possível fazer esta valorização quando o Brasil tem um sistema de avaliação da biodiversidade que permite a construção de mapas de ocorrência e a comparação de áreas a sofrerem modificações e áreas a serem conservadas.

Foto: Anselmo D’Affonseca 23


É isso que o INCT-CENBAM está construindo com os órgãos do MMA, via cursos de capacitação dos analistas do MMA e o desenvolvimento do sistema RAPELD para levantamentos padronizados da biodiversidade. Mais do que 20 analistas do MMA já participaram de cursos, como a ilustrada, e as exigências de padronização já foram incluídas nos termos de referência de obras de grande relevância, como as hidroelétricas do Jirau e Santo Antônio no rio Madeira. É necessário procurar fontes alternativas de desenvolvimento para a Amazônia, mas tentativas de aproveitamento econômico esbarram em restrições devido o desconhecimento dos recursos biológicos disponíveis, e o INCT-CENBAM trabalha para catalogar as espécies de valor econômico, muitas das quais são pequenas e podem passar despercebidas. Centro Adaptações da biota aquática da Amazônia – ADAPTA O ADAPTA representa um conjunto de atividades de Biologia Aplicada. A proposta busca um novo momento, o passo seguinte, no estudo das adaptações de organismos aquáticos da Amazônia, por meio da incorporação de novos equipamentos, da estruturação de um serviço de bioinformática, da capacitação de pessoal em todos os níveis, desde a iniciação científica até o pós-doutorado, da formação de técnicos para a pesquisa científica e para o setor produtivo, da montagem de um robusto banco de dados biológicos, ambientais e moleculares, da dupla divulgação dos resultados (decodificados para o público em geral e em periódicos de grande circulação), de oficinas com potenciais usuários dos resultados, da produção de livros paradidáticos e da estruturação de um sítio na internet com podcast e filmes.

Foto: Flávio Ribeiro 24


A colaboração existente entre os grupos brasileiros e a ampliação da colaboração com grupos de alto nível de Instituições estrangeiras permitirá a adoção de um novo referencial, particularmente para os estudantes que queremos ver fixados definitivamente na Amazônia num futuro próximo. É neste projeto que está incluído as salas do microcosmos onde será possível analisar como as mudanças climáticas irão afetar a biota aquática da Amazônia. (veja mais: http://adapta.inpa.gov.br/)

Madeiras da Amazônia O INCT é um Centro Nacional de Pesquisas e Inovação de Madeiras da Amazônia que visa o desenvolvimento e execução de estudos de manejo florestal e o aproveitamento da madeira e dos seus resíduos por meio de processos industriais e de tecnologias de processamento inovadoras. O projeto tem como foco a socialização do conhecimento adquirido e a transferência de tecnologias eficazes para dobrar o rendimento da madeira amazônica em seus processos de beneficiamento. (veja mais: http://inctmadeiras.inpa.gov.br/)

Foto: Josiane Santos 25


Serviços Ambientais da Amazônia -SERVAMB O SERVAMB é um projeto que visa reduzir as incertezas na quantificação dos serviços ambientais da Amazônia, especialmente no que se refere ao carbono e água, além de desenvolver ferramentas e cenários capazes de interpretar os custos benefícios de diferentes políticas públicas. O INCT promove ações sociais, com a participação dos produtores rurais e da comunidade na implementação, condução e no monitoramento das atividades. Também são oferecidos cursos e oficinas para que se tornem potencial local em geração de renda complementar as famílias residentes na área de atuação do projeto. (veja mais: http://lba.inpa.gov.br/lba/)

Foto: Anselmo D’Affonseca 26


Programas

Foto: Tabajara Moreno 27


Programas Programa de Grande Escala da Biosfera Atmosfera da Amazônia - LBA Os resultados integrados, obtidos pelas diferentes equipes de cientistas, têm permitido entender alguns mecanismos que governam as interações da floresta com a atmosfera, tanto em condições naturais (da floresta intacta) como alteradas. O LBA tem contribuído para melhorar os modelos de previsão climática; medir as emissões de carbono das hidrelétricas na Amazônia e o potencial uso do metano para geração de energia elétrica adicional nas usinas; realizar novas medidas reais de densidade da madeira no sul da Amazônia, mostrando que biomassa acumulada é menor do que em estimativas anteriores. O Programa tem importante papel na formação de recursos humanos formando mais de 500 mestres e doutores brasileiros. Mais de 150 pesquisas da chamada “ciência de ponta”, em parcerias com cerca de 280 instituições nacionais e estrangeiras, realizadas por 1400 cientistas brasileiros e outros 900 pesquisadores de países amazônicos, de 8 nações européias e de instituições americanas, visaram estudar e entender as mudanças climáticas e ambientais em curso, para favorecer um processo de desenvolvimento sustentável na Amazônia.

Foto: Mário Bentes 28


A publicação dos resultados de pesquisa faz parte da história de sucesso do LBA. São mais de 1000 artigos em periódicos especializados, além de um grande número de livros e capítulos de livros e de mais de 200 artigos em edições especiais dedicadas ao LBA. Diversos vídeos educativos, cartilhas e outros materiais de divulgação também foram produzidos. (veja mais: http://lba.inpa.gov.br/lba/)

Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio Reconhecendo a fraca cobertura da pesquisa em biodiversidade, especialmente perto das fronteiras agrícolas em expansão, o Ministério brasileiro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) incluiu estudos de biodiversidade no Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio). A estratégia básica de amostragem do PPBio segue o desenho espacial desenvolvido no sítio Programa de pesquisas em Longa Duração (PELD). O PPBio tem três componentes: Inventários Biológicos, Coleções Biológicas e Estudos Aplicados. Na Amazônia, o programa é organizado como uma rede de núcleos regionais, um em cada estado da região amazônica, ligados a dois centros principais em Manaus e Belém. Além da pesquisa, uma grande parte da atenção está focada em treinamento e capacitação. Uma variedade de cursos, que variam de taxonomia para a análise dos dados, são regularmente oferecidos aos parceiros da rede. Estudantes de pós-graduação estão envolvidos na maioria das pesquisas e recebem formação, não só em técnicas de coleta de campo, mas também na organização de dados e documentação para o repositório de dados.

Foto: José Luiz Veiga 29


Técnicos dos órgãos ambientais (por exemplo, o Serviço Florestal Nacional - SFB, ICMBio e IBAMA) recebem treinamento especial, a fim de entender a filosofia e praticar as técnicas desenvolvidas pelo programa para o monitoramento da biodiversidade. Envolvimento com os órgãos ambientais tem sido uma prioridade do PPBio, e muitos dos padrões que estão sendo adotados por essas agências hoje em dia foram desenvolvidos através dessas interações. (veja mais: http:// ppbio.inpa.gov.br/)

Foto: William Magnusson 30


Projetos

Foto: Anselmo D’Affonseca 31


Projetos Projeto Gavião-Real O objetivo é Promover a pesquisa e a conservação das grandes águias brasileiras em âmbito nacional. Em 1999, estabeleceram-se metas para ampliar a localização, o mapeamento e o monitoramento de ninhos para estudar a biologia da espécie na Amazônia Brasileira com a participação de voluntários dispostos a enfrentar o desafio de conservar esta espécie. Hoje o projeto conta com o apoio de pesquisadores parceiros, voluntários, estudantes e bolsistas na coleta de dados, atividades de educação ambiental e divulgação de informações no entorno de ninhos. O projeto monitora 60 ninhos de gavião-real nos estados do Amazonas, Pará, Rondônia e outros cinco ninhos no Pantanal e Mata Atlântica. Estabelecer um Programa Nacional de Conservação da espécie somente foi possível com a parceria de várias instituições federais, estaduais, privadas, ongs internacionais, nacionais e regionais e o poder público municipal. O mapeamento de ninhos na Amazônia, em muitos casos trouxe surpresas, pois ao se chegar na base de uma árvore com ninho, identificou-se que não se tratava de um ninho de gavião-real (Harpia harpyja), mas de um uiraçu-falso (Morphnus guianensis) e de um gavião-de-penacho (Spizaetus ornatus), sendo que os registros de uiraçu-falso e do gavião-de-penacho na natureza são tão raros quantos os do gavião-real. Nestes casos, o Programa adotou estas outras águias de grande porte do Brasil e o monitoramento hoje atinge quatro ninhos de uiraçu-falso e seis de gavião-de-penacho. A participação ativa de comunidades que habitam a floresta no entorno das árvores com ninhos de gavião-real são também a razão do sucesso na localização de novos ninhos, na coleta de dados sobre a espécie por exemplo, coletando vestígios de presas para descrever a dieta da espécie, e monitorando a sobrevivência dos filhotes até serem capazes de voar para longe em busca de outras terras. (veja mais: http://gaviaoreal.inpa.gov.br/principal)

32


Pesquisas de Desenvolvimento de Métodos, Modelos e Geoinformação para Gestão Ambiental - GEOMA A Rede Geoma é a primeira Rede de Pesquisas do Ministério de Ciência e Tecnologia que integra 6 unidades de pesquisa deste Ministério, sendo três sediadas na região Norte: Instituto Nacional de pesquisa da Amazônia- INPA/AM, Museu Paraense Emilio Goeldi – MPEG/PA e Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá – IDSM/AM e três no Sudeste: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, Instituto de Matemática Pura e Aplicada -IMPA e Laboratório Nacional de Computação Científica - LNCC. O objetivo desta Rede é desenvolver modelos computacionais capazes de predizer a dinâmica dos sistemas ecológicos e socio-econômicos em diferentes escalas geográficas, dentro do conceito de sustentabilidade; auxiliar a tomada de decisão nos níveis local, regional e nacional, ao fornecer ferramentas de simulação e modelagem e contribuir na formação de recursos humanos nos níveis de mestrado e doutorado

Foto: Daniel Jordano

Rede Malária A rede malária é composta por vários pesquisadores do Brasil e do exterior e evolve desde a coleta até a análise da genética do mosquito. O objetivo da Rede Malária é avaliar de que forma o mosquito afeta a população e de que maneira os estudos científicos podem ser aplicados para evitar o contato homem e mosquito. Além disso, os pesquisadores buscam formar recursos humanos qualificados na Amazônia para combater à doença. Inpa e outras Instituições participam. das pesquisas. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e o CNPq financiam os estudos. 33


Rede de Ecologia, Avaliação e Monitoramento de Florestas Tropicais - TEAM A rede TEAM é um programa de monitoramento em longo prazo que gera dados em tempo real de tendências de mudanças climáticas e antrópicas na biodiversidade, com sítios de coleta distribuídos em 17 locais nos trópicos: Brasil (Manaus e Caxiuanã), Camarões, Costa Rica, Congo, Equador, Índia, Indonésia, Laos, Madagascar, Malásia, Panamá, Peru (2), Suriname, Tanzânia e Uganda. O TEAM utiliza protocolos de coleta padronizados e tem quatro grupos focais: Clima, Vegetação, Vertebrados Terrestres e Zona de Dinâmica Humana e de Mudanças no Ecossistemas. Os objetivos centrais da rede são: a) Monitorar mudanças em larga escala nas florestas tropicais utilizando variáveis bióticas e abióticas, b) Discernir efeitos das atividades humanas nos processos naturais, e c) Fornecer dados reais de mudanças visando o planejamento de estratégias de conservação. Um dos primeiros resultados disponibilizados trata de vertebrados de médio e grande porte foi publicado recentemente. Após análise de riqueza, composição, tamanho corporal, abundância e dieta das espécies presentes em sete sítios tropicais (Uganda, Tanzânia, Indonésia, Lao, Suriname, Brasil e Costa Rica), os resultados mostraram que a comunidade de mamíferos em ambientes altamente fragmentados apresentam menor riqueza e diversidade de espécies, diversidade funcional e maior dominância em comparação com sítios localizados em locais parcialmente fragmentados e floresta contínua. A Rede TEAM conta com o apoio da Conservation International, do Missouri Botanical Garden, da World Conservation Society, do Smithsonian Institution, da Fundação Gordon e Betty Moore e de Instituições Parceiras, como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Foto: Daniel Jordano 34


INPA - INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA Av. André Araújo, 2.936 - Caixa Postal 2223 AC André Araújo - Bairro Petrópolis 69060-001 - Manaus - AM www.inpa.gov.br


Conheça o INPA