Page 1

D O S S I E R G E ST Ã O E T R ATA M E N TO D E Á G U A Luís Cristóvão em colaboração com Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A. Tel.: +351 214 459 191 · Fax: +351 214 455 871 weidmuller@weidmuller.pt · www.weidmuller.pt

GESTÃO E TRATAMENTO DE ÁGUAS A sociedade nas últimas décadas tem vindo a experimentar alterações significativas nos padrões e níveis de vida, com isto tem-se assistido a mudanças na percepção de determinados valores. É o caso da água como um valor ecológico e social, que compreende um número de funções ambientais e sociais. A gestão integrada de recursos naturais, onde a água desempenha um papel preponderante constitui, necessariamente, um enorme desafio às estruturas institucionais existentes, obrigando-as a repensar objectivos e modelos administrativos que incorporem estes desígnios de gestão integrada. A tendência crescente de novas urbanizações, acrescida dos apreciáveis desenvolvimentos tecnológicos e industriais, verificados principalmente nas três últimas décadas, têm sido factores determinantes para as alterações significativas nos padrões de vida da sociedade moderna, reflectindo-se assim no aumento constante da procura de água quer no consumo quer no lançamento no ambiente. Desde a metade do século passado - com crescimento contínuo - o consumo de água triplicou. Estima-se que actualmente, tem uma distribuição relativa aproximada de 70% para a produção agrícola, 22% para uso industrial e 8% para uso doméstico. A capacidade de abastecimento destas quantidades de água é somente conseguida através da execução, em larga escala, de grandes projectos hidráulicos, dos quais se destacam grandes barragens, transvazes entre bacias hidrográficas e obras de captação de águas subterrâneas. Com tudo isto continuamos a assistir nos dias de hoje e depois de alguns esforços realizados, a uma deficiente monitorização da qualidade dos aquíferos bem como deficientes sistemas de gestão das redes de distribuição sendo estas responsáveis pelo desperdício de cerca de 60% da água produzida e tratada para consumo humano. A monitorização dos mais diversos processos de gestão da água revela-se cada vez mais importante, seja na captação, no tratamento e consequente armazenagem ou ainda no lançamento da mesma de novo ao ambiente. Captar água nos dias de hoje poderá ter várias origens e poderá ter vários

destinos. Podemos usar captações subterrâneas, captações em barragens, captações superficiais em rios e podemos ainda captar água no mar. Os destinos também podem ser diversos, tais como a produção agrícola, indústria ou abastecimento a populações. Os aproveitamentos que iremos dar à água extraída deverão ter o tratamento de acordo com o processo onde vai ser utilizada. Por exemplo, a água captada para produção agrícola, quando captada em barragens será utilizada apenas usando o processo de filtragem; quando é captada através de furos não necessitamos desta parte do processo podendo ser bombeada directamente na rede de rega. Para os processos industriais a água bruta pode ser entregue de forma natural desde que filtrada, visto que o tratamento de água irá depender do tipo de indústria. No caso da água para abastecimento a populações, as origens podem ser qualquer uma das já mencionadas anteriormente, embora o seu tratamento se revele mais exigente em todo o processo, visto poder colocar em causa a saúde pública. Quando se trata de abastecimento a populações deverão ter-se em conta todos os valores das análises químicas para que se possa adaptar o processo de tratamento por forma a fornecer a água dentro dos parâmetros legislados. Os destinos da água utilizada são vários; a devolução desta ao ambiente independentemente de poder ser lançada em linhas de água, em rega ou no mar deverá ser sempre submetida ao tratamento adequado em função da sua proveniência. As proveniências podem ser de ETAR`s (Estações de Tratamento de Águas Residuais) ou de ETARI’s (Estações de Tratamento de Águas Residuais Industriais).

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA NAS LINHAS DE ÁGUA Para que seja possível monitorar a qualidade da água ao longo de uma linha de água é necessário que sejam colocados postos de controlo. Estes postos estarão equipados com vários tipos de sondas que se encontram ligadas a controladores específicos que por sua vez transmitem os valores medidos em contínuo a um PLC. A aquisição destes valores vai gerar uma base de dados que é comparada em contínuo com o algoritmo de controlo. A comunicação é realizada através de modems do tipo GSM /GPRS que incluem entradas digitais e analógicas. Este modem garante as comunicações GPRS com a central de despachos, além de poder enviar SMS para oito números de telefone. A central de despacho tem instalado um PC que comporta um SCADA que reúne os elementos dos pontos de controlo de toda a linha de água. Além destas especificações permite alterar remotamente os valores máximos e mínimos de cada controlador. Estes sistemas devem estar preparados para integrar sistema de detecção de avarias, tentativas de vandalismo, e outros que se revelem necessários em cada caso. Captação de água subterrânea A captação de água subterrânea através de furos requer alguns cuidados, tais como: níveis, caudais de exploração, eventuais contaminações dos níveis freáticos. Para tal é aconselhável colocar sondas piezométricas.

[52]

robótica


DOSSIER

sua velocidade de acordo com a situação mais conveniente e ainda permitir uma redução de consumo energético. Para tal são recomendados variadores de controlo vectorial. Os mesmos deverão permitir alterar o valor da frequência da portadora.

o objectivo de ser analisado permanentemente o estado de colmatação dos filtros. Segue-se o sistema de filtragem antecedido por duas válvulas de borboleta com disco de aço inox e vedantes em EPDM que possibilite o bypass ao sistema de filtragem. Estas válvulas manuais deverão estar munidas de fins de curso de sinalização de aberto e fechado. A conduta de saída terá ainda um caudalímetro electromagnético para que se possa monitorizar o caudal total e ainda o caudal instantâneo. Esta instalação será munida de um armário eléctrico de controlo e potência com capacidade de comunicação com a central de telegestão. As entradas analógicas deverão ser isoladas galvânicamente através de isoladores 4...20 mA – 4…20 mA. As entradas digitais deverão ser isoladas do autómato através de relés de dois contactos inversores montados sobre bases. Tanto os grupos de elevação como os de pressurização deverão ser controlados através de variadores de frequência para que possa ser modelada a

No que respeita ao sistema de cloragem, deverá ser introduzida uma unidade de controlo equipada com as respectivas sondas de cloro. As sondas encontram-se ligadas a um controlador específico que terá como função a regulação do doseamento dos produtos químicos de tratamento. Este controlador deverá ter, além das saídas de controlo das bombas doseadoras, duas saídas analógicas de 4…20 mA para informação das respectivas grandezas a um PLC, que fará toda a interligação com o sistema de telegestão, bem como duas saídas digitais parar alarme de máximo e duas saídas digitais para alarme de mínimo. Captação e tratamento de água do mar O processo de captação e tratamento de água do mar, sendo o mais constante na composição química da água, revela-se o mais dispendioso e o que menor qualidade de água apresentada no final do tratamento visto faltarem todos os minerais. Deste modo a água produzida através de centrais de dessalinização, sempre que possível, deverá ser utilizada em processos de rega, para que possa fortificar os aquíferos subterrâneos e complementar-se com os minerais. A captação será efectuada posteriormente através de sistemas de furo. O sistema de controlo é sempre efectuado por um PLC local que através dos mais diversos sistemas de comunicação fica interligado a uma central de telegestão apoiada num sistema de SCADA.

PUB

Formação

Financiada

Técnico instalador de sistemas fotovoltaicos: 125 horas (Formações Modulares Certificadas - Tipologia 2.3) › Energia solar: 50 horas

› Projecto de sistema solar fotovoltaico – instalação: 25 horas

UFCD (4580)

UFCD (4591)

› Sistemas solares fotovoltaicos: 50 horas UFCD (4587)

Condições de acesso: idade igual ou superior a 18 anos e com escolaridade entre o 9º e 12º Ano.

Formador: Eng.º Pinto Ferreira Local das Sessões: › Ixus, Formação e Consultadoria - Centro de Negócios do Bonfim* * Rua Monte do Bonfim, n.º 120, 4300-350 Porto;

Nota: Os formandos receberão subsídio de alimentação e o respectivo certificado de habilitações

Apoios:

Governo da República Portuguesa

Informações e Inscrições IXUS, Formação e Consultadoria, Lda. Tel.: 22 519 13 90 Fax: 22 519 13 99 E-mail: geral@ixus.pt | forma@ixus.pt Site: www.ixus.pt

Gestão e tratamento de águas  

Autor: Luís Cristóvão; Revista: robótica nº84

Gestão e tratamento de águas  

Autor: Luís Cristóvão; Revista: robótica nº84