Page 1

40

formação

eletrotecnia båsica instalaçþes elÊtricas de baixa tensão JosÊ V. C. Matias Licenciado em Engenharia EletrotÊcnica (IST) Professor do Ensino Secundårio TÊcnico

Neste nĂşmero da revista “o electricistaâ€?, abordamos o tema ‘Aparelhagem elĂŠtrica de Baixa TensĂŁo’, sua classificação, caraterĂ­sticas gerais, Ă­ndices de proteção IP e IK e tipos de aparelhagem elĂŠtrica, nomeadamente aparelhagem: de ligação, comando e secionamento (ou corte). No prĂłximo nĂşmero, continuaremos com este tema, abordando sucessivamente a aparelhagem de proteção, de regulação, de medição e de contagem. (continuação da edição anterior)

15. Aparelhagem ElÊtrica 15.1. Classificação da aparelhagem A         que faz parte integrante de uma instalação elÊtrica divide-se em vårias categorias: aparelhagem de corte (interruptores, seccionadores, disjuntores, fusíveis, entre outros), aparelhagem de comando (interruptores, inversores, comutadores, contatores, e outros), aparelhagem de proteção (fusíveis, disjuntores, relÊs, entre outros), aparelhagem de ligação (caixas de  !

 "  

e outros), aparelhagem de medida e contagem (amperímetros, voltímetros, contadores de energia, entre outros) e aparelhagem de regulação (potenciómetros, condensadores variåveis, e outros), aparelhagem de utilização, entre outros. Os aparelhos de utilização são elementos exteriores à própria instalação e que a www.oelectricista.pt o electricista 41

esta vão ser ligados atravÊs dos seus pontos de utilização. Como exemplos de aparelhos de utilização temos: motores, lâmpadas, fri 

   

måquinas de lavar, entre outros. A Figura 18 representa um diagrama de blocos da aparelhagem elÊtrica. Como sabemos, cada um destes aparelhos vai estar sujeito a condiçþes de funcionamento diferentes devido, não só ao papel diferente que vão desempenhar, como tambÊm ao tipo de local e condiçþes ambientais. Assim, podemos ter aparelhagem para interior e para exterior; a aparelhagem exterior pode estar ao ar livre ou enterrada; podem ainda estar ou não em locais sujeitos a riscos de explosão, de incêndio, húmidos, molhados, poeirentos, de ambiente corrosivo, entre outros. Todos estes fatores devem ser tidos em conta aquando da elaboração e execução do projeto a realizar. Na verdade uma instalação

        

          nhar e simultaneamente mais elevado for o grau e o número de caraterísticas de proteção dos elementos constituintes. Se assim for, garantir-se-á uma maior comodidade na utilização e maior duração. Para garantir uma maior  e segurança na instalação, a sua construção

DE PROTEĂ‡ĂƒO

DE LIGAĂ‡ĂƒO

deve obedecer a alguns requisitos, nomeadamente: 1. Conceçþes (formas) simples; 2. Funcionamento seguro; 3. Adequados índices IP e IK, de acordo com as influências externas; 4.   





  

estå em boas condiçþes). AlÊm destes requisitos gerais, outras ca          !gidas, aparelho a aparelho. O preço da aparelhagem varia normalmente inversamente com a qualidade, isto Ê, melhor qualidade, normalmente (mas nem sempre, felizmente) pagase mais caro. Com efeito, uma aparelhagem mais cuidada, com maior garantia, exige sempre um maior dispêndio de mão-de-obra e tambÊm material de qualidade superior. Com o objetivo de garantir a måxima qualidade da aparelhagem fabricada, tornou-se obrigatório a partir de 1 de janeiro de 1997, a aposição da marca CE em todo o equipamento colocado no mercado nacional.

15.2. Caraterísticas da aparelhagem. �ndices de proteção Durante o seu funcionamento, a aparelhagem estå submetida às mais diversas provas, consoante a função que desempenha, o tipo de

DE REGULAĂ‡ĂƒO

APARELHAGEM

DE COMANDO

Figura 18 #   " 

$

DE MEDIĂ‡ĂƒO E DE CONTAGEM

DE CORTE


eletrotecnia bĂĄsica

43

3. 

    - A ação sobre os contactos é feita por comutador rotativo; 4. 

    - SĂŁo os mais vulgarmente utilizados nas instalaçþes de utilização domĂŠsticas. O comutador, ao bascular entre duas posiçþes, permite fechar ou abrir o circuito. AlĂŠm destes tipos referidos, muitos outros hĂĄ, como por exemplo: interruptores de pressĂŁo, interruptores tipo tic-tac, interruptores tipo ‘pĂŞra’, interruptores de passagem,   

? ? ? ruptores, e outros. Os   sĂŁo aparelhos que per      

  

de um ou vários circuitos; permitem ligar sucessivamente um ou vários conjuntos de lâmpadas ou outros recetores; permitem ligar sucessivamente diversos setores de uma instalação, ou vários motores. De entre os comutadores mais vulgarizados temos os comutadores: de escada, de quarto ou vai-vem, de lustre e o comutador estrela-triângulo. Estes comutadores foram já estudados em número anterior desta revista, nesta secção. Fazemos, por isso, uma breve referência a eles. O     permite ligar uma ou várias lâmpadas num local e apagá-las noutro. Pode ser simples ou duplo, conforme acende uma lâmpada (ou um conjunto

Figura 21 Interruptores e comutadores diversos (Simon).

de lâmpadas) ou acende duas lâmpadas (ou dois conjuntos de lâmpadas) e as apaga noutro local. O funcionamento da '  é semelhante ao da comutação de escada. O    permite acender e apagar no mesmo local várias lâmpadas ou conjuntos de lâmpadas, uma a uma ou por sectores. O    ( )   permite o arranque de motores, em duas etapas, para reduzir as correntes de arranque. Utilizado em instalações industriais de Baixa Tensão. Existem outros aparelhos de *, como o  , o telerrutor, o auto*, entre outros, que têm, relativamente ao interruptor, as seguintes  : 1. Permitem o estabelecimento de circuitos, com funcionamento automático em condições pré-determinadas; 2. Permitem fazer simultaneamente comandos locais e à distância; 3. Permitem fazer o comando de vários locais; 4. Permitem fazer o comando de grandes potências, com consumo reduzido e utilizando tensões baixas nos órgãos de comando. O contator é utilizado no comando de motores elétricos em instalações industriais de Baixa e Média Tensão. O telerrutor e o automático de escada também foram já abordados em ponto anterior desta secção. (continua na próxima edição) PUB

A nova ferramenta para

aumentar a produtividade 41$pXPDQDOLVDGRUGHTXDOLGDGHGHVHUYLoRPRGXODUSURMHWDGRSDUD PHGLUHUHJLVWDURVSULQFLSDLVSDUkPHWURVHOpWULFRVDVSHUWXUEDo}HVH WUDQVLWyULRV

Sistema: BASE MĂłdulo base

+ QNA 500

ajudamos a melhorar a eficiĂŞncia energĂŠtica

Sistema MULTI

LPSRUWDQWHVQ~FOHRV

Multi- acesso Multi- port a Multi- protocolo GestĂŁo energĂŠtica de consumos

Captura de transitĂłrios

Analisador de qualidade de serviço

+

Modular / EscalĂĄvel

8iO entradas / saĂ­das Gestor de energia e alarmes Servidor Web

Para obter mais informaçþes: e-mail: lpereira@circutor.com - www.circutor.com CIRCUTOR SA - DELEGAĂ‡ĂƒO PORTUGAL - Apartado 52819 CARVALHIDO - 4250-999 PORTO Tel (+351) 912 382 971 - Fax (+351) 226 181 072

Tecno ologia a parrawww.oelectricista.pt a efi ficiĂŞn ncia energ gĂŠtica a 41 o electricista

Eletrotecnia básica instalações elétricas de baixa tensão  
Eletrotecnia básica instalações elétricas de baixa tensão  

Autor: José V. C. Matias; Revista: oelectricista nº41

Advertisement