Page 1

Dossier: eficiência energética

Normalização sobre eficiência energética em ascensores Miguel Leichsenring Franco

Baixo consumo

Eng.o Eletrotécnico,

A

Administrador da Schmitt-Elevadores, Lda

B

A

C D

1. INTRODUÇÃO A segurança, o conforto e o aproveitamen-

E

to do espaço são os temas centrais com que

F

a indústria de ascensores normalmente se

G

preocupa. A eficiência energética não era

Alto consumo

discutida até há alguns anos. Contudo, o auFigura 1a.

Figura 1b.

conduziu ao rápido aumento de importân-

Europeia emanou várias Diretivas que se

posta parcialmente para o direito nacional

cia da temática da eficiência energética em

relacionam direta ou indiretamente com a

pelo Decreto-Lei n.º 78/2006 de 04 de abril,

ascensores. Assim, quer para novos ascen-

temática da utilização de energia. As mais

e a Diretiva 2005/32/CE de 06 de julho de

sores quer para ascensores já instalados,

importantes são entre outras, a Diretiva

2005 – “EuP – Energy Using Products” (Requi-

são necessários métodos e procedimentos

2002/91/CE de 16 de dezembro de 2002 -

sitos de conceção ecológica dos produtos

que permitam a determinação e avaliação

“EPB - Energy Performance of Buildings” (De-

que consomem energia)3.

mento substancial do custo da energia elétrica associado à relevância da temática das alterações climáticas e à sustentabilidade,

da necessidade energética de ascensores e

2

sempenho Energético de Edifícios) , trans-

que possibilitem uma comparabilidade das diferentes soluções oferecidas pelos fabri-

mente para a ordem jurídica nacional esta O objetivo desta Diretiva passa pela promo-

Diretiva Comunitária, tendo como finalidade

cantes através de uma identificação fácil,

ção da melhoria do desempenho energético

assegurar a aplicação regulamentar, nome-

uniforme e normalizada da classe de efici-

dos edifícios na Comunidade, tendo em conta

adamente no que respeita às condições de

ência energética.

as condições climáticas externas e as condi-

eficiência energética, à utilização de sistemas

ções locais, bem como as exigências em ma-

de energias renováveis e, ainda, às condições

Este artigo apresentará um breve resumo

téria de clima interior e a rentabilidade eco-

de garantia da qualidade do ar interior, de

de algumas das normas atualmente exis-

nómica. Esta Diretiva estabelece requisitos

acordo com as exigências e disposições con-

tentes ou em fase de elaboração sobre a

em termos de:

eficiência energética em ascensores.

2

a)

enquadramento geral para uma metodologia

tidas em: a)

tamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) – De-

de cálculo do desempenho energético inte-

creto-Lei 80/2006 de 04 de abril, e

grado dos edifícios; b)

2. AS NORMAS EXISTENTES 1

Segundo um estudo da União Europeia , o setor dos edifícios será responsável por

c)

aplicação de requisitos mínimos para o de-

Regulamento das Caraterísticas de Compor-

b)

Regulamento dos Sistemas Energéticos e de

sempenho energético de novos edifícios;

Climatização dos Edifícios (RSECE) – Decreto-

aplicação de requisitos mínimos para o de-

Lei 79/2006 de 04 de abril.

cerca de 40% do consumo total de energia

sempenho energético de grandes edifícios

neste espaço geográfico. Cerca de 70% do

existentes que sejam sujeitos a importantes

consumo de energia deste setor verificar-

obras de renovação;

requisitos comunitários de concepção ecoló-

3

Esta Diretiva cria um quadro de definição dos

-se-á nos edifícios residenciais. Em Portu-

d)

certificação energética dos edifícios;

gica dos produtos consumidores de energia

gal, mais de 28% da energia final e 60% da

e)

inspeção regular de caldeiras e instalações

com o objetivo de garantir a livre circulação

de ar-condicionado nos edifícios e, comple-

destes produtos no mercado interno.

mentarmente, avaliação da instalação de

Prevê ainda a definição de requisitos a obser-

Por forma a dar cumprimento ao Protocolo

aquecimento quando as caldeiras tenham

var pelos produtos consumidores de energia

de Kyoto, no qual se definiu uma drástica

mais de 15 anos.

abrangidos por medidas de execução, com

redução da emissão de CO2, a Comunidade

O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 04 de abril –

vista à sua colocação no mercado e/ou co-

Sistema Nacional de Certificação Energética

locação em serviço. Contribui para o desen-

e da Qualidade do Ar (SCE), transpõe parcial-

volvimento sustentável, na medida em que

energia elétrica é consumida em edifícios.

1

34

Ver Diretiva 2002/91/CE de 16.12.2002.

elevare


Dossier: eficiência energética lores de consumo de energia em standby e em manobra, projetando a potência em standby

3.6. Certificado

e a necessidade energética em manobra com os tempos médios de standby e viagem para

Os valores caraterísticos poderão ser final-

a obtenção do consumo diário, de acordo com a Tabela 3 e dividindo o valor obtido pelo

mente apresentados num certificado ener-

número de metros percorridos e pela carga nominal. Obtém-se assim a energia necessária

gético. Apresenta-se um exemplo de um

total específica para o ascensor.

certificado energético para um ascensor já existente.

Para a atribuição das necessidades específicas de energia a classes de eficiência energética, os valores limite para a manobra e para as necessidades de standby pertencentes a uma mesma classe são combinados de acordo com as Tabelas 4 e 5, utilizando-se a seguinte

4. CONCLUSÃO

equação:

Apesar do ascensor ser responsável por

EAscensor, max = Emanobra, max +

uma parte reduzida do consumo global

Pstand-by, max × tstand-by × 1000

[Eq. 2]

Q × vnominal × tmanobra × 3600

anual de energia elétrica de um edifício, o consumo global de todos os ascensores instalados num país ou em todo o espaço

Pstandby deverá ser indicado em mW e tmanobra em h.

geográfico da comunidade europeia, aumenta substancialmente a sua relevância. A eficiência energética de ascensores é um

Tabela 4. Classes de necessidades energéticas – standby.

dos maiores desafios que se coloca à indústria de ascensores, procurando-se atu-

Classes de necessidades energéticas - standby Potência / Output (W)

≤ 50

≤ 100

≤ 200

≤ 400

≤ 800

≤ 1600

> 1600

almente propor métodos de medição, ava-

Classe

A

B

C

D

E

F

G

liação e classificação, bem como medidas de ação para reduzir o consumo energético

Tabela 5. Classes de eficiência energética - manobra

numa base normalizada e por todos aceite. Os ascensores deviam ser incluídos nas

Classes de eficiência energética - Manobra

avaliações indicadas na Diretiva Comuni-

Consumo energético específico

tária EPB. Dessa forma, o tema eficiência ≤ 0,56

≤ 0,84

≤ 1,26

≤ 1,89

≤ 2,80

≤ 4,20

> 4,20

A

B

C

D

E

F

G

(mWh/(kg.m) Classe

de uma Norma harmonizada (como é o caso

Figura 2. Certificado energético para um ascensor.

38

elevare

energética conduziria à rápida introdução das Normas da família EN81).

Eficiência energética em elevadores e escadas rolantes na união europeia – projeto E4  
Eficiência energética em elevadores e escadas rolantes na união europeia – projeto E4  

Autor: Aníbal de Almeida e João Fong; Revista: oelectricista/elevare nº40

Advertisement