Page 1

ENTREVISTA

revista técnico-profissional

62

o electricista Helena Paulino

CERTIEL

{A IMPORTÂNCIA DE “USAR BEM A ENERGIA”}

Carlos Ferreira Botelho, Director-Geral da CERTIEL, em entrevista à revista “o electricista” falou da importância de uma instalação eléctrica de acordo com as normas e explicou a importância do projecto “usar bem a energia é um dever de cidadania”.

revista “o electricista” (oe): Quando e porque surgiu a CERTIEL? Carlos Ferreira Botelho (CFB): A CERTIEL - Associação Certificadora de Instalações Eléctricas foi criada em 1999 para suprir uma necessidade sentida pelo Estado, e traduzida em legislação entretanto publicada, da existência de uma entidade que garantisse a qualidade e a segurança das instalações eléctricas, já que a electricidade, quando mal usada, pode ter consequências muito sérias, para as pessoas e bens. A CERTIEL é uma associação sem fins lucrativos, com autonomia técnica, administrativa, económica e financeira, considerada de utilidade pública e acreditada pelo Instituto Português da Acreditação, que analisa e aprova os projectos de instalações eléctricas de tipo C (Baixa Tensão), e inspecciona e certifica essas instalações eléctricas, novas ou modificadas. A CERTIEL é igualmente responsável pela certificação e inspecção periódica das instalações de micro-produção e mini-produção alimentadas em Baixa Tensão e é gestora da base de dados nacional de elevadores. Em qualquer das áreas referidas, a CERTIEL actua por delegação do Estado, através da Direcção-Geral de Energia e Geologia

(DGEG), tendo sido reconhecida por esta como Associação Nacional Inspectora de Instalações Eléctricas (ANIIE) para todo o território do continente.

riódico das instalações, o que não favorece a sua renovação e adequação às exigências de segurança que a sociedade actual espera ver cumpridas.

oe: Há necessidade de existir em Portugal uma entidade certificadora? CFB: Sim, a intervenção de uma entidade certificadora permite assegurar aos utilizadores das instalações eléctricas o cumprimento uniforme das exigências técnicas aplicáveis, garantindo a qualidade e segurança das instalações eléctricas.

oe: Mas o que devem fazer os portugueses para garantir uma segura e eficiente instalação eléctrica? CFB: Cada caso é um caso. Os utilizadores devem atentar sempre ao ano de construção/entrada em funcionamento da instalação eléctrica, se teve algum tipo de intervenção depois disso, e se experimenta algum “sintoma” de uma instalação eléctrica insegura e ineficiente, como choques eléctricos, falhas de energia, avaria de electrodomésticos, tomadas queimadas, entre outros sintomas. Se a casa é anterior a 2007, a sua instalação eléctrica será à partida menos eficiente do que uma instalação eléctrica executada posteriormente, uma vez que a legislação sofreu aí uma evolução. Mas não terá comparação com uma casa com uma instalação eléctrica com 40 anos (ou mais). Estas sim são o problema, porque além de não serem eficientes, por o número de circuitos não ser o adequado, são inseguras para as pessoas e para os bens, além de poderem estar degradadas pelo uso.

oe: Registam-se no nosso país muitas situações de incumprimento das regras básicas das instalações eléctricas? CFB: Relativamente às instalações recentes, podemos afirmar, com elevado nível de confiança, que as mesmas respeitam as regras técnicas e de segurança em vigor. O mesmo já não será possível assegurar relativamente às instalações antigas as quais, na sua grande maioria, apresentam sérios problemas de segurança, por um lado devido ao facto de à data da sua execução a legislação existente não cobrir muitas das soluções técnicas de protecção actualmente existentes, e por outro lado, devido à inexistência de um sistema de controlo pe-


ENTREVISTA

revista técnico-profissional

o electricista

64

vação das instalações eléctricas. O objectivo de uma remodelação deve ser o de aumentar a segurança das famílias com custos sempre que possível moderados.

“a intervenção de uma entidade certificadora permite assegurar aos utilizadores das instalações eléctricas o cumprimento uniforme das exigências técnicas aplicáveis, garantindo a qualidade e segurança das instalações eléctricas”

por, inconscientemente, achar que, por ser de uso banalizado, a electricidade não apresenta perigos, e por vezes até desvalorizam os sinais mais evidentes de uma instalação eléctrica pouco segura, como disparos frequentes dos equipamentos de protecção, passagem de corrente no contacto com as partes metálicas dos electrodomésticos, tomadas com sinais de aquecimento excessivo, e outros. Estes são sinais de que algo de errado se passa e devem ser tidos em conta pelos utilizadores. A ideia deste projecto é exactamente alertar e sensibilizar para as questões, não só da eficiência eléctrica, mas, e principalmente, da segurança eléctrica. oe: Como vê este projecto daqui a 5 anos? CFB: A ideia do projecto “usar bem a energia é um dever de cidadania” passa por sensibilizar a população para as questões da segurança e eficiência eléctricas. Queremos obviamente envolver todas as entidades ligadas a este sector, os profissionais, os futuros profissionais, e as pessoas. Ainda que por agora não tenhamos nada perspectivado, gostaria muito que daqui resultasse um projecto conjunto e global que mantivesse estas questões “vivas” e que contribuísse para novas e mais inovadoras soluções para aumentar a segurança e eficiência eléctricas.

“UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA RENOVADA É MAIS SEGURA E EFICIENTE” oe: Como pode um português saber se a sua instalação eléctrica ainda está protegida de curtos-circuitos, choques eléctricos ou outros problemas? E não necessita de ser renovada? CFB: Para além da avaliação à sua instalação eléctrica, referida anteriormente, a CERTIEL irá disponibilizar brevemente, no seu portal, um conjunto de orientações de segurança, dirigidas aos utilizadores, para que estes possam identificar, de uma forma simples, problemas que possam ocorrer na sua instalação e igualmente conhecer a função dos diferentes equipamentos eléctricos nela existentes. oe: E o que devemos fazer se necessitarmos de reabilitar uma habitação antiga? CFB: Deve ser feito um bom estudo e planeamento, no sentido de assegurar que as necessidades futuras estão previstas (instalação de microprodução, aquecimento, entre outros). Essa avaliação inicial determinará se a renovação deve ser parcial ou total, havendo, no entanto, situações em que partes da antiga instalação podem ser aproveitadas, reduzindo os custos da reno-

oe: Depois da renovação de uma instalação eléctrica, quais os benefícios que iremos retirar da instalação eléctrica? CFB: Uma instalação eléctrica renovada é uma instalação eléctrica mais segura e mais eficiente. Do ponto de vista da eficiência, esta distribuirá melhor os equipamentos em uso pelos diferentes circuitos eléctricos, reduzindo assim as perdas por aquecimento excessivo dos condutores eléctricos. Em termos da segurança eléctrica, as vantagens são diversas. Entre outras melhorias, a renovação de uma instalação eléctrica reduz as sobrecargas dos circuitos eléctricos, evita a multiplicação de extensões e fichas triplas, introduz equipamentos de protecção contra os choques eléctricos, aumentando assim a confiança dos utilizadores. No essencial uma renovação deve eliminar os perigos para pessoas e bens tais como como curtocircuitos, choques eléctricos, incêndios, entre outros. oe: Mesmo depois de uma instalação eléctrica ser renovada, ainda pode ocorrer algum problema na instalação eléctrica? Existe essa probabilidade? CFB: O risco de uma anomalia numa instalação eléctrica nunca será nulo mas pode ser significativamente reduzido. A actividade da CERTIEL tem como objectivo primeiro a redução desse factor de risco.

Para mais informações

CERTIEL - ASSOCIAÇÃO CERTIFICADORA DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS Tel.: +351 213 183 200 . Fax: +213 183 289 certiel@certiel.pt . www.certiel.pt

Certiel: A importância de “usar bem a energia”  
Certiel: A importância de “usar bem a energia”  

Autor: Helena Paulino; Revista: oelectricista nº38

Advertisement