Page 1

DOSSIER

revista técnico-profissional

94

o electricista Fluke

redução de custos com a eficiência energética Um engenheiro com experiência na qualidade energética explica como se pode reduzir os custos de energia. Tudo começa com uma auditoria! “A utilização eficaz da energia voltou a estar na moda”, ditou Paul Twite, referindo-se ao actual custo da energia. Paul Twite é um engenheiro de qualidade da energia, especialista em termografia com certificação de Nível II e co-proprietário da 24-7 Power, uma empresa de serviços de engenharia e consultoria eléctrica que ajuda outras empresas a detectar e corrigir a sua falta de eficiência na utilização de energia. A 24-7 Power é igualmente distribuidora de muitos dos instrumentos que Paul Twite utiliza na sua análise da eficiência energética.

eléctrico, a qualidade eléctrica, o Factor de Potência e outros aspectos relevantes relativamente à utilização da energia. A revisão das facturas eléctricas não só revela o que a empresa paga pela electricidade utilizada como também outros encargos excepcionais, como as penalizações do Factor de Potência, entre outros. Tudo isto requer um controlo e seguimento para confirmar com precisão que está a pagar à empresa eléctrica a energia consumida,

Paul Twite utiliza um método de três passos para ajudar as empresas a reduzir as suas facturas eléctricas. Com os conhecimentos e ferramentas adequadas, a sua empresa pode seguir o mesmo procedimento utilizando os seus profissionais. O método funciona da seguinte forma:

que está a obter o que está a pagar e que não está a pagar penalizações em excesso. Segundo Paul Twite, “é sabido que os medidores das empresas eléctricas podem deixar de estar calibrados ou funcionar de forma incorrecta com a passagem do tempo. Por isso, pensamos que é importante comprovar de uma forma cuidadosa os consumos eléctricos como parte regular do processo de análise de eficiência energética.” Um exame minucioso dos sistemas eléctricos, mecânicos e de refrigeração, aquecimento e ar-condicionado e os isolamentos mediante câmaras termográficas podem revelar a existência de circuitos com sobrecarga ou desequilibrados, ligações soltas, motores sobreaquecidos em equipamentos de refrigeração, aquecimento e ar-condicionado, colectores de vapor defeituosos e, além disso, com condições que podem indicar uma utilização ineficiente de energia.

PASSO 1: CÁLCULOS DE ENERGIA Esta etapa consiste em três partes: revisão das facturas eléctricas, utilização de câmaras termográficas para examinar os sistemas eléctricos, mecânicos, de processos e de refrigeração, aquecimento e ar-condicionado, assim como os isolamentos (tudo aquilo que separa o interior de um edifício do exterior do mesmo), e a monitorização do consumo

Figura 1 . Um registador de energía trifásico pode medir o consumo ao longo do tempo, contribuindo assim para identificar áreas onde as empresas podem reduzir os custos do consumo de energia.

Paul Twite compara a utilização da câmara termográfica (câmara de infra-vermelho) na análise da eficiência energética como a utilização de um estetoscópio por parte de um médico durante a revisão anual: “se nos submetermos a um exame físico, a primeira ferramenta que o médico irá utilizar é um estetoscópio. Esta ferramenta não


o electricista

revista técnico-profissional

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 97

fases ou isolamentos defeituosos. Da mesma forma, o sobreaquecimento pode indicar a existência de polias e eixos desalinhados, um problema que pode ser solucionado através de um equipamento de alinhamento por laser. Em alguns casos, um rolamento de um motor mal lubrificado pode fazer com que o motor aqueça mais do que o normal e consuma mais energia. Neste caso, uma simples lubrificação pode reduzir significativamente as temperaturas e a corrente de carga total. Assim, as reparações prioritárias são as que, se não forem realizadas, podem provocar uma interrupção na produção, seguidas daquelas com baixos custos de reparação e/ou recuperação rápida do investimento. Paul Twite assinala, por exemplo, que os problemas com caixas (excepto para determinados problemas nos telhados) apresentam períodos de recuperação da inversão relativamente longos. Normalmente estes têm uma prioridade muito mais baixa no Passo 3 do que, por exemplo, a insta-

lação de condensadores de correcção do factor de potência. A substituição de equipamentos e sistemas ineficientes vai muito mais além da poupança nos picos. Muitas vezes, após uma auditoria, Paul Twite recomenda que se deve substituir um sistema HID antigo ou outro de iluminação ineficiente por um sistema novo fluorescente linear ou compacto de elevada eficiência. Aponta que o Departamento de Energia dos Estados Unidos da América lista os dois maiores consumidores de energia na maioria das instalações, como o HVAC e os sistemas de iluminação. “A adopção de um sistema de iluminação eficiente pode oferecer um retorno económico, de uma forma mais rápida e fácil”, ditou. “Em muitos casos, normalmente em menos de um ano, sobretudo se a empresa eléctrica faz reembolsos.” Outras recomendações que faz a muitos dos seus clientes passam por adicionar novos motores efi-

cientes que tenham 94% NEMA em oposição às avaliações de 80%. Paul Twite dita que “muitos motores de 1930 e 1940 foram construídos como ‘tanques’, e actualmente ainda funcionam. Mas, os novos motores com a mesma avaliação podem utilizar muito menos energia.” Todas as empresas deviam solicitar reembolsos às empresas eléctricas pela instalação de sistemas e equipamentos deficitários. Paul Twite aponta que construir uma central eléctrica térmica de carvão pode demorar entre 12 a 14 anos. Uma das formas mais simples para que as empresas eléctricas o consigam fazer, sendo rentáveis, passa pela redução do pedido, incentivando as empresas a diminuir o seu consumo de energia mediante a utilização de equipamento mais eficiente. Paul Twite aponta que nem todos os programas de reembolso são iguais e recomenda uma consulta à empresa eléctrica para saber o que oferecem. PUB

Redução de custos com a eficiência energética  
Redução de custos com a eficiência energética  

Autor: Fluke; Revista: oelectricista nº38

Advertisement