Page 1

Espaço Qualidade

Estatuto Editorial

Manutenção ou Monitorização Tão próximo da norma Não existe qualquer fosso entre o que a manutenção industrial e os processos de monitorização e de medição aplicáveis na NP EN ISO 9000:2008. Trata-se de um mesmo desenvolvimento sistémico de controlo eficaz e eficiente das prestações dos equipamentos, no primeiro caso, e dos produtos/serviços (empresa, departamentos, entre outros), no segundo. São os processos de monitorização e de medição que nos dão o feedback do cliente; são as auditorias internas que controlam a aplicação dos processos; é a monitorização e medição dos processos que nos fornece a eficácia de cada processo; é a monitorização e medição do produto que nos fornece informações relativas aos processos de transformação/produção de cada produto/serviço em carteira. Ora, se transportarmos estas noções para o ambiente industrial, ou até mesmo para uma qualquer empresa que transforme um determinado input e crie um output com valor acrescentado (“entra porco, sai chouriço”), então temos uma resenha bem estruturada de como poderá e/ou deverá ser um processo eficaz e eficiente de manutenção. Se não, veja-se: ao criarmos o nosso próprio processo de manutenção, estamos seguramente a criar um esquema processual através do qual vamos fazer o acompanhamento de cada equipamento, para mantê-lo com índices elevados de produtividade. O número de horas de trabalho, o consumo médio do equipamento, o cálculo de desgaste, o desgaste do colaborador, os períodos de assistência técnica de acompanhamento, os consumíveis, a selecção de fornecedores (internos ou externos) de assistência técnica aos equipamentos. Depois deverão ser aferidos os seguintes itens imprescindíveis: qualidade dos equipamentos e análise de custos. Como tão bem diz o ditado “mais vale prevenir que remediar”, a Manutenção deverá servir, indiscutivelmente, para prevenir problemas mais ou menos calculáveis, mas que levarão, seguramente,

a dificuldades extremas que necessitarão de esforços e reforços da empresa – elevados custos no futuro. Há bem pouco tempo trabalhei com uma empresa que não possuía, nem fez qualquer questão de adoptar esse princípio, Manutenção preventiva, actuando apenas na medida das avarias, ou acidentes, ou anomalias, ou deficiências, que poderiam muito bem ser controladas se houvesse um simples plano de manutenção preventiva. Não apenas pela incapacidade do técnico responsável, mas, acima de tudo, pela responsabilidade directa da gestão de topo, que não tinha qualquer percepção sobre como tratar estas questões. Levo, inevitavelmente, as “brasas para a minha sardinha”, que estamos no tempo delas: um bom plano de manutenção, acompanhado por um bom plano “certificável” da organização de toda a empresa, contribuirá seguramente para uma empresa competitiva: reduzo os custos de falhas e melhoro a dispo-

nibilidade dos equipamentos/ facilidades, melhoro o planeamento do trabalho e toda a coordenação com a produção, aumento cada uma das fases do ciclo de vida do equipamento/facilidade, reduzindo apenas e bem a fase de introdução, partindo-se de um elevado estádio de conhecimento e formação, aumento a fiabilidade dos equipamentos/facilidades, crio maior agilidade com a gestão de stocks, aumento os níveis de segurança. Todas estas razões levam a uma melhoria nas condições de trabalho. Esta melhoria leva a um aumento dos índices de satisfação dos meus colaboradores. Inevitavelmente irei ter um aumento no índice de produtividade. Se eu melhorar, não preciso parar.

ESTRUTURA REDACTORIAL Director – Profissional de reconhecido mérito científico, nomeado pela Associação Portuguesa de Manutenção Industrial. Coordenação Redactorial - Profissional no ramo de engenharia afim ao objecto da revista Colaboradores – Engenheiros e técnicos profissionais que exerçam a sua actividade no âmbito do objecto editorial, instituições de formação e organismos profissionais. SELECÇÃO DE CONTEÚDOS A selecção de conteúdos técnico-científicos é da exclusiva responsabilidade do director; A revista poderá publicar peças noticiosas com carácter de publicidade paga nas seguintes condições:

› identificação com a nomeação de Publi-Reportagem; › formato de notícia com a aposição no texto do termo publicidade. ORGANIZAÇÃO EDITORIAL Sem prejuízo de novas áreas temáticas que venham a ser consideradas, a estrutura de base da organização editorial da revista compreende: › Sumário › Editorial › Espaço Qualidade › Artigos Técnicos › Informações APMI › Notícias › Dossier › Reportagem › Publi-Reportagem › Entrevista › Informação Técnico-Comercial

› Tabela Comparativa › Bibliografia › Produtos e Tecnologias › Feiras e Conferências › Publicidade ESPAÇO PUBLICITÁRIO A publicidade organiza-se por espaços de páginas e fracções, encartes e Publi-Reportagens; A tabela de Publicidade é válida para o espaço económico europeu; A percentagem de espaço publicitário não poderá exceder 1/3 da paginação; A direcção da revista poderá recusar publicidade nas seguintes condições: › A mensagem não se coadune com o seu objecto editorial; › O anunciante indicie práticas danosas das regras de concorrência, ou não cumprimento dos normativos ambientais e sociais.

TÍTULO “manutenção” OBJECTO Ciências e Tecnologias do âmbito da Manutenção OBJECTIVO Difundir ciência, tecnologia, produtos e serviços, para a comunidade de profissionais que exercem a sua actividade no sector da Manutenção. ENQUADRAMENTO FORMAL A “manutenção” respeita os princípios deontológicos da imprensa e a ética profissional, de modo a não poder prosseguir apenas fins comerciais, nem abusar da boa fé dos leitores, encobrindo ou deturpando a informação. CARACTERIZAÇÃO Publicação periódica especializada. 8 · MANUTENÇÃO

Pedro Sanches Silva Consultor e empresário

Manutenção ou monitorização: tão próximo da norma  

Autor: Pedro Sanches Silva; Revista: Manutenção nº101

Manutenção ou monitorização: tão próximo da norma  

Autor: Pedro Sanches Silva; Revista: Manutenção nº101

Advertisement