Page 1

Artigo Técnico

Gilberto Santos, Eng. Mec.; MSc.; Ph.D. Escola Superior de Tecnologia IPCA - Barcelos

A importância da manutenção na integração dos sistemas de gestão (qualidade, ambiente e segurança) RESUMO Neste artigo é feita uma abordagem à importância da manutenção referente ao sistema da qualidade, depois ao sistema de gestão ambiental e ao sistema de segurança e saúde no trabalho. Seguidamente é referida a importância da manutenção na integração dos referidos sistemas. Na parte final é abordado o conceito de manutenção para o século XXI com as respectivas conclusões.

INTRODUÇÃO Na conjuntura actual das organizações, a busca da qualidade e da produtividade passa por diversas questões, sendo de salientar, de entre outras, a gestão da qualidade, a formação do pessoal e a manutenção de equipamentos, a par das preocupações ambientais e de segurança.. O papel da manutenção mostra-se essencial na garantia, tanto da qualidade, quanto da produtividade empresarial. Assim, o serviço de manutenção desempenha um papel estratégico na competitividade da empresa, proporcionando a confiança necessária, bem como, a disponibilidade do funcionamento dos processos produtivos, evitando a deterioração e as avarias, por meio da preservação dos equipamentos. A manutenção de equipamentos de produção é, assim, um elemento chave para manter os níveis de produtividade das empresas e, indiscutivelmente para alcançar a qualidade dos produtos. Ao contrário, as avarias em equipamentos produtivos, provocam perdas na produção e na qualidade. Ou seja, máquinas com problemas, a trabalhar de forma inadequada, não produzem produtos dentro das especificações previstas. Nesse contexto mundial, a busca pela maior qualidade e pelo menor custo, tem levado as empresas a darem à manutenção uma atenção estratégica.

têm sido analisadas separadamente. No entanto, Badía (2002) relaciona uma manutenção ineficaz com a necessidade de inspecções mais frequentes, o que eleva o custo do controlo da qualidade. A deterioração das condições óptimas do equipamento, leva a desvios no processo e à perda de qualidade. Assim, a procura da qualidade do processo e do produto, passa por ter um sistema de manutenção bem organizado, sem o qual, o esforço e o investimento realizado em prol de sistema de gestão da qualidade pode ser inteiramente perdido. Segundo Souris (1990), uma manutenção eficaz pode dar-nos garantias de que o processo não perderá a sua capacidade devido a desvios provocados por problemas no equipamento. É do conhecimento geral que Juran demonstrou que 75 a 80% dos problemas de qualidade tinham origem na organização da empresa e entre 20 a 25 % nos operadores de fabrico. Assim, ainda segundo Souris (1990), no domínio da análise das falhas, os engenheiros e técnicos de manutenção utilizam as ferramentas e metodologias dos técnicos da qualidade, apenas porque uns procuram a qualidade do produto e outros, o bom funcionamento dos equipamentos industriais. Assim, segundo Leandro (2008) “a trajectória para alcançar a excelência na qualidade do processo produtivo, e por conseguinte do produto, atravessa as fronteiras dos departamentos, chegando à qualidade da manutenção, sem a qual o montante investido em sistemas de gestão da qualidade pode ser inteiramente perdido”. Daqui podemos concluir que sem um sistema de manutenção devidamente organizado, não podemos falar em qualidade dentro da empresa.

1. MANUTENÇÃO E GESTÃO DA QUALIDADE Segundo Marcorim (2003) “quando se fala em produção de peças por meio de máquinas e equipamentos, a qualidade do produto final é determinada, de entre outros factores, pelo desempenho do equipamento/máquina que o fabrica”, disso não temos dúvidas. Mas tradicionalmente, manutenção e qualidade

‘8 · MANUTENÇÃO

2. MANUTENÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL A crescente necessidade de matéria prima e energia para sustentar a actual sociedade industrial, é em grande parte devido ao crescimento da população


Artigo TĂŠcnico

A evolução histĂłrica da manutenção industrial acompanha o prĂłprio desenvolvimento industrial. Para uma melhor compreensĂŁo do actual cenĂĄrio da manutenção industrial, temos de traçar uma “linha do tempoâ€?. Assim, desde que se começaram a recolher os dados da actividade de manutenção, e analisando a fig. 4, podemos dividir o conceito de manutenção em trĂŞs fases. A primeira pode ser considerada com inicio antes da Segunda Guerra Mundial. EntĂŁo, a manutenção era realizada pelo pessoal da produção, ou seja, nĂŁo havia pessoal especializado para a actividade de manutenção. Tal prĂĄtica era necessĂĄria, pois as empresas necessitavam de reparaçþes nas mĂĄquinas, no menor tempo possĂ­vel. A manutenção era, pura e simplesmente, correctiva. Depois houve um perĂ­odo onde se verificou uma diminuição da mĂŁoobra-industrial, e como consequĂŞncia verificou-se um aumento da mecanização industrial. As empresas procuravam, entĂŁo, maior disponibilidade e confiabilidade do sector de manutenção em prol de uma maior produtividade. Por isso, o seu custo elevou-se significativamente, e como consequĂŞncia surgiram os sistemas de planeamento e controlo da manutenção, os quais davam ĂŞnfase Ă maior disponibilidade das mĂĄquinas e a uma maior vida Ăştil dos equipamentos, nĂŁo esquecendo a diminuição de custos. Esta foi a segunda fase, atĂŠ Ă  dĂŠcada de 80. A partir daĂ­, com as profundas mudanças tecnolĂłgicas, sĂŁo quebrados alguns paradigmas de gestĂŁo nas organizaçþes. Assim, surgem os sistemas automatizados nas indĂşstrias. Com a aparecimento dos computadores e a redução de seu custo, as empresas começaram a utiliza-los no planeamento das actividades de manutenção, bem como, no controlo do inventĂĄrio, recolha e armazenamento de dados, histĂłrico do equipamento, suporte logĂ­stico e apoio ao sistema de custos industriais. Surge, assim, aquele conceito que se prolonga atĂŠ aos nossos dias, ou seja, um conceito de manutenção para o sĂŠculo XXI, que dĂĄ ĂŞnfase: a maior fiabilidade das mĂĄquinas; a melhor segurança; Ă  obtenção de produtos com maior qualidade; Ă s preocupaçþes ambientais; a uma vida mais prolongada dos equipamentos. Assim, chegamos a um conceito onde a qualidade, o ambiente e a segurança aparecem de forma, cada vez mais integrada.

questþes opcionais como, ter uma equipa própria de manutenção, ou esta ser externa. A existência de elementos comuns em diferentes sistemas de gestão, torna a integração possível, independentemente de seus objectivos específicos. No futuro próximo, haverå situaçþes em que o Processo de Certificação continuarå com os três sistemas e os três manuais de forma separada. No entanto, um dos maiores desafios que as empresas terão de enfrentar nos próximos anos, serå com certeza, arranjar formas de integrar procedimentos das vårias certificaçþes a que tem de estar submetidas, por forma a tornar menos burocråtica e mais rentåvel, a sua gestão de processos, sendo certo que nenhum dos referidos sistemas Ê certificåvel, sem um moderno e organizado sistema de manutenção dentro das empresas.

BIBLIOGRAFIA [1] BADĂ?A, F. G. et al (2002) - Optimal inspection and preventive maintenance of units with

UHYHDOHG DQG XQUHYHDOHG IDLOXUHV 5HOLDELOLW\ (QJLQHHULQJ 6\VWHP 6DIHW\, London, 78, 157 >@ -81,25$17�1,2$/0(,'$  Certificação – Guia interpretativo – Sistemas de Garantia da

Qualidade em Empresas de Fundição. APF 1999. >@ .,0852<   0DLQWHQDQFH7ULERORJ\LWVVLJQLILFDQFHDQGDFWLYLW\LQ-DSDQ. Wear 207, pp  >@ /($1'520-*5=(6=(=(6=1*  GestĂŁo de custos indirectos â&#x20AC;&#x201C; custos da manutenção

industrial(G81,&(17525HYLVWD(OHFWU¯QLFD/DWR6HQVX,661 >@ 0$5&25,1 : 5 /,0$ & 5 &   Anålise dos custos de manutenção e de não

manutenção de equipamentos produtivos5HYLVWDGH&LÂŚQFLDH7HFQRORJLDĂ&#x2018;9QvĂ&#x2018; pp. 35-42. >@ 0,56+$:.$9,&725  Manutenção Preditiva â&#x20AC;&#x201C; Caminho para zero defeitos. Makron Books â&#x20AC;&#x201C; Mc Graw Hill. >@ 028%5$<-  Manutenção Centrada em Confiabilidade. Aladon Ltd. Lutterworth. [8] NASCIF, J. (2000) - Manutenção de Classe Mundial5HYLVWD0DQXWHQÂŁÂ&#x;RH4XDOLGDGHQ [9] PASCAL, D. (1997) - 4XDOLW\ 6DIHW\ DQG (QYLURQPHQW Ă&#x2018; V\QHUJ\ LQ WKH VW &HQWXU\ $64 Milwaukee. >@ 6$1726 *,/%(572    O Processo de SugestĂľes na Melhoria ContĂ­nua da Qualidade.

CONCLUSĂ&#x192;O

Comunicação apresentada nas II Jornadas PolitĂŠcnicas de Engenharia. SetĂşbal. >@6$1726 *,/%(572 /,0$ )    Integração de sistemas de gestĂŁo â&#x20AC;&#x201C; a situação em

Portugal &RPXQLFDÂŁÂ&#x;R DSUHVHQWDGD QR 9 &RQJUHVR *DOHJR GD &DOLGDGH 6DQWLDJR GH

Todos os argumentos e citaçþes apresentadas neste artigo, tĂŞm por objectivo, reforçar a ideia que a função manutenção deve ser encarada como estratĂŠgica dentro da organização, e deve ser utilizada na redução dos custos totais do processo de produção como investimento, e nĂŁo como gasto adicional. Ă&#x20AC; luz do ponto de vista estratĂŠgico da redução de custos, apesar de nĂŁo ter sido citado neste trabalho, poderĂ­amos ainda abordar

â&#x20AC;&#x2DC;12 ¡ MANUTENĂ&#x2021;Ă&#x192;O

Compostela. >@ 6$1726*,/%(572 &RRUGHQDGRU   Sistemas Integrados de GestĂŁo - Qualidade, Ambiente

e Segurança3RUWR,6%13XEOLQGÂśVWULD >@ 6285,6-3  Manutenção industrial â&#x20AC;&#x201C; Custo ou benefĂ­cio? Lidel â&#x20AC;&#x201C; Ediçþes TĂŠcnicas.

A importância da manutenção na integração dos sistemas de gestão (qualidade, ambiente e segurança)  

Autor: Gilber to Santos; Revista: Manutenção nº100

A importância da manutenção na integração dos sistemas de gestão (qualidade, ambiente e segurança)  

Autor: Gilber to Santos; Revista: Manutenção nº100

Advertisement