Page 1

Dossier

Schmersal Ibérica, S.L. Nuno Cruz Tel.: +351 219 593 835 · Fax: +351 211 201 575 info-pt@schmersal.com · www.schmersal.pt

A Manipulação, um Assunto Habitualmente Controverso em Relação à Segurança de Máquinas Resumo No ano de 2005, o Instituto de Segurança e de Saúde no Trabalho (BGIA, actualmente IFA) dirigiu um estudo representativo que mostrou que o equipamento de segurança de mais de um terço das máquinas e das instalações se encontra permanentemente ou temporariamente manipulado. Embora se tenham obtido algumas conclusões necessárias a partir deste estudo, pode afirmar-se que, hoje em dia, continua a existir manipulação. Contudo, este artigo demonstra que a manipulação pode ser evitada.

Embora o estudo do BGIA (actualmente IFA) quanto à “manipulação dos equipamentos de segurança” fosse feito há cinco anos, a sua leitura continua a valer a pena e também a sua actualização. Este estudo revelou que mais de um terço das máquinas estão manipuladas ou desactivadas permanentemente (14%) ou, no mínimo, temporariamente (23%) (Nota 1).

Razões plausíveis para manipular A questão principal abordada neste estudo é: Realmente, por que manipulam os operadores “as suas” máquinas, expondo-se, desta maneira, a um perigo? E por que se permite a manipulação por parte de tantos chefes ou responsáveis? As respostas a estas perguntas também são incluídas nos resultados do estudo: A manipulação é fácil para o operador e aparentemente “facilita” o funcionamento da máquina. Do ponto de vista do utilizador e do proprietário da máquina, manipular é, de facto, uma coisa completamente racional: se um dispositivo de segurança for desactivado, não é necessário respeitar tempos de espera incómodos, por exemplo, antes de se poder abrir uma protecção de segurança, o qual elimina consequências adversas no pagamento por produtividade. Frequentemente, a manutenção, a entrada em funcionamento ou a revisão da máquina são impossíveis ou difíceis de levar a cabo sem manipulação. Em outras ocasiões, é requerida uma clara visão geral do processo para evitar dificuldades durante a configuração da máquina ou a supervisão dos ciclos de funcionamento. E, para além disso, manipular não é uma coisa aparentemente difícil de efectuar: Nota 1: Relatório: Manipulação de equipamentos de segurança em máquinas; Hrsg.: Deutsche Gesetzliche Unfallversicherung DGUV (Associação Alemã de Seguros de Acidente), St. Augustin 2006; Descarregar em formato PDF (disponível apenas a versão alemã) em: www. hvbg.de/bgia, código web: 1855742

46 · MANUTENÇÃO

De acordo com o estudo do BGIA, aproximadamente 75% dos operadores de máquinas manipuladas declararam que o equipamento de segurança podia ser desactivado sem dificuldade.

Frequentemente, a manipulação é permitida Uma especial causa de preocupação é o facto dos operadores não estarem avisados sobre os riscos que envolve a manipulação de uma máquina. Não é surpreendente que, de acordo com os peritos, aproximadamente 25% de todos os acidentes que têm lugar com máquinas são devidos a tê-las manipulado. Especialmente alarmante é o facto de que o patrão do técnico de segurança não evite este risco de segurança: em 34% dos casos, a manipulação é permitida ou mesmo esperada. Um estudo dirigido na Suíça em 2008 pela Associação Suíça de Prevenção de Acidentes SUVA chegou a conclusões similares (Nota 2), e o mesmo aconteceu com uma investigação dirigida pela austríaca AUVA.

O diagrama de avaliação ajuda a identificar os pontos fracos Tanto o IFA como o SUVA formulam propostas específicas para evitar o risco de segurança associado à manipulação. O IFA desenvolveu um diagrama de avaliação mediante o qual é possível determinar as vantagens de uma operação de manipulação, de forma a poder identificar-se as possíveis tentativas de manipulação (Nota 3). As tentativas de manipulação são classificadas com um maior nível de gravidade se operações concretas como a configuração, as substituições de peças ou de equipamento ou as operações de limpeza forem realizadas na máquina de uma forma não autorizada Nota 2: Cf. www.suva.ch-> SuvaPro Nota 3: Pode descarregar-se em: www.suva.ch/home/suvapro/branchenfachthemen/ schutzeinrichtungen.htm


Dossier

por meios simples, ferramentas e equipamento de trabalho facilmente acessível, tais como chaves de fendas e facas. Estas normas podem ser cumpridas utilizando interruptores de segurança com actuador codificado (Figura 1) e fixando o actuador do comutador por meio de parafusos à prova de manipulação. Outra possibilidade é utilizar interruptores de segurança para protecções giratórias, que também oferecem um alto grau de protecção contra as manipulações, visto que o mecanismo de actuação se encontra “oculto” dentro do interruptor (Figura 2).

segurança; se esta situação tiver lugar emitem uma mensagem de aviso para que o utilizador possa regular a protecção de segurança de forma oportuna. Estas soluções são ferramentas particularmente úteis para evitar a manipulação. E, por fim, mas não menos importante, os operadores também devem ser envolvidos nas soluções técnicas, proporcionando-lhes claras instruções de funcionamento, que proibam qualquer manipulação dos equipamentos de segurança, e organizando cursos de formação adequados para os sensibilizar sobre os riscos relacionados com o facto de continuar a trabalhar com máquinas manipuladas.

Consultoria de Segurança: assessoramento de peritos O Grupo Schmersal amplia a sua oferta de serviço em relação à segurança das máquinas mais além do desenvolvimento de novos produtos. O novo serviço designado “Consultoria de Segurança” tem como objectivo proporcionar conselhos de amplo alcance aos clientes, como, por exemplo, na implementação e aplicação de directivas e de normas na prática real. Outras questões relacionam-se com a selecção de sistemas de segurança adequados, a sua integração no sistema de controlo e as funcionalidades da máquina, bem como a configuração óptima dos sistemas de segurança programáveis de tipo electrónico. Para além dos temas de segurança, as soluções propostas centram-se sempre na maior produtividade da máquina e, por conseguinte, também na minimização do risco de manipulação.

Figura 3: Com os últimos controlos e botões de liberação de segurança, podem usar-se modos de funcionamento especiais, os quais facilitam as operações de configuração.

O assessoramento oferecido pelos Consultores de Segurança também vai dirigido aos utilizadores, com o intuito de assegurar um funcionamento seguro das suas máquinas e das suas instalações. Outro tema é a modernização e a actualização das máquinas existentes com a última tecnologia em segurança.

Útil: modos de funcionamento especiais A aplicação de modos de funcionamento especiais, como os de “observação do processo”, bem como o uso de botões de liberação no modo de configuração, também pode evitar as tentativas de manipulação (Figura 3). Originalmente, estes modos de funcionamento apenas eram mencionados em algumas normas C. Enquanto isso, foram implementados na revisão da Directiva sobre Máquinas e, por conseguinte, podem ser aplicados em geral para permitir o funcionamento da máquina tendo a protecção de segurança aberta sob determinadas condições. Além disso, foram apresentados no mercado um grande número de comutadores de segurança inovadores, cujas diferentes características construtivas contribuem a evitar a manipulação do equipamento de segurança. Isto inclui, por exemplo, a montagem oculta de interruptores de segurança ou de sensores de segurança, ou o uso de sensores de segurança com princípios de funcionamento inovadores, que oferecem muitas funções adicionais “inteligentes” (Figura 4). Estes comutadores são, por exemplo, capazes de detectar, de forma prematura, desalinhamentos da protecção de

48 · MANUTENÇÃO

Figura 4: As novas gerações de comutadores de segurança oferecem muitas funções adicionais, criando assim condições óptimas para efectuar um trabalho seguro e simultaneamente produtivo.

A manipulação, um assunto habitualmente controverso em relação à segurança de máquinas  

Autor: Schmersal Ibérica, S.L.; Revista: Manutenção nº108

A manipulação, um assunto habitualmente controverso em relação à segurança de máquinas  

Autor: Schmersal Ibérica, S.L.; Revista: Manutenção nº108