Page 1

V Richter-Trummer1, P M G P Moreira2, P M S T de Castro1 FEUP 1 INEGI 2 valentin@fe.up.pt

Artigo Técnico

Medição de tensões residuais Resumo Tensões residuais são solicitações internas presentes em muitas estruturas, mesmo sem aplicação de esforços externos. Estas existem na ausência de esforços externos, e a sua distribuição está necessariamente em equilíbrio. Podem resultar do processo de fabrico, como por exemplo na laminagem de chapas, soldadura de estruturas e construções ou mesmo surgir durante a montagem de componentes. Os efeitos destas tensões residuais podem ser benéficos, geralmente quando são compressivas, ou prejudiciais quando tractivas, pois somando-as às tensões resultantes dos esforços aplicados podem levar à falha imprevista de uma estrutura. Com o presente artigo, pretende-se alertar para a existência destas tensões e para a sua influência na resistência de estruturas. São apresentados alguns métodos de medição disponíveis em Portugal, explicando as suas capacidades, vantagens e desvantagens. Palavras chave: Medição, tensão residual

Introdução Tensões residuais e os seus efeitos em estruturas metálicas Os factores económicos e de eficiência energética actualmente exigidos, por exemplo na indústria de transportes, obrigam a um superior desempenho dos materiais utilizados. Os novos processo de fabrico conduzem a componentes de baixo peso que trabalham perto dos seus limites de resistência. Para garantir que estes trabalhem dentro do limite de segurança de projecto é essencial conhecer com rigor o estado das tensões residuais instaladas. Estas podem ser resultado do processo de fabrico, ou ser induzidas em serviço, durante operações de manutenção ou reparação [1]. As tensões residuais podem ser classificadas quanto à sua escala nos tipos I a III, sendo que as do tipo III são tensões intragranulares, as do tipo II são tensões intergranulares e as do tipo I são tensões que abrangem vários grãos e são, por isso, geralmente designadas como macroscópicas. São estas últimas que originam, em geral, os problemas mais graves em aplicações correntes de engenharia, como por exemplo problemas relacionados com fadiga. Os diferentes métodos de medição de tensões residuais podem ser sensíveis às diferentes escalas de tensão. Tensões macroscópicas podem surgir de processos de tratamento térmico, maquinagem, soldadura ou mesmo a assemblagem de componentes mais complexos. As tensões residuais são tensões que existem num componente sem a aplicação de qualquer carregamento externo. Os seus efeitos podem ser benéficos ou prejudiciais em função do seu sinal (tracção ou compressão) e magnitude. As tensões residuais serão somadas a qualquer tensão devida a uma carga externa, sendo essa soma que determina o estado de tensão local num componente.

de medir directamente a grandeza desejada. Estes métodos podem ser divididos em três diferentes grupos. Os destrutivos, baseados na medição da relaxação resultante de um corte ou outro processo de remoção de material. Os semi-destrutivos, baseados na remoção de uma pequena quantidade de material, que poderá ser viável mesmo em estruturas que estão em serviço. Os não destrutivos, geralmente baseados em processos de difracção, que usam diferentes fontes de energia de forma a medir distâncias dentro dos grãos que poderão ser relacionadas com tensões [2]. A Figura 1 sintetiza dados obtidos em [3–8], permitindo comparar o desempenho de diversos processos de medição quanto à gama de profundidades nas quais podem ser usados. Os dados apresentados pretendem dar uma ideia da ordem de grandeza, dependendo o resultado de muitos factores específicos a cada problema. Na secção seguinte serão referidos alguns dos métodos disponíveis em Portugal para a determinação de tensões residuais. Estes estão sinalizados na Figura 1, estando documentados na literatura técnico-científica resultados obtidos em Portugal usando processos dos três grandes grupos de métodos de medição. Foram obtidos resultados entre a superfície e os 32 mm de profundidade.

a) Alumínio

b) Aço

Métodos de medição disponíveis

Figura 1: Profundidade em relação à superfície para a qual cada método pode ser

Existem diversos métodos de medição de tensões residuais, tendo todos eles em comum a particularidade de não serem capazes

utilizado [3–8]. O sombreado mostra a gama de profundidades de cada método de

8 · MANUTENÇÃO

medição aplicado em Portugal.


PUB

Artigo Técnico

[6] [7]

[8]

[9]

[10]

[11]

[12]

[13]

[14]

[15]

[16]

[17]

[18]

[19]

[20]

[21]

http://www.veqter.co.uk, 2010. P. Webster, L. Oosterkamp, P. Browne, D. Hughes, W. Kang, P. Withers, G. Vaughan, Syn- chrotron x-ray residual strain scanning of a friction stir weld, Journal of Strain Analysis for Engineering Design 36 (2001), 61–70; W. Woo, Z. Feng, X.-L. Wang, D. W. Brown, B. Clausen, K. An, H. Choo, C. R. Hubbard, S. A. David, In situ neutron diffraction measurements of temperature and stresses during friction stir welding of 6061-T6 aluminium alloy, Science and Technology of Welding and Joining 12 (2007), 298–303; J. Mathar, Determination of initial stresses by measuring the deformation around drilled holes, ASME Transactions 56 (1934), 249–254; A. Niku-Lari, J. Lu, J. Flavenot, Measurement of residual stress by the incremental hole- drilling method, Experimental Mechanics (1985), 175–185; G. Schajer, Measurement of non-uniform residual-stresses using the hole-drilling method .2. practical application of the integral method, Journal of Engineering Materials and Technology- Transactions of the ASME 110 (1988), 344–349; G. Schajer, Measurement of non-uniform residual-stresses using the hole-drilling method .1. stress calculation procedures, Journal of Engineering Materials and Technology-Transactions of the ASME 110 (1988), 338–343; ASTM, E837 - standard test method for determining residual stresses by the hole-drilling strain-gage method, ASTM Standard, 2008; Vishay, Measurement of Residual Stresses by the HoleDrilling Strain Gage Method, Technical Note TN-503-6, Vishay, 2007. R. Galatolo, A. Lanciotti, Fatigue crack propagation in residual stress fields of welded plates, International Journal of Fatigue 19 (1997), 43–49; M. Prime, R. Sebring, J. Edwards, D. Hughes, P. Webster, Laser surface-contouring and spline data-smoothing for residual stress measurement, Experimental Mechanics 44 (2004), 176–184; M. B. Prime, T. Gnaeupel-Herold, J. A. Baumann, R. J. Lederich, D. M. Bowden, R. J. Sebring, Residual stress measurements in a thick, dissimilar aluminum alloy friction stir weld, Acta Materialia 54 (2006), 4013–4021; V. Richter-Trummer, P. M. G. P. Moreira, J. Ribeiro and P. M. S. T. de Castro, The contour method for residual stress determination applied to an AA6082-T6 friction stir butt weld, Materials Science Forum, 681 (2011), 177-181; P. M. G. P. Moreira, V. Richter-Trummer, R. A. M. da Silva, M. A. V. de Figueiredo, P. M. S. T. de Castro, Residual stress evaluation of a MIG butt welded aluminium alloy plate, Mecânica Experimental 17 (2009), 29–39; R. A. S. Castro, V. Richter-Trummer, S. M. O. Tavares, P. M. G. P. Moreira, P. Vilaça, P. M. S. T. de Castro, Friction stir welding on T-joints: residual stress evaluation, in: 8.º Congresso Nacional de Mecânica Experimental, Guimarães, April 21-23, 2010; P. Matos, P. M. G. P. Moreira, J. Pina, A. Dias, P. de Castro, Residual stresses around an expanded hole in an aluminum clad sheet, Materials Science Forum 490-491 (2005), 41–46.

MANUTENÇÃO · 11

Medição de tensões residuais  

Autor: V Richter-Trummer, P M G P Moreira, P M S T de Castro; Revista: Manutenção nº108

Medição de tensões residuais  

Autor: V Richter-Trummer, P M G P Moreira, P M S T de Castro; Revista: Manutenção nº108

Advertisement