Page 1

Dossier: Reabilitação

Reabilitação de edifícios antigos As soluções a implementar exigem a caraterização da pré-existência Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático da FEUP Diretor do Laboratório de Física das Construções

1. O FUTURO DA CONSTRUÇÃO PASSA PELA

no mercado de arrendamento, desde que

de desemprego um valor superior ao valor

REABILITAÇÃO

esse apoio seja inferior a 30% do total do in-

do incentivo.

A construção é um setor de atividade indis-

vestimento geram-se cerca de 100 postos

pensável às sociedades modernas e desen-

de trabalho ou se impede que mais traba-

Sem uma estratégia clara e de continuidade

volvidas, no entanto, em cada momento, é

lhadores recorram ao fundo de desempre-

não é fácil ao mercado, nesta conjuntura,

necessário perceber quais as necessidades

go. Esta estratégia não é uma estratégia de

encontrar uma dinâmica para a necessá-

e ajustar as intervenções a essas neces-

subsídio, é uma estratégia de financiamen-

ria reabilitação do património edificado. Se

sidades. Tenho afirmado, há mais de uma

to. Refira-se que o setor bancário não está

nada for feito daqui a uma década todos la-

década, que a reabilitação, nomeadamente

efetivamente a financiar a reabilitação de

mentaremos a falta de visão que conduzirá

a reabilitação do património edificado, é

edifícios. Por outro lado, este financiamento

a vilas e cidades profundamente degrada-

um dos vetores fundamentais do setor da

governamental seria recuperado em muito

das, num país em que o turismo é um dos

construção. Essa reabilitação passará pela

pouco tempo, uma vez que cada milhão de

setores mais dinâmicos.

preservação do património monumental,

euros de incentivos conduziria a uma ati-

pela reabilitação dos edifícios antigos, pela

vidade económica de mais de 3 milhões, o

Aos engenheiros, hoje como no passado,

reabilitação da envolvente e das zonas co-

que significaria que o Estado recuperaria

pede-se conhecimento técnico e capacida-

muns dos edifícios de condomínio de es-

com o IVA, com a TSU e com a redução do

de de gestão financeira, que sempre soube-

trutura porticada de betão armado (cons-

valor que teria de pagar através do subsídio

ram demonstrar. Pede-se também uma vi-

truídos nas décadas de 60, 70 e 80) e ainda pela resolução das patologias construtivas dos edifícios mais recentes, cuja durabilidade é claramente inferior ao período de amortização dos empréstimos bancários. Gostaria de referir que, contrariamente à imagem errada que passa na opinião pública, há um futuro promissor para o setor da construção, cujo contributo para o PIB é sempre muito significativo. Apenas é necessário nesta fase de transição de paradigma - passagem da construção nova para a reabilitação - que o Estado possa alavancar uma estratégia de financiamento recuperável a curto prazo pelos impostos gerados pela própria atividade económica. Concretizando melhor a ideia, pode fundamentar-se que por cada milhão de euros de incentivo financeiro por parte do Estado à reabilitação de edifícios, ocupados ou a ser lançados

24

elevare

Figura 1. Localização dos elementos construtivos.

Reabilitação de edifícios antigos: as soluções a implementar exigem a caracterização da pré-existênc  

Autor: Vasco Peixoto de Freitas; Revista: Elevare nº2

Reabilitação de edifícios antigos: as soluções a implementar exigem a caracterização da pré-existênc  

Autor: Vasco Peixoto de Freitas; Revista: Elevare nº2

Advertisement