Page 1

Yázigi Campo Mourão, a melhor escola Yázigi do Brasil! #Bicampeã

SAÚDE

Síndrome de Down não vem com manual Cuidados na Alimentação Infantil

DISFUNÇÃO FAMILIAR

Acontece onde não há limites

UNIMED

Nova diretoria Gestão 2018/2021

MAIO MÊS DAS MÃES

2

Mãe é de outro mundo!!! CIDADE EM REVISTA

DIREITO

Crimes de Trânsito e Dolo Eventual

AVENTURA

Saúde, Natureza e Solidariedade

DICAS DE LEITURA

A prisão do Rei / Morro dos Ventos Uivantes

FESTAS & EVENTOS

100% Mamãe 15 anos


TRANSPOSIÇÃO SOBRE O RIO DO CAMPO ACESSO AO NOVO CENTRO

+ U M A OB R A E N T R E G U E C OM A QU A L I DA D E I TA I P U

ACESSO AO NOVO CENTRO

5 MESES A c o n s t r u t o r a i ta i p u r e a l i z o u a s obras de transposição do rio do campo e a p av i m e n ta ç ã o d e a c e s s o d o n o v o centro ao residencial ricardo zaleski, u m a i m p o r ta n t e o b r a q u e p o s s i b i l i ta a ligação dos bairros ao centro da cidade que temos orgulho em realizar.

CONSTRUTORA


O B R A D E I N F R A E S T R U T U R A E PAV I M E N TA Ç Ã O

E X E C U Ç Ã O D E I N F R A E S T R U T U R A D E P AV I M E N TA Ç Ã O A S F á LT I C A , D R E N A G E M P L U V I A L , R E D E D E Á G U A E E S G O T O PARA O JARDIM CANADÁ.

PAVIMENTAÇÃO AV. PEDRO VIRIATO

6 MESES R$ 599,7 MIL A c o n s t r u t o r a I ta i p u f o i a v e n c e d o r a d a l i c i ta ç ã o P A R A A P AV I M E N TA Ç Ã O D A AV. P E D R O V I R I A T O , M A I S U M A O B R A D E G R A N D E I M P O R TÂ N C I A P A R A o d e s e n v o lv i m e n t o d e C A M P O M O U R Ã O , e que nós temos orgulho em realizar.

P E D R E I R A I T A I P U . C O M . B R Pedreira 44 3525.1070 44 3529.1200 Rodovia Br 272 | Km 6 Barreiro das Frutas Campo Mourão | PR

Concreteira 44 3523.3191 Rodovia Br 487 | Km 163 Jardim Araucária, Fundos Campo Mourão | PR


ÍNDICE

EXPEDIENTE

editora A. D. Munhós Coletty - Editora Publicação da Editora Rua. São Josafat, 1418 CEP: 87302-170 Campo Mourão PR Telefones 44. 3523-2115 | 9.9978-4242

26 - Unimed nova diretoria

Dr. Rodolfo Cesar Visoni Poliseli – Superintendente; Dr. Eloy Okabayashi Fuzii Presidente; Dr. Dênis Rogério Aranha da Silva – Vice-Presidente.

Email cidadeemrevista@gmail.com ccoletty@gmail.com Jornalista Resonsável Cidinha Coletty - MT/PR 8715 Revisão Cida Freitas Departamento Jurídico Dr. Dirceu Jacob de Souza OAB/PR 55.947 Diagramação Agência BENN

Rotary Galha Azul e APAE Dia 10 de Junho - CTG

36 - Direito Crimes de Trânsito e Dolo Eventual

69 - Dicas de Leitura Ensaio Sobre a Cegueira

48 - Construção Civil Redução de Resíduos Sólidos

Colaboradores Arléto Rocha Beth Ecker Cida Freitas Dirce Bortotti Salvadori Dr. Silvio Coletty Jair Elias dos Santos Junior Marco Aurélio Dias Marcos Noboru Hashimoto Maria Joana Titton Calderari Nelci Veiga Mello Paula Cristina de Souza Roberto Recinella Silvia Novaes Fernandes Fotos Editoriais Banco de Imagens Cidinha Coletty Capa Francine Moraes

80 - Festas & Eventos Festa para bailarina Isabela

94 - Cinema Han Solo

Deus é Fiel 4

www.cidadeemrevista.com

Circulação Distribuição dirigida

/cidadeemrevista CIDADE EM REVISTA


Mãe é de outro mundo!!! “Que saudades da casa de minha mãe!... Como eu gostaria de voltar para lá!” Esse comentário saindo do coração de uma amiga octogenária me fez pensar muito nessa relação incrível de carinho, afeto, amor que existe entre mãe e filhos. O tempo, a idade, a inexorabilidade da vida pode nos distanciar de nossa mãe, mas as raízes deste amor permanecem firmes dentro de nós e indicam o norte da nossa vida, dura jornada neste mundo que quer nos afastar dos valores que nossa mãe nos ensinou. Por mais birras que tivemos feito quando crianças, por mais que testamos a sua paciência em nossa adolescência, por mais que

nos achamos independentes, superiores em nossa juventude, chega o momento, mais cedo ou mais tarde, em que a saudade vai apertar nosso coração e sentiremos falta de sua presença amiga, companheira, carinhosa e lembraremos os seus conselhos, dos seus ditos intuitivos e tão certeiros... ”Vira essa boca pra lá, heim, mãe!!!”“É minha mãe tinha razão...” Para os que ainda tiverem sua mãe ao seu lado e muitas vezes teimam em não escutá-la, a comparação entre a mãe e o mundo da escritora Martha Medeiros ajuda e entender melhor o valor da mãe e saber que “ Mãe é bom em qualquer idade. Sem ela, ficamos órfãos de tudo, já que o mundo lá fora não é nem um pouco maternal conosco.” CIDADE EM REVISTA

5


Realmente o mundo não se importa conosco, só quer defender os seus interesses e não os nossos. Não liga se passamos fome, frio, se ficamosa noite fora de casa, se andamos em má companhia, se adoecemos, se estamos tristes, solitários... Não sabe dos nossos medos de infância, não nos acolhe em sua cama quando os pesadelos da vida nos acordam na noite escura, não acompanhou nossa luta para tirar boas notas no colégio, para arrumar um emprego, para construir nossa vida, para acolher nossos filhos recém-nascidos. “O mundo quer nosso voto, mas não quer atender nossas necessidades. O mundo, quando não concorda com a gente, nos pune, nos rotula, nos exclui. O mundo não tem doçura, não tem paciência, não pára para nos ouvir; diz Martha. “O mundo quer que a gente fique horas ao telefone, torrando dinheiro. Quer que a gente case logo e compre um apartamento que vai nos deixar endividados por vinte anos. O mundo quer que a gente ande na moda, que a gente troque de carro, que a gente tenha boa aparência e estoure o cartão de crédito.

6

CIDADE EM REVISTA


Mãe também quer que a gente tenha boa aparência, mas está mais preocupada com o nosso banho, com os nossos dentes e nossos ouvidos, com a nossa limpeza interna: não quer que a gente se drogue, que a gente fume, que a gente beba.” “O mundo nos olha superficialmente. Não consegue enxergar através. Não detecta nossa tristeza, nosso queixo que treme, nosso abatimento. O mundo quer que sejamos lindos, sarados e vitoriosos para enfeitar a ele próprio, como se fôssemos objetos de decoração do planeta. O mundo não tira nossa febre, não penteia nosso cabelo, não oferece um pedaço de bolo feito em casa.” “Mãe é de outro mundo. É emocionalmente incorreta, exclusivista, parcial, metida, brigona, insistente, dramática, chega a ser até corruptível se oferecermos em troca alguma atenção. Sofre no lugar da gente, preocupa-se com detalhes e tenta adivinhar todas as nossas vontades, enquanto o mundo, propriamente dito, exige eficiência máxima, seleciona os mais bem-dotados e cobra caro pelo seu tempo. Mãe é de graça”conclui Martha. Obrigado mãe por todas as marcas que imprimiu em meu coração. Parabéns a todas as mães que dia após dia continuam indo contra a maré do mundo e fazem a sua parte! *Maria Joana Titton Calderari – graduada Letras UFPR, especialização Filosofia-FECILCAM e Ensino Religioso-PUC, membro da AML de Campo Mourão- majocalderari@yahoo.com.br

CIDADE EM REVISTA

7


Há alguns anos, mulheres e crianças eram consideradas incapazes. Não opinavam e, muito mesmos ocupavam funções de importância onde quer que seja. Mulheres deveriam apenas desempenhar papeis de boa filha e/ou excelente esposa. As habilidades desenvolvidas por elas estavam relacionadas ao status familiar. Crianças, por sua vez, deveriam ser educadas conforme os padrões vigentes na sociedade da época. A evolução social e tecnológica resultou em mudanças significativas. Paulatinamente, a mulher foi incluída no mercado de trabalho. Inicialmente em atividades de pouco signifi10

CIDADE EM REVISTA

cado e, recebendo também valores correspondentes a isso.. Porém, com o acesso à escolaridade, conseguiu evoluir e adentrar às várias profissões, provando sua competência e aprimoramento. Graças aos meios de comunicação e tecnologia vivenciamos uma verdadeira revolução, o que justifica o tema proposto para este artigo. Estamos presenciando, todos os dias, uma série de posturas que provam a presença de distorções no âmbito familiar, como também em outras instituições onde a agressividade e falta de postura adequada se fazem presentes.


À época, a qual nos reportamos inicialmente, apenas a figura do pai e do marido representava o poder de mando no lar. Porém, com o advento da evolução social, o poder de decisão passou a ser compartilhado pela esposa. A gestão familiar passa a ser responsabilidade dos pais. Tudo parece caminhar bem. Mas, a contemporaneidade nos trouxe a evolução dos meios de comunicação, o avanço capitalista com a idéia de consumo, o afastamento familiar dos hábitos religiosos, a filosofia liberal e moderna e muitos outros fatores que, como conseqüência, redundaram num descaminho familiar. Assistimos hoje, manifestações que extrapolam nosso entendimento e aceitação. Pais inseguros e despreparados para educar e orientar os próprios filhos. Ignoram a importância e responsabilidade de seu papel para a formação dos futuros cidadãos e cidadãs. Não conseguem dizer um NÃO ao mais simples capricho infantil. Assustam-se diante de qualquer ato de indisciplina de um adolescente. É mister que saibam da responsabilidade que têm, para agir com firmeza e segurança, em prol da construção e preparo daqueles que estão sob sua tutela.

CIDADE EM REVISTA

11


É importante que tenham bem claro que pessoas pretendem formar. O que querem, verdadeiramente, para seus filhos. Se os pais não os prepararem para conviver com os NÃOS, tão comuns no decorrer da existência, quem o fará? Como aceitar o argumento de alguns que alegam, não orientar numa religião, para que os mesmos façam isto quando forem adultos? Como eles estarão aptos a escolher, se nada lhes foi ensinado? A educação principia pequenas coisas, tais como: estimular o hábito de agradecer, cumprimentar as pessoas, pedir licença, respeitar os mais velhos, carregar uma compra, auxiliar nos pequenos serviços caseiros, oferecer o assento aos mais velhos, falar em tonalidade adequada, etc... Coisas que dependem de atenção diária dos pais na ação em qualquer lugar em que estiverem junto com os filhos e filhas. Observamos, diariamente, pais que atravessam a rua, com os filhos, fora da faixa; ou, utilizam vagas de idosos e cadeirantes alegando pressa; e outras pequenas atitudes que favorecem um aprendizado negativo aos filhos. Somos uma verdadeira escola para eles. O exemplo é muito mais funcional que a palavra. Muitos de nossas autoridades e políticos foram mimados e cresceram sem limites. Agora continuam fazendo o que a vontade lhes convém, sem pensar nas conseqüências que, por certo, atingirá toda a sociedade.

12

CIDADE EM REVISTA


Como compreender pais que se transformaram em motoristas dos próprios filhos? Além de mantenedores, o que é compreensível, até certa fase da vida, atendem todos os seus desejos, fazendo enormes sacrifícios. Porque o adolescente não pode ir à escola a pé? Porque os filhos devem definir os programas de férias, se na verdade, são os pais que financiam? Não me refiro à pedida de opinião aos mesmos. Mas sim, àquelas situações de imposição tão próprias daqueles que só fazem o que quer. Por que deixá-los definir o cardápio quando estão em grupo? Isto também acontece onde não há limites. Porque não estabelecer regras saudáveis dentro de casa? Refiro-me apenas àqueles casos onde a criança não tem mais hora para dormir, nem para comer e que já impõe seus desejos e os pais, em uma postura incompreensível, alegam que não sabem o que fazer. Evidentemente, esse problema não é comum a todas as famílias, mas permeia grande parte delas. É mister refletir, rever nossas atitudes, para podermos viver em harmonia. *Beth Ecker 14

CIDADE EM REVISTA


Apoio: Telefone: 44. 99978-4242 | 3523-2115 cidadeemrevista@gmail.com


A Síndrome de Down não vem com manual, vem com pais que nunca desistem. *Cidinha Coletty

A Luíza Vitoria é um exemplo, garotinha bem tranquila que trouxe muita alegria à vida do casal Bruna Lima e Cleyton Manoel dos Santos, funcionário do Banco do Brasil. Estamos falando da Luíza Vitória Lima dos Santos, hoje com 3 anos e 7 meses. Linda e meiga já frequenta a APAE de Roncador, onde reside. Além disso, ela é bem assistida pelos pais que procuram todo tipo de atendimento para melhorar sua vida, Luíza faz terapias particulares em Campo Mourão uma vez na semana, assim como fonoaudiologia, fisioterapia e terapia ocupacional. O dia da Luíza começa cedo, ela vai para a escola de manhã e à tarde ela fica com a mamãe Bruna que parou de trabalhar para se dedicar exclusivamente à filha. A mamãe da Luiza conta que ela é uma criança muito querida, não dá trabalho nenhum, dorme à noite toda no quartinho dela (desde o primeiro mês de vida), não é de chorar, alimenta-se muito bem (come de tudo, até jiló e quiabo acredita? kkkk). Essa garotinha Luíza é uma princesinha, paciente do consultório do Dr. Silvio Coletty desde o primeiro ano de vida, por isso conhecemos tão bem o casal e temos grande admiração, eles são pura inspiração, amor e dedicação. Que Deus em sua infinita bondade continue derramando bênçãos sobre vocês Bruna e Cleyton.

16

CIDADE EM REVISTA


Você sabe o que é Síndrome de Down? Síndrome de Down (SD) é, essencialmente, um atraso do desenvolvimento, tanto das funções motoras do corpo, como das funções mentais. Um bebê com SD é pouco ativo, molinho, o que chamamos hipotonia. A hipotonia diminui com o tempo, e a criança vai conquistando, embora mais tarde que as outras, as diversas etapas do desenvolvimento: sustentar a cabeça, virar-se na cama, engatinhar, sentar, andar e falar.

Comunicação: Oral, Escrita, Voz, Disfagia, Audição, Motricidade Oral, Ronco/Apnéia

“Nada é mais deficiente que o preconceito, e nada mais eficiente que o amor!”

LUCIAVIELFONO@HOTMAIL.COM

R. SÃO JOSAFAT, 1418 SALA 37 - 3º ANDAR CENTRO MÉDICO CAMPO MOURÃO

Arte: Cidade em Revista

44.3523-1149


Como se reconhece a SD? Há sinais físicos que acompanham, em geral, a SD, e por isso ajudam a fazer o diagnóstico. - hipotonia; - abertura das pálpebras inclinada com a parte externa mais elevada; - prega da pálpebra no canto interno dos olhos como nas pessoas da raça amarela, por exemplo, japoneses; - língua protrusa (para fora da boca); - prega única nas palmas das mãos. Há outros sinais físicos, mas variam de bebê para bebê. Qualquer casal pode ter um filho com essa síndrome? Sim, qualquer casal pode ter um filho com SD, não importando sua raça, credo ou condição social. Entretanto, a chance de nascer um bebê com SD é maior quando a mãe tem mais de 40 anos ou então é muito nova.

18

CIDADE EM REVISTA


Existe Cura? Até o momento, não há cura, embora no mundo inteiro se façam pesquisas nesse sentido. A SD é uma anomalia das próprias células, e não existem drogas, vacinas, remédios, escolas ou técnicas milagrosas capazes de curá-la. Atualmente, são realizados programas de estimulação precoce que visam favorecer o desenvolvimento motor e intelectual das crianças com SD. Esses programas indicam melhoras no desempenho da criança durante os primeiros anos de vida, mas ainda não se sabe exatamente qual sua contribuição efetiva após esse período. A estimulação precoce não é a cura da SD, mas fornece as oportunidades para o desenvolvimento do potencial da criança. AS crianças com SD apresentam problemas de saúde? Existem alguns problemas e doenças que as crianças com SD têm com maior frequência, tais como: - má formação cardíaca, em metade dos casos; - Alteração da audição 80% casos; - má formação do intestino; - deficiência imunológica; - problemas respiratórios; - problemas de visão e audição; - problemas odontológicos; É conveniente, em qualquer dos casos, procurar a orientação para o tratamento adequado. Como é o desenvolvimento da criança com SD? O desenvolvimento da criança com SD ocorre em um ritmo mais lento que o das crianças normais. O bebê, devido á hipotonia, é mais quieto, tem dificuldade para sugar, engolir, sustentar a cabeça e os membros. A hipotonia diminui aos poucos até desaparecer. Embora haja atraso no desenvolvimento motor, isso não impede que a criança aprenda suas tarefas diárias e participe da vida social da família. Fonte: Centro de Formação e Pesquisa da Sindrome de Down – São Paulo, SP

CIDADE EM REVISTA

19


Corpo Clínico:

Dr. Keiti Shirasu Oftalmologia CRM 22464

Dra. Jussara Brito Oftalmologia CRM 27527

Dr. Marcelo Brito Oftalmologia CRM 18871

Dr. Diego Neves Oftalmologia CRM 24523

Referência em Oftalmologia Equipe de especialistas em todas as áreas oftalmológicas

visoclinique.com.br 2

CIDADE EM REVISTA


Arte: Cidade em Revista

Dr. Marcelo Balabuch Ortopedia CRM 28528

Dra. Amanda Helena Fisioterapia Dermato Funcional

CREFITO 8 128929 F

Dr. Michel Carlet de Lima Especialista em ortodontia e clínico geral.

CRO/PR: 20.799

Dra. Ana Paula Cruz Nutrição CRN 8:4165

A Viso Clinique é um dos maiores e mais modernos centros de Oftalmologia nas áreas clínicas e cirúrgicas de Campo Mourão e região. A equipe de médicos especializados, altamente qualificados e atentos aos avanços da medicina, presta atendimento completo desde a primeira consulta até a cirurgia. Com infraestrutura moderna aliada às tecnologias de ponta, realiza consultas, exames e cirurgias, como: Plástica Ocular e Estética, Catarata, Córnea, Retina e Cirurgia Refrativa. O Centro de Oftalmologia e Bem-estar conta ainda com uma equipe de múltiplas especialidades na área da saúde, visando ao bem-estar e qualidade de vida para todos os seus pacientes.

Dra. Edna Maria N. de Rezende Psicologia CRP: 08/20.589

Maristela Falbota Podologia

Agende sua consulta: 44. 3523 2121 Rua Harrison José Borges, 652 Centro - Campo Mourão - PR VisoClinique visoclinique.com.br


O PERIGO ALIMENTAR DAS VITAMINAS. 22

CIDADE EM REVISTA


As regras alimentares da casa de meus pais tinham os seus princípios na mineirice de contornos judaicos da minha avó materna e na herança cultural dos italianos do meu lado paterno. Enquanto os italianos não se preocupavam muito com as misturas alimentares, para a avó materna não se podia misturar algumas frutas entre si e com o leite. Assim, mamão, banana, laranja, tangerina, abacaxi, manga e uva eram frutas que não podiam ser comidas antes do almoço devido ao leite bebido no café da manhã. Além disso, a ingestão de qualquer uma destas frutas eliminava a possibilidade de outra, pelo menos nas próximas duas ou três horas. Não se misturavam frutas e alguns tipos de carne, a avó não nos permitia fazê-lo e também não se misturava carnes e leite.

Estas eram as regras e ela as cumpria e cuidava pra que fizéssemos da mesma forma. Minha madrinha Amélia, que também fora madrinha de casamento de meus pais, era uma portuguesa muito querida e tanto minha mãe quanto minha avó gostavam muito dela e me levavam a visitá-la com frequência. Excelente cozinheira, sua mesa era sempre farta e ela gostava de nos mimar servindo as guloseimas de nossa preferência. Numa das visitas que lhe fizemos, minha madrinha nos apresentou o liquidificador, objeto ainda desconhecido da maioria dos brasileiros e que só nos anos finais da década de 1950 chegara ao interior do país.

CIDADE EM REVISTA

23


Minha avó olhou para aparelho com um ar de desconfiança e não escondeu seu desagrado quando minha madrinha picou um mamão, uma banana e um abacate e os colocou no tal aparelho, acrescentado a seguir o leite e o açúcar. A avó deixou bem claro pra minha madrinha que não gostava do que via quando ela me ofereceu um copo da tal “vitamina”. - Credo em cruz, comadre. A menina não pode beber disso não! Isso é veneno! Onde já se viu! Não bastasse misturar estas frutas ainda colocou leite e açúcar? Isso pode matar a criança! - Não, comadre, não é veneno não e fica muito gostoso. Meus filhos tomam todos os dias. Deixa a menina experimentar; tomar pelo menos um pouquinho pra acalmar as lombrigas. Coitadinha! Ela vai ficar com vontade. Mas não teve conversa. Nada havia que convencesse a avó que eu poderia tomar aquilo sem correr risco de vida. Como eu olhasse pra vitamina com olhos gulosos ela se apressou finalizando a visita, e fomos para casa. Minha madrinha não escondeu a desolação frente à teimosia da avó, mas como era uma pessoa paciente e educada, não quis contestá-la novamente e deu-se por vencida.

24

CIDADE EM REVISTA


Durante todo o trajeto para casa, enquanto eu protestava por não ter provado a tal vitamina, a avó maldizia as coisas modernas e previu que elas ainda seriam responsáveis pelo fim do mundo. Ao me entregar em casa, contou o acontecido a minha mãe e vaticinou que se passaria muito tempo até que ela voltasse à casa da minha madrinha comigo. Anoitecia quando minha madrinha e meu padrinho chegaram a nossa casa com uma jarra de vitamina. Explicaram para meus pais do que se tratava e que resolveram levar a vitamina até nossa casa, temendo que eu ficasse doente de vontade de experimentá-la. Vencendo as relutâncias de minha mãe, adapta dos hábitos e costumes da avó, tomamos a tal da vitamina e combinamos de nada contar a avó para não magoar os seus sentimentos. Assim o fizemos.

Mas a avó, em certa medida, tinha razão, pois a partir desta data, sempre que eu tomava as tais vitaminas, acordava, na madrugada, sentada sobre o telhado de nossa casa, que, no entanto, se mantinha com portas e janelas bem fechadas. Nunca desvendamos qual era o sortilégio que me permitia sair de casa sem abrir portas e janelas e subir ao telhado sem qualquer escada nas proximidades. Esse se tornou um segredo em nossa casa e nem mesmo a avó soube dele. Quase três décadas depois deste dia, enquanto eu fazia uma vitamina de mamão e abacate para a avó, na cozinha de minha casa - e no liquidificador que meus padrinhos me trouxeram como presente de casamento - recordei-lhe esta história, omitindo, no entanto, meus passeios noturnos sobre o telhado. Juntas rimos a não poder mais. *Dirce Bortotti Salvadori, escritora

CIDADE EM REVISTA

25


QUALIDADE PARA PROGREDIR

Gestão 2018 – 2021: Dr. Rodolfo Cesar Visoni Poliseli – Superintendente; Dr. Eloy Okabayashi Fuzii – Presidente; Dr. Dênis Rogério Aranha da Silva – Vice-Presidente.

Considerada a maior cooperativa médica do mundo, o sistema Unimed teve início na cidade de Santos (SP), em 1967, “fruto da vontade de um grupo de médicos de se contrapor ao mercantilismo rasteiro que colocava em risco a atividade médica responsável e ética em nosso País”, segundo relatos da época. Hoje, é inegável a pujança do sistema, com números invejáveis para qualquer empresa de qualquer ramo de negócio – “Top of Mind®” – DataFolha, por 25 anos como plano de saúde mais lembrado pelos brasileiros; 96 mil empregos diretos; 29% de participação no mercado nacional de planos de saúde; 15 vezes consecutivas o plano de saúde em que os brasileiros mais confia (Revista Seleções/Ibope Inteligência); 18 milhões de beneficiários; 21º lugar entre as marcas mais valiosas do país, com valor de R$2,817 bilhões (Brand Finance), 114 mil médicos cooperados. Em Campo Mourão, a Unimed foi fundada através das mãos de médicos corajosos e visionários em 24 de outubro de 1989 e iniciou suas atividades com uma grandiosa missão: oferecer serviços na área de saúde com qualidade, segurança e tranquilidade aos seus clientes, permitindo remuneração digna ao profissional médico.

26

CIDADE EM REVISTA

Desde então, seguir estes passos tem sido um grande desafio aos conselhos diretores que passaram à frente da Unimed Regional de Campo Mourão. Cada gestão enfrentou inúmeros desafios, cada um proporcional à sua época: iniciar um trabalho novo na região, formar rede credenciada, ampliar parcerias e convênios com grandes empresas, solidificar a imagem da marca na cidade e circunjacências. Em especial atenção neste último triênio (2015/2018), quando estive fazendo parte da Diretoria Executiva da Unimed Regional de Campo Mourão como Diretor Superintendente, e com mais dois colegas médicos, amigos e companheiros – Dr. Eufanio Estefano Saqueti, presidente e Dr. Denis Rogerio Aranha da Silva, vice-presidente, além de todo um conselho administrativo, tivemos um olhar totalmente voltado a assistência ao beneficiário, com ampliação de novos serviços – Espaço Saúde, Oncologia, Atendimento Unimed, Programa MAS (Mais Atenção a Saúde), SAD (programa de desospitalização), além de termos instituído a figura da Enfermeira Visitadora, que tem proporcionado um apoio extra às equipes de enfermagem dos hospitais de Campo Mourão, na resolução de problemas dos beneficiários Unimed internados.


Arte: Cidade em Revista

Neste próximo triênio (2018/2021), o novo conselho administrativo se deparará com os desafios que continuam, como ampliar a carteira de clientes, melhorar a assistência hospitalar e no atendimento Unimed, dar continuidade às obras do hospital próprio, otimizar e ampliar o leque de novos negócios, de maneira a oferecer saúde de qualidade aos nossos beneficiários, além de continuar proporcionando condições de trabalho e remuneração aos cooperados. Uma balança nada fácil de se manter equilibrada. Sabemos que a empresa tem crescido, porém nada se sustenta se não houver qualidade. E digo, qualidade de ponta a ponta, desde a oferta e compra do plano, passando pelo atendimento, liberação de guias e exames, auditoria, informatização de dados, sistema de intercâmbio com outras singulares, faturamento, prestação de contas, realização de exames e consultas nos prestadores e credenciados, cirurgias, internações e alta dos pacientes. Tudo isso parece complexo, mas há toda uma estrutura por trás que necessita de investimentos físicos e em pessoas, treinamento e mais treinamento, reuniões, dedicação, atenção, competência, e acima de tudo, amor naquilo que faz. Só assim, a qualidade virá. E neste ano, a Unimed Regional de Campo Mourão estará participando da Resolução Normativa (RN) 277 da Agência Nacional de Saúde (ANS), que institui o Programa de Acreditação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde.

Conseguir tal certificação é a meta e o sonho de muitos, mas somente pelo fato de estarmos fazendo parte deste processo já obtivemos dados e informações valiosas para o crescimento sustentável da cooperativa. Lidar com saúde, não é uma tarefa fácil, pois confrontamos não somente a doença em si, mas esperanças, sonhos, desilusões. Mas ser uma empresa perene, tem mostrado que a Unimed tem tido mais acertos que erros, e juntando ciência médica e o viver no cotidiano, nos leva a um dizer do renomado filósofo prussiano Immanuel Kant: “Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada. ” Com estes sentimentos de organização, sabedoria, ciência e conhecimento, tenho fé em Deus que tudo dará certo nos anos vindouros. Dr. Eloy Okabayashi Fuzii Presidente Unimed Regional Unimed Campo Mourão Triênio 2018/2021

CIDADE EM REVISTA

27


CUIDADOS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL Durante o verão, as crianças perdem elevada quantidade de líquidos e minerais devido ao aumento da temperatura corporal e à transpiração excessiva, ocorrendo uma conseqüente diminuição do metabolismo basal. A frequência de doenças veiculadas por alimentos (DVAs) é elevada nessa época do ano, pois em locais de férias, tais como praia, campo e clubes, os alimentos se encontram expostos e, geralmente, em temperaturas inadequadas de conservação, permitindo a proliferação bacteriana (principalmente de Salmonella sp e Escherichia Colli), ocasionando quadros de diarreia, náuseas e vômitos, que poderão comprometer gravemente a saúde das crianças. Além disso, ingestão de alimentos com altos teores lipídicos, carboidratos simples e condimentos contribui para o desequilíbrio nutricional.

28

CIDADE EM REVISTA

É recomendável, nessa época do ano, o consumo de preparação com baixos teores calóricos, lipídicos e sódicos, priorizando a ingestão abundante de líquidos para prevenção da desidratação. COMENTÁRIOS Hidratação e alimentação regrada e segura do ponto de vista microbiológico e fotoproteção são essenciais para um verão tranquilo. A água deverá ser oferecida em pequenos volumes, fresca, várias vezes ao dia, mesmo que a criança não solicite, baseando-se sempre na regra de Holliday. É importante certificar-se da qualidade do saneamento básico do local escolhido para as férias e, se necessário, utilizar água mineral. Não devemos nos esquecer de estimular o consumo de sucos naturais, água de coco e chás no lugar de refrigerantes, visto que a oferta hidroeletrolítica é mais adequada à ocasião.


Os sorvetes ou picolés à base de água e polpa de frutas também são excelentes opções. Sabe-se que quando a criança manifesta sede, o estado de desidratação já está estabelecido. Não espere a sede chegar para estimular a oferta hídrica. As carnes magras são as mais indicadas para essa época, por serem de fácil digestão e mais saudáveis. Opte pelas carnes brancas de aves e peixes e cortes de carne vermelha magra. Quanto à forma de preparação, varie entre cozidos, grelhados e assados, deixando de lado as frituras que não combinam com o clima quente do verão, além de serem calóricas. Cuidado com os alimentos à base de leite, gordura e ovos, pois necessitam de refrigeração adequada, sendo os principais responsáveis pelas intoxicações alimentares. Inclua saladas coloridas na dieta infantil, optando por frutas legumes ricos em carotenoides, que estimulam a síntese de melanina, aumentando a resistência da pele aos raios solares. Evite oferecer frutos do mar para crianças menores de 2 anos, em razão do risco de intoxicação.

CIDADE EM REVISTA

29


Highlights - Durante o verão, as crianças perdem elevada quantidade de líquidos e ocorre uma consequente diminuição do metabolismo basal. - É recomendável, nesta época do ano, o consumo de preparações com baixos teores calórico, lipídico e sódico, priorizando a ingestão abundante de líquidos para prevenção da desitratação. - A água deverá ser oferecida em pequenos volumes, fresca, várias vezes ao dia, mesmo que a criança não solicite, baseando-se sempre na regra de Holliday. - Não devemos nos esquecer de estimular o consumo de sucos naturais, água de coco e chás no lugar de refrigerantes. - Opte pelas carnes brancas de aves e peixes e cortes de carne vermelha magra. - Inclua saladas coloridas na dieta infantil, optando por frutas legumes ricos em carotenoides, que estimulam a síntese de melanina, aumentando a resistência da pele aos raios solares. Evite oferecer frutos do mar para crianças menores de 2 anos, em razão do risco de intoxicação.

30

CIDADE EM REVISTA


SEXTA FEIRA, 20 HORAS A primeira saiu esfuziante do salão de beleza. Resplandecia como uma capa de revista. Os cabelos lisos e brilhantes, graças a uma chapinha bem feita, as mãos com unhas vermelhas combinando com as dos pés calçados em rasteirinha de pérolas. Seu dia tinha sido calmo como sempre: acordou às nove, tomou seu iogurte com linhaça e foi malhar. Tudo muito saudável! Depois de um banho e creme pelo corpo todo, retirou do freezer a comida congelada, tomou seu suco de uva, descansou, viu as notícias pela TV e foi ao shopping.

32

CIDADE EM REVISTA

A segunda chegou em casa suando depois de um dia exaustivo de trabalho. Saiu às seis e meia da manhã, pegou ônibus e chegou ao trabalho em tempo de passar o cartão. O telefone não deu descanso. Às vezes, olhava para suas unhas mal feitas e pensava em se teria tempo para lixar e passar uma base. O almoço no refeitório da empresa não estava nos bons dias e assim, voltou correndo para sua sala na recepção. A tarde foi pior: muita gente inquieta, telefone tocando sem parar e seu rosto como uma máscara de alegria fingida desejando a todos “boas vindas”!


A terceira estava cansada de dar dó! Já era final de tarde e aquela “coisinha linda”, codinome sua neta, não dera descanso! Era suquinho, frutinha, papinha, aguinha e mais quantos inhas havia! Tinha esquecido de como uma criança de quase um ano dava trabalho... Quando pensou que ela dormia como um anjo, correu no chuveiro e de cócoras tentou lavar seus cabelos mas teve que sair com ele pingando condicionador porque seu bebê já estava de pé no berço reclamando companhia. Mas era tão gratificante! Não cansava de olhar aquela criança tão perfeita e linda, filha da sua filha, que sorria feliz ao ouvir a música do cocoricó! Terminou de trocar a fralda molhada e ouviu o barulho da chave na porta. A mãe chegou!

A quarta voltou do motel com um sorriso nos lábios. Estava feliz apesar de saber que aqueles encontros só podiam acontecer nas sextas feiras à tarde. Ela se preparava desde cedo para isso. Enquanto colocava roupa na máquina de lavar já passava o vestido de alcinhas para vestir e, no banho demorado, o ritual se completava: depilava pernas, axilas e virilha, lavava os cabelos, secava, esfregava cuidadosamente o óleo perfumado no corpo. Depois de uma refeição ligeira seguia em seu carro ao local previamente combinado. Fazia tempo que esses encontros aconteciam e ela, muitas vezes, gostaria de poder acabar com eles por saber que não tinham futuro algum. Mas eram tão bons! Ela se sentia viva novamente! Não sabia como outras mulheres conseguiam ficar tanto tempo sozinhas, sem “um homem prá chamar de seu”. O relógio marcava 20 horas e as quatro chegaram praticamente, juntas na frente do bar tão conhecido!

CIDADE EM REVISTA

33


A porta se abriu e a música se fez ouvir.

Eram amigas há tanto tempo!... Encontravam-se nos aniversários, casamento de filhos, batizado de netos, restaurantes, velórios... Assistiam a filmes e futebol juntas, choravam, riam e torciam...Aos domingos, juntavam suas panelas para um almoço recheado de conversas e confissões... Viajavam e, cada duas em apartamento de hotel, se juntavam para planejar o que fazer.

34

CIDADE EM REVISTA

Cabeças se voltaram para olhar e cada uma delas entrou triunfante, carregando sua história e expectativa. A noite começava. Tornaram-se iguais. Era bom estar ali. *Silvia Novaes Fernandes é escritora e poeta, formada em Letras, membro da AME de Campo Mourão e possui um blog: www.prosapoemapastel.wordpress.com


CRIMES DE TRÂNSITO E DOLO EVENTUAL

R

eacendeu-se recentemente, diante de notícias divulgadas pela mídia nacional, regional e local, o debate acerca da possibilidade de que os crimes de trânsito possam vir a sofrer reprimenda criminal mais rigorosa, sob o prisma do dolo eventual. E se tais providências resultam acertadas. Neste sentido, verificou-se a submissão a julgamento perante o Tribunal do Júri de figuras notórias, e de outras nem tanto; diante da oferta de denúncia(s) pelo Ministério Público contra estes (e consequentes ações penais) pela prática de crime de homicídio doloso e não culposo – por dolo eventual, resultantes de acidentes de trânsito. Alguns resultando em condenação, outros em desclassificação pa ra crime culposo, e até em absolvição. Em apertada síntese, entenda-se de início, o conceito de crime. Sob o aspecto material, crime/delito consiste em toda ação ou omissão, imputável a uma pessoa, lesiva ou perigosa a interesse penalmente protegido, constituída de determinados elementos e

36

CIDADE EM REVISTA

eventualmente integrada por certas condições, ou acompanhada de determinadas circunstâncias previstas em lei; ouseja, é a violação a um bem jurídico penalmente protegido (vida, patrimônio, etc.). Sob o aspecto formal, crime é um fato típico e antijurídico. Fato típico é o comportamento humano (positivo ou negativo) que provoca um resultado (em regra) e é previsto na lei penal como infração (ex.: conduta humana que causa a morte de um homem). Só a(s) conduta(s) previamente prevista(s) em lei como crime(s), poderá(ão) ser como tal(is) reprimida(s) pela atuação estatal (Princípio da Legalidade). Antijuridicidade é a relação de contrariedade entre o fato típico e o ordenamento jurídico, de forma que um fato pode até ser típico (previsto em lei como crime), mas se a conduta não for reprovável e encontrar-se conforme as hipóteses em que a lei exclui a antijuridicidade (legítima defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento do dever legal e ex ercício regular de direito), não haverá que se falar em crime (é fato típico, mas não antijurídico).


Por sua vez, a culpabilidade, que consiste na reprovação da ordem jurídica em face de estar ligado o homem a um fato típico e antijurídico, não é requisito do crime, mas funciona como condição de imposição da pena; a gerar reprovabilidade contra o agente quando, tendo possibilidade de agir em conformidade com o ordenamento jurídico, deixa de fazê-lo (ex.: dirigir embriagado, o que é vedado por lei). Exige-se a imputabilidade do agente, para que possa responder pelos crimes praticados (CP, art. 27 – possuir dezoito anos completos, e ser capaz de entender, ao tempo da ação ou da omissão, o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento), de forma que, sendo menor de idade será considerado inimputável, ficando sujeito às normas estabelecidas em legislação especial (Lei n. 8.069/90 – Estatuto da Criança e do Adolescente). Para a configuração do delito, há de se analisar o elemento subjetivo (volitivo e intrínseco) do tipo, pelo que a ação ou a omissão poderão ser dolosas ou culposas. Crime doloso é crime intencional; doloconsiste tecnicamente na vontade de concretizar as características objetivas (condutas criadoras de um risco relevante e juridicamente proibido, e a produção de um resultado jurídico) do tipo penal (crime em abstrato). Crime culposo, por sua vez, é crime não intencional, derivado da inobservância do dever de diligência; verifica-se a tipicidade da conduta toda vez que se infringe o “cuidado necessário objetivo” (que pode derivar de imprudência, negligência e imperícia). A culpabilidade no delito culposo decorre da previsibilidade objetiva, que consiste na possibilidade de o sujeito, segundo suas aptidões pessoais e na medida de seu poder individual, poder prever o resultado. Quando o resultado danoso era previsível, teremos a reprovabilidade da conduta, a culpabilidade. Ainda, tanto nos crimes dolosos como nos culposos, exige-se para configuração do delito e aplicação da pena os seguintes elementos: imputabilidade do agente, potencial consciência da antijuridicidade(e não estar acobertado por causas de exclusão desta) e exigibilidade de conduta diversa.

O que você quer proteger?

SEGUROS DE AUTOMÓVEIS RISCOS DIVERSOS | VIDA TODAS AS MODADALIDADES DE SEGUROS

44.

3525-1810 | 99978-0032

piacentinicor@uol.com.br

Rua Mato Grosso, 1550 Centro Campo Mourão - PR - CXP: 732


Por tais razões, nos crimes dolosos (intencionais) se prevê na legislação penal pena mais severa do que nos crimes culposos (não intencionais). Dentre as legislações especiais que prevêem tipos penais (condutas criminosas em abstrato, previamente previstas em lei), temos a Lei n. 9.503, de 23.09.1997 (Código de Trânsito Brasileiro). Esta sofreu ao longo de sua vigência várias alterações legislativas, destacando-se: a) Lei 11.705/2008, denominada “Lei Seca”; b) Lei n. 12.760/2012 (que alterou especificamente os artigos 165, 262, 276, 277 e 306 do CTB, dentre outras medidas, sujeitando o embriagado com concentração de álcool ínfima à sujeição a medidas administrativas - e disciplinando os métodos de aferição de embriaguez; com o claro intuito de sanar ou ao menos amenizar o grande número de mortes e lesões corporais decorrentes de acidentes automobil&ia cute;sticos; além de elaborar especificamente o tipo penal referente à Embriaguez ao volante – de forma a evitar a impunidade); c) Lei n. 13.281/2016 (que reajustou os valores das multas em até 66% a maior,sem prejuízo da mantença das medidas administrativas de 38

CIDADE EM REVISTA

recolhimento da CNH, retenção de veículo e penalidade de suspensão do direito de dirigir por 12 meses, inclusive para quem se negar a fazer o teste com o bafômetro); e, d) Lei n. 13.546/2017. Esta última,acrescentou nova redação aos crimes de homicídio culposo (art. 302, §3º), lesão corporal culposa (art. 303, §2º) e à competição ilegal ou demonstração de perícia em via pública (art. 308, “caput”), além de disciplinar diretrizes para a dosimetria da pena-base a ser aplicada (art. 291, §4º). Destaque-se ainda a Lei n. 12.971/2014, que alterara o texto do Código de Trânsito Brasileiro para: a) inserir qualificadora referente à embriaguez no §2º do artigo 302 (homicídio culposo), cominando pena de reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor; e b) acrescentou dois parágrafos no artigo 308 (competição ilegal em via pública), tornando a pena qualificada se o agente, a partir do “racha”, em conduta qualificada pelo dolo causasse ainda que involuntariamente lesão corporal grave (§1º) ou morte (§2º). Posteriormente, a citada Lei n. 13.281/2016 revog ou o parágrafo 2º. do art. 302 do Código de Trânsito Brasileiro, de


forma que a conduta de dirigir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão de influência de álcool ou de outra substância psicoativa passou a configurar, em regra, a modalidade prevista no artigo 302, “caput”, de referido diploma legal. Ou seja, atualmente, segundo a redação dos arts. 302, caput (homicídio culposo na direção de veículo automotor) e 303, caput (lesão corporal culposa na direção de veículo automotor) do CTB, referidos crimes serão apenados, respectivamente, com pena de detenção de 02 (dois) a 04 (quatro) anos, e de detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, sem prejuízo, para ambos os casos, da suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. Há causas de aumento de pena na infração do art. 302 (a pena é aumentada em 1/3), previstas em seu parágrafo 1º.: se o agente não possuir permissão para dirigir ou carteira de

habilitação (inciso I); se praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada (inciso II); se deixar de prestar socorro quando possível fazê-lo sem risco pessoal à vítima do acidente (inciso III); ou se no exercício de sua profissão ou atividade estiver conduzindo veículo de transporte de passageiros (inciso IV). Há causa de aumento de pena de 1/3 (um terço à metade) no crime de lesão corporal culposa, se ocorrer quaisquer das hipóteses previstas no parágrafo 1º do art. 302, anteriormente mencionadas. Nada obstante todo o demonstrado, referidos delitos previstos no CTB são tipificados na forma culposa (não intencionais e decorrentes da falta do dever de diligência pelo agente – decorrentes de negligência, imprudência ou imperícia deste), de forma que, ainda que gerando condenação a final processo criminal, admitem substituição da pena privativa de liberdade aplicada por penas restritivas de direitos, com base no art. 44, inciso I, do Código Penal.

CIDADE EM REVISTA

39


Referido dispositivo prevê tal possibilidade quando a pena privativa de liberdade aplicada não for superior a quatro (4) anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, o crime for culposo. O que de há muito tem conduzido o Ministério Público, como titular da ação penal, a buscar em certos casos “compensar” a falta de uma punição mais rígida, denunciando o autor do delito pela sua prática mediante DOLO EVENTUAL (quando o agente assume o risco de produzir o resultado). A título de exemplo, recebida a denúncia como Homicídio Doloso (e não culposo), além de sujeitar o motorista/infrator a ser julgado perante o Tribunal do Júri, fica o réu sujeito a pena de 6 a 20 anos ou de 12 a 30 anos de reclusão, respectivamente, se denunciado por homicídio simples ou qualificado, gerando punição muito mais severa, se decidirem os jurados pela condenação. A lei n. 13.546, de 19 de dezembro de 2017 que altera o CTB, entrará em vigor decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação oficial (DOU de 20.12.2017), ou seja, no dia 19 (dezenove) de abril de 2018.

40

CIDADE EM REVISTA

O condutor de veículo automotor que dirigir embriagado e que causar acidente com mortos ou feridos graves, deverá ser autuado em flagrante, sem direito a pagar fiança para responder solto ao delito; salvo no caso do crime de embriaguez ao volante sem vítimas, que continua com a pena inalterada, e, consequentemente, afiançável. Por outro lado, aquele que cometer homicídio culposo conduzindo veículo automotor sob influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência, estará s ujeito a pena de reclusão de cinco (5) a oito (8) anos, e suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor (art. 302, parágrafo 3º., com as alterações da Lei n. 13.546/2017). Resultando lesão corporal grave ou gravíssimadecorrente das mesmas circunstâncias, a sanção variará de dois (2) a cinco (5) anos de reclusão, sem prejuízo de outras penas previstas em referido artigo. Agravando-se a pena de referidos delitos,não mais se admitirá a substituição das penas privativas de liberdade pelas restritivas de direito com base no art. 44, I, do Código Penal.


Frise-se, ainda, que a mesma Lei n. 13.546/2017 ampliou o alcance do art. 308, caput, do CTB,que tipifica como crime a conduta de “Participar, na direção de veículo automotor, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não autorizada pela autoridade competente, gerando situação de risco à incolumidade pública ou privada (...)”, cujas penas poderiam variar de detenção de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, para a pena de reclusão de 5 (cinco) a 10 (dez) anos - nas hipóteses de incidência de qualificadoras previstas aos seus parágrafos 1º e 2º, sem prejuízo de medidas administrativas de multa, suspensão e proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. Trata-se do “crime de racha”. Segundo a nova redação – nos termos da Lei n. 13.546/2017, incide no delito quem também realiza “exibição ou demonstração de perícia em manobra de veículo automotor” (ex.:“cavalo de pau”). A pena de seis meses de detenção e a possibilidade de arbitramento de fiança foram mantidas apenas para a hipótese da inexistência de vítimas.

CIDADE EM REVISTA

41


Em se tratando de prática do delito em questão do qual resulte lesão corporal de natureza grave ou de que resulte morte, em que as circunstâncias demonstrem que o agente não quis o resultado e nem assumiu o risco de produzí-lo, as penas serão, respectivamente, de reclusão de 3 (três) a 6 (seis) anos, e de 5 (cinco) a 10 (dez) anos, sem prejuízo das demais penas previstas em referido artigo. Mas sempre é bom lembrar:apesar de o CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO(com a redação da Lei n. 13.546/2017) prever penas mais rígidas, o DOLO EVENTUAL não foi afastado. Do que sempre poderáresultar em ação penal econsequente punição muito mais severa, apta a “mudar o destino” do infrator (evidentemente, para pior); da mesma forma que sua delinquência no infringir de referidas normas, pode destruir/modificar drasticamente a vida de terceiros e de todos os seus familiares. Melhor mesmo, é mostrar-se realmente apto(a) a dirigir com prudência, consciência e respeito a si mesmo e ao próximo.

*Marcos Noboru Hashimoto Especialista pela Fundação Eurípides Soares da Rocha (Direito Civil e Processual Civil) e IICS/ CEU (Direito dos Contratos). Mestre em Direito Negocial pela UEL (núcleo: Direito Processual Civil). Doutor em Direito pela PUC/SP (núcleo: Direito Processual Civil). Advogado, professor universitário e palestrante.

42

CIDADE EM REVISTA


CIDADE EM REVISTA

43


A transformação de Campo Mourão em livro

44

CIDADE EM REVISTA

Transportar o leitor a uma incursão imagética às mudanças que Campo Mourão vivenciou ao longo de sua história. Esse é o objetivo do livro “Campo Mourão, a evolução de uma cidade”. De autoria do historiador Jair Elias dos Santos Júnior, a obra vai ser lançado em maio. O livro tem o apoio e patrocínio de mais de 20 empresas locais e vai ter mais de 350 páginas, e conta com prefácio do jornalista Sid Sauer. Jair Elias explica que o trabalho “mostra desde os indígenas – os primeiros moradores – até a descoberta dos Campos dos Mourão, passando por sua colonização, pelo auge da era da madeira e passando pelas importantes transformações em sua paisagem urbana”. Com mais de 500 fotografias – a maioria colecionada pelo autor do longo de três décadas – vai mostrar mapas e documentos históricos. Entre eles, a carta original que o governador da Província de São Paulo, Dom Luís António Botelho Mourão enviou em 1769 a Afonso Botelho, determinando que as descobertas fossem batizada s com os sobrenomes de sua família. “Este documento faz parte do acervo do Arquivo Público de São Paulo. Fomos buscálo para enriquecer ainda mais este trabalho”, explica o historiador Jair Elias.


Durante o período retratado no livro ocorreram grandes obras de infraestrutura, como abastecimento de água, saneamento, abertura de ruas e avenidas, e importantes obras que se tornaram marcos referenciais em Campo Mourão, entre as quais o Teatro Municipal, Casa da Cultura, Hospital Santa Casa e outras. O crescimento financeiro advindo da extração da madeira também impulsionou o processo de verticalização na área central.

CIDADE EM REVISTA

45


“A mudança da fotografia urbana da cidade é mais perceptível ao leitor nas décadas de 1950 e 1960, quando as residências em madeira deram espaço para as de alvenaria”, cita Jair. Tudo isso aparece no material, que traz fotos e informações inéditas, além de histórias curiosas sobre a evolução de Campo Mourão. Jair Elias salienta que o livro fornece aos leitores um material rico, inédito e que se tornará uma referência de pesquisa muito útil para o cidadão mourãoense, atraindo estudantes, professores, pesquisadores, historiadores, fotógrafos e pessoas que se interessam pela história da cidade. “Acredito que o resultado foi muito positivo e gratificante. Conseguimos retomar, por meio de imagens, a história da cidade em vários campos. O livro resgata a memória da cidade, preservando e valorizando sua identidade. Considero um presente para Campo Mourão nos seus 70 anos”, destaca. *Jair Elias dos Santos Júnior, escritor

46

CIDADE EM REVISTA


PALMILHAS POSTURAIS PARA PACIENTES DIABÉTICOS A Baropodometria é um exame que avalia as pressões plantares identificando o tipo de pisada, instabilidades, impulso e outras alterações biomecânicas. Funciona através de sensores que captam com precisão os pontos de pressão sob a sola do pé e os quantificam numericamente em unidade de pressão. E MAIS!

Exame termográfico A termografia infravermelha é um instrumento de análise não invasiva e não radioativa, capaz de analisar funções fisiológicas relacionadas com o controle da temperatura da pele. A termografia detecta a luz infravermelha emitida pelo corpo e visualiza mudanças de temperatura corporal relacionadas à alteração no fluxo sanguíneo. Não é um método que mostra anormalidades anatômicas, porém é capaz de mostrar mudanças fisiológicas.

Através de avaliação criteriosa dos pontos de pressão, associada à avaliação metabólica do tecido, confecciona com segurança, palmilhas para pessoas diabéticas. Essas palmilhas também podem ser utilizadas por pessoas que tenham lesão na sola dos pés, amputações de dedos ou aqueles que apenas desejam prevenir um problema. Esse criterioso trabalho realiza-se

através de cuidadosa análise resultantes de exames de Baropodometria e de Termografia. A associação de ambos traz segurança para posterior análise dos pontos de maior pressão, fundamental para a prescrição correta da palmilha. Tendo em mãos estes resultados confecciona-se a palmilha de forma artesanal e exclusiva para cada cliente.

A Clínica de Terapias Avançadas oferece a confecção de palmilhas para: - correção postural; - correções de pisada; - dores nos pés.

R. São Josafat, 1435 4º Andar Sala 404 Edifício Adhara - Campo Mourão - PR 44. 98404.8478


REDUÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL A Construção Civil é uma das principais engrenagens da economia mundial e oferece muitas oportunidades no mercado de trabalho, em diferentes níveis sociais. Mas esse tamanho potencial requer uma grande utilização de recursos naturais nas obras, correspondem a cerca de 20% a 50% dos recursos explorados em todo o mundo, que, normalmente, geram resíduos sólidos. Os resíduos da construção civil podem gerar grandes impactos ambientais, e por isso devem ser gerenciados, controlados e monitorados. Segundo a Abrecon (Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição), esse ramo ainda é incipiente no Brasil. A falta de cultura da reutilização gera em média, 50% de entulho desperdiçado no mundo. Em janeiro de 2009, foi evidenciado que o Brasil produz 850.000 t/mês de entulho, o Reino Unido 53.000 t/mês e o Japão 6.000 t/mês. Fica claro que na Europa e outros países chamados “desenvolvidos”, esta cultura já está consolidada, principalmente devido à sua escassez de recursos naturais. É, portanto, um ramo de atividade que merece atenção e que tem boas oportunidades em nosso país. O entulho da construção civil, uma montanha diária de resíduos formados por argamassa, areia, cerâmicas, concretos, madeira, metais, papéis, plásticos, pedras, tijolos e tintas entre outros, tornou-se um grande problema nas cidades brasileiras, pois em 2004 o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) proibiu que os resíduos de construção e demolição fossem descartados nos aterros sanitários. Ficou a cargo de cada prefeitura o desenvolvimento de planos integrados de gerenciamento desse material. Logo, avaliar e desenvolver métodos para o seu aproveitamento é uma boa forma de melhorar esta questão. 48

CIDADE EM REVISTA

Eliminar desperdícios, reduzir resíduos, reduzir custos, enfim, não são atos, são hábitos, e enquanto esse hábito não estiver claro tanto para a alta direção quanto para toda a equipe, será muito mais difícil dispor de ações que tragam esse resultado. A cultura de redução deve ser instalada na organização. Existem 2 métodos que podem sistematizar a implantação dessa cultura de redução: os 3Rs e os 5s. Os 3R’s da sustentabilidade (Reduzir, Reutilizar e Reciclar) podem assumir um papel de grande importância na rotina da sua organização. Reduzir significa economizar de todas as formas possíveis. Eu necessito mesmo desta quantidade de materiais? Devo mesmo substituir isso ou posso consertar ou reformar? Reutilizar é evitar que vá para o lixo aquilo que não é lixo, que pode ser reutilizado, e aqui surgirão várias soluções criativas e inovadoras.


Reciclar é quando não é possível nem reduzir e nem reutilizar, assim serão enviadas para serem processadas e voltarem ao seu ciclo de vida de outra forma. Quando você consegue incorporar os 3R’s no dia-a-dia e na cultura de todas as pessoas da organização, eles contribuirão diretamente para resultados maiores a longo prazo. Os 5S trata-se de uma Metodologia japonesa que foca 5 sensos, cada um deles iniciados com a letra S: Seiri – Senso de Utilização: separar o que é útil do que não é e melhorar o uso do que é útil;Seiton – Senso de Ordenação: um lugar para cada coisa, cada coisa no seu lugar; Seisou – Senso de Limpeza: limpar e evitar sujar; Seiketsu – Senso de Saúde: padronizar as práticas saudáveis; Shitsuke – Senso de Autodisciplina: assumir a responsabilidade de seguir os padrões saudáveis.

Conseguindo implantar essa prática, os resultados no canteiro de obra são grandes. Outra conceito para redução de resíduos e o conceito “Just In Time” (ou, em português, no momento certo), é uma solução que reduz o tempo de estocagem de materiais dentro do canteiro de obras, pois considera o seu recebimento “no momento certo” de sua utilização, o que contribui para o aumento da eficiência na execução dos empreendimentos e elimina eventuais desperdícios. A redução de resíduos também pode ser obtida com melhorias nos processos na construção civil, podem ser implantadas por meio de alguns sistemas variados como a gestão visual, o Kanban, a TPM, o 3P e o Canvas. Uma lição chave que muita gente ainda não percebe é que os colaboradores gostam de se sentir parte do processo, envolvidos no bom resultado. CIDADE EM REVISTA

49


Criar métodos de premiações às ideias inovadoras que contribuam para a diminuição de resíduos na obra e implemente indicadores relacionados à reciclagem, medição e redução de resíduos, como por exemplo a boa utilização de filosofias 3R ou 5S. Encorajar o envolvimento não só vai levantar a moral da sua equipe, mas também poderá motiva-la a ir além da prática a que está acostumada, buscando informações que possam agregar valor em suas rotinas. Mude a forma de ver as coisas, uma pilha de entulho não é só uma pilha de entulho. É uma oportunidade! Reciclar é a palavra de ordem hoje e será por muitos anos. É um equívoco pensar que os serviços de reciclagem devem ser essencialmente de graça. É muito raro que a reciclagem de construção comercial seja fornecida gratuitamente e esta é uma realidade mundial. Dinheiro ainda terá de ser gasto na remoção de materiais de resíduos gerados nas obras para aterros ou oficinas de reciclagem. Os benefícios surgem quando há um diferencial de custo entre os materiais que vão para reciclagem e que vão para o aterro. O que vai para o aterro é desperdício, enquanto que o que vai para reciclagem ainda poderá ser utilizado em uma próxima obra. PAULA CRISTINA | MARIA CRISTINA


Quando o fim é o início *Marco Aurélio

De uma maneira bem geral, vivemos o tempo todo na tentativa de ganhar algo, a felicidade, a paz, o amor, o conhecimento, o tempo. Talvez por isso ao iniciar a leitura desse texto você esteja em busca de alguma dessas coisas ou várias. Talvez esteja na sala de espera de um consultório e passando o tempo ao folhear uma revista, talvez o título lhe chamou a atenção e você imaginou que o autor tenha alguma coisa a lhe oferecer, e para compreender o que se passa dentro de você ... Ou seja, existem muitas questões que são suas e apenas suas aqui. Pergunte-se comigo: A partir do título desse texto, o que você espera dele? Pois bem, até aqui a nossa conversa foi que é possível ganhar para ganhar, e não a nada de errado com isso. A questão é que não somos ensinados que É POSSÍVEL PERDER PARA GANHAR.

Imagine comigo: você caminha por uma estrada na floresta, e tem uma mochila vazia em suas costas, e o vazio da mochila o incomoda, você então vai preenchendo a mochila com o que encontra pelo caminho. Às vezes flores, às vezes pedras, às vezes frutos e às vezes ganhos. Com o tempo o peso da mochila começa a incomodar, mas é um incômodo tolerável e você continua a caminhada. Com mais tempo de caminhada e o cansaço, o peso da mochila não é mais o mesmo, e você quase não consegue mais continuar. O que você faria então? Muito provavelmente nesse exemplo você diria que a melhor forma de solucionar o problema é se desfazer das coisas de dentro da mochila. Mas utilizei essa metáfora para lhe perguntar: e se as coisas de dentro da sua mochila forem seu casamento seu emprego, seus filhos? Vixi! Agora o bicho pegou! rsrs.

CIDADE EM REVISTA

51


Na grande maioria das vezes essa é a sensação dos pacientes que atendo. O sentimento de angústia, de indecisão, e de muitas coisas acumuladas durante o tempo. E nesse caminho, as tentativas são de ganhar para não perder, esquecendo-se da possibilidade de perder para ganhar. Por exemplo: na falta de dinheiro surge a tentativa de ganhar mais dinheiro para não perder um padrão de vida, em vez de gastar menos. Não seria sem um propósito que o homem mais sábio que passou pela terra disse: “Aquele que quiser salvar a sua vida, perde -lá - á” (Mateus 16:25). Portanto, você pode ganhar para ganhar, mas também pode perder para ganhar. O que você precisa perder para ganhar?

Marco Aurélio Dias Psicólogo Clínico - CRP 08/21538 *Especialista em Psicoterapia Psicanalítica *Especializando da Clínica Freud -Lacaniana

52

CIDADE EM REVISTA


9,5 Atitudes dos super-heróis que você deveria praticar

Seguem algumas atitudes dos super-heróis que, com certeza, irão ajudá-lo a ser bem sucedido em sua vida pessoal e profissional 1. Aprendizado constante Todos os super-heróis começaram sua jornada sem saber direito como utilizar os seus superpoderes, muitos nem sabiam que os possuía. Alguns tiveram mentores, outros foram autodidatas, mas antes de realizar grandes façanhas, todos tiveram que passar por um período de aprendizado e treinamento constante. Mesmo quando já são reconhecidos ainda têm que se esforçar diariamente treinando e aprendendo, pois nunca se sabe qual será a próxima ameaça a ser enfrentada no mercado.

2. Seja excelente no que você faz. O Batman é o estrategista, o Hulk o mais forte, o Flash o mais rápido, o Superman o homem de aço, o Aquaman o rei dos mares, Professor Xavier o maior telepata e todo mundo reconhece isso. Então qualquer que seja a sua função a cumpra com a visão de ser o melhor do mundo até que a as pessoas ao redor o reconheça por isso. Deixe que o seu talento ilumine sua jornada. 3. Sempre atinja a sua meta. Na cabeça de um super-herói as coisas são claras e objetivas, não existe a possibilidade do “quase”, somente resultados. Se ele não consegue salvar a vítima ou mundo da catástrofe, não existe justificativa. Ou você salva o mundo ou não. Não existe a possibilidade do meio termo ou de tentar.

CIDADE EM REVISTA

53


4. Persistência total. Você conhece a história de algum super-herói que desistiu? Todos os super-heróis são 110% comprometidos com a sua missão e estão dispostos a morrer para cumpri-la. Eles enfrentam inimigos que conhecem suas maiores fraquezas , apanham , são soterrados, presos, eletrocutados, explodidos mas ainda conseguem com sua força de vontade se levantar e enfrentar os seus inimigos. Para eles não existe outra opção a não ser a vitória, insistem até o último suspiro.

54

CIDADE EM REVISTA

5. Respeite os seus valores Geralmente um super-herói tem mais de um vilão querendo derrubá-lo ou conquistar alguma coisa em sua cidade, ou seja, existem mais vilões do que heróis, além disso, alguns vilões são tão ou mais fortes que a maioria dos heróis. A diferença entre um super-herói de um vilão não está nos superpoderes, mas no caráter e nos valores de como utilizam estes poderes. Essa é a linha tênue que os separa. Lembra-se do conselho do Tio Ben para Peter Parker “Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades” Não importam quais são os seus poderes e talentos, pois são os seus valores e caráter que irão definir o seu destino. Por isso cuidado com o lado obscuro da força.


Anuncie Aqui!

Este espaço está a sua espera, aqui você tem o melhor espaço para decolar seu negócio. Faça um orçamento sem compromisso e confie em quem está há anos no mercado fazendo a diferença. 44.3523-2115 99978-4242

cidadeemrevista@gmail.com


6. Enfrente suas fraquezas Todos nós temos fraquezas A kryptonita verde, o sol vermelho e a magia afetam o Superman, o Aquaman enfraquece se ficar longe da água por muito tempo, Tony Stark não tem poderes sem a sua armadura, barulhos em excesso atrapalham os sentidos aguçados do Demolidor e vacas e galinhas assustam Deadpool. Conheça suas fraquezas, mas foque nos seus talentos. O objetivo da jornada não é a perfeição, mas a sua busca.

56

CIDADE EM REVISTA

7. Faça a coisa certa Nenhum super-herói faz o que faz por dinheiro ou reconhecimento, se fizessem seriam mercenários ou vilões. Fazem por um profundo propósito de missão pessoal com o mundo e consigo mesmos. Reconhecimento e dinheiro são consequências de fazer a coisa certa e obter resultados. Não faça nada apenas para chamar a atenção, pois se você fizer certo, conseguirá a atenção que tanto deseja. 8. Ajude sempre os outros. Super-heróis são obcecados por ajudar as pessoas a resolverem os seus problemas. Não interessa a empresa que você trabalha, o ramo em que atua,a sua formação ou o cargo que ocupa. Sua única função é solucionar os problemas das pessoas. Se você não conseguir fazer isso nunca será bem sucedido.


9. Aprenda a trabalhar em equipe Os super-heróis quase sempre agem sozinhos, mas algumas vezes a ameaça é tão grande que eles são obrigados a se juntar para poder combatê-la surgindo assim os grandes times de heróis como: A liga da justiça, X-men, Vingadores, Quarteto fantástico, Os defensores, Guardiões da galáxia e Jovens titãs com habilidades sinérgicas,respeito, humildade e muita confiança. Se até os super-heróis sabem das vantagens de trabalhar em equipe por que só você ainda acredita que pode salvar o mundo sozinho (a)?

9,5. Tire o uniforme no final do dia A maioria dos super-heróis usa uniforme no seu combate diário ao crime para salvar o mundo e as pessoas ao seu redor. Mas no final do dia ou da noite ele retorna a ser o seu alter ego normal, ou seja , ele não dorme, come ou vai ao banheiro de uniforme. Se até os super-heróis não levam trabalho e preocupações pra casa, por que você deveria fazer isso? No final do trabalho, tire o uniforme, deixe seus superpoderes de lado e curta a sua vida de pessoa normal. *Roberto Recinella, escritor

CIDADE EM REVISTA

57


Aventura, Saúde, Natureza e Solidariedade FAMÍLIA CAMINHOS DE PEABIRU 2 58

CIDADE EM REVISTA CIDADE EM REVISTA


CIDADE EM REVISTA

3 59


E se de repente pessoas se unissem espontaneamente em prol da vida e descobrissem ser... uma Família? Apaixonados pela vida, pela natureza, pela saúde e claro, pela aventura, muitas pessoas se uniram espontaneamente para participarem das aventuras nas Trilhas pelos Caminhos de Peabiru e, naturalmente, se viram ligadas por um elo forte e coeso: a amizade. E diante da aventura, perceberam que juntas poderiam fazer mais pela sociedade na qual se inseriam: E eis que já vieram as ações sociais e de ajuda ao próximo.

60

CIDADE EM REVISTA


No mês de fevereiro, em parceira com o Rotary Club Peabiru, Colégio Estadual Olavo Bilac, EMATER e Poder Público realizaram uma Caminhada Ecológica com o plantio de centenas de árvores frutíferas em mata ciliar. E o mais interessante, várias crianças ajudaram.

Em março, realizaram ação de revitalização de área degradada, novamente em parceria Rotary Club Peabiru, Colégio Estadual Olavo Bilac, EMATER e Poder Público, com participação da comunidade e muitas crianças com o plantio de dezenas de mudas de flores. Além da história, da cultura e da aventura, este grupo, sem fins lucrativos e espontâneo, sempre celebra a vida prezando sempre estar em meio a cachoeiras, à natureza, à vida. Os membros da Família Caminhos de Peabiru também auxiliam aqueles que se aventuram pela primeira vez nas trilhas de Peabiru, com amor e solidariedade e um sorriso largo no rosto. CIDADE EM REVISTA

61


Nesta celebração, em 23 e 24 de março, o grupo fez, em parceria com Rotary Club e demais entidades, a soltura de alevinos (peixes) nos rios, bem como um acampamento noturno na Comunidade Colônia Mineira , com direito a missa na capela, roda de viola, acompanhar o nascer do sol na montanha, fogueira e, claro, a Trilha pelos Caminhos de Peabiru e, depois, partilha de alimentos. *Arléto Rocha Diretor de Cultura de Peabiru Membro da Academia Mourãoense de Letras Fotos: Gessiane Pereira

62

CIDADE EM REVISTA


R$40,00 - ADULTO

10 de Junho de 2018 Local: Ctg Índio Bandeira Campo Mourão

VALE PRATO

LEVAR TALHERES

Pontos de vendas: APAE | ROTARIANOS | MICROPEL

Apoio: Telefone: 44. 99978-4242 | 3523-2115 cidadeemrevista@gmail.com


NEM TANTO AO CÉU NEM TANTO À TERRA Esperar que o ser humano viva sempre em paz é um sonho quase impossível, uma utopia. O ser humano carrega em si sentimentos e pensamentos controversos. Se ele fosse perfeito, seria divino, não humano. Vivo tentando me entender para entender os outros. Tarefa difícil. Às vezes entro na roda das brigas para defender o que penso e descubro que é bom participar, mas tem hora que é preciso se afastar das discussões para dar paz ao coração. Ideias contrárias, não raramente, levam a desavenças gerando inimizades e o que menos quero é perder amigos devido a discussões que não vão nos levar a lugar nenhum já que não está em nós a capacidade de

64

CIDADE EM REVISTA

mudar cenários plantados ao longo da história por interesses duvidosos, que nada têm com aquilo que mais sonhamos: igualdade e fraternidade, dignidade para todos. Para fugir do mundo das brigas e provocações, mergulho em um mundo onde impera a harmonia, o amor, a esperança, onde é possível sonhar. Onde? – Na natureza. Presto atenção no silêncio que cochicha segredos do mistério da vida. Passeio pelos bosques onde o vento, em parceria com as árvores, faz sinfonia. Ouço o cantar dos pássaros, sonho voar com eles para poder ver a beleza lá de cima. Ouço o barulho da água que corre sem parar, levando vida por onde passa, sem nunca olhar para trás.


Para fugir desse mundo cansativo onde um quer saber mais que o outro, onde nem sempre o bom senso tem voz, eu entro no mundo das crianças onde a inocência e a verdade dominam, onde o sorriso é de graça, onde o abraço tem cheiro e gosto de vida nova. No mundo infantil quase tudo é sonho. Conversar com as crianças nos faz sonhar o sonho delas: “quando eu crescer... quando eu for à escola... quando eu trabalhar em... quando chegar o Natal... No meu aniversário eu quero... papai falou que... mamãe falou que... a professora falou que... quer ouvir a musiquinha que eu aprendi? (...). Ah que mundo maravilhoso o das crianças! Como me faz bem estar com elas! – Eu digo que elas são minha vitamina porque saio do mundo delas bem melhor, com capacidade de imaginar outras realidades, outros tempos, onde as discussões falarão de desenvolvimento, de dignidade, de sensatez. E assim eu vou. Se me sobrecarrego durante a semana, no fim de semana a natureza e as crianças me colocam de volta no lugar, nem ao céu, nem à terra. Colocam-me no lugar onde os humanos devem estar, misturando a capacidade de ver, ouvir, sentir, refletir... de ser feliz. Cida Freitas

CIDADE EM REVISTA

65


66

CIDADE EM REVISTA


Ainda que as nuvens escuras preparem tempestade, há um céu azul esperando para se mostrar. Pensamento: Cida Freitas Foto: Cidinha Coletty Pôr do sol - Santa Barbara Beach & Golf - Curaçao

CIDADE EM REVISTA

67


FACIAP OUTORGA CERTIFICAÇÃO DE GESTÃO A CACERCOPAR A Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais da Região Centro Ocidental do Paraná (Cacercopar), presidida pelo mourãoense Ivan Marcelo Chiroli, foi uma das 54 entidades que receberam certificação de gestão em recente cerimônia realizada em Curitiba. O Programa de Certificação em Gestão (PCGF) foi executado pela Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), em parceria com o Sebrae. Alavancar o desempenho organizacional de associações comerciais e de coordenadorias regionais da Faciap, melhorando processos e implantando ferramentas de boas práticas de gestão foi o objetivo central da ação. Esta foi a primeira etapa do programa e ainda neste ano serão mais 45 entidades inseridas no programa. O foco do programa são as entidades de pequeno porte. O presidente da Faciap, Marco Tadeu Barbosa, acentua: “É uma oportunidade que este projeto oferece para que as entidades cresçam e também contribuam para mudar a realidade de seu território”. 68

CIDADE EM REVISTA

Através do programa são trabalhadas várias áreas dentro das entidades: pessoas, processos internos, finanças, clientes, cultura associativa, desenvolvimento local e serviços. As coordenadorias e associações são pontuadas segundo o desempenho alcançado. “O objetivo é tornar as entidades sustentáveis e gerar valor para seus associados e para a comunidade em que a coordenadoria e a associação estão inseridas”, explica Márcio Vieira, superintendente da Faciap. Marco Tadeu Barbosa observa: “Mais importante do que o próprio certificado é que presidentes, diretores e executivos mantenham em prática as ferramentas de boa gestão que obtiveram com o programa”. Do Vale do Piquirivai participaram a Cacercopar e as associações comerciais e industriais de Araruna, Mamborê e Quinta do Sol. A solenidade de entrega da certificação foi realizada no auditório do Sebrae, em Curitiba. Cidinha Coletty, jornalista, fotógrafa e colunista

empresária,


DICAS DE LEITURA Ensaio Sobre a Cegueira Ensaio sobre a Cegueira é um dos melhores livros de José Saramago. A narrativa conta a história de uma epidemia de cegueira que se espalha e, a primeira pessoa atingida é um homem que, parado em um sinal vermelho, não consegue mais enxergar. A partir desse acontecimento, as pessoas que ficaram cegas foram isoladas, e a cidade ficou dividida entre os “cegos” e os “que veem”. Nesse ensaio, Saramago mostra o lado obscuro do ser humano, principalmente quando as pessoas começam a se virar umas contra as outras quando estão em estado de alerta.

Autor: José Saramago Nº de Páginas: 312 Assunto: Romance Ano: 1995

CIDADE EM REVISTA

69


Na Minha Pele

O

ator, escritor e diretor, Lázaro Ramos, em mais um dos seus livros publicados, decide dar voz à questão racial em uma (quase) autobiografia. Com o sonho de viver em um mundo sem diferenças, em que a pluralidade racial seja vista como algo positivo, Lázaro compartilha, no livro “Na Minha Pele”, descobertas, dúvidas e conquistas ao longo da sua trajetória, até o momento. Para ele, é muito importante o diálogo, para gerar a aceitação das diferenças em um mundo ainda cheio de preconceitos. Este é um livro sincero e cheio de revelações sobre questões que ainda não são muito abordadas, que nos convida a sermos mais atentos à tudo a nossa volta.

Autor: Ramos, Lázaro Nº de Páginas: 158 Assunto: Autobiografia Ano: 2017

A Garota no Trem

T

odos os dias, durante a semana, Rachel pega o trem para Londres, fingindo que está indo trabalhar. A verdade é que essa mulher divorciada e solitária não tem mais nada para fazer dos seus dias, então passa o tempo no trem indo e voltando. Mas, o que ela não esperava é que fosse ser a chave para desvendar o desaparecimento de Megan, uma jovem que morava em uma das casas à beira dos trilhos. Em meio a momentos de lucidez, Rachel presenciou os acontecimentos da janela do trem e, agora, a sua missão é tentar convencer a polícia do seu testemunho.

Autor: Hawkins, Paula Nº de Páginas: 378 Assunto: Suspense Ano: 2017

70

CIDADE EM REVISTA


A Prisão do Rei

N

o terceiro volume da série “A Rainha Vermelha”, Mare Barrow é uma ladra vermelha com poderes. E como a cidade é dividida entre vermelhos (sem poderes) e prateados (com poderes), sua existência vinha mudando a ordem de como tudo era conhecido, o que levou a sua captura. “A Prisão do Rei” vai mostrar como o príncipe exilado Cal, prestes a se preparar para guerra, precisa decidir entre apoiar o seu povo prateado ou ir ao resgate de Mare.

Autor: Aveyard, Victoria Nº de Páginas: 544 Assunto: Ficção Fantasiosa Ano: 2017

Extraordinário

C

om uma síndrome genética desde pequeno, Auggie, com agora 10 anos, passou por diversas cirurgias que resultaram em uma aparência diferente. Por esse motivo, ele sempre estudou em casa. Mas sua vida estava prestes a mudar, já que sua mãe o matriculou em uma escola e, a partir daí, a sua jornada estava só começando. Auggie faz jus ao nome do livro (“Extraordinário”), já que sua missão é lidar com a aceitação das pessoas ao seu redor, e mostrar a elas que é uma criança normal, apesar de tudo. “Extraordinário” é um dos melhores livros de superação, que vai te emocionar do início ao fim.

Autor: R. J. Palacio Nº de Páginas: 320 Assunto: Literatura Juvenil Ano: 2013

CIDADE EM REVISTA

71


Tartarugas Até Lá Embaixo

D

epois de não lançar nada desde 2012, John Green, mesmo autor do sucesso A Culpa é das Estrelas, chega com tudo com “Tartarugas Até Lá Embaixo”. Neste livro somos apresentados à Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai a procura de um bilionário desaparecido. Recheado de elementos da cultura pop, como Star Wars, esse nova obra de John Green é uma leitura muito recomendada aos apaixonados pelo autor.

Autor: John Green Nº de Páginas: 256 Assunto: Ficção Ano: 2017

O Conto da Aia

D

a autora canadense Margaret Atwood, O Conto da Aia explora temas como o impacto do extremismo religioso, direitos civis e totalitarismo, a partir de uma versão sombria dos Estados Unidos, que em um futuro próximo se tornaram parte de uma teocracia fundamentalista chamada República de Gilead. A personagem principal é Offred, uma aia que é propriedade do “Comandante”, com o único propósito de gerar filhos e manter os níveis demográficos do país. Originalmente publicado em 1985, o livro ganhou destaque devido à série The Handmaid’s Tale, indicada a 11 prêmios Emmy em 2017.

Autor: Margaret Atwood Nº de Páginas: 368 Assunto: Ficção Ano: 2017

72

CIDADE EM REVISTA


Por Que Fazemos o Que Fazemos?

S

e você está sempre sem tempo, se você anda desmotivado no cotidiano... então aqui pode estar o melhor livro, aquele que vai fazer você refletir sobre sua vida profissional. Nas páginas desse livro, o filósofo Mario Sergio Cortella mostra que é importante viver com um propósito. Se você está sempre pensando no seu presente e no seu futuro profissional, esse livro é como um guia, com vários ensinamentos como “Paciência na turbulência, sabedoria na travessia”.

Autor: Mário Sergio Cortella Nº de Páginas: 176 Assunto: Autoajuda Ano: 2016

It - A Coisa

O

ito amigos de Derry, uma pequena cidade no estado de Maine, enfrentaram, ainda quando crianças, o pior de seus pesadelos: a Coisa. Se apropriando, na maioria das vezes, da forma de um palhaço, esse ser sobrenatural e maligno está sempre escolhendo a melhor maneira para atrair cada vez mais crianças e delas se alimentar. Agora, quase 30 anos depois, os oito amigos se vêm prestes a enfrentar novamente a Coisa, graças a um juramento que fizeram no passado, e precisam retornar a Derry.

Autor: Stephen King Nº de Páginas: 1104 Assunto: Ficção Ano: 2014

CIDADE EM REVISTA

73


7 fitas cassetes e 13 Porquês

A

narrativa é contada por Clay Jensen, um jovem que recebe um pacote misterioso, com seu nome, e dentro dele contém 7 fitas cassetes. Cada uma delas revela um dos 13 motivos para que Hanna Baker, uma colega de classe e antiga paixãozinha, cometesse suicídio duas semanas atrás. Agora, Clay precisa escutar todas as fitas até o final para entender, principalmente, o motivo dele estar presente em uma delas e o que ele fez de tão errado para Hanna.

Autor: Asher,Jay Nº de Páginas: 256 Assunto: Romance Ano: 2017

O Poder da Autorresponsabilidade

S

abe quando pensamos que precisamos tomar as rédeas de nossas vidas e não sabemos como começar?! Caso você esteja com esse tipo de questionamento em mente um dos livros mais vendidos do ano pode te ajudar. O Poder da Autorresponsabilidade é uma ótima ferramenta para quem procura melhorar seu desenvolvimento e maximizar seus resultados pessoais. Guiado pela premissa de que “você é o único responsável pela vida quem tem levado”, o autor apresenta 6 passos que fazem com que o leitor tenha o conceito da autorresponsabilidade cada vez mais presente no seu dia a dia.

Autor: Paulo Vieira Nº de Páginas: 160 Assunto: Autoajuda Ano: 2018

74

CIDADE EM REVISTA


Mais de 100 novos profissionais ingressam no mercado de trabalho nas diversas áreas do conhecimento, dentre elas Educação, Gestão, Administração e Teologia. No evento, o reitor prof. Wilson de Matos Silva foi representado pelo professor Sílvio Silvestre e representou o pró-reitor Wilian Kendrik de Matos, o prof. Sílvio Castro. Os formandos foram recepcionados pela gestora da Unicesumar Campo Mourão, Profª Cida Freitas.


A ACADEMIA MOURÃOENSE DE LETRAS EMPOSSOU DOIS NOVOS MEMBROS A Academia Mourãoense de Letras (AML) empossou o professor André Pintaro Marçal e a escritora Marlene Koths nas cadeiras 12 e 18. A sessão solene foi realizada no dia 3 de março 2018 no plenário da Câmara de Vereadores. André Pintaro Marçal assume a vaga que pertencia à escritora Aparecida Maura dos Santos, falecida em 2015. Marlene Koths ocupa a cadeira 18, antes do Jornalista Aroldo Tissot, falecido em março de 2017. A cadeira 12 tem como patrono o ex-prefeito de Campo Mourão, Roberto Brzezinski, que governou a cidade de 1955 a 1959. Foi durante a sua administração que foi encampada pelo poder público a Biblioteca Pública Municipal.

76

CIDADE EM REVISTA


Antônio Kienen, patrono da cadeira 18, foi radialista na Rádio Colmeia nas décadas de 1980 e 1990. Kienen também foi o primeiro presidente da Fundação Cultural de Campo Mourão, de 1987 a 1988. Para cada uma das quarenta cadeiras, foram escolhidos patronos, homenageando personalidades que marcaram as letras e a cultura mourãoense, antes e após a fundação da Academia. Em 2013, o estatuto da Academia foi alterado. Com isso, permite a participação de escritores que residam nos municípios limítrofes de Campo Mourão (Peabiru, Araruna, Farol, Luiziana, Mamborê, Barbosa Ferraz e Corumbataí do Sul). Com a posse de Marçal, Araruna vai contar com seu primeiro representante na AML.

CIDADE EM REVISTA

77


Os Acadêmicos - André Pinto Marçal reside em Araruna e possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela UNICESUMAR – Centro Superior Universitário de Maringá, MBA em Gestão de Pessoas pela Faculdade União de Campo Mourão (2015), mestrado em Teoria e Prática do Projeto de Arquitetura e Urbanismo pela ETSAB – Escola Técnica

Superior de Arquitetura de Barcelona, Espanha. Atualmente faz parte do corpo docente da UNICAMPO – Faculdade União de Campo Mourão, onde é coordenador do curso de arquitetura e urbanismo. André é autor de trabalhos científicos na língua portuguesa e inglesa. Marlene Koths mora em Campo Mourão desde 1993. É bacharel em Ciências Contábeis (FECILCAM), com Especialização Lato Sensu em Consultoria Econômico-financeira de Empresas, (FECILCAM). É Advogada formada pela Faculdade Integrado. É pós-graduada em Gestão de Práticas de Recursos Humanos (PUC- Londrina) e tem MBA em Gestão de Práticas de Recursos Humanos, também pela PUC-Londrina.

78

CIDADE EM REVISTA


Atua como gerente da UNIMED Campo Mourão desde 2001 e tem sólida experiência na área administrativa em saúde suplementar com atuação em empresas de grande porte e destaque no mercado. A nova imortal eleita é autora do livro “um céu para você” e autora de diversos artigos publicados na imprensa local como a Cidade em Revista, profere palestras em escolas, clubes, eventos que tratam do ato de ler e produzir textos. *Cidinha Coletty, jornalista, empresária, fotógrafa e colunista

CIDADE EM REVISTA

79


FESTA DE BAILARINA PARA ISABELA Linda de viver, Isabela Zamuner Brito dos Santos ganhou festa cor de rosa para comemorar seus 3 anos no estilo bailarina. No destaque durante os parabéns acompanhada da irmã Ana Beatriz e papais Jussara e Marcelo Brito. Presença alegre dos padrinhos Diogo e Adriana, avós Emide Zamuner Sanches, Rui e Ivone Brito, da bisavó Helena Brito. A turminha miúda se divertiu com os mimos e brinquedos em tarde das mais alegres. Parabéns, família linda e abençoada!

80

CIDADE EM REVISTA


100% MAMÃE 15 ANOS EM CAMPO MOURÃO Bola branquíssima para a Loja 100% Mamãe que realizou coquetel no dia 07 de abril para comemorar seus 15 anos em Campo Mourão. Clientes e amigos aprovaram a coleção outono/inverno que está um show. Estava tudo lindo com muito bom gosto, parabéns! Durante o mês de abril a loja estará comemorando com novidades e promoções, vale a pena conferir!

AV. MANOEL M. DE CAMARGO Nº1346

15 Anos

CAMPO MOURÃO 44.3525-2300


LANÇAMENTOS OUTONO/INVERNO Um super e concorrido coquetel marcou, de forma espetacular, o lançamento da nova coleção de roupas da Boutique Vanessa Caetano e Lilian Machado da Luz. Bola branquíssima para o atendimento VIP do Tonello Business Hotel, a moda outono/inverno está de tirar o fôlego. Foi um show, as modelos arrasaram. Entre elas Viviane Straub; Ana Paula Chiminácio; Luíza Corpa; Renata Gulanoski; Bárbara Cardoso; Roh Cardoso.

82

CIDADE EM REVISTA


Câmara da Mulher promoveu palestra A Câmara da Mulher Empreendedora e Gestora de Negócios de Campo Mourão e Região promoveu palestra no auditório do Senac. O evento comemorou o Dia Internacional da Mulher e marcou o início das atividades da entidade empresarial feminina em 2018. Na abertura, a presidente Ester de Abreu Piacentini, presidente do Sindicato Nelson José Bizoto e o representante do Senac, Marcos Antônio de Jesus.

CIDADE EM REVISTA

83


“Trabalhar o antienvelhecimento com uma visão quântica e medicina natural para o bem estar físico e emocional” foi o tema da palestra proferida por Marcos Antônio de Jesus, que é Naturólogo. Também é especialista em Medicina Integrativa com Tratamentos Naturais, em Saúde Quântica Biofísica (integrou a primeira turma formada no Brasil). O palestrante foi o criador do método Skin Less de rejuvenescimento de alta performance e é voluntário em tratamentos naturais há 13 anos no Hospital Perpétuo Socorro, em Curitiba.

84

CIDADE EM REVISTA


A promoção da Câmara da Mulher teve o apoio do Sesc, Senac e do Sindicato Empresarial do Comércio. Após a palestra, as diretoras foram comemorar com jantando com o palestrante da noite que contou também com a presença do médico pediatra Dr. Silvio Coletty. *Cidinha Coletty, jornalista, empresária, fotógrafa e colunista.

CIDADE EM REVISTA

85


A Verdade ou a verdade Ao pensar sobre o tema e a nossa prática cotidiana, ou como nas palavras do filósofo da linguagem, na vida ordinária, uma dúvida aflora ao espírito: existe a Verdade com letra maiúscula, absoluta, ou apenas verdades em realidades dadas, ou a verdade seria a própria busca da verdade? E, se existisse, onde estaria? Autores como Proust em “ Sobre a leitura” e Vygotsky nos “Problemas de método” discutem a questão. De início, pensemos sobre o conceito de verdade. Não a verdade metafísica, eterna, representada por valores idealizados, existentes no mundo do pensamento, ou em outra realidade inacessível ao homem, uma realidade virtual. A verdade, como

86

CIDADE EM REVISTA

pressuposto adotado, é aquilo que se apreende da realidade que nos cerca, de uma forma dinâmica. Esse objeto observado se dá a conhecer aos poucos e assim, vai adquirindo significado. Tal conhecimento, segundo Proust, ocorre através da leitura e oferece ao homem “ dignidade verdadeira dos pensamentos que desperta”, “ fortalecimento do espírito”, “um princípio de vida”. Sob esta ótica, conclui-se ser este um conhecimento que traz em si verdade, uma vez que atua sobre o homem que dele se apropria e contribui para o processo de humanização desse ser pensante. Em tais situações, o conhecimento também pode ser alterado pelo fazer desse sujeito.


Esta verdade não existe, enquanto objeto distante do homem, depositada em lugares especiais mas sim, na própria dinâmica do fazer humano. Ela é encontrada em sinais materiais presentes no mundo, porém estes sinais serão apenas o ponto de partida para a produção de verdade. A verdade é construção daquele que a procura. O pensador junta as pedrinhas e constrói a sua casa com forma, desenho próprio, ligando com a argamassa da reflexão. A verdade como construção própria exige dos envolvidos no processo, autonomia e emancipação. Obriga-os a ir à luta, a não cruzar os braços, ou simplesmente dizer “ procurei muito, mas não a encontrei”. Quando se reconhece a verdade como objeto distanciado, depositado em lugares especiais, em livros, corre-se o risco de não sair daquilo que se apresenta como o ponto de partida de uma jornada. Crer na verdade como aquilo que está presente apenas nos livros, pode criar uma relação fetichista entre o pensador e o livro, agradável, porém improdutiva.

A procura de apoio no conhecimento existente, como um sistema de referências deve ser o que Vygotsky chama de “lado inicial”, alertando para a necessidade de se chegar ao “lado original”, isto é, a uma nova teoria, a um novo objeto, a uma nova verdade. Uma verdade que seja uma criação individual daquele que a buscou ao observar uma realidade e a estabelecer uma relação com essa mesma realidade.

Nelci Veiga Mello Academia Municipal de letras de Campo Mourão

CIDADE EM REVISTA

87


lançamentos do

abril 2018 | MAio 2018

Vingadores: Guerra Infinita

T

hanos (Josh Brolin) enfim chega à Terra, disposto a reunir as Joias do Infinito. Para enfrentá-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia, ao mesmo tempo em que lidam com desavenças entre alguns de seus integrantes.

lançamento 26/04/2018 Direção: Anthony Russo, Joe Russo Duração: Indisponível Gênero: Ação | ficção científica

88

CIDADE EM REVISTA


Antes Que Eu Me Esqueça

A

os 80 anos, Polidoro resolve demolir a estabilidade de sua confortável vida de juiz aposentado e virar sócio de uma boate de strip-tease. Beatriz, sua filha, resolve o interditar judicialmente. Seu filho Paulo se declara incapaz de opinar pois não mantém relações com o pai. O juiz determina o encontro forçado de pai e filho e a reaproximação transformará suas vidas.

Lançamento 05/04/2018 Direção: Tiago Arakilian Duração: 1h 40min Gênero: Comédia dramática

Um Lugar Silencioso

E

m uma fazenda dos Estados Unidos, uma família do meio-oeste é perseguida por uma entidade fantasmagórica assustadora. Para se protegerem, eles devem permanecer em silêncio absoluto, a qualquer custo, pois o perigo é ativado pela percepção do som.

Lançamento 05/04/2018 Direção: John Krasinski Duração: 1h 35m Gênero: Suspense | Drama

CIDADE EM REVISTA

89


Rampage: Destruição Total

D

avis Okoye é um primatologista (Dwayne Johnson), um homem recluso que compartilha um vínculo inabalável com George, um gorila muito inteligente que está sob seus cuidados desde o nascimento. Quando um experimento genético desonesto é feito em um grupo de predadores que inclui o primata, os animais se transformam em monstros que destroem tudo em seu caminho. Agora Okoye tenta conseguir um antídoto e impedir que seu amigo provoque uma catástrofe global.

lançamento 12/04/2018 Direção: Brad Peyton Duração: Indisponível Gênero: Ação | ficção científica

Amor e Tulipas

H

olanda, século XVII. O artista Jan van Loos (Dane DeHaan) é contratado para pintar o retrato do casal Sandvoort e imediatamente se apaixona pela jovem esposa do rico comerciante, Sophia (Alicia Vikander). Completamente envolvida no tórrido romance e cansada da existência infeliz ao lado do marido, ela decide fugir de casa para viver o amor.

Lançamento 12/04/2018 Direção: Justin Chadwick Duração: 1h 47m Gênero: Drama

90

CIDADE EM REVISTA


Tudo que quero

W

endy, uma jovem portadora de autismo, vive sob a vigilância de sua cuidadora. Mas ela encontra uma forma de fugir. Tudo o que ela mais quer é enviar um texto para uma competição de redação e mostrar que tem talento para ser escritora.

Lançamento 26/04/2018 Direção: Ben Lewin Duração: 93 min Gênero: Drama | Comédia

Exorcismos e Demônios

B

aseado na história real de um padre sentenciado à prisão após a morte de uma freira em que praticou um exorcismo. Uma jornalista investigativa se esforça para desvendar se de fato ele assassinou uma pessoa mentalmente doente ou se perdeu uma batalha contra uma força demoníaca.

Lançamento 03/05/2018 Direção: Xavier Gens Duração: 1h30min Gênero: Terror

CIDADE EM REVISTA

91


A Noite do Jogo

M

ax (Jason Bateman) e Annie (Rachel McAdams) participam de um grupo de casais que organizam noites de jogos. Quando o irmão de de Max, Brooks (Chandler), chega, ele decide organizar uma festa de assassinato e mistério. Quando Brooks é sequestrado, eles acreditam que tudo faz parte da misteriosa brincadeira. Os seis amigos competitivos precisam resolver o caso para vencer o jogo, cujo rumo vai se tornando cada vez mais inesperado.

Lançamento 10/05/2018 Direção: John Francis Daley, Jonathan M. Goldstein Duração: 1h 40min Gênero: Suspense | Comédia

Eu Só Posso Imaginar

B

art Millard é o vocalista da banda cristã MercyMe, e tem o relacionamento conturbado com seu pai, que sempre o tratou de maneira dura e nunca entendeu seu amor pela música. Conseguindo forças através de Deus, Bart resolve então eternizar sua relação em uma canção, “I Can Only Imagine”.

Lançamento 17/05/2018 Direção: Andrew Erwin, Jon Erwin Duração: 110 min Gênero: Drama

92

CIDADE EM REVISTA


O Ritual

R

eunindo-se após a morte trágica de um deles, quatro amigos de faculdade resolvem realizar uma caminhada através dos bosques escandinavos. No entanto, eles acabam se perdendo e percebem que estão sendo perseguidos por um mal antigo que ainda espreita na escuridão.

Lançamento 17/05/2018 Direção: David Bruckner Duração: 94 min Gênero: Terror

Deadpool 2

B

aseado no anti-herói não convencional da Marvel Comics, ‘Deadpool‘ volta a contar as aventuras calientes do exagente das Forças Especiais que se tornou o mercenário Wade Wilson. ‘Deadpool 2‘ apresentará o ‘X-Force‘, uma espécie do grupo X-Men que contém como um dos líderes do próprio anti-heróis.

Lançamento 17/05/2018 Direção: David Leitch Duração: Indisponível Gênero: Comédia | Ação

CIDADE EM REVISTA

93


Han Solo: Uma História Star Wars

A

s aventuras do emblemático mercenário Han Solo (Alden Ehrenreich) e seu fiel escudeiro Chewbacca (Joonas Suotamo) antes dos eventos retratados em Star Wars: Uma Nova Esperança, inclusive encontrando com Lando Calrissian (Donald Glover).

Lançamento 24/05/2018 Direção: Ron Howard Duração: 2h 23m Gênero: Fantasia | Ficção científica

Não vai dar

C

om o baile de formatura quase chegando, três jovens fazem o pacto de perderem a virgindade na noite da festa. Os pais das três garotas descobrem o plano delas e saem para tentar impedir que elas façam sexo, antes que seja tarde demais.

Lançamento 24/05/2018 Direção: Kay Cannon Duração: Indisponível Gênero: Comédia

94

CIDADE EM REVISTA


ARTE: CIDADE EM REVISTA

HÁ 11 AJUDANDO À CONSTRUIR CAMPO MOURÃO.

Há 11 anos no mercado construindo edifícios em sistema de condomínio em Campo Mourão, entrega, neste inicio de ano, mais um empreendimento, o Residencial Terra Maris. Venha conhecer o nosso setor imobiliário e conheça as últimas unidades disponíveis para venda e locações.

44.3016-3288 | 3016-3289 | 99114-3860 Av. José Custódio de Oliveira, 1445 - Campo Mourão

www.pronenge.com


96

CIDADE EM REVISTA

CIDADE EM REVISTA

96

Cidade em Revista Edição 49  
Cidade em Revista Edição 49  
Advertisement