Issuu on Google+

e s p e c i a l

Monte Gordo r e v i s t a

ponto movel cidade do saber

nยบ

2


Sumário

SABERES E FAZERES

MONTE GORDO NOSSA GENTE

QUEM CONTA UM CONTO

20

MOVIMENTO ARTÍSTICO

22

AÇÃO GOVERNAMENTAL

24

06

12

16

GENTE QUE FAZ

30

LÁ VEM HISTÓRIA

32

DICAS CULTURAIS

34

PAINEL CRIATIVO

36

LAZER

38

26 ESPAÇO

VERDE

SABOR DA TERRA

28

3


e s p e c i a l

monte gordo

Editorial

Dentro do propósito de contribuir com a história e o fortalecimento das tradições de cada localidade visitada pela sua unidade móvel, a Cidade do Saber – Instituto Professor Raimundo Pinheiro reúne nesta publicação um pouco do universo cultural de Monte Gordo, um pedacinho do município de Camaçari. Seguindo a premissa do projeto de unir arte, cultura, esporte e educação para a inclusão social, através desta revista, a Cidade do Saber busca também registrar, preservar e divulgar a cultura local. Aqui, é revelado um pouco do dia-a-dia dos personagens das comunidades visitadas pelo Ponto Móvel para mostrar o universo de

quem faz a história e ajuda a perenizar seus saberes e fazeres. Como no primeiro fascículo, que trata de Barra do Pojuca, convidamos o leitor a conhecer agora um pouco mais sobre os habitantes, o cotidiano, as tradições e até a culinária de Monte Gordo. Nas próximas edições vamos apresentar uma porção do universo cultural de Barra do Jacuípe, Jauá, Arembepe, Areias, Vila de Abrantes e o povoado de Cordoaria (remanescente quilombola).

Boa leitura!

Essa publicação segue as normas do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990, em vigor desde janeiro de 2009.

4


Distrito de Monte Gordo

Sejamdos bem vin

Camaçari

1

2 3

Barra do Pojuca

Monte Gordo

Barra do Jacuípe

Cidade do Saber Sede Camaçari 4

5

8

Arembepe

Areias

Cordoaria Distrito de Abrantes

6 7

Jauá

Vila de Abrantes

5


e s p e c i a l

monte gordo

Um recanto de peculiaridades São Bento, Jacaré, Marimbondo, Rua do Ouro, Capoeira Feia, Cascalheira... Tão diversificada quanto os nomes de suas localidades é a história de Monte Gordo, ou originalmente Bom Jesus de Monte Gordo, a 40 km de Salvador, no município de Camaçari. Até a origem do nome é envolta em diferenças (ver boxe). Certo mesmo é que a localidade já foi grande produtora de farinha e mamona. Sem contar com a fartura do coqueiral, excelente para o extrativismo do fruto. Sem falar da piaçava, da pesca sempre abundante na Praia do Ponto, em Guarajuba, e da pequena pecuária. Todos os produtos eram comercializados em Salvador e no entorno. A história da localidade começa com o surgimento de um largo, em frente à Igreja de São Francisco. Lá estão o mercado,

6

a feira e o comércio. Em volta do largo surgiram pequenas ruas. A configuração espacial atual guarda alguns aspectos daquela época. O centro reúne a Praça Rafael Arcanjo Vieira (antigo comerciante e conselheiro de Monte Gordo) e também o espaço físico da feira, a Capela de São Francisco e o mercado. Ao redor da praça encontram-se serviços como os Correios, a barbearia, os armazéns, o mercado (reconstruído em 1991 pela Prefeitura de Camaçari), a sede dos pescadores (Sociedade São Francisco de Guarajuba) e o restaurante de Dona Linda. Comércio forte Antiga vocação, o comércio ainda é mantido, mas não se troca mais a palha do ouricuri por um corte de tecido, como acontecia nos tempos dos grandes armazéns locais. Junto com as pequenas

vendas esses estabelecimentos moviam a economia. Entre os mais famosos pontos comerciais, os armazéns Conceição e Caboclo, de propriedade de Rafael Conceição e Waldemar Tavares, respectivamente. Havia ainda o do Sr. Manuel Gringo (turco) e o de José Gringo (italiano), todos na Rua Bom Jesus. Lá era possível encontrar de tudo: alimentos, utensílios, roupas, tecidos, remédios, artigos de pesca, etc. Linda Giffoni, filha de José Gringo, lembra um pouco desse tempo: “Meu pai tinha uma loja. Vendia tecido, vendia tudo. As mulheres vinham com o babaçu, com o oricuri pra trocar por tecido”, conta. “Eu me lembro que ele comprava esses tecidos na loja Solto Maia, em Salvador. Quando chegava, mamãe tirava aqueles tecidos pra a gente fazer roupa, a roupa era toda rodada”.


Versões para o nome A falta de um documento que comprove a origem do nome Monte Gordo gerou versões. A primeira fala que o lugar foi batizado pelos índios por causa das altas dunas. Outra diz que o nome veio com a criação da Freguesia de São Bento de Monte Gordo (1815) e o local se tornou famoso pela fartura do gado bovino de corte. Uma terceira versão remete a uma pessoa conhecida como o “gordo” do monte, que pertencia a uma das famílias mais tradicionais. A última interpretação saiu dos livros de Luciano Reis, escritor e morador da vila. Ele conta que o nome Monte Gordo derivou de uma região do Algarve, no sul de Portugal.

7


e s p e c i a l

monte gordo

Em Monte Gordo, domingo era dia de feira. O comércio informal era armado próximo ao Largo do Jacaré, tendo à frente da organização Aloísio Tavares. A partir de dezembro de 1947, passou a ser em frente ao Armazém Conceição. Um tempo depois, o proprietário do armazém, Rafael Conceição, construiu um mercado em frente ao estabelecimento. Era um galpão aberto, coberto por palha e dividido em boxes com quatro açougues. Segundo o marido de Dona Linda, Lourival de Sena, também ex-dono de mercearia e conhecido por Seu Lorinho, a partir da década de 1940 começaram a surgir os primeiros caminhões que transportavam mercadorias e passageiros, os chamados “paus-de-arara”. Seu Lorinho conta que, só nos anos 50, alguns comerciantes locais resolveram investir em caminhões e passaram também a fazer o transporte dessas mercadorias (carvão, coco, manga, farinha e peixe) para Camaçari, Mata de São João e Salvador.

8

Seu Lourival e Dona Linda

Transporte difícil Os tempos eram outros e o sistema de transporte em Monte Gordo era difícil, mesmo com uma população bem inferior à de hoje. Embora próxima à capital, a localidade era de difícil acesso, faltavam boas estradas. Os meios de transporte mais usados eram o saveiro, animais (burro ou cavalo) e o trem “Pirulito” (que fazia a linha Mata de São João – Alagoinhas). O primeiro ônibus de passageiros chegou em 1954, vindo de Salvador para fazer a linha Monte Gordo – Calçada, via Jordão. Nos anos seguintes, novas empresas criaram linhas para outras localidades. Em meados dos anos 1970, a realidade local já havia se transformado e a vila já tinha a maior população do distrito. Pescadores A primeira mobilização da sociedade civil de Monte Gordo se deu a partir de 1951, por iniciativa dos pescadores, que se organizaram por uma sede. Por volta de 1953, foi inaugurada a sede da Sociedade

dos Pescadores de São Francisco de Guarajuba. Segundo Adelmo Santos, morador e historiador, a criação desse grupo propiciou o encontro das classes sociais da localidade, que até então pouco conviviam entre si. Tradição e cultura Os moradores de Monte Gordo têm diversas tradições culturais, artísticas e religiosas, muitas das quais de origem africana. No entanto, boa parte das manifestações de cultura popular foi extinta, pois a maioria se foi com os mestres que detinham os saberes dessas “brincadeiras”. Diversos ternos de reis, como o do Caçador, o do Urubu e o do Macaco, garantiram a diversão do lugar durante muito tempo. O Mandú de Monte Gordo, manifestação criada pelos primeiros moradores da região, ainda continua ativo, sendo inclusive um dos contemplados no Edital de Manifestações de Cultura Popular do Governo do Estado.


“Antigamente, não havia muita coisa pra fazer. Nossas casas eram modestas, feitas de barro com varas, e eram construídas em mutirão. Fazia-se uma fatada ou uma feijoada e convidava-se todos os vizinhos e amigos. Durante todo o dia, se carregava barro e água”..

Dona Gilda

9


e s p e c i a l

monte gordo

A moradora Ermenegilda Guedes da Silva, filha de pescador e moradora do Beco da Cebola, diz que sente saudade de muita coisa do tempo de criança. Gilda fala de suas lembranças: “Tem muita coisa que a gente não esquece, como a ‘Puxada de Rede’. Os barcos chegavam do mar e a gente ia puxando aquela rede cheia de peixes. Hoje não existem mais tantos peixes”, lamenta. Uma boa lembrança da infância de Gilda é o rio límpido que dava no quintal das casas e fazia a diversão da garotada. “A gente tomava banho todas as tardes, pulando de cima da ponte e se sujando na areia branca de beira de rio”, recorda-se. Segundo o historiador João Reis, “Monte Gordo era uma espécie de quilombo formado por filhos de exescravos, prováveis descendentes dos negros trazidos da África pela Casa Garcia D’Ávila. Sua população era predominantemente negra, mas, entre 1930 e 1940, como eles mesmos dizem, “começou a clarear”, com a chegada de elementos de localidades mais próximas da capital”. Fontes: Perpétua Maria Carvalho Brandão. Mudanças Sócioambientais e Desenvolvimento em Monte Gordo e Guarajuba/ Município de Camaçari-Bahia. Dissertação de Mestrado em Geografia. Salvador: Ufba, 2006. Documento ATECPLAM. Salvador, 1985. João José Reis. Liberdade por um fio: História dos Quilombos no Brasil, 1997.

10

Chegança, o “brinquedo” do lugar Uma das brincadeiras de maior apelo popular é a Chegança, organizada e com participação exclusiva dos homens. Sua presença em Monte Gordo se perde no tempo e na memória da população - despertava grande interesse entre a comunidade e teve grande vigência até a década de 1950. Deixou de acontecer até início da década de 1980, quando foi reativada. Em Caraíba, Mestre Careca organizou uma Chegança, que conta com 30 homens e uma “artilharia” de 16 pandeiros. Não só pelas bandas de Monte Gordo, mas também em Barra do Jacuípe, Careca foi responsável pela ativação de uma outra manifestação que estava inativa, o Boi Estrela. Entre 1940 e 1950, a manifestação do boi acontecia em casas de moradores como Antonio Cardoso e Cassemiro de Souza, que cediam espaço para a brincadeira, animada pelos tocadores João e Domingos Viola. Se as Cheganças cantam os feitos portugueses, em Monte Gordo existia uma outra manifestação que representava a resistência dos povos africanos trazidos à força para o Brasil, o Bangariô. Dança realizada por duas fileiras de indivíduos que executavam movimentos vigorosos, de belo efeito coreográfico, que foi incorporada à tradição local, associada aos eventos festivos da comunidade.


Curiosidades Baianas na Lavagem de Monte Gordo

• Antigamente, para ir de Salvador a Monte Gordo era necessário passar por Dias D’Ávila (que se chamava Feira Velha) ou Camaçari e pegar um trem chamado Pirulito. O trem saía às 7 da manhã e retornava às 7 da noite. • Para Guarajuba o caminho era feito a pé, passando pela lagoa. No Inverno, tinha um barco para fazer a travessia. Para ir à praia era preciso sair cedinho, às 5 da manhã.

Para voltar era preferível sair mais tarde, quando a areia já estava fria. A estrada só veio em 1972 e o asfalto em 1987. • Nos finais de semana as mulheres iam para as lagoas lavar roupas. Passavam o dia inteiro, pois mariscavam a sua comida depois de colocar as roupas no quarador. Enquanto as roupas esquentavam no sol, elas pescavam camarão, peixe, aruá (caramujo).

11


e s p e c i a l

monte gordo

Também é Monte Gordo Guarajuba Como muitas localidades da orla de Camaçari, Guarajuba foi originada de uma antiga vila de pescadores e ainda conserva esse ambiente rústico e bucólico em alguns pontos, principalmente na área conhecida como Praia do Porto de Guarajuba, onde há uma maior concentração de pescadores. Nesse local, os barcos de pesca ancorados criam uma atmosfera poética de vila, principalmente no entardecer e quando a maré está baixa. A palavra Guarajuba vem do tupi-guarani e significa garça dourada, numa referência a uma ave muito comum na região das lagoas, que, por ser tão importante para o ecossistema em sua diversidade de flora e fauna, faz parte de uma Área de Proteção Ambiental (APA). Guarajuba é um balneário bem estruturado, possui praias de águas cristalinas e mar calmo, devido à proteção das barreiras de

12

arrecifes, os quais formam piscinas naturais, ideais para o banho de crianças, prática da natação e admiração da fauna marinha nas paredes de corais: pinaúna (ouriço do mar), caranguejo, pequenos peixes, entre outros. Não deixe de visitar Praia Scar Reef: localizada na Fazenda Genipabu, é considerada uma das melhores do Brasil para a prática de esportes náuticos como surf, windsurf e o kitesurf. A praia possui uma bancada perfeita de coral, onde quebram muitas ondas direitas e esquerdas. O fundo de corais, com um imenso canal ao lado que nunca fecha, favorece a prática do surf. Como se não bastasse isso, os ventos são sempre constantes. Em companhia de experientes pescadores locais é possível ainda a prática da pesca e do mergulho. O nome Scar Reef faz referência a uma praia da Indonésia.


Guarajuba encanta os visitantes pela praia, lagoa e sua diversidade paisagística A APA Lagoas de Guarajuba é uma região de exuberante paisagem, com extenso coqueiral e praias calmas e limpas. Área ecologicamente importante, com diversas formações vegetais associadas ao rico ecossistema lagunar e de praia, se caracteriza por ser uma das últimas áreas representativas do ambiente natural da orla de Camaçari. A lagoa Guarajuba-Velado é considerada uma das áreas úmidas mais significativas do litoral norte da Bahia. Serve de tampões hidrológicos para reservatórios subterrâneos, reduzindo os efeitos da poluição, além de ser abrigo para aves migratórias e local de reprodução de jacarés e sucuris. Fonte: CRA

13


e s p e c i a l

monte gordo

Nossa Gente

Entrevista:

Narciso Augusto

“Fui conhecer a cidade da Bahia num saveiro grande” Narciso Augusto de Jesus, 73 anos, nascido e criado em Monte Gordo, acompanhou de perto as muitas transformações na localidade nas últimas décadas. Comerciante, dono do bar “Recanto da Paz”, na entrada do distrito, foi apelidado por seus fregueses de “Narciso do Amarelinho”, cor do estabelecimento que ficou famoso pelos tira-gostos e pela boa prosa do dono. Além de comerciante, também possui dotes literários: Seu Narciso guarda um caderno de anotações onde escreve poemas em homenagem a conterrâneos, políticos e fregueses ilustres. Ele conta um pouco da história da sua família e do lugar que escolheu para passar toda a sua vida. Revista Ponto Móvel: O senhor pode contar um pouco sobre a história da sua família?

14

Seu Narciso: Meu pai era pescador, não plantava nada. Tudo que a gente precisava ele trocava no armazém de Seu Rafael. Quando meu pai chegava da pescaria, a gente separava o peixe que ele escolhia, pesava e levava lá. Ele me mandava levar peixe e um bilhete pra pegar as compras e quando Seu Rafael não tinha algum produto, me dava o dinheiro pra eu comprar em outra venda. Aí eu fazia as compras e vinha embora pra casa. RPM: Tinha muito peixe em Monte Gordo, nessa época? Seu Narciso: Sim, era muita fartura. Aqui a gente pegava uma folha chamada tinguí, pisava na praia, deixava a areia bem

verdinha. Quando a água trazia os peixes, polvo, caramuru, eles ficavam bêbados por causa do tinguí e a gente saía catando. Fazia moqueca, salgava, botava pra secar. A gente comia carne de boi de oito em oito dias. Não tinha luz, então não tinha como estocar nada em geladeira. Até 1971, quando eu me casei, a gente ainda usava em casa um candeeiro, que chamava Aladim. RPM: Como foi a sua primeira viagem para Salvador? Seu Narciso: Foi de saveiro. Durante o caminho, meu estômago não segurava nada do que eu comia. A viagem durava mais ou menos umas cinco horas, ancorando na Barra no horário de 5 horas da tarde, saindo daqui às 10 horas da manhã. Fui conhecer a ‘Bahia, a cidade da Bahia’, num saveiro grande, que transportava tudo, carga e passageiros. Era tão grande que cabia a carga de um caminhão, com passageiro e tudo. RPM: E tinha o que para se distrair em Monte Gordo?


Seu Narciso: Tinha uns ternos que saíam da casa da avó da minha esposa. Tinha o Terno do João Guará, o das Melindrosas e o da Raposa. Em janeiro, eles saíam pelas casas cantando e dançando. Às vezes, a gente tava dormindo e eles nos acordavam pra serem recebidos, aí tinha sambão também. Dia 1º de novembro, a gente ia pra Torre (Casa da Torre dos Garcia D’Ávila), pra festa e pra missa. Tinha um caminho por aqui que dava na ponte do Rio Pojuca. Naquela época, já cobravam pra gente atravessar a pé essa ponte (que ficava dentro de uma propriedade particular). No dia seguinte era Dia de Finados, nem parecia que tinha tido festa nenhuma. A padroeira da igreja de lá era Nossa Senhora das Dores, mas a festa era de todos os santos.

RPM: É verdade que o senhor atua como articulador para trazer benefícios para a localidade? Seu Narciso: Procuro participar das reuniões com políticos que visitam a comunidade para saber das nossas necessidades. Tanto que eu tenho foto com alguns desses políticos. Há 20 anos esse caminho não era asfaltado. Caetano (atual Prefeito de Camaçari, que teve o seu primeiro mandato no ano de 1986) fez o asfalto até ali em Lourinho, em 1986. A gente aqui tem saneamento básico. Eu lutei muito também pelo transporte, participava de todas as reuniões, com as lideranças de todas as localidades. As pessoas daqui me pedem para eu falar com alguns políticos, porque acham que eles me escutam e é o que eu faço. E eles têm me atendido.

15


e s p e c i a l

monte gordo

Saberes e Fazeres Mestra Helena e familiares

Mestra Helena do Mandú Foi depois de ter se casado, aos 21 anos, que Dona Helena aderiu à brincadeira e apaixonou-se pela coisa toda. Hoje, com 64 anos e mestra do Reisado do Mandú, ela conta que quem lhe apresentou o folguedo foi o marido, Ilário Bispo dos Santos, que já participava de outras manifestações culturais, sendo inclusive o boi de outro terno. A representação consiste em colocar no mandú um balaio e um cobertor por cima da cabeça e uma vara, que representa os dois braços. “Daí ele sai dançando”, relata dona Helena. O mandú é mantido por toda a família: “Eliene, minha filha, tem ativado o terno junto com o sanfoneiro e com uma filha dele, chamada Ninha. Aqui em Monte Gordo o mandú tem um guará,

16

representado pela minha neta Eduarda e a irmã dela mais nova brinca com a bandeira. Meu filho Antonio é quem faz o caboclo, que bota o pessoal pra dançar”. O grupo tem mais de 20 pessoas que saem pela localidade cantando e dançando no dia 6 de janeiro. “Antes a gente ia de casa em casa, mas agora não fazemos isso mais. Às vezes a gente faz uma surpresa pra uma amiga, geralmente quando é aniversário, e chega à casa da pessoa sem avisar. A gente manda fechar a casa, apagar a luz e faz a surpresa”. O Mandú de Monte Gordo foi contemplado no Edital de Manifestações de Culturas Populares da Secretaria de Cultura do Governo do Estado em 2009.

O que é o mandú? Em sua origem histórica, o mandú representava para o povo de santo um egum ancestral. No candomblé, ninguém pode saber quem está por baixo da indumentária do egum. O tradicional mandú, como o egum, é uma figura sem formas que veste roupa larga e colorida, tem a cabeça agigantada e braços desengonçados, que são simulados por um cabo de vassoura. Segundo a tradição oral, antigamente os mandús eram pessoas ligadas ao candomblé que participavam da festa cumprindo preceitos religiosos (promessas).


Janine, neta da Mestra Helena

Sanfoneiro Carlos Francisco Contatos para apresentaçþes: 3674-1165 / 9626-4472 / 9947-4393 (Eliene)

17


e s p e c i a l

monte gordo

Saberes e Fazeres

A Casa de Farinha de Seu Marival “Faço farinha desde rapazote, minha luta sempre foi na roça”, diz Seu Marival Morador da localidade de Jacaré, Marival Vieira Cavalcante é exemplo de detentor do saber de uma cultura que já foi muito importante para a economia da região do distrito de Monte Gordo. Dono de uma típica casa de farinha, feita de barro por suas próprias mãos, Seu Marival se orgulha do ofício que desempenha desde jovem. “Eu nasci aqui, faço farinha e trabalho na roça desde rapazinho. Antes a gente fazia farinha na casa dos outros, mas, depois que casei, fiz essa casa aqui. Eu mesmo

18

construí essa casa de farinha com um rapaz, já tem mais de 20 anos”, conta. Casado com Dona Alaíde, teve cinco filhos, sendo que apenas um deles ajuda na produção, quando pode. “Tem umas três pessoas que colaboram também. Hoje em dia a gente só faz para a família mesmo, ou pra dar pra pessoas conhecidas, mas a gente não vende, não”, diz ele, contando que a roça é no fundo da casa e a farinha é feita a cada 15 dias. “A gente tira duas cargas, uma carga, porque não pode tirar tudo de vez que a gente não dá conta. É

uma mão-de-obra danada. Antigamente a gente tirava uma quantidade que passava uma semana fazendo farinha, mas era pra vender ou trocar em Guarajuba com os pescadores”, explica. Seu Marival revela que seu sogro também produzia bastante em sua casa de farinha, em Boa Esperança (Monte Gordo). “O pai da minha esposa tinha uma casa de farinha. Ainda existe, lá em Boa Esperança, e quem cuida hoje é meu cunhado. Lá a casa é de azulejo, tem motor, a produção é bem maior”, compara.


Seu Marival

19


e s p e c i a l

monte gordo

Quem Conta um Conto?

Fonte de beber Por Ermenegilda Guedes da Silva

“Era um minadouro, a água escorria por um rego e no meio da fonte havia uma grande pedra. A população fazia mutirão pra limpar de ano em ano a fonte, que tinha uma água avermelhada e que todos acreditavam curar doenças. As pessoas vinham de toda a redondeza com suas latas e potes para apanhar água, que, apesar de ser vermelha, tinha um sabor agradável e era fresquinha. Dentro dessa fonte haviam muitas rãs grandes. Algumas pessoas tinham medo delas e pagavam para outras fazerem a limpeza anual em seus lugares. Hoje essa fonte praticamente não existe mais, foi abandonada pelos atuais moradores e quase secou. Ficou somente a lembrança dos mais velhos, filhos do lugar”.

20


Monte Gordo Por Lourival Sena

“O nome do lugar sempre foi Monte Gordo. Uns dizem que era por conta de um morro bem alto que tinha ali no fundo do Amarelinho (bar do Seu Narciso). Os donos dessas terras, que iam do Rio Vermelho até o Conde, eram os Garcia D’Ávila. Eles pegavam o gado magro, traziam de lá de Itapuã pra cá, pra botar na pastagem daqui, porque o gado engordava mais rápido. Então, por causa desse morro bem alto onde o gado pastava e engordava, o nome ficou Monte Gordo. Uns contam isso”.

21


e s p e c i a l

monte gordo

Movimento Artístico

Palco da Cidade A criatividade e o talento artístico da gente de Camaçari são revelados através do Palco da Cidade, um espaço criado pelo Núcleo de Produção do Teatro Cidade do Saber.

(Facom) da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Raquel da Silva Santana. Ela apresentou a canção “Faz um milagre em mim” e diz ter gostado muito de participar do evento.

Com uma programação bastante diversificada, o palco promove pequenos concursos, mobilizando a população dos distritos da cidade, sobretudo aqueles mais afastados do centro, que, desta forma, ganham mais cultura e entretenimento.

“Achei as apresentações muito variadas, contemplando diversas modalidades de expressão artística”, disse. Para ela, a iniciativa do Palco da Cidade é mais que bem vinda: “Existem muitos talentos desconhecidos em nossa comunidade e esta é uma oportunidade de mostrar isso, já que há uma carência de espaços artísticos de um modo geral”, opina.

As apresentações abrangem diversas linguagens artísticas: música, dança, teatro, literatura, poesia, arte circense, entre outras. Os candidatos participam de seletivas nas localidades da orla, sendo que as finais acontecem no Teatro da Cidade do Saber. Uma das finalistas em Monte Gordo foi a estudante da Faculdade de Jornalismo

22

Outros finalistas em Monte Gordo foram Alessandro Ferreira de Oliveira, que encantou a plateia com sua imitação de pássaros, e André Luiz da Silva, Tony Novais, Welington Rios, Adão Gomes, Luiz Carlos, Yago Freire e Cleber Rios, autores e intérpretes da banda “Ecofrase”.

Raquel da Silva Santana


Alessandro Ferreira de Oliveira

Plateia prestigiando o projeto

23


e s p e c i a l

monte gordo

Ação Governamental

Gente que cuida da gente Garantir o acesso de todo e qualquer cidadão de Camaçari às políticas governamentais é o objetivo principal da administração pública municipal.

24

da Comunidade de Boa Esperança, além da oferta de cursos de hortifruti, de pesca e de criação de aves.

Desde 2005, o cuidado com as pessoas tem sido priorizado, através de ações de valorização das potencialidades socioculturais e econômicas, também, das localidades da orla da cidade, para fortalecer a relação de pertencimento à esfera do município e a integração da população do centro e do litoral. As ações empreendidas em Monte Gordo seguem esse foco.

A reestruturação e reforma das escolas de Camaçari estão entre as prioridades da política pública de educação. A escola Amélia Rodrigues foi uma das contempladas: ganhou uma nova quadra coberta, vestiário com banheiro, iluminação e arquibancada com capacidade para 80 pessoas. Durante a inauguração do espaço foi anunciada também a construção de um novo ginásio esportivo e cultural em Monte Gordo.

No setor social, a localidade ganhou uma nova unidade do Centro de Referência da Assistência Social (Cras)/Casa da Família. As unidades do Cras garantem o desenvolvimento de potencialidades, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Ainda nesse âmbito, podem ser citadas a reabertura da Casa de Farinha

Ações importantes na área da saúde são a reforma e a reativação do Pronto Atendimento 24 horas e a unidade de saúde do distrito. Além disso, atendendo a uma antiga reivindicação da comunidade, os moradores de povoados mais distantes, como Lagoa Seca, passaram a ter atendimento médico aos sábados. Agora já não é preciso percorrer

mais de dez quilômetros para comparecer às consultas. Entre as ações realizadas na segurança pública no distrito está a inauguração da 33ª Circunscrição Policial. Já os investimentos em infraestrutura estão sendo ampliados em Monte Gordo, com obras de esgotamento sanitário: agora a localidade conta com mais de 13 quilômetros de rede coletora e 18 de rede condominial. O projeto da rede de esgoto contempla também a construção de estações elevatórias e Monte Gordo já ganhou a sua unidade. A Prefeitura também tem melhorado o sistema de iluminação pública, com a ampliação do serviço para mais 30 ruas. A mobilidade dos moradores tem sido beneficiada com os investimentos em pavimentação asfáltica e recuperação de vias urbanas, melhoramento de estradas vicinais e de ruas que ainda não dispõem de calçamento.


Fotos: Carol Garcia, Nelinho Oliveira e Agnaldo Silva

Saúde e educação estão entre as principais ações da Prefeitura

25


e s p e c i a l

monte gordo

Espaço Verde

A arte ecológica de Afonso Ligori As garças que embelezam a entrada da sede da Cidade do Saber, bem como as vitrines do Espaço Conviver, destacam o trabalho de Afonso Ligori de Oliveira*, reconhecido artista de Camaçari. Antes de morar em Monte Gordo por 12 anos, já tinha vivido em lugares como Barra do Pojuca e Praia do Forte. Estava trabalhando na criação de uma organização não-governamental para ensinar jovens a reaproveitar os subprodutos do coco. “Esse trabalho tem várias vertentes, mas o grande objetivo é despertar a consciência ecológica de crianças e jovens, além de capacitá-los a ter uma renda”, explicou. Em seu atelier “Oficina do Coco”, além de criar as esculturas, Afonso produzia o “xaxim” de coco seco, que substitui o tradicional em extinção e com comercialização proibida. “Temos muita casca de coco por aqui,

26

estamos ajudando a preservar a natureza e ainda podemos ganhar dinheiro”. Sua vontade era expandir o trabalho para a comunidade. “Fiz uma oficina, a 700 km daqui, em Rodelas, onde o pessoal vive basicamente de plantar coco e essa matériaprima era jogada fora. Promovi cursos de xaxim, de bijuterias, objetos de decoração e utensílios”. Sobre uma de suas mais famosas obras, as garças da Cidade do Saber, ele contou que o trabalho mostra o quanto a arte é importante no protesto social. “Quando vi as dunas da entrada de Monte Gordo começarem a sumir, com carros passando por cima delas, fiquei tão triste que resolvi fazer alguma coisa pra chamar a atenção das pessoas”. Ele idealizou a criação de 300 garças para colocar em cima das dunas. O lugar, que já serviu de mirante para os pescadores da

localidade, hoje quase que não existe mais. As garças, que já estão em extinção, são prejudicadas pela poluição das lagoas e desmatamento na região. Seu Afonso chegou a ter autorização do CRA (Centro de Recursos Ambientais) para realizar esse sonho, mas quando ele estava com 100 garças prontas, foi convidado para fazer a exposição “Garças de Guarajuba”, na Cidade do Saber, passando a se dedicar a esse trabalho. O material usado é todo reaproveitado, seja o coco seco ou a madeira de desmatamento encontrada nas matas da região. * Afonso Ligori faleceu uma semana após a entrevista para a Revista Ponto Móvel Cidade do Saber. Fica aqui a nossa homenagem ao trabalho desse grande artista e ecologista.

Para saber mais: www.cocoverderj.com.br www.jardimdeflores.com.br


Afonso Ligori

O QUE É XAXIM? Uma das espécies vegetais mais antigas, a Dicksonia selowiana, conhecida como samambaiaçu, é a planta de cujo tronco se extrai o xaxim (para a fabricação de vasos e substratos). Típica da Mata Atlântica, está na lista do Ibama das espécies brasileiras ameaçadas de extinção, em razão da intensa exploração comercial. Desde 24 de maio de 2001, o Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) criou a resolução nº 278, que determina a proibição do corte e exploração dessa espécie ameaçada de extinção. Há produtos alternativos que substituem o xaxim, como vasos feitos com a fibra do coco e substratos como a palha do coco, ardósia e carvão. Ao optar por estes produtos, ajudamos a preservar a Dicksonia selowiana.

27


e s p e c i a l

monte gordo

Sabor da Terra

Divino fruto O coco é o principal ingrediente da culinária local, já que tem vasta produção em Monte Gordo. Do fruto são feitas as suculentas cocadas ou queijadas, como também são conhecidas, que podem ser encontradas ao longo de suas principais ruas, sendo muito apreciadas pelos frequentadores do lugar. A partir do chamado “divino fruto” é possível variar a produção, que contempla a cocada branca, a cocada de sabores (abacaxi, goiaba, maracujá, abóbora, cenoura, beterraba, jambo), cocada de coco queimado, cocada-puxa e cocada de amendoim.

28

A venda das cocadas está entre as atividades que ajudam a complementar a renda das famílias de Monte Gordo. Nos finais de semana, as codadeiras comercializam as iguarias nas praias da região. Também do coco é possível fazer as bolachinhas de goma ou ainda incrementar o beiju de tapioca. Para quem preferir a forma in natura, uma outra opção é saborear a água de coco e comer o próprio fruto. Conheça na página ao lado uma receita simples, que tem o coco como ingrediente principal. Bom apetite!


Cocada Mulata Ingredientes: • 4 xícaras de chá de açúcar • 1 copo de leite • 2 xícaras de chá de coco ralado • 1 colher de sopa de manteiga

Modo de preparo: Em uma panela, queime o açúcar em fogo baixo até que fique escuro. Fora do fogo, coloque o restante dos ingredientes e misture bem. Volte com a panela ao fogo e deixe cozinhar. Quando desgrudar, retire do fogo novamente. Coloque algumas colheres de cocada em uma pedra de mármore até esfriar. Está pronta.

29


e s p e c i a l

monte gordo

Gente que Faz Aquicultores participam da cooperativa

Parceria que deu certo Uma experiência interessante na área de cooperativismo pode ser vista na localidade de Coqueiro, zona rural de Monte Gordo. Trata-se da Coopermonte (Cooperativa Agropecuária e Industrial Coqueiro de Monte Gordo), criada em 2005 para ser o braço comercial da Apane (Associação dos Pequenos Agricultores Nova Esperança de Coqueiro de Monte Gordo). Tudo começou com a criação de uma associação na área onde funcionava um campo experimental, o Campo do Coco. Através de um acordo entre o Governo Estadual e a Prefeitura de Camaçari, 35 famílias foram assentadas no local, em propriedades de duas tarefas, com direito a uma área comunitária para a construção de residências. A partir daí, os assentados puderam viver do próprio trabalho, produzindo frutas, verduras e hortaliças. Com o crescimento,

30

surgiu a necessidade de uma organização socioeconômica para a obtenção de benefícios para o Campo do Coco. Foi então formalizada a Apane, em 1987. Hoje, a Coopermonte, presidida por Adriana Santos, busca atender às necessidades dos cooperados (agricultores, aquicultores, apicultores, meloponicultores, cocadeiras e doceiras), viabilizando atividades de produção e comercialização, melhorando a qualidade de vida e o resgate da dignidade de seus integrantes. Segundo Eliane Costa, secretária da Coopermonte, “no início havia 20 cooperados, agora são 36, sendo a maioria mulheres entre 18 e 50 anos”. Foram criados quatro núcleos com projetos em cada área. O núcleo de agricultura, que já produzia frutas, começou a trabalhar com o melhor aproveitamento dos produtos. O de

piscicultura resgatou um antigo projeto da associação. O núcleo de apicultura/ meloponicultura busca incentivar jovens a criar abelhas nativas (como a uruçu) e africanizadas. Também foi criado um núcleo dedicado à profissionalização das cocadeiras, para que as mulheres de Coqueiro garantissem qualidade na produção e melhor distribuição. Segundo Greiciane das Neves, vice-presidente da Coopermonte, já havia a produção individual. “Agora fazemos em grupo e vendemos nas feiras e praias”. O coco é comprado de produtores da associação e a comercialização dos produtos ajuda nas contas da cooperativa e complementa a renda das cooperadas. Em 2005, foi aprovado o projeto “Profissionalização das cocadeiras do Litoral Norte” em um edital da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb).


Cocadeiras da Coopermonte

Contatos: Coopermonte: (71) 8207-4809 E-mail: coopermonte@gmail. com

31


e s p e c i a l

monte gordo

Lá vem História

A trajetória de São Bento de Monte Gordo

32

Mais de 40 quilômetros de belas praias, dunas, lagoas, rios e coqueirais, sede de um dos mais importantes pólos industriais do país e berço de tradicionais manifestações culturais. Sem dúvida, Camaçari pode ser traduzido por sua diversidade. Uma característica que se mostra desde a criação do município, que teve diversos nomes. Um dos seus maiores patrimônios, no entanto, é sua gente simples e hospitaleira, distribuída entre a orla e a sede.

ano foi marcado, ainda, pela expulsão dos jesuítas.

A cidade foi fundada em 1558 pelos jesuítas, como centro de catequese dos índios Tupinambás. Inicialmente chamava-se Aldeia do Espírito Santo, localizada nas margens do Rio Joanes.

É forte a presença das culturas negra e indígena em Camaçari. A marca dessas culturas é vista no artesanato, na comida e na religião, sobretudo em localidades remanescentes de quilombos.

A data oficial de fundação é 28 de setembro de 1758, quando, por decreto do Marquês de Pombal, foi elevada à condição de vila, sendo chamada de Vila de Abrantes. Aquele

A economia de Camaçari era baseada na pecuária e na agricultura de subsistência até o final dos anos 60. No entanto, uma mudança significativa acontece na década

A cidade chegou a se chamar Montenegro, por influência política de um dos herdeiros de suas terras. Em 1938, passou definitivamente a ser denominada Camaçari. Na origem, Camassary é uma espécie da Mata Atlântica e o nome significa “árvore que chora”, por verter uma seiva em suas folhas, como se fossem lágrimas.


Para saber mais sobre a história de Camaçari, consulte Camaçari, Sua História, Sua Gente, de Sandra Parente; e Abrantes, Berço da Civilização Brasileira, de Eduardo Cavalcanti.

de 70: o início da implantação do maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul. Desde então, não só Camaçari, mas a Bahia passa a ter um novo perfil econômico, quando a indústria assume a ponta como setor mais importante. Camaçari, área de antiga fazenda do mesmo nome, era um pequeno arraial, depois contou a seu favor com maior investimento físico e humano, estação de atendimento, bomba para abastecer as máquinas, residências de ferroviários e, posteriormente, com a sua escolha para estação de veraneio por pessoas da elite local, capitaneadas pela família Costa Pinto – cujo chefe era líder da indústria açucareira. Monte Gordo Partindo-se dos dados e documentos raros, nota-se que a vila de Monte Gordo foi fundada em 1815. A Freguesia de São Bento de Monte Gordo foi criada através de

uma resolução a pedido dos moradores do distrito, que, até então, era denominado “Capela de São Bento de Montegordo”. A partir daí, a localidade passou a ser uma freguesia. O histórico de ocupação humana do distrito de Monte Gordo data da época da colonização brasileira, cujas vilas e arruamentos rurais, ao longo da costa, serviram originalmente como pontos de parada, passagem do gado ou conexões de caminhos onde surgiram vendas e quitandas, pontos para trocas de mercadorias e abastecimento. Assim, foram surgindo as vilas onde as atividades eram exclusivamente a pesca e a agricultura de subsistência. A localidade de Guarajuba, originalmente uma vila, foi onde se deu o primeiro assentamento dos pescadores de Monte Gordo. Posteriormente, com a expansão da agricultura de subsistência, a população foi se interiorizando. Fonte: Documento ATECPLAM, 1985.

33


e s p e c i a l

monte gordo

Dicas Culturais

Padroeiros em dia de festa São Bento Próximo à localidade de Bom Jesus de Monte Gordo, mas com identidade cultural bastante própria, fica São Bento. Lá acontece, em março, geralmente no terceiro ou quarto final de semana, a festa do padroeiro da localidade. O cortejo sai da Escola Municipal Hermógenes Bispo de Souza em direção à Igreja São Bento, onde é celebrada a missa. A partir do meio-dia, os fiéis participam de quermesse e prestigiam apresentação de grupos locais de capoeira e samba-deroda. O evento acontece na praça, que também recebe o nome do padroeiro. A

34

São Francisco festa inclui também a parte profana, com o tradicional Baile dos Coroas e shows. História São Bento nasceu em Úmbria, na Itália. Desde a juventude dedicou a vida à oração, meditação e aos diversos exercícios para a santidade. A regra beneditina logo se espalhou pela Europa, por formar cristãos santos por meio dos ensinamentos de Jesus e prática dos mandamentos e conselhos evangélicos. Em 1964, o papa Paulo VI o designou como santo padroeiro da Europa.

A Festa de São Francisco acontece sempre no terceiro final de semana de janeiro. Os festejos se iniciam na sexta-feira, com a lavagem da escadaria na capela do padroeiro, depois de uma caminhada de quase oito quilômetros - da Praça da Juventude, em Guarajuba, em direção a Monte Gordo. À frente do cortejo, baianas abençoam a multidão com água-de-cheiro, flores e lavanda. Elas são acompanhadas de integrantes do grupo afoxé Filhos de Gandhi, banda de sopro e cavaleiros.


Igreja Matriz de São Bento

Realizada desde 1951, a festa do Padroeiro de Monte Gordo, que se popularizou com o nome de “Lavagem de Guarajuba”, reúne moradores, turistas, veranistas e devotos de São Francisco de Assis, padroeiro dos pescadores. Além de manter a tradição do lugar, a festa também é um espaço de valorização dos artistas locais. Durante as comemorações, a economia da região também registra um incremento por conta da maior movimentação no local.

e começou a se converter gradualmente, dedicando-se a dar esmolas e oferecer suas roupas aos pobres. São Francisco abriu mão de sua fortuna e passou a viver na pobreza. Iniciou a “Ordem dos Frades Menores”, mais conhecida como Ordem Franciscana. Criou uma regra na qual seu principal fundamento são a pobreza e a humildade. A Ordem Franciscana cresceu com o passar dos anos, tendo quase cinco mil frades no distante ano de 1221. Por seu apreço à natureza, São Francisco é mundialmente conhecido como o santo protetor dos animais e do meio ambiente. São Francisco morreu em 3 de outubro de 1226 e foi canonizado em 1228 pela Igreja Católica.

Concentração em frente à Capela de São Francisco de Assis

Foto: Carol Garcia

No sábado pela manhã é realizada uma grande roda de samba na beira da Praia do Porto, em Guarajuba. No dia seguinte, domingo, ocorre a missa em homenagem ao santo. Segunda-feira é dia da procissão marítima, com dez embarcações. Depois de uma hora em alto mar, a imagem de São Francisco de Assis é levada, em procissão terrestre, de volta à capela. À noite, o Baile dos Coroas, em Monte Gordo, encerra a festa.

História São Francisco nasceu na cidade de Assis, na Itália, em setembro de 1181. Foi batizado com o nome de Giovanni di Pietri, mas seu nome foi mudado pouco tempo depois para Francisco, pois seu pai, que era comerciante e viajava muito, mudou o nome do filho em homenagem ao local em que fazia bons negócios. Em 1198, aconteceu um conflito entre a nobreza e os comerciantes de Assis. São Francisco adoeceu

35


e s p e c i a l

monte gordo

Painel Criativo

Ponto Móvel Um caminhão-baú totalmente adaptado e capaz de transformar o dia-a-dia das comunidades, levando arte, esporte, educação e entretenimento. É a partir desse instrumento que os moradores de locais distantes da sede de Camaçari participam das ações de inclusão social da Cidade do Saber, através do Ponto Móvel. A cada três meses, a estrutura itinerante muda de endereço para garantir a pulverização das atividades. A estrutura do caminhão dispõe de acervo bibliográfico, computadores com acesso à internet, TV LCD, DVD e uma brinquedoteca. Há, também, um palco na parte externa para a realização de atividades como o Palco da Cidade.

36

artes plásticas (pintura em tecido), criação literária e musicalização, sempre às terças-feiras. Para a coordenadora do Ponto Móvel, Jucilene Santos, apesar da distância dos povoados, a participação foi excelente em Monte Gordo. “Alguns alunos andavam quilômetros para não perder as atividades, que foram concentradas na praça em frente à associação de moradores”. O mais gratificante para Jucilene é ver o resultado alcançado. “Muitas comunidades se sentiam esquecidas e nós pudemos ver como os moradores elevam a autoestima após o projeto”, completa.

Os primeiros lugares visitados pelo Ponto Móvel, entre julho e outubro de 2009, foram Monte Gordo, Barra do Jacuípe, Barra do Pojuca e Areias, com um total de 1.213 alunos matriculados.

E, para não deixar os alunos com gostinho de quero mais, o projeto vai fazer novas visitas às localidades fora da sede de Camaçari, já que cultura, arte e esporte precisam fazer parte do dia-a-dia do processo de construção da cidadania.

Em Monte Gordo foram realizadas oficinas de futebol,

Monte Gordo, até a próxima visita!

Inauguração Ponto Móvel: Oficina de pintura


Alunos de musicalização no teatro

Mostra dos alunos da oficina de pintura em tecido

37


e s p e c i a l

monte gordo

Expediente

Lazer Cidade do Saber

Ligue os pontos

e descubra a figura que eles escondem.

Diretora geral: Ana Lúcia Silveira Diretor de infraestrutura: Utilan Coroa Diretor do saber: Arnoldo Valente Diretora do teatro: Osvalda Moura

Coordenação do Projeto Revista Ponto Móvel Cidade do Saber Assessoria de Comunicação da Cidade do Saber (ASCOM) Responsável: Carolina Dantas Pesquisa: Bárbara Falcón Fotos Ascom: Daniel Quirino e Clemente Junior Equipe Ascom: Bárbara Falcón, Carolina Dantas, Clemente Junior, Daniel Quirino, Elba Coelho, Tediarlen Silva

Realização AG Editora Diretora executiva: Ana Lúcia Martins Executiva de projetos: Júlia Spínola Textos: Luciana Amorim Edição: Ana Cristina Barreto Fotos: Paulo Macedo Revisão: José Egídio Endereço: Rua Coronel Almerindo Rehem, 82, sala 1207. Ed. Bahia Executive Center, Caminho das Árvores. CEP: 41.820-768 - Salvador-BA Tel: (71) 3014-4999 Projeto gráfico: Metta Comunicação Editoração: Jean Ribeiro e João Soares Ilustrações e arte: Jean Ribeiro Tiragem: 2.000 exemplares - distribuição gratuita Agradecimentos: ASCOM - Prefeitura Municipal de Camaçari Fotos: Carol Garcia, Agnaldo Silva e Nelinho Oliveira

38

Dicas: Ligue os pontinhos nas cores preta e cinza com lápis preto, os pontos na cor laranja com lápis laranja e os pontos amarelos com lápis amarelo.


e s p e c i a l

Monte Gordo

Executor do Projeto

Parceiros Cidade do Saber:

Mantenedor:


Revista Ponto Móvel Cidade do Saber N° 02 Monte Gordo