Issuu on Google+

News Release Contacto: Telefone: Email:

 Odete Pera +351 21 358 32 22 odete.pera@eu.jll.com comunicacao_jll@netcabo.pt Referência: Para divulgação imediata 

Investimento europeu em imobiliário de logística alcan çou os €8,4 biliões em 2008, cerca de 44% menos do que em 2007 A procura futura será conduzida pela consolidação e relocalização estratégica, de acordo com o último European Industrial Markets Report da Jones Lang LaSalle Lisboa, 31 Março 2009 — O investimento directo em imobiliário industrial totalizou os €8,4 biliões em 2008, cerca de 44% menos do que no ano anterior, um declínio ainda assim menor do que o de 54% registado no global da actividade de investimento em activos de imobiliário terciário. Esta é uma das principais conclusões do European Industrial Markets Report, divulgado pela Jones Lang LaSalle. O documento revela que, durante o ano passado, os investidores se focaram nos mercados europeus de logística de maior dimensão e com maior liquidez, sendo que cerca de metade do volume de investimento teve lugar no Reino Unido e na Alemanha. Apesar de observar um decréscimo anual de 48%, o Reino Unido permaneceu como o mercado de investimento mais expressivo, com €2,4 biliões transaccionados. Os investimentos na Alemanha alcançaram os €1,7 biliões, 28% menos do que em 2007, registando o declínio menos acentuado de todos os mercados. A actividade na Europa Central e de Leste, por seu turno, manteve-se limitada, em torno dos €600 milhões. E apesar de a região ter incrementado ligeiramente a sua quota de 5% para 7% do total do mercado europeu, as oportunidades prime continuaram a ser limitadas. Chris Staveley, Head de Pan-European Office e de Industrial Capital Market s na Jones Lang LaSalle, afirma: “A confiança dos investidores foi, sem dúvida, afectada pelos tumultos financeiros. Contudo, o sector logístico continuou a atrair o interesse dos investidores, devido, sobretudo, à sua natureza menos volátil comparativamente com os escritórios e a diversificação de portfolios. Esperamos, contudo, que os preços se mantenham sob pressão durante todo o ano de 2009. O enfoque dos investidores mudou para os pólos logísticos prime, que ofereçam taxas de ocupação historicamente mais elevadas e uma procura mais consistente. Desta forma, acreditamos que as localizações estratégicas, tais como as de portos marítimos,


Investimento europeu em imobiliário de logística alcançou os €8,4 biliões em 2008, cerca de 44% menos do que em 2007

aeroportos, ou plataformas intermodais próximas das áreas metropolitanas possam ser os vencedores de 2009”. Apesar do ambiente económico enfraquecido, o mercado europeu de ocupação de áreas logísticas registou outro ano dinâmico, com níveis de absorção a rondarem os 14,3 milhões de m² (mais 1% do que em 2007). A recessão global começou a ter impacto nos diversos mercados nacionais a ritmos distintos, mas os sinais de enfraquecimento da procura começaram a ser mais evidentes em todos os mercados no final de 2008. A Jones Lang LaSalle prevê que o sentimento negativo do mercado continue a ter um impacto significativo nos mercados de ocupação em 2009, com muitos ocupantes a iniciarem já a alteração das suas estratégias de negócio de forma a reduzir o espaço ocupado. Chris Staveley acrescentou: “Esperamos que a actividade dos ocupantes seja maioritariamente conduzida pela redução de custos conseguida através da consolidação e das relocalizações estratégicas, e que, em resultado, os ocupantes se tornem ainda mais selectivos no que diz respeito aos seus requisitos e tomadas de decisão. Prevemos que procurem também potenciar as condições de mercados mais vantajosas e voltem aos pólos logísticos próximos das grandes áreas metropolitanas”. Impulsionada pela construção de projectos iniciada antes do abrandamento económico, a actividade de promoção no sector industrial e de logística alcançou um novo recorde de 10,7 milhões de m² de nova oferta, mais 12% do que no ano anterior. A Europa Ocidental registou o nível mais elevado de oferta em 2008 (4,25 milhões de m²), seguida da Europa Central (2 milhões de m²) e da Europa do Sul (1,5 milhões de m²). A preocupação crescente dos promotores relativamente à procura futura levou a uma redução significativa dos níveis de construção especulativa em todos os mercados e a Jones Lang LaSalle espera que os novos projectos a lançar em 2009 sejam apenas desenvolvidos na condição de préarrendamento. O índice europeu de rendas médias da Jones Lang LaSalle manteve-se positivo durante 2008, apesar do crescimento anual ter abrandado para 1,3% face aos 2,3% em 2007. As rendas prime de armazéns permaneceram estáveis na maioria dos mercados em 2008, sendo que apenas um pequeno número de países registou crescimento, principalmente aqueles com níveis reduzidos de oferta e nos quais, subsequentemente, os novos projectos acabaram por estabelecer rendas mais altas. Alexandra Tornow, Head de European Industrial Research da Jones Lang LaSalle, comenta: “O decréscimo da procura e o crescimento da oferta em 2009 levarão ao


Investimento europeu em imobiliário de logística alcançou os €8,4 biliões em 2008, cerca de 44% menos do que em 2007

enfraquecimento geral dos níveis de renda. Contudo, esperamos que o mercado para espaços logísticos prime evolua de forma pouco homogénea. Com a redução dos níveis de procura para bens e produtos a ter impacto significativo nos negócios, a procura tornar- se-á mais selectiva. Isto deverá favorecer os grandes pólos estratégicos, onde esperamos ver taxas de ocupação fortes e contínuas e onde as rendas deverão manter-se estáveis. Nos mercados onde os níveis de oferta estão a crescer, os proprietários terão de oferecer condições de arrendamento mais atractivas para assegurar os ocupantes existentes e atrair novos inquilinos para preencher o espaço novo libertado”. Apesar do actual clima económico, existem diversos aspectos que a Jones Lang LaSalle estima que irão suportar o crescimento a longo-prazo do sector de logística na Europa, incluindo:

A globalização geral das cadeias de oferta a alimentar a necessidade de transportar maiores volumes de bens entre os mercados produtores e os consumidores.

Outsourcing contínuo para fornecedores de serviços logísticos, como forma de minimizar os custos de logística

Planos de expansão de algumas cadeias de retalho, particularmente no sector de discount

À luz das previsões mais negativas, que indicam um regresso ao crescimento económico nunca antes de 2010, os níveis de procura deverão começar a emergir à medida que os níveis de produção e de trocas internacionais aumentem.

Sobre a Jones Lang LaSalle A Jones Lang LaSalle (NYSE:JLL) é uma empresa de serviços financeiros e profissionais especializados em imobiliário. A empresa disponibiliza serviços imobiliários integrados prestados por equipas de especialistas em todo o mundo para clientes que procuram obter valor acrescentado na promoção, na ocupação ou no investimento imobiliário. Com uma facturação global de 2,7 mil milhões de dólares em 2008, a Jones Lang LaSalle conta aproximadamente com 180 escritórios em todo o mundo, operando em mais de 750 cidades presentes em 60 países. A Jones Lang LaSalle é líder da indústria imobiliária na prestação de serviços de gestão de propriedades e de instalações corporativas, com um portfólio de 130 milhões de m² geridos mundialmente. A LaSalle Investment Management, empresa da Jones Lang LaSalle a actuar na área de gestão de investimento, é uma das maiores empresas mundiais do sector, gerindo um dos leques mais diversificados de capitais imobiliários e sendo responsável pela gestão de uma carteira de activos avaliada em mais de 46 mil milhões de dólares. Presente em Portugal desde 1997, a Jones Lang LaSalle conta com uma equipa pluridisciplinar composta por 38 profissionais, desenvolvendo a sua actividade nos mercados de escritórios e retalho, nas áreas de agência, investimento, corporate solutions, consultoria e avaliações, gestão, arquitectura e research.

Para mais informações, visite www.joneslanglasalle.pt | Avenida Duque D’Ávila, 141,1ºdt.º 1050-081 Lisboa


Contacto: