Issuu on Google+

PRESS RELEASE Press Office Ana Silva Telefone Directo: +351 21 322 04 05 E-mail: ana.silva@eur.cushwake.com Lisboa, 19 de Maio de 2009

BANCOS EUROPEUS FACILI TA M FINANCIA MEN TO A IMÓVE IS PRIME Segundo um estudo da consultora imobiliária global Cushman & Wakefield (C&W), realizado a 83 dos maiores bancos europeus, 59% destes não financiam novos clientes, nem estão disponíveis para financiar a compra de imóveis. No entanto, as restantes entidades bancárias inquiridas demonstram já alguma disponibilidade para financiar, desde que se trate de imóveis prime e a empresas de renome. Dos 22 bancos que financiam novos clientes, muitos têm restrições quanto ao valor emprestado e aos destinatários do financiamento. As condições para obtenção de crédito passam por se ter um histórico de transacções com o banco ou dispor de património líquido. Metade destas 22 entidades bancárias, prefere negócios que envolvam transacções inferiores a 20 milhões de euros, enquanto que as restantes estão disponíveis para financiar a compra de imóveis até aos 55 milhões de euros. Para além da diminuição do número de instituições bancárias que financiam bens imobiliários, os rácios de valor da hipoteca também decresceram, demonstrando que os bancos exigem menor risco nas aquisições. No Reino Unido, os rácios passaram de 80-85% do valor da avaliação, antes da crise económica, para 60-70%. Na Europa Ocidental desceram de 85-90% para 50-60%. Segundo Luís Rocha Antunes, Partner e Director do Departamento de Investimento da Cushman & Wakefield em Portugal: “A crise financeira reduziu significativamente o crédito disponível para transacções imobiliárias e alguns dos bancos, que foram demasiado expostos ao mercado imobiliário, não mostram abertura para conceder financiamento a novos negócios. As entidades bancárias que ainda disponibilizam financiamento tornaramse mais restritivas no critério de atribuição de crédito, e exigem mais garantias e menor risco. Existe, no entanto, algum crédito disponível para o “negócio ideal”. A dinâmica do mercado irá influenciar as tomadas de decisão e o os bancos irão financiar bens imobiliários


2

prime, com contratos de arrendamento a longo prazo na Europa Ocidental e outros mercados principais, a empresas de renome.” A falta de financiamento para bens imobiliários contribuiu também para um decréscimo acentuado do número de transacções. O investimento imobiliário desceu 59% em 2008, para 320 mil milhões de euros contra os 773 mil milhões de euros em 2007. Este é o valor mais baixo desde 2004, com um claro decréscimo no investimento por parte de investidores estrangeiros. Segundo a edição Investment Atlas 2009, publicado pela Cushman & Wakefield, o volume de negócios irá descer novamente este ano, para cerca de 300 mil milhões de euros.

Para mais informações contactar: Ana Silva Cushman & Wakefield Telef: 213 220 405 Fax: 213 432 117 Email: ana.silva@eur.cushwake.com Nota para os editores:

A Cushman & Wakefield é a maior empresa privada de serviços imobiliários do mundo. Fundada em 1917, a firma tem 230 escritórios em 58 países, contando com mais de 15.000 profissionais de imobiliário. A Cushman & Wakefield fornece soluções integradas aos seus clientes, ao aconselhar, implementar e gerir activamente todas as etapas do processo imobiliário, em representação de proprietários, inquilinos e investidores. Estas soluções incluem não só aconselhamento para venda, compra, financiamento, arrendamento e gestão de activos imobiliários, mas também avaliações, planeamento estratégico e research, análise de portfólios e assistência na selecção de localizações, entre muitos outros serviços. Somos reconhecidos mundialmente pela qualidade dos nossos estudos sobre os mais variados sectores de imobiliário, que pode encontrar no Knowledge Center no nosso website www.cushmanwakefield.com.


normal