VI Fórum Brasileiro de Naturopatia [e-Book]

Page 1

VI Fórum Brasileiro de Naturopatia atualização

o n a

s s

r o

p
f i
i
l mundial learning @naturopatasdobrasil Comunidade Brasileira de Naturopatia e-book

Ú D O

A Naturopatia e os desafios profissionais para a próxima década. Chris Buarque

A Kinesiologia a serviço da saúde emocional. Ana Veloso

A nova era da saúde nas empresas e a terapia floral. Aromaterapia na depressão e prevenção do suicídio.

Flavia Banchieri Andreia Carelli

Déficit

Fórum Brasileiro de Naturopatia

C O N T E
VI
de atenção e novos tratamentos coadjuvantes. Cláudia Sequeira 1 2 3 4 5

Ú D O

N T

Farmacopeia e o diagnóstico diferencial na saúde holística. Claudio Cruz

A Psicoterapia na Naturopatia. Débora Ferreira

Descobrindo a Medicina Japonesa ao estilo do Mestre Nagano. Alcalinidade do organismo, saúde e estilo de vida.

Eugénio Andrade Franscisco Corrêa

A anamnese e a bioinformação na saúde do indivíduo.

Ivalter Silva Jr.

Fórum Brasileiro de Naturopatia

C O
E
VI
6 7 8 9 10

Metodologia terapêutica: Elementos chave. Jorge Neira

psicologia do olfato e o avanço da Aromaterapia no século XXI.

Assunção

Ú D O

N T

Fórum Brasileiro de Naturopatia

C O
E
VI
A
Julia
11 12
PALESTRANTES Débora Ferreira Claudio Cruz Kate Boesenberg Cláudia Sequeira Eugénio Andrade Julia Assunção Ana Veloso Chris Buarque Flavia Banchieri Jorge Neira Francico Corrêa Ivalter Silva Andreia Carelli
VIFórum Brasileiro deNaturopatia Este é um trabalho que acontece em cooperação mundial entre colegas e Instituições respeitadas na Naturopatia mundial Nossos agradecimentos à: ANNCH Associação de Naturopatas de Chile IPN Instituto Português de Naturologia APSANA Associação Europeia de Profissionais de Saúde Natural mundial learning @naturopatasdobrasil O tema central do VI Fórum Brasileiro de Naturopatia é: "Atualização profissional & saúde para todos." Também participam: Alkaline Care www.alkaline care.pt Produção Executiva Chris Buarque @chris _buarque Todos os trabalhos realizados têm a organização do time de comunicação e marketing da Comunidade Brasileira de Naturopatia. www.naturopatasdobrasil.org
Selo de Certificação em Gestão de Qualidade na Naturopatia NATUROPATIA AZUL® Metodologia e processos patenteados.

VIFórum Brasileiro deNaturopatia

mundial learning @naturopatasdobrasil

O conteúdo dos textos é de inteira responsabilidade dos autores.

Protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98).

The content of the texts is the sole responsibility of the authors. Protected by the Copyright Law (Law 9.610/98).

A R Q

A Naturopatia e os desafios profissionais para a próxima década. C H R I S B U
U E 1

Chris Buarque

Qual a relação entre a saúde holística integrativa e a tecnologia?

Existem pontos de interseccão entre o universo digital e a Naturopatia?

Primeiramente é preciso esclarecer que sim. Nós usamos equipamentos sempre que esses se fazem necessários. Também recomendamos aos pacientes que realizem exames de imagem específicos que serão solicitados por seus médicos.

Sobre a inteligência artificial também a usamos frequentemente. Este é o VI Fórum Brasileiro de Naturopatia usando os recursos de uma nova era. Estamos a caminho da singularidade tecnológica. O significado exato é quando a inteligência artificial alcança a inteligência humana.

Todo o tipo de trabalho mudou e todo o tipo de trabalho irá mudar.

A familiaridade com recursos tecnológicos não deve ser negada por profissionais da saúde holística integrativa e tão pouco o bom uso destes recursos.

Quando pensamos na Naturopatia, pensamos em um conhecimento ancestral de milhares de anos. Não tem relação com o estático, embora muito pensem que sim. Todo o conhecimento passa por atualizações. Temos hoje um analfabetismo técnico e tecnológico na saúde integrativa que dificulta o protagonismo profissional nesta área.

Chris Buarque

Não se trata de ter à sua frente um computador de última geração ou um celular do modelo mais recente. Nós temos uma realidade estrutural falha de comunicação, que perpetua conhecimentos equivocados como “blend de óleos essenciais", atribuindo esse termo a toda a mistura destes óleos.

Essa comunicação deficiente aparece na consulta presencial e também com perpetuação e reprodutibilidade em vídeos, stories e textos. As projeções sobre o impacto da IE no trabalho e como esse trabalho irá mudar radicalmente neste século, é da ordem em 2.000%. Ocorrerão mais mudanças do que nos últimos 3 milênios. Não estou aqui para medir se essas mudanças serão todas positivas ou todas negativas.

Estou aqui para falar de desenvolvimento profissional, com base em conhecimento e comunicação. E pontuar que não ocorre ainda como é preciso e urgente, na Naturopatia. O maior erro ainda está em achar que informação e conhecimento são a mesma coisa.

Conhecimento é: A compreensão ou habilidade que provém da experiência da educação. Informação: São fatos sobre um assunto. Ter conhecimento é conhecer. Na informação você pode ou não estar a par.

Chris Buarque

É do conhecimento de todos de que nada substitui a energia humana. Fica mais fácil quando o próprio ser humano procura se isolar da energia humana. Isso é péssimo. Mas é um fato atual. Negar a realidade tecnológica na Naturopatia é negar os milhões de usuários de aplicativos de meditação induzida. Negar a realidade tecnológica é negar que muitos usuários e até mesmo profissionais da saúde, usam aplicativos de cromoterapia. O que nos faz pensar neste caso, em controvérsia, considerando o contato muito próximo com emissão eletromagnética. Mas assim tem sido.

O que pode ser feito numa realidade acadêmica que há cerca de 8 anos coloca no mercado dezenas de profissionais despreparados em comunicação técnica, científica, tecnológica e corporativa?

O que pode ser feito com relação à realidade de profissionais que divulgam no mercado que são especialistas em Ortomolecular e não sabem quais são os minerais e vitaminas que atuam como cofatores entre si?

Vou dizer o que estamos fazendo: Proporcionamos a atitude participativa em torno da comunicação e das relações entre os pares e ímpares também. Damos visibilidade e oportunidades, porque é preciso.

Chris Buarque

A Naturopatia e a Naturologia enquanto ciências, não têm antagonistas mas têm impedimentos que podem advir dos próprios profissionais. Se você tem em mente a busca pela dignidade e reconhecimento profissional, repense o que fazer nas redes sociais, como fazer e em quais companhias deve estar. Isso é inteligência de negócios. E inteligência de negócios não está dissociada da tecnologia. O pensamento linear mudou. Estamos na era exponencial. A era tecnológica não é de pensamento linear. É mesmo exponencial. Rapidamente seu comportamento, sua comunicação pode dar à volta numa cidade, ou pelo mundo. Quando você diz que só usa o natural e não recorre à tecnologia, deve repensar o uso de acupuntura com laser, ou uso de lâmpadas de led para cromoterapia ou agendamento via aplicativos, como whatsApp. Talvez você se torne alguém muito importante na saúde de seu paciente. Talvez se torne alguém indispensável. Talvez se torne obsoleto em pouco tempo.

A relação Metaverso na Naturopatia

É “a saúde” falando sobre saúde. É ir muito além. É saber transmitir o conhecimento num campo fértil e muito veloz. É saber “versar sobre”. Proporcionar encantamento. Fazer com que o outro se maravilhe com o que ainda não conhece ou com o que até hoje achou que já conhecia.

Chris Buarque

É preciso fazer isso que estamos fazendo, porque a palavra Naturopatia passou a ser largamente usada, trazendo com isso o risco do mal uso que é gerar a banalidade da palavra em si.

E por que uma palavra ou conceito pode cair na banalidade? Ocorre sempre na razão direta daquele que a pronuncia. Dependendo de quem a fala, torna se banal, sem sentido, infértil e desimportante.

Não seremos descartados ou nos tornaremos desnecessários, desde que tenhamos as condições para a adaptabilidade. Não estamos falando de um futuro distante. Já está acontecendo. Nós temos hoje games na estética clínica, na cosmetologia e teremos também na Naturopatia. Serão games interativos que ajudarão a você a cuidar da melhor de sua saúde e fazer melhores escolhas. E trazem milhares de informações que você ainda não teve tempo para se atualizar. E também albergam o conhecimento que você ainda não alcançou.

O que você precisa saber para enfrentar tudo isso?

Um conhecimento técnico para muito além do modelo atual de muitos países. Cursos de fim de semana não salvarão a sua pele e nem de seu paciente. Cursos gratuitos tão pouco o farão. Conhecimento de qualidade tem preço e valor.

Quando perguntamos:

Qual a identidade da sua marca?

O que sua marca defende?

As pessoas precisam da sua marca?

De que mundo ela fala?

Quanto de cultura você agrega?

Quando seu paciente não está presencialmente com você, consegue facilmente identificar a comunicação de sua marca no digital?

Ou ainda, quando ele precisar se inspirar nos recursos digitais de sua marca, ela a encontra?

E você? É a representação fiel daquilo que propõe?

Quando essas perguntas são feitas, notamos que são muito difíceis e requerem dias para que possam ser pensadas e respondidas.

É necessário abraçar a mudança tecnológica, para ter maiores condições de participação de mercado. Saber usar.

Trata se de um ecossistema formado por autônomos ou Microempresas que precisam saber lidar com tudo isso. Redes sociais profissionais não são para brincar. Devem destinar-se à seriedade da saúde.

Chris Buarque

Temos um histórico de falta de pensamento crítico e "excesso de incensos". Estamos com a revolução de uma hiper conexão com a inovação. Mas não há um histórico de um ecossistema empreendedor na Naturopatia. Por isso, a Comunidade Brasileira de Naturopatia gera empoderamento a todos que queiram. Já podemos ver o público com maior interesse: os profissionais 35+.

O que temos hoje é uma realidade tecnologia a um mau passo com a saúde tanto pessoal como financeira.

O êxito tecnológico pode levar o livro do Imperador Amarelo, a um patamar de acessibilidade, entendimento, empatia e inclusão.

Chris Buarque

Diretora Científica da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@chris _buarque

A KINESIOLOGIA À serviço da saúde emocional. A N A V E L O S O 2

ANA VELOSO

O que é a Kinesiologia? Antes de mais, vale a pena atentar sobre a etimologia deste nome. Kinesiologia provem do grego “Kinesis” que significa movimento e de “logos” que traduz ciência ou estudo. Então, a Kinesiologia é uma ciência que estuda o movimento. Esta terapêutica resulta, em termos de história, do reencontro casual (isso existe???) entre especialidades naturais manipulativas, como a Osteopatia e a Quiropraxia, e a sabedoria milenar da Medicina Tradicional Chinesa. Através desta intersecção entre a modernidade e a ancestralidade de filosofias naturais de saúde, percebeu se que ao Kinesiólogo é possibilitada a comunicação com o corpo do paciente, porque este lhe responde, sendo que essa resposta é objetiva e confiável. Seria muito difícil para mim, falar de alguma terapêutica específica e não referir a qualquer ponto a Medicina Tradicional Chinesa. A MTC corre-me nas veias, respiro-a a cada instante, sinto a na pele e ela acompanha me contínua e constantemente pela natureza dentro e fora mim. Ainda hoje, admiro e pasmo com a beleza, a simplicidade e a apurada sensibilidade e consciência, com que há cerca de 5000 anos atrás, pessoas sem as supostas ferramentas ultra-avançadas, foram capazes, de compreender o Universo, objetivar a sua ordem e espelhar o Homem nessa dinâmica. Falava-se de energia, o fino e invisível fio que liga a teia da vida. Nascia o holismo, criava-se o conceito do “todo”.

ANA Veloso

Nesta perspectiva, a vida e a saúde humanas assentam no prolongamento da natureza para dentro de cada indivíduo: somos uma parte do Universo e o Universo “ … continua dentro de cada Alma…” (Tao Te Jing). A exemplo do que acontece no exterior, internamente tudo é uno, nada existe desconectado de nada. Órgãos e vísceras relacionam-se funcional e energeticamente com os diferentes tecidos, os órgãos dos sentidos, as emoções e o psiquismo, e vêm, através dos canais de energia, manifestar se à superfície, na pele. Assim sendo, e na visão da Medicina Tradicional Chinesa, sempre que nos referimos a um órgão, não estamos apenas a falar do órgão físico, mas também de todas as estruturas materiais e não materiais, relacionadas com as suas caraterísticas e responsabilidades fisiológicas e energéticas. Por volta dos anos 1960, o Dr. Goodhaert, Quiropata de profissão, ao efetuar testes musculares com algumas técnicas, observou que as respostas obtidas se relacionavam com disfunções de órgãos específicos. Desta forma “redescobriu” a relação de grupos musculares com os meridianos energéticos da MTC, e consequentemente com os órgãos internos. Mais tarde, o Dr. Chapman (Osteopata), o Dr. Palmer (Mentor da Quiropraxia) e dos médicos Bennet e De Jannette demonstraram que se poderia reajustar os ossos e os órgãos através da estimulação dos músculos, pelo toque nos pontos reflexos Neurovasculares e Neurolinfáticos.

Veloso

Foi ainda integrado o conceito de Qi (Energia) nesta terapêutica e relacionadas as emoções com determinados órgãos, reafirmando os ensinamentos dos ancestrais chineses, entre inúmeras outras técnicas. Em 1980 o Kinesiólogo belga Raphael Van Assche (fisioterapeuta e osteopata), descobriu de forma casual o teste Arm Reflex (AR), que consiste na verificação nos braços, da existência de stress traduzido pela alteração de tônus muscular, quando o indivíduo é sujeito a um estímulo. Essa alteração do tónus leva a uma maior contração e tensão muscular, resistência num dos membros, provocando o seu encurtamento. A resposta obtida é mediada pelo sistema nervoso autônomo e é, portanto, involuntária. Então, baseando-nos nas constatações do Dr. Goodhaert e dos profissionais que lhe seguiram os passos, e que reforçam a validade das teorias da MTC, pela mecânica do movimento é possível perceber a conexão da parte com o todo e que o corpo responde com a alteração do seu tônus muscular sempre que um estímulo provoca stress e, inerentemente, encurtamento muscular. Quero com isto dizer que esta é uma forma clara de expressão do todo que é o “Homem”, em que seja o seu físico ou sua parte “não física”, se manifestam objetivamente em resposta a estímulos e testes musculares. Por este processo, o corpo conduz o Kinesiólogo não só ao diagnóstico, mas também ao procedimento quanto à correção do stress identificado.

ANA

ANA Veloso

Assim se estabelece o diálogo com o corpo, respeitando a individualidade de cada ser. A aplicabilidade da Kinesiologia é bastante ampla e verte por diversos campos da saúde humana. De forma geral, pode-se afirmar que age nos desequilíbrios físicos, químicos, energéticos e emocionais. Tratar o emocional será, por certo, a tarefa mais desafiadora para qualquer profissional de saúde. As emoções não se veem e não se medem. Mas as emoções são sentidas e cada um, as sentirá de forma única, com aquilo que traz em si. A subjetividade desta matéria associada a rótulos retrógrados e preconceituosos propiciam o adiamento e a negligência do tratamento, levando à perda da noção dos limites, mas também ao afastamento da sua origem primária. As emoções são “só” a maior causa interna de doença. É certo que as emoções colorem a vida. Todos temos momentos alegres, momentos tristes, momentos de maior irritabilidade, momentos felizes, etc. Isso faz parte da viagem pessoal. Desequilíbrio existe sempre que uma emoção é violenta, ou se repete constante ou duradouramente. Se analisarmos as emoções pela lente da Medicina Tradicional Chinesa, elas fazem parte da insubstancialidade dos sistemas, tal como o consciente e o inconsciente são insubstanciais.

ANA Veloso

O fato é que se pontualmente um pensamento, um sentimento ou uma emoção nefastos são capazes, de forma mais ou menos imediata, de influenciar a matéria física e nomeadamente alterar o ritmo respiratório e aumentar a frequência cardíaca por exemplo, imagine se o que ocorrerá se esses quadros de alteração emocional ocorrerem de forma intensa ou permanente. Ora, a Kinesiologia, através de testes musculares, permite por um lado a investigação e identificação fiável de causas, de padrões, de crenças, de traumas e respectiva localização cronológica quanto ao distúrbio emocional em questão, e por outro lado, permite ouvir o corpo quanto à escolha da técnica mais ajustada para promoção da sua autorregulação. Trata-se de um efetivo e verdadeiro diálogo. O corpo não mente. É o sistema nervoso que assegura essa verdade. Alguns questionam como é que um sistema de tratamento tão simples pode ser tão efetivo. A verdade é que esta pergunta contém em si mesmo a resposta: porque é simples! A simplicidade é a linguagem da natureza e a eloquência do corpo e da vida expressam se também nesta mesma comunicação.

Vice-Presidente da APSANA

Diretora do IPN Norte Membro do Conselho Consultivo da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@ana.veloso.790
A nova era da saúde nas empresas e a terapia floral. F L A V I A B A N C H I E R I 3

FLAVIA BANCHIERI

Vou começar meu texto contando para vocês que após a pandemia o mundo empresarial mudou. A Naturopatia é fundamental no mundo empresarial, ainda mais hoje, para a aplicação da economia circular e colaborar com a proteção do meio ambiente.

Com nosso assessoramento, as empresas estão investindo e adaptando os espaços e sistemas de trabalho. Nós, Naturopatas, podemos ajudar e colaborar com a Terapia Floral desde o primeiro momento de algum empreendimento até um novo projeto de uma empresa multinacional. E quando falamos da Naturopatia aplicada à empresa, ao negócio ou no consultório, temos que ter em conta que trabalharemos com essa empresa durante um período longo.

A pandemia mudou completamente a vida laboral e empresarial. Por tal motivo, tivemos que encontrar, rapidamente, soluções com procedimentos naturopáticos.

Os temas mais consultados e as Essências Florais mais utilizadas a todo nível, com sucesso, são: A nível emocional e espiritual: • Estresse: Olmo (Elm) excelente para a sensação de fardo, Chamomilla é ideal se o estresse está acompanhado de agitação interna, Beech e Oak (estresse devido a uma exigência extrema), Amendoim (Almond) quando é por medos constantes, Áloe (ideal

flavia Banchieri

para os “Workaholic” os adictos ao trabalho), Amaranto (provocado por certos desequilíbrios químicos no organismo), Arnica (por esgotamento nervoso), Calistemón (estresse por constantes mudanças na vida cotidiana), Cerato (por dúvidas ou incerteza), Cerejo (Cherry plum) quando a pessoa está a ponto de estalar, Chaparral (por caos interior), Dente de leão (Dandelion) para o estresse acumulado ao nível físico, mental e emocional, Eneldo (Dill) por pressões, quando se requere o melhor de nós, Girasol (Sunflower) quando há desarmonia entre as energias Yin e Yang, Beech (por meticulosidade e rigor extremos), Hornbeam (quando o estresse não baixa durante o fim de semana e começamos a semana laboral cansados, o cérebro necessita 72 h para relaxar), Lapacho rosado (quando não vemos saída aos problemas), Lavanda, (traz calma), Liquidâmbar (profunda paz e certeza de que apesar do que acontece, tudo dará certo), Cidreira (Lemongrass) estresse pelo constante nervosismo, Rock water (preocupação excessiva), Sequoia (ajuda a dizer “Não”).

• Depressão: Agrimony (cuidado, a pessoa mascara a tristeza), Gentian (todo tipo de depressão, inclusive a exógena e a reativa), Espinillo a pessoa se sente num poço sem saída, Gorse (depressão profunda com resignação); Hipérico (antidepressivo por excelência), Jacarandá (conectar com a felicidade), Gengibre e Rock rose (depressão profunda), Milkweed (da força para

flavia Banchieri

realizar as tarefas diárias), Mustard (excelente para todas as depressões, mas cuidado porque você faz catarse), Mountain Pennyroyal (depressão crônica), Elm (ideal em caso de fardo, peso), Willow (depressão com desespero), Scotch Broom (quando pensa na situação mundial), Sage e Zinnia (conectar com a alegria e nossa criança interior).

• Ansiedade: White chestnut (porque todo se resvala, nada nos afeta), Impatiens (para a impaciência), Lavanda e Chamomilla (excelentes para acalmar o sistema nervoso), Lemongrass (ansiedade e nervosismo), Trébol Rojo (Red Clover) ansiedade por pressão grupal do time de trabalho.

• Ataques de pânico: Rock Rose (crises nervosas).

• Transtornos mentais: Don Diego de Dia (excelente até em caso de esquizofrenia), Gordolobo (Mullein) devolve o equilíbrio à mente, Mburucuyá (para os pensamentos recorrentes).

• Falta de Força interior e ânimo: Oak (brinda a fortaleza de um Roble), Buttercup (ânimo e coragem), Fawn Lily (dá força para enfrentar o mundo), Mountain Pride (para despertar o Guerreiro interior), Olive (anima a resistir ao excesso de trabalho), Penstemon (é o timão durante as tormentas interiores), Don Diego de Dia (ajuda a acordar se com vontade), Gentian (elimina o desanimo que aparece ante o mais mínimo obstáculo).

• Medos e falta de Coragem: Borage (você se anima e diz “sim” a tudo), Hipérico, Prímula rosa e Cina Cina (para eliminar todos os medos).

flavia Banchieri

Larch (medo ao fracasso), Black cohosh (ajuda a enfrentar situações), Buttercup (animar-se a tudo), Gladiolo (coragem para realizar empreendimentos), Mountain Pride (tomar decisões drásticas), Pink Monkey Flower (coragem emocional), Scarlet Monkey Flower (coragem para suportar emoções fortes). Angustia existencial: Cebola (ajuda a fazer catarse), Ciruelo (Cereja) ajuda a baixar à terra a sabedoria do céu dentro de nós. Sweet Chestnut (porque não aceita viver um momento difícil), Star of bethlehem (sensação de quebranto interior), Onagra (Evening primrose) traz luz na obscuridade da alma.

• Frustração espiritual: Holly (ajuda a encontrar o próprio lugar no mundo), Buttercup (frustração laboral e profissional), Gentian (para a baixa tolerância à frustração), Lirio (voltamos a crer no que fazemos), Pensamento (planifica cada detalhe e depois não dá tão certo assim como pensava), Wild Oat (ambições não cumpridas).

• Desmotivação: Hornbeam (devido à falta de motivações genuínas).

• Falta de Compromisso e responsabilidade: Golden Yarrow (irresponsabilidade social), Shooting Star (falta de compromisso por falta de sensação de pertencer).

• Falta de Entusiasmo, Inspiração e Paixão: Borage (você é super ativo), Red Chestnut (você começa e não para).

flavia Banchieri

Pimentón (Cayenne) elimina o estancamento e desenvolve a paixão pelo que fazemos, Prímula (elimina o perecer e o aborrecimento).

• Resistência, Persistência e Perseverança: Larch (ajuda a não abandonar os projetos), Penstemon (força para seguir apesar dos possíveis conflitos laborais), Zapallo (Squash) elimina bloqueios, Gentian (superar todos os obstáculos), Indian Paintbrush (pouca resistência), Mountain Pride (perseverança e fortaleza no agir, você consegue escalar o “Everest”), Retama (ajuda a seguir adiante), Verbain (não para).

• Paciência e Tolerância: Arvejilla (ajuda a tolerar aos outros e trabalhar com paciência em grupo), Orquídea amarela (tolerância ante as críticas ao nosso trabalho).

• Empatia e Altruísmo: Holly (facilita a capacidade para colocar-se no lugar do outro), Yellow Star Tulip (compreender ao outro).

• Falta de objetivos: Tanaceto (Tansy) para perseguir objetivos até concretizar.

• Respeito: Liquidâmbar (valores, respeito para um bom trabalho em equipe).

• Solidão: Trumpet Vine e Sequoia (Redwood) para grande sentimento de solidão. Heather e Pata de vaca (carência afetiva), Sweet Chestnut (quando estamos em estado de “a noite escura da alma”), Honeysuckle (solidão frente a pessoas chatas em seu entorno), Willow (solidão, isolamento), Verónica (vazio emocional).

flavia Banchieri

Tentativas de Suicídio: Cherry plum (colapsos nervosos extremos), Eucaliptus (tristeza existencial), Gengibre (por depressão profunda), Rock rose (eliminar pensamentos suicidas), Wild Rose (comportamento suicida).

Ao nível mental:

• Falta de Concentração: Aromo, Jacarandá, Limão e Eufrasia (espetaculares pela concentração), White chestnut (falta de atenção), Clematis e Lilac (eliminam distrações e favorecem a concentração), Scleranthus (impossibilidade de fixar a atenção), Indian Pink (incapacidade de permanecer centrado numa atividade), Lechuga (calma a inquietude e favorece a concentração), Madia (promove um pensamento preciso e ajuda a centralizar as ideias), Maíz (Corn) concentração para tomar decisões, Shasta Daisy (ajuda a organizar os pensamentos), Chá Verde (excelente em caso de dispersão).

• Problemas de memória: Dandelion (estimula a memória), Marcela Branca (trabalha sobre os neurônios favorecendo a memória), Palta (Avocado) fortalece a memória.

• Burn out: Cosmos para a mente saturada.

• Problemas de Compreensão: Menta (favorece a compreensão eliminando mal entendidos), Yellow Star Tulip (para a incapacidade de compreender as mensagens de outros).

• Entendimento: Berenjena.

flavia Banchieri

Lucidez e claridade mental: Limão, Menta, Jacarandá, Aromo, Cacau, White chestnut (ajudam a pensar com claridade), Don Diego de Dia (aclara os pensamentos), Eneldo (Dill) promove a claridade e alerta mental, Floripón (despeja a mente), Jazmín Estrella (Star Jasmine) estimula o sentido da praticidade, Wild oat (lucidez mental).

• Raciocínio: Limão (lucidez mental), Aromo (ajuda a raciocinar).

• Equilibrar os Hemisférios Cerebrais: Castanho Branco (White Chestnut: essência floral líder), Scleranthus (equilibra e coordena os hemisférios cerebrais).

Ao nível físico:

• Cefaleias: Agrimony (cefaleias tensionais), White chestnut (cefaleias e enxaquecas), Chestnut bud (dor latejante), Red chestnut (porque ajuda a circulação periférica do cérebro), Sweet Chestnut (cefaleias diárias, com periodicidade), Cerato e Magnolia (especificamente aquelas que aparecem na zona frontal), Fucsia (dor latejante sem explicação), Beech (devido às vértebras cervicais), Lavanda (porque acalma), Muérdago (por problemas hepáticos), Laranja (cefaleias e dores latejantes por problemas digestivos), Olmo (Elm) para todas as dores (cefaleias até dores latejantes), Pomelo (Grapefruit) excelente para cefaleias, enxaquecas e dores latejantes. Romero (Rosemary) se a dor é devido à má circulação cerebral, Santa Rita (por problemas intestinais como constipação).

flavia Banchieri

Hipertensão: Alho (Garlic) e Espino albar regulam a pressão arterial, Star of Bethlehem (hipertensão, arritmias e problemas cardiovasculares), Lemongrass (excelente opção), Oak (quando há sangue estancado), Vid (previne infartos).

• Insônia: Morningglory, Scleranthus, Hipérico e Guaco (todos os transtornos do sonho até sonambulismo), Filaree (insônia devido à tensão), Lavanda e Chamomilla (sedantes), Mburucuyá (quando a mente não para), Mimulus e Olive (ajuda a ter um sonho reparador quando estamos esgotados de cansaço), Oak (ajuda a tomar consciência do descanso que necessitamos), Valeriana (estimula ao sonho).

•Falta de vitalidade e cansaço matinal: Paraíso.

•Problemas no sistema imunológico: Cúrcuma, Equinácea, Gengibre, Garlic, Aloe, Amaranto, Ápio, Basil, Star Tulip e Amapola (vermelha) essências líderes por excelência para reforçar as defensas, Azalea (regula o desequilíbrio de glóbulos vermelhos e brancos), Gerânio (aumenta as defensas), Gorse (ideal para longos padecimentos), Granado (melhora a absorção de Ferro), Milenrama (Yarrow) especialmente onde há radiações eletromagnéticas, também pode se pulverizar nos ambientes.

• Problemas no sistema nervoso: Chamomilla, Nasturtium e Calistemón (relaxantes), Mburucuyá (sistema nervoso central), Mimulus (ansiolítica), Queen Anne's Lace (quando

flavia Banchieri

há sequelas neste sistema por medicamentos químicos).

• Problemas no sistema digestivo: Dandelion e Menta (favorecem a digestão).

• Problemas no sistema circulatório: Chicory e Arnica (especialmente nas pernas), Alegria (em todo o corpo), Hornbeam (ativa a circulação venosa e arterial), Hortensia (alterações da circulação), Honeysuckle e Olive (varizes), Orégano (obstrução venosa), Pine (ótimo), Romero e Ruda (excelentes para a circulação nas veias finas), Sequoia (Redwood) veias e hemorroidas. Pedidos a nível empresarial: Estimular o cérebro: Hinojo (fortalece o tecido cerebral e para problemas neuronais), Limão (aporta claridade mental), Rosemary (através da circulação sanguínea no cérebro), Lemongrass (controle mental, ajuda a controlar os próprios pensamentos), Chá verde (ideal para os neurônios).

Trabalho em grupo: Tembladera (Quaking Grass) nos ensina a trabalhar em equipe. Espírito colaborativo e Companheirismo: Impatiens e Arvejilla (cooperação), Tiger Lily (cooperação e cooperativismo, todos por um bem comum).

Ideias e Criatividade: Alegria, Salvia off (Sage), Zinnia ou Indian Paintbrush (criatividade), Lechuga (estimula a criatividade e brinda a capacidade de comunicação para transmitir as ideias), Lirio (Iris) aporta inspiração, Wild oat (criatividade bloqueada), Zapallo (Squash) estimula a criatividade feminina.

flavia Banchieri

Acordar talentos ocultos: Zarzamora (Blackberry). Liderança: Larkspur (ajuda a desenvolver a capacidade de liderança e desfrutá-la), Trébol vermelho (Red Clover) para pessoas que lideram durante as crises e ordenam para que todo seja o mais leve possível, Vid (para a liderança sem piedade e ditatorial).

Planejamento, Concretizações e Materializações (Objetivos concretos e claros): Clematis (ajuda a não ficar na teoria), Palta (abacate) permite fazer consciente toda realização, Paraíso (concretizações), Blackberry e Jazmín do Paraguai (materializar).

Para finalizar, convido a todos a atualizar-se e capacitarse constantemente para ser cada vez um melhor profissional.

Delegada Internacional ANNCH no Uruguai Membro do Conselho Consultivo da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@banchieriflavia
Aromaterapia na prevenção da depressão e suicídio. A N D R E I A C A R E L L I 4

ANDREIA CARELLI

“Nunca despreze as pessoas deprimidas. A depressão é o último estágio da dor humana. O suicídio é a conclusão de uma doença física ou mental. Prevenir depende de falar sobre o assunto’’. Augusto Cury

Segundo estatísticas da OMS (Organização Mundial da Saúde), uma em cada 100 mortes ocorre por suicídio em todo o mundo. Então nós não podemos e não devemos ignorar o suicídio. Isso revela algo e nós, Naturopatas, nos sensibilizamos com esses dados. Eles mostram que o suicídio é uma questão social séria.

Para quem está com depressão, pode parecer que não há como resolver seus problemas e muitas vezes essa depressão está ligada a frustrações, grandes perdas como divórcio, desemprego e a fatores sociais. Podemos dizer que a depressão é um estado mental onde o pensamento, o comportamento e a sensação da pessoa estão desativados. Não há prazer em nada. Perde se o “paladar da vida”.

Todos nós sabemos o quão complexo é falarmos sobre emoções e de expressarmos o que realmente sentimos. Uma pessoa que planeja o suicídio, em seus momentos de explosão, ela pode dizer que quer morrer e muitas vezes isso não se trata somente de uma ameaça, mas é algo que já está criando raízes em sua mente e só aguarda um momento propício para fazê lo.

andreia carelli

A angústia, tristeza e sentimentos depressivos são na verdade um pedido silencioso de socorro onde podemos encontrar, se analisarmos mais a fundo, os sinais de que essa pessoa já procurou meios de cometer suicídio. Por isso é necessário manter a atenção nestes casos, por menor que seja qualquer sinal de uma tendência suicida. E que sinais poderiam ser?

Tristeza excessiva e isolamento, onde aos poucos a pessoa vai se afastando da família, de amigos e de tudo. Frases de alertas como ‘’eu preferia estar morto’’; "eu não aguento mais’’; "os outros vão ser mais felizes sem mim’’. Ou ainda um consumo abusivo de bebidas, drogas e remédios.

A angústia pela qual a pessoa está passando pode levála a procurar fugas da realidade. Resolução de assuntos pendentes, pagar dívidas e contas, despedir-se de pessoas próximas e por fim, uma melhora aparente. Não é por que a pessoa deixa de demonstrar tristeza, que está tudo bem. Estes são sinais de alerta. Como podemos ajudar prevenir o suicídio?

A relação terapêutica não pode ser entendida sem empatia. Existe uma metáfora que fala que a pessoa que nos traz a sua dor, vai nos lançando uma série de fios. O profissional recolhe os fios e ajuda na formação de um tear que servirá de sustentação para a compreensão de muitos aspectos importantes. Usamos a Aromaterapia como um valioso recurso terapêutico. Constitui uma das práticas integrativas mais antigas e usadas em todo o mundo.

andreia carelli

Cada óleo essencial tem seu mecanismo de ação. Eles atuam em nosso organismo restaurando e proporcionado o equilíbrio entre corpo, mente e o emocional. Como isso se dá? Estes aromas, quando inalados, estimulam as células nervosas olfativas e este estímulo é capaz de desencadear reações como ativação do sistema límbico que está diretamente ligado aos nossos comportamentos sociais e nossas emoções. É o sistema límbico que une as informações sensitivo sensoriais com nosso psíquico, e todos os órgãos estão conectados com centros localizados no sistema límbico, que é influenciado por pensamentos e emoções. O uso dos óleos essenciais pode ajudar a resgatar momentos mais difíceis trazendo confiança e otimismo. Esses óleos trazem componentes químicos que estimulam a hipófise a liberar endorfina e como resultado aparece o bem estar e a disposição, elevando a vibração e contribuindo assim, para o equilíbrio emocional. Como exemplos, temos: Vamos começar falando sobre o Lavanda (Lavandula angustifolia) é um dos óleos mais usados para depressão. A Lavanda é rica em ésteres e por essa razão seus efeitos calmantes começam a agir logo após seu aroma penetrar no organismo. Mas é o Linalol um dos seus componentes que tem propriedades calmantes, agindo

andreia carelli

como um excelente sedativo, promove um sono relaxante. Podemos dizer que a Lavanda acalma as inseguranças. Óleo de bergamota (Citrus aurantium) de origem no Sudeste da Ásia, tem um aroma intenso e refrescante. Seus principais componentes são o Limonemo e o Linalol. Atua no sistema nervoso central e é o óleo essencial que trabalha o "centramento" e o resgate do nosso poder pessoal. Sabe quando a gente precisa levantar a cabeça e seguir em frente? O óleo de bergamota surge como uma ajuda necessária e importante para busca de ideais. Além de ajudar a liberar-se de sentimentos obsessivos e vitimistas, ajuda também a proporcionar um desprendimento de pensamentos e situações negativas que muitas vezes, de forma inconsciente, carregamos pela vida. Ele acalma e tranquiliza as emoções trazendo o equilíbrio. Uma boa sugestão é ter o óleo de bergamota sempre junto, carregar um pedacinho de algodão, pingar algumas gotinhas e assim ir usando em diversos momentos do dia. Sentir esse aroma vai ajudar a se acalmar. Além de poder usar o óleo de bergamota isolado, também pode fazer uma mistura, que nada mais é do que uma combinação de óleos essenciais, a exemplo da bergamota e lavanda para transtorno de ansiedade.

andreia carelli

Óleo de alecrim (Rosmarinus officinalis), conhecido no mundo todo e tendo como principal componente o Cineol, que aumenta a disponibilidade do neurotransmissor acetilcolina (importantíssimo para o sistema nervoso central). Revigorante, estimulante e refrescante essas são as três palavras que definem o aroma do Alecrim. É o óleo da vitalidade, da autoconfiança e disposição para realizar. Um bom indicativo para o uso do óleo essencial de alecrim, são determinadas crenças limitantes com relação ao nosso valor ou falta de confiança no nosso potencial. Se você costuma pensar ou repetir frases como: “não sirvo pra nada” ou “nem preciso tentar que não vou conseguir”, as propriedades do alecrim poderão lhe ajudar. Outro óleo importante é o de Melissa (Melissa officinalis), planta originária da Europa meridional. Esse óleo de aroma fresco e herbáceo é calmante e relaxante, com componentes químicos como citral, germacreno e beta cariofileno, todos muitos conhecidos por suas propriedades no bem-estar. Reduz a ansiedade, sentimentos de tensão e nervosismo e contribui para noites de um sono tranquilo. Citei apenas de quatro óleos essenciais, cada um com suas propriedades. Como podemos usar esses óleos essenciais? Podemos usar por inalação diretamente das mãos ou com uso de difusores sem calor. Outra forma é pelo uso tópico. Podem ser usados diretamente na pele misturados a óleos ou cremes através de massagens.

andreia carelli

Lembre se que a sua saúde mental é muito importante e que os óleos essenciais estão sempre aí para auxiliar a resolver muitas questões de maneira simples e acessível. Acolha os seus sentimentos, mergulhe dentro de si e promova o resgate da sua identidade.

Andreia Carelli

Naturopata e Iridologista Membro da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@andreia carelli marques

Déficit de atenção e novos tratamentos coadjuvantes. C L Á U D I A S E Q U E I R A 5

CLÁUDIA SEQUEIRA

O Déficit de Atenção é um dos transtornos comportamentais que afeta um grande número de crianças em idade escolar, tanto em Portugal como em muitos países do mundo, e que tem se destacado nas mais variadas plataformas de discussão de saúde pública.

A etiologia é complexa e multifatorial e o seu diagnóstico é subjetivo, dado que não existem exames laboratoriais que permitam a sua determinação objetiva. A terapia volta-se, essencialmente, para o uso de psicoestimulantes. No entanto, a preocupação crescente relativamente à segurança e aos efeitos secundários da sua utilização a longo prazo, levam as famílias a procurar terapias complementares, onde a nutrição e suplementação desempenha um papel importante.

Os baixos níveis de nutrientes como ômegas, Zinco e Ferro têm sido relatados nestas crianças, bem como a associação entre açucares e aditivos artificias. Certas falhas nutricionais podem resultar em problemas cognitivos e comportamentais, nas quais o papel da nutrição é muitas vezes negligenciado. Quando uma criança consome regularmente hidratos de carbono refinados, doces, chocolates, bebidas gaseificadas, sumos e pouca ou nenhuma fibra para reduzir a absorção da glicose, os níveis glicémicos vão oscilar continuamente e desencadear flutuações desregradas nos seus níveis de atividade, concentração e atenção.

ClÁudia

Sequeira

Vários investigadores observaram, em crianças com déficit de atenção, sinais de deficiência em ácidos graxos essenciais, e concluíram que muitas destas crianças têm deficiências destes nutrientes por várias razões, entre elas: as suas necessidades são maiores do que o normal, apresentam uma incapacidade de metabolizar o ácido linoleico normalmente e de absorver os ácidos graxos no intestino. Eles observaram que a maioria dos constituintes dos alimentos que causam problemas nessas crianças são inibidores fracos da conversão dos ácidos graxos em prostaglandinas. Uma grande proporção destas crianças tem sede anormal e a sede é um dos sinais cardeais da deficiência de ácidos graxos essenciais. As alergias, asma, eczema são patologias que podem ser aliviadas com estas substâncias essenciais, e algumas crianças são gravemente afetadas por trigo e leite, que são conhecidos por dar origem a exorfinas no intestino e que podem bloquear a conversão de tais ácidos. Em meninos, a necessidade de gorduras essenciais é muito maior do que nas meninas, sendo muito mais propensos a terem déficit de atenção. A suplementação com todas estas gorduras essenciais ômega 3, pré convertidas, juntamente com o ácido gama linolênico das gorduras ômega 6, provou que reduz os sintomas, bem como a ansiedade, as dificuldades de atenção e os problemas de comportamento no geral.

ClÁudia Sequeira

Os ácidos graxos ômega 3 e ômega 6 são essenciais para a saúde, devendo ser fornecidos pela dieta, uma vez que não podem ser sintetizados pelos humanos. O Zinco é necessário para a estrutura e para a atividade de mais de 300 enzimas de muitas espécies. Este mineral tem um papel importante no funcionamento cerebral através da ligação das proteínas, atividade enzimática e neurotransmissão. Como cofator essencial, o Zinco é necessário para a conversão da piridoxina (vitamina B6) na sua forma ativa, sendo necessário para a conversão do triptofano em serotonina. Está relacionado com a produção e modulação de melatonina, a qual é necessária para o metabolismo da dopamina. É também um cofator da delta-6-desaturase, à qual está envolvida nos caminhos de conversão de ácidos gordos essenciais.

O Ferro é um elemento fundamental no organismo humano, necessário para o transporte e uso de oxigénio nas células e nos tecidos, pois serve como um componente funcional de proteínas. Este mineral também desempenha um papel importante no funcionamento e na estrutura do Sistema Nervoso Central, sendo muito importante para a neurotransmissão. A sua deficiência tem sido associada a um pobre desenvolvimento cognitivo e comportamental, devido ao seu papel como cofator da hidroxilase tirosina, enzima envolvida na síntese de dopamina.

ClÁudia Sequeira

Os probióticos são extremamente importantes não apenas para o trato digestivo, mas também no equilíbrio do sistema imunitário e na interrelação da saúde intestinal com a saúde geral física e psíquica. De acordo com a ciência moderna, a saúde do intestino origina quase 70% do sistema imunitário.

Uma das funções principais da microbiota intestinal é a sua função metabólica levando à fermentação de ácidos graxos de cadeia curta, absorção de minerais, produção de energia e síntese de vitaminas, logo, uma boa saúde intestinal leva a uma boa absorção de nutrientes, inclusive, de ácidos graxos.

Uma das atribuições ao Naturopata é “limpar o terreno” ajudando o corpo a voltar ao equilíbrio e, com base neste princípio, as principais ferramentas a que a Naturopatia recorre são a nutrição, suplementação e a um novo estilo de vida.

Na consulta de Naturopatia é importante retirar da dieta, os alimentos que estão a provocar a evolução negativa da criança com o déficit de atenção. A mudança passa por alimentos ricos em nutrientes essenciais, de uma forma equilibrada, preparados de forma adequada e que sejam reconhecidas pelo nosso organismo. Estes alimentos são a carne, o peixe, os ovos, os legumes e vegetais, a fruta, o azeite, os frutos secos e a água.

Devem ser selecionados dando preferência aos de origem biológica, da região e da época do ano correspondente. Uma boa ingestão de micro e macro nutrientes é fundamental para um ótimo funcionamento do cérebro.

As alterações no estilo de vida são cruciais para que a criança tenha um futuro próspero. A implementação de hábitos regulares de exercício físico adequado à capacidade de foco da criança, o incentivo a uma abordagem positiva a nível disciplinar, apostando no reforço positivo em detrimento do negativo, que por sua vez aumentará a autoestima da criança, criará um ambiente que apoia a criatividade, que estimula a aprendizagem e beneficiará o seu desenvolvimento emocional.

Com uma visão mais holística, alterações complementares nomeadamente ao nível da alimentação, suplementação e estilo de vida, a criança começará a sentir mais confiança ao invés de sensação de rejeição.

A maioria dos pais desejam que os métodos naturais também façam parte dos tratamentos dos seus filhos.

Cláudia Sequeira

Especialista

Medicina

Chinesa e Acupuntora

em Homeopatia em Portugal Membro da Comunidade Brasileira de Naturopatia

ClÁudia Sequeira @claudia.sequeira_81
em
Tradicional
Graduanda
Farmacopeia e o diagnóstico diferencial na saúde holística. C L A U D I O C R U Z 6

CLAUDIO CRUZ

Sendo o tema deste Fórum a "atualização profissional e saúde para todos", é importante saber que atualizar é modernizar ou tornar atual algo. No entanto, importa que não percamos o foco do nosso objeto de trabalho e nem fiquemos cegos ou ofuscados com a modernidade, o excesso de dados, de máquinas, gráficos, quadros, entre outros.

É também importante que não nos esqueçamos da história para não cairmos nos erros dos nossos antecessores, mas sim aprender com eles.

O trabalho essencial do terapeuta - do grego therapeutés conota se como médico ou o profissional que faz uso de técnica médica com o objetivo de restabelecer a saúde e a qualidade de vida de uma pessoa. Enquanto terapeuta em consultório, farmacêutico em farmácia comunitária ou formador, tenho encontrado ao longo da minha passagem e das minhas interpelações aos pacientes e outros profissionais de saúde, algo que cada vez mais me referem e digo isto sem demérito de qualquer profissional ou querendo ofender qualquer classe: Cada vez mais a tecnologia avança e a visão dos terapeutas torna se mais enviesada em micro ao invés do macro; ou seja, cada vez há mais terapeutas altamente especializados numa determinada área que se esquecem de avaliar o todo e a totalidade do individuo.

Claudio Cruz

Lembro-me várias vezes de um velho amigo, meu médico cardiologista, já nos seus sessentas e poucos anos quase aposentado e com conhecimento ímpar, que numa conversa me disse: «os meus colegas cada vez mais olham para as fotos dos pacientes (RX , PET, ressonâncias entre outros exames complementares), no entanto esquecem se de olhar para o paciente e a patologia encontra se na pessoa e não na sua foto.» Esta frase foi algo que sempre seguiu comigo na minha prática clinica, pois quantas vezes foi possível verificar a presença ou ausência de problemas neurológicos com testes reflexos como o sinal de Hoffman ou reflexo de Babinski entre outros, e assim fazer um correto seguimento ou encaminhamento do paciente. Tudo isso para dizer que não podemos perder a essência do diagnóstico que é o contato com o paciente e conseguir perceber com eficácia quais os seus sintomas, descortinar por entre palavras, sinais e outros complementos, para que com essa linha de pensamento possamos tratar a causa profunda das doenças e não simplesmente nos determos aos seus sintomas ou manifestações físicas. Na visão holística da saúde, a pessoa é considerada como um todo corpo, mente e espírito e suas interações com o mundo, para investigar as causas de uma doença e encontrar sua cura. Aristóteles já se valia desse conceito de que “o todo é maior do que a simples soma das suas partes”.

Claudio Cruz

Desde 2002, a OMS considera o ser humano como um ser biopsicossocial, tendo caído o modelo biomédico em que apenas o biológico importava para a saúde, mas também o bem estar psicológico e o social são de extrema importância para a saúde de um individuo. A abordagem alopática ou da Medicina Chinesa é a mesma: O que sente o doente? A partir daí as coisas mudam. O Médico alopata pode, dependendo das queixas do paciente, pedir exames complementares e em seguida cruza as informações para chegar ao diagnóstico e ao tratamento. Na Medicina Chinesa, podemos analisar resultados de exames para enriquecer o nosso diagnóstico, mas eles não são a base para nossa avaliação. O diagnóstico da Medicina Chinesa leva em consideração a desarmonia dos órgãos. Cada síndrome envolve um ou mais órgãos, o que já mostra várias possibilidades de síndromes diferentes e com isto procuramos não apenas tratar os sintomas, mas as causas de uma síndrome que podem ser a origem de múltiplos sintomas. Um exemplo comum: em um milhão de casos de pessoas com gastrite, um terapeuta alopático possivelmente verá a gastrite como ácido gástrico em excesso. Contudo, na abordagem da Medicina Chinesa, a gastrite pode ser causada por frio, calor, ansiedade, irregularidade alimentar, ingestão de álcool, efeitos secundários medicamentosos, etc. Em cada um desses casos o tratamento é diferente.

Claudio Cruz

Outro exemplo banal é a dor de cabeça. Na Medicina Chinesa, as dores de cabeça são divididas por áreas. Uma dor de cabeça frontal indica um problema gástrico, já que ali se inicia o canal de energia que corresponde ao estômago. Portanto, tratá-lo é fundamental. Se as dores forem nas têmporas, o problema está no fígado e na vesícula biliar já que ali o nível energético tem relação com estes dois órgãos. Várias vezes ao longo da minha carreira como Farmacêutico deparei me com pacientes que diziam estar com uma enxaqueca porque estavam com um problema de fígado. No entanto, se pensarmos criteriosamente, para uma simples dor de cabeça o fármaco mais tomado no mundo é o Paracetamol ou a Dipirona, sendo que o Paracetamol já tem vários estudos sobre provocar toxicidade hepática acima de uma determinada concentração e a Dipirona tem já alguns estudos sobre este efeito hepatotóxico. Contudo ainda não são claros os seus mecanismos. Podemos assim observar que para mascarar o sintoma de dor, a pessoa escolhe agravar o seu quadro e não trata o problema essencial, mas apenas o sintoma. Devido à elevada prevalência, bem como ao estilo de vida atual ser cada vez mais cheio de stress e sem hábitos de vida saudáveis, alimentares ou emocionais, e também devido ao fato de o fígado ser conhecido como “mestre das emoções” uma vez que metaboliza não só tudo o que ingerimos mas também as emoções,

Claudio

são estas síndromes de fígado que decidi abordar neste Fórum de Naturopatia e a forma como diferenciá las. Distinguir então "Fogo de Fígado" de "Ascensão de Yang de fígado" pode ser complicado, até por serem duas patologias de excesso, com sintomatologia coincidentes. Excesso de Yang acontece por dano na parte yin do fígado que ocorre quer por perda de yin de Rim (essência) que se relaciona diretamente com o fígado, por perda de Yin de fígado (sangue). Já o "fogo de fígado" acontece por estagnação de energia de fígado, habitualmente por desarmonia emocional prolongada (stress, saiva ou emoções reprimidas). Ambas as síndromes têm efeitos similares na cabeça: ambas irão provocar dores de cabeça em distensão, especialmente no vértex ou nas áreas das têmporas, tonturas, vertigens, tinnitus, olhos vermelhos, insônia, compleição facial vermelha, bem como pulso em corda e língua avermelhada. Mas há também sintomas que distinguem estas síndromes: o fogo de fígado segue o percurso do canal do fígado, indo afetar diretamente o vértex da cabeça. Habitualmente este calor transmite se também ao canal do estômago e clinicamente é sabido que a função do fígado está ligada com a função do estômago . Este calor excessivo irá apresentar-se com manifestações gástricas, pois há um aumento de temperatura do estômago, provocando ardor na região gástrica e fígado (região costal), dor na vesícula biliar devido ao refluxo

Cruz

biliar, podendo causar um sabor amargo na boca, acidez gástrica e habitualmente sede com preferência por beber líquidos frios. Muitas vezes este fogo facilmente transmite se para o intestino grosso, pois há uma transferência deste fogo (nível Yang Ming), causando obstipação e urina turva e escura, devido ao consumo de fluídos pelo fogo. Pode também aparecer conjuntivite ou otite.

Já no caso de excesso de Yang de fígado por deficiência de Yin veremos sintomas mais sutis. No caso de ser por deficiência de Yin de rim teremos sintomas como dificuldade em memorizar, vermelhidão na região malar, igualmente sintomas de sede, no entanto sem vontade de beber e obstipação devido a movimento lento intestinal. Em tratamento destas síndromes temos sempre de reduzir o excesso Qi do fígado. No entanto, no excesso de Yang de fígado por deficiência de rim ou deficiência de Yin de fígado temos não só que diminuir o fogo do fígado, mas também nutrir o Rim.

Claudio Cruz @claudio.cruz.54943600 Claudio Cruz Farmacêutico especialista em MTC

R

R R

B O R A

A PSICOTERAPIA na Naturopatia. D É
F E
E I
A 7

DÉBORA FERREIRA

Por ser uma área de investigação da mente humana, estão sob domínios da Psicanálise diversos tipos de tratamentos de saúde clínica. Originada por Sigmund Freud em 1881, quando ainda trabalhava no Hospital Geral de Viena, no século XIX, a Psicanálise tem por objetivo criar um vínculo entre terapeuta e paciente, a fim de compreender os processos reprimidos pelo subconsciente, que geram sintomas como, por exemplo, a angústia ou a ansiedade. Isto se dá quando as pessoas são levadas a entenderem melhor seus sentimentos e emoções, visto que forças inconscientes influenciam o comportamento e a personalidade do indivíduo,, conforme Freud. Enquanto recurso de investigação, a Psicanálise caracteriza-se pelo método interpretativo, que busca significado oculto daquilo que é manifesto por meio de ações e palavras. É uma linha terapêutica da Psicologia, o que nos aproxima muito da Naturopatia. Quanto mais conseguirmos chegar próximo ao "todo" do ser humano (mente, corpo físico e energia/espírito), mais estaremos efetivamente, tendo um desempenho na Naturopatia, já que a proposta principal desta é o cuidado do ser na sua integralidade.

débora ferreira

O inconsciente é o objeto de estudo da Psicanálise e, para as linhas dinâmicas, ele é o responsável pela organização do psiquismo humano. É a base de toda a vida psíquica. Para as linhas psicodinâmicas, os fenômenos conscientes são apenas uma manifestação do inconsciente. É importante abordar que para cuidar de uma pessoa em sua totalidade (físico, mental e energia), o que fica guardado no inconsciente pode trazer respostas efetivas e solutivas para a capacitação da consciência. Sendo as práticas da Naturopatia caracterizadas por mecanismos de consciência, torna a caminhada efetiva e por vezes, mais leve. Ouso dizer que o autoconhecimento que essas duas práticas juntas proporcionam é muito mais efetivo do que quando andam separadas, uma vez que o objetivo maior da psicanálise é restaurar a “conexão quebrada” que para minha surpresa, não é diferente da proposta da Naturopatia, convertendo dessa maneira, a experiência em que o individuo está vivendo, distorcida e desconectada (do sintoma) em uma experiência conectada em si mesmo. Na Naturopatia a Psicanálise vem contribuir na problemática da dúvida, da interpretação e da forma como o conhecimento é construído de si mesmo. Traz por si uma melhor anamnese, sendo possível oferecer um redimensionamento da pessoa com seu desejo,

trabalhando a captura do ego, reduzindo necessidades da mesma em atender demandas da cultura, diminuindo a captação desse desejo em formas de gozo e por fim, tratando a angústia e a ansiedade que passam pela subjetivação do desejo.

Na Psicanálise interpretamos as representações mentais, como desejos, pensamentos, lembranças e sonhos, visando o contato com o subconsciente e oferecendo ao paciente a possibilidade de autocura. Não muito distante, a Naturopatia traz o retorno à nossa essência nas coisas naturais, não agressivas e que possuem semelhanças com nossa formação total, como nossas células, por exemplo.

Usando a famosa frase: "Freud explica"

A Freud cabe dar sentido aquilo que a gente nem sabe o que é, mas sente quando acontece e não tem ideia de descrever e como agir diante do "não saber". Isto porque à primeira vista, parecia polêmico ou sem explicação ou sem entendimento direto.

Freud não obteve todas as respostas a todas as perguntas feitas, como por exemplo:

_ Explica aquilo que dizemos e não queríamos dizer?

Explica nosso indesejável desejo de morrer?

_ Explica nossa vontade de sermos eternos?

débora ferreira

débora ferreira

Mas ele ouviu, prestou atenção e desenvolveu uma escuta singular que permite que os pacientes ouçam aquilo que eles mesmos disseram e com isso possam "costurar" um sentido a partir das palavras e da maneira como as pessoas se colocam no mundo, levando-os a descobrir as respostas. Vejo aqui uma grande semelhança entre Freud e nós profissionais da Naturopatia, pois aí está o que nos diferencia de outros profissionais que trabalham no âmbito da saúde. Nosso maior trunfo é o desenvolvimento do ouvir, prestar atenção, criando um vínculo de segurança e empatia. Quando fazemos uma anamnese, o indivíduo conta sua história e pode em algum momento reconhecer a sua parte naquilo, não para se sentir culpado e sim para responsabilizar se por certos tropeços e situações. Somente assim, passando de passivo para ativo, é possível a mudança de posicionamento em relação à sua história. Uma ressignificação. A Naturopatia tem muita propriedade para que o processo seja mais efetivo e menos doloroso, pois utilizando a respiração e a meditação, iniciamos o processo que vai ao encontro da proposta que ambas, Psicanálise e Naturopatia, têm em comum, que é o retorno. A restauração da conexão quebrada.

débora ferreira

Além da visão da Escola Freudiana, existem outras linhas como a Junguiana, Escola de Reich, Behaviorismo, Constelação Familiar, entre outras. Porém todas partem do mesmo princípio: fazer com que o paciente entenda as causas do seu problema e assim, encontrar maneiras de como lidar com ele. Desta forma, o ouvir passa a ser a principal ferramenta em todas as linhas, no sucesso da Naturopatia. Fica nítido como a Naturopatia é uma profissão de responsabilidade social e importante na comunidade, como ajuda efetiva. Uma completando a outra, a Psicanálise torna se um mecanismo de preciosa importância e agilidade.

Débora Ferreira Naturopata pós graduanda em Psicanálise Membro da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@debora _ ferreira11

Descobrindo a Medicina Japonesa ao estilo do Mestre Nagano. E U G É N I O A N D R A D E 8

EUGÉNIO ANDRADE

“Iniciei minha formação original na área do Direito em 1994, tendo exercido de 1999 a 2012, enquanto jurista, bancário e consultor jurídico-financeiro. Como “Ato de Fé” e compreendendo que a vida não se encaminhava no sentido de realizar o que eu entendia ser o seu propósito, decidi por seguir um caminho no Sound Healing método Peter Hess® e, posteriormente, na Medicina Natural descobrindo a Medicina Tradicional Chinesa onde me tornaria Formador no Instituto Português de Naturologia®.” Estes caminhos, inexoravelmente, levaram-me a encontrar a Medicina Tradicional Japonesa ao estilo do Mestre Nagano através de um seu discípulo direto – Avi Magidoff permitindo me aprofundar meu entendimento da acupuntura neste específico e característico estio Japonês, vulgarmente conhecido, ainda que de forma muito redutora, em função da forma sui generis de palpação e do diagnóstico do Hara. A Medicina e a importância da formação e qualidade do profissional, levaram me a uma formação em Enfermagem, na Escola Superior de Enfermagem do Porto®, uma referência na área da Medicina baseada na evidência em Portugal e na Europa. Descobrindo a minha paixão e sentido de vida na Acupuntura, Nutrição, Fitoterapia e Moxibustão, dedicome hoje integralmente a lecionar Medicina Tradicional Chinesa no Instituto Português de Naturologia® e enquanto Acupuntor na sua prática clinica diária.

EUGÉNIO ANDRADE

A Medicina Tradicional Japonesa (MTJ), nomeadamente, a acupuntura Japonesa, funda as suas raízes na Medicina Tradicional Chinesa - MTC - e na Meditação Zazen inspirada pelo Mestre Dogen e o seu “Shobogenzo” . Entre os vários praticantes de MTJ que ao longo dos séculos foram exprimindo a sua sabedoria, a minha afinidade encontra se no entendimento do Mestre Nagano (praticante reconhecido no pós 2ª Guerra Mundial) e pelas mãos dos seus discípulos Kiiko Matsumoto e Avi Magidoff.

A MTJ utiliza um léxico mais clínico, científico, atualizado à nossa contemporaneidade e integrativo da fisiologia, patologia e anatomia, temperado pelos entendimentos energéticos e emocionais mais sutis (a recordar que o Reiki de Mikao Usui tem também a sua origem no Japão). Consideramos fundamental neste estilo, o respeito dos princípios básicos da medicina natural, o correto entendimento do Yin vs. Yang, os 8 princípios de tratamento e sobretudo a sabedoria da palpação e dos reflexos corporais.

Como pontos prévios de entendimento, importa ressalvar a compreensão profunda da “Rede de Indra” . “Tudo é Um, Um é Tudo” que, uma vez mais, exprime a essência do YIN vs. Yang.

A “Rede de Indra” é uma metáfora profunda e sutil que visa definir a estrutura da realidade. Imagine se uma vasta rede que em cada ponto de intersecção possui um diamante, perfeitamente polido, límpido e que reflete perfeitamente todos os outros diamantes em seu redor, da mesma forma que 2 espelhos frente a frente irão refletir uma imagem ad infinitum. Cada diamante nesta metáfora quer significar cada ser na sua individualidade, na sua consciência individual, uma célula ou um átomo. Cada diamante está umbilicalmente conectada com todas as demais e qualquer mudança numa, implicará inevitavelmente e ainda que tênue, uma mudança em cada um dos demais diamantes.

princípios que devemos ter sempre presentes implicam:

3 níveis de existência nos quais exprimimos o Yin e o Yang Céu Homem Terra

na interação com o Mundo

Fisiologia vs. Patologia

também os fatores internos

corpo/mente está constantemente à procura da homeostasia o melhor que puder.

(não mudança) é a doença suprema

palpação implica impossibilidade de conhecimento

Os
1. A compreensão dos
2. A Vida exprime-se
3. Entender Anatomia vs.
4. Os fatores externos são
5. O binômio
6. A rigidez
7. Falta de
EUGÉNIO ANDRADE

EUGÉNIO ANDRADE

Assim, este estilo consolida-se no seguinte processo:

A. Obter o mais completo histórico clínico / médico

B. Reunir achados palpatórios/reflexos

C. Correlacionar e Priorizar

D. Testar e tratar

a) Através da análise do histórico clínico procuramos descobrir a ”primeira lesão” , de modo a podermos descobrir a raiz ir à lesão que quando identificada e resolvida, elimina todos os restantes reflexos através do “efeito dominó” b) Palpar abdômen, pescoço e garganta (deixar costas para 2ª parte da consulta), palpar meridianos e compreender a “big picture” antes de colocar hipóteses de tratamento c) Priorizar. A 1ª lesão manifesta-se no corpo? Quais os aspectos mais significativos do histórico clínico? Quais os reflexos mais significantes?

d) Testar. A nossa hipótese resolve todos os reflexos? É meu intuito que consigamos ter uma ideia de alguns dos reflexos importantes a considerar, mas sobretudo compreender alguns princípios da MTJ e compreender a forma como formamos o nosso raciocínio, como colocamos hipóteses, de que forma as testamos e como poderemos avaliar os resultados do nosso trabalho.

Eugénio Andrade

Especialista em Medicina Tradicional Chinesa Formador no Instituto Português de Naturologia®

Alcalinidade do organismo saúde e estilo de vida. F R A N C I S C O C O R R Ê A 9

FRANCISCO CORRÊA

Em que consiste o pH?

O termo pH foi definido originalmente em 1909, pelo bioquímico dinamarquês Soren Peter Lauritz Sorensen. pH significa literalmente o “potencial de Hidrogênio” , ou seja, o pH serve para indicar a concentração de íons de Hidrogênio num determinado fluido. Estes íons são prótons (partículas ou moléculas carregadas positivamente). Uma vez que são os ácidos dissolvidos num fluido que produzem íons de Hidrogênio, sabemos que quantos mais destes íons houverem numa solução, mais ácida será essa a mesma. Por isso, se observarmos a concentração de íons de Hidrogênio num fluido (fluidos corporais como saliva, urina, sangue, líquido extra e intra celular), o pH indicará se esse fluído é ácido, alcalino, ou neutro.

Devemos ter em conta que uma substância ácida libera íons de Hidrogênio e uma substância alcalina absorve íons de Hidrogênio.

O pH mede-se numa escala que vai de 0 até 14. A medida 7 é neutra. Ou seja, não é nem ácido nem alcalino. Qualquer medida abaixo de 7 considera-se ácida e acima, alcalina. Também é importante realçar que a variação de um valor representa 10 vezes mais ou 10 vezes menos, ou seja, um pH 7 é dez vezes mais alcalino que um pH 6. Assim, qualquer ligeira alteração, na realidade, representa uma alteração enorme.

FRANCISCO CORRÊA

Por que é tão importante para a nossa saúde?

Quando falamos de saúde, o equilíbrio do pH é algo a se ter em conta. O equilíbrio entre estes dois componentes, ácido-alcalino é essencial, não só para a nossa saúde em todos os níveis, mas também para atrasar o envelhecimento e envelhecer de uma forma diferente.

O prémio Nobel Albert Szent.-Györgyi, 1937 (por descobrir a vitamina C em 1927) afirmou que o corpo “é alcalino por natureza, mas as suas funções são acidificantes”. Referia-se ao fato de que todos os processos metabólicos do corpo produzem enormes quantidades de ácido, minuto a minuto, apesar de que para poder funcionar devidamente, as células e os tecidos necessitam de um ambiente alcalino e o corpo tudo fará ao seu alcance para manter a sua natureza alcalina e manter o equilíbrio do pH.

O que provoca ou produz a acidificação?

Como dito anteriormente, a acidificação é gerada não só pelas próprias funções do corpo, mas também por uma dieta desequilibrada (muito acidificante), que produz uma "sobreacidificação" das células, tecidos, órgãos e finalmente o sangue. Este desequilíbrio marca o início do caos, abrindo a porta às doenças e patologias de todo tipo. Os pensamentos e o stress ou um estado emocional negativo também acidificam, assim como o estilo de vida (vida sedentária), os medicamentos, e qualquer elemento químico que se encontre no ar, água ou alimentos.

FRANCISCO CORRÊA

Que consequências trazem a acidificação?

O sangue, idealmente, deveria manter-se sempre com um pH 7,365, embora hajam outras partes do corpo que têm um pH diferente. Manter o pH alcalino dos fluidos corporais, saliva (lágrimas e suor) é fundamental para ter uma boa saúde.

As doenças físicas, crônicas e agudas, e o mal estar são quase sempre consequências do excesso de ácido que provoca o desequilíbrio do pH do corpo, chegando a produzir os sintomas que já conhecemos como doenças.

O nosso corpo não consegue suportar durante muito tempo um estado ácido. A acidificação reflete-se no corpo em 7 fases:

1. Perda de energia

2. Hipersensibilidade e Irritação

3. Mucos e congestão

4. Inflamação

5. Endurecimento de tecidos moles (incluindo Lúpus, Lyme, fibromialgia, endurecimento das artérias, placa)

Ulceração

7. Degeneração (cancro, doenças coronárias, infarto, SIDA, esclerose múltipla, diabetes)

Nos estádios iniciais da acidez, os sintomas podem não ser muito intensos e podem incluir situações como erupções cutâneas, enxaquecas, alergias, resfriados, gripe, e sinusite.

6.

FRANCISCO CORRÊA

À medida que a acidez vai avançando, as coisas complicam-se, resultando em disfunções das glândulas da tireoide, adrenais, fígado, etc. Se o pH dos tecidos se acidificar ainda mais, os níveis de Oxigénio baixam e o metabolismo celular pode parar. Ou seja, as células morrem. Para prevenir esta situação, quando há muita acidez no corpo, o sangue começa a retirar minerais alcalinos dos tecidos para compensar. Há minerais que neutralizam ou desintoxicam os ácidos potentes do corpo, mas os mais importantes são:

• SÓDIO,

• POTÁSSIO,

• MAGNÉSIO,

• CÁLCIO.

Um corpo são, tem sempre uma reserva destes minerais alcalinizantes para um caso de emergência. Mas em caso de poucas reservas ou se não forem obtidos dos alimentos, o corpo vai buscá-los em qualquer outro local: no sangue (Sódio e Potássio), nos ossos e cartilagens (Cálcio), nos músculos (Magnésio). Locais onde estes são necessários. E isto, obviamente, pode conduzir a deficiências e a uma variedade de sintomas que daí derivam. Quando a acidez é tal que o corpo não consegue eliminá-la via urina, fezes, respiração ou suor, vai armazená la nos tecidos.

FRANCISCO CORRÊA

Então, o sistema linfático faz o necessário para neutralizá-la e eliminar tudo o que pode. Isto significa, voltar a lançá la no sangue, gerando um círculo vicioso; roubando ainda mais minerais básicos do próprio corpo e criando mais stress no fígado e nos rins. Além disso, se o sistema linfático ficar saturado, ou os seus vasos não funcionarem corretamente (muitas vezes por falta de exercício), os ácidos vão-se acumular no tecido conjuntivo. Os desequilíbrios do pH, produzem irritação e inflamação, preparando terreno para as doenças. O sistema circulatório tentará eliminar os ácidos em forma de gases, ou de líquido, através dos pulmões ou rins. No caso de excesso de resíduos, serão depositados em vários órgãos: coração, pâncreas, fígado e cólon ou no tecido adiposo: incluindo seios, quadris, coxas, abdômen e cérebro. Conhecemos estes depósitos como; pólipos, fluídos, quistos, cristais ácidos, tumores, protuberâncias, massas, manchas, bolhas, etc.

A este processo também conhecemos como "envelhecer". Finalmente, se assim continua, (no sétimo nível de acidez) este processo conduz às doenças degenerativas, ou mesmo o cancro. Tudo isto provocado pelos ácidos derivados da dieta, do metabolismo e do ambiente. Ácidos da dieta, referem se ao que comemos e bebemos. Ácidos metabólicos são produzidos à medida que o corpo processa o que comemos e bebemos (para converter em energia).

FRANCISCO CORRÊA

Ácidos ambientais vêm do ambiente, de produtos sintéticos ou do fumo das fábricas ou dos automóveis, também se incluindo os campos elétricos e as ondas de todo tipo. Por outro lado um sangue e tecidos sãos e alcalinos, mantêm um corpo são.

Como potenciar um estado alcalino no organismo?

Imagine que o seu corpo é como um aquário, e que as suas células e órgãos internos são como os peixes, que nadam num fluído que transporta a sua comida e elimina os resíduos. Se a água estiver limpa, “os peixes” serão saudáveis.

Quais os alimentos que alcalinizam o corpo?

De uma forma geral, os vegetais de rama verde como os espinafres, rúcula, brócolis, alface, etc., mas também as batatas, tomate, pepino; o grão de bico e lentilhas, sementes e nozes, amêndoas e avelãs; o limão, lima e toranja; o sal não refinado; os cereais como a quinoa, o milho, o trigo sarraceno e espelta, o arroz integral, o tofu... Entre os alimentos que nos acidificam, vamos encontrar: proteínas de origem animal (carnes de todo o tipo, ovos, laticínios); o açúcar em todas as suas formas; os hidratos de carbono refinados: arroz branco, pão, massas. Como saber em que estado estamos?

Há uma maneira muito simples de checar. Obviamente que se nos sentimos mal ou sofremos de alguma doença, é porque estamos acidificados, mas muitas vezes não temos qualquer sintoma.

FRANCISCO CORRÊA

A maneira mais simples é testá lo em casa com tiras de papel reativo para medir o nível do pH, tanto da saliva como da urina. O pH da saliva pode variar muito, sendo o da urina mais estável e por isso mais fiável, uma vez que nos indicará o pH dos nossos tecidos. O pH da urina também pode variar em função daquilo que comemos e bebemos, pelo que o ideal é testar a primeira urina da manhã, uma vez que esta indicará qual o nosso estilo de vida das últimas 24 horas. Também é conveniente testar o pH da saliva ao levantarmo nos, em jejum. Se for ácido, podemos corrigi lo ingerindo alguns alimentos alcalinizantes como amêndoas, brócolis, pepino, espargos ou abacate. Idealmente, o pH deverá estar nos 7,3 ou acima, mas se estiver abaixo de 7 significa que estamos ácidos.

A anamnese e a bioinformação na saúde do indivíduo. . I V A L T E R S I L V A J R . 10

IVALTER SILVA JR.

A relação do terapeuta holístico com seu cliente inicia se com uma troca de informações, para que o paciente possa fazer a sua recomendação de acordo com a terapia ou terapias em que ele atua.

Um “processo investigatório” chamado de anamnese. Uma espécie de pesquisa que pode ter como estrutura básica os passos a seguir:

·Identificação (dados pessoais)

·Relação de motivos que originaram a consulta

·Linha do tempo referente aos principais motivos da consulta

·Bioinformação e os aspectos psicossociais

·Como as questões relatadas afetam nos hábitos diários

·Considerações familiares e pessoais, relevantes

·Expectativa em relação aos resultados

·Recomendações terapêuticas

Identificação:

A parte introdutória da anamnese é reservada para a identificação da pessoa que está fazendo a consulta. Dados pessoais como: nome, sexo, endereço, idade, data de nascimento e dados clínicos, como tratamentos que está fazendo, medicamentos em uso. Histórico clínico geral.

Identificação dos motivos que levaram a consulta:

Essa é uma parte do diálogo muito importante e é um momento para o terapeuta holístico ouvir e facilitar a fala

Ivalter Silva jr.

por parte do cliente. Recomenda se “perguntas abertas”, que estimulem a pessoa a falar mais e não simplesmente responder com sim e comum não.

Ao detectar a origem dos motivos que levaram o cliente a agendar a consulta, é muito importante detectar as experiências do cliente em relação ao tema da consulta.

Exemplo:

Se o cliente aponta questões ligadas ao medo. Evitar perguntas como: Você tem medo de escuro? Ele só poderia responder com um sim ou um não.

Sugestão:

“Fale mais sobre os seus medos.”

Assim o cliente poderá discorrer melhor e o terapeuta Holístico pode ir anotando todas essas questões na Anamnese.

Linha do tempo referente aos principais motivos da consulta:

Analisar de forma cronológica e identificar as questões pessoais que podem ter influenciado em cada momento relatado: forma e frequência com que acontecem.

Bioinformação e os aspectos psicossociais:

A bioinformação são as informações relevantes a vida do cliente e identificar os aspectos psicossociais que estão ligados aos motivos apresentados. Informações como hábitos da pessoa, lugares que

Ivalter Silva jr.

frequenta, lazer, atividades significativas do dia a dia e como isso interfere nos aspectos psicossociais. Como as questões relatadas afetam nos hábitos diários: Baseado na bioinformação, de acordo o exemplo sobre o medo, identificar os locais que geram medo ou situações semelhantes e se esse medo relatado faz com que a pessoa deixe de fazer suas atividades. Relatar item por item. Considerações familiares e pessoais relevantes: Estimular a fala do cliente, para que este possa falar sobre a sua família e aspectos pessoais relevantes e interrelacionados. Eles irão ajudar na recomendação. Sobre o exemplo do medo, caso tenha iniciado na infância, identificar, se acontecia com outros familiares e como eles agiam em relação às situações.

Expectativa em relação aos resultados: É muito importante conversar sobre a expectativa de resultado em relação à recomendação terapêutica. Identificar se o cliente já fez o tipo de terapia proposta, por quanto tempo ele fez, como foram os resultados ou o que ele sabe a respeito e o que ele espera. Assim o terapeuta poderá ajudar explicando prazos e expectativas reais.

Ivalter Silva jr.

Conclusão:

Ao fazer a anamnese deve se levar em consideração o tipo de terapia holística utilizada, para que direcionar as perguntas específicas em relação à terapia ou terapias utilizada. A anamnese tem um escopo. Mas o escopo tem por base um viés técnico.

Ivalter Silva Jr. Terapeuta Holístico especialista em Gerontologia

@terapia.com.florais

A Naturopatia e os desafios profissionais para a próxima década. J O R G E N E I R A 11

Ao acessar o tratamento terapêutico, uma série de perguntas pode surgir. A pergunta inicial que se pode fazer é: Como posso ter acesso à terapia? do que realmente preciso? há alguém que possa me orientar? com qual tratamento devo começar? todos os tratamentos são adequados ao meu problema? Dentro do campo das terapias naturais, há infinitas possibilidades de explorar e experimentar. Além das estruturas, o papel do terapeuta holístico desempenha um papel tremendo na definição se o tratamento será totalmente eficaz ou não. É importante que a pessoa no papel de profissional, gere a confiança necessária para poder iniciar o "trabalho com o outro". Desta forma, o paciente que concorda com o tratamento terá certeza de que escolheu o caminho certo para iniciar o processo de autocura. Todos nós devemos ter as informações primordiais antes de iniciarmos uma viagem. Ainda mais se for um processo que envolve o restabelecimento do nosso equilíbrio perdido. A orientação de um profissional que me permite conhecer nossos excessos e nossas fraquezas. Ela se une ao nosso "impulso inicial" que dará a base para produzir o resultado esperado. Vivemos em tempos um tanto distorcidos. E há cada vez mais pessoas que querem se aprofundar em várias áreas, incluindo: saúde natural, vida saudável, paz mental e espiritual, mas principalmente para se sentirem "autorrealizadas" em sua vida pessoal.

JORGE NEIRA

É por isso que a orientação que cada um de nós pode obter para alcançar a realização em qualquer uma destas áreas é vital. E se de alguma forma a terapia trouxer benefícios a esta ou qualquer outra esfera de realização, então podemos dizer que fizemos a escolha certa. Aqueles que estão interessados em seguir em frente perceberão que o caminho é sempre infinito e interior. Levando em consideração que estamos constantemente nos modificando. É necessário refletir sobre a realização de propósitos, sonhos e metas individuais. Quando me sinto bem comigo mesmo, aqueles ao meu redor se beneficiam do meu bem-estar. Portanto, minha cura influencia minha família ou meu ambiente social. Desta forma, geramos a energia necessária para incentivar os outros a trabalharem sobre si mesmos. De uma forma ou de outra, terapeuta e paciente se reúnem em um reino que vai além de uma estrutura. Em uma dimensão que reforça nosso impulso inicial, nossa vontade, nosso desejo de crescer. Talvez seja necessário olhar para aquelas culturas que não estão tão distantes deste caminho, culturas que nos mostram pelo exemplo como é belo viver em harmonia com a natureza (muitas disciplinas terapêuticas nasceram da observação destas culturas). Torna-se necessário e um dever, recuperarmos o equilíbrio perdido.

Ultrapassarmos nossas próprias limitações e sermos capazes de nos maravilharmos novamente com todo o potencial que temos dentro de nós, sermos capazes de alcançarmos os frutos da realização e da alegria que são próprios do "ser" e do "sentir se bem". Saber orientar a vida no aqui e agora. É necessário voltar a "viver no agora, para estar presente". Tudo o que podemos chamar de problemas é resolvido no agora. Todas as mudanças acontecem no agora. Todo processo estará sempre no agora. A maior parte do tempo vivemos no futuro ou no passado, mas não no presente. Para isso, é necessário tomarmos consciência do momento presente e começarmos a aproveitá lo. Dar lhe vida e movimento. O escritor e terapeuta Barry Steven em seu livro: "Não empurre o rio porque ele corre por si só" escreveu esta grande obra e o fez no presente tempo. Este é um bom livro para se guardar, alguém me disse uma vez. Nele, ele detalha sua vida na companhia de índios Navajo e Hopi. Culturas como estas e muitas outras, nos lembram a natureza de nossa passagem neste amado planeta. Quem estiver verdadeiramente ligado ao momento presente nos lembrará que este é o único momento que realmente importa. Viver no agora não é muito fácil, há muito o que pensar. A tarefa é permitir que as coisas fluam. Tudo é efêmero, desvanece-se. Todas as formas são passageiras. A única coisa que permanece imutável é a mudança constante.

Sabendo como orientar na autoexploração. Com o tempo, tomamos consciência de todos os recursos e habilidades que possuímos, mas não temos tempo para explorar esta riqueza dentro de nós. É através das diferentes formas de autoconhecimento e constante lembrança de "quem somos" que podemos acessar esta dimensão mais sublime do Eu. Através do trabalho interior, estamos nos despojando das coisas que nos impedem de alcançarmos nossa liberdade e nosso desejo de nos realizarmos como pessoas e portanto, de sermos felizes. A felicidade não é algo que virá de fora. Temos que encontrá-la dentro de nós mesmos e para isso é necessário olhar para dentro e sentirmos e reconhecermos quais são aquelas áreas de ilusão que criamos para nós mesmos. Quer estejamos sozinhos em nosso caminho ou com outra pessoa, a busca da autoperfeição satisfaz a mesma necessidade. Sentir que estamos vivos e que possuímos um tremendo potencial capaz de iluminar o caminho daqueles que estão na sombra, é um reflexo da alma humana. Saber como orientar a expressão da criança interior. Durante muito tempo quisemos reviver aqueles momentos de infância em que estávamos constantemente felizes com o que tínhamos, sonhando em sermos adultos um dia, mas acabamos ficando "naquele adulto e mantendo aquela criança". A crise atual da qual fazemos parte, é estarmos justamente isolados do mundo exterior.

É precisamente pensando que “estamos aqui” e que o resto dos seres humanos “está ali”. Vamos caminhar novamente sentindo que não estamos sozinhos, que estamos acompanhados por pessoas que se juntam a nós para as experiências "de viver, de ser, de compartilhar". O desenvolvimento do potencial humano está ligado em grande parte ao grau de alegria com que se experimenta a vida, ao grau de compromisso que se tem de desfrutar em paz e alegria com a natureza e às dimensões presentes em cada um de nós. Há algo natural no indivíduo que o faz adaptar se a novas situações. Ela está ligada à sua capacidade de realizar suas ações quando ele não sabe mais o que fazer. Naquele momento, surge nele um movimento espontâneo que não foi pensado. Este movimento é muito valioso porque não nasce de nossa mente. Ele nasce de uma dimensão diferente de nós. Saber orientar a expressão da espontaneidade. Devemos tentar fortalecer nossa capacidade de desenvolver a espontaneidade. A capacidade de não pensar muito sobre o que devemos fazer. O raciocínio excessivo muitas vezes nos leva a ir contra o que nosso coração quer nos mostrar. A fim de melhorar nosso alinhamento com o momento atual e poder viver em nosso centro, é necessário desenvolvermos mais a nossa naturalidade diante das circunstâncias. Sermos como crianças novamente, mas com a experiência de um adulto.

Saber orientar a expressão das emoções. Expressar emoções é algo que temos perdido como sociedade. Talvez haja demasiadas críticas àqueles que amamos. Devemos substituir o discurso eterno por um simples: "Eu te amo", "Estou feliz por você estar aqui"; desta forma a vida se torna mais feliz para aqueles que nos rodeiam e para nós mesmos. Ron Kurtz mencionou que o desenvolvimento de um terapeuta envolve a integração do conhecimento e isso leva nada menos que três anos, passando depois para o estágio de metodologia, ou seja, o que vem primeiro e o que vem depois e, finalmente, o processo de contenção emocional. Para conseguir uma contenção emocional, o terapeuta deve ter conhecido e trabalhado seus medos, sua tristeza, sua raiva, seu riso e sua sexualidade.

Jorge Neira Naturopata Presidente da Associação de Naturopatas de Chile ANNCH

@naturopata jorge neira

A psicologia do olfato e o avanço da Aromaterapia no século XXI. J U L I A A S S U N Ç Ã O 12

JULIA ASSUNÇÃO

A psicologia do olfato é a relação sinérgica das nossas emoções quando detectamos um determinado odor ou cheiro e como reagimos a ela. Para ficar mais fácil, vou citar um exemplo. Catarina (nome fictício) perdeu a mãe e no enterro todos levaram rosas pois sabiam que ela gostava muito. Catarina hoje em dia, ao sentir cheiro de rosas, fica chorosa e triste o dia inteiro. Nossa percepção do odor começa quando as moléculas odoríferas são captadas pelo epitélio olfativo encaixando se como um puzzle nos receptores olfatórios. Isso feito, ocorre a transdução que se dá quando um estímulo químico (odor) se transforma num estímulo elétrico. Esse estímulo é, então, levado pelo nervo olfatório através dos neurônios olfativos para o bulbo olfatório, até finalmente chegar no SNC. Segundo o artigo científico Fung, T.K.H.; Lau, B.W.M.; Ngai, S.P.C.; Tsang, H.W.H. Therapeutic Effect and Mechanisms of Essential Oils in Mood Disorders: Interaction between the Nervous and Respiratory Systems. Int. J. Mol. Sci. 2021, 22, 4844, é no SNC que ocorrem as transformações das propriedades psicofarmacológicas dos óleos essenciais (OEs) como a indução do fator neurotrófico, a regulação do sistema endócrino e a promoção da neurogênese. As moléculas dos OEs interagem com os neurotransmissores cerebrais: serotonina, dopamina e GABA, elevando ou diminuindo suas concentrações no organismo.

ASSUNÇÃO

Note que esses hormônios são responsáveis pelas respostas emocionais de alegria, motivação e equilíbrio do nível de stress. No artigo científico, Zhang, N.; Zhang, L.; Feng, L.; Yao, L. The anxiolytic effect of essential oil of Cananga odorata exposure on mice and determination of its major active constituents. Phytomedicine 2016, 23, 1727 1734, consta que as substâncias: linalol, limoneno, benzoato de benzila e o álcool benzílico, encontrados na Lavanda angustifolia, Citrus sinensis, Citrus bergamia, Cananga odorata entre outros, possuem efeitos ansiolíticos e antidepressivos. O sistema límbico composto pelo hipocampo, hipotálamo, amídalas e eixo olfativo são estruturas que processam as emoções, regulação hormonal, memória e comportamento social. Sabendo disso, voltando ao caso de Catarina, o que marcou o dia do enterro de sua mãe foi justamente o cheiro intenso que estava sendo exalado pelas rosas. Hoje em dia, quando Catarina sente o cheiro de rosas, imediatamente os receptores olfativos são ativados por estas moléculas odoríferas. Na sequência, a mensagem chega ao sistema límbico que o remete finalmente ao SNC originando as respostas emocionais de Catarina. Por muito tempo o estudo sobre o sentido do olfato ficou prejudicado por faltar a tecnologia apropriada que hoje dispomos. No caso do sentido da visão, podemos medir as ondas solares e explicar porque enxergamos;

JULIA

JULIA ASSUNÇÃO

no sentido da audição, pelo comprimento de ondas sonoras. Porém, no caso do sentido do olfato como explicar um cheiro? Não pode ser por um método quantitativo como nos dois anteriores, pois não se tem nada para mensurá lo. Foi graças à Linda Buck e Richard Alex que ganharam o prêmio Nobel de Medicina em 2004 pelos seus estudos sobre os receptores olfativos e a organização do sistema olfativo nos seres humanos, que o assunto ganhou vida e gerou interesse novamente. Eles descobriram que temos muito mais do que apenas 400 receptores odoríferos, e que para cada odor temos um código diferente que encaixa exatamente nas moléculas odoríferas: os puzzles. Pois bem, o cheiro não pode ser quantificado por conta de sua volatilidade no tempo. Os seres humanos apenas são capazes de perceber moléculas de baixo peso e voláteis. Agora, estabelecemos a correlação da Aromaterapia com a psicologia do olfato. Como sabemos, a Aromaterapia lida justamente com aromas extraídos do reino vegetal. Essas moléculas aromáticas são voláteis, contendo elementos psicoativos que irão atuar justamente na região límbica responsável pelas emoções, comportamento social, memória e como respondemos a elas. Esta terapia utiliza os óleos essenciais e seus princípios ativos, para tratar de forma integral corpo e mente, bem como o desequilíbrio gerado pelo modo de vida e a história de cada um.

JULIA ASSUNÇÃO

Já vimos, que óleos essenciais são por excelência substancias muito complexas, compostas por vezes de mais de 200 substâncias. Apesar de não ser exatamente “óleo”, pois recebe este nome por sua característica lipofílica, tendo afinidade por gorduras. No seguinte estudo, Kasper S, Müller WE, Volz HP, Möller HJ, Koch E, Dienel A. Silexan in anxiety disorders: Clinical data and pharmacological background. World J Biol Psychiatry. 2018 Sep;19(6):412 420. doi: 10.1080/15622975.2017.1331046. Epub 2017 Jun 19. PMID: 28511598, relata que o Silexan, remédio que contém um preparado de 80mg de óleo essencial de Lavanda, foi melhor ou igual às substancias Lorazepam e Paroxetina, indicadas para tratamento da ansiedade generalizada e da depressão. Os efeitos colaterais desses remédios implicam em insônia, dependência química, tremores, algias corporais e desordens hormonais. Esses sintomas impedem que o paciente leve uma vida digna e cria uma desorganização em todo organismo trazendo consequências indesejáveis não só emocionais como físicas. Ao contrário, a utilização dos OEs não produz efeitos colaterais e promove dentre outros benefícios, o equilíbrio hormonal, bem estar, saúde e qualidade de vida ao paciente.

JULIA ASSUNÇÃO

Destarte, sabendo que essas substancias naturais têm o mesmo ou melhor efeito para resolução dessas desordens de cunho não só psicológico, podemos atuar de forma mais segura e eficaz sem os riscos dos efeitos colaterais. Assim, promovendo o bem estar e a homeostase do paciente. Com isso, melhorando sua qualidade de vida, amplia se a perspectiva de atuação e a confiabilidade nos métodos terapêuticos praticados pelos profissionais da área de saúde complementar.

Julia Assunção Naturopata

Membro da Comunidade Brasileira de Naturopatia

@juterapiasnaturais

VI Fórum Brasileiro de Naturopatia atualização

o n a

s s

r o

p
f i
i
l mundial learning @naturopatasdobrasil Comunidade Brasileira de Naturopatia e-book